http://www.fernandogoncalves.pro.br
LÚCIDAS INTRODUÇÕES

Vez em quando, como eu, gente que estimo amarga não dominar filosofia, tida e havida como uma disciplina de difícil compreensão em tempos colegiais. Eu concordo plenamente, contando as dificuldades que tive nos meus estudos colegiais, quando fui aluno de um padre católico boa praça, que indicava Curso de Filosofia, de Regis Jolivet (1891-1966), francês da corrente neotomista e decano da Faculdade de Filosofia da Universidade de Lyon. Um texto editado pela Agir, no Brasil, em 1961, que tinha quase 500 páginas e assustava os vestibulandos de Engenharia e áreas técnicas. Vestibular que me submeti, sendo reprovado, depois sendo classificado no Curso de Economia da Universidade Católica de Pernambuco, onde Filosofia faria imensa falta na minha formação.hff

Hoje, depois de muitas leituras e reflexões com gente que entende do assunto na hoje Fundação Joaquim Nabuco, os textos de Filosofia ficaram mais compreensíveis, mesmo após o Golpe Militar de 64, quando os ensinamentos filosóficos tornaram-se motivos de prisões e torturas. E mortes.

Recentemente, recomendei um livro que me agradou profundamente: Uma Breve História da Filosofia, de Nigel Warburton, L&PM, 2012. Um texto acessível, engraçado e informativo, inestimável para homens e mulheres que gostariam de saber mais sobre o assunto, proporcionando um caminho para uma mente mais aberta. Um manual da existência humana, onde a filosofia é apresentada, a partir de breves biografias, em forma de história das ideias, não mais como um elenco de conceitos atemporais.

Diz a orelha do livro: “Uma breve história da filosofia apresenta os grandes expoentes do pensamento ocidental e explora suas principais ideias sobre o mundo e sobre a melhor maneira de viver nele”. … “A leitura flui graças à maneira divertida que Warburton encontrou para encadear os capítulos: no final de cada texto, ele faz um link com o filósofo que vem a seguir”.

Uma segunda leitura que indico com entusiasmo para estudantes de nível médio e aqueles que necessitam se enfronhar mais nos pensares antigos e atuais: Saber-fazer filosofia, editora Ideias & Letras, São Paulo. São três pequenos volumes:

1. Da Antiguidade à Idade Média, de Carlos Diógenes Tourinho;

2. O Pensamento Moderno, de Giovanni Semeraro;

3. Pensadores Contemporâneos, de Martha D’Angelo.

Todos os três autores são brasileiros, Mestres e Doutores, docentes de filosofia na Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense. Que resolveram editar três volumes, de quase mesmo número de páginas e com uma bibliografia básica essencial, ensinando como conhecer a filosofia, mas principalmente como fazer filosofia, “tendo a audácia de usar a própria inteligência com liberdade e autonomia”. E com o cuidado de não reproduzir ideias, mas de abrir veredas que conduzam a um pensar criativo e libertador. Livros cidadanizadores, úteis às vésperas de novos tempos brasileiros, de pibinhos minhocais.

(Publicada originalmente no Jornal do Commercio de 20/Dez)

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 FULEIRAGEM

MIGUEL – JORNAL DO COMMERCIO

migueljc

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 A HORA DA POESIA

A ÁRVORE DA SERRA – Augusto dos Anjos

” – As árvores, meu filho, não têm alma!
E esta árvore me serve de empecilho…
É preciso cortá-la, pois, meu filho,
Para que eu tenha uma velhice calma!

- Meu pai, por que sua ira não se acalma?!
Não vê que em tudo existe o mesmo brilho?!
Deus pôs alma nos cedros… no junquilho…
Esta árvore, meu pai, possui minha`alma!…

- Disse – e ajoelhou-se, numa rogativa:
“Não mate a árvore, pai, para que eu viva!”
E quando a árvore, olhando a pátria serra,

Caiu aos golpes do machado bronco,
O moço triste se abraçou com o tronco
E nunca mais se levantou da terra!

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 FULEIRAGEM

RENATO – A CIDADE (RIBEIRÃO PRETO)

renato

Compartilhe Compartilhe
INJUSTA TRIBUTAÇÃO

O brasileiro tem razão de reclamar, espernear contra a absurda cobrança de impostos. Mostrar insatisfação. Para sobreviver, o brasileiro paga muito imposto, tem uma das mais pesadas cargas tributárias do mundo, o maior do grupo dos BRICS-Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, no entanto, desfruta de um dos piores quadros de bem-estar social do planeta. Não há a devida reciprocidade. Embora o povo viva reclamando, não encontra a contrapartida em setor nenhum. Muito pelo contrário, até no consumo, o bolso do brasileiro é penalizado, principalmente o da classe de menor renda.

Cidadão algum tem bom relacionamento com o extenso quadro de impostos. Afinal, para o lado que o brasileiro se virar, topa com a ação nefasta de 63 impostos de diferentes características. Dilacerando o orçamento familiar. Criticam os empresários pela redução dos lucros e a dificuldade de investir na empresa, visando melhorar a produção. Com razão, também se queixam os consumidores contra a exagerada cobrança de impostos, diante da péssima qualidade de serviços que recebem dos governantes nas áreas de saúde, educação, segurança e, sobretudo em infraestrutura.

É injusto um país pobre, como o Brasil, detentor de pequeno PIB anão, cobrar tanto imposto da população, no mesmo nível de países super desenvolvidos como os Estados Unidos, considerado a maior economia do mundo, cujo PIB em 2013 registrou 17,102 trilhões de dólares. No ano passado, a carga tributária brasileira marcou 35,95% do PIB-Produto Interno Bruto que registrou apenas R$ 4,844 trilhões para uma arrecadação de R$ 1,741 trilhão. A maior taxa em 10 anos. Sobrando para a União a maior fatia, mais da metade, e para os estados e municípios os menores pedaços.

Como o recolhimento de impostos, sempre crescente desde 2004, é mal direcionado, acaba dimensionando a desigualdade social. O peso maior recai sobre o consumo, enquanto alivia a cobrança em cima da renda e do patrimônio. Sobrecarregando o pobre, na medida em que beneficia o contribuinte de maior posse. Estimulando, sobremaneira a sonegação fiscal, o crescimento da informalidade e a inflação, através da carestia no preço dos produtos.

Além de prejudicar uma competitividade sadia na economia, a pesadona carga tributária também atrapalha o mercado de trabalho, sendo obrigado a gerar menos empregos. As distorções que o sistema tributário causa ao país são estrondosas. Juntando, então, a injusta política tributária, a alta tributação, concentrada apenas na arrecadação, com a excessiva burocracia reinante no pedaço, sobra para o custo Brasil que aumenta, estoura em todos os limites.

Enquanto isso, apesar de bastante cobrada, cadê a reforma tributária. Cadê a simplificação da legislação de impostos. Sempre adiada por motivos óbvios. Para cobrir a gastança egoística dos governos, sempre vítimas das más gestões. Que nunca equilibram as despesas públicas com as receitas e nem cortam as despesas inúteis, de modo a fomentar o desenvolvimento. Jamais se preocupam em reestruturar a máquina administrativa. Procurando reduzir a quantidade de ministérios, secretarias, de agências reguladoras e programas sociais, geralmente voltados para a politicagem. Os políticos nunca falam em enxugar as Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores, geralmente apinhadas de vagas para favorecer os apadrinhados.

Andando na contramão dos países desenvolvidos que trabalham no sentido de enfraquecer a pressão da carga tributária das atividades produtivas, o Brasil tem um longo caminho a percorrer. O primeiro passo é modernizar a legislação. Complexa e distorciva, a legislação precisa de atualização, sem, no entanto, conter repetidas alterações nas regras. Outra atitude sensata seria neutralizar os efeitos dos desvios do dinheiro público. Punindo severamente os autores dos delitos. Sem sacrificar ainda mais o consumidor, o contribuinte, o povo que sofre com a carestia desenfreada.

Como o legislativo é o único poder constituído do país que tem a incumbência de criar, cancelar ou majorar tributos, a culpa pela altíssima carga tributária em vigor no Brasil é dos parlamentares. Permanentemente omissos na adoção de providências, os deputados não se ligam na urgente necessidade de aprovar a reforma tributária.

Por ser desinteressante para os políticos profissionais que se prevalecem da desatualização das regras tributárias, da precária geração de riquezas e da má distribuição de renda, ao contrário da sociedade que costuma pagar duas vezes para ter educação privada, plano de saúde caro, segurança particular e estradas cobrando altos pedágios, os deputados não enxergam os belos exemplos de países como Alemanha, França, Austrália e Holanda que, embora cobrem altos impostos, são eficientíssimos no retorno de serviços públicos. Do 1 trilhão de reais arrecadados em 2010, no Brasil, a considerável parcela esvaiu-se pelos ralos. Desapareceu, antes de a população perceber os crimes cometidos. Tomar conhecimentos dos escândalos financeiros. Que agora são públicos e notórios.

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 FULEIRAGEM

PATER – A TRIBUNA

pater

Compartilhe Compartilhe
TU QUE ME DESTE O TEU CUIDADO

Para encher de posia este sábado bonito, Clara Nunes cantando o poema de Manuel Bandeira, Tu que me deste o teu cuidado, que foi musicado por Capiba.

Dois pernambucanos cheios de talento, sendo interpretados pela voz de uma linda e saudosa mineira.

Tu que me deste o teu carinho
E que me deste o teu cuidado,
Acolhe ao peito, como o ninho
Acolhe ao pássaro cansado,
O meu desejo incontentado.

Há longos anos ele arqueja
Em aflitiva escuridão.
Sê compassiva e benfazeja.
Dá-lhe o melhor que ele deseja:
Teu grave e meigo coração.

Sê compassiva. Se algum dia
Te vier do pobre agravo e mágoa,
Atende à sua dor sombria:
Perdoa o mal que desvaria
E traz os olhos rasos de água.

Não te retires ofendida.
Pensa que nesse grito vem
O mal de toda a minha vida:
Ternura inquieta e malferida
Que, antes, não dei a ninguém.

E foi melhor nunca ter dado:
Em te pungido algum espinho,
Cinge-a ao teu seio angustiado.
E sentirás o meu carinho.
E sentirás o meu cuidado.

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 FULEIRAGEM

PELICANO – TRIBUNA SP

pelicano

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 DEU NO JORNAL

O NATAL NO INFERNO DA PETROBRAS

ruy fabiano

O deputado Marco Maia (PT-RS), relator da CPMI da Petrobras, dormiu na quarta-feira convicto de que não havia ninguém para indiciar pelos desmandos na empresa. Acordou, porém, na quinta-feira, convicto do contrário.

O relatório da véspera não acusava ninguém. O do dia seguinte indiciava nada menos que 52 pessoas, incluindo a presidente da República, Dilma Roussef, e a presidente da estatal, Graça Foster. Nada menos. Estranho esquecimento.

Mas a súbita lembrança de Maia coincide com os rumores de que ele próprio estaria citado nas delações de Paulo Roberto Costa, em mãos do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal.

Nessa hipótese, Maia estaria tentando diluir o rumor e lançar ao ventilador nomes de peso que tornassem o seu mais secundário ainda do que já é. A esperança, dizem, é a última que morre – mas morre também. E é improvável que a de Maia seja exceção.

O escândalo da Petrobras, que o The New York Times considera o maior de que se tem notícia na história contemporânea, tornou-se um jogo de manobras, não para ocultá-lo – o que já não é mais possível -, mas para salvar a pele dos mais graduados.

Na mesma quinta-feira, Lula, ao discursar em uma solenidade, no Ministério da Justiça, em homenagem aos dez anos da reforma do Judiciário e da criação do Conselho Nacional de Justiça haja ironia… -, ensaiou uma fala indignada contra os escândalos da Petrobras. Como se trata de tema delicado, não improvisou, como de hábito: leu um discurso, escrito por sua assessoria, em que procurava terceirizar a responsabilidade pela rapina e se apropriar do mérito das investigações.

Não lhe faltou cara de pau. Disse, num dos trechos:

“Neste momento em que se realizam investigações capazes de conduzir ao expurgo de práticas ilícitas de corruptos e corruptores, há setores que se lançam à manipulação da denúncia e ao vazamento seletivo de inquéritos com indisfarçável objetivo político-partidário”.

E explicitou quais setores estariam cometendo essa injustiça contra “pessoas e instituições investigadas”, que, nesses termos, estariam sendo “alvo de prejulgamento público sem acesso proporcional ao direito de defesa”: “setores partidários e da imprensa” (claro!), que, segundo ele, “fazem tábula rasa de sagrados princípios do Estado de Direito”.

Ora, se um único gerente, assessor de um diretor – exatamente o que foi nomeado a pedido do PT, Renato Duque – promete devolver 100 milhões de dólares de sua conta pessoal, confessadamente surrupiados da estatal, como chamar a isso de “pré-julgamento”? Considere-se, ainda, que o superior desse gerente era alguém, no esquema, de nível médio. E os de cima?Lula-Dilma-Paulo-Roberto-Costa

E-mails, já tornados públicos, de Paulo Roberto Costa para a então ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, avisando que algumas obras – já então denunciadas como superfaturadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) – iriam dar problemas, e outros, da funcionária Venina Velosa da Fonseca, de idêntico teor, à então diretora e hoje presidente da estatal, Graça Foster, e ao diretor de Abastecimento, Paulo Roberto Costa, já seriam suficientes para uma mudança em regra na diretoria daquela empresa.

No entanto, só agora começa-se a cogitar da saída de Foster – não pelas suspeitas de que é portadora, mas pela constatação de que as ações da Petrobras estão derretendo e o mercado exige as mudanças. Providência, pois, de ordem técnica, não moral.

Nem Lula, que presidia República; nem Dilma, que presidia o Conselho de Administração da Petrobras, chefiara o Ministério de Minas e Energia (ao qual a estatal é subordinada), tornou-se ministra da Casa Civil e, na sequência, presidente da República; nem José Sérgio Gabrielli (que presidia a estatal quando a rapina começou), se sentem responsáveis pelo que lá ocorreu.

Não encontraram ainda um bode expiatório. Dilma até tentou, na campanha eleitoral, implicar um defunto: o ex-presidente do PSDB, Sérgio Guerra, que teria sido denunciado por Paulo Roberto Costa na delação premiada, informação desmentida pelo advogado do delator. A acusação não faz sentido (qual o interesse do esquema petista em subornar um tucano, que nenhum serviço lhe poderia prestar?), mas, ainda que fizesse (e não custa investigar), não anula as evidências já constatadas.

Talvez em função desse conjunto de manobras diversionistas, Marco Maia tenha achado que, afinal, o melhor era mesmo aderir e não imputar ninguém. Seu relatório inicial está em perfeita sintonia com o discurso que Lula leu – e a ninguém convenceu. O PT, pelo visto, não terá nada a celebrar nas festas de fim de ano.

Feliz Natal!

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA

OPI-002.eps

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

PEDRO MALTA – RIO DE JANEIRO-RJ

Santidade

Conheça o elevadíssimo nível do programa “SEM VERGONHA”, da TV Guará, de São Luis/MA

R. Meu ilustre Cardeal, gostei demais deste programa contido no vídeo que você nos mandou. Gostei mesmo.

Este programa tem um nível bem mais elevado do que certas nojeiras que vejo na televisão brasileira.

Nojeiras que vão desde as entrevistas de Lula e os pronunciamentos de Dilma, passando pelo noticiário sobre o Petrolão, até chegar nos programas policiais de final de tarde na Band e na Record.

Já tentou ouvir uma entrevista, do começo ao fim, do senador petralha Humberto Costa, o conhecido Pato Rouco? Francamente, é de baixíssimo nível.  São imorais tanto a voz dele quanto o conteúdo de suas falas.

Já estou fazendo contato com a apresentadora do programa Sem Vergonha, Monica Moreira Lima, convidando-a pra assinar uma coluna no JBF com os vídeos do seu programa.

Gostei muito foi de uma expressão que ele usou: “surra de priquito“.

Uma expressão autenticamente fubânica!

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 FULEIRAGEM

KACIO – CORREIO BRAZILIENSE

AUTO_kacio

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 DEU NO JORNAL

ALGUNS SINAIS DA EXISTÊNCIA DO MUNDO

FERNANDO GABEIRA

sinais-

O mundo e o Brasil mudaram com a globalização. Tanto discutimos isso, todavia não prevíamos como as mudanças no mundo iriam influenciar a trajetória da corrupção no Brasil.

Tratados internacionais novas leis domésticas, o panorama mudou.

De duas empresas europeias, Siemens e SBM, vieram dados sobre a corrupção na venda de trens e plataformas marinhas; de uma empresa americana, Dallas Airmotive, dados sobre a corrupção de oficiais da FAB e do governo de Roraima. A Suíça recebeu procuradores brasileiros que rastreiam parte da grana do petrolão. Colabora muito mais do que antes, nos tempos em que se fechava em copas para tranquilizar as grandes fortunas estrangeiras. Nos EUA investigam-se a Petrobrás e a compra de Pasadena, que não passa e não passará incólume às lentes americanas.

O Brasil mudou. Ampliaram-se as ferramentas de investigação, e-mails são recuperados, câmeras estão por toda parte, ampliou-se a troca de informações com o mundo, tudo isso é um sinal de que a corrupção endêmica no País não é eterna, como pensam alguns. O universo petista parece ignorar essas mudanças: embora sempre afirme que as investigações cresceram com o governo, o que cresceu foi a autonomia da Polícia Federal, muitas vezes esquecida.

Lembro-me de uma demonstração de policiais federais em Brasília. Estavam nas ruas porque queriam produzir mais e havia uma queda nas investigações. Isso foi no fim de 2013.

Uma prova de que o PT não compreendeu essas mudanças foi o relatório do deputado Marco Maia afirmando que Pasadena foi um bom negócio.

“Vocês querem bacalhau?”, perguntava o Chacrinha. Tome macarrão, responde o governo, instituindo o Dia do Macarrão.

Como é possível afirmar que Pasadena foi um bom negócio? Ainda mais num momento em que a Operação Lavo Jato rastreia propinas recebidas por intermediários brasileiros. Diante dessas evidências, só restaria aos defensores da compra de Pasadena, que nos deu um prejuízo de cerca de US$ 700 milhões, afirmar: foi um negócio tão bom que até nossos corruptos ganharam algum dinheiro.

Não há o que argumentar diante de tanto cinismo. O governo arruinou a Petrobras, reduzindo em R$ 600 bilhões o seu valor, de 2008 até agora.

Vi pátios de equipamentos ociosos no Sul e leio agora que unidade de nafta, de R$ 32 milhões, será perdida no Rio. É superfaturada e antieconômica.

Quando é que Dilma vai sentar à mesa e dar o balanço desse vendaval? Revelações de uma alta funcionária mostram que o esquema de corrupção era antigo e os diretores foram dele informados. O governo pretende atravessar essa tormenta com o mesmo time que permitiu o processo de saque na Petrobrás. E diante de uma conjuntura internacional com baixos preços do óleo, o que reduz a competitividade do pré-sal.

Apesar da dimensão gigantesca do escândalo na Petrobras, o que vazou até agora indica irregularidades em vários campos: dos fundos de pensão às hidrelétricas, de aeroportos ao BNDES. O contexto é de crise econômica, mas esses fatores morais não se limitam à política. A própria credibilidade internacional do Brasil está em jogo. O que devem pensar os americanos diante de um deputado que disse que Pasadena foi um bom negócio? O próprio barão belga que nos vendeu a refinaria deve ter reagido com uma gargalhada.

O governo conta historinhas aqui e ignora o mundo. Pena que a oposição também ignore. Numa articulação com parlamentares europeus e americanos poderia saber mais, perguntar mais.

O esquecimento do mundo é daqueles fatores que entristecem no Brasil de hoje. Dilma aniquilou a diplomacia presidencial e parece querer aniquilar a própria diplomacia, subestimando um núcleo de profissionais competentes.

Talvez nosso papel não seja tão importante como se supôs. Entre superestimar o próprio papel e simplesmente sair de cena há uma diferença, que não tem peso eleitoral, mas vai produzir suas consequências.

Não importa que governo e oposição ignorem o mundo. Ele sempre nos vai chegar, sobretudo nesse movimento que força as grandes empresas a se reconciliarem com a lei e a sociedade. Os dados vêm de fora, brotam aqui dentro, nada mais vai deter o processo de transparência que a própria tecnologia potencializa.

O PT e seus aliados deveriam ler Fim de Jogo, de Samuel Beckett, no trecho em que o personagem diz: “Acabou, Clov, acabamos”. Não é possível assaltar as estatais para financiar campanhas e enriquecer. Um ramo sofisticado caiu por terra na Petrobrás. Outros cairão.SCP

Não sei o que virá adiante. Suspeito que criem o dia da maionese. Lula elaborou a palavra de ordem ao PT: cabeça erguida. Melhor seria bunda na parede. Não vão soterrar esse turbilhão de dados com historinhas como a de Marco Maia e sua CPI. Se depois de arruinar a Petrobrás o PT escolheu a cabeça erguida, confirma um pouco minhas suspeitas: depois dos punhos erguidos no mensalão, cabeça erguida no petrolão.

Quanta autoestima! Enrolam-se na Bandeira do Brasil, arrasam a maior empresa pública, comprometem a credibilidade internacional e acham que está tudo bem, exceto para uma elite mal-humorada e articulistas de direita.

O governo vive um bloqueio do tamanho do petrolão. Não tem outro caminho futuro exceto explicar suas responsabilidades. Até o momento, está dando velhas respostas para novas perguntas.

Com o braço numa tipoia azul, Marco Maia parecia vir de um combate físico com as próprias evidências da corrupção. Pasadena foi um bom negócio, parecia dizer, sofremos algumas escoriações, mas está tudo bem. Boa imagem de fim de ano para quem acredita em Papai Noel. Ou para quem desconfia que os combatentes estão chegando à exaustão ante os fatos.

P.S.: Este artigo estava pronto quando Marco Maia voltou atrás sobre Pasadena.

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 FULEIRAGEM

PAIXÃO – GAZETA DO POVO

paixao

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 DEU NO JORNAL

A LISTA PODE AJUDAR O MONTAR O MINISTÉRIO PETRALHA

A presidente Dilma Rousseff decidiu reavaliar os nomes que irão compor o ministério do segundo mandato, após tomar conhecimento da lista de 28 políticos citados pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa como beneficiários do esquema de corrupção na estatal.

Antes cotado para o primeiro escalão do governo, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), deve ser a primeira vítima dos cortes de Dilma.

lm

* * *

Pois eu acho mesmo que Dilma deve se basear nesta lista dos corruptos propinados, divulgada ontem, pra se orientar quanto aos nomes que irão compor seu ministério.

Só que, penso eu, ao invés de não nomear pra sua equipe os guabirus citados, ela deveria fazer exatamente o contrário: escolher seus auxiliares dentre os nomes que estão na lista dos roedores do dinheiro público.

Pra um partido feito o PT, cujo proprietário vive repetindo que o “mensalão não existiu” e que “não sabia de nada“, seria medida de grande coerência a prisid-Anta nomear os corruptos, mantendo, assim, o projeto de consolidação e ampliação do Socialismo Muderno.

E vamos curtir o nosso sábado com música.

Um excelente final de semana pra todos vocês!

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 FULEIRAGEM

MARIANO – CHARGE ONLINE

mariano

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 COMENTÁRIOS SELECIONADOS

PELOS DIREITOS DOS MANOS

Comentário sobre a postagem UM FRANGO SOLTANDO PENAS PRA TODO LADO

Airton:

“Na manhã de ontem, dois bandidos renderam um senhor de mais de 70 anos que saía para levar a filha a faculdade. Os bandidos entraram na casa, a esposa viu e se escondeu num ambiente da casa, o idoso levou coronhadas na cabeça e foi ameaçado.

A filha que estava no carro, mas deitada no banco não foi vista pelos bandidos e chamou a PM.

Depois de hora e meia de negociação os dois bandidos se renderam. O idoso fingiu estar desmaiado, e os bandidos acabaram saindo primeiro e colocando a arma sobre o teto de uma viatura da PM.

O idoso se aproveitou e pegou a arma e ameaçou atirar nos bandidos (que “valentemente” começaram a fugir se arrastando e correndo.

Nada aconteceu porque o idoso foi contido pelos soldados, mas a manchete foi:

Resgate quase acaba em tragédia

Qual seria a tragédia se o idoso tivesse matado os dois?”

AUTO_zop

Juiz zisquerdista muderninho militante dos direitos dos manos

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 FULEIRAGEM

MIGUEL – JORNAL DO COMMERCIO

migueljc

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 A COLUNA DE RAPHAEL CURVO


PAPAI NOEL, O ANTICRISTO

Mais um Natal na vida dos brasileiros e como sempre muitos fazendo loucura induzidos que são pelos anúncios que martelam suas mentes todos os dias com a palavra mágica da felicidade, assim entendida, “comprem”. Hoje a grande data da união familiar está regida pelos pacotes dos presentes da manhã de 25 de dezembro, não mais em torno daquele evento espiritual e religioso que marca o dia do nascimento do filho de DEUS. Todos os detalhes são lembrados, desde o prato a ser servido, as bebidas, a beleza dos talheres, os enfeites enfim, até mesmo grife da roupa para a data. É raro ver uma Bíblia com as palavras do aniversariante à mesa. Pouco ou quase nada se fala DELE e de seu nascimento. Não há, no geral, qualquer imagem sua presente na sala tomada de Papais Noel (natal) com sua vestimenta vermelha e o saco cheio, símbolo posto como fartura e riqueza.

Com sua imagem e força da publicidade, Papai Noel implanta seu sistema 666 de consumo e aos poucos vai, de forma inteligente e com sua capacidade e habilidade de convencer, desfigurando o dia 25 de dezembro como data de comemoração cristã, e o transformando em data de programa mundial de consumo. No comércio já está estabelecido o antes e o depois do Natal, ou seja, a maior celebração consumista do planeta que gera efeitos por longo período com as remarcações, para baixo, no mês de janeiro. Esta ação comercial já retirou da maioria da população, outras voltadas às festividades do nascimento de JESUS CRISTO tais como aquela em que se referencia o seu nascimento, a Missa do Galo. Em grande parte das localidades já não são mais celebradas e tampouco frequentadas, nem mesmo com audiência na televisão em sua transmissão.

Nos tempos atuais, raras são as famílias que transmitem aos seus filhos a história da data de 25 de dezembro. Estas crianças, aos poucos vão sendo abduzidas pela mensagem única de Papai Noel. O espírito cristão esta sendo substituído pelo espírito consumista. Neste período natalino a propaganda é agressiva e não deixa espaço para outro pensar que não o de consumir, de comprar. Ignorar, como muitos estudiosos, a existência de JESUS é algo abominável, mais ainda é querer pela força material, destruir com sua mensagem de vida dada pelo PAI ao ser humano com a capacidade de pensar, de inteligência.

Este pensar voltado ao consumo em quase todas as datas comemorativas em nossas vidas está diretamente ligado a um processo germinativo que o Estado econômico vem, ao longo dos anos, conduzindo sua atividade totalmente desvinculada de qualquer ligação religiosa, até mesmo as mais simples, o que não ocorria em tempos passados. É um processo que se baseia no laicismo, mas que desfigura a existência humana que na sua essência e natureza, é religiosa. Não há como desfigurar o ser governante, e por consequência o Estado, de ações sem vínculos com sua formação humana, política e social. Elas são formadas por princípios na religiosidade embutidas na construção de sua personalidade. O Estado não deve receber intervenção religiosa na sua forma de agir, mas não pode pregar e atuar com distanciamento da religião em sua existência. Isto não reflete em interferências de correntes religiosas.

Quando refiro ao consumo, ele está ligado a todas as formas de obtenção de ganhos que o mercado produtivo oferta e por estímulos do marketing se agregam a qualquer acontecimento da vida no seu dia a dia. O Papai Noel se apoderou da data de nascimento do Senhor JESUS CRISTO, assim como o coelho da Páscoa no período de sua morte e renascimento. Entram nesse quadro de abduzidos pelo mercado, Santo Antonio, São Pedro, São João, São Benedito e por aí vai, mas o Papai Noel se tornou o maior anticristo. Você vai se lembrar DELE no dia 25 de dezembro?

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 FULEIRAGEM

MYRRIA – A CRÍTICA

AUTO_myrria

Compartilhe Compartilhe
MEU RECADO NATALINO

Logo que chega dezembro
Em praças, ruas e esquinas,
Veem-se as luzes natalinas,
E tanto brilho faz jus;
Pois é o prenuncio da festa,
O grande acontecimento
Celebrando o nascimento,
Do glorioso Jesus.

Esse clima alegre induz
O poeta a versejar,
Para assim comemorar
Com poesia e encanto,
Desejando boas vindas,
E a paz tão almejada,
Ao aguardar a chegada
Daquele menino santo.

Necessita, no entanto,
Que haja fraternidade,
Pra que a felicidade
Adentre no coração;
E o espírito natalino,
Ali se faça presente,
Dando a mão ao indigente
E ajudando a cada irmão.

Na mais pomposa mansão
Ou na humilde palhoça,
Na cidade, aldeia ou roça,
Que aquele santo menino;
Possa fazer a visita
Para levar a esperança,
Ao idoso e a criança,
E ao que está em desatino.

E que Jesus pequenino
Chegue feliz e sorrindo,
E o seu nascimento lindo,
Possa trazer um renovo;
Bem dotando o ser humano
Para manter-se de pé;
Que a garra, e a força da fé,
Jamais falte em nosso povo.

E que venha o ano novo
Recheado de bondade;
Quero que a humanidade
Esteja mais consciente;
Na hora de dividir
Um pouco do que lhe sobra,
Que faça essa boa obra,
Ajudando ao mais carente.

Ao que estiver doente
Dê uma dose de carinho,
Aliviando um pouquinho
As dores da enfermidade;
E aquele que por acaso
Perdeu um ente querido
E está muito combalido,
Amenize essa saudade.

Com toda sinceridade
Desejo paz e harmonia
Saúde, amor e alegria,
E que esteja em alto astral;
Pra que goze da fartura
Com a mesa farta e repleta;
É o que anseia o poeta,
Pra todos, nesse natal.

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JBF

ttm

Compartilhe Compartilhe

20 dezembro 2014 DEU NO JORNAL

A PENÚLTIMA: PACTO CONTRA A CORRUPÇÃO!

Josias de Souza

Dilma Rousseff está muito preocupada com a corrupção. Isso ficou nítido na cerimônia em que ela recebeu no TSE o diploma de presidente reeleita. Num discurso de 16 minutos e 17 segundos, a presidente citou a ‘Petrobras’ oito vezes. Pronunciou a palavra ‘corrupção’ seis vezes. Isso sem contar uma menção a ‘irregularidades’ e outra a ‘malfeitos’. A lama prevaleceu com folgas sobre a ‘inflação’, lembrada pela oradora uma mísera vez. Pouca gente reparou. Mas foi um discurso histórico.

Doze anos depois da chegada do PT ao poder federal, Dilma estufou o peito como uma segunda barriga e bradou: “Chegou a hora de firmarmos um grande pacto nacional contra a corrupção, envolvendo todos os setores da sociedade e todas as esferas de governo. Esse pacto vai desaguar na grande reforma política que o Brasil precisa promover a partir do próximo ano.”

Dilma avisou que “a guerra contra a corrupção” não será fácil. Não, não. Absolutamente. “A corrupção, como outros pecados, está entranhada na alma humana”, disse ela. Exige “permanente vigilância”. Prepare-se, a presidente conta com a sua ajuda. A tarefa não é de responsabilidade apenas das instituições ou do governo, alertou Dilma. A missão é de “toda a sociedade.”

Dilma deixou claro que os brasileiros podem contar com ela: “O que mais quero oferecer ao meu país é a luta renovada…” Reiterou seu “compromisso com a ética”, potencializado pelo seu “exemplo de integridade e de honestidade pessoal.” Daí a sua inabalável “determinação de apurar e punir todo tipo de irregularidades e malfeitos.”

Abre parênteses: em matéria de honradez, Dilma trava com seu antecessor uma renhida disputa. Difícil saber qual dos dois é mais íntegro. Na semana passada, discursando para militantes petistas, Lula havia se comparado aos antagonistas tucanos: “Eu vou contar uma coisa pra vocês”, declarou. “Não sou melhor do que ninguém. Mas se enfiar todos eles, um dentro do outro, eles não são mais honestos do que eu. Não são!” Fecha parênteses.sr1

Antes que alguém tente desmerecer o pacto proposto por Dilma, é bom que se diga: a exemplo de Lula, ela sempre defendeu o combate à corrupção. O que atrapalha a dupla é que suas frases não conseguiram passar do estágio da retórica para a prática. Acontece o mesmo com a reforma política. Todo mundo apoia, desde que as mudanças não eliminem as mumunhas nem desmontem os esquemas.

No gogó, o governo brasileiro é o mais bem-intencionado do mundo. A transição da saliva para o fato é que faz desandar a receita. A pirataria na Petrobras apenas potencializou pantomima, aproximando o Brasil do escárnio. Não é culpa do PT e dos seus aliados, esclareceu Dilma: a corrupção “não é defeito ou vício, como querem alguns, exclusivo de um ou outro partido.”

Dilma já não culpa o PSDB. Tampouco menciona o legado tóxico de FHC. Ela agora insinua que o verdadeiro culpado é o colonizador português: “Estamos purgando, hoje, males que carregamos há séculos. Assim como a mancha cruel da escravidão ainda deixa traços profundos na desigualdade social, o sistema patrimonialista de poder, que atravessou séculos e séculos da nossa história nos deixa uma herança nefasta, cujo traço mais marcante é, ainda, a não dissolução plena dos laços nocivos entre o que é público e o que é privado.”

Dilma avisou que vai “convidar todos os Poderes da República e todas as forças vivas da sociedade para elaborarmos, juntos, uma série de medidas e compromissos duradouros.” Mas a presidente pede a você que não espere muito da iniciativa dela: “não é um conjunto de novas leis que irá resolver, por si só, este grave problema. É preciso uma nova consciência, uma nova cultura fundada em valores éticos profundos.”

É preciso que você faça a sua parte, alertou Dilma. A “nova consciência” ética não vai jorrar de uma jazida do pré-sal. Ela terá de “nascer dentro de cada lar, dentro de cada escola, dentro da alma de cada cidadão e ir ganhando, de forma absoluta, a esfera pública, as instituições – e todos os núcleos de decisões, tanto no âmbito público como no âmbito privado.”

A redenção não virá do dia para a noite. A presidente fez as contas. “Temos que criar uma nova consciência de moralidade pública e imbuir deste espírito as atuais e as próximas gerações. Sei que esse é um trabalho de mais de uma geração.” Quer dizer: se Dilma não estiver enganada, dentro de 30 ou 40 anos o Brasil será um país de mostruário. “Quero ser a presidenta que ajudou a tornar este processo irreversível”, prontificou-se a reeleita.

Durante a campanha eleitoral, Lula levou a cara à propaganda da televisão para declarar que o segundo mandato de Dilma será muito melhor do que o primeiro. Para que o segundo reinado fique ainda mais perfeito, será necessário providenciar um vilão. Mas tem que ser um vilão inquestionável, desses que a maldade está na cara.

Um vilão assim exibiria um riso cínico no canto da boca antes de, por exemplo, entregar diretorias da Petrobras ao Paulo Roberto Costa, ao Renato Duque, ao Nestor Cerveró e aos seus padrinhos políticos do PP, do PT e do PMDB. Um vilão genuíno entregaria o comando da Transpetro ao Sérgio Machado, homem do Renan Calheiros, sem deixar dúvidas sobre a indecência do seu ato.

A exemplo do que sucedera na gestão Lula, o que atrapalha o governo de Dilma é o excesso de qualidades dos gestores públicos e dos seus apoiadores. São um bando de patriotas simpáticos, fazendo vilanias com as melhores das intenções. Frequentam um mundo no qual não existe diferença entre aplicar o orçamento público em benefício da sociedade ou mandar a verba para uma conta numerada na Suíça.

Ao atribuir toda a amoralidade governamental à herança ibérica, Dilma açula a imaginação dos brasileiros. Ah, como seria diferente o Brasil se naquele 22 de abril os portugueses tivessem sido escorraçados de nossas praias. Uma nação habitada apenas por índios teria vantagens e desvantagens. Para começar, você e sua carga genética europeia ou africana não existiriam. Em compensação, também não existiriam os renans, os sarneys e outras greis. E ninguém seria obrigado a conviver com o cinismo. Ou com propostas de pacto anticorrupção. Que às vezes são a mesma coisa.

Compartilhe Compartilhe

19 dezembro 2014 FULEIRAGEM

PAIXÃO – GAZETA DO POVO

paixao

Compartilhe Compartilhe

19 dezembro 2014 REPORTAGEM

1º LISTÃO DA PROPINA

listão-da-propina-01

O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa entregou 28 políticos envolvidos no escândalo na estatal durante cerca de 80 depoimentos em âmbito de delação premiada na Operação Lava Jato, ocorridos entre agosto e setembro, segundo informações do jornal “O Estado de S. Paulo”.

A lista de políticos envolvidos no esquema inclui um ministro e ex-ministros do governo Dilma Rousseff (PT), deputados, senadores, um governador e ex-governadores.

Na relação constam nomes de parlamentares da base aliada do governo e da oposição. Na lista dos partidos estão PT, PMDB, PSB, PSDB e PP.

Veja abaixo a lista de Paulo Roberto Costa:

PT

Antonio Palocci – ex-ministro dos governos Lula e Dilma
Gleisi Hoffmann – senadora (PR) e ex-ministra da Casa Civil
Humberto Costa – senador (PE) e líder do PT na Casa
Lindbergh Farias – senador (RJ)
Tião Viana – governador reeleito do Acre
Delcídio Amaral – senador (MS)
Cândido Vaccarezza – deputado federal (SP)
Vander Loubet – deputado federal (MS)

PMDB

Renan Calheiros – presidente do Senado (AL)
Edison Lobão – ministro de Minas e Energia
Henrique Eduardo Alves – presidente da Câmara (RN)
Sérgio Cabral – ex-governador do Rio de Janeiro
Roseana Sarney – ex-governadora do Maranhão
Valdir Raupp – senador (RO) e 1º vice-presidente do partido
Romero Jucá – senador (RR)
Alexandre José dos Santos – deputado federal (RJ)

PSB

Eduardo Campos – governador de Pernambuco de 2007 a 2014 (morto em 2014)

PSDB

Sérgio Guerra – presidente nacional do PSDB de 2007 a 2013 (morto em 2014)

PP

Ciro Nogueira – senador (PI)
João Pizzolatti – deputado federal (SC)
Nelson Meurer – deputado federal (PR)
Simão Sessim – deputado federal (RJ)
José Otávio Germano – deputado federal (RS)
Benedito de Lira – senador (AL)
Mário Negromonte – ex-ministro de Cidades
Luiz Fernando Faria – deputado federal (MG)
Pedro Corrêa – ex-deputado federal (PE)
Aline Lemos de Oliveira – deputada federal (SP)

Apenas os senadores Delcídio Amaral (PT-MS) e Benedito de Lira (PP-AL) e os deputados José Otávio Germano (PP-RS) e Simão Sessim (PP-RJ) não quiseram se pronunciar. Os demais afirmam que não é verdade.

Iniciada em março deste ano, a Operação Lava Jato investiga o esquema de lavagem e desvios de dinheiro em contratos assinados entre empreiteiras e a Petrobras, que somam R$ 59 bilhões, considerando o período de 2003 a 2014.

Segundo as investigações, parte desses contratos se destinava a “esquentar” o dinheiro que irrigava o caixa de políticos e campanhas no país.

Na sétima fase da operação, a Polícia Federal prendeu 23 executivos, entre eles presidentes de empreiteiras e o ex-diretor da Petrobras Renato Duque, ligado ao PT.

listao-da-propina-02

Compartilhe Compartilhe

19 dezembro 2014 FULEIRAGEM

DUKE – O TEMPO

duke

Compartilhe Compartilhe

http://www.neumanne.com/
COMENTÁRIOS PARA A RÁDIO JOVEM PAN

deputado-marco-maia-pt

Pior presidente da Câmara dos Deputados da história, Marco Maia (PT-RS) protagonizou a maior ignomínia da Casa ao refazer relatório da CPMI da Petrobrás uma semana depois.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

vgf

Se é verdade que Graça Foster não entendeu o que a geóloga Venina chamou de “licitação ineficiente”, poderia ter consultado um bom dicionário para entender e, depois, agir.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

LULA-E-PALOCCI

Furo do Estadão revela que Paulinho do Lula delatou 27 políticos que receberam dele propina no Petrolão, entre os quais Palocci para a campnha de Dilma em 2010.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Compartilhe Compartilhe

19 dezembro 2014 FULEIRAGEM

FAUSTO – OLHO VIVO

fausto

Compartilhe Compartilhe

19 dezembro 2014 REPORTAGEM

UM TRIPLEX NO GUARUJÁ

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não é o único sortudo a ter comprado um tríplex no edifício Solaris, no Guarujá (SP), uma das poucas obras iniciadas pela Bancoop que foram concluídas.

O atual tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, pagou por um apartamento no mesmo prédio. Seu nome consta de um documento oficial, feito em 2006 pela Bancoop, que lista os “cooperados ativos” do edifício – ou seja, que estavam com os pagamentos das parcelas em dia.

A Bancoop quebrou em 2006, quando era presidida por Vaccari. Deixou 32 obras inacabadas e mais de 3.500 famílias na rua da amargura. O edifício Solaris foi uma das oito obras assumidas pela OAS depois disso.

À beira da praia e com vista para o mar, o prédio tem três tipos de apartamentos – as coberturas triplex, alguns duplex de 162 metros quadrados e outros de um pavimento, com cerca de 100 metros quadrados.

apartamento-lula-guaruja

Edifício onde ficam os apartamentos de Lula e Vaccari no Guarujá

O de Lula, que ficou pronto neste ano, pertence à primeira categoria. Fica no 16º andar, tem elevador privativo e 297 metros quadrados. Além de Vaccari, também constam da lista de cooperados do Solaris a mulher de Freud Godoy, o ex-assessor de Lula que ficou famoso no caso dos aloprados, em que militantes petistas foram presos tentando comprar um dossiê com informações falsas contra o tucano José Serra.

O fato de o edifício onde o ex-presidente tem apartamento ter sido um dos poucos que ficaram prontos irritou cooperados que continuam até hoje sem ver a cor dos imóveis pelos quais passaram anos pagando.

“Queremos saber por que há tantas obras inacabadas, enquanto algumas poucas são construídas tão rapidamente”, disse um dos conselheiros da entidade de lesados pela Bancoop, Marcos Sérgio Migliaccio.

Solaris-Praia-das-Asturias-

Interior de um apartamento do Edifício Solares

A Bancoop quebrou, segundo o Ministério Público, com um rombo de pelo menos 100 milhões de reais, porque seus dirigentes desviaram dinheiro pago pelos mutuários para “fins escusos”.

Segundo o promotor José Carlos Blat, parte do dinheiro foi para financiar campanhas eleitorais do PT.

Vaccari é um dos cinco réus que respondem na Justiça por estelionato, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

ban-coop-baixa

Compartilhe Compartilhe

19 dezembro 2014 FULEIRAGEM

SID – CHARGE ONLINE

sid

Compartilhe Compartilhe
O NATAL NA VISÃO DE UM POETA NORDESTINO

anatal

O VERDADEIRO NATAL – Um folheto de Azulão

Peço a Deus Pai Poderoso
Inspiração divinal
Com a mensagem sagrada
Da mansão celestial
Eu vou escrever rimado
O verdadeiro Natal

Natal de Jesus Menino
Templo de amor e bondade
Data santa que registra
O símbolo da cristandade
Que se resume em três coisas
Salvação, paz e verdade

Jesus o Menino Deus
Filho do Pai Criador
Que veio ao mundo tirar
As culpas do pecador
Depositando nos homens
Bondade, paz e amor

Portanto o seu nascimento
É para ser festejado
Com paz e amor ao próximo
Cumprindo o dever sagrado
De remendar o pobre
Faminto e desamparado

O verdadeiro Natal
De Jesus Nosso Senhor
É dar a criança pobre
Amparo consolador
E ter a seu semelhante
Como a si, o mesmo amor

Porém o homem de hoje
De Deus estar muito ausente
Confundindo o seu amor
Com vaidade imponente
E dando a humanidade
Outro Natal diferente

Porque o Natal de hoje
Estar sendo transformado
Em festa, luxo e banquete
Que descristianizado
Toma um sentido contrário
Do que já foi no passado

É este o Natal sem Cristo
Que o homem faz hoje em dia
Movendo festa mundana
Com baile e bebedoria
Transformando a santa festa
Em farra e desarmonia

É este o Natal que tira
A fé no cristianismo
Encarretando família
Para um cenário de abismo
Trocando a festa de Cristo
Por coisas do paganismo

Jesus não ama a riqueza
Grandeza nem burguesia
Não escolheu palacete
Princesa nem fidalguia
Nasceu de uma virgem pobre
Numa manjedoura fria

Clique aqui e leia este artigo completo »

19 dezembro 2014 FULEIRAGEM

AROEIRA – BRASIL ECONÔMICO

aroeira3

Compartilhe Compartilhe

19 dezembro 2014 DEU NO JORNAL

UM PACTO PROS PATOS

O escritório norte-americano de advocacia Levi & Korsisnky entrou com mais uma ação judicial coletiva contra a Petrobras em Nova York, acusando a companhia de falhar em impedir a corrupção em sua estrutura e ter superfaturado seus ativos no balanço.

É o décimo processo do tipo contra a estatal nos Estados Unidos.

* * *

Décimo processo…

Será que daqui pro ano novo chegaremos aos 13 processos, o número do PT?

Como vivemos no país da piada pronta, tinha que acontecer alguma antes de chegar o final de semana.

Ontem, quando de sua diplomação pelo TSE, Dilma fez a banda séria de Banânia se mijar-se todinha de tanto se rir-se quando propôs um “pacto nacional contra a corrupção“.

Até os patos se riram-se.

Só faltou dizer que o pacto seria administrado pela dupla Nestor Cerveró e Paulinho de Lula, sob a coordenação de Renato Duque.

sr

É hilário viver num país macunaímico feito este nosso.

Um excelente e risonho final de semana pra todos vocês!

Compartilhe Compartilhe

19 dezembro 2014 FULEIRAGEM

VASQS – CHARGE ONLINE

AUTO_vasqs

Compartilhe Compartilhe
O FIM DO ÚLTIMO REDUTO

Com a reaproximação dos EUA e CUBA, creio estar próximo o fim o último reduto comunista emblemático do mundo.

O último, sim, porque a Coreia do Norte não conta. A China já está se tornando capitalista e a Venezuela é um mero satélite de Cuba.

Cedendo a matriz, Cuba, a Venezuela será obrigada a mudar totalmente o seu direcionamento ideológico.

Emblemático, porque há que se considerar que Cuba guarda um certo “charme” pela resistência ao “imperialismo americano”, que ainda encanta os jovens, especialmente da América Latina.

Mas tudo dependerá dos Congressistas americanos. Se mantiverem o embargo, o reatamento das relações diplomáticas só dará margens a acusações de espionagem, em pouco tempo.

Se seguirem outra lógica pondo fim ao embargo, adeus irmãos Castro.

A hora em que os EUA, outros países e investidores do mundo inteiro colocarem os seus capitais na ilha para construir hotéis, restaurantes, casas de show etc., automóveis modernos e tudo o mais que o marketing capitalista se utiliza para atrair a atenção dos consumidores, o povo cubano vai perceber o atraso material em que se encontra.

Daí para a derrubada do regime será um passo.

Se o Brasil estiver pensando que vai se beneficiar com essa abertura, está redondamente enganado.

Com a nossa fama de corruptos, de maus planejadores e ineficiência, certamente seremos suplantados pela eficácia de outros países e até mesmo a administração do porto de Mariel, financiado, sabe-se lá em que condições, será entregue para quem tem demonstrado maior eficácia.

Não temos, em nossos portos, cacife moral e administrativo para pleitearmos tamanha responsabilidade.

Sem contar a proximidade de Cuba ao mercado americano, que pode abastecê-la com preços convidativos, melhor qualidade e rapidez.

Imagino que os cubanos, apesar de não terem vivência capitalista há muitos anos, burros não são.

E o desfecho do embargo deverá ser a decretação do seu final. Os motivos para isso são vários.

Há, de um lado, o interesse americano, à medida em que começa a se recuperar economicamente, em abrir novos mercados, sendo que aquela ilha caribenha sempre fez parte dos sonhos americanos, além de ser estratégica para a defesa do país.

Do lado cubano, a perspectiva de investimentos na ilha, atração de turistas do mundo inteiro e, principalmente, sem poder contar com ajuda da Rússia, cuja economia está em baixa e sofrendo embargos dos EUA e da Europa, e com a fragilidade cada vez mais evidente da Venezuela, ainda mais com a redução do preço internacional do petróleo.

Essa reaproximação, se acontecer o que estou prevendo, deixará os nossos “ideólogos pseudo-esquerdistas” órfãos de pai e mãe.

Esta, sim, poderá ser a única vantagem que o Brasil terá!

* * *

FALA SÉRIO!

Não sei o que é mais vergonhoso para o Brasil.

Se o TSE ter aprovado a eleição do Maluf ou se o povo de São Paulo ter dado a ele mais de 250 mil votos.

Improbidade administrativa sem intenção? E os valores depositados na ilha de Jersey? Foram depositados sem querer também?

Na minha conta, ninguém deposita por engano!

FALA SÉRIO!

* * *

O relator da CPI da Petrobrás, o deputado Marco Maia do PT-RS, foi obrigado a ceder à pressão da oposição, da opinião pública e dos próprios fatos e atitudes do Ministério Público e, finalmente, indiciou várias pessoas.

Até quando os políticos do PT, colocando os interesses pessoais e os do seu partido acima dos interesses do país, vão agir como avestruz, escondendo a cabeça para não verem a realidade?

FALA SÉRIO!

Compartilhe Compartilhe

19 dezembro 2014 FULEIRAGEM

SAMUCA – DIÁRIO DE PERNAMBUCO

AUTO_samuca

Compartilhe Compartilhe
ZÉLIA DUNCAN E ZECA BALEIRO

Compartilhe Compartilhe

19 dezembro 2014 FULEIRAGEM

CLAYTON – O POVO

clayton

Compartilhe Compartilhe

19 dezembro 2014 EPÍSTOLAS - Carlito Lima

O ÚLTIMO NATAL DA NEGA ODETE

eno

Eu e a Nega Odete

No entardecer do dia 20 de dezembro de 1928, dentro de uma casa de porta e janela na Rua São Luiz no Pinheiro, ouviu-se um choro avisando ao mundo que estava nascendo Odete Augusto dos Martírios, a negra mais bonita e charmosa que perambulou por Maceió no século XX.

De mãe pobre e pai fujão, foi criada pela avó no bairro da Levada. Cresceu uma menina alegre, cativante. Tinha o carinho da avó, as ruas, as praças, a lagoa Mundaú para brincar, pescar e catar sururu. Criou-se livre, sem estudar, correndo e percorrendo toda biboca da cidade.

Tornou-se uma moça bonita, rosto oval, cabelos negros, olhos penetrante. Corpo roliço, bem moldado, cheio de curvas acentuadas na cintura e nos quadris. Pele macia, sedosa como jamais alguém teve. Odete despertava desejo nos homens quando andava, rebolado natural, cadenciado, como se flutuasse ouvindo música.

Ainda não havia completado 15 anos, quando Floro, um belo rapaz, acadêmico de direito, morador da Rua Pedro Monteiro, filho de um rico comerciante, ficou encantado com a negra bonita cheia de sensualidade. Foi em seu encalço. Cantou Odete por mais de três meses, prometendo amor, carinho e agrado. Até que numa noite de lua seus corpos se unirem embaixo de uma jaqueira no morro do Tom Mix pelas bandas da praia do Sobral. Floro deflorou Odete. A negra gritava como uma selvagem, tinha doído, tinha gostado. Em casa, sua avó notou o sangue, esbravejou, não era mais moça, tinha perdido a virgindade, a honra da mulher, não queria sua neta quenga! Reclamou sua vida de pobre.

Durante a noite Odete chorou, lembrou os momentos de carinho, sentiu novamente a sensação de seu corpo penetrado. Tomou uma decisão, trabalhar, ser independente. Como uma analfabeta poderia arranjar emprego?

Uma família estava precisando de empregada doméstica. Odete bateu na casa na Praça Sinimbu. Foi atendida pela dona, gostou da moça negra, simpática, carne firme, disposta no trabalho. Ensinou-lhe a cozinhar. A menina aprendeu rápido, tornou-se exímia cozinheira. Odete fez parte dessa família durante muitos anos.

Sentia-se independente com o pequeno salário. Tinha um quarto, comida, era livre, sozinha, podia fazer o que bem quisesse. Ao anoitecer, depois do dia de trabalho, disposta, cheirosa, dentro de um vestido de chita, se pintava para sair em busca de diversão nas noites de Maceió. Fazer o que mais gostava, amor. Os homens se encantavam, prometiam. Nunca recebeu dinheiro por favores sexuais. Ela selecionava seus parceiros. Gostava de homem novo e bonito. Estudantes ficavam à espreita às sete da noite na praça, queriam Odete. Ela escolhia o parceiro para deitar na areia morna da praia da Avenida da Paz ou no gramado do sítio da Sinhá perto do Riacho Salgadinho.

Assim foi se espalhando a história da beleza daquela negra alegre de belo sorriso, dentes brancos, lábios grossos, uma loba no amor. Muitos homens desejaram, muitos homens foram rejeitados. Odete se transformou num mito, figuras das mais populares de Maceió. Adorava dançar, como não podia frequentar clubes, partia para as boates de Jaraguá apenas para rodopiar ao som dos conjuntos tocando os boleros. Muitos parceiros de dança tentaram levá-la para o quarto, ela recusava, queria apenas dançar. O único local que aceitava uma empregada, negra, analfabeta, no salão de dança, era a zona. Noite alta, com o sapato pendurado entre os dedos, voltava para sua seu quarto, sua casa na Praça Sinimbu.

Por ser livre e independente, Odete era confundida como prostituta. Ela jamais aceitou um centavo de algum homem. Viveu solteira pelo resto da vida. Uma mulher digna que se oferendou ao amor. Na época, a atriz Leila Diniz, branca, rica, dedicou-se aos homens no Rio de Janeiro, foi aclamada musa de Ipanema. Odete, pobre, negra, dedicou-se aos homens nas areias da Avenida da Paz, foi aclamada prostituta. É preciso fazer justiça a essa mulher corajosa e livre.

Em 2006 encontrei a Nega Odete, por acaso, morava sozinha num pequeno quarto alugado perto da Praça da Faculdade, na parede um quadro de um ex presidente, solitária, como sempre viveu. Apesar das sequelas da idade, tinha auréola de alegria e felicidade. Escrevi uma crônica sobre essa figura lendária, levei-a ao lançamento de meu livro, Viventes de Maceió, ela personagem. Convidei alguns amigos, fizemos uma entrevista memorável para ESPIA, revista que eu editava na Internet. Todo natal eu e um conhecido Ministro deixávamos um presente para Odete. Certa feita lembrei-me em levá-la a uma confraternização de setentões, ideia rejeitada, alegação de desmoralização da reunião. Pedi desculpas, a desconvidei, eu e o Ministro compensamos com um gordo natal. Meses depois ela morreu aos 84 anos, foi o último natal da Nega Odete.

Compartilhe Compartilhe

19 dezembro 2014 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE

amorim2

Compartilhe Compartilhe

© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa