PADRE ALLAN SALES – RECIFE-PE

Santíssimo e pândego Papa Berto I.

Mando para ser compartilhado com nossos leitores um texto do nosso amigo de Brasília Alfredo Bessow, jornalista gaúcho que é poeta nativista e adora alfinetar a santa madre quando ela pisa na bola.

Aqui vai o texto.

* * *

A Igreja Católica e a Inquisição – Alfredo Bessow

Alicerçada sobre as bases do Cristianismo – ainda que desavergonhadamente negando a própria palavra de Deus, na medida em que inventou uma Bíblia para justificar suas próprias verdades a Igreja Católica é um ente que vive no Séc. XXI com a visão de quem continua no tempo da Inquisição. Sobre esta, cabe aqui destacar: ela foi mais criminosa do que o próprio nazismo, que Roma sempre apoiou e defendeu. Perto do que foi a Inquisição – seis séculos de terror e obscurantismo – o nazismo foi fichinha. É aterrador ver a omissão dos ‘pensantes’ sobre o período de trevas no qual viveu a humanidade, quando em nome de um Deus sanguinário, matou-se por todas as razões.

Mas a vetusta e ignóbil igreja não se emenda. E diante de um presidente vaselina como Lula, vai impondo suas sandices. A Igreja Católica é um ente que prima pelo elevado grau de esclerose institucional. Como ficar calado diante das besteiras que fala um tal de José Cardoso Sobrinho, valendo-se de algo tão estapafúrdio como o Código Canônico que, em suas entrelinhas, deve apoiar a pedofilia. José Cardoso, que responde pela Igreja Católica em Pernambuco, está expondo o seu negócio – sim, a Igreja Católica é um excepcional negócio, pois recebe doações e recursos públicos e não precisa prestar contas, é uma empresa que não paga imposto de renda e ainda é a maior proprietária de terras urbanas no País – a um risco: de ser cada vez mais medíocre.

Veja-se o absurdo: a menina e a euqipe médica são excomungados, o padrato que estuprou a menina, este é não apenas perdoado – mas seguramente será convidado a dar palestras em semniários, afinal de contas, estuprar crianças é algo que faz parte da liturgia da Igreja Católica. Ao manter o celibato, quem paga o pato são meninos e meninas que continuam sendo usados sexualmente por padres devassos, parte de uma estrutura podre e corroída. Padrecos em geral adoram a carne tenra de crianças.

Ele, no entanto, não está só. Igual posição vem adotando outro chefete da mafia de batina lá na Paraíba. Ferrenho defensor do Governador destituído pela Justiça Eleitoral – afinal de contas, Cássio Cunha Lima despejava recursos públicos em instituições (ONGs) dele – o vetusto seguidor de Torquemada proibiu um padre consciente de rezer missas. Talvez por este padre não estuprar e nem bolinar crianças, talvez por conseguir pensar e não andar com a viseira da obediência cega.

O que disse o padre que o chefete mafioso da Paraíba quer calar:

1 – que é preciso defender o uso da camisinha, não apenas como método contraceptivo, mas de saúde.

2 – que é preciso respeitar a diversidade e a opção sexual das pessoas.

3 – que o celibato é algo anacrônico.

Ou seja: ele não falou nada além do óbvio. Claro que os padres não precisam usar camisinha, afinal de contas gostam de estuprar e violentar meninos e como não há risco de gravidez, para que usar camisinha?

Em relação a opção sexual, eles praticam a homossexualidade de forma continuada, mas querem ter o direito de ser exclusivos.

Em relação ao celibato, trata-se de mera questão financeira. A Igreja Católica não tem compromisso coma fé. Ela vê o celibato do ponto de vista do custo social de bancar famílias, pensões, etc.

É vergonhoso perceber que a Igreja Católica de hoje ainda vive os tempos da Inquisição. Sao pequenos aprendizes de ‘Torquemada’ que se comprazem em exercitar um poder podre e que nega as Escrituras, que inventou o purgatório para tirar dinheiro e o celibato para pegar meninos e meninas. E a mídia silencia diante de absurdos e amsi absurdos…

Também é importante notar que há uma radicalziação da Igreja Católica sob o comando do nazista Ratzingher. Ele, que adorou Hitler na sua juventude, hoje segue adorando Torquemada.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.