15 dezembro 2017 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINI

15 dezembro 2017 OS PINGOS NOS IS

MAIORIA DOS PARTIDOS TEM RÉUS E SEMI-RÉUS NA PRESIDÊNCIA

15 dezembro 2017 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA (ES)

15 dezembro 2017 SONIA REGINA - MEMÓRIA

DISCURSO

No parlamento do Reino Unido, Margareth Thatcher (outubro de 1925 a abril de 2013), Primeira Ministra no período de 1979 a 1990, fez um discurso que ficou na história. Com sua inteligência e competência e sem utilizar escudos ideológicos baratos, só precisou de 2,22 minutos para explicar quais os deveres dos governantes para com os cidadãos de uma Nação.

* * *

RIVERDANCE

São 8 minutos de disputa na arte da musica e dança. Ao final, empate, aperto de mãos e abraços. O troféu, ficou para quem assistiu esse belo espetáculo e aplaudiu de pé. Infelizmente, a vida não imita a arte. Quando será que poucas pessoas consigam entender-se para o bem-estar de milhares?

15 dezembro 2017 FULEIRAGEM

DUKE – O TEMPO (MG)

15 dezembro 2017 EVENTOS

PARA OS FUBÂNICOS DO RECIFE – BLOCO QUEM TEM COOLER TEM MEDO

O novo bloco de Carnaval de Boa Viagem, o Quem tem Cooler tem Medo, já tem seu hino!

Confira no vídeo de lançamento.

O Ano I do Quem tem Cooler tem Medo é dia 27 de janeiro de 2018, com a concentração às 12h e saída às 14h.

Em breve todas as informações para você não ficar de fora dessa!

Estamos no Facebbok. Conheça nossa página.

É só pesquisar por @blocoquemtemcoolertemmedo

Estamos também no Instagram (clique aqui).

Confira nossa página e nos siga lá! Já são mais de 2.200 seguidores. #blocoquemtemcoolertemmedo

Autor e Intérprete: Marco Rosati – Arranjo: Maestro Fabio Valois

15 dezembro 2017 FULEIRAGEM

CLÁUDIO – AGORA SÃO PAULO

15 dezembro 2017 ALAMIR LONGO - VENTO SUL

FILHO DE SATANÁS

Tua hora tá chegando
Lesa-Pátria cachaceiro
Atente bem para a data
Vinte e quatro de janeiro
Teu destino tá selado
Comandante mensaleiro!
Chega de tanta mentira
E roubar o povo brasileiro
Já basta de impunidade
Seu criminoso traiçoeiro!

Pisoteia nossas leis…
Não respeita o Judiciário
Vives só semeando ódio
Seu sacrossanto falsário!
Loteaste nossas riquezas
Vagabundo milionário!!!
Tu tens que pagar por isso
Seu traidor ordinário!
Não desce tua podridão
Nem num vaso sanitário!

Lá no Reino da Papuda
Irás encontrar a paz
Um tosco olho-de-boi
De ‘cumpanhero’ terás
Prepare tuas mãos sujas
E as coloque para trás
Vem aí um par de algemas
E um camburão logo atrás
Apodreça na cadeia!
Seu Filho de Satanás!!!

15 dezembro 2017 FULEIRAGEM

FERNANDO – JORNAL DA CIDADE DE BAURU (SP)

ZUMBA

Túlio tem duas paixões na vida, cavalo e mulher. Parte da infância passou na fazenda do avô em União dos Palmares, bem perto da Serra da Barriga, onde os escravos refugiados se organizaram construíram uma sociedade, a República dos Palmares. Local de difícil acesso, os negros conseguiram por 100 anos se defenderem dos governos escravagistas. Ganga Zumba foi o líder de Palmares que se tornou refúgio de escravos foragidos. À medida que foi crescendo, eles se organizaram em Quilombos. Ganga Zumba tinha um palácio, quatro esposas, guardas, ministros e súditos devotos. A República dos Palmares era formada por cerca de 2.000 casas que abrigavam famílias, guardas e oficiais que faziam parte de nobreza. Ganga Zumba tinha deferências e honrarias de Rei.

Ganga Zumba chegou a acertar um tratado de paz oferecido pelos governantes e fazendeiros, para transferir os negros de Palmares outro local. Zumbi, sobrinho de Ganga Zumba, não aceitou o acordo. Ganga Zumba foi envenenado e a resistência aos portugueses continuou com Zumbi.

Como Túlio gostava de contar essa história desde criança e tem a pele morena, cabelos crespos, lábios carnudos, parecido com seu avô paterno, filho de um português com uma escrava, logo tomou o apelido de Zumba. Todos os amigos na fazenda, na cidade, colegas da faculdade de agronomia chamam o moreno Túlio carinhosamente de Zumba.

Hoje ele mora em Maceió, com seus 65 anos administra a fazenda que lhe coube como herança, de onde tira a para seu viver sem muitos atropelos financeiros. Suas três filhas e a esposa gostam da vida da cidade, apenas um genro o ajuda na administração do campo.
Túlio não perde leilão de cavalos, vive procurando, viajando, comprando e vendendo, conhece o Brasil e é popular no ramo de leilões, todos conhecem Zumba. Ângela, sua esposa, raramente o acompanha, no íntimo ele gosta, fica livre para outra paixão, mulher, não pode ver um rabo de saia, Zumba nunca dorme sozinho nos hotéis. Em leilões de gado sempre tem mulher bonita.

Certa vez, em uma exposição na cidade de Palmas, ele experimentava um cavalo baio, estava gostando do trotar do animal quando avistou uma bela mulher, de jeans e chapéu de cowboy, com os braços por cima da cerca apreciando Zumba e o cavalo. Ela sorriu ao longe.

À noite quando ele saía do hotel para jantar num restaurante da cidade encontrou-se com a linda mulher no elevador, cumprimentaram-se.

– Comprou aquele baio? Perguntou a mulher sorrindo.

– Ainda não decidi.

Esse diálogo foi início de uma conversa animada. Alice, era fazendeira em Goiás, entendia de cavalos e bois. Zumba convidou-a para jantar na cidade, ela não se fez de rogada aceitou o convite. Zumba estava na maior felicidade, a bela fazendeira tinha uma idade indefinida entre 45 a 55 anos, bem arrumada, bem tratada, e com aquela conversa, que mais ele queria? Terminaram dormindo juntos os três dias no hotel. Ele não perguntou, nem ela esclareceu os detalhes de sua vida, apenas que era fazendeira. Foram três dias de amor e cavalo. Zumba retornou à Maceió feliz da vida.

Ano seguinte, ele viajou àquele leilão na mesma época, dezembro, no fundo com uma pequena esperança de encontrar Alice. Foi em vão a procura em todos os lugares. Perdeu a esperança em encontrá-la. Mas o destino compensou, à noite dirigiu-se ao bar em busca de alguma aventura. Teve a sorte de encontrar uma solitária jovem, bonita que nem um cão. Ele sentou-se no banquinho junto à jovem. De repente puxou conversa, ela veterinária, estava adorando a exposição, conversaram, beberam, foram até o piano onde um argentino tocava tangos e outras canções. Cantaram, estavam se divertindo, terminaram no quarto do hotel. Na despedida, Elizabeth, a jovem, confessou-lhe que tinha amado os três dias com aquele coroa, moreno, alto. Zumba sentiu-se mais jovem com a aventura. Dias inesquecíveis. Retornou feliz da vida.

Durante o ano participou de vários leilões e exposições, até que em dezembro retornou ao Leilão de Palmas. Ele achava que dava sorte.

Foi à exposição, montou, discutiu preços, conversou com fazendeiros. À noite tomou um banho e saiu em busca de aventuras, pensou em Alice e na jovem Elizabeth. Quando tomava o segundo uísque no bar do hotel, eis que surge a maior surpresa de sua vida. As duas louras, Alice e Elizabeth, juntas, olharam discretamente para ele, não cumprimentaram Zumba. Ele ainda chocado com aquela dupla aparição, ouviu quando Elizabeth tratou Alice com um “mamãe” bem carinhoso. Pelo olhar de indiferença, percebeu que as duas juntas tornou-se inviável qualquer contato, muito menos uma noite de amor.

O remédio foi ouvir tango argentino. E para dormir se valeu de uma acompanhante anônima.

15 dezembro 2017 FULEIRAGEM

J. BOSCO – O LIBERAL (PA)

15 dezembro 2017 DEU NO JORNAL

BENÉFICA E SALUTAR “EXORBITÂNCIA”

A Polícia Federal pediu ao juiz Sergio Moro 45 dias para a conclusão da perícia de novos HDs da Odebrecht, onde estão armazenados dados dos sistemas eletrônicos Drousys e MyWebDay.

A Lava-Jato recebeu de autoridades suíças mais dois discos rígidos e um pendrive com cópia dos dados do sistema, usado pela empreiteira para pagar propina a políticos.

A defesa do ex-presidente Lula tentou impedir a análise, sob a alegação de que seria prova nova.

Moro negou o pedido.

* * *

É por isso que o fubânico luleiro Ceguinho Teimoso escreveu aqui no JBF que “O juiz Sérgio Moro exorbita ao fazer o papel de justiceiro.

Na República Federativa de Banânia existem cegos para os quais seguir a lei à risca, se basear na Constituição, punir culpadas e combater tenazmente a corrupção é mesmo “exorbitar e fazer papel de justiceiro“…

E vamos fechar a postagem com um toque de humor, transcrevendo outra frase do Ceguinho, expressando sua opinião sobre uma das entidades mais sérias e respeitáveis da atualidade neste nosso país:

“O Ministério Público é verde, imaturo e apaixonado”.

Isto é pra gente se mijar-se de tanto se rir-se.

15 dezembro 2017 FULEIRAGEM

CLÁUDIO – AGORA SÃO PAULO

15 dezembro 2017 JOSIAS DE SOUZA

“CHAMOU DE LADRÃO, TEM QUE RESPONDER…”

Reunido com a bancada de deputados e senadores do PT, Lula deu um aviso e alguns conselhos à tropa. “Vou brigar até as últimas consequências”, avisou, a propósito do julgamento que pode torná-lo inelegível em janeiro. “Sei que o objetivo é tentar evitar que o PT volte ao governo”, declarou, antes de aconselhar:

“Nesse momento, acho que só temos uma saída: enfrentar a situação de cabeça erguida, com muita coragem. Nós temos que utilizar a tribuna todo dia. O cara chamou a gente de ladrão, tem que responder na hora. Não tem que deixar para depois. Não adianta o cara xingar a gente e depois chamar de Vossa Excelência. Vossa Excelência é a puta que o pariu! Com bandido não tem meia conversa.”

Lula insinuou que a reação é uma questão de sobrevivência. “Quem achar que vai sobreviver ficando quieto e dizendo ‘eu não tô aí, eu não tenho nada a ver com isso’, quem pensar assim pode ficar certo que não vai sobreviver. Só tem um jeito de sobreviver. É vocês levantarem a cabeça.”

Abstendo-se de recordar que o PMDB entrou no Planalto porque ele enfiou Michel Temer dentro da chapa da pupila Dilma Rousseff, Lula emendou: “Com todos os defeitos individuais que a gente pode ter, nós somos infinitamente melhores do que essa turma que está governado o país hoje. É só olhar para a cara deles e olhar para a cara dos nossos.”

* * *

LULA QUER VOLTA À NORMALIDADE! E O QUE É NORMAL?

15 dezembro 2017 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE

A “ARMA”

Seu Lúcio, trabalhador rural, era aposentado pelo INSS e residia num bairro simples de uma pequena cidade do interior nordestino. Todo começo de mês, ia à agência bancária pagadora, receber o dinheiro do seu “aposento”, como ele costumava chamar. Mal sabia ler e escrever, mas acompanhava os noticiários da televisão. Por isso, estava sempre por dentro da onda de violência que assola o País e dos escândalos praticados pela banda podre dos nossos políticos. Era revoltado com a insegurança que vitimava pessoas inocentes, todos os dias, nas grandes cidades. Entretanto, sentia-se seguro na localidade onde morava, pois ali a violência ainda não havia chegado.

Por via das dúvidas, tinha em casa uma espingarda pendurada na parede da sala, sempre carregada de chumbo, que usava para caçar. Essa arma, em caso de necessidade, seria usada por ele, na defesa da sua vida e da sua família. Mas, com fé em Deus, isso nunca iria ser preciso.

Seu Lúcio morava numa rua muito calma, onde ainda se usava colocar cadeiras nas calçadas para se prosear, até o sono chegar.

Certo dia, como fazia todo mês, foi à Agência bancária, enfrentar uma grande fila, para receber seus proventos. Recebeu o dinheiro, contou e guardou no bolso da calça, voltando para casa, em seguida.

Logo que chegou, pegou a vassoura e começou a varrer a calçada, para apanhar as folhas de um pé de Castanhola, que ali havia. Mal começou o serviço, viu parar uma moto, de onde desceram dois malandros, usando boné, um deles com um revólver na mão. Anunciaram que era um assalto e exigiram o dinheiro da aposentadoria, que o homem recebera há poucos minutos, na Agência bancária. Disfarçadamente, eles haviam acompanhado a entrada do idoso no banco e viram quando ele guardou no bolso da calça o dinheiro recebido.

Na mira do revólver, Seu Lúcio ficou paralisado e lhe faltou a voz. Mas, de repente, uma força superior o dominou, e ele usou a vassoura para se defender. Inesperadamente, com uma vassourada, derrubou o revólver de um dos assaltantes e distribuiu outras grandes vassouradas, atingindo os dois.

A força de sertanejo se apossou de Seu Lúcio, e os malandros, sumiram na moto, em disparada.

Um vizinho telefonou para a Polícia, que compareceu ao local do frustrado assalto. Foi constatado que o revólver usado pelos assaltantes, e que estava jogado ao pé da calçada, era de brinquedo.

Seu Lúcio foi levado à Delegacia de Polícia, para registrar a queixa, empunhando sua extraordinária arma: A “bassoura”, como ele chamava.

O dinheiro da aposentadoria continuava no bolso de sua calça.

15 dezembro 2017 FULEIRAGEM

FRANK – A NOTÍCIA (SC)

BRASIL CAIPIRA

No programa Brasil Caipira da TV Câmara apresentado pelo excelente Luiz Rocha, a dupla Valdo Reis e Pratini cantam de Ademar Braga e Valdo Reis, Troteando na Saudade“.

15 dezembro 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ- JORNAL DA BESTA FUBANA


Mundo Cordel
O NOME

Ela devia se chamar Soraia.
Mas, no cartório, bem naquele dia,
Um funcionário digitou errado.
Um erro bobo, mal se percebia.
E o nome até ficou satisfatório.
Por causa do tal erro do cartório,
Hoje é feliz, por se chamar SORRIA!


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa