28 novembro 2014 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

nani3

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 DEU NO JORNAL

DEPOIS DO VENDAVAL

nelson motta

Em Lisboa, estou me sentindo como se estivesse no Brasil: o ex-primeiro-ministro socialista José Sócrates foi preso no aeroporto, chegando de Paris, pilhado com pelo menos 20 milhões de euros de negociatas depositados num banco suíço. Nunca na história desse país, ó pá. E logo um socialista, que sempre se alardeou homem de vida e posses modestas, lutando pelos pobres e oprimidos.

Depois de deixar o poder, com o governo socialista derrubado pela crise econômica que quebrou Portugal, Sócrates estava estudando Filosofia em Paris e morando num belo apartamento de milhões de euros, aparentemente alugado, mas na verdade de um testa de ferro, também preso, além do seu motorista Pedro Perna, que levava o dinheiro vivo para Paris periodicamente. Ah, os motoristas e secretárias, o que seria dos corruptos sem eles?

A diferença é que aqui ninguém alega que era para o partido, a causa popular ou a luta política. Nem levanta punhos. Em Portugal, como na Inglaterra ou na Itália, roubos e falcatruas para favorecer um partido ou candidato não são atenuante, mas agravante, porque o objetivo é fraudar o processo eleitoral e a vontade popular, um crime que não atinge só uma pessoa física ou jurídica, mas toda a sociedade e a democracia.

Falando em Itália, quem acompanhou de perto a devastação provocada pela Operação Mãos Limpas, que investigou 872 empresários, 1.978 administradores e 438 parlamentares, entre eles quatro ex-primeiros-ministros, e levou centenas à prisão, não tem dúvidas: com o fim dos partidos tradicionais, mas sem uma reforma política, criou-se o vácuo em que apareceu Berlusconi, que ficou 20 anos no poder. E deixou a Itália pior do que antes da Mãos Limpas, com a segunda geração de partidos mais suja e execrada do que a primeira.

A elite das elites de que Lula tanto fala caiu no arrastão da Lava-Jato, com amigos e companheiros empresários, administradores, partidos e políticos unidos para saquear a Petrobras. Espera-se que todos sejam condenados e punidos, mas depois do vendaval é que mora o maior perigo: sem uma profunda reforma política, um Berlusconi tropical.

sócrates na prisão

José Sócrates, o guabiru socialista português devidamente enjaulado: “Cá em Portugal não é possível levantar o punho como fez meu xará José Dirceu na República Federativa de Banânia”

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JBF

vqt

Compartilhe Compartilhe
HUMANIDADE

Luzes brilham na ribalta,
Formam trilhas na plateia
Que se enfurece e se exalta,
– Iguais lobos na alcateia -
Por não aplaudir a ideia
Do beijo homossexual
Naquela peça teatral
Chamada “Humanidade”.
Quem não aceita a verdade
Não vê o mundo real.

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

PELICANO – TRIBUNA SP

AUTO_pelicano

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 VIVÊNCIAS - Paulo Marques


paulomarquestrvp@gmail.com
REFLEXÕES SOBRE O FENÔMENO DE QUASE MORTE (EQM)

Muito se tem falado ultimamente sobre o fenômeno de quase morte (EQM). Pessoas que chegam bem perto da morte e que retornam a um estado saldável de vida, passam por transformações profundas em seus valores e atitudes.

Como psicoterapeuta que considera em sua prática profissional as dimensões extrafísicas do ser humano, incluindo as possíveis encarnações anteriores e perspectivas futuras de um pós-morte, o fenômeno EQM muito me interessa. Eu mesmo já passei por tais momentos de Quase Morte, quando há uns trinta anos atrás fui acometido de Febre Tifoide, que por ausência de tratamento específico durante cerca de 12 dias, quase me levou à morte. Fiquei muito debilitado e, nessas circunstâncias, tive praticamente a certeza de que iria morrer. A certa altura entrei num curioso estado de aceitação suave e tranquila da morte. Cheguei a, nitidamente, assistir àquele filme rápido de uma sequência de fatos da minha vida, de que contam todos aqueles que vivem o limiar da morte.ll

Tudo isto veio a mim agora por estar lendo o livro “Lições da luz: o que podemos aprender com as experiências de proximidade da morte”, (São Paulo, Sumos, 2001) na casa do meu filho Paulo Alexandre, neste maravilhoso clima da Chapada da Borborema, na bela e acolhedora Campina Grande.

Os autores Kenneth Ring e Evelyn Valarino descrevem de forma lúcida todos os detalhes deste fenômeno, destacando principalmente as mudanças para melhor no modo de viver das pessoas que passaram por este estado. A intensão destes autores é levar para aqueles que não passaram pela EQM o benefício da experiência sem a necessidade de passar pelo trauma que normalmente a provoca.

Para finalizar essas reflexões e com o intuito de contribuir com aqueles leitores mais interessados no assunto, passo a citar trechos do “Lições da luz”, onde os autores utilizam a experiência de Craig (nome fictício), um dos alunos do Professor K. Ring.

“A experiência de Craig ocorreu num dia de verão, como consequência de “rafting” no qual ele quase se afogou […]. Para nós o mais importante é o conhecimento que Craig recebeu durante a sua EQM e a maneira como ela afetou a sua vida. E se desejarmos internalizar essas lições para nós mesmos, talvez seja útil resumir algumas das mais importantes. Assim, é isso o que Craig – o qual como veremos, fala em nome de tantas outras pessoas – parece ter trazido consigo dessa experiência:

1. Não há nada a temer com relação à morte.
2. A morte é tranquila e bela.
3. A vida não começa com o nascimento, nem termina com a morte.
4. A vida é preciosa – viva-a plenamente.
5. O corpo e os sentidos são dons extraordinários – valorize-os.
6. O que mais importa na vida é o amor.
7. Viver uma vida voltada aos bens materiais significa não compreender a sua importância.
8. A colaboração, e não a competição, é o que contribui para um mundo melhor.
9. Ser um grande sucesso na vida não é tudo isso o que dizem.
10. Buscar o conhecimento é importante – ele vai com você.

Muitas dessas afirmações podem parecer obvias – e talvez você esteja pensando cinicamente: “é de fato necessário quase morrer para aprender esses clichês?” É claro que não – essa é toda a premissa deste livro – mas, a EQM transforma essas proposições de clichês, nos quais acreditamos da boca para fora, em verdades reais.” (RING E VALARINO, p. 46)

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

THIAGO LUCAS – FOLHA DE PERNAMBUCO

thiagolucas

Compartilhe Compartilhe

http://www.neumanne.com/
JORNAL DA TV GAZETA

* * *

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

JARBAS – DIÁRIO DE PERNAMBUCO

AUTO_jarbas

Compartilhe Compartilhe

www.cantinhodadalinha.blogspot.com
SÓ OS OVOS

nnh

Foto da colunista

Eu fiquei muito animada
Cheia de empolgação
Quando avistei uma rola
Daquelas lá do sertão
Qual não foi minha alegria
Por pouco eu colocaria
A rola em minha mão.

Porém a rola era arisca
Não ficou perto de mim
Procurou logo seu rumo
Mas com rola é mesmo assim
Chega parecendo mansa
Depois que enche a pança
Seu sumiço não tem fim.

Mesmo assim eu amansei
A tal rola com prazer
Ela construiu um ninho
Mas se você quer saber
Agora tem planos novos
Aqui só deixou os ovos
Pra dela eu não me esquecer.

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

DUKE – O TEMPO

duke

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

LUÍS ROBERTO ZANARDI – ITÁPOLIS-SP

Boa noite

Disconcordo totalmente de The New York Times, Financial Times, Der Spiegel e El Clarin a respeito do Jornal da Besta Fubana.

gmi

Em minha irrelevantíssima opinião é a melhor página na Internet.

Sempre admirei a inteligência dos pernambucanos, mesmo antes de conhecer esta página. Evidentemente, depois disto a admiração só cresceu.

Este espaço é imperdível.

Saudações do interior paulista.

R. Minino, ganhei meu dia.

Dizer que esta gazeta escrota “é a melhor página na Internet” me deixou ancho que só a porra.

Gratíssimo, meu caro leitor.

Saiba que nos últimos trinta dias, segundo dados do Google Analytics, exatamente 52 fubânicos acessaram o JBF a partir dessa bela e acolhedora Itápolis.

Mando um abraço e desejo um excelente final de semana pra todos!

itapolis

Itápolis, localizada na microrregião de Araraquara, a 360 km da capital e com 40.064 habitantes

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA

OPI-002.eps

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 DEU NO JORNAL

DUAS NOTÍCIAS DOS ZISTADOS ZUNIDOS

1) A Petrobras confirmou nesta segunda-feira que recebeu uma notificação da Securities and Exchange Commission (SEC), que solicita documentos para uma investigação sobre a estatal. A apuração será feita pelo próprio órgão regulador do mercado de capitais dos Estados Unidos. A petroleira tem ações negociadas na Bolsa de Nova York, o que justifica o interesse dos EUA em denúncias que envolvem a empresa.

A apuração do órgão é a mais recente de uma série de investigações sobre a Petrobras que estão avançando para além das fronteiras brasileiras. A empresa também está sob investigação do Departamento de Justiça americano. As investigações americanas, conduzidas tanto pela SEC como pelo Departamento de Justiça, têm natureza “ampla” e ocorrem desde o início de 2014.

*

2) As denúncias de corrupção na Petrobras ganharam grande repercussão nos EUA. Os problemas descobertos pela operação Lava Jato estão afetando, inclusive, a decisão de aplicar em papéis não só da petroleira, mas também de outras empresas brasileiras, principalmente estatais.

É o maior esquema de corrupção de que tenho notícia no Brasil“, diz o professor Samuel Saalfeld, que investe na Petrobras há dois anos e mora no Estado de Wisconsin, nos EUA.

Ainda mantenho as ações da Petrobras, embora me culpe todo dia por não ter vendido antes“, afirma um investidor em Chicago, o engenheiro Richard Patt.

petrobras notificada

* * *

Isso é coisa dos zimperalistas querendo se meter nos negócios internos de uma nação soberana, progressista e sem qualquer problema de corrupção gunvernamental feito a nossa.

Isto é pura inveja de Tio Sam.

Yankee Go Home!

Quanto aos americanos que investiram na Petrobras, vocês podem ficar tranquilos. Explicante Incansável vai explicar tudinho e provar que tanto a Securities and Exchange Commission quanto o Departamento de Justiça americano estão redondamente enganados.

Como se trata de assunto que envolve patriotismo ufânico, vou convocar Papagaio Ufanista pra ajudar Explicante Incansável nesta patriótica e explicatória tarefa.

papagaio

Desde sua fundação que a Petrobras nunca esteve tão sólida, rentável e próspera quanto nos últimos 12 anos. A administração petista do Socialismo Muderno alçou a empresa a níveis que ela nunca havia alcançado antes desde o dia em que foi criada.

Fiquem tranquilos os investidores americanos, pois o pré-sal vai jorrar dividendos, lucros e riquezas pra todos que compraram ações da nossa maior estatal.

Aliás, a propósito de pré-sal, recomendo a todos que façam uma visita à página internética Diário do Pré-Sal.

Para isto, basta clicar na ilustração abaixo:

ps

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

ELVIS – AMAZONAS EM TEMPO

elvis

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

SONIA REGINA – SANTOS-SP

Boa noite Sr. Luiz Berto

Veja a foto que pesquei de um carinhoso assessor preenchendo a folha dos votos para vetos na secção de ontem.

Retirei do Blog do Sr. Polibio Braga. (clique aqui e leia matéria completa)

ASSESSOR

Devem ser assuntos de pouca importância e seria pedir muito que as excelências perdessem seu preciosos tempo.

Um abraço e um final de quinta-feira com muita Paz para toda família “Berto filho”.

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

nani

Compartilhe Compartilhe
HARMÔNICOS

* * *

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

MIGUEL – JORNAL DO COMMERCIO

migueljc

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 DEU NO JORNAL

APROPRIAÇÃO DE PROPORÇÕES BANÂNICAS

“O que é isso? Em que país vivemos? Os bandidos perderam a noção das coisas! Como podem se apropriar desse montante?”

Desembargador Walter de Almeida Guilherme, que atua no STJ na condição de ministro convocado, sobre a roubalheira na Petrobras

* * *

Pergunte pra Lula, desembargador.

Tenho certeza que ele vai explicar tudinho.

E ainda vai marcar uma audiência do sinhô com Dilma para que ela dê também sua lúcida e isenta resposta.

nicolielo

E pode aguardar que o fubânico gunvernista Explicador do Inexplicável também vai explicar e justicar “como podem se apreciar deste montante“.

Que, convenhamos, num tem nada de montante. É um mísero montinho de algumas dezenas de bilhões. De dólares.

Minxaria. Coisa pouca.

Muito mais do que isto foi roubado nos gunvernos de Getúlio Vargas, de Juscelino e, principalmente, no de FHC.

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

BRUM – TRIBUNA DO NORTE

AUTO_brum

Compartilhe Compartilhe
10 MESTRES DO IMPROVISO E UM FOLHETO RELIGIOSO

XUDU

O paraibano Manoel Xudu, poeta violeiro improvisador (1932 – 1985)

* * *

Manoel Xudu

Quando eu segurei a tua mão
Foi achando que ela estava fria
Ela tava tão quente e tão macia
Igualmente um capucho de algodão
Vou mandar repartir meu coração
Pra fazer-te presente da metade
Pra gente ficar de igualdade
Tu me dá teu retrato eu dou o meu
O retrato me serve de museu
Pra eu guardar meu romance de saudade.

Minha mãe que me deu papa
Me deu doce, me deu bolo
Mamãe que me deu consolo
Leite fervido e garapa
Minha mãe me deu um tapa
E depois se arrependeu
Beijou aonde bateu
acabou a inchação
Quem perde mãe tem razão
De chorar o que perdeu

* * *

Zé Galdino

Infância foi ilusão
Por quem por ela passou
A velhice é um museu
Que o tempo fabricou
Pra guardar as fantasias
Que a juventude deixou.

* * *

Ismael Pereira

Depois que meu pai morreu
Minha mãe ficou sozinha
Na sua vida de pobre
Trabalhando pra vizinha
Estragando a vida dela
Pra dar conforto a minha.

* * *

José Monte

É bonito se olhar numa represa
A marreca puxando uma ninhada
Com um gesto de mãe tão dedicada
No encontro das águas da represa
Quanto é lindo o arrolho da burguesa
Num concerto de notas musicais
A lagarta com letras naturais
Numa folha escrever fazendo um cheque
E palmeira selvagem abrindo o leque
Espantando o calor que a tarde faz.

* * *

Miro Pereira

O meu pai não tem estudo
Mamãe é analfabeta
Eu pouco fui à escola
Somente Deus me completa
Com esse sublime dom
De repentista e poeta.

* * *

Noel Calixto

Alagoas tem Quilombo
Belas praias, tem coqueiro
Berço de Apolônio Belo
E de Vicente Granjeiro
Famosa nas duas coisas
Marechais e violeiro.

* * *

Maximino Bezerra

Descobri comigo mesmo
Que a tristeza vem da dor
Carinho vem da ternura
A paixão vem do amor
A verdade vem de Cristo
E os versos, do cantador.

* * *

Sebastião da Silva

(Quando da morte do poeta repentista Dimas Batista)

Pra levar Dimas Batista,
a morte perversa veio;
levar o mais novo é triste;
levar o mais velho é feio.
Deus, respeitando os extremos,
mandou buscar o do meio!

* * *

Roberto Queiroz

Admiro o Zé Ferreira
Um cantador estupendo
Se a roupa se suja, lava
Se rasga, bota remendo
Gasta menos do que ganha
Que é pra não ficar devendo.

* * *

Zé Fernandes

A sêca seca primeiro
Os depósitos cristalinos
Depois seca as esperanças
De milhões de peregrinos
Mas bota enchente de lágrimas
Nos olhos dos Nordestinos.

* * *

Um folheto de José Pacheco

OS SOFRIMENTOS DE JESUS CRISTO

OSJ

Oh Jesus meu Redentor
dos altos Céus infinitos
abençoai meus escritos
por vosso divino amor
leciona um trovador
com divina inspiração
para que vossa paixão
seja descrita em clamores
desde o princípio das dores
até a ressurreição.

Dentro do Livro Sagrado
São Marco com perfeição
nos faz a revelação
de Jesus crucificado
foi preso e foi arrastado
cuspido pelos judeus
por um apóstolo dos seus
covardemente vendido
viu-se amarrado e ferido
nas cordas dos fariseus.

Dantes predisse o Senhor
meus discípulos me rodeiam
e todos comigo ceiam
mas um me é traidor
só a mão do pecador
meu corpo ao suplicio vai
porém vos digo que vai
do homem que por dinheiro
transforma-se traiçoeiro
contra o Filho de Deus Pai.

Clique aqui e leia este artigo completo »

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

BOOPO – TRIBUNA DE AMPARO

boopo

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 DEU NO JORNAL

“CORAGEM, JUIZ SÉRGIO MORO”

Mara Bergamaschi

Mais uma vez, o trabalho do juiz federal Sérgio Moro, que conduz em Curitiba (PR) o inquérito da Operação Lava-Jato, é alvo de tentativa de interrupção e esvaziamento.

Desta vez, por parte de advogados de grandes empreiteiros presos. Alegam que a investigação completa deveria “subir” para o Supremo Tribunal Federal (STF) pelo fato de haver “agentes políticos” envolvidos.juiz-Sergio-Moro

Imaginem: se com 40 réus iniciais, o julgamento do Mensalão levou sete anos no Supremo, quanto demoraria revisar as ações da PF e Ministério Público Federal (MPF) que desbarataram o “Petrolão”, uma rede em que se estima o dobro ou mais de denunciados?

Retirar a jurisdição de Sérgio Moro para suspeitos sem direito a foro privilegiado, acusados (alguns já réus confessos) de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas -, é talvez apostar que a Lava-Jato mofará ou se perderá na Justiça que tarda.

E assim falha – pelo menos do ponto de vista da maioria da sociedade, que clama pela punição imediata dos que atentam contra o patrimônio e o erário público.

Aliás, é essa rapidez na instrução e julgamento dos processos da Lava-Jato, incomum na Justiça brasileira para crimes de colarinho branco, que tem assustado os envolvidos.

Por que a Justiça Federal do Paraná, destinatária do valioso trabalho da força-tarefa de delegados federais e procuradores da República, já conseguiu encerrar várias ações, punindo criminosos e até recuperando valores?

O jurista Walter Maierovitch explicou, em entrevista à Globonews, que a PF e o MP adotaram na Lava-Jato o modelo de investigação da eficiente promotoria americana, que vai fechando os inquéritos à medida que obtém provas cabais contra determinados réus.

Isso permitiu ao juiz Moro “fatiar” as condenações, sem esperar pela conclusão de toda a investigação – que continua avançando e produzindo novas evidências, num ciclo virtuoso. Inclusive em instâncias superiores: como as delações premiadas, com a descrição do pagamento de propinas a políticos, já em poder do STF.

E tais provas foram produzidas porque a inteligência da PF mapeou e vigiou, a partir dos indícios de lavagem detectados pelo Coaf (Conselho de Atividades Financeiras), também enviados ao MPF, o funcionamento do esquema.

Os resultados da Lava-Jato devem-se à autonomia e compromisso de integrantes destas instituições – Coaf, PF, MPF e Judiciário. Mas quem pode garantir, nos momentos de riscos, que se vá até o fim desse e de outros escândalos?

Certamente não será só a presidente Dilma “lutando contra a corrupção diuturna e noturnamente” – por mais que se acredite na propaganda contorcionista do governo.

Quem se lembra dos cartazes de cartolina em que se lia “Não à PEC 37”? Se houve uma vitória imediata das Jornadas de Junho de 2013 foi o arquivamento, no Congresso, da malfadada Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que limitaria o poder do MPF de investigar.

É também graças àquela mobilização de cidadãos que os procuradores podem estar hoje lá na Suíça tentando repatriar os milhões desviados da Petrobrás. É nosso direito – e nosso dever – fortalecer os que estão à frente das apurações.

Coragem, juiz Sérgio Moro” – foi o que desejou esta semana o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Newton Trisotto, ao seu colega de primeira instância.

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE

amorim3

Compartilhe Compartilhe
GAGO APAIXONADO

Noel Rosa canta “Gago Apaixonado“, de sua autoria, em gravação original de 1931:

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

ZOP – CHARGE ONLINE

AUTO_zop

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

DODDO FELIX – BOM JARDIM-PE

Caríssimo Berto,

Aí vai o poema do grande Cancão para atender ao pedido do nosso amigo portenho.

Já não o enviei porque só há pouco vi a postagem.

A estrofe citada é a última do poema.

Abração.

R. Nossa estimado colunista fubânico Doddo está se referindo à carta de um leitor argentino, publicada na última quarta-feira. (clique aqui para ler).

O fubânico portenho procurava um poema do saudoso João Batista de Siqueira, o popular Cancão, um dos maiores nomes da poesia nordestina, do qual ele conhecia apenas uma única estrofe.

Acabei de enviar o poema para Jorge Aníbal Saucedo, o fubânico residente em Buenos Aires. E dele já recebi a seguinte mensagem:

Prezado Luiz Berto:

Estou muito feliz! Agradeço a sua rápida resposta.

Já li o texto todo, incrível! Eu imaginei que deveria ser uma elegia, que não podia se tratar de um texto tão curto… não estava errado.

Muito obrigado por tudo.

Gostaria muito também seguir em contato.

Abraço, da Argentina.

E aqui vai de brinde pra comunidade fubânica o magnífico poema de Cancão, objeto da consulta do nosso leitor argentino:

* * *

LAMENTOS AO PÉ DE UM TÚMULO – João Batista de Siqueira (Cancão)

Sinto na alma receios
No coração, um desmaio
Lembrando os nossos passeios
Nas belas tardes de maio
Hoje, nesta sepultura
Triste, deserta e escura
No mais completo desprezo
Os teus restos solitários
Entre torrões funerários
Da terra que te faz peso.

Venho trazer-te a lembrança
Daquele tempo passado
Dos sopros da brisa mansa
Na orla verde do prado
Lembrar-te as lindas verbenas
Por entre as flores pequenas
Das manhãs frescas e belas
Venho chorar minhas dores
E trazer-te uma das flores
Que nos viu passar por elas.

Nestas noites consteladas
Teu espírito alegre voa
Pelas estrelas douradas
Que Deus bem alto povoa
Da região que habitas
Dessas paragens bonitas
Vem ouvir a quem te chama
Vem consolar o gemido
Dum coração comovido
Que ainda sente e te ama.

Clique aqui e leia este artigo completo »

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JBF

tcp

Compartilhe Compartilhe
A ESSÊNCIA E A FORMA

Sempre gostei de escrever.

Desde os tempos de ginásio, gosto de palavras e de externar meus pensamentos e sentimentos com palavras, em verso e em prosa.

Lembro bem, dos meus tempos de estudante no Liceu Nilo Peçanha, em Niterói, de uma grande professora de Língua Portuguesa que tive e me influenciou.

Chamava-se Terezinha e sua teoria, em matéria de redação, era diferente do tradicional.

Normalmente, nas redações, dava-se um tema único e se determinava o número de linhas que o aluno deveria escrever. Mínimo de 30 linhas, por exemplo.

Ela não agia assim. Dava pelo menos três temas diferentes e não estipulava limites de linhas.

Segundo ela, se a pessoa não se identificar com o tema, não tiver intimidade com o mesmo ou não estiver num bom dia para abordar aquele tema, não fará uma boa redação.

E com relação à extensão, dizia que era preferível dizer-se muito em poucas palavras do que dizer pouco em muitas.

A exigência de número mínimo de linhas só cria enroladores. Popularmente, transforma os alunos em “enchedores de linguiça”.

Para ela, a ESSÊNCIA superava a FORMA.

Essa filosofia tem me servido pela vida afora. Procuro descobrir e valorizar a ESSÊNCIA.

Embora tenha cuidado com a forma, com a gramática, há vezes em que é preciso deixá-la de lado, em favor de algo maior.

Mas nem todo mundo pensa igual. Há quem se aferra de tal maneira à “gramatiquice” que não percebe a ESSÊNCIA.

Sempre digo que uma das quadras mais poéticas do cancioneiro popular é de um compositor chamado VOLTA SECA que, segundo pesquisei, parece ter sido “cabra” de Lampião.

Em ACORDA MARIA BONITA, em determinado momento ele diz: “Se eu soubesse que chorando, empato a sua viagem, meus olhos eram dois rios, que não lhe davam passagem.”

Se dependesse de certos gramáticos, a beleza dessa canção não tocaria em lugar nenhum, a não ser que o autor mudasse a frase para: “Se eu soubesse que chorando, empataria a tua viagem, meus olhos seriam dois rios que não lhe dariam passagem.” A espontaneidade seria substituída pela concordância verbal.

Cheguei até aqui, não para “encher linguiça”, mas por conta de um texto que escrevi e não foi aprovado pelo MEC, porque usava uma expressão popular consagrada.

Um texto mostrando diversas situações em que os animais, na Natureza, mudam de cor ou de forma por diversas razões, o chamado “mimetismo”, ressaltando a origem dessa expressão: quando a gente procura uma coisa e não acha e o objeto procurado está diante do nosso nariz, costuma-se dizer: “Fosse um bicho, me mordia!”

E procurei dizer tudo em versos, como: “Veja só o camaleão, / vive mudando de cor. / Para encher a barriga / ou fugir de um agressor, / muda a cor da própria pele / sem precisar de pintor.”

Mas os gramáticos do MEC, responsáveis pela análise dos textos, implicaram com a expressão popular. Segundo eles, a expressão deveria ser mudada em respeito à concordância verbal.

Assim, a pedido da editora que gostaria de reinscrever o livro em outro Edital, concordei em proceder uma modificação em favor da “concordância verbal”, para “Fosse um bicho, morderia!”

Como mudei o texto, mas isso me machucou, acordei pensando na ESSÊNCIA e na FORMA.

Por conta dessas “gramatiquices”, o CORDEL, que na minha opinião é a MATEMÁTICA DA LÍNGUA, que ajuda a desenvolver o raciocínio, ampliar o vocabulário, a memória e que poderia contribuir e muito com o aprendizado da língua é pouco utilizado em sala de aula.

A maioria dos autores de cordel escreve “errado”. Não respeita a “norma culta”…

Fiquei pensando também nas pessoas, especialmente os jovens, que se preocupam mais com o FÍSICO, do que com a ALMA…

Fiquei pensando nas mortes recentes por conta de cirurgias de lipoaspiração, em aplicações de silicones e outros produtos para aumentar os seios ou a bunda… nas pessoas para as quais a FORMA é mais importante que a ESSÊNCIA.

Acho que a nossa Língua Portuguesa deva ser ensinada da forma mais correta possivel. Mas não se pode deixar de lado o que o povo já consagrou e que traduz a sabedoria popular.

Forçar situações é o mesmo que injetar anabolizantes na Língua Portuguesa.

Sugiro aos “gramatiqueiros” que leiam e entendam que “…, na Arte, a gente tem de ajeitar um pouco a realidade que, de outra forma, não caberia bem nas métricas da poesia.”

(Ariano Suassuna, in A PEDRA DO REINO.)

* * *

FALA SÉRIO!

Os envolvidos na operação Lava Jato, se forem julgados pela Justiça Americana, como já foi dito que serão, por causa dos prejuízos causados a investidores, em função da Petrobrás ter ações negociadas na Bolsa de Nova York, se forem cidadãos brasileiros, não poderão ser deportados.

Em compensação, não poderão sair do país, a exemplo do deputado federal Paulo Maluf, para não serem presos pela Interpol.

Já imaginou os nossos maiores empresários, que têm negócios fora do Brasil, não podendo cruzar a fronteira?

Que paga um mico desses?

FALA SÉRIO!

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

SINOVALDO – JORNAL NH

sinovaldo

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 DEU NO JORNAL

ESTE SIM, É UM PRESIDENTE LÚCIDO E SÁBIO

O presidente islamita turco, Recep Tayyip Erdogan, afirmou que as mulheres não podem ser iguais aos homens e defendeu que o lugar da mulher na sociedade é a maternidade.

“Nossa religião definiu um lugar para as mulheres: a maternidade”, disse Erdogan.

O chefe de Estado ressaltou que homens e mulheres não podem ser tratados da mesma forma porque “vai contra a natureza humana”.

“Não se pode pedir que uma mulher faça todos os tipos de trabalho que um homem faz, como nos regimes comunistas”, acrescentou.

presidente turco

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan

* * *

Acabei de enviar mensagem ao Presidente Recep Tayyip Erdogan, dando-lhe total apoio por conta destas lúcidas e sábias declarações. Ele está certíssimo quando diz que “vai contra a natureza” a fêmea ser tratada do mesmo modo que o macho.

E isto só corrobora o pensamento de Otacílio, o filósofo palmarense, que diz que só vai acreditar que homens e mulheres são iguais “no dia em que uma grávida de 9 meses pular de paraquedas

Aqui em casa não temos problemas com estas viadagens muderninhas de feminismo e machismo, pois a minha mulher sabe perfeitamente qual é o seu lugar e vivemos em paz. Ela esquenta a barriga no fogão e, em seguida, esfria no tanque de lavar roupa. E, foi não foi, leva uns tabefes no pé-do-ouvido pra reforçar o relacionamento e intensificar a nossa união.

Quem frequenta zoológicos já deve ter visto isto que vou dizer agora. O onço, quando quer enfiar a pajaraca na onça, taca aquela sua grande e pesada pata na cara dela. A fêmea fica toda mole, ansiosa e tesuda. E, depois de uma surra bem dada, o onço crava a bimba na onça. Trepam de de dar gosto! Isto é uma lição da natureza: bater não é um gesto de ódio; é um prelúdio do amor.

Um fato que confirma a célebre frase de Nelson Rodrigues: “Toda mulher gosta de apanhar; só as neuróticas reagem“.

Fecho a postagem dedicando ao ilustre presidente turco a música “Mulher de Verdade“, com o saudoso Elino Julião:

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

CAZO – COMÉRCIO DO JAHU

cazo

Compartilhe Compartilhe
É HOJE! – PARA OS LEITORES DO RECIFE – COLUNISTA FUBÂNICO JESSIER QUIRINO EM “PAPEL DE BODEGA”

JS

Papel de Bodega é o nome do novo espetáculo que o poeta Jessier Quirino fará em Recife nos próximos dias 28, 29 e 30 de Novembro, no Teatro Santa Isabel.PDB

Sempre de olho na cena interiorana, por vezes, cômicas, descritivas, saudosistas ou visuais, Quirino faz do seu recital uma contação de histórias, ditas, cantadas e declamadas, que leva seu público a revisitar as bases sertanejas onde nasceram ou de onde vieram pais e avós.

Num recital de produção enxuta, com duração de uma hora e meia, conduzida por uma memória admirável, o poeta apoia-se basicamente à uma boa luz, cenário e a dois músicos de grande versatilidade: Roberto Muniz (violões, acordeom, teclado, percussão e vocal) e Arnoud Costa (sax alto, tenor, flauta, clarinete, violão, teclado e vocal), que fazem a cama para poemas, causos e canções.

O nome do espetáculo vem do título do mais recente trabalho de Jessier Quirino, o livro e CD Papel de Bodega (Edições Bagaço) que teve a capa inspirada numa velha caderneta de fiados do Cariri paraibano.

Com o sucesso obtido por onde tem passado, Quirino confirma a palavra dada por Severino Abufelado (personagem do livro):

- É poesia que puxa o cabra pra dentro feito um funil destampado. É grossa pra ser palito e fina pra ser espeto.

Serviço

Espetáculo: Papel de BoodegaLocal: Teatro Santa Isabel
Valor dos Ingressos: R$ 80,00 (inteira) / R$ 40,00 (meia-entrada)
Hora: 20:30hInformações: (081) 3355.3322

VENDA DE INGRESSOS

LIVRARIA JAQUEIRA – Rua Antenor Navarro, 138, Jaqueira – 3265.9455
ALIANÇA COLCHÕES – Shopping Recife – 3327.1570
BILHETERIA DO TEATRO SANTA ISABEL

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

KACIO – CHARGE ONLINE

AUTO_kacio

Compartilhe Compartilhe

https://www.facebook.com/gustavo.arruda3/
AMNÉSIA SELETIVA

g8

Minha sogra garante que não dorme durante o dia nem come muito!

O problema é que anda meio esquecida…

Aí, cochila no sofá a tarde toda e merenda de hora em hora…

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

WALDEZ – AMAZÔNIA JORNAL

AUTO_waldez

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 A PALAVRA DO EDITOR

BAITOLAGEM IMPORTADA DOS ZISTADOS ZUNIDOS

Poucos dias depois da viadagem americanalhada do tal do “Halloween” (argh!!!), me vem agora esta porra desta “Black Friday“.

“Black Friday” um caralho, seus macaquitos imitadores dos costumes dos zamericanos.

Vão se lascar vocês tudinho!

Pois eu amanheci o dia com uma peixeira na mão, disposto a cortar os culhões do primeiro que aparecesse aqui na minha tela com esta baitolagem de “Black Friday“. E se fosse fêmea, eu iria raspar os pentelhos sem passar creme de barbear.

Mas tive que moderar minha raiva, haja vista que os chargistas brasileiros, que não tem culpa de nada, eles simplesmente retratam a realidade ao seu redor, deitaram e rolaram com o tema. Vocês vão conferir na seção Fuleiragem de hoje.

Mas a peixeira está aqui de lado, pronta pra entrar em ação.

“Black Friday” um cacete!

No mais, uma sexta-feira colorida e alegre pra toda comunidade fubânica!

BKF

Compartilhe Compartilhe

28 novembro 2014 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JBF

lrf

Compartilhe Compartilhe
“MONLULÚ”

Iracema era filha de agricultores e nasceu na roça. Ainda menina, acompanhava a avó Messias e a mãe Ana à feira de Nova-Cruz, todas as segundas–feiras. As três viajavam em cima de um caminhão, juntamente com outros feirantes. Quando chegavam a Nova-Cruz, iam direto para a casa da sua madrinha Lia tomar o café da manhã. Desciam para a feira e voltavam para almoçar. À tarde, retornavam ao sítio, no mesmo caminhão em que haviam vindo.

Aos poucos, a madrinha Lia se afeiçoou a Iracema, que terminou indo morar na sua casa, em Nova-Cruz, com a permissão dos pais e da avó. A madrinha matriculou Iracema numa escola particular, e ela foi alfabetizada. Com o passar do tempo, tornou-se uma moça e continuou na casa da madrinha, como uma espécie de dama de companhia.

Nessa época, as casas do interior tinham duas ou três empregadas domésticas, vindas da roça, em troca de estudo, alimentação, roupas e um pequeno salário. Dependendo da afinidade com os patrões, era comum permanecerem nas mesmas casas a vida toda, a não ser que se casassem.PERU

Com o passar do tempo, Iracema passou a ser considerada uma pessoa da família e ajudava à madrinha na administração da casa. A moça teve vários namorados, chegando a ser noiva de um rapaz de João Pessoa que se chamava Genildo. Entretanto, terminou se casando muito tempo depois, com trinta e cinco anos, com um viúvo da Paraíba.

Acostumada à vida da roça, Iracema gostava muito de cuidar das aves do galinheiro da casa da madrinha Lia, que passou a ser também a sua casa. Certa vez, afeiçoou-se a um peru novinho, que sua mãe lhe trouxera de presente. Todos os dias, ela fazia um pirão de leite com farinha de mandioca para alimentar o peru, para que ele crescesse saudável. Era o que se chamava “cevar” o peru. A ave era muito bem tratada e se chamava MONLULÚ, nome posto por Iracema.

O peru se acostumou a comer os bolinhos de pirão de leite, que Iracema lhe dava no bico. Ficava enciumado, quando a moça queria dar do mesmo pirão às outras aves do galinheiro. Se Iracema insistisse em alimentar qualquer outra ave com esse pirão, MONLULÚ voava em cima do animal beneficiado e lhe beliscava violentamente. E o peru se acostumou a só comer se Iracema lhe desse no bico. Sem dúvida, tinha por ela um carinho especial, e um visível ciume. Por outro lado, a moça falava em MONLULÚ como se fosse um filho.

Por brincadeira, as filhas de Dona Lia aperreavam Iracema, dizendo que o peru era apaixonado por ela, que ficava furiosa ouvindo isso.

Antigamente, era uma tradição, que fazia parte da cultura popular nordestina, o “roubo” de galinhas, na Sexta-Feira da Paixão, para servir de tira-gosto aos cachaceiros. Essa brincadeira grosseira, detestada pelas donas de casa, era praticada por turma de amigos que gostavam de farrear.

Numa Sexta-Feira da Paixão, MONLULÚ foi surrupiado do galinheiro da casa de Dona Lia. Iracema sentiu sua falta, de manhã cedo, na hora de lhe dar o pirão de leite, que seria seu café da manhã. A moça ficou em estado de choque, ao “cair a ficha” e entender que o seu animal de estimação lhe havia sido roubado. Inconsolável, Iracema não podia aceitar que MONLULÚ tivesse ido parar na panela de alguma pessoa desalmada, e que tivesse servido de tira-gosto para os cachaceiros da vizinhança. Para ela, foi como se tivesse perdido uma pessoa da família, o que fez com que permanecesse triste durante muito tempo. E todas as pessoas da casa também sentiram a partida de MONLULÚ.

Está provado que os animais também amam…

Compartilhe Compartilhe

© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa