POETA DEDÉ MONTEIRO – TABIRA-PE

Poetas e Amigos,

Vejam como foi ao mesmo tempo triste e bonita a despedida dos amigos/poetas ao vate Cicinho Gomes, que deixa bem mais pobre a nossa poesia.

Abraços!

* * *

CICINHO GOMES MORREU

Infelizmente, hoje o mote é este, poetas:

“CICINHO GOMES MORREU”

Cicinho faleceu hoje (11/03), às 16:30h, no Hospital de Tabira, e será sepultado amanhã, às 16h, no cemitério local. O Pajeú ficou sem o autor de estrofes como estas, que estão na “I Antologia de Tabira – Poesia e Prosa”:

“Quando eu não bebia cana
Até chuva me ofendia.
Peguei beber por remédio,
Foi tão grande a serventia
Que até a dor da saudade
Não dói mais como doía.

Depois que mamãe morreu,
Aumentaram meus fracassos.
Se estou dormindo desperto
Parecendo ouvir os passos
Daquela que em muitas noites
Me deu por berço os dois braços.”

* * *

Grande amigo de Filó,
De Lourival, de Cancão,
De Dimas Bibiu, de João
Paraibano e Dió;
Doido por Crisanto e Jô,
Com quem como irmão vieveu.
Hoje o Pajeú sofreu
E o Paraíso sorriu
Quando a notícia surgiu:
“CICINHO GOMES MORREU”

Dedé Monteiro

* * *

Hoje eu completo cinqüenta,
Hoje o poeta encantou-se.
Pra mim, um ano passou-se,
Ele dá adeus aos “enta”.
O ciclo se reinventa:
Hoje é ele, depois eu.
Mas o que ele escreveu
Não partirá nem partiu!
O mundo inteiro sentiu:
“CICINHO GOMES MORREU”

WILSON FREIRE

* * *

Quando Dedé me falou,
Pensei: “O Pajeú chora
Por alguém que, sem demora,
Na cultura acreditou”.
O poeta se encantou
E encantará com seu “eu”.
Por isso que o povo seu
Chora em forma de poesia
Pela notícia do dia:
“CICINHO GOMES MORREU”.

Felipe Júnior
Vice-presidente da União Brasileira dos Escritores – UBE/PE
Diretor-executivo da UNICORDEL

* * *

Ah notícia da gota-serena, poeta!

Convivi demais com o poeta Cicinho. grande amigo de Pai. Repasse meu pesar à família, poeta. Festa hoje, só no céu mesmo!

Torci para ser mentira
A notícia que me deram
Pois assim todos esperam
Se morre à quem se admira
O poeta de Tabira
Que para o verso viveu
Nesta tarde transcendeu
E as musas se abalaram
Quando os sinos avisaram
Cicinho Gomes morreu.

Jorge Filó

* * *

Com a morte de Cicinho,
Tabira se encheu de luto,
Deus deu-lhe salvo-conduto,
Inda ensinou-lhe o caminho
Rumo àquele lugarzinho,
Pelo qual intercedeu,
Sabendo que o filho seu
Fez por onde merecer.
Quando devia viver,
Cicinho Gomes morreu

Lula Nunes

* * *

O pajeu está de luto,
a poesia chorosa,
pois esta árvore frondosa,
perdeu a seiva do fruto,
foi-se o poeta matuto,
sertanejo como eu,
que cantou e escreveu,
pintou como ninguém pinta,
ontem as dezesseis e trinta,
“CICINHO GOMES MORREU”.

Diomedes Mariano

* * *

Perdemos muito ou quase tudo com a morte de Cicinho.

Poetinha Dedé , quem como eu, conheceu Cicinho, pode dizer que muito perdeu….

Deus , se entender alguma coisa de poesia, agora vai se dar muito bem…

Cicinho , vai pro céu….

Zelito Nunes

* * *

Com o pezar de Zelito
Co’a tristeza de Dedé
Vou rezar com muita fé
Pra nosso Jesus Bendito
Que dê um lugar bonito
A quem em vida nos deu
Com o ensinamento seu
E os versos que aqui ficaram…
Meus olhos também choraram…
Cicinho Gomes morreu!

Paulo Moura (Dunga)

* * *

É mais um na legião
Dos vates desencarnados
Que já foram convocados
Pelo Autor da Criação
Pra formar a seleção
Com Casimiro de Abreu
E outros tantos que eu
Nem consigo enumerar
Mas vou aqui avisar:
Cicinho Gomes morreu!

Wellington Vicente

* * *

Também sinti um pesar
Mas uma coisa me ocorre
É que poeta não morre
Vai para se eternizar
Lá ele vai encontrar
Poetas com quem viveu
Ensinou mais que aprendeu
E para nos inspirar
Devemos sempre lembrar
Cicinho Gomes morreu!

Ismael Gaião – UNICORDEL

* * *

Eita meu poeta:

Nosso pajeú tá ficando desfalcado de poesias… Parece que Deus é poeta viu?

Abrace todos!

Esse ano tem mais um poeta pra gente festejar na missa de setembro.

Lembranças!

Fátima Marcolino

* * *

Que notícia tão ruim, poeta!! Recitei tanto esse verso de Cicinho, sobre a saudade, nas minhas apresentações, que eu chegava a sentir a saudade que ele sentiu quando o fez… É uma perda enorme pra Tabira e pra poesia popular!! Pra mim, Cicinho não morre, poeta!!

Repasse todos os meus sentimentos à Tabira e saiba que chorei de verdade!!!

Quase não acreditei,
Quando a notícia chegou.
Tabira aí soluçou,
Eu, de cá, também chorei…
Desculpe, não concordei
Co’o mote, por um motivo:
Cicinho deixa um arquivo
que eu voltarei sempre a ler.
Cicinho não vai morrer,
Seus versos lhe deixam vivo!

Vinícius Gregório

* * *

DE BRASÍLIA PRA TABIRA

Morre o poeta, mas fica
O seu nome eternamente,
Plantado como a semente
Que cresce e se multiplica…
A sua mente tão rica
Milhares de versos deu.
A tarde ficou um breu,
Todo poeta chorou
Quando Dedé exclamou:
CICINHO GOMES MORREU!!!

Orlando Leandro 12/03/2009

* * *

É uma pena, poeta Dedé Monteiro. Na realidade o poeta não morre, a matéria se recolhe e o espírito voa.

João Veiga

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.