14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

LUSCAR – CHARGE ONLINE

14 fevereiro 2012 DEU NO JORNAL

PT APROVA EXISTÊNCIA DE DEUS

DEU NO PIAUI HERALD

Pastor Kassab ergueu a palma da mão e explicou: “Sou católico, evangélico, espírita, umbandista, muçulmano, budista e judeu”

COLÉGIO SION – O PT aprovou uma resolução histórica na festa de seus 32 anos: com o voto de 97% dos seus delegados, o partido decretou que Deus existe. A decisão foi abençoada pela presença inesperada do pastor Gilberto Kassab, do PSD (Partido Samba com Deus). Depois de caminhar lentamente pelo palco, o mais novo aliado dos petistas tomou o microfone e disse, erguendo as mãos: “Deus não é de esquerda, não é de direita, não é de centro”. Muitos petistas choraram de emoção quando Kassab abriu seu coração: “Eu comunguei”, admitiu o prefeito.

Insuflados pelo deputado Babá, meia dúzia de barbudinhos ateus ainda ameaçaram entoar o hino da Internacional Socialista. Mas foram logo esmagados pelos gritos que vinham do palco e ecoavam na plateia: “Aleluia! Aleluia!”, bradavam todos. Desde que Lula deixou o poder não se via um santo ser tão ovacionado numa assembleia petista. De mãos dadas e olhos fechados, a presidenta Dilma Rousseff e o candidato Fernando Haddad diziam em uníssono: “Glória a Deus, Glória a Deus!”

Fazendo questão de não esconder sua alegria incontida com a presença do pastor Kassab, José Dirceu aceitou ser exorcizado. Depois, disse: “Se Deus existe, então tudo é permitido”. E concluiu: “Está provado que o mensalão foi uma farsa, uma invenção do Cramulhão, do Coisa Ruim!”.

A senadora Marta Suplicy se retirou antes do final. Contrariada naquele ambiente, protestou na saída: “Essa coisa de Deus vai contra nossos princípios. O Diabo veste Prada, é muito mais chique”.

O PT aprovou ainda outra resolução, determinando o recolhimento imediato do dicionário Houaiss em todas as livrarias do país. Uma comissão do partido foi instalada para redefinir o significado da palavra “privatização”.

O partido informou que o dízimo poderá ser pago com cartão de crédito.

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

AROEIRA – O DIA

DIÁLOGO FILHO-DA-PUTA

Conversa entre pai e filho, de carro a caminho da escola:

FILHO: – Pai, já que roubaram o som do carro, vamos conversar um pouco?

PAI: – Claro, filho. Eu preferiria mesmo ouvir um pouco de música, de futebol ou notícias políticas, mas já que uns filhos-da-puta levaram o rádio e não tem outro jeito…

FILHO: – Pai, o que é inclusão social?

PAI: – Bom filho, inclusão social é o que muitas pessoas têm  e outras não têm. A inclusão consiste em dar direitos iguais a todos.

FILHO: – Ah tá… os integrantes do MST são um exemplo de excluídos, né?

PAI: – Isso, filho. Pelo menos é assim que são tratados pelo governo que afirma que governa para dar inclusão social aos excluídos.

FILHO: – Pai, o que você acha que eu devo ser quando crescer?

PAI: – Bom, primeiro escolha uma profissão que você goste. Depois, estude muito, mas muito mesmo, e depois trabalhe demais, dia e noite, só assim você será alguém na vida. Vai ter que competir com uma cambada de filhos-da-puta querendo te pisar e você vai ter que ser o mais forte e o melhor para subir na cabeça deles e conseguir galgar uma posição elevada.

(Atrasados para a escola,  o pai tenta furar o sinal vermelho mas não dá e pára sobre a faixa de pedestres, quando é multado, além de ser maltratado pelo policial).

FILHO: – Pai, o que houve

PAI: – Fomos injustamente multados pelo filho-da-puta do guarda, filho.

FILHO: – Mas por que?

PAI: – Porque estávamos bloqueando a passagem de uns filhos-da-puta de uns pedestres.

(Um pouco adiante o trânsito pára.  A marcha do MST está passando).

FILHO: – Pai, por que eles estão bloqueando nosso caminho?

PAI: – É a marcha do MST, uns filhos-da-puta, filho.

FILHO: – Ah tá… e aqueles policiais estão multando eles, né?

PAI: – Não filho, estão escoltando eles. Porque os policiais sãos uns filhos-da-puta e em vez de maltratá-los os protegem.
 
FILHO: – Ué, mas nós estávamos bloqueando a passagem e fomos multados e maltratados…  mas eles estão bloqueando tudo e  são escoltados?

PAI: (silêncio – pai pensa: – Filhos-da-puta! )

FILHO: – E o que é aquilo ali?

PAI: – É o refeitório deles, onde eles comem aquela gororoba.

Clique aqui e leia este artigo completo »

14 fevereiro 2012 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JOSÉ TENÓRIO DOS SANTOS (ZÉ DE LÓ) – PAULO AFONSO-BA

CALCINHA

Wando tinha razão
Como é linda a calcinha
Parece até as asinhas
Da minha imaginação
Funciona como um balão
Levando tudo prá cima
É como o mapa da mina
Que guarda o melhor tesouro
É pano lembrando couro
Estimulando o sujeito
Laboratório perfeito
Onde o pensamento clona
É vestígio do que caço
Lembrando o melhor pedaço
Do corpo lindo da dona.

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

PELICANO – BOM DIA SP

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

DÁLCIO – CORREIO POPULAR

14 fevereiro 2012 A PALAVRA DO EDITOR

PEQUENAS DEMORAS BUROCRÁTICAS

Para grande alegria dos fubânicos zisquerdo-revolucionário-gunvernistas, uma postagem ontem, segunda-feira, mostrava que a Presidente Dilma assiste ao Jornal Nacional da Rede Globo. E que ela faz a cabeça e toma decisões a partir do que dizem William Bonner e os integrantes da família Marinho que são proprietários da televisão.

Aproveitando o embalo, e sabendo que Dilma é leitora fanática do JBF, vou botar mais um vídeo da Rede Globo no ar, que tem a ver com gerenciamento da saúde pública brasileira.

Já é ponto pacífico e aceito sem contestações, conforme estabelecido no gunverno passado, que a saúde pública destepaiz é “quase perfeita”.

Pra atingir a perfeição total e completa, basta que Dilma corrija as pequenas falhas e atrasos do Ministério da Saúde, como os contidos nesta matéria:

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

REGI – AMAZONAS EM TEMPO

14 fevereiro 2012 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

CARDEAL PEDRO MALTA – RIO DE JANEIRO-RJ

Santidade

Será que tão sugestivo bar é no município de Palmares?

R. Meu caro Purpurado, este bar fica na cidade de Monte Horebe, no altíssimo sertão paraibano, já na fronteira com o Ceará.

É nesta varanda que o Cardeal Zelito, sentado num tamborete, costuma encher o furico de cana pra fazer improvisos e glosar motes.

Motes dados pelos Cardeais João Veiga e Evilácio, seus parceiros habituais nos encontros que periodicamente promovem em tão aprazível estabelecimento.

É neste bar que está escrito, na parede atrás do balcão, um improviso citado pelo nosso colunista Arievaldo Viana, grande estudioso e pesquisador da cultura popular:

Para não haver transtorno
Aqui em nosso balcão
Só vendo fiado a corno
Féla-da-puta e ladrão.

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

AROEIRA – JORNAL O SUL

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

JARBAS – DIÁRIO DE PERNAMBUCO

MALHAR EM FERRO FRIO

Como todos nós sabemos, o que mais se vê ocupando as posições importantes  nos órgãos governamentais do nosso país é autoridade com tendências exacerbadas voltadas para a corrupção, a roubalheira, o cinismo e a falta de respeito.

Enquanto não houver reforma na legislação penal brasileira, tudo de maligno vai continua ocorrendo – e ainda aumentar. Pelas leis penais vigentes, o acusado pode apresentar todo tipo de recurso. Quem puder pagar um bom advogado, e é claro que, principalmente ladrão e corrupto político tem condições financeiras para isso, ele nunca será preso e vai seguir na política praticando seus delitos. Isso nos tira a razão, nos enraivece, e nos causa asco, por vermos nosso país ridicularizado perante o mundo, mostrando uma imagem vergonhosa do nosso governo, causado por esses impostores que só entraram na política por interesses próprios, e não para trabalhar em prol de um país melhor e proporcionar uma via digna ao povo.

No entanto, a própria legislação penal encoraja o mau elemento a agir com mais violência e escárnio contra seu semelhante. A impunidade, a anacrônica e lenta justiça que ainda subsiste incentiva a prática de crimes de qualquer natureza e, ultimamente com mais frequência, a corrupção e a roubalheira na área política. Urge uma reforma nas leis, porque cada criminoso tem que pagar pelo seu crime, com penalidade justa na medida da sua gravidade.

Não adianta mudar o governo, não adianta novas eleições, não adianta colocar gente nova no poder. O que adianta é a reforma na legislação penal brasileira, com o preenchimento das lacunas existentes relativas ao crime de corrupção e de outros delitos. Sem leis adequadas, é malhar em ferro frio.

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

BRUNO – VALEPARAIBANO

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

MÁRIO – A TRIBUNA DE MINAS

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

PADRE SPONHOLZ – JORNAL DA MANHÃ

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

SINFRÔNIO – DIÁRIO DO NORDESTE

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

DUKE – O TEMPO

14 fevereiro 2012 COMENTÁRIOS SELECIONADOS

UM MONSENHOR NA FOLIA

Comentário sobre a postagem FREVO DA VITÓRIA

Monsenhor Fred Monteiro:

“Santidade: 

Essa é uma das pouquíssimas fotos do nosso URSO MALUVIDO, que saiu em Olinda uma única vez, em 2005.  

Foi feita por um fotógrafo brasileiro que está há muitos anos radicado na Califórnia e tem um dos mais famosos sites de fotografia do mundo; Celso Bayo, gaúcho de nascimento. 

Segurando o cartaz está o João Ranulfo, na sanfona, sua esposa Junita Coelho, no banjo à esquerda meu filho Fred, no primeiro plano e de costas à direita, também no banjo, o locutor e Monsenhor que vos fala…

E só por causa disso, vou postar amanhã uma matéria com esta La Ursa arretada e sua música.”

A foto que provocou o comentário do Monsenhor

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

CLÁUDIO – AGORA S. PAULO

14 fevereiro 2012 DEU NO JORNAL

REMUNERAÇÃO À ALTURA DO SERVIÇO

Salário inicial da polícia do Senado é o triplo do Estado que paga mais.

* * *

É justo.

Uma polícia que vigia guabirus do porte dos atuais senadores, merece mesmo ser muito bem paga.

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

AMORIM – CORREIO DO POVO

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

FRANK – A NOTÍCIA

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

ZÉ DASSILVA – DIÁRIO CATARINENSE


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
LANGOR

Uma aura de melancolia,
sombreava seu semblante.
Seus olhos olhavam e não viam,
perdiam-se no horizonte.

Quanta tristeza contida,
naquele rosto moreno.
Sua face se orvalhava,
feito uma rosa ao sereno.

Que inferno lhe consome?
Que dores lhe afligem o peito?
Parece dor de amor,que fina,
e não tem mais jeito.

Talvez ela ainda não saiba,
que não se morre de amor.
Mais um pouco, cessa o choro.
E vai-se embora o langor.

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

DUKE – SUPER NOTÍCIA

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

DUM – HOJE EM DIA

14 fevereiro 2012 DEU NO JORNAL

AEROPORTO BRASILEIRO: O FILME CATÁSTROFE

Através de uma empresa, a prefeitura de Maringá-PR administra com lucro o seu aeroporto, que tem volume menor de passageiros que o de Londrina.

O de Londrina, tocado pela Infraero, opera no vermelho.

* * *

Administração pública já é uma merda.

E administração pública comandada por uma Infraero aparelhada pelo bando, já dá pra imaginar o tamanho da merda que é.

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

ZOPE – CHARGE ONLINE

14 fevereiro 2012 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

PADRE MAURINO JÚNIOR – PAULO AFONSO-BA

Nobilíssimo Papa Berto;

Estava matutando, ouvindo Elomar e suas obras primas e lembrei desse texto que já havia lido antes.

Para mim, Vinicius de Moraes disse tudo acerca desse nobre homem que foi e é parte da minha formação intelectual.

Espero que os leitores fubânicos apreciem essa pérola.

* * *

Elomar nasceu em Vitória da Conquista, em 21 de dezembro de 1937. E para falar sobre ele, insiro aqui o texto de Vinícius de Moraes, para a contracapa do LP “Elomar …das barrancas do Rio Gavião”, de 1973:

“A mim me parece um disparate que exista mar em seu nome, porque um nada tem a ver com o outro, No dia em que “o sertão virar mar”, como na cantiga, minha impressão é que Elomar vai juntar seus bodes, de que tem uma grande criação em sua fazenda “Duas Passagens”, entre as serras da Sussuarana e da Prata, em plena caatinga baiana, e os irá tangendo até encontrar novas terras áridas, onde sobrevivam apenas os bichos e as plantas que, como ele, não precisam de umidade para viver; e ali fincar novos marcos e ficar em paz entre suas amigas as cascavéis e as tarântulas, compondo ao violão suas lindas baladas e mirando sua plantação particular de estrelas que, no ar enxuto e rigoroso, vão se desdobrando à medida que o olhar se acomoda ao céu, até penetrar novas fazendas celestes além, sempre além, no infinito latifúndio.

Elomar Canta “Incelença Para Um Poeta Morto”

Pois assim é Elomar Figueira de Melo: um príncipe da caatinga, que o mantém desidratado como um couro bem curtido, em seus 34 anos de vida e muitos séculos de cultura musical, nisso que suas composições são uma sábia mistura do romanceiro medieval, tal como era praticado pelos reis-cavalheiros e menestréis errantes e que culminou na época de Elizabeth, da Inglaterra; e do cancioneiro do Nordeste, com suas toadas em terças plangentes e suas canções de cordel, que trazem logo à mente os brancos e planos caminhos desolados do sertão, no fim extremo dos quais reponta de repente um cego cantador com os olhos comidos de glaucoma e guiado por um menino – anjo a cantar façanhas de antigos cangaceiros ou “causos” escabrosos de paixões espúrias sob o sol assassino do agreste.

Clique aqui e leia este artigo completo »

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

LUSCAR – CHARGE ONLINE

 

PROGRESSO PROBLEMATICO

O progresso é bom, mas também traz problemas. Carrega sérias distorções sociais. Toda vez em que se registram índices de desenvolvimento econômico num centro urbano, automaticamente a mudança social produz sentimentos de segregação espacial.

Aparecem sinais de discriminação social. Mostrando a cara da violência, a rebeldia do crime, a imagem do medo e do desrespeito aos direitos de cidadania.

Temendo represálias pela ascensão social, a classe média, em razão de maior renda, procura se mudar dos bairros tradicionais. Busca refúgio em locais mais sofisticados. A transferência acontece por causa da evidente procura por tecnologias. A ansiedade pela proteção da residência, do deslocamento para o trabalho, de melhores opções de lazer e de consumo.

Ao adotar as transformações urbanas, a sociedade começa a praticar a exclusão social. Expõe à vista os preconceitos de classe cujos reflexos recaem nas famílias pobres que não tem condições financeiras de mudar de ares. Por isso se sentem marginalizadas. Excluídas do convívio social.

Foi dessa forma que as diferenças sociais começaram a pintar nas metrópoles brasileiras, a partir dos anos 80.  Com a separação de bairros, vieram as diferenças de classes, as divisões e as distâncias sociais.

Tudo de diferente que aconteceu na economia brasileira não foi fruto do acaso. Foi consequência da democratização politica, da substituição das importações, do desenvolvimento plantado à custa do nacionalismo, do descontrole da inflação, da bruta recessão que derrubou muitas empresas. Esmagou muita gente, sobretudo, depois da rigorosa intervenção do Estado nas raízes da economia.

Foi através das mudanças de comportamento que as sociedades contemporâneas tiveram de enveredar por outros caminhos. Privatizando a segurança e isolando os grupos sociais mais abastados em ambientes mais protegidos do mal. Distantes da inveja dos menos favorecidos.

Por isso, a tendência é transformar o número de vigilantes privados bem maior do que o efetivo de policiais à disposição da sociedade de maior poder aquisitivo. Fazer da área de segurança privada uma indústria altamente rentável. Bem lucrativa. Excluindo automaticamente a prestação de serviço de origem pública.

Para constatar essa realidade basta frequentar os shoppings centers, os grandes conjuntos comerciais e empresariais e os condomínios fechados.  Apesar de serem espaços de uso coletivo o acesso a esses locais é super controlado pela vigilância privada.  Não é qualquer figurinha que consegue ultrapassar os limites de segurança privada imposta nos locais.

Diante da intensiva explosão do crime nos últimos anos, não adianta chorar. A Região Metropolitana do Recife se integra à rotina das grandes metrópoles mundiais. As cidades em volta também construíram muros invisíveis, adotaram a prática da segregação social, intensificaram o policiamento para estabelecer fronteiras dentro do espaço público dos municípios.  

Os ricos ocupam espaços reservados, enquanto os pobres são marginalizados. Jogados na periferia desassistida. Cheia de problemas sociais. Formando um túnel de desagregação entre os moradores que são obrigados a conviver com tudo de ruim. Infelizmente, sem a assistência do Estado.

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

MIGUEL – JORNAL DO COMMERCIO

 

14 fevereiro 2012 FULEIRAGEM

GENILDO – CHARGE ONLINE


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa