5 abril 2017 FULEIRAGEM

LUSCAR – CHARGE ONLINE

5 abril 2017 DEU NO JORNAL

INTERFERÊNCIA IMPERIALISTA

O Ministério Público da Suíça informou que bloqueou 1 bilhão de francos suíços, que correspondem a mais de R$ 3 bilhões, de investigados da Operação Lava Jato em virtude de lavagem de dinheiro e corrupção.

O dado consta de um balanço sobre as atividades do MP em 2016 divulgado nesta quarta-feira (5).

As investigações contra a Petrobras estão em uma parte do relatório dedicada a “casos de interesse público”, como investigações sobre corrupção na Fifa e sobre grupos terroristas como Al Qaeda e Estado Islâmico.

* * *

Porra!

Até o Ministério Público de uma nação istranjeira, a desacreditada Suíça, um país imperialista e ditatorial, aderiu aos reacionários anti-petistas de Banânia.

Este negócio de nivelar a nossa Petrobras dos tempos vermêios-istrelaos com a Fifa, com a Al Qaeda e com o Estado Islâmico, é golpismo puro!

Uma tremenda sacanagem com o partido que tirou milhões da pobreza, segundo o fubânico petista Ceguinho Teimoso.

5 abril 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

MISSÃO IMPOSSÍVEL

Dilma prepara-se para ir para as ruas gritar que é golpe

“Eles não podem querer ganhar a eleição no tapetão, eles não podem condenar o Lula. Nós temos que estar atentos”.

Dilma Rousseff, num discurso na Câmara Municipal de Porto Alegre, informando que só vai reconhecer o resultado das eleições do ano que vem se Lula escapar da cadeia e do fiasco nas urnas.

5 abril 2017 FULEIRAGEM

CLÁUDIO PAIVA – JORNAL DO BRASIL (RJ)

5 abril 2017 FULEIRAGEM

PAIXÃO – GAZETA DO POVO (PR)

5 abril 2017 JOSIAS DE SOUZA

PARADOXO: QUANTO MAIS PROVAS, MENOR É O RISCO

5 abril 2017 FULEIRAGEM

FRANK – A NOTÍCIA (SC)


O POMBO CAGÃO E O MELHOR TIME DO SÉCULO XX

Pombos se reproduzem nas praças públicas

A chuva que não caiu no período da manhã permitiu que eu repetisse a caminhada – a conselho médico – para tentar queimar as gordurinhas do fígado e, renovando as células, facilitar o caminho da sangue nas artérias.

– Domingo que vem o teu Botafogo vai tomar mais uma porrada do meu Fluminense, Oliveira! – Disse Soeiro, num misto de convicção com alegria.

– Será? Respondi, meio que desconfiado.

– E olhe que não teremos Scarpa e outros titulares – garantiu o sempre tímido Soeiro.

Pois eu entro também em campo com o meu Botafogo e sinto que “entramos desfalcados” faz é tempo. Quem viu o Glorioso jogando com Carlos Alberto Torres e Garrincha, Zequinha ou Rogério, e vê os jogadores daquela posição, hoje, não pode estar satisfeito.

Quem viu uma ala esquerda com Marinho Chagas ou Rodrigues Neto ou ainda Rildo e Dirceu ou Paulo Cézar Lima e hoje vê Victor Luís e Sassá, pode estar satisfeito?

Quem viu jogar Nilson Dias, Berg, Ademir Vicente, Afonsinho, Didi, Paulo Valentim, Amarildo, Gerson, Carbone, Osmar Guanelli, Mauro Galvão, Leônidas, Nilton Santos, Manga e mais de 50 selecionáveis, vai aplaudir, agora, um time que se defende mal e ataca pior ainda?

Glorioso Botafogo de Futebol e Regatas

Assim, eu nem duvido que o Fluminense de Soeiro saia de campo como vencedor na tarde de domingo.

Mas, é bom não confiar muito nessa realidade atual, visse Soeiro!

E aí a gente não sabe quem está mais por baixo. Se o futebol brasileiro como um todo, ou se as competições disputadas pelos times brasileiros.

Como assim?

Ora, onde e quando já se viu, um clássico como Fluminense x Botafogo ser disputado no mesmo dia e horário de jogo importantíssimo como Flamengo x Vasco da Gama?

Parecendo corroborar com o que foi dito pelos velhinhos do banco da Praça João Lisboa, um dos muitos pombos que vivem ali, num voo não tão alto, cagou e sujou a camisa de cambraia de linho amarelinha de Soeiro.

E, vida que segue!

Em Tempo: Não está tão longe assim, o dia que a FIFA consagrou o Botafogo de Futebol e Regatas como o melhor time do século II.

5 abril 2017 FULEIRAGEM

ALPINO – YAHOO NOTÍCIAS

LULA CONFESSA QUE SONHOU COM O PESADELO VENEZUELANO

No vídeo em que pede votos para o filhote do Bolívar-de-hospício, o palanque ambulante tortura com selvageria a verdade e a gramática

 “Nos oito anos em que fui presidente do Brasil, tive a oportunidade de conviver com Nicolás Maduro, que era ministro das Relações Exteriores da Venezuela”, confessa Lula já na largada do vídeo, gravado em abril de 2013 para abrilhantar a campanha eleitoral do filhote de Hugo Chávez. “Maduro se destacou brilhantemente na luta pela construção de uma América Latina mais democrática e solidária”, mente em seguida o palanque ambulante, convertendo em defensor do Estado de Direito o tiranete trapalhão que acaba de fracassar na tentativa de erradicar o Poder Legislativo.

“Sempre foi visível sua profunda afinidade com nosso querido e saudoso amigo Chávez”, derrama-se o amigo do peito do criador do socialismo do século 20. “A grande obra de Chávez foi a de transformar a Venezuela em um país mais justo, realizando um massivo processo de transferência da renda petrolheira (sic) em proveito das camadas mais sofrida (sic) da sociedade”, desanda o atropelador da verdade e da gramática. “Mas Chávez, assim como Maduro, sempre tiveram claro (sic) que a Venezuela necessitava escapar dos que muito chamos (sic) maldição do petróleo, daí a importância que deram, e que Maduro dá, à necessidade de industrializar o país e desenvolver sua agricultura”, segue em frente o torturador de fatos.

Tanto o Bolívar-de-hospício quanto o herdeiro que lembra um motorista de caminhão sem freios zanzando na estrada à beira do penhasco fizeram o possível para tornar a economia venezuelana ainda mais dependente do petróleo. Ambos desperdiçaram irresponsavelmente os bilhões de dólares auferidos com os preços do barril na estratosfera. O legado da dupla é uma nação com um parque industrial anêmico e um agronegócio assolado pelo raquitismo. debilidade do agronegócio. No vídeo, o orador trata a realidade a pontapés. “Uma frase resume tudo o que sinto”, capricha no fecho indigente. “Maduro presidente é a Venezuela que Chávez sonhou”.

Não só Chávez e Maduro: também Lula sonhou com a materialização do balaio de ideias de jerico que pariu um um país em acelerada decomposição, partido ao meio, devastado pela inflação anual superior a 500% e sangrado pela diáspora dos desiludidos. É compreensível que o réu da Lava Jato tenha caído na clandestinidade desde que o Tribunal Supremo de Justiça, por ordem do presidente trapalhão, anunciou o fechamento da Assembléia Nacional. O recuo desmoralizante reforçou a suspeita de que Maduro pode ter desferido um tiro letal na própria testa.

Lula não tem tempo para socorrer o amigo vigarista, nem para saber como foi a última conversa com Chávez – que reencarnou num passarinho para dar conselhos ao herdeiro permanentemente em apuros. O sitiante sem sítio precisa concentrar-se 24 horas por dia numa urgência urgentíssima: planejar o que fará e dirá para sair sem danos irreparáveis do encontro com Sérgio Moro, marcado para o começo de maio. É uma tarefa e tanto. Tão complicada quanto a situação em que se meteu a Venezuela bolivariana.

* * * 

5 abril 2017 FULEIRAGEM

GENILDO – CHARGE ONLINE

5 abril 2017 EVENTOS

CONGRESSO NACIONAL DO PT – CONVOCAÇÃO PATRIÓTICA

6º CONGRESSO NACIONAL DO PARTIDO DOS TRABALHADORES – DIA 9 DE ABRIL

Uma colaboração da Editoria do JBF para a patriótica missão do Partido dos Trabalhadores, o melhor, o mais qualificado, o mais puro, o mais honesto do Brasil.

Lutemos para recuperar a imagem do partido que, segundo Lula no vídeo abaixo, mais fez política social neste país!!!

Sinceridade e transparência – as características mais marcantes de Lula -, transbordam abundantemente neste vídeo.

O PT é o partido que vem sendo duramente atacado e caluniado pelos reacionários da direita e pela grande mídia golpista.

Este Editor deseja, sinceramente e do fundo do coração, muito sucesso para Lula, para José Dirceu, para Antonio Palocci, para João Vaccari Neto, para Delúbio Soares, para Paulo Soares, para José Genoino, para João Paulo Cunha e para todos os demais petistas de fibra, caluniados, perseguidos, atacados, aprisionados ou injustamente indiciados em inquéritos fajutos.

Estrela pro alto e pra frente!!!!

Viva o PT!!!

5 abril 2017 FULEIRAGEM

TACHO – JORNAL NH (RS)

5 abril 2017 JOSIAS DE SOUZA

TSE AINDA CULPARÁ A MAÇÃ POR PECADOS COMETIDOS PELO COMITÊ DE DILMA E TEMER

Tudo correu como planejado no primeiro dia do suposto julgamento do pedido de cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer. Verificou-se que a única maneira de levar o processo adiante é voltando no tempo. Em nome da preservação do sacrossanto direito de defesa, o Tribunal Superior Eleitoral decidiu que, além de conceder mais prazo para que os advogados de Dilma e Temer apresentem novamente suas “alegações finais”, será necessário ouvir novas testemunhas.

A certa altura, o relator Herman Benjamin, preocupado em evitar que o processo se torne “um universo sem fim”, fixou um limite: “Não vamos querer ouvir Adão e Eva e a serpente.” O colega Napoleão Nunes Maia Filho concordou: “Eu também não quero retornar ao Paraíso.” Mas deixou a questão em aberto: “A não ser se fosse no período anterior à queda.” Ficou entendido que, no limite, o TSE ainda pode culpar a maçã pelos pecados nada originais cometidos na campanha que reelegeu Dilma e Temer.

Na prática, o TSE decidiu suspender o julgamento antes mesmo que o relator pudesse iniciar a leitura do seu relatório. Retornou-se à fase de coleta de provas. Atendendo a pedido da defesa de Dilma, os ministros da Corte Eleitoral abriram novo prazo de cinco dias para que os advogados se manifestem. Nos dois dias que o relator havia concedido, os advogados de Dilma produziram alegações finais de 213 páginas. Restabelecida a ordem, produzirá muito mais.

Sobretudo porque, na sequência, os ministros deliberaram que o novo prazo de cinco dias vai durar pelo menos uns dois meses, pois só começará a ser contado depois da inquirição do ex-ministro petista Guido Mantega e mais três personagens que acabam de fechar acordo de delação com a força tarefa da Lava Jato: o marqueteiro João Santana, sua mulher Monica Moura e um personagem desconhecido do noticiário: André Santana.

Estima-se que os novos procedimentos empurrarão a próxima sessão do pseudo-julgamento para algum ponto no calendário de maio ou junho. Até lá, dois dos atuais ministros – Henrique Neves e Luciana Lóssio – já terão sido substituídos por um par de julgadores indicados pelo acusado Temer: Admar Gonzaga e Tarcísio Vieira de Carvalho Neto.

Gilmar Mendes, presidente do TSE, elogiou o trabalho do relator Benjamin. “Sua Excelência, inclusive, hoje, demonstrou a clarividência e a humildade de fazer eventuais ajustes, tendo em vista a marcha do processo, a necessidade de que o processo vá para a frente. E que não fique nesse permanente ritornelo. Ele que está muito sensibilizado pela imagem bíblica da oitiva da serpente. Não sei se isso tem alguma razão metafórica.”

Com sorte, o julgamento hipotético será retomado antes do recesso de meio do ano do Judiciário. Seja quando for, o ministro Napoleão, aquele que admite levar ao processo ao Éden se for “no período anterior à queda”, pedirá vista dos autos, postergando um pouco mais o veredicto. Nada impede que outros ministros façam o mesmo nas sessões subsequentes.

Nesse ritmo, quando conseguir apontar a maçã como culpada pelos crimes eleitorais de 2014, o TSE talvez conclua que será necessário reabrir uma vez mais a fase de instrução processual. Como se sabe, a Bíblia não especifica qual era o fruto proibido que Adão e Eva comeram naquele dia em que, por desobediência a Deus, a humanidade perdeu o Paraíso e, em troca, ganhou a mortalidade, o sexo, a indústria têxtil e o Departamento de Propinas da Odebrecht.

* * *

5 abril 2017 FULEIRAGEM

CHICO CARUSO – O GLOBO


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
SINA DE MARIA IV

Jamais chore a minha sorte
Se você não me poupou
Se a mim não foi fiel
Se com outra me enganou
Se no decorrer da vida
Deixou minha alma ferida
O que me martirizou.

Não exija um respeito
Que nunca teve por mim
A vida tem vídeo-taipe
Modernidade é assim
Reveja nosso passado
Pois ele não está lacrado
Nele ninguém dará fim.

Não bata no peito e diga
Que chegou a me amar
Não soube me proteger
Não soube me resguardar
Eu cumpri o meu papel
Porém você foi cruel
Não defendeu nosso lar.

Não seja tão teatral
Nem chore no meu caixão
Eu já conheço de cor
O ator e a atuação
Já vivi tão desolada
Deixe- me ir sossegada
Tenha por mim compaixão.

5 abril 2017 FULEIRAGEM

FERNANDO – JORNAL DA CIDADE DE BAURU (SP)

JOSÉ SILVA – CAMPO GRANDE–MS

Sr. Editor,

A notícia abaixo merece um escatológico elogio: proponho que depois dessa, nossa defecante ex-presidANTA seja promovida de vaca peidona para vaca cagona.

Seus bostíferos proventos serão alterados de número 1 para número 2.

Agora tapem seus narizes.

Isso merece uma retumbante reflexão: qualquer tratamento a ser dispensado propedeuticamente para combater a epidemia petralha deve começar com a recuperação do olfato.

Eles são o que são porque nunca sentiram o mal cheiro circundante exalado por seus pensamentos, palavras e ações.

* * *

Dilma usa “caganeira” para justificar conversa de propina com Odebrecht

A Folha de São Paulo publicou uma entrevista com Dilma Rousseff. Obviamente, conduzida por Mônica Bergamo.

De tudo o que se diz naquele papo de comadres, destaca-se a justificativa de Dilma para a conversa tida com Marcelo Odebrecht, citada por ele em sua delação – segundo Odebrecht, foi quando avisou à ex-presidente que as investigações da Lava Jato chegariam a ela. Recortamos o trecho em que Dilma diz não ter entendido o que ele falava pois estava aliviada após ter corrido para o banheiro:

5 abril 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

PRA QUE MENTIR?

Uma música de Oswaldo Gogliano, o Vadico, compositor e pianista, grande parceiro de Noel Rosa.

Vamos ouvir uma das geniais criações desta dupla, na voz de Paulinho da Viola.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

vadico

Oswaldo Gogliano, o Vadico (1910-1962)

5 abril 2017 FULEIRAGEM

VERONEZI – CORREIO POPULAR (SP)

NA PONTA DA LÍNGUA

Deputado companheiro perde o sono só por ter ficado perto do juiz da Lava Jato

“Ninguém tem cometido mais abuso de autoridade do que você. Se a Justiça do Brasil fosse séria, ele não seria nem juiz mais”.

Zé Geraldo, deputado federal pelo PT do Pará, ao atacar a língua portuguesa e Sérgio Moro num debate na Câmara dos Deputados sobre o novo Código de Processo Penal, ensaiando o discurso que vai repetir caso a Lava Jato chegue tão perto dele quanto chegou de Lula, José Dirceu, Antônio Palocci, Delúbio Soares e outras celebridades da organização criminosa.

5 abril 2017 FULEIRAGEM

MYRRIA – A CRÍTICA (AM)

5 abril 2017 A PALAVRA DO EDITOR

VAMOS LÁ!

Informo aos distintos e participativos leitores desta gazeta escrota que continua no ar a última Enquete Fubânica.

Vá lá e deposite o seu voto.

É aí do lado direito do JBF.

Até o presente momento, apenas 178 fubânicos deram sua opinião.

Se não conseguirmos chegar aos 1.000 votos, que pelo menos ultrapassemos os 200.

O Instituto Data Besta penhoradamente agradece a participação de todos.

5 abril 2017 FULEIRAGEM

S. SALVADOR – ESTADO DE MINAS

MUDANDO SEM MUDAR

Há um ano, tínhamos Dilma, Eduardo Cunha, Nova Matriz Econômica, PT, Haddad e Dunga. Hoje temos Temer, Rodrigo Maia, política econômica ortodoxa, PT destroçado nas eleições, João Dória e Tite.

A inflação, que ameaçava ultrapassar os 10%, contentou-se com 4%; os juros básicos, ainda altíssimos, que eram de mais de 13%, devem chegar em 8,75% ao fim do ano. A balança comercial está bem positiva: US$ 7,1 bilhões de superávit em março, o melhor resultado desde março de 1989. E não é pela queda das importações, apesar da recessão: o país importou 7% a mais do que em março do ano passado. E o principal problema econômico do Brasil, os estonteantes 13,5 milhões de desempregados, pode começar a ser revertido: o Produto Interno Bruto, soma de tudo que é produzido no país, incluindo serviços, deve crescer 0,47% neste ano; e, em 2018, prevê-se 2,5%. É pouco. Mas para uma economia que há três anos só apresentava números negativos, é um sinal de que podemos ter esperanças.

Mas, com esses sinais, como explicar o baixíssimo índice de aprovação a Temer? Primeiro, pela própria política econômica: combater a inflação, reduzir privilégios e reformar instituições (mesmo falidas) é sempre impopular. E, lembremos, há um ano tínhamos Temer, Renan, Eunício, processos da Lava Jato encalhados no Supremo. Isso hoje mudou: os processos da Lava Jato encalhados no Supremo ficaram mais empoeirados.

O tempo passa…

O Tribunal Superior Eleitoral deveria ter começado ontem a julgar o processo, contra Dilma e Temer, por abuso de poder econômico nas eleições de 2014. Caso houvesse condenação, o registro da chapa seria cancelado; e, portanto, Michel Temer perderia o mandato. Caberia ao Congresso eleger indiretamente seu substituto até 31 de dezembro de 2018.

Temer se defende juridicamente alegando que toda a parte financeira da campanha coube ao PT – como se ele não tivesse nada a ver com sua companheira de chapa. Mas sua defesa real é outra: lutar para que o julgamento demore o suficiente para que ele termine o mandato em paz.

...o tempo voa

A Justiça contribui para que a defesa real de Temer funcione. Ontem, os advogados de Dilma pediram mais cinco dias para apresentar a defesa. Foram atendidos. Dia 4, mais cinco dias, dá 9 de abril, certo? Errado: como se sabe, a Páscoa cai no dia 16 de abril. E o julgamento, portanto, deve começar na última semana do mês. Provavelmente, no dia 27. Talvez.

Réus sim, e daí?

Os Estados e o Distrito Federal têm, no total, 28 governadores. Destes, 12 foram denunciados, ou estão sendo investigados. E dois foram cassados: Simão Jatene, do Pará (PSDB), e Pezão, do Rio (PMDB). Mas tudo bem: nem os cassados perderam os cargos, nem os demais correm grande risco de perdê-lo, graças à lentidão dos processos no foro privilegiado.

O doente…

A Rede Globo acaba de apresentar o caso do remédio L-asparaginase, usado no tratamento da Leucemia Linfoblástica Aguda, câncer no sangue. Quem levantou o caso, bem no início do ano, em seu blog Ucho.Info, foi o bem-informado repórter Ucho Haddad. Ucho não vacila: a compra do remédio (fabricado na China e comprado pelo Ministério da Saúde de um laboratório uruguaio) foi um escândalo. No mundo inteiro, a L-asparaginase é biológica. O Brasil foi o primeiro país a comprar a L-asparaginase chinesa, mais barata, mas sem certificado de origem biológica, sem comprovação de eficácia. O laboratório uruguaio dá um endereço no Uruguai onde não há laboratório nenhum; e seu endereço no Brasil está num escritório de contabilidade.

…que se vire

O ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP do Paraná), não quis dar entrevistas sobre o caso do remédio chinês nem a Ucho nem à Globo.

Ucho se espanta: “E o ministro da Saúde continua no cargo!”

Sabe o seu bolso?

O Fundo Partidário, dinheiro público entregue aos partidos políticos para sua manutenção, era de R$ 313,5 milhões até 2014. De lá para cá, multiplicou-se: já está em R$ 811 milhões. E, já que os doadores estão assustados com a Lava Jato, junto com a tal “reforma política” deve oscilar em torno de R$ 4 bilhões por ano. Hoje, da verba partidária, 10% são gastos em jatinhos e despesas suntuárias. E ainda se pergunta por que há tantos partidos no Brasil. Se dá grana, qual esperto perderá a oportunidade?

Lágrimas sentidas

Andréa, irmã do senador Aécio Neves (PSDB – Minas), chorou ao ler trechos de uma delação premiada em que ela e o irmão são acusados de receber propinas. Não se deve acusar Aécio nem Andréa, senão ela chora.

5 abril 2017 FULEIRAGEM

CLAYTON – O POVO (CE)

5 abril 2017 A PALAVRA DO EDITOR

SURGE UMA NOVA MODALIDADE

Ginástica contorcionista rasga-tabaca

* * *

Ante-ontem, segunda-feira, fiz aqui uma postagem externando uma dúvida que me atormenta.

Vou transcrever na íntegra pra que vocês entendam tudo.

Eu escrevi exatamente assim:

Sem sacanagem.

É uma dúvida que tenho mesmo.

Já aconteceu antes este caso que está acontecendo agora, que é o fato de um político de alto calibre, ex-prisidente da República, ser penta réu? (que expressão arretada!!!)

Ser réu cinco vezes, brilhando em cinco diferentes processos?

Hein?

Por favor, me matem esta curiosidade.

Ceguinho Teimoso, ferreamente apegado aos fatos e às verdades históricas, bem que poderia me ajudar a sanar esta dúvida.

Já teve algum outro caso antes na história de Banânia?

Pois o Ceguinho Teimoso, gentil e prazerosamente, me fez a gentileza de dar uma resposta.

Uma resposta antológica. Uma resposta arretada.

Vou transcrever na íntegra o que ele escreveu:

Não sou capaz de responder à judiciosa, preciosa, ínclita e cruciante questão apresentada pelo homemsexual Berto, mas posso observar que a perseguição sistemática a presidentes, aqui, ali, lá, acolá, alhures e algures já determinou algumas baixas nos quadros presidenciais e em futuras pretensões a presidências.

No Brasil temos, hoje, uma situação permanente de golpe, que, amparada por políticos oportunistas e fisiológicos, por uma mídia comprometida e por um exército composto de inocentes úteis transformados em massa de manobra, prende e arrebenta, depõe e ameaça; e o peculiar é que os presos, arrebentados depostos e ameaçados são exatamente os que dotaram o País das condições para que a liberdade se exercesse em grau extremo – a tal ponto que os próprios mecanismos policiais, legais e judiciários dela se servem para “estancar a sangria”, como afirmou um dos líderes do mal!

A minha dúvida não foi respondida.

A questão continua em aberto.

A pergunta que fiz anseia por uma resposta.

Todavia, para nosso júbilo, foi criada mais uma novidade para esta gazeta escrota. Este jornaleco que nos surpreende a cada novo dia.

Agora, além do Contorcionismo Explicatório, fica estabelecido o Contorcionismo Escapatório!!!

Ceguinho merece uma salva de palmas!

5 abril 2017 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA (ES)

5 abril 2017 JOSIAS DE SOUZA

FINJAM QUE A ODEBRECHT NÃO EXISTE, PEDE TEMER

Com o mandato pendurado num veredicto a ser proferido pelo Tribunal Superior Eleitoral, Michel Temer pediu aos ministros da Corte que julguem o processo que pode interromper sua presidência num país alternativo: o Brasil sem as doações eleitorais radioativas. Um Brasil que poderia ter sido se a Odebrecht não existisse.

Por meio dos seus advogados, Temer protocolou no TSE uma petição que sustenta, com outras palavras, a tese segundo a qual o pior cego é o que vê algum valor processual nas provas devastadoras resultantes da colaboração da Odebrecht. Alega-se que tudo o que está na cara deve ser desconsiderado.

Documento subscrito pelo advogado Luiz Fernando Casagrande Pereira recorda que, pela lei, os resultados eleitorais devem ser impugnados até 15 dias depois da diplomação dos eleitos. No caso da chapa Dilma-Temer, o prazo expirou em 1º de janeiro de 2015. Nenhum fato descoberto posteriormente poderia compor a ação.

A peça que inaugurou o processo, embora tenha sido protocolada pelo PSDB de Aécio Neves dentro do prazo legal, não fazia menção ao dinheiro sujo da Odebrecht. Portanto, a defesa de Temer exige que o julgamento ocorra num Brasil fictício onde essas doações, que somaram R$ 150 milhões, não aconteceram.

Deseja-se que as sete togas do TSE fechem os olhos para o caixa dois, a verba roubada da Petrobras, a propina em troca de uma medida provisória, a compra do tempo de televisão dos partidos, o dinheiro depositado na conta do João Santana na Suíça… Nada disso precisa ser explicado. E o assunto deve ser encerrado.

É com base nesta farsa que Temer pede a extinção da encrenca. Se houver boa vontade dos julgadores, o substituto constitucional de Dilma se dispõe a conviver até 2018 com os 27 volumes do processo, fingindo que eles não existem. Ou usando-os como base para uma mesa de centro na sala presidencial.

O dinheiro sujo que empresas como a Odebrecht transformam em doações eleitorais podem virar muitas coisas. Nos últimos 50 anos, graças à desfaçatez dos políticos e à inépcia da Justiça Eleitoral, passaram de exceção a hábito. Depois, disseminaram-se como parâmetro. Súbito, deram na Lava Jato. Temer pode chamar o descalabro do que quiser. Mas o melado continua escorrendo.

* * *

5 abril 2017 FULEIRAGEM

PAIXÃO – GAZETA DO POVO (PR)

DON PABLITO – SÃO BERNARDO DO CAMPO-SP

Olá Berto

Olha só que pena você ter virado abstêmio compulsoriamente.

R. Vocês são de lascar o cano.

Ficam só mandando safadezas e podridões aqui pro JBF.

Faço um esforço enorme pra manter elevado o padrão moral deste gazeta escrota, evitando o uso de palavrões e termos sujos por aqui.

Já não basta a suruba que é o cenário pulítico de Banânia, e vocês só enviam coisas do caralho, com estas porras destas mensagens escatológicas, estes vídeos bucetais e este palavrado chulo.

É foda!

É pra arrombar as pregas do fiofó de Xolinha!

Francamente, não sei mesmo adonde vamos parar com tanta baixaria,

5 abril 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

O ESTADO PODRE E A NAÇÃO EMPAREDADA

“Há algo de podre no reino da Dinamarca” W. Shakespeare (Hamlet)

O estágio de decomposição moral vivido no Brasil oficial hoje resulta de muitos anos – o correto seria dizer séculos – de completa devassidão e absoluta impunidade gozadas por nossas elites dirigentes política e econômica. No entanto, chegamos agora a um ponto, inusitado em nossa História, em que o cinismo ultrapassou todos os limites da decência e da normalidade. A dimensão do rombo na economia pode ser imaginada após a leitura da chamada de primeira página do Estado de anteontem, Ações da Lava Jato pedem R$ 70 bilhões de indenização, ou seja, cerca de metade do déficit previsto para o Orçamento da República este ano.

Parlamentares, membros do Executivo, dirigentes partidários do governo e da oposição e agora fiscais da atuação destes no Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro foram pilhados cobrando propinas de empresas que prestam serviços a estatais, em troca do atendimento a suas reivindicações e seus interesses. E lhes propiciaram lucros exorbitantes em obras não executadas ou mal realizadas. O noticiário acompanha dia a dia o esvaziamento metódico e solerte de todos os cofres do erário, tudo feito com a maior desfaçatez.

O novo caso revela o extremo desse desplante. Parlamentares permitiam que empresas fizessem leis a seu talante e governantes lhes abriam os cofres para que deles fizessem o que bem pretendessem. E pelo menos uma das “cortes” que deveriam auditar as contas de um Estado também foi calada por propinas. Pode-se afirmar que nunca antes na História deste país (e quiçá do inteiro gênero humano) foi praticado o que se executou nestes 14 anos: um assalto de enormes proporções sem que nenhuma providência prática tenha sido adotada para pôr fim a tanta bandalheira. E embora não seja possível conviver mais com isso, é difícil imaginar como pode ser feito, pois o Estado, em franco apodrecimento, emparedou a Nação para impedir que esta aja.

Neste pântano em que o Brasil oficial afundou o País real, a constatação ganha ares (melhor dizer miasmas) de rigidez cadavérica pelo fato de que os três Poderes republicanos agem para acobertar os criminosos, impedindo que eles sejam devidamente processados e punidos, na medida em que possam fazê-lo. É bem verdade que não vige mais entre nós o preceito que destina só aos três pês – prostitutas, pobres e pretos – o inferno prisional. Nas masmorras da “república de Curitiba” o príncipe dos empreiteiros brasileiros, da fina-flor do empresariado, Marcelo Odebrecht, cumpre dolorosa pena. E outros tiveram de apelar para a delação premiada a fim de evitar o mesmo destino. Essa, contudo, não é a regra.

Neste momento, urge dar outro passo histórico. Um dos beneficiários do clube dos acobertados pelo manto da impunidade garantida vem de ser condenado a 15 anos e 4 meses de prisão pelo juiz Sergio Moro, o principal responsável pela revolução presente. Ex-presidente da Câmara dos Deputados e principal responsável pela abertura do processo do impeachment – mais que indispensável, necessário – da petista Dilma Rousseff, Eduardo Cunha recorreu ao cinismo, à truculência e, sobretudo, a chicanas jurídicas e regimentais do Parlamento para se livrar das penas da lei. Mas terminou sendo investigado, preso, processado e condenado pelos rigores da primeira instância, deixando de se valer da tolerância máxima permitida pelo Supremo Tribunal Federal.

No momento em que isso ocorre, contudo, mais de uma centena de seus colegas de poder partidário usufruem a benesse do sigilo, sob o qual reina a impunidade garantida pela benemerência do relator da Lava Jato na Corte, Luiz Edson Fachin. Entre tais privilegiados está o presidente nacional do PSDB, Aécio Neves, que execra a “delação seletiva” de que foi vítima e clama pela divulgação, da qual não escapará.

O cidadão sem foro exige saber quais são os gatunos que dilapidam o patrimônio coletivo para manter poder e fortuna. Pois esse tempo é empregado “noturna e diuturnamente” (sic), como diria dona Dilma, por eles mesmos para tornar legais os próprios delitos.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR), criador impune do falso pistoleiro Ferreirinha, protagonista da fraude eleitoral que o alçou ao governo de seu Estado, relata um projeto dito de abuso de autoridade, mas que deveria ser chamado de garantia da impunidade. O deputado Vicente Cândido (PT-SP) prepara uma lei mais sórdida, pois tira completamente do cidadão o direito de escolher os próprios representantes no sistema (já em si defeituoso) proporcional vigente no Brasil. A lista fechada, sonho de consumo de dirigentes de partidos, pois abole a consulta ao eleitor, isolaria mais a sociedade do Poder que finge representá-la. Na Venezuela, esse sistema espúrio levou a Hugo Chávez e a Nicolás Maduro, que ora golpeia a democracia usando títeres no Judiciário. Tem sido vã a insistência em aprovar uma lei em que os coleguinhas políticos que tungaram o Fisco se anistiam e jogam no lixo da História o princípio da igualdade de todos perante a lei, já que a sonegação de impostos continuaria sendo vedada a empresários, mas permitida apenas para políticos. Só que, com a Nação emparedada e desmobilizada, a autoanistia é pule de dez no Congresso de malandros com mandato.

O Estado-pântano esforça-se para apodrecer tudo e confirmar a sabedoria popular, segundo a qual uma maçã vencida estraga todas as outras frutas, sãs, de um cesto. E encaminha a Nação para um beco sem saída, cujo muro final só poderá ser ultrapassado pela Constituinte independente, sem nenhum mandatário atual entre seus membros, como sugere o professor Modesto Carvalhosa. De preferência adotando performance bonds, que os ianques usam para impedir que empreiteiros de obras, políticos e burocratas corruptos se comuniquem. O resto é palha.

5 abril 2017 FULEIRAGEM

JORGE BRAGA – O POPULAR (GO)

5 abril 2017 DEU NO JORNAL

PRA GENTE SE RIR-SE DE ALEGRIA

O publicitário João Santana e a mulher dele, Mônica Moura, fecharam acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

O anúncio foi feito nesta terça-feira pelo vice-procurador-geral eleitoral, Nicolao Dino, durante o julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Ainda nesta terça, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin homologou o acordo e remeteu os autos à PGR. Os depoimentos citam autoridades que têm foro privilegiado – por isso, precisavam da autorização do Supremo.

O casal foi responsável pelo marketing da campanha de Dilma Rousseff (PT) nas eleições de 2010 e 2014.

Santana e Mônica Moura foram presos na 23ª fase da Operação Lava Jato, em fevereiro do ano passado, por determinação do juiz federal Sergio Moro, mas foram soltos após pagarem fiança de 31,4 milhões de reais e ficarem proibidos de atuar em campanhas eleitorais até uma nova decisão sobre o caso.

* * *

Não vou fazer qualquer comentário sobre esta excelente notícia.

Botei no ar apenas com a intenção de deixar os coxinhas petralhas putos de raiva.

O que, convenhamos, é uma coisa salutar e positiva.

Ao mesmo tempo, temos uma novidade que vai deixar feliz e sorridente todas as pessoas honestas e de bem desta nação.

Celebremos este fato ouvindo uma petista de carteirinha cantando pra iluminar a nossa manhã de quarta-feira!

5 abril 2017 FULEIRAGEM

LUSCAR – CHARGE ONLINE

OS MÁRTIRES DE 1817

Debelada a revolução e deixando o governo provisório o Recife, em 19 de maio de 1817, logo no dia seguinte os portugueses saíram às ruas com as bandeiras do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves alçadas, dando vivas a El-Rei e morras aos patriotas pernambucanos, ao mesmo tempo que despedaçavam as bandeiras republicanas.

Não se fez tardar a reação por parte de Dom Marcos de Noronha e Brito, oitavo Conde dos Arcos, (1771-1828), que governava à Bahia, que, em sucessivas proclamações, anuncia terríveis castigos contra os revoltosos pernambucanos; três dessas proclamações foram por mim compiladas na Biblioteca de Guita e José Mindlin (São Paulo):

Dom Marcos de Noronha e Brito, Conde dos Arcos, do Conselho de SUA MAGESTADE EL-REI NOSSO SENHOR, Gentil-Homem da Câmara de SUA ALTEZA REAL do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, Grão-Cruz da Ordem de S. Bento d’Avis, Marechal de Campo dos Reais Exércitos, Comandante em Chefe do Real Corpo de Artilheiros Guarda-Costas do PRINCIPE PEDRO, e Capitão da Companhia de Voluntários, Governador e Capitão General da Capitania da Bahia, &c &c. &c.

Habitantes de Pernambuco! Marcham para a Comarca das Alagoas Bandeiras Portuguesas, e Soldados Baianos para as içar em toda extensão dessa Capitania.

Todo o Habitante de Pernambuco que não seguir rapidamente, e marchar junto com elas será fuzilado.

As Forças Navais ora a vista, e em Bloqueio do Porto têm ordem de arrazar a Cidade, e passar tudo à Espada se imediatamente não forem instauradas as Leis de SUA MAGESTADE EL-REI NOSSO SENHOR.

Nenhuma Negociaçãos será atendida sem que se proceda como preliminar a entrega dos Chefes da Revolta a bordo, ou a certeza de sua morte; ficando na inteligência de que a todos é lícito atirar-lhes a Espingarda como a Lobos.

Bahia 29 de Março de 1817.

(Assinado) Conde dos Arcos.

Pelo menos dois outros proclamas, assinados pelo Conde dos Arcos e trazidos pela esquadra real, chegaram a Pernambuco, datados de 21 e 29 de março de 1817, com textos e ameaças no mesmo teor, segundo confirma L.F. de Tollenare e as cópias dos nossos arquivos.

No domingo 25 de maio de 1817, continua L.F. de Tollenare, em seus apontamentos:

– A revolução de Pernambuco terminou a 20, depois de ter durado dois meses e meio.

A 18 recebeu-se do comandante da esquadra a resposta às propostas de acordo: prometia que a cidade seria poupada se os chefes se entregassem à clemência de sua majestade. A 19, as tropas foram reunidas, arengadas [conversa longa e enfadonha] e excitadas à defesa. Parece que mostravam pouca firmeza.

Ao meio-dia foi resolvida a retirada para o interior do país. Às três horas o Padre João Ribeiro mandou me dizer que o governo estava dissolvido; ele seguia o exército a pé, descalço, afim de dar o exemplo das privações, às quais cumpria preparar.

Uma hora depois recebi aviso de me prevenir, porque o exército se retirava e não se podia responder pelas desordens que ameaçam os retardatários e a retaguarda. (…)

Com grande surpresa nossa, a noite foi calma; não se ouvia rumor algum na cidade. A 20, ao nascer do dia, percebi na praia um padre que fazia sinais; dirigi-me a ele num bote. Acolheu-me com o grito de: “Viva El Rei”! e me pediu uma bandeira portuguesa.O governo provisório tinha feito destruir todas, poucos dias antes; entretanto, achou-se algumas que os marinheiros haviam escondido.

Dei-lhe a da escuna. Este padre me informou que os patriotas, em número de 6.000 homens, inclusive os escravos alforriados, se tinham retirado para o lado de Olinda com bagagens e uma numerosa artilharia; que quase não havia ninguém na cidade; que se os marinheiros desembarcassem fariam ali o que quisessem; que ia fazer içar a bandeira real por sua conta e risco. Durante este colóquio estabeleceram-se outras comunicações entre os navios e a praia. A coragem dos realistas crescia à medida que adquiria certeza do afastamento dos patriotas. Ao levantar do sol uma pequena sumaca içou o pavilhão português; os seus vizinhos saudaram-no e imitaram-na; pouco a pouco o exemplo alastrou e o porto reboou (ecoar) com o ruído das aclamações e das salvas.

Os navios estrangeiros levantaram os seus pavilhões nacionais. Entretanto os cinco fortes não faziam demonstração alguma. (…)

A grande Fortaleza do Brum era comandada por um jovem oficial, que permanecia indeciso entre o seu dever como militar e a sua prudência como cidadão; o sr. Ramos teve a felicidade de fazê-lo decidir a seguir o movimento geral. A Fortaleza do Buraco seguiu imediatamente o exemplo da do Brum.

O pequeno forte do Picão e os brigues armados foram também logo tomados sem resistência.

As sete horas as cores reais flutuavam por toda a parte, as salvas reais se repetiam, o ar vibrava abalado pelas contínuas descargas de artilharia. Tudo se fez sem resistência da parte dos patriotas e assistência do exército real. Os marinheiros foram quase que os únicos autores desta restauração.

Mais adiante o mesmo L.F. de Tollenare dá notícia do final de dois dos seus amigos revolucionários:

Parece que os seus chefes partiram sem haver concertado planos entre si; é preciso que julguem a sua causa desesperada.

O sr. José Luiz de Mendonça teve a ingenuidade de ficar na cidade e de se apresentar ao almirante, que o mandou prender.

O Padre João Ribeiro suicidou-se a três léguas daqui; passeiam a sua cabeça sangrenta pelas ruas da cidade.

Quando, a 19, me mandou dizer que o governo estava dissolvido, acrescentou que lamentava não poder me dizer adeus, mas, que eu podia ficar certo de que ele saberia morrer como homem livre. Não era um homem desonesto; mas, estava alucinado pela leitura dos nossos filósofos do século XVIII. O seu crime político não me pode fazer esquecer que fui seu amigo.

E as prisões dos líderes revolucionários vão se seguindo, um após outro, como se depreende das mesmas Notas Dominicais, de L.F. de Tollenare, que assim registra:

As prisões na cidade são numerosas; a mais notável foi a do sr. Gervásio Pires Ferreira, o negociante mais rico da cidade; quase que nenhuma parte tomou na revolução, e isto causa inquietação àqueles que o temor fez menos inocentes.

Cita-se a prisão dos dois vigários de Santo Antônio e da Boa Vista, do guardião de S. Francisco e de frades carmelitas; quase todos estes se envolveram na revolução, Receava-se pelo sr. Bento Jose da Costa, sogro do sr. (Domingos) Martins; mas, parece que ele se justificou. Os negociantes da cidade se interessavam por ele. Tem-se detalhes acerca da batalha de 15; travou-se perto de Salgado.

  Domingos José Martins – 1817

Não sei de que proezas brilhantes se possa falar, se é verdade que tudo se reduziu a três homens mortos. Aliás, o marechal Melo foi um Fábio, e tinha razão, porque, além da cavalaria da Bahia, o seu exército não podia inspirar-lhe grande confiança: não valia mais do que o dos patriotas (…) Sabemos a sorte do sr. Domingos José Martins; ferido na batalha de 14 ou 15, refugiou-se numa cabana e disfarçou-se. Fugindo de asilo em asilo, uma índia o denunciou; preso, foi embarcado no Pontal e conduzido para bordo da fragata.

Com ele achavam-se seu irmão, o sr. Vasconcelos Bourbon, e outros revolucionários. 0 sr. Manuel Correia de Araújo havia traído o partido antes do dia 20 de maio. Conquanto tenha assinado proclamações muito injuriosas à majestade real, e tomado parte em todas as deliberações do governo provisório, espera-se que a sua defecção [deserção] lhe proporcione a graça. 0 sr. José Luiz de Mendonca podia ter feito o mesmo, se o quisesse; mas, teve repugnância em ser um traidor; preferiu oferecer-se como vítima e não procurar desculpar-se. Dos cinco membros do governo provisório só resta prender o sr. Domingos Teotônio (Jorge). E’ homem de uma coragem fria e intrépida, mas, não tem os talentos de um chefe de partido. Vários dos conselheiros têm também sido presos. 0 novo governador, o sr. Rodrigo Lobo, mostra muita afabilidade para com os nacionais e estrangeiros; é apenas provisório: espera-se um outro nomeado pelo rei.

Clique aqui e leia este artigo completo »


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa