LUISELZA PINTO – TERESINA-PI

MAREANTE

O amor não se trança em fórmulas e horas prontas
Pois quem as têm são as paixões, sempre acéfalas
Estas em acres correntes pelas alucinações nas nuvens.
Enquadrar emoções, ou alguém, em extremos vívidos
É não saber ou intuir que uma reta tem infinitos pontos
Que cada ser humano carrega inusitadas possibilidades
Que as probabilidades são mares de emersão ou imersão…

Há momentos em que a lucidez extremada é medíocre
E o não é assinatura do raríssimo, raríssimo da covardia
Dor sem sofrimento, caminho, às vezes, da irreversibilidade.
Seria o mergulho profundo na quebra de uma inata ilusão de óptica…
Além do Ser em convergências, misturas, combinações completas
De contínuo, mas agora em outras novas percepções, seguir
Tentativa de abraçar-se ao óbvio de que o vácuo não conduz sons.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.