ENQUETE

Nesta semana corrente, aqui no JBF, foi publicada a seguinte charge, da autoria de Heringer:

mngcc

Sobre esta charge, tão cedo quanto foi publicada, nosso colunista Natan fez o seguinte comentário:

“Essa nossa Imprensa e fóda! Deixem o Sarney em paz; dêem um pouco de sossego ao pobre homem…”

Informaticamente não havia erro e era evidente que fora ele mesmo que escrevera a frase, pois o endereço eletrônico conferia. Mesmo assim esperei alguns dias. Poderia ter havido uma “pane internética” e aguardei que ele fizesse um desmentido.

Como o desmentido não foi feito, vamos partir do princípio de que ele realmente escreveu o comentário sobre o “pobre homem”.

Foi uma opinião tão condescendente e piedosa que outro leitor, Huytamar, chegou a dizer que a Santa Inquisição não teria existido se Natan vivesse naquele tempo e fosse autoridade católica. E arrematou sua apreciação com uma frase interessante: “Eita alma boa danada!”.

Natan não deixou por menos e treplicou:

“Deixe de ser ingênuo, criatura! Tu tás pensando que pra se chegar a um cargo tão alto, o político ascende somente por mérito, esse minino?”

Todos são testemunhas de que eu insisto muito no fato de que a paixão político-ideológica provoca uma cegueira incurável nas pessoas que por ela se guiam, de tal modo que travam uma luta inglória com a realidade e com os fatos, fazendo-as ver o que não existe e não ver o que de fato está à sua frente.

De modo que o primeiro pensamento que me veio à cabeça foi o seguinte: Natan é fanático por Lula; Lula é a favor de Sarney; logo, a paixão político-ideológica de Natan por Lula o faz ficar cego para a iniquidade que é o coronel Sarney.

Mas se eu raciocinasse desta forma estaria duvidando da inteligência de Natan, tamanha a altura da montanha de iniquidades que cerca Sarney. Eu esperava, pelo menos, um silêncio (como acontece em 99,99% das vezes em que toco na ferida aqui no jornal). Mas, pelo contrário, não apenas não houve o silêncio como, para incredulidade de todos nós, houve uma manifestação de grosso calibre, com direito até à exteriorização do velho chavão zisquerdista de criticar a imprensa e a liberdade de expressão. Natan, como é do conhecimento de todos, é guevarista, fidelista, lulista, esquerdista, anarquista e ex-cachacista.

Sabendo ser Natan um sujeito pessoalmente honesto, pai de filhos e avô de netos, que tem responsabilidades e que paga suas contas em dias, fiquei imaginando que diabos o teria levado a se posicionar tão decisivamente a favor do indefensável e a disparar rajadas contra uma causa tão nobre.

Pensei numa enquete do tipo múltipla escolha. Assim:

a – Natan está de gozação e quer apenas provocar

b – Natan chegou na idade, ficou baioco e, portanto, não deve ser levado a sério

c – Natan leva a sério a idéia de que o JBF só fala merda e resolveu dar sua contribuição falando mais uma merda na gazeta

… e por ai vai…

Mas eu acho que uma enquete tipo múltipla escolha limitaria a manifestação de quem quisesse opinar.

De modo que a enquete consta apenas de uma pergunta:

Que porra de motivo é este que leva Natan a defende o Senador Sarney com tanta veemência?

Só isso.

Eu gostaria de ouvir os que não concordam com ele. Mas, também, principalmente, os que concordam com ele. Insisto que é importante explicar e fundamentar a resposta.

Eu desconfio que, ao tabular esta pesquisa, a gente chegue a uma boa explicação sobre o atual estado de coisas neste país e todos sairemos lucrando.

Mandem suas opiniões.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.