Arquivos de Abril 2017

OS FRUTOS DO IDEÁRIO LIBERAL DE SEIS DE MARÇO DE 1817

Derrotada a iniciativa de implantar, pela primeira vez, um regime republicano em terras brasileiras, o ideário de liberdade dos patriotas de 1817, ficaram adormecidos. Os heróis de então foram enforcados e/ou arcabuzados, com seus corpos mutilados depois de mortos, enquanto pais de famílias eram seviciados nos interiores das masmorras do Recife e de Salvador e …

Continue lendo

INSCRIÇÃO – Manuel Bandeira

Aqui, sob esta pedra, onde o orvalho roreja, Repousa, embalsamado em óleos vegetais, O alvo corpo de quem, como uma ave que adeja, Dançava descuidosa, e hoje não dança mais… Quem não a viu é bem provável que não veja Outro conjunto igual de partes naturais. Os véus tinham-lhe ciúme. Outras, tinham-lhe inveja. E ao …

Continue lendo

SIMÃO LEITE, UM CABRA DO PAJEÚ

Simão Leite, era comerciante em Itapetim, casado com Madalena, irmã de Louro, Dimas e Otacílio Batista e pai de Charliton Patriota, ex-secretário de cultura de São José do Egito, gente boa a competente. Seu Simão, como era conhecido, tinha um caminhão que ele mesmo dirigia carregando as mercadorias que comercializava nas feiras, lá pelo Pajeú …

Continue lendo

UM PIADA DA VACA PEIDONA

O INSTITUTO DATA BESTA INFORMA

Números da última Enquete Fubânica, fechada hoje: Grato a todos pela participação. O troféu Taça Enquete já foi entregue ao vencedor, que recebeu a comenda com muita alegria. “Sô o maió que eztepaiz já teve“, declarou o grande campeão durante a solenidade de entrega do prêmio.

UMA PASSADA POR SÃO JOSÉ DO EGITO

Quem chega no Checo’s Bar, em São José, pode até sair liso, mas com fome jamais. A sua cozinha é um primor, o seu cardápio o mais variado e a sua frigideira “multi-uso” atenderia aos mais rigorosos padrões dos mais renomados “chefs” franceses. E com um sem número de pratos (tira-gostos para os mais íntimos). …

Continue lendo

ZELOS – Maria Braga Horta

Cansei-me de enviar beijos e amor e abraços nas cartas que te escrevo… e reclamas! Agora, nem sei por quê, desfiz a última em pedaços e atirei tanto sonho e ideal janela em fora! Cansei-me de escrever tanto sonho! Nos laços com que nos prende o amor, nosso amor me apavora se eu tenho de …

Continue lendo

AQUI MORAVA UM REI – Ariano Suassuna

Aqui morava um rei quando eu menino Vestia ouro e castanho no gibão, Pedra da Sorte sobre meu Destino, Pulsava junto ao meu, seu coração. Para mim, o seu cantar era Divino, Quando ao som da viola e do bordão, Cantava com voz rouca, o Desatino, O Sangue, o riso e as mortes do Sertão. …

Continue lendo

JOÃO DUDU E O PORTUGUÊS DA VARZINHA

João Dudu era um velho sertanejo brabo, com um chapéu de abas gigantescas dobradas na fronte, uma pajeuzeira e um rabo de égua em cada lado da cintura, presos por um largo cinturão de sola, vestia sempre um mal cortado terno de brim cáqui, roupa que na época caracterizava os velhos carranças do Sertão. Recordo …

Continue lendo

AH! OS RELÓGIOS – Mário Quintana

Amigos, não consultem os relógios quando um dia eu me for de vossas vidas em seus fúteis problemas tão perdidas que até parecem mais uns necrológios… Porque o tempo é uma invenção da morte: não o conhece a vida – a verdadeira – em que basta um momento de poesia para nos dar a eternidade …

Continue lendo

HIMENEU – Vinicius de Moraes

Na cama, onde a aurora deixa Seu mais suave palor Dorme ninando uma gueixa A dona do meu amor. De pijama aberto, flui Um seio redondo e escuro Que como, lasso, possui O segredo de ser puro. E de uma colcha, uma coxa Morena, na sombra frouxa Irrompe, em repouso morno Enquanto eu, desperto, a …

Continue lendo

TÂNTALO – Maria Braga Horta

Não seria maior, nem mais forte o castigo, fosse o crime de morte ou pecado de amor! Mas o néctar do céu, que trouxeste contigo, trouxe o fogo do inferno a teu mundo interior. Foi cruel o suplício, e cruel o inimigo ao negar-te, da água, a doçura, o frescor; ao negar-te um só pomo, …

Continue lendo