6 fevereiro 2017 A PALAVRA DO EDITOR

PROFANAÇÃO MACABRA

* * *

* * *

Fechando esta postagem, um vídeo com o jornalista Augusto Nunes, colunista do JBF:

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

 

6 fevereiro 2017 HORA DA POESIA

SONETO DA HORA FINAL – Vinicius de Moraes

Será assim, amiga: um certo dia
Estando nós a contemplar o poente
Sentiremos no rosto, de repente,
O beijo leve de uma aragem fria.

Tu me olharás silenciosamente
E eu te olharei também, com nostalgia
E partiremos, tontos de poesia
Para a porta de trevas, aberta em frente.

Ao transpor as fronteiras do segredo
Eu, calmo, te direi: – Não tenhas medo
E tu, tranqüila, me dirás: – Sê forte.

E como dois antigos namorados
Noturnamente tristes e enlaçados
Nós entraremos nos jardins da morte.

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE


Mundo Cordel
POESIA JURÍDICA

No dia 14 de outubro de 2013, nosso editor postou aqui correspondência na qual o fubânico VICENTE ALENCAR RIBEIRO narrava a curiosa história de um certo Zé Maria de Dão, que havia furtado um poesia. Ao final, pedia a este poeta togado que julgasse o caso.

Demorei uns meses estudando o assunto. Somente no dia 22 de maio de 2014 postei nesta coluna a resposta.

Pois vejam o tamanho do alcance do Jornal da Besta Fubana. Passados mais de dois anos das postagens, o FURTO DA POESIA foi parar nas páginas de um revista especializada em assuntos jurídicos. No caso, a Revista Eletrônica Inovações em Direito Penal e Processual, editada pela Escola Superior da Magistratura do Estado do Pará.

Juntar Direito com Poesia é coisa que estamos sempre fazendo. Mas, ter o reconhecimento de uma publicação oficial é coisa que nos enche de orgulho.

Em celebração ao acontecimento, publico a seguir as duas partes de O FURTO DA POESIA, o primeira escrita por VICENTE ALENCAR RIBEIRO, e a segunda por mim.

Amigo Vicente, uma vez mais lhe parabenizo pela imensa criatividade ao criar O FURTO DA POESIA. E mais uma vez lhe agradeço por me ter permitido escrever a parte que me coube na obra.

O FURTO DA POESIA – PRIMEIRA PARTE – VICENTE ALENCAR RIBEIRO

Certo poeta um dia.
Procurou o delegado,
E com olhar mui sinistro,
Disse ter sido lesado.

E aquela autoridade,
Muito frio perguntou:
– O que fora que o ladrão,
– Do vate surrupiou?

O poeta respondeu,
Do fundo do coração:
– O marginal desalmado,
– Levou minha inspiração.

O delegado sorriu,
E de novo interrogou:
– Como é que algo abstrato,
– O tal larápio levou?

Ao que respondeu o vate,
Submerso em sentimento:
– Caro doutor não percebe,
– Minha dor, meu sofrimento?

– Ledo engano delegado,
– Permita-me autoridade,
– Muitas vezes o reencontro,
– Rouba de nós a saudade.

Clique aqui e leia este artigo completo »

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

S. SALVADOR – ESTADO DE MINAS

6 fevereiro 2017 A PALAVRA DO EDITOR

FOCANDO A BABAQUICE

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

SID – CHARGE ONLINE

6 fevereiro 2017 DEU NO JORNAL

ROMENOS NAS RUAS

O governo da Romênia revogou neste domingo um decreto aprovado na última terça-feira que descriminalizava atos de corrupção e gerou protestos em massa no país. A população romena permaneceu praticamente seis dias em protesto contra a lei que determinava que desvios de até US$ 48 mil não seriam punidos.

“O governo aprovou o projeto de revogação do decreto”, anunciou o Executivo social-democrata, cujos ministros participaram hoje de uma reunião extraordinária, frente ao maior movimento de protestos desde a queda do comunismo, em 1989.

Os romenos continuaram mobilizados neste domingo, com novas manifestações, para manter a pressão sobre o governo social-democrata.

“Espero que seja uma anulação verdadeira. Disseram que nos ouvirão, mas querem levar outro texto para o Parlamento. Vamos estar atentos, para que não nos enganem”, disse Daniel, 35, expressando a desconfiança de muitos romenos, que também pedem a saída do atual governo.

Cerca de meio milhão de pessoas protestaram neste domingo, de acordo com estimativas de redes de televisão locais.

Esses canais informaram sobre manifestações de entre 200 e 300.000 pessoas em Bucareste, 45.000 em Cluj-Napoca e 40.000 em Timisoara. A esses balanços devem-se somar mobilizações em outras cidades e povoados país.

* * *

Muito idiota este povo romeno.

Eles deveriam seguir o exemplo de Banânia, onde elegemos e reelegemos Lula. E depois, elegemos e reelegemos Dilma.

Lula e Dilma fuderam a Petrobras, fuderam Banânia, fuderam tudo, elevaram a corrupção a níveis estratosféricos e… Lula e Dilma continuam livres, leves e soltos. 

Não vemos protesto algum nas ruas contra esta estranha liberdade da dupla que fomentou e incrementou o atoleiro em que atualmente Banânia se encontra.

Ainda mais protestos que duram seis dias!!!!!

Vão ser bestas assim lá na Romênia!!!

Vejam, na foto abaixo, os bonecos vestidos de Lula, em Bucareste, com os rostos dos guabirus, ladrões e corruptos daquele país.

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

RONALDO – JORNAL DO COMMERCIO (PE)

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

ANTONIO LUCENA – BLOG DO NOBLAT

RATO, RATO

Polca do pistonista da Banda do Corpo de Bombeiro do Rio de Janeiro, Casimiro da Rocha, composta em 1904. A música foi feita na época em que a peste bubônica se alastrava na Cidade Maravilhosa.  Em tempos de zika, dengue, febre amarela e chikungunya, a música vem a calhar. Execução de Canhoto e seu Regional e Jacob do Bandolim.

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

RICE – CHARGE ONLINE


STAND-UP COM POESIAS

ROUPAS SEM ELA

Adoro ver roupas
Estendidas, molhadas,
Passadas, dobradas
Indicam que a dona
Encontra-se pelada
O poeta, quem diria
pensando, parado…
Escrevendo poesia
Se não fosse comigo
Idiota, eu diria
Vê se pode!

* * *

DOENÇA DE CHAGAS

Dei nome as minhas chagas
Chamei “perebas” as do meu pé
Das nádegas chamei “curubas”
Mas não dei nome as “feridas”
Pois na minha face querida
Tá lisa, igual bumbum de bebê
Limpa e pura.

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

MÁRIO – TRIBUNA DE MINAS

6 fevereiro 2017 XICO COM X, BIZERRA COM I


http://www.forroboxote.com.br/
CONTOS MINÚSCULOS QUE CONTRARIAM DITADOS POPULARES – 7

SE MAOMÉ NÃO VAI À MONTANHA , A MONTANHA VAI A MAOMÉ – Se Maomé não vai à montanha, acontece absolutamente nada. A montanha continuará à espera de Maomé, no mesmo lugarzinho de sempre. Maomé, se quiser, que vá lá que montanha nunca soube ir a lugar nenhum. Morre de preguiça.

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

J. BOSCO – O LIBERAL

MARCHINHAS DE CARNAVAL – Rolando Boldrin

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

VERONEZI – CORREIO POPULAR (SP)

O AVC DE MANOEL XUDU

Manoel Lourenço da Siva (1932-1986), conhecido na cantoria de viola por Manoel Xudu, foi acometido por um acidente vascular cerebral isquêmico (AVCI). O AVCI é caracterizado pela falta de sangue em determinada área do cérebro, que acontece por consequência de obstrução de uma artéria.

Pode ocorrer um bloqueio ou redução brusca do fluxo, prejudicando a circulação sanguínea. Placas de gorduras e coágulos são as principais causas.

Não é novidade que hábitos saudáveis de vida e alimentação evitam doenças. Manoel Xudu, às vezes, exagerava no consumo de bebida alcoólica, e a intensa atividade de repentista não permitia refeições nutritivas. Esse somatório de fatores contribuiu para a enfermidade provocar uma pausa nos seus compromissos na arte de improvisar versos.

O poeta estava hospitalizado para se recuperar dessa patologia que, felizmente, não deixou nenhuma sequela, quando recebeu a visita de um colega, tendo este feito o seguinte comentário:

“Essa goela de Xudu
Muita cachaça engoliu.”

Xudu, com a velocidade do pensamento que tem o repentista, concluiu:

“Mas o doutor proibiu
Deu tomar cachaça e Brahma
Hoje, eu bebo somente
Deitado na minha cama
Algumas gotas de lágrimas
Que minha esposa derrama.”

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

6 fevereiro 2017 A PALAVRA DO EDITOR

QUAL DOS DOIS?

Millôr Fernandes, meu saudoso guru, era um cabra afiado.

Não errava uma.

Vejam isto que ele escreveu:

Agora, me arrespondam-me:

No panorama atual da pulítica de Banânia, quem melhor poderia ser enquadrado nesta frase?

Hein?

1 – Aécio Neves, o guabiru enrolado na Lava Jato (codinome “Mineirinho”) e que já proclamou, revoltado e injuriado, que é inocente e que a denúncia é caluniosa.

Ou

2 – Lula, o homem que se declarou mais honesto que Jesus Cristo.

Resposta aqui pra redação do JBF.

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

DUQUE – O TEMPO (MG)

TURBILHÃO

Mádidas carnes róseas, perfumadas,
luarosas, ebúrneas, palpitantes;
olhos claros, ardentes, cintilantes;
formas nuas, incertas, encantadas;

rutilações etéreas de brilhantes;
líqüidas vozes de mistério aladas;
metempsicoses de almas namoradas;
sombras vagas de espíritos distantes;

beijos castos de amor; pecaminosos
deltas ruborizados de desejo;
doce quebrar-se de cristais risonhos;

os ressaibos de amantes temerosos,
toda a história do Amor vejo e revejo
no cortejo das vidas e dos sonhos!

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

SINFRÔNIO – DIÁRIO DO NORDESTE (CE)

6 fevereiro 2017 DEU NO JORNAL

É FEITO SUVACO E AXILA: A MESMA COISA

Em busca de espaço na Câmara, deputados petistas propuseram o seguinte acordo a Rodrigo Maia na véspera da eleição na Casa: a bancada daria 22 dos 58 votos do PT ao candidato e não lançaria candidatura própria. Mas, em troca, queria postos chave nas comissões das reformas.

Maia se disse disposto a entregar a presidência da comissão da reforma trabalhista para um deputado petista – desde que escolhido por ele.

Mas, segundo aliados de Maia, a “mercadoria” não foi entregue: eles alegam que o PT não entregou os votos que prometeu.

E mais: que já havia decidido não lançar candidatura própria antes mesmo de procurar Maia – mas usou a carta na manga para negociar a comissão.

Agora, afirmam deputados, a presidência da comissão da reforma trabalhista será negociada para outro partido.

* * *

Um canalha que recebeu proposta de um grupo de outros canalhas.

E fez uma canalhice com os canalhas vermêios-istrelados.

Ao mesmo tempo que os canalhas vermêios-istrelados fizeram uma canalhice com Maia.

Tudo tolôte do mês pinico.

Tudo farinha do mesmo bisaco.

“Xiuf, xiuf, snif, snif… por mais que eu me esforce, não consigo ser mais sacana que um petralha…”

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

IOTTI – ZERO HORA (RS)

6 fevereiro 2017 DEU NO JORNAL

ITALIANOS DESCOBREM PORQUE O BRASIL DEMITIU A DILMA

A Dilma decidiu viajar para a Europa para liderar uma campanha de difamação contra o Brasil. Mas o que se viu na Itália, no seminário “La Solitudine dela democrazia”, numa universidade de Salento, na cidade de Lecce, foi uma ex-presidente lesada ao tentar iniciar uma palestra que não concluiu. A exemplo do que fazia em seus discursos mirabolantes no Brasil, ela esqueceu o que estava dizendo para delírio da plateia e da tradutora que morreram de rir com a gafe da nossa conferencista.

Ela começou a falar para uma pequena plateia na universidade buscando teorias vazias e infantiloides para descrever a democracia no mundo, tema do encontro. Mas em pouco tempo, em menos de quinze segundos, os italianos, enfim, descobriram porque a Dilma foi demitida da presidência no Brasil. Veja: “Ninguém só constrói o presente sem estar um pouco de olho no futuro. E é esse o processo que eu acho que nós temos de olhar, temos de olhar na Europa, na América Latina, nos Estados Unidos, somos todos irmãos nessa. E nunca, nunca…ah, esqueci o que eu tava falando…”

O vexame da ex-presidente transformou o seminário em um esquete humorístico, quando a plateia não se conteve e se desmanchou às gargalhadas como se visse à sua frente uma comediante descontraindo os sisudos acadêmicos da universidade e fazendo a festa dos alegres estudantes. Dilma nem tentou se recompor. Como cego em tiroteio, não se achava naquele meio acadêmico acostumado a receber com pompas grandes líderes do mundo.

Enquanto ela tentava condenar o impeachment que a tirou da cadeira da presidência, acusando de golpistas o povo que foi às ruas, o STF e os parlamentares, no Congresso Nacional o PT fazia acordo por baixo dos panos para compor as mesas diretoras da Câmara e do Senado, que elegiam seus presidentes “golpistas”. No Senado conseguiu emplacar José Pimentel como primeiro secretário e na Câmara ainda luta para pegar um restinho do que sobrou dos cargos para alojar seus militantes desempregados.

O acordo político – que não passou por ela – só mostra o desprezo que a cúpula do PT tem pela ex-presidente. Ao decidir compor a mesa com os “golpistas”, Lula não quis correr os mesmos riscos da eleição passada quando o PT ficou de fora até de comissões menos importantes na Câmara dos Deputados, depois de concorrer e perder as eleições de presidente da Casa. Agora, mais uma vez, jogou às favas os escrúpulos e tentou os acordos espúrios para manter o seu partido ainda respirando por aparelho dentro do Congresso Nacional.

Mas, alheia ao que se passa na política brasileira, Dilma decidiu fazer uma campanha contra o impeachment, quase um ano depois do seu afastamento. Essa sua atitude, no mínimo, mostra o seu retardamento com os fatos e um grave problema de se conectar com a realidade, o que talvez justifique a fragmentação do seu pensamento. A obsessão dela em manter a versão do golpe para a sua queda, é um caso psiquiátrico que vem afetando gradativamente o seu comportamento de pessoa tumultuada, desorientada e descompensada.

Estudiosos teriam condições de analisar esse transtorno mental da ex-presidente, caso, claro, ela queira se submeter a uma junta psiquiátrica. O que eu posso assegurar, no entanto, nesse meio século de jornalismo, é que nem maconha estragada provoca tanto distúrbio em uma pessoa.

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

FERNANDO – JORNAL DA CIDADE DE BAURU (SP)

6 fevereiro 2017 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

XIRU DAS FACAS – PORTO ALEGRE-RS

Buenas Tchê;

Sou Xiru das Facas, me virando mais que bolacha em boca de vêia!

Um freguês amigo comum nosso, assíduo comprador do saite te indicou para receberes este reclame.

Bueno sem falsa modestia, Xiru das Facas é o maior saite do Brasil em facas artesanais, mais cortadeiras que língua de sogra, “de capar mosquito no vôo” com precitos mais baixos que umbigo de cobra, são mais de 1200 modelos para todos os gostos e bolsos.

Tchê, sem me alongar muito e esse não ficar mais comprido que discurso de gago, pra ser curto e grosso:

Faz uma visita ao saite Tchê, clicando aí embaixo:

Verás opções de facas para churrasco, chef, cozinha, gourmet, para mato, bushcraft, facões, canivetes, pra tua lida ou presentear, se preferir ainda podes gravar o nome na lâmina, vai lá e te diverte vivente!

Entonces fico por aqui que nem água de poço, só esperando o golpe do balde!

Não te acanha vivente e te atira lá pro saite.

Aquele quebra costelas pra ti, qualquer dúvida prende o grito.

R. Mas bah, tchê!

Que barbaridade!

Esta carta do nosso estimado Xiru (que nome da gôta serena!), é uma prova viva da integração promovida por esta gazeta escrota.

De norte a sul, de leste a oeste, passando por Palmares e por Jacaré dos Homens, nas Alagoas, o JBF continua fazendo viciados e admiradores. 

Tomara que este reclame renda muitos fregueses para sua empresa, meu caro. 

Disponha sempre deste espaço. 

Aproveito o ensejo pra mandar um abraço pros 2.150 gaúchos que acessam este jornal, segundo dados do Google Analytics.

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

BRUM – TRIBUNA DO NORTE (RN)


http://www.fernandogoncalves.pro.br
LEITURAS MEMORÁVEIS

Uma amiga muito querida, a Káthya, tem no marido e no neto dois admiradores ferrenhos de histórias de guerra, principalmente da Segunda Guerra Mundial. E certamente dois livros, um editado no Brasil em 2015 e o outro divulgado ano passado, provocarão neles horas de leitura prazerosa, favorecendo a ampliação do conhecimento sobre as atividades desenvolvidas pelas principais lideranças envolvidas no conflito que derrotou o regime assassino de Adolf Hitler, dando início a uma nova etapa de redefinição dos rumos do mundo, numa corrida gigantesca iniciada pela Guerra Fria.

O primeiro livro intitula-se Seis Meses em 1945 – Roosevelt, Stálin, Churchill e Truman: da Segunda Guerra à Guerra Fria, Michael Dobbs, São Paulo, Companhia das Letras, 2015, 494 p. Um relato que ratificaria uma previsão feita por Alexis de Tocqueville, mais de um século antes: “Seus pontos de partida são diferentes, assim como seus percursos não são os mesmos; contudo, cada um deles parece destinado pela vontade dos céus a conduzir o destino de metade do globo.

O livro do Dobbs se desenrola na seguinte cronologia, tudo acontecendo de fevereiro a agosto de 1945: 4/02 – Início da Conferência de Yalta, que vai até 11 de fevereiro; 13 a 15/2 – Bombardeio de Dresden; 27/2 – Vyshinsky organiza golpe comunista na Romênia; 7/3 – Exército americano cruza o Reno em Remagen; 12/4 – Roosevelt morre, sendo sucedido por Truman; 23/4 – Truman adverte Molotov para cumprir promessas sobre a Polônia; 25/4 – Conferência de fundaão das Nações Unidas, americanos e russos encontram-se no Elba; 10/4 – Suicídio de Hitler; 2/05 – Berlim cai diante do Exército Vermelho; 8/5 – Rendição da Alemanha; 26/5 – Emissários de Truman reúnem-se com Churchill e Stálin; 1º/6 – Truman decide usar a bomba atômica contra o Japão; 18/6 – Líderes da oposição polonesa vão a julgamento em Moscou; 24/6 – Parada da vitória em Moscou; 4/7 – Tropas americanas ocupam Berlim Ocidental; 16/7 – Abertura da Conferência de Postdam, que se estende até 2/8; primeiro teste atômico; 26/6 – Renúncia de Churchill; 6/8 – Lançamento da bomba atômica em Hiroshima.

Depois da bomba atômica lançada contra Hiroshima, os primeiros sinais da Guerra Fria surgiram, cujo término aconteceu com a queda do Muro de Berlim, em 9 de novembro de 1989. As versões existentes sobre a Guerra Fria apontam sempre para a ação de um líder responsável, muito embora seus primeiros sinais tenham surgido nos seis meses entre fevereiro e agosto de 1945. Aguarda-se uma nova etapa com o alucinado Donald Trump.

O segundo livro foi editado no Brasil em outubro do ano passado. Relata o período histórico que teve inicio em 1914 e que se estende até 1949, considerado um tempo sem precedente na história da humanidade. Envolvendo pesquisa original e prosa muito envolvente, o livro se intitula De volta do inferno: Europa, 1914-1949, Companhia das Letras, 2016, 574 p., sendo seu autor Ian Kershaw, também responsável pela monumental biografia de Adolf Hitler, editado pela mesma editora, em 2010. No prefácio, Kershaw assim define o seu último trabalho: “Este é o primeiro de dois volumes sobre a história da Europa, de 1914 aos nossos dias. De certa forma, é a obra mais difícil que já escrevi. Cada um de meus livros foi, em certo sentido, uma tentativa de chegar a uma melhor compreensão de um problema do passado. … Pensei em encerrar este primeiro volume em 1945, com o fim da Segunda Guerra Mundial. Todavia, apesar de as hostilidades formais na Europa terem acabado em maio daquele ano (prosseguindo até agosto contra o Japão), o rumo funesto dos anos 1945-9 foi determinado de forma tão clara pela guerra e pelas reações a ela que considerei justificado me estender para além do momento em que a paz voltou oficialmente ao continente. … Este volume trata apenas da primeira metade de um século extraordinário e dramático. Uma era em que a Europa travou duas guerras mundiais, ameaçou os alicerces da própria civilização e parecia temerariamente se autodestruir.

O autor retrata seu texto em quatro grandes eixos: 1. A ascensão do nacionalismo étnico, que favoreceu o fim dos impérios Austro-Húngaro, Otomano e russo; 2. As demanda por revisão das fronteiras territoriais entre França e Alemanha, no Leste Europeu, na Europa Central e em todos os Balcãs; 3. O conflito de classes, à medida que os trabalhadores e o incipiente movimento socialista se insurgiam contra os patrões e a aristocracia, sobretudo a partir da Revolução Bolchevique de 1917; 4. A crise do capitalismo, que atingiu a Europa em cheio no início dos anos 1930 e ajudou a preparar o terreno para o nazismo.

O britânico Ian Kershaw, um nascido em 1943, hoje professor aposentado da Universidade de Sheffield, traça um panorâmico retrato desse período histórico com humanidade, estilo e originalidade, aqui e ali acrescidos de uma pitada de bom humor inglês.

Dois textos que muito encantarão os que buscam inteirar-se melhor de um passado histórico que ainda hoje respinga fortemente no desenvolvimento dos quatro recantos do planeta.

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

BRUNO AZIZ – A TARDE (BA)

6 fevereiro 2017 DEU NO JORNAL

MANCHETE DA SEGUNDA-FEIRA- A PRIMEIRA DAMA CONVOCA AS SEGUNDAS DAMAS

* * *

A linda Marcela vai se reunir com as esposas dos gunvernadores.

Ela bem que poderia convocar uma reunião com as esposas dos blogueiros, levá-las pra Brasília junto com os maridos, fornecendo passagem e estadia, em solene convescote no Palácio da Alvorada, a residência oficial da prisidência banânica.

Assim como criou o programa Criança Feliz, acho que Marcela deveria apadrinhar (ou seria amadrinhar?…) um programa intitulado Blogueiro Feliz.

Eu viajaria mais Aline, esposa deste Editor que vos fala, pra trocar beijinhos com Marcela e tentar arrancar uma verba pública pra tirar as finanças do JBF da miséria em que se encontram. Já elaborei todo um planejamento para o evento e acabei de enviar pro endereço eletrônico da prisidência, solicitando que a mensagem seja encaminhada para nossa linda primeira dama.

Também escrevi lacrimosas linhas para o esposo de Marcela, o Insolentíssimo Sinhô Prisidente Michel Temer, implorando que ele permita sua esposa atender o pedido desta gazeta escrota.

O leitor fubânico que quiser reforçar a nossa súplica, torrando o saco de Michel até ele dar a autorização, é só clicar aqui .

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE

HERDEIRO OU SUCESSOR? EIS A QUESTÃO!

Numa determinada Vara de Sucessão da Capital hibernava um inventário de um falecido microempresário que passou a vida juntando dinheiro, bens móveis e imóveis para os cinco filhos que teve com a sua esposa Rachel. A cada um, o cadáver ambulante, em vida, fez questão de lhes oferecer os melhores cursos e a melhor formação profissional.

Durante sua existência, tudo que conseguia trabalhando fazia questão de dizer que era para o futuro dos filhos. Dizia querer deixar para eles o que os seus pais não puderam lhe dar em vida. Para isso, sacrificavam-se diariamente ele e a esposa Rachel.

Não lhes havia lazer: passeios, festas, diversão, almoço fora. Jantar com a esposa extra, nem pensar! Tudo economizava para os filhos. Até as compras básicas em feiras livres de final de semana necessárias à mantença do casal durante a semana eram feitas no fim de feira, para comprar tudo mais barato para economizar.

Os filhos cresceram e se formaram e se acomodaram em bons empregos; e se casaram e foram deixando os velhos para trás.

Um dia, quando menos esperavam, seu Cláudio Colelo e dona Rachel, deram conta que se encontravam sozinhos dentro do casarão que construíram, porque os filhos já tinham pegado a estrada da independência, casando-se e construindo família própria.

Mesmo assim o velho, seu Cláudio Colelo, continuava trabalhando com sua esposa Rachel dia e noite, aumentando o patrimônio para deixar para os filhos. Essa era a sua grande obsessão! Até da saúde abdicou! Relaxamento total!

Uma noite sombria, chuva que não acabava mais, relampiando pra cacete, o velho sentiu-se mau no meio da noite. Dona Rachel tentou levá-lo ao hospital no Gordine velho pertencente à família. Tentou ligar o motor e este não respondeu para socorrer o velho moribundo a um hospital do SUS porque ele não pagava plano de saúde particular para juntar dinheiro para os filhos. Dizia ser uma obrigação do governo tratar toda a população na doença: para isso pagava uma carga de imposto exorbitante!

Dona Rachel tentou chamar um vizinho para socorrer o marido já de madrugada. O vizinho atendeu-a o pedido. Tentou mais uma vez ligar o carro do casal que não pegou, e não conseguindo levou o senhor Cláudio Colelo no Candango dele mesmo ao hospital do Estado, já desacordado!

Chegando à emergência do hospital, os médicos que atenderam o senhor Cláudio Colelo, disseram que infelizmente não podiam fazer mais nada, pois o homem havia morrido minutos antes por falta de socorro rápido. Demorou muito para chegar à emergência – disse! Ele bateu as bodas contrariado!

Clique aqui e leia este artigo completo »

6 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

6 fevereiro 2017 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

CARLOS IVAN – OLINDA-PE

Um carro do Tribunal de Justiça de Pernambuco, regularmente, para, logo cedinho, na calçada de padaria em Olinda. Então, diante de inusitado fato, não custa indagar ao TJPE, se os seus carros estão desobrigados de cumprir a norma de “uso exclusivo em serviço”. Não participam do esquema de contingenciamento empregado e cobrado pelo governo central. Estão livres de enxugar custos. Não se preocupam com a contenção de excessivas despesas. Lema tão comum atualmente no Brasil.

Justiça seja feita, estes desvios de rota de veículos oficiais do TJPE aparecem normalmente no Portal da Transparência? Como justificativa para o cidadão, que paga as despesas dos órgãos públicos, saber como o dinheiro do povo é gasto. Sem subterfúgios.

Perguntar, não ofende.


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa