EDMILSON CAMINHA – BRASÍLIA-DF

Meu caro Anderson,

Parabéns pela admirável tradução com que Oleg o homenageia, em nome de todo nós!

Lê-lo em francês, essa língua que tantos gênios transformaram em sinônimo de poesia, é a demonstração inconteste de que sua obra transcende a língua portuguesa, para incluí-lo entre os grandes poetas do nosso tempo.

Abraço fraterno, extensivo ao Oleg, do amigo e leitor,

R. Esta mensagem está se referindo ao colunista fubânico Anderson Braga Horta.

Que é irmão dos também colunistas Goiano e Glória.

Eu, particularmente e pro meu gosto pessoal, reputo Anderson como o maior poeta contemporâneo da língua portuguesa. 

Só isto. Apenas isto. 

Um amigo pelo qual tenho uma enorme estima.

E um dos maiores e mais talentosos sonetistas que eu já li.

Quem quiser conferir, dê uma passeada em sua coluna, publicada sempre às segundas-feiras, intitulada “Soneto Antigo“. Veja aí do lado direito do JBF, na lista de colunas, que está em ordem alfabética.

Sua quietude e humildade são do mesmo tamanho que o seu fantástico talento.

Anderson Braga Horta

É por isso que não me canso de repetir: nesta gazeta escrota só dá expediente cabra malassombrado.

Francamente, eu tenho um orgulho enorme de editar um jornal que tem colaboradores deste quilate.

Mais sucesso ainda, Anderson!!!

Faça tanto sucesso na língua francesa quanto tem feito na língua portuguesa.

Você merece.

Quem quiser conhecer a relação de todos os títulos de Anderson já publicados e os prêmios que já recebeu, dê uma olhada clicando aqui.

E quem quiser saber mais detalhes sobre a carta publicada aí em cima, clique na imagem abaixo:

1 março 2017 FULEIRAGEM

FRANK – A NOTÍCIA (SC)

1 março 2017 A PALAVRA DO EDITOR

A BESTA AVUANDO NOS ARES

Do dia 1º de janeiro ao dia 28 de fevereiro deste ano de 2017, esta gazeta escrota foi acessada 122.406 vezes, segundo dados do Google Analytics.

Isto só no Brasil. Os acessos a partir do exterior não estão contabilizados na tabela abaixo.

O estado de São Paulo permanece na liderança, onde sempre esteve.

Francamente, eu fico ancho que só a porra.

Agradeço do fundo do coração a generosidade e a força de todos vocês.

Este sucesso compensa, e muito, a trabalheira que é botar esta merda de jornal no ar todos os dias

“Este JBF é uma verdadeira cachorrada…”

* * *

1 março 2017 FULEIRAGEM

NICOLIELO – JORNAL DE BAURU (SP)

NÃO COLA MAIS

Comentário sobre a postagem CULPA DA LAVA JATO

Sonia Regina:

“Essa senhora que foi despejada, continua arrogante e mentirosa.

A Lava Jato, está tentando, repito tentando, limpar a sujeira que a senhora e muitos políticos espalharam pelo País.

Empreiteiras, dão emprego, principalmente aos que tem pouco estudo mas que tem que trabalhar “honestamente”.

O problema não é a empreiteira, são os políticos sem-vergonha que inventaram a moda safada de eleger-se vendendo serviço do estado.

A senhora nem tem ideia do que é precisar de um salário mesmo que seja o “mínimo”.

Quem desdenha de juros sobre $150.000,00 que guarda em casa, não sabe o que é falta de dinheiro.

A quadrilha já traçou o novo plano para sair da penúria em que se encontra seu partido, botar a culpa na Lava-Jato.

Não cola mais senhora, estamos escolados, foram vocês que nos ensinaram.”

* * * 

1 março 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

1 março 2017 A PALAVRA DO EDITOR

SE NÃO GUENTA VÁ DORMIR

O dia amanheceu nestas festivas cidades de Recife e Olinda e nem parecia que o carnaval havia terminado e que já estávamos na Quarta-Feira de Cinzas.

Aqui, quem é de cinzas é a quinta-feira…

A festa continua rolando até agora e vai alcançar a noite.

Hoje cedo, no Recife Antigo, os foliões ainda pulavam atrás do bloco Se Não Guenta Vá Dormir.

É mole ou quer mais???

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

1 março 2017 FULEIRAGEM

VERONEZI – CORREIO POPULAR (SP)

JÚLIO CÉSAR BARBALHO – BRASÍLIA-DF

Alguém ai me ajude a divulgar está música até chegar aos ouvidos da produção ou da dupla Bruno & Marrone nome da moda Adivinha quem é?

Cantor e Compositor Júlio César Barbalho.

Meus contatos: WhatsApp 0(61) 9-9180-1600

cantorjuliocesarbarbalho@gmail.com

Desde já meu muito obrigado.

R. Ninguém pode reclamar que esta gazeta escrota não é um espaço aberto e democrático.

Tem lugar até pra música composta especialmente pra dupla Bruno e Marroni!

Vôte!!!

Disponha sempre deste espaço, meu caro.

E que você faça muito sucesso é o que desejo.

1 março 2017 FULEIRAGEM

FRANK – A NOTÍCIA (SC)

CULPA DA LAVA JATO

Dilma acredita que empresas envolvidas em ladroagem devem ser protegidas pelo Planalto

“O que aconteceu na Lava Jato tem aspectos bastante graves. O mais grave deles, na minha opinião, é a não preservação, pelo Estado brasileiro, das suas empresas. Você pode prender executivos, mas preserva a empresa. Não é o que estamos fazendo no Brasil. Quando é que a Alemanha fará isso contra a Siemens? Quando é que os Estados Unidos farão isso contra seus bancos? Nunca”.

Dilma Rousseff, em entrevista ao site Sul 21, ensinando que a Lava Jato é mais prejudicial à economia brasileira do que foi a roubalheira na Petrobras patrocinada pelo governo de que participou e pelo governo que chefiou.

1 março 2017 FULEIRAGEM

VERONEZI – CORREIO POPULAR (SP)

É DE FAZER CHORAR (QUARTA-FEIRA INGRATA)

Um Frevo-Canção de Luiz Bandeira. Interpretado por Carmélia Alves.

1 março 2017 FULEIRAGEM

IOTTI – ZERO HORA (RS)


Viajando de Itapeva a Brasília. Com escala em Ribeirão dos Pradas
SOB O ENCANTO DA VOZ ROUFENHA

Não se trata simplesmente de gostar, ou não, até mesmo porque o viés personalista da preferência poderia colocar sob suspeita alguma relevância que porventura a acompanhasse. É apenas uma constatação: o PT já estava deteriorado antes de nascer. Para ser parido, primeiro ocupou-se de trair os trabalhadores.

No auge das greves em São Bernardo do Campo patrocinadas por um sindicato classista, pude acompanhar de perto os confrontos entre trabalhadores e a Força Pública, hoje Polícia Militar. De todas as manifestações de rua que tive a oportunidade de testemunhar, mais notadamente na Marechal Deodoro, principal via da São Bernardo de então, jamais detectei a presença de alguma liderança de alta patente do movimento para dividir o ônus da causa. Elas estavam ocupadas em usufruir, sob as asas protetoras da fraude ou da batina, ou de ambas, do bônus da glória repentina.

Preocupadas em assegurar um lugar de confortável destaque e de segurança conveniente no novo Brasil que se configurava, não hesitaram em dar às costas aos trabalhadores antecipando a fundação de um partido político em detrimento das reivindicações que davam voz, vida e credibilidade ao movimento. Esse erro estratégico foi fatal, tanto para o PT, como para a CUT. Um, jamais conseguiu legitimar-se como representante político da classe trabalhadora.

Intelectualizou-se para pior. A outra, sempre esteve distante de ser a liderança trabalhista no campo da política. O máximo que conseguiu foi ser porta voz das vicissitudes partidária ou governista. Nada além disso.

Ao estabelecerem como prioridade das prioridades as vantagens pessoais propiciadas pelo engajamento político, os líderes sindicais de São Bernardo não foram fiéis ao levante de Vila Euclides. Matreiros e covardes elevaram à importância de primeira baixeza as necessidades e as esperanças dos trabalhadores de todo o País que se julgavam representados naquela insurgência capitaneada pelos metalúrgicos são-bernardenses. Sucumbiram à facilidade que a fidelidade abomina e renega.

Por sua vez, o PT desonrou seu histórico comprometimento ideológico ao consolidar a falta de ética como ideário da legenda, apequenou-se ao eleger a perfídia como avalista de sua caminhada em busca do poder absoluto e naufragou nas águas pútridas da promiscuidade ao estabelecer a corrupção como programa de governo. Ao longo desses quase quarenta anos persegue, às vezes com a avidez dos desesperados, a maturidade que jamais alcançará, pois, corrompido ainda na gestação, nunca deixará de ser um vulgar feto mimado, birrento e irresponsável. Juntos, petistas e sindicalistas traíram a boa fé do povo brasileiro aliançando-se ao que havia de pior na política e no empresariado nacionais.

De braços dados com a farsa e a empulhação, PT e CUT cumprem a patética missão de serem emissários vulgares das novas – que invariavelmente não são boas e cuja celeridade dos malfeitos não permite que se tornem velhas -, advindas do feudo lulista.

Submissos, curvam-se ao poder emanado das profundas da voz roufenha que os encanta e vicia.

1 março 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

1 março 2017 A PALAVRA DO EDITOR

A VELHA DA CAPA PRETA

Nesta Quarta-Feira de Cinzas estou aqui torcendo pra que toda a comunidade fubânica esteja forte, disposta, saudável, cheia de energia e de vida.

Xô, Velha da Capa Preta!

Sai-te, danada!

Vai-te pra lá e deixa a gente gozar a vida.

Com vocês, Siba e a turma do Fuloresta:

1 março 2017 FULEIRAGEM

ALECRIM – CHARGE ONLINE

CONFISSÕES

Confesso que não sou um “carnavalesco’ no sentido amplo da palavra. Como já contei meu pé direito é canhoto o que dificulta sambar. Tenho a cintura quadrada e a ginga do robocop. Ou seja, atributos é o que mais faltam à este folião.

Mas esta invasão dos chatos do politicamente correto querendo pautar o carnaval e transformá-lo no espetáculo triste e enfadonho que estas malas idolatram me fez voltar à Folia de Momo. Estas malas com sua chatice de galochas tiveram a ousadia de querer censurar marchinhas de carnaval antigas. Haja saco!

É tanta bobagem que daria para escrever outro Samba do Crioulo Doido com as paranoias politicamente corretas.

Então confesso que resolvi fazer a folia no reinado de Momo só para contrariar estas malas. Fiz ‘a festa’, o mais politicamente incorreto possível.

É confesso que sou birrento, mas esta gentalha tira qualquer um do sério.

Viajamos para casa de minha sogra e juntamos a família toda. Os homens (eu e meus cunhados) fizemos um ‘bloco’ a parte enquanto a família toda, especialmente as crianças, curtiam a piscina, a rua e o clube.

Enchi a cara, bebi como um condenado, cerveja, caipirinha e vinho, afinal se eu trabalho todos os dias meu figado não pode ter folga. Não dirigi, não sou assassino, minha patroa e a mãe dela dirigiram.

Mas nós bebemos, fumamos charutos, dançamos, bebemos de novo. Comemos muito churrasco, carne de rês, ovelha, porco e galinha. Carne suficiente para não poder ser considerado vegetariano nunca mais. Exagero? E daí.

Pagamos com o dinheiro suado, fruto de nosso trabalho.

Cantamos todas as marchinhas censuradas e outras mais, ensinamos as marchinhas para as crianças.

Contamos piadas de veado, de sapatão, de velha, de puta, de português, de japonês e de negrão (estas contadas teatralmente por meu cunhado que é, pasmem, negro).

Tudo dentro de um ambiente familiar, alegre e divertido como deve ser a convivência em família. Um ambiente SAUDÁVEL, sem os conflitos e pudores do politicamente correto.

Bebemos de novo. Cantamos de novo. Futebol no barro, balão de couro e o couro do tambor bem esticado para desespero dos veganos.

Saímos em bloco vestidos de mulher ou quase. Afinal uma bailarina careca, gorda, barbuda, de tutu rosa, com quase dois metros de altura e peluda como um urso não é algo muito feminino. Mas valeu a diversão afinal sou pelotense e os pelotenses não são gaúchos são gay-uchos, então acho que damos prá coisa.

E para encerrar comemos, após a folia, muita carne mijada, crua como manda o figurino. Afinal de pois de ferver com a patroa o clima aquece e então…

Este mergulho momástico me fez recordar os carnavais da juventude. Onde eu e meus amigos mergulhávamos na nobre arte de brincar de canibal…de humanos do sexo feminino, ressalto.

Ou seja, o carnaval era nosso playground onde íamos felizes ‘comer gente’. Sempre gente nascida e crescida no sexo feminino. Nada contra, mas nenhum de nós é de viadagens.

Bom e a turma do politicamente correto onde está? Em casa enchendo o saco dos parentes. Nas ruas torrando todo mundo. Nos blocos ‘politicamente corretos’ sambando fininho com passo de quem não quer peidar. Problema deles!

Nós devemos nos divertir, a vida já é muito amarga e dura cotidianamente, chega de chatice.

É chegada a hora de peitarmos estes chatos e mandá-los tomar no cú ao invés de ficarem inventando moda. Vamos chutar a bunda do politicamente correto.

Exagero? Pode ser mas é o que farei a partir de agora.

Exagero nas minhas confissões? Sei lá. Carnaval é folia e fantasia. O que importa é se

divertir e ser politicamente incorreto, como o próprio Carnaval.

Ei! E você ai? Ei! O que tem para confessar?

* * *

Um protesto

Ao voltar à terrinha descubro nos jornais que servidores do Instituto Federal Sul-rio-grandense fizeram um bloco de Carnaval e usaram o espaço para protestar contra o golpe. Até ai tudo bem, o país é livre.

Mas pelas entrevistas e reportagens trata-se de um projeto de extensão financiado com dinheiro público. Ai não! Ai é crime!

Usar dinheiro público para financiar projetos de carnaval em uma Instituição pública que não tem cursos na área cultural (têm cursos técnicos, tecnológicos e engenharias) já é uma aberração. Mas podem até tentar explicar por vias tortuosas, como investimento em cultura, mas haja cara-de-pau.

Agora se usaram dinheiro público para faixas e camisetas- e as reportagens dão isto a entender- ai o buraco é mais embaixo.

E, mesmo usar o nome de uma Instituição Pública para acusar o Governo Legítimo de Golpista é escarrar no Estado de Direito.

Cabe aos Gestores do IFSul virem a público esclarecer isto, sob pena de enlamear mais o nome de uma Instituição, outrora exemplar.

E cabe ao MPF e ao MEC apurarem a fundo se houve ou não aporte de dinheiro público e se houve desvios de conduta ao usar a Instituição Pública que é de todos os brasileiros (favoráveis ou não ao impixamento daquela senhora) para manifestações político-partidárias.

Vindo de quem vem, ou seja, da turma vermelho-estrelada, nada duvido. Eles não aprendem!

Por favor que se apure e esclareça. Já! Na quarta-feira de cinzas!

Mãos a obra MPF e MEC.

1 março 2017 FULEIRAGEM

ALPINO – BLOG DO ALPINO


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa