19 março 2017 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA (ES)

EXPLICANDO O QUE É “CARNE MIJADA”

Comentário sobre a postagem CARNE MIJADA

Dalinha Catunda:

Com gosto dou a resposta
Se é isso que você quer.
É uma carne especial,
Quem oferta é a mulher.
Mas pro cabra degustar
É preciso ele portar
Um adequado talher.

19 março 2017 FULEIRAGEM

DUQUE – O TEMPO (MG)

19 março 2017 JOSIAS DE SOUZA

OSMAR SERRAGLIO NÃO NOTOU, MAS ESTÁ EM APUROS

A sorte do nariz é que a respiração é uma atividade vital. Do contrário, ele seria uma parte dispensável do corpo. Só serve para espirrar, coçar e se meter onde não deve. O nariz de Osmar Serraglio, por exemplo, meteu-se nos assuntos da fiscalização agropecuária do Ministério da Agricultura. Deputado, Serraglio tocou o telefone para um fiscal a quem chamou de “grande chefe”. Na conversa, tomou as dores do dono de um frigorífico que estava sob fiscalização. Seus dois interlocutores – o fiscal e o fiscalizado – foram pilhados na Operação Carne Fraca. E Serraglio, agora ministro da Justiça, encontra-se na incômoda condição de matéria-prima de uma Polícia Federal que deveria chefiar.

Chama-se Daniel Gonçalves Filho o “grande chefe”. Entre 2007 e 2016, comandou a Superintendência do Ministério da Agricultura no Paraná, o Estado de Serraglio. Recebeu ordem de prisão sob a acusação de ser ”o líder da organização criminosa” que, em troca de propinas, fechava os olhos para o comércio de carne imprópria para o consumo humano. Chama-se Paulo Rogério Sposito o empresário que Serraglio socorreu. É proprietário do frigorífico Larissa. Também foi brindado com um mandado de prisão. Acusam-no de pagar suborno para se livrar de autuações da fiscalização agropecuária da pasta da Agricultura.

Deu-se em fevereiro do ano passado o diálogo vadio em que Serraglio encareceu ao “grande chefe” que verificasse a atuação de um fiscal que “deixou o Paulo apavorado” ao varejar-lhe o frigorífico. Captada em grampo autorizado pela Justiça, a conversa foi transcrita num relatório anexado ao inquérito sobre o caso da carne podre (a cópia vai reproduzida abaixo). Com a deflagração da operação policial, o documento ganhou o noticiário.

Serraglio, que chegou à pasta da Justiça precedido pela maledicência de ser homem de Eduardo Cunha, enxergou vantagem onde todos viram apenas constrangimento. Em nota oficial, a assessoria do ministro escreveu que a divulgação do grampo prova a sua disposição de não interferir nas atividades da Polícia Federal. ”Esse é um exemplo cabal que fala por si só”, anota o texto, antes de informar que o ministro soube da Operação Carne Fraca “como um cidadão igual a todos, que teve seu nome citado em uma investigação.”

Tomado pelas palavras dos assessores, Serraglio acha que tem razões para se jactar: “A conclusão, tanto pelo Ministério Público Federal quanto pelo juiz federal, é a de que não há qualquer indício de ilegalidade nessa conversa gravada.” A avaliação de Serraglio sobre o incidente que o envolve tem o valor de uma nota de três reais. Protegido pelo escudo do foro privilegiado, o ministro só pode ser investigado com autorização do Supremo Tribunal Federal. Se admitisse a necessidade de investigar Serraglio, o juiz Marcos Josegrei da Silva, que cuida do caso, teria de abdicar da Operação Carne Fraca, remetendo o trabalho de quase dois anos do Paraná para Brasília.

O magistrado preferiu torturar os fatos a abrir mão do caso. ”Não se extraem elementos suficientes no sentido de que o parlamentar (Serraglio) que é interlocutor em um dos diálogos, que detém foro por prerrogativa de função, esteja envolvido nos ilícitos objeto de investigação no inquérito policial relacionado a este feito”, escreveu. Ele considerou ”natural” que os servidores da Agricultura ”busquem auxílio ou intervenção de deputados de seu Estado a fim de viabilizar o atendimento de interesses do órgão.” Ora, foi Serraglio quem buscou o auxílio do “grande chefe”, não o contrário.

Seja como for, o juiz Marcos Josegrei teve o cuidado de vacinar-se contra surpresas futuras: ”Até que se tenham, pelo menos, indícios mínimos da participação efetiva de pessoa detentora de mandato eletivo, com foro privilegiado, nos delitos de corrupção, falsidades, lavagem de dinheiro, dentre outros apurados na presente investigação, entendo que não há motivo para deslocamento de competência a instância superior.”

O que o juiz declarou, com outras palavras, foi mais ou menos o seguinte: “Abstenho-me de levar as mãos ao fogo por quem mete o nariz onde não é chamado. Por ora, não há indício de crime praticado pelo superior hierárquico da Polícia Federal. O futuro a Deus pertence. Quanto ao passado, torça-se para que o ministro tenha boas explicações para tudo o que fez no último verão.” Serraglio ainda não percebeu, mas parece estar em apuros.

19 março 2017 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE

19 março 2017 DEU NO JORNAL

OS FATOS SÃO MENTIROSOS

Com a delação dos executivos da Odebrecht, a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que já não era boa, vai ficar ainda mais complicada.

Um ex-diretor da empreiteira contou aos procuradores que pagava uma mesada a um dos irmãos do ex-presidente.

Além disso, a empreiteira confirmou que reformou o sítio de Atibaia, comprou um lote para abrigar o Instituto Lula, financiou palestras e ainda patrocinou o filho mais novo do petista – tudo a pedido do ex-presidente.

* * *

Que perseguição da porra!

Quanta mentira, quanta invenção, quanta indignidade jogada ao vento na tentativa de enlamear a honra do homem mais honesto do mundo.

Tão honesto quanto Jesus Cristo.

Um homem que vive tendo seu nome invocado em vão, em flagrante desrespeito à palavra sagrada.

Estas denúncias sem cabimento são parte de uma campanha orquestrada para desmoralizar o indesmoralizável ex-prisidente, o melhor mandatário que Banânia já teve desde o dia do seu descobrimento.

Uma campanha promovida pelos reacionários golpistas, pelos nazistas da extrema direita, pelos coxinhas e pelos insensíveis que querem que o Brasil volte a ter pobres, inflação, carne podre, desemprego, violência, estradas esburacadas e gente morrendo por falta de atendimento nos hospitais públicos.

Tudo coisas que Lula baniu do mapa!

Lula foi chamado ontem de “Magnífico” aqui no JBF.

De “magnífico” para “sagrado e divino” é só um pulo.

E a palavra de um fubânico petista vale mais do que provas, documentos e delações de executivos da Odebrecht.

Acabei de enviar mensagem aos procuradores sugerindo que deixem de ouvir mentirosos e marquem um encontro com a dupla de petistas fubânicos Ceguinho Teimoso e Enxergadora da Realidade.

Aí eles – os procuradores, os investigadores, a Polícia Federal -, irão ouvir a versão corretíssima do comportamento luleiro.

A realidade objetiva e os fatos apurados são muito enganadores.

* * *

19 março 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

MARIA BOA

Na data de hoje, 19 de março, no ano de 1911, nascia o compositor Assis Valente, que encantou-se em 1958. Vamos ouvir uma música de sua autoria, interpretada pelo Bando da Lua.

19 março 2017 FULEIRAGEM

FERNANDO – JORNAL DA CIDADE DE BAURU (SP)

19 março 2017 DEU NO JORNAL

O PODER NO BANCO DOS RÉUS

Ruy Fabiano

A longevidade de um delito, como é óbvio, não o legitima. No entanto, esse é o argumento central com que políticos e financiadores de campanhas reclamam inocência – e exigem absolvição -, diante dos crimes de caixa dois e derivados.

“Sempre se praticou”, dizem uns; “desse jeito, ninguém escapará”, dizem outros. As variantes são nesse rumo.

O próprio Emílio Odebrecht, pai de Marcelo, em depoimento ao juiz Sérgio Moro, espantou-se com o fato de tal prática estar sub judice. E não escondeu que sua empresa a endossa desde sempre e que ele próprio – assim como seu falecido pai e fundador do grupo, Norberto Odebrecht – não via nenhum problema nisso.

A Lava Jato não desconhece a tradição da prática, mas, digamos assim, diverge conceitualmente dos Odebrecht. Está convencida de que não apenas é preciso erradicá-la, como o único meio de fazê-lo é punindo os que a praticaram. O país concorda.

Se, na área penal, antiguidade fosse posto, ou mesmo servisse de atenuante, homicídio não seria crime, ou pelo menos não tão grave, já que inaugurado com Caim, na origem da humanidade.

As delações dos 77 executivos da Odebrecht, cuja divulgação é aguardada, não encerram – antes inauguram – a principal fase da Lava Jato, a que vai ao coração do Congresso e do governo, este e o que o precedeu. Não se trata nem sequer de saber quem vai preso. Trata-se de expor as entranhas de um sistema que liquidou o país.

Os delitos, de fato, não são iguais, nem da mesma gravidade; uns devem ser presos, outros não; uns misturaram caixa dois com propina; outros só o caixa dois; outros lavaram a propina no caixa um. Etc. O dano político, porém, é geral. Não absolve ninguém.

De cara, os presidenciáveis de sempre – uma geração em fim de carreira, distribuída nos principais partidos – já foram citados e estão na condição que o falecido Antonio Carlos Magalhães considerava a mais letal a um político: ter de se explicar. Têm tentado, mas encontram compreensão apenas entre colegas.

Isso explica o ressurgimento do voto em lista fechada exatamente neste momento em que os políticos temem o contato com as ruas. Trata-se de poupá-los do cara a cara com o eleitor. Este votaria apenas na legenda, ficando o encargo de preencher a lista por conta do próprio partido – ou por outra, dos caciques do partido.

É piorar o que já não é bom. O argumento dos que querem as listas fechadas é de que criam um elo mais forte entre eleitores e partidos. Vota-se no partido, não em candidatos. Em tese, sim, mas com esses partidos? De quebra, a novidade os reduziria – há hoje 35 legendas, 28 com assento no Congresso, o que faz com que cada votação seja precedida de um imenso toma lá dá cá.

Mas, se houvesse mesmo interesse em reduzir o número de partidos, bastaria extinguir as coligações nas eleições para deputado.

O que se contempla, neste momento, é uma desesperada tentativa de sobrevivência da velha política, diante da renovação compulsória que o fenômeno da Lava Jato vem impondo.

O strip-tease moral é avassalador e, quando se pensa que já se viu tudo, surge outro escândalo com conexões políticas: a carne envenenada. Atinge em cheio o setor mais produtivo do país, o agronegócio, responsável, de algumas décadas para cá, pelo superávit da balança comercial.

O escândalo é localizado, no segmento carne, mas suas consequências, não: desmoralizam as certificações oficiais do Brasil indistintamente, com reflexos profundos nas exportações.

De quebra, outro problemão para o presidente Temer: seu recém-empossado ministro da Justiça, Osmar Serraglio, estaria envolvido na história, acusado de apadrinhar um dos mafiosos. Mesmo inocente, terá dificuldades de ordem moral e política para prosseguir no cargo. E assim caminha o governo, num entre e sai de ministros, respingados pela lama da corrupção. Antes assim.

A Lava Jato chega ao terceiro ano e não tem data para terminar. O país oficial continua no banco dos réus.

19 março 2017 FULEIRAGEM

QUINHO – ESTADO DE MINAS

19 março 2017 A PALAVRA DO EDITOR

RECORDAR É SE RIR-SE (OU TER RAIVA…)

O vídeo abaixo foi feito no ano de 2015, durante entrevista que Lapa de Cínico deu a blogueiros amestrados e bem pagos.

Num era bem entrevista. Era apenas mais um comício em recinto fechado preparado pela marquetagem bandida dos vermêios.

A encenação fazia da parte da montagem do cenário para que a então presid-Anta Vaca Peidona, vulgo Dilma Rousseff, propusesse a reforma da Previdência Social.

Nos mesmos termos da reforma que Michel Cara-de-Tabaca quer fazer nos dias de hoje, aumentando a idade de machos e fêmeas para fins de aposentadoria.

Atentem para a rápida e quase inaudível risadinha do baba-ovo, do xeleléu, do corta-jaca, do puxa-saco, do xaleirador, do carrega-tralha, do bajulador que está na platéia de antinhas descerebradas.

19 março 2017 FULEIRAGEM

VERONEZI – CORREIO POPULAR (SP)

SONHOS

A Lava-Jato chegou pra ficar. Não tem mais como dar chabu. Estourar fora do esquema. Como é uma operação de limpeza, montada exclusivamente para peitar altas expressões do poder econômico e social do país, que desviaram bilhões dos cofres da Petrobrás e de outros cantos, tomara a Lava-Jato possa realizar o sonho dos brasileiros. Jogue o imprestável pro lixo. Elimine finalmente a sujeira que emporcalha a imagem brasileira.

O bom é que a Lava-Jato não se curva, não se humilha perante o poder. Não abre as pernas para quem se julga a autoridade onipotente. Dona de tudo. Até da moral dos mais fracos.

Pelo andar da carruagem não tem mais justificativa saudável que faça a maior rede de investigação contra a corrupção desaparecer do mapa. Dar no pé. Pelo menos até os próximos anos, quando sentir a barra pesada ficar limpa das tranqueiras. De cabo a rabo.

Ao completar três anos de atividade e efetiva investigação, a Lava-Jato foi longe. Ultrapassou expectativas. Pulou barreiras, outrora impenetráveis. Deixa políticos, empresários e doleiros em polvorosa. Com medo de receber a surpreendente visita matinal da Polícia Federal.

Receber o inesperado convite dos gentis policiais para dar uma voltinha no famoso camburão preto da instituição. Compete à Polícia Federal justamente a responsabilidade pela manutenção da segurança pública na preservação da ordem, da inalterabilidade e integridade dos brasileiros de caráter, dos bens e interesses da União.

A delação premiada foi um achado que deu certo. Foi uma invenção bombástica que deu pano pra mangas para abrir o bico de imprudentes bandidos de colarinho branco. Escancarar os arquivos de desonestos que só pensam no próprio bolso. Em detrimento do interesse coletivo. Desaferrolhar o cofre de personalidades que se julgavam inatacáveis, com direitos invioláveis para responder denúncias ou processos em instâncias inferiores. Diante de o foro privilegiado afastar, dificultar o assédio policial nas investigações.

Não é mole. Descortinar o palco de grandes empreiteiras super organizadas em poderoso cartel, destinado a pagar polpudas propinas a escolhidos felizardos, recebendo em troca bilionários contratos, maquiados com superfaturamento, é coisa do outro mundo.

Mas, parece que o Brasil desse tempo morreu. Foi pras cucuais. Tudo indica que a juventude atuante na Justiça tem outro pensamento. Mais real, justo e prudente. Não exibe mais aquela idiota sensação de falsa Justiça que só existia para acobertar a grandeza social. Punindo apenas o povão.

O STF está de prontidão para analisar a enxurrada de denúncias de supostos crimes de corrupção passiva qualificada e lavagem de dinheiro doado para fins eleitoreiros.

Pena que por falta de estrutura nos órgãos judiciais teme-se não zerar tanto cedo as pendências. Fiquem algumas engavetadas por um bom tempo. Correndo o risco da prescrição de crimes. Retardando o prazer do brasileiro em ver muito rato de colarinho branco atrás das grandes. Pagando criminalmente pelos erros cometidos. Ressarcindo integralmente ao erário público, com juros e correção monetária, o produto dos roubos praticados contra o patrimônio nacional e do povo que se julga, com razão, injustiçado, diante de desastrosas injustiças.

Todavia, se sobra tanta grana para a roubalheira faltam explicações ao povo que padece na fila de hospitais carentes de recursos para prestar boa assistência médico/hospitalar a quem precisa e não tem condições de pagar os caros planos de saúde.

19 março 2017 FULEIRAGEM

MICHELÂNGELO – CHARGE ONLINE

19 março 2017 DEU NO JORNAL

E AINDA TEM CAPADÓCIOS QUE SÃO CONTRA…

* * *

E ainda tem neguinho (inclusive aqui no JBF) que é contra a Lava Jato, contra os procuradores que botam pra fuder e contra o arrochante juiz Dr. Sérgio Moro.

É phoda ouvir os tolôtes que estes capadócios cagam pela boca!

Parabéns aos sofridos funcionários do Rio de Janeiro, sobretudo aos aposentados, a turma da terceira idade.

Saim do sufoco, tirem a barriga da miséria e façam bom proveito dos caraminguás que receberam.

19 março 2017 FULEIRAGEM

ANTONIO LUCENA – BLOG DO NOBLAT


ZÉ, O MENINO QUE VENDIA GIA

 Zé exibe um dos seus troféus

A chuva continuava caindo e, embora não dissesse nada para ninguém, na sua linguagem apropriada parecia dizer: “vou demorar a passar” – e, fina como um cabelo, se deixava tanger pelo vento, parecendo cair na horizontal.

Durante o dia e boa parte da noite anterior, choveu de forma mais intensa. As galerias pluviais receberam mais água, os reservatórios subiram o volume e os animais e insetos que ali se abrigavam para viver e se reproduzir começaram a se incomodar. A fuga foi quase imediata.

Era isso que Zé queria. O tempo era propício para o que considerava ser o “seu trabalho”: voltar a ganhar o apelido de “maior pegador de gia” do Jardim América, um bairro de Fortaleza, que existe como se fora uma divisória entre os diversos bairros suburbanos da zona leste e zona central da capital cearense.

Menino pobre que enfrentava necessidades mil, que ainda tinha a virtude de ser honesto, mania abestalhada e retrógrada que lhe passaram os pais. Trabalhava incansavelmente para ajudar a levar o sustento para casa – e, estranho, nem ele nem seus pais viam alguma coisa relacionada à escravidão ou exploração infantil. Mais uma das frescuras atuais das gerações nem-nem. Assim era o Zé.

Gia do “papo vermelho” de alto valor nutritivo e comercial

“As rãs possuem importância econômica por possuírem carne muito apreciada pelo homem, além de serem historicamente empregadas nas pesquisas biológicas, farmacêuticas e medicinais como cobaias. Diferente dos sapos, que pertencem a família dos Bufonidae, as rãs comestíveis são aquelas espécies que possuem peso acima de 50 gramas quando adultas. No Brasil, existem várias espécies de rãs de grande porte, que pertencem a família Leptodactylidae (rã-manteiga, rã-pimenta, gia, etc.). No Peru existe a famosa rã do lago Titicaca, que pertence a família Pipidae. A maior rã do mundo Rana Goliath vive exclusivamente nas florestas da Mauritânia (África), pertence à família Ranidae.

As espécies da família Ranidae (inclusive a rã-touro), se diferenciam das espécies da família Leptodactylidae (dedos terminados em ponta) por possuírem membranas natatórias entre os dedos, (tipo pé-de-pato). A Rana catesbeiana é originária da América do Norte, mas foi introduzida no Brasil por empreendedores que viram nesta espécie grandes potencialidades comerciais pelas qualidades nutricionais e sabor delicado de sua carne. Fonte(s):.ufv.br/dta/ran/rana (Transcrito do Wikipédia)

Zé, apesar de criança na faixa de 12 anos, “pegou tino de vendedor” no sofrimento diário que a vida lhe impôs. Cedo aprendeu a distinguir o bem do mal, e o bom do ruim. Sempre andou pelo caminho reto – por isso, os pais não tinham qualquer tipo de preocupação com ele. Tinhoso, Zé cuidava detalhadamente daquilo que lhe rendia algum tipo de lucro.

Os anos 50 e 60, em Fortaleza, eram diferentes desses mesmos anos no interior do Estado, sempre convivendo com a seca que tangia o sertanejo e lavrador para a capital à procura da sobrevivência. Chovia regularmente em Fortaleza e, às vezes, chovia além do necessário. Partes da cidade sofriam com alagamentos e a ausência de esgotos e drenagens para as águas pluviais.

Foi aí que a Prefeitura descobriu a necessidade de “canalizar” o Jardim América e bairros adjacentes, a fim de livrar a população de alagamentos e prejuízos materiais. Construiu um canal, e para ele dirigia a água das chuvas. Galerias médias e grandes foram construídas. E era exatamente nessas galerias que Zé “escondia as gias”, sua principal fonte de renda.

Gia grande do papo vermelho sendo “preparada”

“Pelophylax Fitzinger, 1843 é um género de rãs da família Ranidae com distribuição natural alargada na Eurásia, desde a Península Ibérica ao Extremo Oriente, e com algumas espécies no norte de África. O género agrupa as rãs com vida predominantemente aquática e coloração em geral esverdeada, o que lhes mereceu os nomes comuns de rãs-aquáticas e rãs-verdes. O taxon foi inicialmente proposto por Leopold Fitzinger, em 1843, para acomodar as rãs do Velho Mundo que considerava distintas das rãs-castanhas do género Rana proposto por Carl Linnaeus. Esta distinção foi rejeitada pela maioria dos taxonomistas dos séculos XIX e XX, mas o recurso às técnicas da filogenia molecular confirmou que a semelhança morfológica entre os grupos se deve essencialmente a convergência evolutiva, não constituindo um grupo monofilético com Rana. Dependentes da presença de água doce, as espécies deste géneros ocorrem numa vasta gama de habitats, desde ambientes húmidos nas regiões temperadas e temperadas frias a oásis em desertos.” (Transcrito do Wikipédia)

Gia gigante preparada à moda milanesa consumida como tira-gosto

Nesse mesmo período, em Fortaleza, mais precisamente no bairro Montese, localizado ao lado do Jardim América, foi inaugurado um colégio para o ensino médio (naqueles tempos, cursos primário, ginasial e científico), onde a maioria do corpo docente era formada por padres – e, entre esses, um considerável número de holandeses e de nascidos em outros países da Europa.

Não demorou muito e Zé descobriu que os padres holandeses apreciavam a carne de gia. Arrumou e consumou uma seleta freguesia. Provavelmente para manter o “fornecedor” sempre perto deles, os padres até conseguiram convencer Zé a estudar e lhe ofereceram uma Bolsa de Estudos com gratuidade total. Juntaram o útil ao agradável.

Rã de criatório (ranário) tem larga aceitação

Sou pai de cinco filhos. Quatro moças e um rapaz – aliás, já contei isso aqui. O primeiro casamento me deu duas filhas, ambas nascidas no Rio de Janeiro, mais precisamente em Bento Ribeiro. Fomos vizinhos próximos do “Ronaldo Fenômeno”. As outras duas, nascidas do segundo casamento, são maranhenses de São Luís. Dos cinco filhos, o rapaz é o caçula. Seria coincidência que, por algo que não consigo explicar, ele resolveu se graduar em Nutrição?

Quando tinha por volta dos 8 meses de nascido, contraiu uma forte gripe e pensávamos que seria por conta da dentição que começara. A gripe ficou mais forte e demorada, e tivemos que leva-lo a um hospital. Por coisas que a gente não conseguiu entender, no hospital, ele contraiu uma infecção intestinal que praticamente destruiu com a flora intestinal dele, quase levando-o ao óbito.

Depois de amenizada (e provavelmente curada) a infecção, foi prescrita uma rigorosa dieta alimentar à base de duas carnes: rã e coelho. Daí o meu interesse pessoal por esse alimento exótico – e quase me transformo num criador do “bicho”, pois comprar três ou quatro quilos em fornecedor especializado acabava ficando muito oneroso.

Rã (ou gia de outra espécie menor) preparada como refeição principal

19 março 2017 FULEIRAGEM

CHICO CARUSO – O GLOBO

AGRONEGÓCIO É DEMONIZAÇÃO!

Comentários sobre a postagem TÃO MAGNÍFICO QUANTO ELE ! ! ! ! !

Carlos Mendes:

1) De tudo o que rolou hoje por aqui, uma coisa me ficou na mente e chega a ser assustador: esses petistas são mesmo muito perigosos e esquizofrênicos. Pessoas que são capazes de ficar contra quem denuncia a venda e comercialização de carne podre!

E isso só pelo fato de tal denúncia poder vir a afetar as imagens do ex-presidente e da ex-presidente que concederam muitas facilidades aos frigoríficos envolvidos! Não estão nem aí para a saúde do povo, tudo o que lhes importa é a imagem do Lula, é livrar a cara do partido. E ainda que sejam as siglas PMDB e PP as primeiras envolvidas na sujeira e as que foram mencionadas pela imprensa, não deixam barato.

No fundo sabem que de uma forma ou de outra o PT está igualmente envolvido com mais essa sujeirada toda. Por isso, mais uma vez, vociferam contra a PF, gritam contra tudo o que signifique combate à corrupção. Na verdade eles petistas são a alma e o corpo de tudo o que há de errado no Brasil atualmente! Destarte, detestam quem combate o erro. Combate ao erro = combate ao PT.

* * *

Reparem o que disse um conhecido blogueiro e jornalista defensor de Lula e do petismo: “Só um país burro permite que uma operação espalhafatosa coloque em risco uma cadeia produtiva que exporta US$ 15 bilhões por ano“.

Agora eles se mostram preocupados com o que representa o agronegócio perante a nossa balança comercial!

Essas pessoas são muito mais sinistras do que qualquer pessoa razoável possa imaginar. Como alguém já se colocou hoje por aqui, peço também licença para pedir: Libera nos Domine, meu Deus, do cinismo dessa gente.

* * *

Todos sabem que para os petistas o agronegócio brasileiro é motivo de demonização, aliás, todos sabem que para os petistas nunca importou se esse setor produtivo tantas vezes salvou a economia nacional de fechar o ano no vermelho. Isso anos após anos. Porém agora são os primeiros a gritar contra a ação institucional da PF. O que há por trás de tanta histeria por parte dos petistas? Algo mais não cheira bem nessa podridão toda.

* * *


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa