6 fevereiro 2017 A PALAVRA DO EDITOR

PROFANAÇÃO MACABRA

* * *

* * *

Fechando esta postagem, um vídeo com o jornalista Augusto Nunes, colunista do JBF:

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

 

6 fevereiro 2017 HORA DA POESIA

SONETO DA HORA FINAL – Vinicius de Moraes

Será assim, amiga: um certo dia
Estando nós a contemplar o poente
Sentiremos no rosto, de repente,
O beijo leve de uma aragem fria.

Tu me olharás silenciosamente
E eu te olharei também, com nostalgia
E partiremos, tontos de poesia
Para a porta de trevas, aberta em frente.

Ao transpor as fronteiras do segredo
Eu, calmo, te direi: – Não tenhas medo
E tu, tranqüila, me dirás: – Sê forte.

E como dois antigos namorados
Noturnamente tristes e enlaçados
Nós entraremos nos jardins da morte.

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE


Mundo Cordel
POESIA JURÍDICA

No dia 14 de outubro de 2013, nosso editor postou aqui correspondência na qual o fubânico VICENTE ALENCAR RIBEIRO narrava a curiosa história de um certo Zé Maria de Dão, que havia furtado um poesia. Ao final, pedia a este poeta togado que julgasse o caso.

Demorei uns meses estudando o assunto. Somente no dia 22 de maio de 2014 postei nesta coluna a resposta.

Pois vejam o tamanho do alcance do Jornal da Besta Fubana. Passados mais de dois anos das postagens, o FURTO DA POESIA foi parar nas páginas de um revista especializada em assuntos jurídicos. No caso, a Revista Eletrônica Inovações em Direito Penal e Processual, editada pela Escola Superior da Magistratura do Estado do Pará.

Juntar Direito com Poesia é coisa que estamos sempre fazendo. Mas, ter o reconhecimento de uma publicação oficial é coisa que nos enche de orgulho.

Em celebração ao acontecimento, publico a seguir as duas partes de O FURTO DA POESIA, o primeira escrita por VICENTE ALENCAR RIBEIRO, e a segunda por mim.

Amigo Vicente, uma vez mais lhe parabenizo pela imensa criatividade ao criar O FURTO DA POESIA. E mais uma vez lhe agradeço por me ter permitido escrever a parte que me coube na obra.

O FURTO DA POESIA – PRIMEIRA PARTE – VICENTE ALENCAR RIBEIRO

Certo poeta um dia.
Procurou o delegado,
E com olhar mui sinistro,
Disse ter sido lesado.

E aquela autoridade,
Muito frio perguntou:
– O que fora que o ladrão,
– Do vate surrupiou?

O poeta respondeu,
Do fundo do coração:
– O marginal desalmado,
– Levou minha inspiração.

O delegado sorriu,
E de novo interrogou:
– Como é que algo abstrato,
– O tal larápio levou?

Ao que respondeu o vate,
Submerso em sentimento:
– Caro doutor não percebe,
– Minha dor, meu sofrimento?

– Ledo engano delegado,
– Permita-me autoridade,
– Muitas vezes o reencontro,
– Rouba de nós a saudade.

Clique aqui e leia este artigo completo »

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

S. SALVADOR – ESTADO DE MINAS

6 fevereiro 2017 A PALAVRA DO EDITOR

FOCANDO A BABAQUICE

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

SID – CHARGE ONLINE

6 fevereiro 2017 DEU NO JORNAL

ROMENOS NAS RUAS

O governo da Romênia revogou neste domingo um decreto aprovado na última terça-feira que descriminalizava atos de corrupção e gerou protestos em massa no país. A população romena permaneceu praticamente seis dias em protesto contra a lei que determinava que desvios de até US$ 48 mil não seriam punidos.

“O governo aprovou o projeto de revogação do decreto”, anunciou o Executivo social-democrata, cujos ministros participaram hoje de uma reunião extraordinária, frente ao maior movimento de protestos desde a queda do comunismo, em 1989.

Os romenos continuaram mobilizados neste domingo, com novas manifestações, para manter a pressão sobre o governo social-democrata.

“Espero que seja uma anulação verdadeira. Disseram que nos ouvirão, mas querem levar outro texto para o Parlamento. Vamos estar atentos, para que não nos enganem”, disse Daniel, 35, expressando a desconfiança de muitos romenos, que também pedem a saída do atual governo.

Cerca de meio milhão de pessoas protestaram neste domingo, de acordo com estimativas de redes de televisão locais.

Esses canais informaram sobre manifestações de entre 200 e 300.000 pessoas em Bucareste, 45.000 em Cluj-Napoca e 40.000 em Timisoara. A esses balanços devem-se somar mobilizações em outras cidades e povoados país.

* * *

Muito idiota este povo romeno.

Eles deveriam seguir o exemplo de Banânia, onde elegemos e reelegemos Lula. E depois, elegemos e reelegemos Dilma.

Lula e Dilma fuderam a Petrobras, fuderam Banânia, fuderam tudo, elevaram a corrupção a níveis estratosféricos e… Lula e Dilma continuam livres, leves e soltos. 

Não vemos protesto algum nas ruas contra esta estranha liberdade da dupla que fomentou e incrementou o atoleiro em que atualmente Banânia se encontra.

Ainda mais protestos que duram seis dias!!!!!

Vão ser bestas assim lá na Romênia!!!

Vejam, na foto abaixo, os bonecos vestidos de Lula, em Bucareste, com os rostos dos guabirus, ladrões e corruptos daquele país.

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

RONALDO – JORNAL DO COMMERCIO (PE)

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

ANTONIO LUCENA – BLOG DO NOBLAT

RATO, RATO

Polca do pistonista da Banda do Corpo de Bombeiro do Rio de Janeiro, Casimiro da Rocha, composta em 1904. A música foi feita na época em que a peste bubônica se alastrava na Cidade Maravilhosa.  Em tempos de zika, dengue, febre amarela e chikungunya, a música vem a calhar. Execução de Canhoto e seu Regional e Jacob do Bandolim.

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

RICE – CHARGE ONLINE


STAND-UP COM POESIAS

ROUPAS SEM ELA

Adoro ver roupas
Estendidas, molhadas,
Passadas, dobradas
Indicam que a dona
Encontra-se pelada
O poeta, quem diria
pensando, parado…
Escrevendo poesia
Se não fosse comigo
Idiota, eu diria
Vê se pode!

* * *

DOENÇA DE CHAGAS

Dei nome as minhas chagas
Chamei “perebas” as do meu pé
Das nádegas chamei “curubas”
Mas não dei nome as “feridas”
Pois na minha face querida
Tá lisa, igual bumbum de bebê
Limpa e pura.

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

MÁRIO – TRIBUNA DE MINAS

6 fevereiro 2017 XICO COM X, BIZERRA COM I


http://www.forroboxote.com.br/
CONTOS MINÚSCULOS QUE CONTRARIAM DITADOS POPULARES – 7

SE MAOMÉ NÃO VAI À MONTANHA , A MONTANHA VAI A MAOMÉ – Se Maomé não vai à montanha, acontece absolutamente nada. A montanha continuará à espera de Maomé, no mesmo lugarzinho de sempre. Maomé, se quiser, que vá lá que montanha nunca soube ir a lugar nenhum. Morre de preguiça.

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

J. BOSCO – O LIBERAL

MARCHINHAS DE CARNAVAL – Rolando Boldrin

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

VERONEZI – CORREIO POPULAR (SP)

O AVC DE MANOEL XUDU

Manoel Lourenço da Siva (1932-1986), conhecido na cantoria de viola por Manoel Xudu, foi acometido por um acidente vascular cerebral isquêmico (AVCI). O AVCI é caracterizado pela falta de sangue em determinada área do cérebro, que acontece por consequência de obstrução de uma artéria.

Pode ocorrer um bloqueio ou redução brusca do fluxo, prejudicando a circulação sanguínea. Placas de gorduras e coágulos são as principais causas.

Não é novidade que hábitos saudáveis de vida e alimentação evitam doenças. Manoel Xudu, às vezes, exagerava no consumo de bebida alcoólica, e a intensa atividade de repentista não permitia refeições nutritivas. Esse somatório de fatores contribuiu para a enfermidade provocar uma pausa nos seus compromissos na arte de improvisar versos.

O poeta estava hospitalizado para se recuperar dessa patologia que, felizmente, não deixou nenhuma sequela, quando recebeu a visita de um colega, tendo este feito o seguinte comentário:

“Essa goela de Xudu
Muita cachaça engoliu.”

Xudu, com a velocidade do pensamento que tem o repentista, concluiu:

“Mas o doutor proibiu
Deu tomar cachaça e Brahma
Hoje, eu bebo somente
Deitado na minha cama
Algumas gotas de lágrimas
Que minha esposa derrama.”


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa