O EX-POETA E A JUSTIÇA (UMA ORAÇÃO)

Saca tua pena e me fura,
dá-me tua punição,
enche de espadas tua mão,
tira esta venda e me cura.
livra este réu da candura
(causa de tanta ferida).
Com tua balança aguerrida
mede a sentença exata.
Faz o que é justo e me mata,
pois me matar te dá vida.

Vê esta alma banida,
cheia de pus e poesia?
é só a rima sombria
deste asmodeu sem guarida.
Dá-me o expurgo da lida,
dá-me o esputo na tez,
veste-me de languidez,
deixe-me, enfim, descansar,
mata-me bem devagar,
faz-me poeta outra vez.

2 Comentários

Deixe o seu comentário!


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa