13 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

HERINGER – CHARGE ONLINE

C

13 fevereiro 2017 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

GOIANO BRAGA HORTA – PETRÓPOLIS-RJ

Berto, experimentei uma cachaça sen-sa-cional!

Pelo preço, só mesmo para especialistas.

Custa R$ 242,00 reais a garrafa, um luxo, mas conhecedores não podem deixar de prová-la..

Só é vendida pelo endereço na Internet: Authoral

Não tenho interesse comercial na divulgação – o fabricante é um bom amigo, Eduardo, filho de um amigo de infância, falecido há poucos anos, que morava em Brasília, o querido Antônio Manoel, que não chegou a conhecer essa delícia que o filho criou.

E estou divulgando não pela amizade, mas porque se trata de uma pinga realmente muito especial.

R. Meu caro colunista fubânico, você me mandou esta mensagem só mesmo pra me matar de inveja, seu safado.

Que baita sacanagem!

Estando em abstinência compulsória – sob severas ordens do meu cardiologista e sob vigilância sem trégua de Aline-, não posso nem mesmo dar uma beiçadinha numa aguardente arretada feito esta.

Mas, pra compensar, tenho certeza que os cachacistas fubânicos serão receptivos e estudarão com carinho sua sugestão.

Tomara que seu amigo venda bastante aqui pelo JBF, pra comprovar a grande audiência desta gazeta escrota.

Abraços, seu cabra malassombrado!

13 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

NICOLIELO – JORNAL DE BAURU

VAMOS GANHAR NO GRITO

O cineasta José Padilha apresenta um artigo no jornal “O Globo” edição de 12/02 onde faz uma síntese da situação parasitária entre o Estado e o que ele chama de “Mecanismo”.

Uma simbiose que alimenta e escraviza um ao outro e suga energia da sociedade.

Destaco aqui apenas os trechos que julgo críticos para compreensão da mensagem:

“A importância da Lava-Jato”

Na base do sistema político brasileiro opera um mecanismo de exploração da sociedade por quadrilhas formadas por fornecedores do estado e grandes partidos políticos.

O mecanismo opera em todas as esferas do setor público: no legislativo, no executivo, no governo federal, nos estados e nos municípios.

A administração pública brasileira se constitui a partir de acordos relativos à repartição dos recursos desviados pelo mecanismo.

A eficiência e a transparência estão em contradição com o mecanismo

O Brasil atual está sendo administrado por um grupo de políticos especializados em operar o mecanismo, e que quer mantê-lo funcionando.

A leitura completa desse texto com 27 parágrafos numerados, por coincidência o número de unidades federativas que compõe a República Federativa do Brasil, é o resumo mais claro da superfície dos nossos problemas. Tem muito mais sujeira abaixo da linha d’água.

Num texto anterior publicado pelo mesmo jornal em 11/12/2016, Padilha compara com precisão a transformação do parasitismo disfarçado em nacionalismo durante época da ditadura militar e a exploração atual encoberta pela democracia:

História recente do Brasil se caracteriza pela substituição de uma ditadura de direita, que controlava o país na ponta da baioneta e explorava a sociedade auferindo “vantagens competitivas” para grupos empresariais “amigos” do regime, por um mecanismo de dominação mais suave, em que a democracia e as eleições diretas legitimam a exploração econômica da sociedade por grandes fornecedores do Estado associadas a quadrilhas travestidas em partidos políticos.

Em entrevista a “Folha de São Paulo” em 22/11/2016 acerta mais uma no alvo:

A máfia que a esquerda elegeu, representada pela chapa Dilma-Temer e financiada pela máquina PT/PMBD, rachou ao meio sob a Lava-Jato. Um capo traiu o outro. No fim são todos bandidos.

Diz o ditado que uma imagem vale por mil palavras, o homem das imagens nem precisa escrever muito para mostrar a fotografia da podridão que toma conta da vida publica brasileira. Só faço uma observação sobre o que pensa Padilha. No paragrafo 25 do seu artigo de 12/02, ele escreve:

O desmonte definitivo do mecanismo é mais importante para o Brasil do que a estabilidade econômica de curto prazo.

Não Padilha, os dois problemas precisam ser atacados imediatamente com a mesma atenção. Uma nação com esse ambiente instável politicamente, com uma divida da ordem de 70% do PIB, com 10% de déficit fiscal e taxa de juros de 13% ao ano, não aguenta muito tempo. Se esperarmos pela parte da Lava-Jato que depende do STF para tirar o Mecanismo de dentro do Estado e que anda em velocidade de tartaruga manca, talvez não exista mais nada para salvar.

Precisamos desistir de esperar pelo próximo salvador da pátria (o último falhou feio) e começar a agir com nossa força como sugere José Padilha no parágrafo 26:

Sem forte mobilização popular é improvável que a Lava-Jato promova o desmonte do mecanismo.

Nosso grito nas ruas sempre impõe respeito.

13 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

BENETT – GAZETA DO POVO (PR)

O TRISTE RELATO DE UM SABIÁ

Seres humanos malvados
Com seus instintos daninhos
Deixam aprisionados
Inocentes passarinhos,
Que no decorrer das trilhas
Sucumbem em armadilhas
E por infelicidade
Passam a viver sozinhos
Bem distante dos seus ninhos
Privados da liberdade.

É o cumulo da maldade
Se prender um inocente
Colocá-lo atrás da grade
Sem ter motivo aparente
Ainda mais na covardia,
E a vítima da ironia
E mártir da traição,
Passa a viver indefeso
Sofrendo mágoa, desprezo,
Na maior desilusão.

Numa certa ocasião
Que não esqueço jamais
Eu adentrei num galpão
Onde se vende animais,
Subjugada aos entraves,
Eu vi ali várias aves
No mais cruel cativeiro,
Que assim a revelia
Viraram mercadoria
Pra se trocar por dinheiro.

Eu passei um dia inteiro
Ali naquele ambiente
Num momento alvissareiro
Deparei-me de repente
Com uma ave solitária
Que estava naquela área
A olhar triste pra mim,
Assim como quem pedia:
Me livra dessa enxovia
Antes que chegue o meu fim.

Clique aqui e leia este artigo completo »

13 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE

13 fevereiro 2017 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

ALAMIR LONGO – QUARAÍ-RS

Mestre Berto,

Como esse mundo é pequeno…

Lembra daquele garoto de 17 anos, o Leandro, que foi xingado por Cabral e Lula, de “otário e sacana,” por ter feito cobrança aos dois?

Pois dizem que hoje ele seria o carcereiro do ex-governador Sérgio Cabral que um dia o humilhou.

Foi o que ouvi nessa manhã (13 de fevereiro), na rádio Jovem Pan-SP.

Reveja no vídeo abaixo, naquela ocasião, Cabral e Lula escorraçando o referido garoto:

13 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

CHICO CARUSO – O GLOBO

ARCANO

Cai o luar na terra, docemente,
embalsamando a plácida cidade.
E penetra em meu seio, lentamente,
um misto de esperança e de saudade.

Vem a noite apagar sob o clemente
manto de sombra as sombras da vaidade.
Iluminas-me, ó noite erma e silente,
de uma interior, divina claridade!

Para a minha alma, quando morre o dia,
em vez de espectros de funérea voz,
surge, da tarde à plácida agonia,

um turbilhão de risos e de sóis,
e do arcano da treva se irradia
um hino de longínquos rouxinóis.

.

13 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

13 fevereiro 2017 COMENTÁRIOS SELECIONADOS

UMA GAZETA QUE SE COMUNICA COM A INTELIGÊNCIA

Comentário sobre a postagem TÔ PAGANDO…

Adônis Oliveira:

“Meus prezados amigos fubânicos,

Muitíssimo obrigado pelas maravilhosas palavras de apoio.

Esse jornal tem se constituído no meu único canal de comunicação com alguma forma de inteligência nos últimos tempos.”

* * *

13 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

13 fevereiro 2017 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

REGIOPIDIO LACERDA – JUAZEIRO DO NORTE-CE

Mestre Berto,

fui para um sítio que tenho numa serra aqui perto de Juazeiro, em Farias Brito, veja o que encontrei no pé de pinha (acho que aí chamam de ata ou fruta do conde) que tem no terreiro de casa.

Um ninho de galo de campina maravilhoso.

Armei a rede no alpendre em frente e passei o domingo admirando os bichos.

Abraços

Contemplando a natureza
E descansando no mato
Eu tirei este retrato
De um flagrante de beleza
Essa cena de pureza
Da perfeição se avizinha
A ave vinha sozinha
No bico uma rama fina
Vi um galo de campina
No ninho do pé de pinha.

13 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

PATER – A TRIBUNA (ES)

PROVÉRBIOS SOBRE O AMOR

“Em amor, a ausência, quando não é o maior dos males, é o melhor dos remédios.”

“O amor olha de tal maneira que o cobre lhe parece ouro.”

“Quando a pobreza bate à porta, o amor sai pela janela.”

“A lua e o amor, quando não crescem, diminuem.”

“Amor com amor se paga, e com desdém se apaga.”

“Amor é que nem fogo: quanto mais abafado, melhor.”

“Se o teu amor for doce, não o comas todo.”

“Amor que volta é doçura; amor que parte é saudade.”

“Da vida, o amor é o mel, do amor o ciúme é o fel.”

“O amor faz passar o tempo, e o tempo faz passar o amor.”

“Jamais se extingue o ódio com o ódio. O ódio só se extingue com o amor; esta é a lei eterna.”

“Em coisas de amor, o que se diz não se escreve.”

“Melhor é um prato de hortaliça, onde há amor, do que o boi gordo, e com ele o ódio.”

“Lembre-se de que grandes realizações e grandes amores envolvem grandes riscos.”

“O amor morre mais de indigestão do que de fome.”

“Em amor, como em política, não há tratado de paz: tudo são tréguas.”

“O amor é um sonho, e o casamento um despertador.”

“O amor é um passarinho que não aceita gaiola.”

“O amor é na mocidade o que a mocidade é na vida, o que a vida é na eternidade, isto é, um relâmpago.”

13 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

SINOVALDO – JORNAL NH (RS)

13 fevereiro 2017 HORA DA POESIA

ENCANTAMENTO – Abgar Renault

Ante o deslumbramento do teu vulto
sou ferido de atônita surpresa
e vejo que uma auréola de beleza
dissolve em lua a treva em que me oculto.

Estás em cada reza do meu culto,
sonhas na minha lânguida tristeza,
e, disperso por toda a natureza,
paira o deslumbramento do teu vulto.

É tua vida a minha própria vida,
e trago em mim tua alma adormecida…
Mas, num mistério surdo que me assombra,

Tu és, às minhas mãos, fluida, fugace,
como um sonho que nunca se sonhasse
ou como a sombra vã de uma outra sombra…

13 fevereiro 2017 FULEIRAGEM

ANTONIO LUCENA – BLOG DO NOBLAT

13 fevereiro 2017 XICO COM X, BIZERRA COM I


http://www.forroboxote.com.br/
MEUS AMIGOS QUE SE FORAM

Quem me conhece sabe que gosto de escrever pouco. É quase uma defesa: escrevendo pouco evito alguns riscos, como dizer bobagens além do razoável ou agredir a gramática mais do que o bom senso permite. Por isso escrevo pequenos contos, minúsculas crônicas, comentários breves. Inventei um dia, faz 3 anos, de escrever um romance: BASTIÃO DO JESUS BOM, ambientado num sertão qualquer dos nossos e habitado por loucos, carolas, políticos corruptos e gente comum e boa como toda a gente dos sertões. Não passei do terceiro capítulo. Curioso que já escrevi o capitulo final, criei todos as tramas e os personagens paralelos e as transformações morais e de comportamento por que passaram no decorrer da história e um desfecho da trama à la Garcia Marques. Todo o ‘miolo’ na cabeça, mas cadê coragem para concluir? Antes quero publicar o infantil PEQUENINAS HISTÓRIAS PARA GENTE PEQUENINA, (este pre-aprovado por boa editora pernambucana), e o meu xodó, meu livro que relata encontros meus e conversas com Luiz Gonzaga, Manoel Bandeira, Helder Camara, Lampião, Miguel Arraes, Ariano Suassuna, Paulo Freire, Josué de Castro, Naná Vasconcelos, Sivuca, Capiba, Padre Cícero, Jorge Amado, Vitalino, Patativa do Assaré, Moacyr Santos, Louro do Pajeú, João Cabral de Melo Neto, Pinto do Monteiro, dentre outros, personagens que têm as caracteristicas comuns de serem nordestinos, terem a minha admiração e não mais morarem em nosso plano terrestre. Um dia sai. Falta só um Editor se interessar. Aos desavisados, (avisar nunca faz mal) todos esses projetos estão devidamente registrados nos competentes órgãos e cartórios devidos (é triste que assim seja mas já tive idéias musicais e literárias ‘roubadas’ semvergonhamente). Pra quem gosta de escrever pouco até que eu me alonguei, né?


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa