19 setembro 2017 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA (ES)

O FURACÃO SEM NOME QUE DEVASTA O RIO DE JANEIRO

“Artistas e intelectuais” nascidos no Rio ou cariocas naturalizados não tem tempo a perder com a cidade sem lei

Graças ao caudaloso noticiário sobre tragédias ocorridas em outras paragens do planeta – provocadas por fenômenos naturais ou seres tecnicamente humanos -, milhões de brasileiros chamam pelo nome os furacões Irma, Kátia e José, sabem que vem aí o Maria, medem pela escala Richter a força do terremoto no México, atualizam a contagem dos mortos em outro atentado terrorista em Londres e acompanham em tempo real a marcha da insensatez na Coreia do Norte desgovernada por um maluco atômico.

Concentrados nas turbulências internacionais, e também de olho no cortejo de infâmias descobertas pela Lava Jato, esse mundaréu de leitores, espectadores e ouvintes parecem sem tempo para horrorizar-se com tragédias em curso logo ali. No Rio de Janeiro, por exemplo. Entre tantas outras abjeções, bandalheiras, safadezas e patifarias, a quadrilha liderada por Sérgio Cabral – que agiu o tempo todo com as bênçãos e o patrocínio dos presidentes Lula e Dilma Rousseff – incluiu em seu legado maldito um Rio reduzido a zona de exclusão.

O Estado brasileiro deixou de existir nos territórios conflagrados, reafirmaram as trocas de chumbo do fim de semana. Neste fim de semana, por exemplo, a intensificação da guerra pelo controle do tráfico de drogas na Rocinha produziu centenas de cenas que poderiam ser inseridas sem retoques num documentário sobre a Síria. Os tiroteios foram mais apavorantes que os registrados há sete dias. Serão menos inverossímeis que os da semana que vem.

Que fim levaram as Unidades de Polícia Pacificadora, as festejadas UPPs, a invenção genial do governador canalha? O que restou das modernidades inauguradas com foguetório e discurseira pelo presidente megalomaníaco e pela sucessora afundada na mitomania? Cadê as tropas do Exército que ali pousaram há pouco mais de um mês, prontas para resgatar os incontáveis quilômetros quadrados amputados a bala do mapa do Brasil?

O Rio agoniza sob o olhar distraído do restante do Brasil e sob a cínica indiferença de boa parte da gente que mora lá. Sobretudo dos “artistas e intelectuais” nativos ou cariocas naturalizados. Esses, como se sabe, estão ocupados demais com a preservação da Amazônia para perder tempo com uma cidade sem lei.

19 setembro 2017 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

19 setembro 2017 MEGAPHONE DO QUINCAS


MULHERES COMPOSITORAS DE PERNAMBUCO – ANASTÁCIA

Anastácia

Tal qual Almira Castilho (com Jackson do Pandeiro), Anastácia foi casada e formou uma grande parceria musical com outro dos grandes nomes da música brasileira, mestre Dominguinhos.

Se Almira cantou, compôs e participou de dezenas de filmes, Anastácia teve uma carreira solo, antes e depois de seu casamento.

Anastácia (Lucinete Ferreira, cantora de compositora, nasceu no Recife-PE, em maio de 1941. Seu interesse pela música surgiu muito cedo, aos sete anos de idade.

Nesse tempo, acompanhava um cantador de cocos, na Macaxeira, bairro da capital pernambucana.

Iniciou a carreira em 1954, cantando na Rádio Jornal do Commercio, interpretando canções criadas e gravadas no Sudeste, principalmente os sucessos de Celly Campello.


Anastácia e Dominguinhos, em 1976, programa especial, de Fernando Faro

Em 1960, transferiu-se para São Paulo, onde passou a cantar gêneros nordestinos. Fez shows pelo interior, participando da “Caravana do Peru que Fala!, com Silvio Santos. Em seguida apresentou obras da dupla pernambucana Venâncio e Corumba.

Foi nessa época que recebeu o nome de Anastácia, dado pelo produtor, cantor e compositor Palmeira, então diretor da Chantecler.

Gravou seu primeiro disco em 1960, com as músicas “Noivado Longo”, de Max Nunes, além de “Chuleado”, “A Dica do Deco” e “Forró Fiá”, todas de Venâncio e Corumba.

Em meados da década de 1960, conheceu Dominguinhos, num programa de Luiz Gonzaga, na extinta TV Continental do Rio de Janeiro. Casou-se com Dominguinhos e participou de uma caravana artística com o “Rei do Baião!. Compôs com seu parceiro mais de 50 músicas, das cerca de 200 que escreveu.

Eu Só Quero um Xodo (Anastacia/Dominguinhos), com Anastacia

Em 1969, lançou pela RCA Victor o disco “Caminho da Roça!”, com a participação de Luiz Gonzaga nas faixas “Minha Gente”, “Eu Vou Me Embora”, de Antonio Barros, e Feira do Podre, de Onildo Almeida (o mesmo de “A Feira de Caruaru).

Gilberto Gil gravou “Eu Só Quero um Xodó, parceria dela com Dominguinhos, numa clássica versão, em 1973. Essa música recebeu mais de 20 regravações. Gil também gravou o sucesso “Tenho Sede”, de Anastácia e Dominguinhos, regravando-o em 1994 no disco Unplugged.

“Tenho Sede” (Dominguinhos/Anastácia), com Arismar do Espírito Santo, Robertinho Silva, Heraldo do Monte, Dominguinhos e Gil

Anastácia lançou cerca de 30 discos, constituindo-se num dos maiores nomes do forró. Suas músicas foram gravadas por Nana Caymmi, Claudia Barroso, Jane Duboc, Dóris Monteiro, José Augusto, Ângela Maria, Gal Costa e outros.

Semana que vem tem mais.

19 setembro 2017 FULEIRAGEM

MICHELÂNGELO – CHARGE ONLINE

19 setembro 2017 JOSIAS DE SOUZA

SEM MEDO DE SER RIDÍCULO, O PT ESFOLA PALOCCI

Estalando de pureza moral, o PT abriu nesta segunda-feira processo ético-disciplinar para expulsar Antonio Palocci dos seus quadros. Fez isso por meio do diretório de Ribeirão Preto, cidade natal do companheiro tóxico.

Preso em Curitiba, Palocci cometeu o crime político de confirmar algo que a Lava Jato já revelara a todo país: a Odebrecht bancou confortos de Lula e despesas do PT. O próprio Palocci, antes visto como um petista de mostruário, cuidava dos detalhes.

Na semana passada, num depoimento em que se revelou capaz de tudo, menos de se defender convincentemente, Lula chamou Palocci de mentiroso. Daí a deflagração da ofensiva para esfolar o herege de Ribeirão.

O PT ainda não se deu conta. Mas poderia ser um partido bem diferente se, de repente, por um milagre, baixasse em suas instalações uma epidemia de ridículo. O problema é que é impossível ser ridículo dentro de uma fábula.

19 setembro 2017 FULEIRAGEM

PELICANO – TRIBUNA (SP)

THE MARMALADE

Esta foi sucesso em 1969. The Marmalade, interpretando a música de Campbell e Ford: “Reflections Of My Life“.

19 setembro 2017 FULEIRAGEM

MARIOSAN – O POPULAR (GO)

18 setembro 2017 A PALAVRA DO EDITOR

DÚVIDA SOBRE UMA ATITUDE JUMENTAL

Os queridos e antenados leitores fubânicos bem que poderiam me tirar esta dúvida…

Vejam o vídeo a seguir e me respondam:

É prepotência megalomaníaca ou é ignorância crassa?

Ou seriam as duas coisas?

Me tirem deste dilema, por favor.

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

LUSCAR – CHARGE ONLINE

18 setembro 2017 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

GILSON PASSOS – MACEIÓ-AL

Berto, boa noite!

Antepontem, 16 de setembro, Alagoas comemorou 200 anos de emancipação do Estado irmão Pernambuco.

Como parte das festividades, o município de Satuba, na área metropolitana de Maceió, nesta sexta feira 15, prestou uma homenagem a seu filho mais ilustre, o maestro Heckel Tavares e promoveu um concerto com a Camerata Ero Dictus em praça pública.

Clique aqui para ler a matéria.

Participei do evento e pude constatar a beleza das obras do maestro numa belíssima apresentação.

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

MARIANO – CHARGE ONLINE

18 setembro 2017 FERNANDO GABEIRA

PRIMAVERA, QUEM DIRIA

Nas circunstâncias nacionais, parece uma heresia lembrar que está chegando a primavera. Mas, além de boa notícia, é algo de que estou seguro. Algo que posso anunciar nas segundas-feiras, quando tento prever os fatos da semana, num programa de rádio. Em nosso processo histórico tão imprevisível, a constância das estações do ano é um bálsamo.

Claro que poderia melhorar as previsões. Garotinho já foi preso três vezes. Dava para prever a época em que seria preso de novo. Mas, se contasse com a prisão de Garotinho, o imprevisível, o realismo fantástico me surpreenderia. Garotinho foi preso apresentando um programa de rádio. O locutor que lhe sucedeu naquele momento disse que Garotinho tinha perdido a voz. Os médicos recomendaram silêncio. Ele poderia voltar amanhã ou daqui a alguns dias.

A prisão de Garotinho foi a única que teve uma versão para as crianças. No plano mais amplo, tempestades se formam e, pela primeira vez, pressenti um quadro mais completo. Com as gravações de Joesley Batista e documentos de uma advogada da JBS, entregues por seu ex-marido, a empresa insinua relações promíscuas com o Poder Judiciário.

Aliás, o próprio Joesley já tinha definido a situação ao afirmar, num dos áudios, que o Congresso foi atingido pela delação da Odebrecht e a ele cabia denunciar Temer e o STF. Os dados que havia num dos áudios, no qual se gravou o ex-ministro José Eduardo Cardozo, eram tão problemáticos que o procurador Marcello Miller previa até cadeia para quem os mencionasse. Mas a gravação não foi destruída, e sim enviada para o exterior. Sinal de que Joesley ainda conta com ela no seu poder de barganha.

Tudo isso está sendo investigado, suponho. Há pedidos da própria Cármen Lúcia e de Janot nesse sentido. O Poder Judiciário está diante de um desafio: rigor e transparência nas denúncias sobre ele mesmo.

Joesley Batista gravou muito gente, além de Temer. Alguns, como Gilmar Mendes, já se adiantaram afirmando que podem ter sido gravados. O áudio mais importante para Joesley foi o gravado com o Temer. Tornou-se moeda de troca na delação premiada. Mas, naquele momento, ele tinha com quem negociar. Agora, talvez interesse mais ocultar essas gravações e esperar uma nova oportunidade. Ou mesmo ocultá-las para sempre, em sinal de boa vontade em relação aos seus potenciais julgadores.

Pode ser que o vento afaste as nuvens de tempestade. Mas, por outro lado, as denúncias foram publicadas. O material divulgado pela revista “Veja” sugeria compra de ministros do STJ e uma enigmática frase: Dalide ferrou o Gilmar. Essa frase, na verdade, é vista numa mensagem da ex-advogada da JBS. Diz respeito a uma gravação entre Dalide Correa, ex-sócia de Gilmar, e o diretor jurídico da JBS. Vale a pena investigar tudo isso e colocar mais um poder na berlinda? Os próprios ministros mencionados mostram-se interessados numa investigação, para esclarecer os fatos. Que venha a transparência.

Na temperatura das águas, nas amoreiras, a primavera traz leveza. O bastante para abordar esse grande debate político-cultural em torno da exposição patrocinada pelo Santander em Porto Alegre.

Durante muitas anos participei de lutas minoritárias no Brasil. Minha experiência é que a única forma de não perder o respeito da maioria é procurar sempre o caminho democrático.

A liberdade de expressão artística é inegável. No entanto, ao trabalhar com verbas e educação pública, é necessário reconhecer a grande maioria das famílias que quer ter a primazia na educação sexual de seus filhos. Enfim, saber em que país está se movendo, e negociar, de forma que não se produzam reações em cadeia que acabem fortalecendo o retrocesso.

Creio que a experiência americana que resultou na vitória de Donald Trump merece uma avaliação. Será que não corremos, em circunstâncias diferentes, o mesmo risco? Um fator que sempre me impressionou na vitória de Trump era de como o universo informado dos leitores, acadêmicos, enfim todos, levou um susto com o país real.

Num mundo, Hilary era a vencedora, no outro, Trump. É preciso levar em conta a maioria e avançar de forma não ameaçadora, respeitar, em todos os momentos, a pluralidade das posições.

Quando digo não ameaçador, não quero dizer sorrateiro, mas, sim, um processo claro, uma proposta de convivência onde todos se sintam seguros.

No caso dos Estados Unidos, a insegurança tinha raízes também na economia, os empregos perdidos na globalização. Aqui há um grande nível de desemprego e incerteza econômica.

É nesse contexto que vejo o debate cultural. Poderia ser tudo mais simples se não houvesse dinheiro público nem visitas escolares como compensação ao incentivo fiscal. Com recurso do banco e obedecendo aos parâmetros legais, como todos os outros espetáculos, seria apenas uma exposição de arte. E com grandes nomes.

São visões de caminho. É um palpite de quem tem experiência de tratar com as maiorias e um conhecimento de regiões distantes do país.

Certeza mesmo, só a primavera.

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE

18 setembro 2017 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

MARCIO FURLAN – SÃO PAULO-MG

Senhor editor escroto:

Ler o JBF é a minha primeira obrigação quando acordo pela manhã.

E de noite quando volto do trabalho (sou professor, mal pago como todo professor)

Mando para os leitores do blog a foto de Lula fazendo um pronunciamento em Curitiba.

Saudações da Terra da Garoa, que esta muito calorenta nos últimos dias.

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

CLÁUDIO PAIVA – JORNAL DO BRASIL (RJ)

FARINHA POUCA, MEU IRMÃO PRIMEIRO

Se a farinha é pouca
Se é pouco o tempero
Eu preciso alimentar
O meu irmão primeiro
Essa atitude cidadão
Pode não ser a solução
Mas ameniza o desespero

Ainda há fome parceiro
Nesse mundão imundo
Onde uma multidão
Sofre a cada segundo
Um desprezo comovente
Como se essa gente
Fossem todos vagabundos

Sofro um desgosto profundo
Meu amigo e companheiro
Ao vê que pra corrupção
Rola malas de dinheiro
Enquanto nos hospitais
A simples falta de materiais
Causa morte e desespero

Viva o povo brasileiro
Que sabe se superar
No sufoco financeiro
Ao invés de reclamar
Ele estuda o cenário
E busca ser solidário
No intuito de ajudar

Busca então se cadastrar
Através dum formulário
Podendo até escolher
O melhor dia e horário
Em que possa exercer
Como se fosse um lazer
Seu trabalho voluntário

Clique aqui e leia este artigo completo »

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

ED CARLOS – CHARGE ONLINE

18 setembro 2017 DEU NO JORNAL

FALA, MARCELO MADUREIRA!

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

NICOLIELO – JORNAL DE BAURU (SP)

O RISCO E O RISCADO

Nas cordas

O depoimento do Capo Palocci jogou o Nove-dedos nas cordas. É a palavra de alguém de dentro, de um fundador do PT, articulador de campanhas, Ministro e Ex-presidenciável. O que o PT vai fazer? Expulsar palocci? Vai, vai mesmo, embora não tenha expulsado Zé Dirceu ou Vaccari. O que Lula vai fazer? Dizer que não conhece Palocci, dizer que Palocci é sem-vergonha (ops! Isto ele já disse). Mas nada disso explica porque o partido da ‘ética’ (sic) e seu dono mantiveram um mentiroso manipulador tão perto do poder por tanto tempo.

Meninos Eu Vi!

Se vocês já esqueceram, eu lembro. Um dos argumentos petistas é que as acusações sobre Lula eram do tipo ‘eu ouvi’. Mais os doentes, inclusive Lula, desafiavam seus acusadores de apresentarem alguém que tivesse falado com Lula sobre a roubalheira ou que tivesse visto Lula receber dinheiro. Ai está este alguém. Palocci não só contou o que viu e ouviu de Lula, como disse em sua delação que entregou pessoalmente dinheiro vivo na mão de Lula. E como não é burro deve ter mais provas disto.

Mentirosos, o Mentiroso e mais mentirosos

Para o PT, Lula et sucia a delação da JBS é verdadeira em tudo que acusa o PMDB e outros políticos, tanto que o partido votou pelo acolhimento da denúncia (a propósito concordo com eles). Mas quando se refere ao dinheiro dado ao PT, a Lula e a petistas os irmãos Batista são mentirosos. O mesmo vale para a OAS, Odebrecht e outros delatores. Palocci era um gênio, a ponto de ocupar dois ministérios chave nos desgovernos petistas mas quando fala do Chefão é mentiroso e manipulador. Quem são os mentirosos? Quem é o Mentiroso-mor? Adivinhem! Ganha uma estrela vermelha quem errar.

O risco Lula

As vezes fico tentado a querer que Lula concorra a presidência e leve uma surra, o que provavelmente ocorrerá. Mas a possibilidade arrastada do apedeuta concorrer ia manter a recuperação do país estagnada, vai prolongar nossa crise. Mais, teremos uma sensação crescente de frustração com a justiça, com a política e, consequentemente, com o país e nosso futuro.

Urna, cabeça de juiz e barriga de mulher…

Destas só saberemos, com certeza, o que tem dentro quando sair o resultado. Hoje uma eleição provavelmente teria Lula em quarto ou quinto lugar, ele sabe disso e sabe que isso acabaria com o mito. Embora a ladainha do perseguido dos poderosos continuaria. Por isso ser impedido de concorrer mas sem ser preso (tipo em um acordão, eu não concorro e vocês não me prendem) é o paraíso para Lula.

Escolher entre a merda e a bosta

Mas com a crescente polarização da política temos um pequeno risco de muitos candidatos participarem do pleito e na fragmentação dos votos Lula conseguiria ir incomodar no segundo turno. E temos um risco ainda menor de termos Lula contra um candidato muito radical e pouco palatável no segundo turno. Ai mora o problema. Pois com qualquer um dos dois o país estará lascado. E não pensem que seria uma novidade nos anos 1990 ocorreu isto aí. Um monte de candidatos, alguns excelentes, votos fragmentados e pronto… No segundo turno tivemos de escolher entre Collor e Lula, a merda e a bosta. Não tinha escolha boa ou certa, era escolher o menos ladrão. E pelo jeito, na época, escolhemos o bandidinho vagabundo. O chefão chegou ao poder doze anos depois.

O risco à justiça

Mas o grande risco que temos em uma virtual candidatura de Lula é o risco à justiça, à decência e a ordem democrática. Um bandido condenado, réu por múltiplos crimes, que vilipendiou o país não pode ter ‘direitos políticos’. Em uma democracia vale o Estado de Direito, não a putaria que o PT e a esquerda pregam. O que os esquerdistas querem é uma ditadura nos moldes da Coréia do Norte e um país com a opulência da Venezuela e as liberdades de Cuba. O Estado de direito deve nos preservar de bandidos e crápulas como Lula e seus asseclas sob pena de virarmos um Estado de ladrões e piratas (se já não o somos?) como a Somália.

O risco TRF

A tábua de salvação está no TRF 4 e na presteza de seus juízes julgarem os recurso do Capo de tutti capi – Lula. Se demorar o de costume ferram o país. Em geral o TRF-4 tem acompanhado Curitiba. Zé Dirceu teve a pena aumentada e só não foi para a cadeia porque um dos desembargadores pediu vistas, mas já teve sua condenação ratificada, é uma questão de dias até sua prisão. Mas este pedido de vistas tem outro processo vital o de Vaccari, que já foi absolvido por 2×1 neste tribunal e agora teve seu julgamento empatado em 1×1. O voto a ser proferido é fundamental e, creiam, foi este o motivo do pedido de vistas, pois deste voto depende o futuro da Lava-jato. Se Vaccari for absolvido abrir-se-á uma estrada para a impunidade na Lava-jato. Pense e vote pela sua Pátria caro Desembargador. Condene Vaccari! Provas há! A história e o Brasil lhe agradecerão!

Se apertar eles gemem

Acho que teremos mais uns golpes no PT e no PMDB. Alguns “Gargantas Profundas’ por ai. Geddel vai cantar como um canarinho. Mantega também. Ou isso ou estão ferrados. Mas quem eu acho que abrirá a boca assim que for guardada e vai dar todo o serviço é a ‘ex-presidente’ e anta, Dilma Roussef. A ex-guerrilheira não tem nada de virtuosa, como dizem as acusações de na ditadura ter entregue os parceiros. Já acusaram Dilma, se for condenada, pela própria personalidade, dará o serviço e entregará o que falta.

O risco e o riscado

Mas entre tudo isto que argumentei prefiro não arriscar nosso Estado de Direito. Não quero que Lula seja candidato, não por medo. Mas por respeito a decência e a honestidade. Lula tem de ser riscado da política brasileira.

Denegrindo-se

Lula, ora quem! Lula quis corrigir Moro por usar a palavra denegrir. Como se esta palavra tivesse cunho racista. Logo o Lula das piadas infames, dos palavrões, das ‘muié do grelo duro’, que várias vezes fez piadas com ‘a raça’. E como foi a única coisa perto de uma ‘vitória’ de Lula sobre Moro no depoimento, foi propagada como um vírus pela esgotosfera.

É a bosta do politicamente correto! Sabem o que eu lhes digo seus muares? Vão estudar!

Denegrir vem do latim denigrare, da junção de duas palavras: de e niger. De é uma preposição que pode ter vários sentidos, como origem (originalmente de algum lugar), afastamento (saiu de algum lado) ou intensidade (mais de alguma coisa). Niger significa negro ou escuro. Assim, denigrare significa literalmente “tornar mais escuro”. Por exemplo, quando alguém pinta o cabelo de mais escuro, em latim estaria a denigrare seu cabelo. O pôr do sol denigrare a tarde. Não tem conotação racista. Significa, grosso modo, manchar. E sabem porque não tem conotação racista? Porque em Roma, naquela época, haviam sim escravos. Mas estes escravos eram cativos de guerra, capturados como indenização. E em Roma havia escravos de todas as raças, mas em geral eram povos germânicos e do Norte, os bárbaros para os Romanos. A grande maioria dos escravos Romanos era composta por ‘loiros de olhos azuis’.

Portanto quem denigre o Brasil é você Lula e seu bando!

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

RONALDO – JORNAL DO COMMERCIO (PE)

LUZ E ÁGUA

Quero ter-te entre os braços apertada,
num amplexo profundo, imorredouro,
qual da esfera sustém nos braços de ouro
o sol o colo altivo na alvorada.

Como aos olhos de luz da madrugada
arrasta a noite o seu rebanho louro,
no teu olhar, sidéreo sorvedouro,
quero a alma perder iluminada.

O meu olhar no teu olhar mergulho,
louco de amor, por teu amor vencido,
e achando em teu amor razão e orgulho.

Quero abraçar-te assim, em ânsia e frágua,
num abraço fecundo, almo, incontido,
como o abraço total da luz e da água.

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

CHICO CARUSO – O GLOBO

QUEM PLANTA TÂMARAS NÃO COLHE TÂMARAS

Existe um ditado árabe que diz: “Quem planta tâmaras não colhe tâmaras!”. Isso porque, antigamente, as tamareiras levavam de 80 a 100 anos para produzir os primeiros frutos. Nos dias de hoje, com as técnicas de produção moderna, esse tempo foi bastante reduzido, todavia o ditado é sábio e continua atualíssimo. Conta-se que, certa vez, um senhor de idade avançada plantava tâmaras no deserto quando um jovem o abordou, perguntando:”Mas por que o senhor perde tempo plantando o que não vai colher?”. O senhor virou a cabeça e, calmamente, respondeu: “Se todos pensassem como você, ninguém comeria tâmaras”. Ou seja, não importa se você vai colher, o que importa é o que você vai deixar….Cultive, construa e plante ações que não sejam apenas para você, mas que possam servir para todos e para o futuro.

Nossas ações no presente refletem no futuro. Se o tempo não é de colher, bem, pode ser tempo de semear. Um aprendizado que poderemos extrair do provérbio consiste na solidariedade, no otimismo e na esperança para caminhar pelos tempos difíceis. Devemos crer que sempre haverá pessoas de bem para perpetuar a corrente de plantação de tamareiras, ou seja, indivíduos preocupados com aqueles que ainda nem existem, algo muito raro no mundo contemporâneo, principalmente nos países mais ricos. A nossa atitude é se aliar aos que lutam contra a destruição do meio ambiente com objetivos estritamente industriais e capitalistas. Infelizmente, o conceito de sustentabilidade não é levado a sério em muitos países.

Fonte: Este texto foi encontrado na internet com autoria desconhecida. As pessoas começaram a enviar para os e-mails dos amigos, então, pela importância do assunto resolvi publicar no JBF.

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

GENILDO – CHARGE ONLINE

18 setembro 2017 COMENTÁRIOS SELECIONADOS

ADORAÇÃO IRRACIONAL E CEGA, ALÉM DE QUALQUER LIMITE

Comentário sobre a postagem SÓ ENXERGA PELO OLHO ESQUERDO

Goiano, idiota adorador do deus Lula: (está do jeito que foi colocado na postagem)

“A sentença do juiz Sérgio Moro a Lula, condenando Lula a nove anos e meio de cadeia por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, é uma nódoa em sua atuação importante no combate à corrupção, pois nesse caso tomou a si a determinação de um justiceiro, ao desprezar a figura histórica do ex-presidente Lula, sua importância no cenário nacional, sua atuação no governo do País e as possibilidades futuras em favor da Nação, para aplicar tal rigor no combate à corrupção que admite, mesmo sobre personalidade de tal importância e relevo, a máxima de que os fins justificam os meios.”

* * *

Enquanto isto, na atrasada e ditatorial Coréia do Sul…

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

ZOP- CHARGE ONLINE

FALCÃO, O FRANK SINATRA DA FULEIRAGEM QUE SE RIR-SE DE SI MESMO

Nasceu no interior do Ceará, na cidade de Pereiro, onde viveu até os 12 anos em uma casa modesta e sem eletricidade. Por influência do pai, farmacêutico da cidade e “o único lá em Pereiro que tinha uma radiola, com uma coleção grande de discos, de gosto muito eclético”, escuta música italiana e cantores como Waldick Soriano, Núbia Lafayete, Nelson Gonçalves, Orlando Silva, Nelson Gonçalves. Ocasionalmente Falcão também captava através de rádios cariocas como a Rádio Globo, Nacional e Tupi as músicas dos Beatles, da Tropicália e da Jovem Guarda.

Em 1970 muda-se de vez para Fortaleza para frequentar a escola no colégio Júlia Jorge, na Parquelândia. Aprende a tocar violão junto com os irmãos, e conhece seu futuro parceiro musical Tarcísio Matos, apresentado a ele pelo violonista Tarcísio Sardinha, outro parceiro até hoje, que tocou guitarra e violão no LP Bonito, Lindo e Joaido.

Por gostar de desenhar, opta pela área de arquitetura. Após se formar técnico em edificações na Escola Técnica Federal do Ceará em 1978, Falcão começa a trabalhar como desenhista enquanto tentava o vestibular da Universidade Federal do Ceará, na qual ingressou no curso de Arquitetura depois de cinco tentativas, em 1982. Ao mesmo tempo investia na carreira artística.

Em 1980 funda juntamente com Flávio Paiva, Tarcísio Matos, Eugênia Nogueira e outros estudantes de comunicação social, Um Jornal Sem Regras, onde sua coluna era a fotografia de sua coluna vertebral, cujos integrantes também formaram um grupo musical Bufo-Bufo. As composições eram irreverentes, mas com consciência política, já que Tarcísio Matos e Flavio Paiva queriam fazer uma coisa mais séria pendendo para a MPB, mas Falcão propositadamente na hora de cantar mudava as letras para ficarem mais cômicas parecendo com seu jeito caricato, pilhérico e escrachado.

Formou-se em Arquitetura em 1988 e abriu um escritório com colegas no qual trabalhou por apenas três anos, até resolver focar mesmo na música.

Em outubro de 1988, faz sua primeira incursão musical. Tarcísio Matos, seu parceiro há mais de trinta e cinco anos, trabalhava no Banco do Brasil como carimbador de cheques e junto com Falcão se inscreve no Festival da Canção Bancária, realizado no BNB Clube. Em contraste às canções sérias do festival, apresentam o bolero brega escrachado “Canto Bregoriano II”, com letras sobre inovação litúrgica e acompanhamento de coral, com Falcão usando a vestimenta colorida e chocante que se tornou sua marca registrada. O público aplaude, vai ao delírio, mas a apresentação recebe zero de todos os jurados. O público protesta contra a decisão de desclassificar a música com urras, xingamentos e exige a volta de Falcão ao palco. Os jurados, não encontrando outra opção, revoga a decisão e Falcão retorna ao tablado sendo aplaudido de pé por todo público presente. É a consagração do popstar do brega.

No Natal do mesmo ano faz seu primeiro show solo, no Pirata Bar em Fortaleza. Em seguida começou a fazer shows nos fins de semana, sendo inclusive tachado de comediante por, à época, surgirem muitos humoristas no Ceará como Tom Cavalcante, a dupla Caboré e outros. Com muitos pedidos para gravar um disco, faz o álbum, Bonito, Lindo e Joiado, com produção de Helio Santos, Falcão e Tarcísio Matos, sendo lançado de forma independente em 1990.

Em 1991 o cantor Beto Barbosa leva o LP Bonito, Lindo e Joiado para a gravadora Continental, onde é lançado com status de popstar, com ascensão estrondosa das músicas “Canto Bregoriano II”, “Um Bodegueiro na FIEC” e “I m Not Dog No”, versão em inglês macarrônico de “Eu não Sou Cachorro, Não”, do brega porrada Waldick Soriano, que recebe elogio rasgado de Paulo Francis na sua coluna Diário da Corte.

Por influência de Raimundo Fagner, que conseguiu uma gravação em fita cassete de um show de Falcão, chamou a atenção da gravadora BMG. Enquanto “I am Not Dog No” virava seu primeiro sucesso de abrangência nacional, gravou pela BMG o disco O Dinheiro Não é Tudo, Mas é 100%, em 1994. Repetindo a fórmula do anterior, o disco tinha a música “Black People Car”, traduzindo a letra de outro sucesso brega, “Fuscão Preto”, de Almir Rogério. O álbum seguinte, A Besteira é a Base da Sabedoria (1995) se tornou o mais vendido da carreira de Falcão com 240 mil cópias, alçado pelo sucesso “Hollyday Foi Muito” e “Se Eu Morrer Sem Gozar do Seu Amor, A Minha Alma Lhe Persegue de Pau Duror.” Recentemente lançou o clipe da música “Ô Povo Fei”.

Ao longo de sua carreira, Falcão já lançou nove discos autorais: Bonito, Lindo e Joiado (1992), O Dinheiro não é Tudo, mas é 100% (1994), A Besteira é a Base da Sabedoria (1995), A Um Passo da MPB (1996), Quanto Pior, Melhor (1997), 500 Anos de Chifre (1999), Do Penico à Bomba Atômica (2000), What Porra Is This? (2006) e Sucessão de Sucessos Que Se Sucedem Sucessivamente Sem Cessar (2014).

Em 2012 Falcão estreia o programa Leruaite na TV Ceará, autointitulado “talco show”, com produção de Tarcísio Matos e o acompanhamento da banda de cegos “Tô Nem Vendo”, com Tarcísio Sardinha no violão, Valdeci na sanfona, Bubu no zabumba e Vanda no triângulo e backing vocal.

Em 2015 a TVDIÁRIO Ceará contrata Falcão e todos mudam de casa, levando o “Talk Show” Leruaite com a mesma irreverência e escracho para a nova emissora.

No programa Leruaite o brega star Falcão entrevista com irreverência e bom humor personalidades de destaques do Ceará, do resto do Brasil e do mundo, envolvendo os convidados em diversos quadros cômicos e divertidos.

Entre os quadros de destaque, estão “S’eu cozinho com Falcão”, com a culinária ‘nonsense’ do cantor; “Onde andará”, quando Falcão toca, numa vitrola portátil, LPs de cantores sumidos da mídia; “Siobrando”, uma composição musical concebida dentro de um banheiro químico; A “vassoura de varrer rastro de corno”, passada no estúdio para higienizar resquícios de chifres dos convidados; “Ensinamentos práticos para a vida”, com dicas de Falcão para um dia mais agradável; os 15 segundos de “arre égua”, “vá se lascar, “aí dentro” ou vaia, onde o telespectador pode participar fazendo seus pedidos e indicando suas vítimas; o Jornal Leruaite, com apresentação fuleiragem de Falcão e outro âncora-piru, apresentando as notícias mais bizarras do mundo que não passam no Jornal Nacional, SBTeira e Record Asneira, e o serviço de lanche que serve pitomba, siriguela, “bulim” e broa.

Leruaite é um programa mais solidário que frequentar guengas demitidas por justa causa – define Falcão o programa que apresenta toda terça-feira na TVDIÁRIO CEARÁ.

Vale a pena assisti-lo pelo show de bom humor, inteligência, descontração e fuleiragem.

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

SAMUCA – DIÁRIO DE PERNAMBUCO

18 setembro 2017 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

NOEMIA PREVITALLI – LONDRINA-PR

Berto,

eu gostaria muito de saber sua opinião sobre este vídeo.

O que é que você acha?

Abraços e um bom domingo.

R. O que é que eu acho?

Eu acho graça.

Só isto.

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

WALDEZ – CHARGE ONLINE


http://pinheirochumbogrosso.blogspot.com.br
LEONARDO DICAPRIO, O REGRESSO DO COWBOY

De um modo geral, tudo que o brasileiro sabe sobre Leonardo DiCaprio é que ele teve um relacionamento com a modelo brasileira Gisele Bündchen e fez muito sucesso como protagonista de “TITANIC”. Na verdade, pouca gente sabe que ele possui o mesmo pantim ou frescura do rei Robero Carlos, pois DiCaprio sofre de TOC, transtorno obsessivo compulsivo. Também possui o mesmo pantim da eterna presidenciável Marina Silva, por ser ferrenho defensor das florestas. Como ambientalista engajado, ele criou uma fundação com seu nome para apoiar ações sustentáveis. O ator também é membro das associações Natural Resources Defens e Global Green USA e ajudou a produzir o documentário “A ÚLTIMA HORA”, que trata das mudanças climáticas. De resto, Fora do cinema, Leonardo é engajado em causas sociais. Faz questão de ajudar financeiramente crianças em Moçambique e colaborou e muito com donativos para com as vítimas do terremoto no Haiti.

No campo cinematográfico, dos filmes de bang bang que DiCaprio participou, RÁPIDA E MORTAL é um Western de grande orçamento e elenco de estrelas, encabeçado por SHARON STONE. A sinopse nos mostra que há muito Humor e violência no estilo dos quadrinhos. Sharon é Ellen, mulher misteriosa que chega ao lugarejo armada até os dentes e doida por vingança. Ela quer matar o poderoso Harold (Gene Hackman) que tornou sua vida um inferno. E um DUELO entre os dois é o ponto alto do filme que reúne todos os personagens e situações típicos do gênero. E como protagonistas destaques para Leonardo DiCaprio(com apenas 22 anos) e Woody Strode. Este faroeste tem duas preciosas curiosidades. A primeira é que, SHARON STONE pagou o salário de Leonardo DiCaprio de seu próprio cachê, para que ele pudesse ser incluído no elenco. Quanto à segunda, lamentavelmente, foi o último filme do extraordinário negão Woody Strode.

No ano de 2012, o polêmico diretor Quentin Tarantino filmou DJANGO LIVRE(Django Unchained), O elenco all-star de “Django Unchained” reúne os galãs na telona o NEGÃO JAMIE FOXX como o Django Negro e Leonardo Di Caprio. Conforme nos confirma o cineclubista Darci Fonseca, O western de Tarantino foi filmado nas conhecidas locações de Alabama Hills, onde cavalgaram astros da Republic Pictures como Roy Rogers, Rocky Lane, Rex Allen e também muitos outros mocinhos como Randolph Scott, Audie Murphy e Rod Cameron. A história de “Django Unchained ou DJANGO LIVRE” fala de um escravo que após ser libertado torna-se caçador de recompensas e sai em busca de sua esposa que está na companhia de um latifundiário no Mississippi.

O filme DJANGO LIVRE que tem uma longa duração de 2h.45m, não deixa de contar com homenagens de Tarantino aos spaghetti western, como a bem-vinda presença do ATOR ITALIANO FRANCO NERO(75 anos), o primeiro Django do cinema, além das marcas registradas do cineasta, como sequências extremamente violentas, diálogos ácidos e engraçados e uma trilha sonora impecável. “Django Livre” mostra que Quentin Tarantino refina, a cada filme, seu modo particular de contar histórias. Desde já, um clássico. Porem, o CALO do filme diz respeito ao tema explorado pelo diretor Tarantino: ESCRAVIDÃO… O fato é que falar de escravidão nos Estados Unidos é mexer num vespeiro. As questões raciais permanecem um tema delicado e, por causa de Tarantino, o assunto voltou a ser debatido na mídia norte-americana. De acordo com o cineasta, a preocupação em encenar o cotidiano dos escravos com atores locais só passou após uma conversa com SIDNEY POITIER, o primeiro artista negro a ganhar um Oscar. Na ocasião, Poitier disse ao diretor que ele “NÃO PODERIA TER MEDO DO PRÓPRIO FILME”.

O mais novo filme de faroeste estrelado por Leonardo DiCaprio, chama-se O REGRESSO. O filme traz o ator cinco vezes indicado ao Oscar no papel de um guarda de fronteiras. A trama narra uma história real ambientada no velho oeste dos Estados Unidos no início do século 19. O trabalho do diretor Alejandro Gonzalez é chumbo grosso, duro na queda e muito violento. Recebeu a classificação indicativa R nos Estados Unidos, o que significa que o filme É PROIBIDO para menores de 17 anos desacompanhados dos pais ou responsáveis. Trata-se da segunda maior restrição possível que um filme pode receber, atrás apenas da classificação NC-17 (proibido para qualquer menor de 17 anos), geralmente reservada para filmes adultos.

Em 2016, no auge dos seus 41 anos com inúmeros filmes memoráveis, pois com o violento faroeste/aventura O REGRESSO, DiCaprio, finalmente, saiu como o vencedor do Oscar de melhor ator. Ele nunca tinha conseguido levar a estatueta de melhor ator, apesar de ter sido indicado por 5 vezes. Faltava O REGRESSO na vida dele. O filme que levou o Oscar de melhor fotografia e melhor diretor deu o inédito Oscar para Leonardo DiCaprio, por sinal merecidíssimo. Uma das melhores atuações do DiCaprio em toda sua história no cinema. Filme Fantástico, maravilhoso, forte, obra prima, bem dirigido, bem fotografado. Inspirado em eventos reais, o filme prende o espectador do inicio até o fim. A cena de DiCaprio enfrentando o urso cinzento deixa a plateia completamente paralisada, em choque, é muito forte. Destaque para as expressões faciais apavorantes deste bom ator que é de uma maestria espetacular, donde, sem perceber quem assiste ao filme começa a viver o personagem.

Assista ao vídeo de apenas 3 minutos daquele momento mágico que todos esperavam e finalmente aconteceu. Leonardo DiCaprio venceu seu primeiro Oscar em 2016, por sua atuação como o protagonista de “O REGRESSO”. Esta foi à quinta indicação por atuação que o ator recebeu – a primeira aconteceu em 1994, por seu papel de coadjuvante em “Gilbert Grape: aprendiz de sonhador”. Ele também foi indicado como melhor ator por papéis em “O aviador” (2004), “Diamante de sangue” (2006) e “O lobo de Wall Street” (2013).

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

FERNANDO – JORNAL DA CIDADE DE BAURU (SP)

18 setembro 2017 A PALAVRA DO EDITOR

UM FILME DA PORRA!

Fui ver ontem o filme Polícia Federal – A Lei é Para Todos.

Subtítulo: Os Bastidores da Operação Lava Jato.

E ganhei o meu domingo.

No cartaz do filme, aparece uma linda ilustração: um guabiru algemado e com as mãos cheias do dinheiro ganho na corrupção.

Recomendo com muito entusiasmo: todo brasileiro deveria ver este filme.

De norte a sul, de leste a oeste.

O filme está entre os primeiros lugares nas bilheterias da temporada.

É uma pena que o povo, a plebe, a massa, não tenha acesso ao cinema. Se tivesse, seria uma maravilha. Muita coisa iria mudar. Sobretudo no eleitorado de baixa renda. 

Saí da sala de projeção com o peito lavado e uma enorme esperança de que, afinal, ainda existem algumas coisas que prestam neste nosso país.

Trata-se de produção primorosa, de primeira categoria, que coloca o cinema brasileiro num patamar de altíssima qualidade.

O filme não é contra, nem é a favor. Não aumenta, nem inventa. Apenas retrata uma realidade recente. Recentíssima.

Ele relata como surgiu a Operação Lava Jato, a maior operação anticorrupção DO MUNDO, desde o início, inclusive como foi escolhido este nome, e mostra a impecável atuação da Polícia Federal.

Uma atuação do caralho!!!

Repito: todo brasileiro deveria ver este filme. E ele deveria ser projetado em todas as salas de cinema do Brasil.

Atenção, leitores fubânicos: recomendo pra vocês e peço que vocês recomendem pra todos os seus amigos.

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

J. BOSCO – O LIBERAL (PA)

18 setembro 2017 XICO COM X, BIZERRA COM I


http://www.forroboxote.com.br/
TEMPO PERDIDO SEM POESIA

Tinha um coração povoado por sombras e uma alma que se incumbia apenas de transferir gelo para suas veias. Desconhecia o bem querer e o amor era algo estranho para ele. Seus ouvidos não tinham tempo para ouvir os acordes de uma canção ou a leveza suave de palavras ternas. Apenas zumbidos e sussurros lhe chegavam às ouças. Nada mais. Até que lhe foi apresentado um poema de Manoel. Uma poesia de Barros. Poderia ter sido de Bandeira ou de Drumond, mas foi de Manoel de Barros. Aí, as pedras ganharam cor, o escuro se encheu de Luz e a incerteza se vestiu de verdades. Viu quanto tempo foi perdido. Sumiram as sombras e o gelo se desfez. Havia conhecido todo o encanto que há nas palavras. Quanto tempo ele perdeu ao desconhecer o quanto de belo há em um grilo, quanta claridade se encontra numa poça d’água que reflete a luz da lua, quanta sinceridade pode se encontrar numa simples pedra largada à beira do caminho.

18 setembro 2017 FULEIRAGEM

MYRRIA – A CRÍTICA (AM)

18 setembro 2017 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JOSÉ SILVA – CAMPO GRANDE-MS

Sr. Editor,

Essa gazeta fria, calculista e dissimulada deixou passar um fato relevante anunciado na semana passada pela imprensa marrom azul-anil.

O Geddel recebeu a maior premiação da Casa Cor de Salvador pela decoração do seu apartamento.

A Comi$$ão que declarou o Projeto vencedor destacou a “simplicidade e funcionalidade do mobiliário, com aproveitamento correto dos espaços, numa estética muito clean”, e que “Geddel merece respeito pela ousadia, já que outras pessoas arquitetam da mesma maneira mas optam por permanecer no anonimato”.

Agora, com a ajuda dos especialistas da Polícia Federal e do Ministério Público, outros projetos poderão ser revelados, enaltecendo a pujante e premiadíssima arte decorativa e arquitetural brasileira.


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa