Arquivos de Fevereiro 2017

MOISÉS MARIANO E JOÃO SALVADOR – DOIS CABRAS TRABALHADORES

Moravam entre o céu e a terra, um perto da Prata e o outro perto de Ouro Velho, no Cariri paraibano. Eram compadres, bons companheiros e tinham um ponto em comum: detestavam tudo o que lhes parecesse trabalho. Nunca deram um dia de serviço pra homem nenhum e viviam debaixo das graças da divina providência. …

Continue lendo

ARMANDO DE ALMEIDA FILHO – SÃO PAULO-SP

Caro Berto, assim como você sou um apreciador de uma boa talagada numa cachacinha. Aqui em São Paulo, onde vivo e te acompanho diariamente é vendida a Havana. Veja o preço da marvada! !!! Do alto da sua riqueza e eu da minha falida aposentadoria – já estou nos 70 -, fica difícil comprar não …

Continue lendo

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

SERGIO RIEFFEL – DIAMANTINO-MT

Caro Berto! Em relação à intervenção feita pelo nosso amigo Goiano (abaixo transcrita em itálico e negrito) em relação a um comentário meu na coluna do Ronaldo Tito, sinto-me na obrigação de prestar alguns esclarecimentos: Vou me meter onde não fui chamado, Sérgio, para dizer o que eu penso de sua dificuldade em entender porque …

Continue lendo

ALPINO – BLOG DO ALPINO

TEMER E PMDB OUVIRÃO DE NOVO O RONCO DA RUA

O período pré-carnavalesco não fez bem a Michel Temer. Seu governo entoa um samba com dois puxadores: Henrique Meirelles e a caciquia do PMDB. O enredo ficou confuso. A ala da economia não orna com a da política. O carro alegórico das reformas não combina com uma comissão de frente que desfila fantasias parecidas com …

Continue lendo

SEU OSVALDO DA FARMÁCIA E O BENZETACIL

Seu Osvaldo era um homenzinho branco e muito pequeno. Ficava ainda menor, por trás das grossas lentes dos óculos que usava pra adivinhar os garranchos das receitas que os médicos desenhavam no atendimento aos doentes do lugar. Seus cabelos eram grisalhos e sempre bem penteados, o bigode e as unhas amarelados pelo cigarro e não …

Continue lendo

HORAS RUBRAS – Florbela Espanca

Horas profundas, lentas e caladas Feitas de beijos sensuais e ardentes, De noites de volúpia, noites quentes Onde há risos de virgens desmaiadas … Oiço as olaias rindo desgrenhadas… Tombam astros em fogo, astros dementes, E do luar os beijos languescentes São pedaços de prata p’las estradas… Os meus lábios são brancos como lagos… Os …

Continue lendo