1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

BRUM – TRIBUNA DO NORTE (RN)

1º DE JANEIRO

Enfim, 2016 se foi. E não deixou saudade. Nem um pouco. Tampouco recordações agradáveis. Pelo contrário, deixou a lembrança amarga de dias conturbados sob todos os aspectos, sejam eles apreciados do ponto de vista da política, da economia, da moral e até da natureza, graças a El Niño – nome escolhido pelos pescadores para homenagear o Menino Jesus, já que, pela vontade dele, creem, as águas peruanas ficam repletas de peixes.

Já por estas bandas, El Niño deixa a seca impiedosa, a fome, a sede, a indiferença ao sofrimento de seres humanos sem eira nem beira e sem nenhuma importância política, econômica ou social, exceto durante as eleições.

El Niño, aqui entre nós, bem que poderia chamar-se, apropriadamente, El Diablo.

Deixe-se, no entanto, a amargura de parte. Primeiro dia do ano é, desde ontem, ao som do espoucar das rolhas de champanhe e ao sabor do néctar farto, o mundo se enche de esperança. Para o Brasil, diga-se, tão necessitado dela, já que talvez nem mais a tenha, exatamente pela carência tão agravada, o ano-novo, mais do que um congraçamento é um gerador de promessas para o ano novo.

A noite de 31 de dezembro é, pois, a noite em que se vai deixar de fumar, de beber excessivamente (embora naquela noite a ingestão seja homérica), de dormir tarde da noite, de de, de…

Há algo, porém, a ser considerado. Apenas 8% das promessas para o ano novo sobrevivem até o próximo ano-novo.

Os que fazemos A Propósito também fizemos uma promessa. A de, na modéstia de nossos meios, continuar denunciando, criticando, objurgando o que lhe pareça desleal para com os legítimos interesses da sociedade, salvo acontecimento de ordem superior.

Feliz ano novo, pois.

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JBF


http://www.apoesc.blogspot.com.br
FELIZ ANO NOVO

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

MOISÉS – BLOG DO MOISÉS

1 janeiro 2017 DEU NO JORNAL

GUABIRUTAGEM RENTÁVEL

Segundo a denúncia do Departamento de Justiça (DoJ) dos EUA, a Odebrecht “investiu” US$ 349 milhões em propinas entre 2003 e 2016.

O retorno estimado pelo pagamento de propinas foi de US$ 1,9 bilhão.

* * *

Investiu” milhões, teve retorno em bilhões. De dólares.

O “investimento” foi feito entre 2003 e 2016.

Eu tô em dúvida se foi no gunverno de Getúlio Vargas ou no gunverno de Juscelino…

Ou teria sido no gunverno de FHC?

Hein?

Tô cum a memória meio fraca.

Depois vocês me tirem esta dúvida, por favor.

Bom, o fato é que a Corruptora Ativa Odebrecht estava certa.

Certíssima.

Investir” em propinas foi melhor do que investir na caderneta de poupança.

Os juros lulaicos são infinitamente superiores aos juros pagos pela Caixa.

Lapa de Corrupto: o maior garoto propaganda que a Odebrecht já teve

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

SENNA – JORNAL DA CIDADE DE BAURU (SP)

ALMEJOS PRA 2017

Que dois mil e dezessete
Seja um ano de bonança
Pondo um fim na violência
Que causa tanta matança
Que enfim se concretize
Toda e qualquer esperança.

Que o sorriso da criança
Seja estampado no rosto
Que não haja sofrimento
Nem tristeza e nem desgosto,
E o crédito nos governantes
Outra vez seja reposto.

E que ninguém fique exposto
Aos desmandos do furor
Que a vida do ser humano
Tenha muito mais valor
E todo que vai a luta
Seja sempre um vencedor.

Que reine a paz e o amor
Em todos os corações
Pra que a vida prolifere
Livre, sem ter restrições,
E os que buscam conquistas
Não sofram decepções.

Que a paz entre as nações
Seja restabelecida,
Que não morra tanta gente
Vítima, de bala perdida,
Que haja mais segurança
Na preservação da vida.

Que ao longo da avenida
Seja a imagem mudada
Em relação ao sem teto
Que tem vida malograda
E vai a busca de abrigo
Na marquise da calçada.

Que aquela calma sonhada
Venha a ser realidade
Que o ser humano esteja
Ativo na caridade
Ajudando ao semelhante
Que está em dificuldade.

Que a vasta felicidade
Venha sempre em abundancia,
Que ninguém jamais se empolgue
Para agir com arrogância
Que os abismos do perigo
Esteja a grande distância.

Que os níveis de petulância
Diminua entre os ladrões
Gerando moralidade
Pra que as novas gerações
Não vivam como as de hoje
Superlotando as prisões.

Que entre as religiões
Haja bastante harmonia,
E ajuste, nos seus conceitos,
No culto ou na homilia
Pra que não transforme o nome
De Deus em mercadoria.

Pra que haja melhoria
E afinal se faça jus
Assegurando os direitos
E não transformando em cruz
Igual a que se carrega,
Hoje nas filas do SUS.

Que Deus acenda uma luz
Com a chama da alegria
Que traga muita saúde
Sossego, paz e energia,
Pra que sejamos felizes
No ano que se inicia.

Um feliz 2017 pra todos!!!

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

REGI – CORREIO AMAZONENSE

VICIADOS NO JBF

Comentário sobre a postagem RONALD TITO VIEIRA DO CANTO – CAPIVARI-SP

Claudemiro:

“Que vicia, vicia mesmo.

Que me faz um BEM danado, faz.

Um 2017 repleto de saúde e paz para todos os viciados do JBF.”

* * *

Viciada fubânica acessando o JBF enquanto mija

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

MIGUEL – JORNAL DO COMMERCIO (PE)

JACQUES RIBEMBOIM – RECIFE-PE

Caro Berto,

Tenho sempre lido matérias do JBF.

Um blog importante para nós, nordestinos.

Moro no Recife, sou professor da Universidade Federal Rural de Pernambuco, autor do livro Nordeste Independente, ensaio econômico sobre a tese do neocolonialismo interno.

Gostaria de trocar umas ideias com você, talvez pessoalmente.

Abraços e feliz 2017!

R. Apareça quando quiser, meu caro. Estou às ordens.

Já passei meu telefone pra você.

Somos colegas de editora: todos os meus livros estão no catálogo da Bagaço.

Mande as ordens.

Abraços e um 2017 arretado de bom.

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

LAILSON – CHARGE ONLINE

1 janeiro 2017 A PALAVRA DO EDITOR

NOVO ANO (II)

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

SINOVALDO – JORNAL NH (RS)

MÁRIO CAVALLERO – SÃO PAULO-SP

Estimado Editor,

Meus sinceros votos de um Feliz Ano Novo.

Que 2017 seja venturoso para este jornal e para todos os seus leitores.

Todos nós esperamos que V.Sa. continue combatendo firmemente os corruptos que andam saqueando o Brasil.

Por favor, publique esta foto que está no anexo.

Um grande abraço!

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

MARIANO – CHARGE ONLINE

POEMINHA PARA LETÍCIA

Poeminha mal acabado para uma musa que dorme no ano novo.

princesa-

Sonha minha princezinha
Teu sonho de amor e paz
Se fosse a vontade minha
Não crescerias jamais
Pra não sofreres nas curvas
Que a estrada da vida faz

Voa teu sonho filhinha
Nas asas de um passarinho
Que navega em céu de estrelas
E pousa devagarinho
Num galho onde o seu amor
Lhe espera dentro do ninho

Deixa que teu pai filhinha
Embale esse sonho teu
Porque o dia acabou
E a noite prevaleceu
E jajá nasce outro ano
No lugar do que morreu…

* * *

Nota do Editor: Poema publicado neste JBF no dia 2 de janeiro de 2014

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

JORGE BRAGA – O POPULAR (GO)

CARLOS ROCHA – GOIÂNIA-GO

Nos idos de 50, eu tinha em torno de oito para nove anos (tou na casa dos 7.2), morávamos numa pequena chácara retirado assim de um quilômetro a quilômetro e meio de Hidrolândia, minha terra natal, e pequeno município do interior de Goiás.

Eu tinha um tio, irmão do meu pai, chamado Benedito. Tratávamos ele, eu e meus irmãos, por “tiDito”. Ele possuía as duas presas folheadas a ouro, costume dos mais abastados da época. Ter dente de ouro era chique, pois ao sorrir aquela coisa cintilava na boca do sujeito, ou sujeita. O detalhe é que esse meu tio gostava de uma cachaça. A cada talagada de pinga que tomava ele soltava uma cusparada prá tirar o gosto. O cuspe gosmento se esparramava, parecendo uma grande aranha no chão. Vez ou outra, aos domingos, ele deixava os afazeres da fazenda de sua propriedade e se arribava prá nossa casa.

Pertinho de casa havia um pequeno comércio – a “venda do seu Vigilato” – que era o local que os cachaceiros se reuniam pra tirar um dedo de prosa e “limpar a garganta da poeirama da labuta na roça”.

Minha mãe havia terminado o almoço e gritou: “Carlinho, vai na venda do seu Vigilato e chama seu tiDito prá almoçar”. Eu fui.

Quando cheguei por traz para tocar no seu braço e dar o recado ele, sem me ver, se virou e soltou a infeliz cusparada na minha cabeça! Sai em disparada com aquela coisa nojenta escorrendo. Minha mãe socou minha cabeça na bica d’água e lavou com sabão preto (bola de sabão de cinzas usado antigamente por nossos pais e avós)).

Pedi prá ela prá nunca mais me mandar dar recado pro tiDito…

Arre! Que nojo!

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

CAFÉ – CHARGE ONLINE

1 janeiro 2017 DEU NO JORNAL

TEM DE SER HONESTO

Dia Mundial da Paz, o 1º de janeiro no Brasil poderia também ser o dia da jabuticaba, já que por aqui, bienalmente, são empossados os eleitos no ano anterior. Desta vez, mais de 11 mil prefeitos e vices e 57.736 vereadores, que passam a desenhar o novo – talvez nem tanto – mapa político do Brasil.

Alguns dirão que a posse em 1º de janeiro não é uma invencionice tupiniquim. Na Suíça, o presidente da confederação helvética também assume hoje. Mas por lá se trata de um cargo anual, de escolha indireta, feita por sete conselheiros federais. Em suma, um ato burocrático, nada como o que ocorre no Brasil. Assim como nada na Suíça se parece com o Brasil.

As urnas que elegeram os que agora começam a administrar as cidades e o cotidiano de mais de 200 milhões de brasileiros foram explicitas: praticamente expurgaram o PT, condenaram a corrupção e os políticos profissionais, se renderam aos encantos de quem soube demonizar a política e se apresentar como gestor de sucesso. Os neófitos João Dória (PSDB), em São Paulo, e Alexandre Kalil (PHS), em Belo Horizonte, são os maiores expoentes dessa equação.

Mas, na aritmética geral, as mudanças foram menores do que pareciam à primeira vista.

Se o PT naufragou – só está assumindo 256 cidades e uma capital, Rio Branco, contra as 630 que detinha em 2012 -, e o PSDB foi o grande vitorioso, ampliando seu poderio para 804 cidades (sete capitais) contra 792 há quatro anos, o PMDB continua líder absoluto. Pulou de 1.015 para 1.027 prefeituras.

E nunca se viram tantos partidos com representações municipais. Só nas capitais, 13 deles estão se sentando na cadeira hoje. Alguns como o PRB de Marcelo Crivella, no Rio de Janeiro, a Rede em Macapá, o PMN em Curitiba, o PPS em Vitória, o PCdoB em Aracaju e o PHS em BH, pela primeira vez.

Mesmo que as pequenas siglas tenham, em boa parte dos casos, se beneficiado do oportunismo de políticos conhecidos, a chegada delas ao poder pode contaminar a discussão das cláusulas de barreira, já aprovadas no Senado. Um desastre anunciado.

A lei, que ainda tem de passar pela Câmara, busca regular a multiplicação endêmica de agremiações políticas que fazem do Brasil o país com o maior número de partidos com representação parlamentar no mundo, segundo pesquisa da Universidade de Gotemburgo, Suécia. Hoje, 35 partidos estão oficialmente registrados no Tribunal Superior Eleitoral, 27 deles no Congresso Nacional.

Mais grave ainda é não dar ouvidos às mensagens embutidas no voto.

Ainda que no Senado e na Câmara políticos se arvorem em proibir a reeleição, 1.385 prefeitos renovaram seus mandatos, quase 50% dos 2.945 que disputaram um segundo mandato. Nas 26 capitais, dos 20 prefeitos que tentaram só cinco não se reelegeram, provando, mais uma vez, a dessintonia do Congresso com a vontade popular.

Outro recado das urnas, e ainda mais dissonante, é o voto obrigatório, rechaçado pelo eleitor, que faz com que muitos dos que hoje estão sendo empossados tenham tido menos votos do que a soma de abstenção, brancos e nulos.

Além de ir às urnas, em 2016, milhões de brasileiros foram às ruas nas mais gigantescas manifestações já registradas no país. O PT de Lula e Dilma Rousseff quase sumiu do mapa, a crise que já era braba se agudizou.

Mas em passos lentos, ora para frente, ora com recuos, o Brasil começou a se aprumar. O técnico Tite recolocou a seleção canarinho na linha em seis vitórias consecutivas nas eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, o Rio de Janeiro e o time Brasil fizeram bonito nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara, foi parar na cadeia, Renan Calheiros, Lula e seus asseclas foram denunciados, os acordos espúrios com empreiteiras – Odebrecht à frente – começaram a vir à tona. A Lava-Jato lavou a nossa alma.

Depois de um ano assim, prefeitos, vices e vereadores empossados hoje têm a obrigação de fazer mais do que a promessa formal de “exercer com dedicação e lealdade o mandato, cumprindo as leis e respeitando as instituições”.

Deles se espera isso e a mais singela das obrigações: honestidade. Sem a qual não há ano novo, muito menos um mandato.

Feliz 2017!

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

VERONEZI – CORREIO POPULAR (SP)

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA (ES)

FELIZ ANO VELHO E BOAS ENTRADAS

Pois não é que, apesar de tudo, dá para chamar 2016 de Feliz Ano Velho? A população foi para a rua, mostrou que estava farta do PT, deu forte apoio à apuração da ladroeira, usou contra Dilma expressões mais habituais a protestos contra juízes de futebol, e ganhou a parada, tirando-a da Presidência. Nas eleições de outubro último, o PT foi varrido do poder. E boa parte dos Guerreiros do Povo Brasileiro foi parar em Curitiba.

Petistas de peso foram desidratados e perderam seus cargos. Outros trocaram de partido – incluindo alguns ícones como Marta Suplicy e Cândido Vaccarezza. Outros ainda não sabem o rumo que vão tomar, como José Genoíno. E Dilma? Como é difícil escolher os próximos passos, quando nem o Grão Cacique Luiz Inácio Lula da Silva sabe o que fazer?

Lula pode ser candidato à Presidência, com algumas chances (se bem que arrastando uma inédita rejeição, que até agora jamais um candidato como ele tinha sustentado). Há também o risco de ser condenado em segunda instância num dos cinco processos em que já é réu. Condenação em segunda instância implica prisão e suspensão de direitos políticos. Candidatura, nesse caso, nem pensar.

Inflação em alta, emprego em baixa, negócios paralisados.Mas abriu-se caminho para apurar a gatunagem, para o saneamento das finanças estatais e a fixação de limites aos gastos públicos. Feliz Ano Velho, apesar de tudo!

Festa brava

A farra da mexerica, eta festa boa! Toda a população acredita que os candidatos devem fazer campanha com seu próprio dinheiro. Mas quem é que se contenta em gastar o próprio dinheiro, se o dinheiro do Governo está à disposição de gatos, ratos e gatunos? O Fundo Partidário rendeu aos partidos, em dez anos, pouco mais de R$ 3 bilhões. PT, PMDB e PSDB, neste período, molharam as mãos em algo como 350 a 450 milhões cada um. Acharam pouco: em dezembro de 2014, o Fundo triplicou. Fique tranquilo o caro leitor: não faltará dinheiro público, nosso, para que os partidos deles façam campanha sem dificuldades financeiras.

Triste futuro

Cuba se recusa a reconhecer o Governo brasileiro do presidente Michel Temer. Cuba se recusa a receber as credenciais do embaixador do Brasil, Frederico Duque Estrada. E o embaixador cubano no Brasil, Alberto Castellar, ainda não entregou suas credenciais. Como poderá o Brasil sobreviver sem relações diplomáticas com Raúl Castro?

Cena curitibana

Há coisas que só acontecem na política paranaense. Por exemplo, a troca de insultos entre o senador Roberto Requião e seus adversários políticos. No início de dezembro, Requião tinha dito que quem tivesse participado de passeatas contra o PT deveria comer alfafa, muita alfafa, ao natural ou em chá, própria para muares e equinos. Há uma semana, o jogo virou. Numa esquina curitibana, manifestantes depositaram um fardo de alfafa; e pediram que quem achasse que Requião deveria comê-lo buzinasse.

Cena curitibana. Hoje, na esquina da avenida Visconde de Guarapuava com rua Brigadeiro Franco, alguns manifestantes colocaram um fardo de alfafa e, numa faixa, pediam a quem concordasse que o senador Roberto Requião deveria comer aquilo, que buzinasse. O barulho tornou-se ensurdecedor por todo o tempo que durou a manifestação. Requião foi amplamente derrotado na Batalha da Alfafa. Ele não devia se envolver na briga: afinal, foi ele que andou mascando mamona.

Jornal Livre

Há uns 30 anos, o grande repórter Lúcio Flávio Pinto, meu colega de Jornal da Tarde e O Estado de S. Paulo, teve uma ideia revolucionária: lançou em Belém o Jornal Pessoal, uma publicação em defesa da Amazônia. Anúncios, não; publicidade, nenhuma. A única receita é obtida pelas vendas em bancas. Agora é preciso levar-lhe um aporte de capital – ou o jornal, o único realmente independente do país, fecha as portas.

A volta de Frankenthal

Seu pai, Leonardo Frankenthal, era conhecido como Leão do Júri; dizia sua lenda que ele perdera apenas um júri na vida, Quando morreu, sua filha e discípula Lilia Frankenthal decidiu retomar a notável carreira do pai. Neste 1º de janeiro, já com a carteira da OAB em mãos, reabre o escritório, com os telefones 9 8317-5800 e 4801-4907, e o e-mail lilia@frankenthal.adv.br

Dois livros notáveis

Dois lançamentos simultâneos: de Aristóteles Drummond, “O homem mais realista do Brasil, as melhores frases de Delfim Netto”; de Ives Gandra Martins, “Uma breve teoria do poder”. Os dos livros compõem um excelente presente de começo de ano.

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

NICOLIELO – JORNAL DE BAURU


TACANDO O PAU NA VIDA

Jatobá – pau que cura e frutos que alimentam

Quando alguns de você estiverem lendo esta crônica sem sentido (é por isso que a coluna leva o nome de Enxugandogelo), tudo terá a aparência de algo novo. Pelo menos o ano é novo. Novinho em folha.

Ficam para trás (no calendário) algumas coisas antigas e se renovam mais ainda a esperança e a fome pela justiça, pelo acerto e retidão das pessoas. Foi para acertar, sempre; e fazer as coisas corretas que o Criador nos colocou na Terra.

Essa é a nossa esperança. Dinheiro e poder não fazem mais a minha cabeça. Saúde, sim. Que importância tem o dinheiro para alguém que já conheceu mais que o país onde nasceu?

Que importância tem o poder, para quem, como eu, conviveu com pessoas simples, humildes – mesmo exercendo parte do poder?

Nenhuma importância tem. Respondemos nós. Hipertenso, aposentado, 73 anos bem vividos na esperança dos 74 (30 de abril). Conscientemente político e sem jamais ter se deixado levar pelos que tem apenas caraminholas pregadas no couro cabelo.

Com os dois braços apoiados na janela frontal da casa, vejo a banda passar todos os fins de tarde. Tocando quase sempre a mesma música. Vendo e ouvindo cobranças – a grande maioria incoerentes.

Ora, se você reclama do políticos, dos juízes e ministros, do abuso das autoridades – e ao mesmo tempo que faz isso, dirige seu carro falando ao celular, que moral tem você para reclamar de alguém? Isso não é incoerência?

A mudança, neste primeiro dia do primeiro mês do ano, precisa começar em você e por você. Seja novo e o ano será realmente novo.

Agora, vamos enxugar o gelo?

Jatobá – fruto que alimenta e cura

Você conhece o jatobá? Não? Então veja.

“Jatobá – O jatobá-verdadeiro, jatobazeiro ou apenas jatobá, (nome científico: Hymenaea courbaril) é uma árvore da família das fabáceas. É a espécie arbórea dominante na floresta estacional semi-decidual sub-montana. A espécie pode alcançar 40 metros de altura e 2 metros de diâmetro, embora uma árvore tenha atingido 95 metros na Amazônia. As folhas são compostas por 2 folíolos, semi-decíduas, coriáceas, com seis a 14 cm de comprimento e 3 a 5 cm de largura. A floração ocorre na época de seca do ano e a frutificação ocorre cerca de 4 meses depois. Embora a espécie seja considerada ameaçada de extinção devido à super-exploração, e como árvore rara, com apenas uma árvore por hectare pelo Instituto de Pesquisa e Estudos Florestais (IPEF), foi avaliada como pouco preocupante na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais versão 3.1, pois tem uma larga distribuição geográfica, por ser considerado comum, e por ocorre em áreas protegidas, e por sua população não está ameaçada ou em declínio.

É considerada sagrada por povos indígenas, que serviam os frutos antes de rituais de meditação, pois acreditavam que o fruto trazia equilíbrio mental, e pesquisas recentes demonstraram que realmente, o fruto pode trazer benefícios à organização mental, o fruto é rico em ferro, e é indicado a quem sofre de anemia. A madeira do jatobá é uma das mais valiosas entre todas as espécies do mundo. Como espécie mais amplamente distribuída do gênero, o jatobá pode ser encontrado desde o sul do México e Antilhas até grande parte da América do Sul, no Brasil é encontrado desde o norte a sudeste; na Amazônia, na Caatinga, no Cerrado, na Mata Atlântica e no Pantanal, e está sendo introduzida na China, na Costa do Marfim, na Indonésia, no Quênia, no Madagascar, na Maurícia, em Singapura, no Sri Lanka, em Taiwan e em Uganda. É encontrada em altitudes superiores a 700 metros acima do nível do mar.” (Transcrito do Wikipédia)

Casca do jatobá – anti-inflamatório poderoso

Os Benefícios do Jatobá para Saúde – O jatobá colabora para o fortalecimento do sistema imunológico; Jatobá tornou-se bastante eficaz no tratamento de infecções fúngicas, tais como pé de atleta e fungos nas unhas; Os Benefícios do jatobá no alívio de problemas nas articulações devido a sua ação anti-inflamatória; Benefícios do jatobá em proteger o fígado e condições estomacais; Jatobá é eficaz na redução do açúcar no sangue; Jatobá tem propriedades anti-inflamatórias, que tornam benéficos para tratar a inflamação das vias respiratórias, como a asma e bronquite; Jatobá é bom para cólica.

Feliz Ano Novo:

Para Luiz Berto, Aline João – Berto conversou com Deus e não foi aceito;

Para Glória Braga Horta, minha amiga de fé, que se operou dos dois zóios:

Para Orlando Silveira, o Síndico da Vila Invernada;

Para o Velho Marinheiro, que tem Doutorado na Escola Mundial da Vida;

Para Dr. Bernardo, lá na terra da boa coalhada e da boa carne-de-sol;

Para Violante, a que além de ser Pimentel, também é pimenta no saber;

E tomém para um magote de desaucupado que veve lendo nóis aqui neste espaço que mais cresce cuma rabo de animá.

Procês, tudim, eu e minha falecida Avó mandamu um sonoro Arre égua!

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

ALPINO – BLOG DO ALPINO

CÉSAR LANDI – MARÍLIA-SP

“Deus pede estrita conta de meu tempo.
E eu vou do meu tempo, dar-lhe conta.
Mas como dar, sem tempo, tanta conta
Eu, que gastei, sem conta, tanto tempo?

Para dar minha conta feita a tempo,
O tempo me foi dado e não fiz conta,
Não quis, sobrando tempo, fazer conta,
Hoje, quero acertar conta, e não há tempo.

Oh, vós, que tendes tempo sem ter conta,
Não gasteis vosso tempo em passatempo.
Cuidai, enquanto é tempo, em vossa conta!

Pois, aqueles que, sem conta, gastam tempo,
Quando o tempo chegar de prestar conta
Chorarão, como eu, o não ter tempo…”

(Frei Antonio das Chagas)

Berto, obrigado pelo tempo que você investe preparando o JBF.

Feliz 2017!

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

NEWTON SILVA – CHARGE ONLINE

OS SETE PILARES DA SELVAGERIA EMPRESARIAL

A grande tradição empresarial no Brasil é remanescente direta da escravidão. Empresário nenhum do Brasil é simplesmente gestor: ele é DONO! A separação entre o fato de ser proprietário da empresa e ser seu gestor raramente ocorre por aqui, sendo esta a razão principal pela qual temos tão poucas empresas com ações cotadas em bolsa. Tem ainda alguns imbecis mais radicais que chegam a colocar em seus cartões de visita a expressão “SÓCIO PROPRIETÁRIO”, em lugar da função que desempenham.

A última grande “evolução” nesta realidade, se é que podemos chamar assim, se deu depois que um banqueiro, com nome de alemão, se apossou sorrateiramente do controle acionário de uma cervejaria centenária através da aquisição de uma fatia majoritária de seu capital que estava diluído em bolsa. Isto ocorreu lá pelos idos de 1990. A partir deste momento, o mesmo banqueiro estabeleceu um patamar de selvageria na gestão, desta e de todas as demais empresas que caíram sob seu jugo, que passou a constituir um novo padrão de carnificina empresarial a nível mundial.

Assim, este se tornou um dos grupos empresariais mais admirados, na atualidade. O mesmo foi gestado, constituído e cevado enrabando todas as vítimas que deram o azar de cair na sua cadeia alimentar de predação. Estupraram e esfolaram o quanto puderam, descartando o bagaço depois sem a menor comiseração, as seguintes vítimas: seus fornecedores, através de arrochos constantes nos preços de compra; seus funcionários, através de cargas de trabalho totalmente impossíveis de serem atendidas; distribuidores, através de regras que os tornaram todos deficitários, sendo posteriormente retomadas as franquias pela franqueadora; os acionistas minoritários, através de fusões e incorporações altamente lesivas a quem não fosse do grupo controlador; o governo, através de sonegação por meio de isenções concedidas ou mesmo autoconcedidas; os concorrentes, através de uma concorrência altamente predatória e que exige sempre exclusividade dos pontos de consumo; das comunidades onde estão instaladas suas unidades, através de exigências desproporcionais aos poderes públicos locais e, principalmente, os seus clientes finais, os consumidores. Estes, através de aumentos absolutamente desproporcionais à inflação do período e seu aumento nos custos. Todos estes, e quem mais aparecer em sua mira, será depenado sem dó.

Este grupo, através da aplicação profissional do modelo acima descrito, veio a se tornar o maior do mundo em seu segmento, sendo por isso louvado em prosa e verso mundialmente. Agora, este famigerado “Brazilian Way of Management” vem sendo imitado com denodo por um grande número de aprendizes de carniceiros. O mundo está se “brasilizando”! Os pilares deste aprendizado são os seguintes:

1. A MISSÃO – A primeira, única e exclusiva missão de qualquer empresa é encher o rabo dos acionistas principais de dinheiro, “duela a quien duela”, como diria o grande guru da sacanagem nacional, Fernando Collor de Mello. Essas platitudes angelicais, anunciadas aos quatro ventos, por toda e qualquer empresinha de merda como sendo a sua missão é tudinho estória pra enganar otários.

2. ESTILO GERENCIAL – Estabeleceu-se o culto ao estilo gerencial que eu costumo apelidar de “Mad Dog” ou, em bom português, Cachorro Louco. Os mantras dos gestores adeptos deste estilo (ou serão feitores?) são frases do seguinte teor: – Eu estou mandando! Isto é uma determinação! Eu estou pagando! Quem manda aqui sou eu! Ou obedece, ou rua!

Este estilo normalmente se apresenta em conjunto com o estilo “Bebê Chorão”: É aquele tipo de chefe imbecil (olha o pleonasmo) que só sabe dizer: – Eu quero, eu quero, eu quero! Te vira! (sic). Preocupação com a realidade? ZERO! Feed back dos subordinados? ZERO!

3. CLIMA ORGANIZACIONAL – Com relação ao clima no ambiente de trabalho, passou-se a considerar extremamente desejável a manutenção de altíssimos níveis de stress entre os funcionários, como forma de se obter também altíssimos níveis de desempenho. Estica-se a corda até o nível de ruptura através da imposição de metas impossíveis. Quando estes desabam, em desespero por estar sempre aquém das demandas que lhes são impostas, é demitido! Ou é hospitalizado com “Burn-Out”.

4. TRABALHO EM EQUIPE – O epítome desta nova seita administrativa é a ênfase no “Trabalho em equipe”(sic). O novo Santo Graal corporativo são as reuniões. Nelas, normalmente ocorre de um chefe, com síndrome de pavão, perorar durante horas sobre as demandas da organização, sem que sejam admitidas contestações ou questionamentos. A contrapartida são as reuniões de cobrança, ocasião na qual são devidamente humilhados todos aqueles que não conseguiram “Bater as suas metas”.

As reuniões começam sempre com bastante atraso. Ficam todos, feito um bando de idiotas, simplesmente esperando que o chefe se disponha a conceder-lhes o ar de sua graça. Este ritual visa deixar bem claro quem é que manda ali, quem é importante e cujo tempo é precioso, quem é descartável e cujo tempo não vale grande coisa. Não se preparam agendas, não se fazem atas e não tem hora para terminar, independente de qualquer compromisso que os subordinados possam ter.

5. COMPETÊNCIAS – O funcionário ideal, para este tipo de empresas, seria o “Rain Man”. Aquele personagem de filme que, mesmo sendo absolutamente retardado mental, possuía algumas habilidades altamente desenvolvidas. Isto porque, por ser um idiota, aceitaria passivamente todas as sacanagens praticadas pela empresa. Por outro lado, sua competência natural, e para a qual a empresa não contribuiu com nada, seria sugada até o osso. Até a famigerada “gestão por competência” configura uma brutal coisificação dos seres humanos. Este passa a valer só pelo que pode ser útil ao empregador.

6. PROFISSIONAIS – O tipo de profissional mais valorizado, neste tipo de hierarquia, passa a ser aqueles que, mesmo sendo estuprados diuturnamente, acreditam que poderão ascender na hierarquia. Para isso, passam a ser mais “filhos da puta” ainda que seus próprios chefes. Ai de seus subordinados! A receita é bem simples: Extremamente babão para cima! Extremamente nazista para baixo!

7. LINGUAGEM – Cria-se nestas empresas um novo dialeto, que sinaliza o pertencimento do indivíduo a esta confraria, bem como a total sujeição da sua personalidade à sua nova situação. Neologismos como: empoderamento do indivíduo, enquanto funcionário…e outras platitudes deste mesmo tipo.

Alguém ainda se admira que esteja todo mundo louco pra se aposentar e se ver livre dessa matança?

1 janeiro 2017 FULEIRAGEM

MARIANO – CHARGE ONLINE

1 janeiro 2017 A PALAVRA DO EDITOR

FELIZ 69 PRA VOCÊ!

Fica valendo 1969 em lugar de 2017.

Vale tudo nesta gazeta escrota.

Um 69 da bixiga lixa pra todos vocês, fubânicos e fubânicas!!!


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa