15 abril 2017 A PALAVRA DO EDITOR

O INSTITUTO DATA BESTA QUER SABER

Uma nova enquete fubânica está no ar.

Ela envolve as duas figuras que aparecem no vídeo abaixo.

Veja o vídeo e responda à nossa pesquisa, que está aí do lado direito do JBF, logo abaixo do Facebook.

Seja um fubânico patriota engajado e participe desta nova enquete.

15 abril 2017 FULEIRAGEM

CHICO CARUSO – O GLOBO

15 abril 2017 JOSIAS DE SOUZA

LULA PROPÔS ENCONTRO A FHC HÁ DOIS MESES

Há dois meses, quando a colaboração da Odebrecht ainda era uma bomba no arsenal da força-tarefa da Lava Jato, esperando pelo momento de explodir, Lula telefonou para Fernando Henrique Cardoso. O petista sugeriu que os dois se encontrassem para debater a crise. O tucano não refugou a ideia. Mas condicionou a conversa à definição prévia dos temas que seriam debatidos. Interlocutores da dupla ainda tentam promover a reunião. Entretanto, os estilhaços da delação coletiva dos corruptores da maior empreiteira do país dificultam a iniciativa.

Lula tocou o telefone para FHC a pretexto de agradecer pelo depoimento que ele prestara ao juiz Sergio Moro, em audiência ocorrida no último dia 9 de fevereiro. O desafeto do petismo havia sido arrolado como testemunha de defesa de Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula e espécie de faz-tudo do morubixaba do PT, que é réu no mesmo processo.

FHC contou a amigos que, feitos os agradecimentos, Lula mencionou o desejo de conversar pessoalmente. Chegou a sugerir que o encontro ocorresse na casa de José Gregori. Uma semana antes, em 2 de fevereiro, Gregori, que foi ministro da Justiça de FHC, o acompanhara na visita que fizera a Lula no Hospitral-Sírio Libanês, em São Paulo. Foram abraçá-lo depois que os médicos atestaram a morte cerebral de sua mulher Maria Letícia. Já nessa ocasião, Lula insinuara que queria conversar. Horas depois, manifestaria o mesmo desejo a Michel Temer, que também o visitou no hospital.

Um dos defensores da aproximação é Nelson Jobim. Ex-ministro de FHC e de Lula, Jobim argumenta que crises políticas como a que foi produzida pela Lava Jato só se resolvem pela política. Com a corda no pescoço, Lula endossa integralmente a tese. FHC não se opõe, mas afirmou em privado que, sem uma agenda nítida, o diálogo poderia ser confundido com um ”abraço de afogados”. Disse isso antes mesmo da divulgação dos depoimentos tóxicos. Num deles, Emílio Odebrecht, dono da construtora pilhada no petrolão, disse ter feito doações para campanhas eleitorais de FHC no caixa dois.  

* * *

15 abril 2017 FULEIRAGEM

MÁRIO – TRIBUNA DE MINAS

15 abril 2017 HORA DA POESIA

ZELOS – Maria Braga Horta

Cansei-me de enviar beijos e amor e abraços
nas cartas que te escrevo… e reclamas! Agora,
nem sei por quê, desfiz a última em pedaços
e atirei tanto sonho e ideal janela em fora!

Cansei-me de escrever tanto sonho! Nos laços
com que nos prende o amor, nosso amor me apavora
se eu tenho de escrever: “Aperta-me em teus braços”
e os teus braços estão distantes nessa hora.

Não me conformo em ver rolar de mão em mão
como um sonho que alguém poderá surpreender
nossas cartas de amor que traduzem paixão…

Deste amor que é só teu, só tu terás ensejo
de ler no meu olhar quanto te amo, e colher
no cristal de tua boca o néctar do meu beijo!

15 abril 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

O CARA É OUTRO

Lula acrescenta novas revelações às delações da Odebrecht

“Eu nunca dei R$ 1 para meu irmão Frei Chico. Ele é mais velho do que eu, ele me colocou na política. E agora inventam que a Odebrecht dava R$ 5 mil para ele por mês? Ora, isso é problema deles”.

Lula, em entrevista à Rádio Metrópole, de Salvador, insinuando que não foi por ser irmão de Lula que Frei Chico recebia uma mesada da Odebrecht, mas que foi por ser irmão de Frei Chico que Lula recebeu R$ 40 milhões da empreiteira.

15 abril 2017 FULEIRAGEM

GENILDO – CHARGE ONLINE

JESSIER QUIRINO – ITABAIANA-PB

Meu Papa

Estive em Fortaleza CE, semana passada, nos dias 8 e 9, com dois espetáculos no Teatro São Luiz.

Em minhas andanças, vi, e fotografei com meu próprio click, esse comércio-de-calçada-baixa, no bairro Montese.

Judas e mais judas, prontos pra serem malhados no sábado de Aleluia (15 de abril), ao custo médio de R$ 60,00 e Coleção “Semana Santa Odebrecht”: quatro judas por R$ 200,00, R$ 230,00 com um notebook.

Uma pechincha. Um Judas (tamanho de um deputado/senador médio) vestindo: calça de grife, sapato, camisa e peruca.

O judas personificado de Temer (bem mais caro), só tinha o do mostruário, e, segundo o comerciante, aguardavam nova remessa contendo: Lulas, Aécio e FHC.

A Solenidade de Queimação do Judas será hoje, Sábado, dia 15, no Jardim América – Fortaleza, com premiação para figurino mais criativo e melhor testamento.

Leia matéria no jornal O Povo clicando aqui.

R. Meu Poeta, primeiro que tudo e segundo que nada, tenho que dizer que é uma alegria enorme saber que sua agenda de espetáculos continua cheia.

Tá mais cheia do que pinico de casa grande!

É viajando pra cima e pra baixo feito a gôta serena!

Os recitais sempre lotados, com casa cheia em tudo quanto é lugar que você se apresenta, dão a força e a energia necessárias pra enfrentar esta maratona.

Quanto aos Judas que você fotografou, eles tão arretados.

Esse com a cara de Michel Temer vai tomar cipoada que só a porra no dia de hoje!

Meus Judas prediletos pra ser malhados já estão selecionados. Mais tarde, eu e meu cacete (êpa!) vamos ter serviço que só a gôta serena!

Um abração e mais sucesso ainda, meu estimado Poeta!

Pra fechar esta postagem:

Me dê licença mas vou dar uma de inxirido e pegar bigu nesta sua cartinha pra mostrar um vídeo pros leitores fubânicos.

É pra alegrar este nosso Sábado de Aleluia.

Trata-se de uma de suas poesias mais solicitadas pelo público, onde quer que você se apresente.

Aquela intitulada “O Matuto no Cinema

15 abril 2017 FULEIRAGEM

DUKE – SUPER NOTÍCIA (MG)

15 abril 2017 DEU NO JORNAL

TRIO PARADA DURA

Foi em novembro do ano passado, quando a Lava Jato mostrou poder para atingir novos setores políticos e econômicos, que emissários começaram a costurar um acordo entre dois ex-presidentes e o atual chefe da República.

O objetivo era que Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Michel Temer (PMDB) liderassem um pacto para a classe política, fragilizada pelo avanço das investigações.

Apartamentos de autoridades e restaurantes sofisticados serviram para que aliados dos líderes políticos discutissem medidas para limitar a operação e impedir que o grupo formado por PSDB, PT e PMDB seja, nas palavras de articuladores desse acordo, exterminado até 2018.

* * *

Gostei da expressão que fecha a notícia acima: “exterminado em 2018“, se referindo ao grupo PSDB, PT e PMDB.

Seria um bênção para este país!!!!

Temer, Lula e FHC formam um trio majestoso.

Uma trinca autenticamente banânica.

Ainda mais se unindo, se articulando e tramando.

Três cachorrinhos formando um círculo, um cheirando no fedegoso do outro.

Me arrespondam-me vocês:

Qual deles é o mais lindinho?

15 abril 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

15 abril 2017 JOSIAS DE SOUZA

APÓS A CARNIFICINA, BRASÍLIA ASSISTIRÁ À AUTÓPSIA

15 abril 2017 FULEIRAGEM

J. BOSCO – AMAZÔNIA JORNAL (PA)

SONIA REGINA – SANTOS-SP

O vídeo abaixo é bem conhecido, mas, num País em que nem bem digerimos a corrupção de ontem aparece outra mais cabeluda no dia de hoje, é sempre bom recordar.

Notem que o vídeo mostra uma reunião que vai começar.

Imediatamente, ao saber que está sendo filmada e mesmo com sua autorização, o homem mais “impoluto” da atualidade, sai de fininho.

Aqui nem é importante o conteúdo do vídeo. Não é uma reunião de meninos fazendo a “1ª Comunhão” inclusive, um participante do enredo que hoje está num presidio, mostra-se bastante preocupado.

Quem de nós nunca conheceu pessoas que sugerem qualquer situação, mas, ficam distantes quando colocada em pratica. Vai que dá errado e lá vem a desculpa de sempre:

– “Eu não sei de nada”

Quem não se recorda do teatro na época do mensalão, quando o “impoluto” revirava os olhos num pronunciamento e se dizia traído, etc…

Hoje, a ladainha é outra, ele é o ser mais perseguido pela justiça.

Curioso!

Não ouvi dele um pio sobre os empresários que estão cantando mais que passarinho quando quer agradar a fêmea.

Será que o “impoluto” está com receio de não ser mais convidado a dar palestras ou, ainda vamos descobrir que tem outros “gatos na tuba”?

15 abril 2017 FULEIRAGEM

MIGUEL – JORNAL DO COMMERCIO (PE)

PRESENTE DE AMIGO

Lula revela que, mais do que Amigo, era quase um filho para a Odebrecht

“Eu tô muito tranquilo, porque eu continuo desafiando qualquer empresário brasileiro, qualquer empresário, a dizer que o Lula pediu R$ 10 pra ele. Se alguém pediu em meu nome, essa pessoa tem que ser presa, porque eu nunca autorizei ninguém a pedir dinheiro em meu nome”.

Lula, informando que nem precisou pedir para receber os R$ 40 milhões que ganhou de presente da Odebrecht.

15 abril 2017 FULEIRAGEM

VERONEZI – GAZETA DE PIRACICABA (SP)

BANDA MONALISA – RECIFE-PE

Boa noite!

Conheça nosso Projeto Musical!

Por favor, escute essas músicas do nosso novo CD e ajude a divulgar!

Nós da Banda Monalisa CB agradecemos a sua atenção e ajuda!

Contato: 

Inaldo Melo Sobrinho (81) 8759-0878 / (81) 9707-2770

Acesse o site Green Wave

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

15 abril 2017 FULEIRAGEM

SINFRÔNIO – DIÁRIO DO NORDESTE (CE)

15 abril 2017 DEU NO JORNAL

FHC

Ipojuca Pontes

Fernando Henrique Cardoso – o FHC – grudou como visgo de jaca na vida política brasileira. Não sei se vale a pena levantar o seu histórico de falsas espertezas, pois elas são por demais conhecidas e encontram-se fartamente registradas nos anais tupiniquins. Em todo caso, vamos lá.

Há quem assegure que Mário de Andrade, ao escrever “Macunaíma”, prodigiosa expressão do sem-caráter que diz uma coisa e faz outra, teve como modelo tipos que nem FHC. De fato, tal qual o personagem do escritor modernista, o vosso venerável “Bico-doce” (em fase de beatificação), na hora da verdade, apela rápido para negaças vexatórias, meias-verdades e floreios verbais.

(É celebre o caso em que, em hora crítica, apanhado numa contradição em torno da sua furada “teoria da dependência” – que lhe deu hora e vez no serpentário do esquerdismo tropical -, deixou cair a ficha: “Esqueçam o que escrevi” – coisa que, depois, garantiu nunca ter dito).

Na sua ourivesaria verbal, FHC se gaba de ter estudado Marx (charlatão da mais-valia) e de seguir os métodos e conceitos de Antonio Gramsci, Il Gobbo, fanático comunista italiano que pregava a destruição do sistema capitalista via implementação do “Estado regulado” (mais Estado para controle dos políticos) que ainda hoje leva à ejaculação precoce a patota da USP. Vale assinalar que FHC, grafomaníaco que se acredita superior ao “homem comum”, é tipo que carece de ideias próprias: vive navegando em cima de especulações marxistas de segunda ordem (como as levantadas, por exemplo, pelos modernosos Manuel Castells, Alain Touraine et caterva). Recentemente, FHC lançou mais um livro, “A Soma do Resto”, título copiado da obra de Henri Lefevbre “La somme et le reste”, publicada na França há décadas.

Seu badalado “Dependência e desenvolvimento na América Latina” (em parceria com Enzo Fa1etto) não passa de pretensioso patuá sociológico (falsa ciência) em torno de como superar a pobreza nos países periféricos pela vereda do socialismo, um exercício de futurologia que, de resto, o próprio autor tratou de esquecer quase meio século após sua publicação).

Penso que FHC, pavão implume, foi sempre um político sequioso de poder e glória, travando batalhas diuturnas para permanecer sob os holofotes de uma mídia, salvo exceções, amestrada. Por uma manchete ele faz qualquer negócio. Nos últimos tempos, investe na charla da descriminalização da droga, o que lhe rende livre curso na mídia.

A escalada política de FHC tem lances pitorescos. Suplente de senador por São Paulo tendo Lula (falso operário) como cabo eleitoral, FHC assumiu, por golpe de sorte, em 1983, o mandato de senador, pois Franco Montoro, ao ser eleito governador, renunciou a função e abriu a vaga no senado. Antes, o sociólogo da USP viveu autoexílio (com Mercedes-Benz e tudo mais) em Santiago do Chile e, em seguida, Paris, “sem a menor necessidade”, segundo Hélio Fernandes, “visto que os milicos de 64 jamais consideraram a hipótese de prendê-lo”. De fato, não havia razão: seu receituário teórico era tão estéril quanto a soma de três desertos.

Em 1985, correndo atrás do poder, FHC candidatou-se à prefeitura de São Paulo. Na sua arrogância de ente superior, subestimou o candidato Jânio Quadros, a quem avaliava, erradamente, com o pé na cova,

Assim, um dia antes da eleição convocou a imprensa para deixar-se fotografar aboletado na cadeira de prefeito. No ato, deitou uma baba de quiabo sem-fim. Perdeu a disputa. Resultado: Jânio, ao tomar posse, chamou a imprensa e, com um tubo de inseticida em mãos, tripudiou: – “Gostaria que os senhores testemunhassem que estou desinfetando esta poltrona porque nádegas indevidas a usaram”.

Na vida política de FHC, onde apertar, sai carnegão. Ele esta por trás de mazelas como a CPMF; a reeleição presidencial (em troca da qual foi denunciado por compra do voto parlamentar que lhe rendeu o segundo mandato); a armação do PROER, o sinistro Programa de Estímulo e Reestruturação do Sistema Financeiro (que livrou a cara do Banco Nacional do contraparente Magalhães Pinto, responsável pelo calote de US$ 6 bilhões aos cofres da Viúva); e a venda das ações da Vale do Rio Doce a preço de banana ao especulador George Soros, financiador de entidades que promovem o aborto, a legalização do consumo de drogas e a expansão globalista (entre elas, a Inter-American Dialogue, na qual milita FHC).

Ontem, acusado de ter recebido da corrupta Odebrecht “vantagens indevidas” para suas campanhas presidenciais, FHC entrou na Lista Fachin.

Retornaremos ao assunto.

15 abril 2017 FULEIRAGEM

DUKE – O TEMPO (MG)

15 abril 2017 DEU NO JORNAL

PARCERIA COM UMA NAÇÃO AMIGA, ABERTA E DEMOCRÁTICA

* * *

Como costuma dizer minha querida amiga Neusa Cacetão, a sapatona mais macha de Palmares, eu já tô de saco cheio.

Tô ficando sem paciência com tanta alusão maléfica desta família Odebrecht contra o impoluto, o incorruptível, o idôneo, o probo, o majestoso, o divino, o fantástico ex-prisidente Lula.

Não há nada demais ajudar uma nação amiga, um ilha aberta e democrática, um regime que é exemplo de transparência e de liberdade pra todo o mundo. Um país que tem muito mais eleições do que aqui em Banânia, sendo que os cubanos chega ficam cansados de tanto votar.

Perguntem pro fubânico Teimoso Renitente que ele vai confirmar isto que acabei de dizer.

Lula é um homem-estadista que ganha até de Jesus Cristo em honestidade, segundo ele mesmo garante e os anjos confirmam.

Ainda bem que a notícia não saiu APENAS na Globo. Coisa que deixaria Ceguinho Teimoso puto de raiva com a emissora mais mentirosa da face da terra.

Saiu na Globo, no SBT, na Band, na Record e em todas as rádios e jornais de Banânia.

Do Oiapoque ao Chuí, de Palmares a Jacaré dos Homens, nas Alagoas.

Felizmente o Instituto Lula desmentiu tudo de forma categórica.

E eu acredito na direção do Instituto Lula, gerenciado pelo altamente confiável nipo-afro-brasileiro Paulo Okamoto.

15 abril 2017 FULEIRAGEM

MARIANO – CHARGE ONLINE

NUESTRO CAMINO

Nestes dias de delações da Odebrecht está sendo escarrado na cara de todos os brasileiros honestos o nosso vergonhoso passado nacional. Um misto de vergonha, raiva e incredulidade estampa o rosto dos milhões de brasileiros honestos e trabalhadores.

E o horizonte é negro, a perspectiva é de piorar e muito.

A delação da Odebrecht foi só o inicio, virá muito mais. Os ‘Santana’, Duda Mendonça, Marcos Valério, Cabral, OAS, Andrade Gutierrez, Cunha e Palocci ainda jogarão muita lenha nesta fogueira e tenham certeza que o fedor e a podridão vão piorar.

O cheiro podre da desfaçatez e da corrupção que acompanharam nosso Estado desde a redemocratização apestam o Brasil. Passamos de uma Ditadura militar para uma Cleptocracia, um Estado de Ladrões que atingiu seu cume na era Lulopetista.

E foi ai que quase sucumbimos ao canto da sereia de onde seríamos engolidos por uma Ditadura branca de verve bolivariano. Estamos escapando, graças a poucos abnegados e ao grito das ruas.

Mas ainda há muito caminho e muitos caminhos, a percorrer e a escolher até purgarmos nosso Brasil desta corja. Até defenestrarmos de vez Lulas, Dilmas, Renans e Aécios, PTs e PMDBs. O caminho é longo, duro e de reflexão.

Só chegamos aqui, neste ponto por obra e graça de toda sociedade brasileira. Dos corruptos e corruptores, dos ‘Salvadores da Pátria’ oportunistas, dos Sindicalistas de causa própria, dos políticos sujos e sem moral.

Mas também são culpados aqueles que por ignorância, medo ou conveniência calaram-se e até apoiaram esta sucia que vilipendiou nosso país.

Também nós, pessoas comuns, do povo, temos nossa parcela de culpa pois os elegemos e ungimos e pior calamos ante todo o mal que nos faziam. Mas acordamos fomos as ruas e nos apropriamos delas e a partir delas faremos o expurgo do lixo político de nosso país.

E assim será nosso ‘CAMINO’ (caminho) até que uma Constituinte Exclusiva recoloque o Brasil nos trilhos e as prisões de Curitiba e do Brasil estejam lotadas da corja fedorenta que nos governou e governa.

E por falar em Caminhos, me lembro de um poema espanhol que toca minha alma. De autoria de Antonio Machado pode e deve fazer-nos refletir sobre o momento que passamos. Proverbios y cantares (XXIX), Antonio Machado.

Caminante, son tus huellas
el camino y nada más

Caminhante são tuas pegadas, o caminho e nada mais. Se olharmos para trás veremos que em toda a atual conjuntura, fomos participes voluntários ou não, fomos culpados por ação ou omissão. Cabe refletir, aprender com os erros do passado e seguir o caminho.

Caminante, no hay camino,
se hace camino al andar

Caminhante, não há caminho, o CAMINHO SE FAZ AO ANDAR.

Sabias palavras, nós fazemos nosso caminho, não há uma trilha, não há destino, não há guia ou Salvador da Pátria. Ninguém nos guiará ao futuro senão nós mesmos. De novo por ação ou omissão.

O que fará nosso caminho ao futuro é a decisão de ficar em casa ou sair a rua e protestar, é baixar a cabeça e aceitar a ditadura dos sindicatos ou lutar contra ela. Se aceitaremos o que nos diz a televisão ou pensaremos.

É a hora do voto, é a hora de cobrar justiça. Cadeia para Lula, cadeia para todos os corruptos. Não precisamos de líderes, santos ou salvadores da pátria, precisamos do povo. Do povo na rua, do povo partícipe, do povo que não mais aceita qualquer migalha, do povo que vai tomar as rédeas do Brasil das mãos desta sucia e conduzi-lo como timoneiro hábil e audaz ao futuro.

Al andar se hace el camino,
y al volver la vista atrás
se ve la senda que nunca
se ha de volver a pisar

Ao andar se faz o caminho e ao olhar para trás vemos a trilha que nunca voltaremos a trilhar. O passado passou, não voltará. Bons tempos, se é que foram bons ou apenas menos piores que os de hoje não voltarão.

Bons tempos são isso, só memórias, saudosismo daquilo que ficou. Não voltaremos atrás para corrigir nossos erros, nem para reviver nossas glórias.

Aprendamos, pois, com eles, com os erros e sucessos do passado de forma que possamos usar esta experiência para construir nosso futuro. Um futuro melhor para nós e nossos filhos.

Construído pari passu, ombro à ombro por todos brasileiros.

Caminante no hay camino
sino estelas en la mar.

Caminhante, não há caminho, senão estrelas no mar. Nosso futuro pode ser uma trilha brilhante ou um sendeiro escuro rumo ao fundo do poço. Cabe-nos e, somente a nós, escolher o caminho que trilharemos ao futuro.

Que tenhamos o discernimento de escolher o caminho das estrelas. Mas, não o caminho das estrelas vermelhas, falsas e mentirosas. Este caminho já trilhamos e nos levou ao buraco, a dor, a sordidez, ao mar de lama.

Escolhamos sim, o caminho luminoso das estrelas do mar, que são apenas e somente as luzes de nossas consciências.

Sábio Antonio Machado. Nossa homenagem e admiração ao genial poeta Andaluz. Reflitamos sobre seus versos e aprendamos com eles a fazer nosso caminho, caminhando rumo ao nosso futuro.

O Futuro nos pertence, façamos dele um caminho de esperança e do nosso país uma grande Nação para todos.

Comecemos, já! Constituinte Exclusiva, já! Prisão aos corruptos, já! Lula na cadeia, já!

O Futuro é agora! O caminho já está sendo trilhado.

15 abril 2017 FULEIRAGEM

LAÍLSON – CHARGE ONLINE

ALEGRIA

Um samba composto em 1937 pela dupla Assis Valente e Durval Mai. Interpretação de Orlando Silva.

15 abril 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

EU TOMO VIAGRA!

Foi assim, peremptoriamente, que Bernardo se manifestou em novembro de 2016, na reunião comemorativa dos 50 anos da turma concluinte do científico, meio século atrás.

“Por favor, não me venham insinuar que serei aqui o único a tomar a azulzinha? – afirmou Bernardo, complementando o seu raciocínio com a seguinte justificativa: “Vocês sabem que eu sei quais são as duas posturas dos homens em relação ao Viagra: existem aqueles que tomam e aqueles que mentem!”.

Dos 42 concluintes do ensino médio da turma de 1966, apenas 15 estavam presentes ao encontro. Mais de uma dezena havia morrido, outro tanto morava fora do Estado, isso sem falar naqueles que simplesmente desconsideraram o convite.

35% ainda era um percentual representativo do grupo que se reunia a cada cinco anos. A rotina imposta aos encontros era inalterada, porém, nunca enfadonha. As mesmas gozações, as mesmas lembranças, as mesmas piadas, nada era levado a sério naqueles momentos de descontração.

A sinceridade de Bernardo foi um fato chocante, haja vista o tabu inviolável criado em torno do consumo daquele estimulante sexual. Acontece, que tudo poderia acontecer onde estivesse o imprevisível Bernardo.

Houve um instante de silêncio, quebrado por Anacleto: “Bom, eu admito tomar o Viagra, mas, não que eu esteja precisando de estimulante para meu apetite sexual. O medicamento tem me ajudado, e muito, na reconstituição capilar” – ato contínuo retirou a peruca e tentou mostrar pelos inexistentes na careca reluzente.

Em outra situação, a piada estaria montada. Até porque, todos sabiam da peruca de Anacleto, mas, ninguém ousava tocar no assunto. Inimaginável, também, presenciar o colega se desprover do aplique e revelar um segredo guardado a sete chaves. Mesmo assim, não houve galhofa pela constatação da gritante falta de cabelos.

Pela primeira vez discutia-se um assunto sério numa daquelas reuniões quinquenais. Intimidados pela coragem de Bernardo e Anacleto, os demais presentes começaram a abrir o jogo. Partiu de Sílvio o primeiro comentário “sincero”:

“Tenho 68 anos e, uma vez e outra, sinto necessidade de algum estimulante. Não sempre, repito, mas numa data importante eu uso, sim, o Viagra!”.

Ricardo, o intelectual da turma, falou: “Eu já tomei a azul. Deixei por conta dos efeitos colaterais, principalmente, pela alteração de minha frequência cardíaca. Agora, quando puserem no mercado a nova pílula à base de cubenina – substância presente na pimenta-de-java ou piper cubeba -, a história será outra”.

Num piscar de olhos a reunião tomou outro rumo. Nada mais de assuntos passados ou de lembranças remotas. A cubenina virou o centro das atenções:

“É verdade que ela é 50 vezes mais potente que o Viagra, o Ciales e o Levitra?”; “Andam falando que durante os testes com a cubenina, todos os camundongos ficaram de ‘pinto’ duro”; “Há 20 anos estudam a cubenina para tratar a doença de Chagas, causada pela ‘picadura’ do inseto. Agora, tentam fazer durar a tesão no macho”.

Enquanto isso, Bernardo, assistia as manifestações juvenis de entusiasmo daqueles queridos e hipócritas colegas, ante a possibilidade de um potente milagre erétil em suas vidas.

15 abril 2017 FULEIRAGEM

PATER – A TRIBUNA (ES)

15 abril 2017 EVENTOS

CANTO DO VALE DO RIO DOCE

O Projeto do Canto do Vale do Rio Doce, de Cirinho Rio Doce, leva para vários rincões do País o universo do artista sobre os temas culturais do Vale do Rio Doce e sua tragédia, sua seca, suas enchentes, sempre acompanhado de artistas nacionais reconhecidos (Poket-Show). Passaram pelo projeto os cantores Paulinho Pedra Azul, Violeiro Chico Lobo, Lobão (show beneficente as vítimas do Rio Doce), Tunai, Cláudio Nucci e Dalto, além de Sérgio Di Ramos e Pedro Sampaio.

Considerado pela crítica o maior cantador do seu Vale, Cirinho Rio Doce nasceu em Colatina, em 3 de maio de 1962, sendo jornalista e trabalhado em grandes jornais capixabas, como A Gazeta e A Tribuna. O artista é ainda pintor abstrato e escritor.

Shows: artistasdobrasil@gmail.com – WhatsApp (27) 9-9778 – 6306

* * *

15 abril 2017 FULEIRAGEM

CLAUDIO MOR – CHARGE ONLINE

SEU CAZUSA O BENZEDOR

Seu Cazusa, um preto velho,
Da região de Caieira,
Era neto de africanos
Filho de uma benzedeira,
De quem herdou esse dote,
E foi desde molecote
Que começou a rezar,
Sua reza era tão forte
Que só a maldita morte
Podia lhe atrapalhar.

Por mais que a doença fosse
Braba, sem jeito e sem cura,
Cazusa se preparava,
E armava a sua estrutura,
Com um charuto, uma vela,
E água numa tigela,
Não sei se era benta ou não,
Na boca um cachimbo aceso,
E os males sentia o peso,
Da sua forte oração.

Clique aqui e leia este artigo completo »

15 abril 2017 FULEIRAGEM

CLÁUDIO – AGORA SÃO PAULO

15 abril 2017 DEU NO JORNAL

CACHORRO QUE SE FAZ DE BRABO

A cada denúncia sobre seu papel protagonista no maior escândalo de corrupção da História, o ex-presidente Lula nega ser o ladrão que as delações revelam, reclama de “perseguição” e “vazamentos seletivos”, chama os delatores de “mentirosos” etc, mas nem sequer ameaça processá-los.

Marcelo Odebrecht, o mais devastador dos delatores, revelou vários pagamentos de propina a Lula, o “Amigo” da Odebrecht.

* * *

Eu gostei mesmo foi da foto que ilustra a nota acima.

Os úberes das duas militrouxas que estão por trás de Lapa de Latidor são altamente mamáveis.

Ainda mais um úbere assim feito o da UNE, uma entidade que mama tanto nas tetas do dinheiro público.

É cada peito arretado!

15 abril 2017 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE

CLODOALDO, O TRÍGAMO

Clodoaldo nasceu em Fernão Velho, belo bairro beirando a Lagoa Mundaú, foi vizinho do grande poeta e pintor alagoano, Pedro Cabral. Menino ainda estudou em Maceió, tem uma vocação irresistível às mulheres. Na juventude tornou-se o conquistador, o rei das raparigas, daí seu apelido, Clodô das Quengas. Conseguiu formar-se em Direito com mais de 40 anos, figura popular e bem humorada da cidade. Repreende quando algum amigo o chama de Dr. Clodô das Quengas. Na hora corrige.

– Favor chamar-me de Dr. Clodoaldo Lima. Não existe o Dr. Clodô, só o Dr. Clodoaldo. Não desmoralize meu título de bacharel!!!

Casou-se cedo depois que engravidou uma prima. Ele costumava dizer que priminha não era irmãzinha, terminou no altar com Josefa, uma mimosa flor do povoado do Riacho Velho, um paraíso de Marechal Deodoro. Clodô nunca se acostumou com a vida de casado, sua vida era de bar em bar pelas ruas da cidade, onde foi encontrando novos amores. Uma delas sua colega de repartição. Ele trabalha, tem uma sinecura na Assembléia Legislativa, coisa mole, vai algumas vezes na semana até para bater papo, rever os amigo. Gaba-se de ter arranjado 280 votos para o deputado, seu protetor. Os votos que o deputado teve em Fernão Velho, ele contabilizava como se fossem todos por ele arranjados.

Um dia apareceu uma menina bonita, vinda do sertão, foi descabaçada por um deputado daquelas bandas, comprou o silêncio com um emprego na Assembléia. Clodoaldo logo namorou Rosinha, a rainha do sertão, como ele apelidou. Numa bela tarde, Rosinha confessou que estava grávida. Rosinha ganhou uma casa da COHAB do deputado sertanejo, onde ainda mora, e Clodô assumiu a paternidade, tem o afeto do menino, um rapaz. Na certidão do jovem consta filho de Clodoaldo Lima, mas é a cara do deputado como dizem as más línguas. Clodô é homem moderno, não se importa com certas picuinhas, ama o menino, seu filho do coração. Do lado de Josefa tem duas filhas, moças bonitas. Rosa e Josefa não se frequentam, mas se aceitam. Os meninos meio-irmãos se dão bem quando se encontram.

Durante a última eleição, Clodoaldo foi enviado pelo deputado para ajudar na campanha no Litoral Norte, tarefa que fez com satisfação porque terminava as noitadas raparigando. Acontece que uma jovem de nome Aparecida, quase da idade de suas filhas, 18 aninhos, encantou nosso Casanova. A moça bonita dava alguma bola, mas quando chegava nos finalmentes ela escorregava feito um muçum ensaboado. De tanto insistir, numa noite de lua na praia de Maragogi, despedida de campanha, Clodoaldo conseguiu com promessa de casamento, casa e comida, uma noite memorável de amor nas águas mornas noturnas. Nove meses depois nasceu na Casa de Saúde Santa Mônica, o menino José Roberto.

Três famílias, três casas montadas consomem todo salário de funcionário e de advogado independente. Clodô vive aperreado de dinheiro, mas, sempre com um sorriso nos lábios e um bom astral na alma. “Trígamo” assumido, convive como pode com as três esposas. As filhas de Josefa até ajudam a Aparecida com o recém nascido. As coisas iam bem com Clodô; as três mulheres não complicam sua vida. Por tudo isso, resolveu realizar uma festa de confraternização no Natal passado. Reuniu, pela primeira vez, as três famílias, as três mulheres na casa da Josefa. O início do encontro foi formal, depois começaram a descontrair. Clodô estava felicíssimo com o feito, as famílias reunidas. A cerveja, a cachaça, o uísque entornando. As três mulheres empurravam direitinho um copo, como também Clodoaldo. Até que certa hora, quando a cachaça subiu para cabeça, Josefa perguntou ao marido;

– Está feliz meu amor? Juntando sua esposa e as suas duas raparigas?

Rosa quando ouviu o desaforo, falou alto, “Rapariga é a mãe”. A outra, Aparecida de imediato foi puxando os cabelos da dona da casa, arrastando-a pelo chão, gritando que Josefa era uma coroa sambada e que Clodô gostava mesmo era dela, novinha e cheirosa. A briga generalizou-se entre as três. Uma dando tapa e puxão de cabelos nas outras. A confusão durou quase uma hora. Só acabou quando cansaram. Clodoaldo conseguiu apartá-las. Levou as duas convidadas para suas respectivas casas. Nunca mais quis saber de juntar as meninas, como ele as chama. Família que bebe unida, nem sempre permanece unida.


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa