11 março 2012 FULEIRAGEM

SINFRÔNIO – DIÁRIO DO NORDESTE

11 março 2012 DEU NO JORNAL

COM CLÍTORIS E COM DIREITOS

Yoani Sánchez

Mujer cubana

Às vezes com boas intenções – outras nem tanto – alguém tenta silenciar minhas queixas sobre o machismo no meu país me dizendo: “As cubanas não passam tão mal… pior estão as que habitam em algumas nações africanas onde são submetidas a ablação”. O golpe argumentativo é baixo, dói-me entre as pernas, deixa-me ligada no grito de uma adolescente indefesa, mutilada e entregue a este suplício por sua própria família. Porém os direitos das mulheres não devem ser reduzidos somente ao poder manter a integridade física e a defender sua capacidade biológica de experimentar prazer. O clítoris não é o único que podemos perder, há uma longa lista de possibilidades sociais, econômica e políticas que também nos são arrebatadas.

Como vivo num país onde os caminhos do protesto cívico têm sido cortados e satanizados, atrevo-me a fazer neste blog uma lista dos atropelos que ainda subsistem contra as fêmeas em Cuba:

- Não nos permitem fundar nossas próprias organizações femininas, que possam nos unir e nos representar. Grupos que não sejam correias de transmissão do governo aos cidadãos, como tristemente ocorre com a Federação de Mulheres Cubanas.

- Quando se fala de mulheres nos congressos políticos percebe-se claramente que estas não têm um real poder de decisão, mas sim que estão ali para cumprir cotas ou parcelas de gênero.

- O ícone da FMC – a única organização deste tipo permitida por lei – exibe uma figura com um fuzil ao ombro, numa clara alusão a mãe como soldado, a fêmea como peça do conflito bélico que se “cozinha” mais acima.

- A ausência na imprensa nacional de um repórter de violência doméstica não elimina sua presença real. Calar não serve para deter o golpe do agressor. Nas páginas de nossos jornais também devem aparecer essas histórias de maltrato, porque se não, como iremos compreender que temos um sério problema de agressões silenciadas entre as paredes de tantos lares.

- Aonde vai uma esposa quando é espancada pelo seu marido? Por que não existem refúgios ou não se publica na imprensa a localização destes lugares de amparo para as mulheres maltratadas.

- Comprar fraldas descartáveis é quase um luxo nesta sociedade onde a maioria das recém paridas mesmo assim têm que ocupar boa parte do seu tempo na lavagem manual da roupa do seu bebê. Toda emancipação precisa de uma infra-estrutura material da liberdade, do contrário vai se ficar só nas palavras de ordem e nos lemas.

- O alto preço de todos os produtos que tem a ver com a maternidade e a gravidez é um elemento que também influi na baixa natalidade. Uma cama com colchão para bebê custa o equivalente a 90 dólares num país onde o salário médio mensal não supera os 20 dólares.

- A pensão que o pai deve dar aos seus filhos depois do divórcio – segundo o estipulado em lei – em muitos casos não supera o equivalente a 3 dólares mensais, o que deixa a mulher economicamente indefesa frente a criação dos seus filhos.

- Os elevadíssimos preços dos alimentos em relação ao salário prendem a mulher cubana ao fogão fazendo piruetas gastronômicas para conseguir pôr um prato de comida na mesa. São as fêmeas e não o sistema político-econômico que conseguem a cada dia o milagre das famílias cubanas comerem, mais ou menos bem, mais ou menos mal.

- Depois de tantos lemas sobre a emancipação e a igualdade as mulheres cubanas têm ficado com dupla jornada laborativa e dezenas de enfadonhas tarefas burocráticas. Basta sair à rua para notar o efeito desta sobrecarga: a maioria das mulheres de mais de quarenta anos tem rostos amargos, não fazem planos para o futuro, não saem com suas amigas para um bar, nem planejam uma escapada da família e do tédio.

- Quando uma mulher decide tecer críticas ao governo, imediatamente lhe recordam que usa saia, acusam-na de amoral, infiel ao seu esposo, manipulada por alguma mente masculina, “prostituta”, “gallita”, “jinetera” ou quantos insultos de teor discriminatório se possa imaginar.

- Não se pode tentar a liberação de um grupo social específico numa sociedade contida pela falta de direitos. Ser mulher na Cuba de hoje é padecer duplamente dessas ausências.

Enfim, queremos ter clítoris e direitos, sentir prazer e dizer nossas opiniões, nos associar por nossas saias, porém especificamente por nossas idéias.

11 março 2012 FULEIRAGEM

AROEIRA – O DIA

CARDEAL HARDY GUEDES – CURITIBA-PR

O SÍMBOLO DA COPA NO BRASIL

Caro Papa,

Segundo matéria publicada na revista Veja, o comitê organizador da Copa no Brasil escolheu o Tatu, um animal em extinção, como símbolo da Copa do Mundo no Brasil.

Segundo a notícia, o tatu será da espécie Tatu-bola.

Como o tatu vive escondido e está em extinção, acho que tem tudo a ver com a seleção do Mano Menezes, já que bola, até o presente momento, ninguém viu.

Na continuidade, a matéria diz que o símbolo favorito do Ministro dos Esportes era o Saci. Será que ele não está confundindo Copa do Mundo com Paraolimpíadas?

Se com duas pernas o nosso time caiu várias posições no ranking da FIFA, com uma só, onde iremos parar?

Assim, resolvi fazer uma montagem (já que não sei desenhar), retirando o SACI de uma charge do Bolanascostas, da Globo Esporte, a quem peço antecipadamente desculpas por essa “apropriação indébita”, com as seguintes características que julgo mais adequadas para simbolizar a Copa em nosso País.

1. A figura básica é um SACI, para agradar ao Ministro Aldo Rebelo que agiu em causa própria, pois queria emplacar a imagem do saci, cujo dia ele instituiu para substituir o Halloween. Aliás, justa homenagem a essa figura folclórica, entretanto inadequada para a prática do futebol. Acho que ele quer se imortalizar pelo Saci… Fala sério!

2. A muleta é para suprir a necessidade do Saci de uma outra perna e, ao mesmo tempo, simbolizar a seleção do Mano Menezes, que tem se mostrado “perna de pau”;

3. No gorro, o símbolo da cerveja Heineken que, por ser patrocinadora oficial da FIFA, forçou a barra para que aprovassem a venda de bebidas alcoólicas nos estádios, contrariando o Estatuto do Torcedor. Por sinal, tenho a impressão de que será a única marca cuja venda será permitida nos estádios e 100 metros ao redor.

Obs.: Curiosamente, notei que na logomarca da Heineken há uma estrela vermelha, semelhante à do PT. Será que podemos supor que as verbas para a próxima campanha eleitoral está assegurada?;

4. O cachimbo na boca do Saci é para simbolizar que, à falta de “craques”, temos “crack” pra dar e vender:

5. As duas únicas coisas que não pude fazer para completar a imagem, por me faltarem engenho e arte, foram:

a) Atrás da imagem um estádio de futebol inacabado. Preferencialmente o Arena das Dunas de Natal;

b) Colocar um Estatuto do Torcedor rasgado nas mãos da imagem.

Penso eu que esse seria um símbolo mais adequado e verdadeiro!

Grande abraço

11 março 2012 FULEIRAGEM

LUSCAR – CHARGE ONLINE

11 março 2012 FULEIRAGEM

IVAN – CHARGE ONLINE

11 março 2012 FULEIRAGEM

PADRE NEWTON SILVA – JANGADEIRO ONLINE

UMA CUIA DE VERDADE E UM PRATO DE SAUDADES

Comentário sobre a postagem NA REDONDURA DO MUNDO

Beto Brito:

“Berto Filho, eu lhe digo
o acesso da semana
vai subir ainda mais
quem entende não s´ingana
é preciso fazer graça
até mesmo da desgraça
dessa vida tão insana

Na real, Besta Fubana
é um prato de saudades
trinta léguas de cultura
uma cuia de verdade
um paiol de coisa boa
é um grito que ressoa
no porão da liberdade!”

* * *

No vídeo abaixo, Beto Brito, o mais novo fubânico, gravando sua música “Maria Isabel”, com participação especial de Santanna, o Cantador, outro malassombrado da nossa comunidade:

11 março 2012 FULEIRAGEM

ELVIS – AMAZONAS EM TEMPO

A CANÇÃO DE PORTUGAL

Ele chegou aqui no Brasil com uma mão na frente e outra atrás, dizia que vinha de um lugar chamado Trás-os-Montes, creio,  que eu imaginava como um sítio poético, um vale localizado além das montanhas, de onde ninguém deveria sair para encontrar as durezas do mundo.

Dizia que não havia como ficar lá, porque era um tempo difícil, aqui era a terra prometida, muitos vieram e venceram, ele queria vencer também.

E conseguiu. Trabalhando sem descanso, fez seu pé-de-meia, encontrou sua alma gêmea, também da terrinha, juntos estabeleceram um comércio, se deram bem, os filhos tocam juntos o negócio, agora.

É feliz, mas há nele um quê de melancolia, de quem perdeu um pedaço do coração.

Disse-me que quando vai à associação de patrícios e toca o vira ele canta de um jeito embriagante a canção de sua terra. O coração bate descompassado e quase pula do peito, num balanço exagerado, e a mente se desgarra deste mundo.

Não sabe explicar suas sensações de quando dança essa música genuinamente portugusa, enquanto seu corpo se revira em mil trejeitos. É um rio saindo do leito, uma cerração subindo a serra, enquanto sua respiração se agita e a alma grita no delírio do ritmo.

Quando dança e canta o vira, sente invadi-lo o cheiro do perfume dos campos de Trás-os-Montes.

Convidou-me um dia para ir à festa de aniversário de um amigo que veio com ele na mesma leva. Ia ser no clube deles, mas não tinha problema, muitos brasileiros sempre iam, parentes ou não dos portugueses, e eram  bem acolhidos; os convidados até cantavam e dançavam juntos as músicas que evocavam as lembranças do seu Portugal.

Quando entramos, o conjunto musical tocava samba bossa-nova, o salão estava cheio, muitos cantavam  e acompanhavam o ritmo batendo suavemente as mãos nas mesas.

A banda era formada de portugueses, quase brasileiros de tanto tempo que viviam aqui.

A diferença foi quando começaram a tocar o vira. Era como se se incendiassem, seus rostos irradiavam uma alegria contagiante e o meu amigo parecia que iria explodir de contentamento, levantando-se, cantando a canção de sua terra, braços para o alto, saltitando e requebrando despudoradamente.

Quando se sentou, perguntei-lhe como conseguia, tão ligado a suas raízes, continuar longe de Trás-os-Montes, afastado dos parentes e amigos que deixou para trás.

Ele disse que às vezes ia visitá-los lá na pátria distante. Quando isso acontecia, de tempos em tempos, de início parecia que os laços haviam se afrouxado. Mas logo essa impressão se desvanecia, quando o vira enchia o ar e juntos dançavam sua sina e sua sorte. Juntos, aprenderam com sua pátria que quem canta tudo pode e que quando cantam e dançam unidos em uma só vontade, com emoção e sangue quente, só se anda para a frente.

Não importava onde estivesse, aqui ou em Portugal, vivia a ventura que Deus lhe deu de sempre ter alegria e de viver a vida com doçura. O que mais haveria de querer? Seguia no rumo que o mundo vira, porque nós também giramos sem parar numa roda que nunca termina para encontrar o nosso destino.

Começou a tocar um vira novamente. Meu amigo me puxou, dançou na minha frente. Eu timidamente comecei a imitar seus passos, seus trejeitos, e embebi-me da canção de sua terra, sentindo aflorarem em mim as raízes  ancestrais.

E compreendi.

11 março 2012 FULEIRAGEM

AROEIRA – JORNAL O SUL

11 março 2012 DEU NO JORNAL

O JORNAL DA BESTA PARTICIPA DA VISITA DO FILHO DE DIANA AO BRASIL

O terceiro herdeiro na linha da sucessão do trono da Inglaterra, príncipe Harry Charles Albert David, visitou no sábado o complexo de favelas do Alemão, zona oeste do Rio.

Ele passeou de teleférico, foi recebido por um coral de crianças da comunidade e conversou com crianças e militares que cuidam da segurança das favelas do Alemão, para saber sobre o processo de pacificação dessas comunidades iniciado no ano passado.

* * *

Segundo fui informado, este príncipe gosta muito de xibiu e joga no time dos apreciadores do bicho fêmeo. É fato de público conhecimento que ele não dá sossego aos priquitos londrinos em disponibilidade.

Dizem que ele bate a Inglaterra todinha, e mais alguns outros paises da Europa, atrás de uma bacurinha molhada. Herdou o fogo da mãe, Diana, e a safadeza do pai, Charles.

Príncipe Harry ontem, no Rio de Janeiro: enquanto o tradutor cochicha no seu ouvido, ela não tira o olho do pé-de-rabo da passista da União da Ilha

De modo que não foi incluído no seu roteiro carioca visita aos redutos da viadagem e dos pontos frequentados pelos doares do orifício pecaminoso.

Para corrigir esta imperdoável omissão, acabei de enviar para o Príncipe Harry, através de sua página institucional como membro da realiza britânica (clique aqui pra conhecer) o vídeo que está aí embaixo.

Trata-se de uma propaganda oficial da Rio Tur, órgão da Prefeitura do Rio de Janeiro, convidando xibungos, frangos, frescos, adamados, doadores-de-cu, falsos-à-bandeira, boiolas e baitolas do mundo inteiro, além de sapatonas, sapatilhas, mulheres-macho, grêlos-de-titânio, sandálias e botadoras-de-aranhas-pra-brigar de todos os quadrantes da terra. Um filmete que é fruto do trabalho de profissionais competentes e de produção esmerada.

Vejam que linda mensagem:

11 março 2012 FULEIRAGEM

S. SALVADOR – ESTADO DE MINAS

11 março 2012 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

GASTANÇA EXAGERADA

Cada vez mais louco por arrecadação, os governos não dão o braço a torcer. No mês de janeiro, o governo federal bateu o recorde histórico em arrecadação de impostos. O erário público recebeu do contribuinte a fabulosa quantia de R$ 102,57 bilhões. Em relação a dezembro passado, o crescimento da arrecadação beira os 6%. Ótimo resultado.

Três fatores contribuíram para o governo se encher de grana. Ficar rindo à toa. O pagamento da cota do importo de Renda da Pessoa Jurídica, o IRPJ, a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido e a antecipação do pagamento dos royalties sobre a exploração de petróleo.

O governo municipal de São Paulo, caso se confirmem as estimativas, espera encher os cofres da Prefeitura com os R$ 850 milhões arrecadados somente com as multas de trânsito. Valor mais que duplicado em apenas um tempinho de gestão.

Para alegria dos atuais gestores públicos o comportamento da arrecadação segue no bom caminho. Pelo menos, vem batendo recordes constantes. Mas, sem controle, a carga tributária já atinge o patamar de 37% do PIB-Produto Interno Bruto. Uma das maiores do planeta.

Em 2010, o total do faturamento para a Receita Federal bateu em R$ 826,06 bilhões. O Leão ficou mais rico em 16% com relação ao ano anterior. Em 2011, os tributos federais somaram R$ 993,66 bilhões. O crescimento da fome de impostos beirou os 11%.

Na linguagem popular, imposto é o valor que o contribuinte pessoa física ou jurídica paga ao Estado. É com o valor arrecadado que os governos pagam os gastos da máquina administrativa. Pagam para que a população gozem da melhor assistência em saúde, segurança, transporte, cultura e educação, além de garantir o pagamento de salário do funcionalismo público.  O que, infelizmente, não é correspondido.

Dessa fonte de recursos, o governo também se prepara para investir em obras de interesse coletivo, como hospitais, rodovias, hidrelétricas, portos e universidades.

Quem aprova a distribuição de verbas é o Poder Legislativo, através da oficialização do orçamento. Mas, como não se liga nos gastos, não tem o costume de enxugar despesas, o Legislativo nem se preocupa se a carga tributária brasileira está alta demais. Foge dos padrões internacionais.

No entanto, embora alta, o governo não se envergonha de vir investindo somente 9% da arrecadação tributária em obras públicas. É por causa da limitação dos gastos públicos em obras que o crescimento do Brasil anda lento demais.  Bem abaixo dos índices obtidos pelas outras economias do mundo que disparam o crescimento com uma rapidez incrível. Através da implantação de excelente infraestrutura.

Por falta de controle nos gastos públicos sem licitação que cresceram cerca de 8% somente no primeiro ano de governo federal, o Tribunal de Contas da União-TCU, por ser um órgão fiscalizador dos gastos governamentais, já demonstra um certo grau de preocupação.

É desse detalhe que se aproveita a oposição popular para criticar o governo. Meter a lenha, alegando que por trazer a mão aberta para determinados segmentos, a inflação cresce fora dos parâmetros. Favorecendo o retorno inflacionário com o aumento de preços dos produtos. Trazendo a carestia para irritar a classe pobre que depende do improdutivo e desvalorizado salário mínimo. 

11 março 2012 FULEIRAGEM

CLÁUDIO – AGORA SP


http://geleiageneral.blogspot.com
O BAIRRO DO RECIFE ANTIGO

Foto: Clóvis Campêlo/2008

O bairro do Recife, hoje chamado de Recife Antigo, teve origem no século XVI, numa faixa arenosa e estéril que ligava o porto natural ao istmo de Olinda, espremido entre o mar e os rios Capibaribe e Beberibe. O povoado do Recife viria a ser consolidado menos de um século depois, abrigando umas poucas casas de pescadores e portuários e armazéns para estocar mercadorias comercializadas entre os engenhos e a metrópole.

Na época, o porto chegou a ser considerado como o maior das Américas, recebendo toda a sua carga através de batéis que singravam os rios e canais trazendo a produção dos engenhos de cana-de-açúcar.

Foi no Recife Antigo que os holandeses se instalaram em 1637. A Rua do Bom Jesus, que testemunhou o esplendor do progresso urbano (1630-1654), foi o local escolhido pelos judeus para instalar a sua comunidade atuando no comércio ultramarino, sendo, por isso, chamada de Rua dos Judeus e Rua do Bode.Em 1636, foi nela erguida a sinagoga Kahal Kadosh Zur Israel (Pedra de Israel), a primeira das Américas, que se localizava nos prédios de nº 197 e 203, e que funcionou até 1654, onde recentemente foram descobertos o muro de contenção das marés e a micveh, poço onde aconteciam os banhos rituais dos judeus.

Após a saída de Maurício de Nassau do Recife, os judeus foram perseguidos e os padres da Congregação Santo Antônio herdaram os prédios. A rua mudou de nome, passando a ser chamada de Rua da Cruz e depois Rua do Bom Jesus, devido a capela construída nas imediações.

Com a expulsão dos holandeses, os portugueses continuaram a evolução urbana do bairro, permitindo a construção de várias obras como a Igreja e o Convento da Madre de Deus dos padres da Congregação de São Felipe Neri (1680-1707), da Igreja do Pilar (1160-1686) e do Forte do Matos (1684), assim como de diversas ruas.

Em 1710, ocorreu no local a Guerra dos Mascates.Em 1881, foi construída a Estação Ferroviária do Brum, ligando o Recife à cidade do Limoeiro.

Em 1885, foram concluídos o Teatro Apolo e a Torre do Observatório, chamada de Torre Malakoff em homenagem à torre homônima existente em Sebastopol, importante referêrencia na Guerra da Criméia (1854-55), episódio contemporâneo à sua construção.

No início do século XX, o bairro sofreu uma grande reforma, recebendo um traçado urbanístico tipicamente francês, influêrncia do arquiteto Louis Léger Vauthier, e perdendo importantes monumentos do início da colonização portuguesa e da passagem dos holandeses.

Entre 1907 e 1918, sofreu profundas intervenções com a construção do cais e armazéns do porto, do casario de arquitetura francesa e das avenidas Rio Branco e Marquês de Olinda. Por conta da reforma, foram demolidos o prédio da Associação Comercial e o edifício da Praticagem da Barra (1911).

Em 1912, foi demolida a Capela da Conceição dos Canoeiros, construída em 1851. Em 1913, foi demolido o Arco da Conceição, inaugurado em 1740, e a Matriz do Corpo Santo, edificada no século XVI. Em 1914, foi demolido o prédio da Companhia Pernambucana de Navegação.

O bairro tem 110 hectares, com 44 ruas, além dos becos e avenidas, e é considerado como Zona Especial de Preservação (ZEP), contando com 328 imóveis ao longo de sua extensão.

11 março 2012 FULEIRAGEM

DUKE – SUPER NOTÍCIA

11 março 2012 DEU NO JORNAL

A CIA DE BANÂNIA

O governo Dilma Rousseff intensificou nos últimos 15 dias os pedidos de consultas aos servidores da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) para que chequem os currículos de indicados por partidos da base aliada para cargos do segundo escalão.

A decisão do Executivo é um movimento para aplacar a voracidade dos aliados por cargos. No período, foram remetidos para o pente-fino da Abin 120 candidatos – comumente são analisados entre 15 e 30 nomes em um mês.

* * *

Um “seuviço secreto” do gunverno atual, uma agência de inteligência que tem no comando um araponga nomeado pela administração petralha…

Imaginem que tipo de informação, trabalhada e bem cuidada, pode ser fornecida pra Dilma escolher quem deve nomear.

“Positivo, operante, câmbio. Segui o indicado para a presidência da estatal até o desmanche de veículos roubados. Ele é o chefe da quadrilha. Positivo, positivo. Diga pra Dilma que pode nomeá-lo”

11 março 2012 FULEIRAGEM

DUM – HOJE EM DIA


https://www.facebook.com/gustavo.arruda3/
VALE A PENA XERETAR DE NOVO

Depois do final dessa novela “A Vida da Gente”, podiam fazer uma outra bem mais interesante e com uma audiência muito maior, se fosse a mesma história, mas baseada no Facebook… Se chamaria “A Vida dos Outros”!

11 março 2012 FULEIRAGEM

PADRE SPONHOLZ – JORNAL DA MANHÃ

11 março 2012 FULEIRAGEM

TIAGO RECCHIA – GAZETA DO POVO

11 março 2012 FULEIRAGEM

DUKE – O TEMPO

11 março 2012 FULEIRAGEM

TIAGO RECCHIA – GAZETA DO POVO


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa