20 abril 2017 DEU NO JORNAL

ARROMBOU A TABACA DE XOLINHA ! ! !

O empresário Aldemário Pinheiro Filho, vulgo Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, prestou depoimento nesta quinta (20) ao juiz federal Sérgio Moro, na ação penal do triplex do Guarujá, e confirmou que o imóvel é mesmo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lula também é réu neste processo.

Léo Pinheiro também relatou ter recbido ordens expressas de Lula, em maio de 2014, para destruir povas que pudessem incriminá-lo. “Lula me orientou a destruir documentos durante a Lava Jato”, disse em depoimento ao juiz Sérgio Moro. Pessoas próximas ao empreiteiro já haviam antecipado que Pinheiro iria ‘esclarecer tudo’ sobre o imóvel.

A Polícia Federal e a Procuradoria Geral da República sustentam que o petista recebeu propinas da OAS no montante de R$ 3,7 milhões.

Segundo a acusação, uma parte do montante foi investido em obras no apartamento do Condomínio Solaris, no Guarujá.

O restante, R$ 1 milhão, foi usado para armazenamento de pertences que Lula ganhou quando estava na Presidência da República.

De acordo com o Ministério Público Federal, a empreiteira OAS bancou tais despesas por ter sido beneficiada em contratos com a Petrobras.

20 abril 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

FOI BUSCAR LÃ E SAIU TOSQUIADO

20 abril 2017 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

FLÁVIO TINÉ – SÃO PAULO-SP

DESCARTE

O que fazer com coleções de jornais e revistas, livros, recortes de jornais, velhos negativos e fotos, recibos de contas de luz, gás, telefone, holerites, condomínio, banco, exames e receitas médicas, velhas agendas, aparelhos eletrônicos quebrados ou superados?

Ocorre que cada vez que se joga no lixo um comprovante qualquer, dia seguinte ele é requisitado por alguma razão, ou seja, basta alguém se desfazer de algo, para em seguida surgir alguma necessidade de resgatá-lo. Chegou minha vez.

Essas e outras dúvidas surgiram quando se tornou necessário trocar os tacos do apartamento, com 40 anos de uso. Jamais imaginei que houvesse tantos papéis acumulados. De nada adiantou consultar os sebos: além de se recusarem a comprar qualquer livro, sequer quiseram como doação. Estava com pena de jogar no lixo biografias, romances, coleção de Realidade e Revista Civilização Brasileira, livros de Direito em que tentei ser advogado…

Foi aí que me ocorreu a brilhante ideia de recorrer ao condomínio onde resido, que tem 1.024 apartamentos, cerca de 5 mil moradores, muitos estudantes. Propus que a pequena biblioteca fosse exposta e que os interessados pegassem, de graça, qualquer obra. A síndica foi rápida no gatilho: fizemos isso duas vezes e ninguém pegou nenhum livro. Nenhum. Tivemos de vender por quilo.

Ainda bem que meu pequeno patrimônio de mais de 50 anos não se compara nem de longe ao caso de José Mindlin, cuja biblioteca é hoje um patrimônio da USP, com prédio próprio construído especialmente para abriga-la, e as de estudiosos como José Ramos Tinhorão, cujos livros foram incorporados à Fundação Moreira Sales. Já o jornalista e pesquisador Assis Ângelo até hoje tropeça no enorme acervo de discos e livros que acumulou como crítico de música popular, obrigando-se a criar o Instituto Memória Brasil, por cujo patrimônio nenhum órgão público ou privado se interessa. Acometido de incurável cegueira, Assis Ângelo resgata, quando pode, algumas estórias pouco conhecidas desse mundão de cantos e cantorias.

Resta-me imitar o amigo Arnóbio Oliveira, boêmio incorrigível que aos sábados doa ao primeiro interlocutor o livro que leu no decorrer da semana, com a recomendação de ler e passar adiante. O descarte dói, mas é inevitável.

20 abril 2017 FULEIRAGEM

CLAYTON – O POVO (CE)

ARROGÂNCIA NA SELEÇÃO DOS CORRUPTOS

Quem assiste aos vídeos com os depoimentos de Emílio Odebrecht pode acreditar que quem está falando não é um marechal do imenso exército dos corruptos que consumou a maior roubalheira de todos os tempos, mas uma sumidade em assuntos brasileiros. Falante, risonho, ele não depõe: dá aulas sobre a alta ladroagem, interrompidas só de vez em quando por perguntas em tom respeitoso da autoridade judicial. O responsável pelos questionamentos nem aparece na tela, que o mestre divide com o advogado cuja expressão apalermada é acentuada pela franja Febem.

Num determinado momento, o chefão da usina de maracutaias, velhacarias, vigarices e bandalheiras ensina que a ladroagem bilionária nada tem de novidade. “As coisas são assim há trinta anos”, reescreve a história o pai e mentor de Marcelo Odebrecht. (Se fosse verdade, a Petrobras teria falido em 1986). Noutro vídeo, proclama-se vítima de um tipo de burocracia que só pode ser derrotado por montanhas de dólares. (Conversa de 171: o grande assalto foi concebido em 2003, no primeiro governo Lula, e sangrou os cofres públicos até 2014, quando a Operação Lava Jato começou a ofensiva contra os gatunos da classe executiva).

Numa terceira lição, Emílio garante que a imprensa não tem o direito de surpreender-se com a ultrapassagem de todos os limites da abjeção. “Os jornalistas sempre souberam do que acontecia”, acusa. (Talvez soubessem disso os que a Odebrecht arrendou, alugou ou comprou. Os decentes nem de longe imaginavam que, entre 2006 e 2014, a empreiteira gastou em propinas US$ 3,37 bilhões. (Dólares, não reais, frisa a coluna de Carlos Brickmann nesta quarta-feira. “Até 2008, a Odebrecht gastava em propinas, agrados, pixulecos, mimos, 0,5% de sua receita anual”, detalha Brickmann. “A partir daí, o volume aumentou muito. Em 2012, o custo do escândalo já era de 1,7% da receita – e a receita também tinha aumentado, graças ao fermento da propina”.

Alguém precisava lembrar ao bandido arrogante o que ele de fato é: um quadrilheiro de alta patente que escapou da cadeia por ter concordado em revelar minuciosamente as atividades criminosas em que se meteu. Foi o que começou a descobrir durante a conversa com o procurador Sérgio Bruno, parcialmente reproduzida no vídeo abaixo. “Deixa de historinha”, cortou o homem da lei quando o desenvolto fora da lei tentava transformar uma audiência judicial em outra conversa de botequim. A repreensão foi oportuníssima. Mas Emílio Odebrecht anda implorando por castigos bem mais severos.

As revelações que tem feito ajudam a Justiça a cumprir o seu papel. Mas não transformam um culpado em inocente. O dono da empreiteira que apodreceu será sempre lembrado como um titular absoluto da seleção brasileira dos corruptos – esse timaço que encontrou em Lula, o “Amigo”, o inesquecível camisa 10.

20 abril 2017 FULEIRAGEM

BENETT – GAZETA DO POVO (PR)

SOU DOS BARES O MENOR

Sou buteco, sou latada
Pé-sujo, biongo, bar
Eu sou o gato e sapato
Dos bebos desse lugar.

Desencheiando as garrafas
Com apertamento de mão
Bebinhos bebos-da-silva
Me segredam o coração
A talagada eu arbitro:
Oito copos faz um litro
Dois litros uma discussão.

Antes do primeiro grogue
No balcão desse jirau
Os compadres Zé Fulô
Preto-Limão e Babau
Três cacos de torrar peido
De beber e passar mal
Olha a cana de pertinho,
Analisa o colarinho
Mode ver se tá no grau.

Toma uma, toma duas
Enche a bitola de pau
E depois de caneado
Enxergando engarrafado
Bebe até frasco pintado
Com as areias de Tibau.

Recebo nessa paragem
Quem vai de mal a pior
Mato quem morre na cana
Emburaco em quiprocó
Mesmo assim, analisando
Butecamente falando
Sou dos bares o menor.

(Poema publicado em 1998 no livro Agruras da Lata D´água)

20 abril 2017 FULEIRAGEM

TENÓRIO – CHARGE ONLINE

20 abril 2017 FULEIRAGEM

VERONEZI – GAZETA DE PIRACICABA (SP)

ANTES QUE COMETAM O CRIME…

Apelo aos amigos fubânicos que divulguem ao máximo o teor desse tema, e já peço desculpas pelos erros gráficos que porventura ocorrerem, porque escrevi a “toque de caixa”.

A matéria a ser tratada nesta coluna seria outra. Já estava nos “finalmente”, praticamente pronta para enviar a nosso Editor Luiz Berto para publicação. Porém, a gravidade e a urgência de outro assunto que me veio em mente me fez bruscamente mudar de rumo, pois lembrei-me de que o Congresso brasileiro – o mais caro, corrupto e vergonhoso da história deste país – está prestes a cometer mais um crime contra esta já pisoteada Nação!

Acontece que os criminosos lá homiziados, agora, furiosamente, investem contra magistrados, promotores de justiça, procuradores e policiais, única e exclusivamente, para se vingarem da Lava Jato por ter destapado a podridão desse imenso esgoto que virou o andar de cima da política brasileira.

Em vez de mudarem as leis para acabarem com o indecoroso benefício do FORO PRIVILEGIADO – verdadeira carta de alforria para políticos corruptos -, resolveram agora, criminosamente, investirem contra os que justamente combatem o crime organizado neste país. A inaceitável safadeza que está a caminho é o Projeto de Lei do Senado nº 280, de 2016. A referida proposta indecente estava em banho-maria naquela casa, mas foi despertada por Renan Calheiros, conhecido senador corrupto que coleciona 11 inquéritos no lombo, um dos que sonham “melar” as investigações e acabar com a Lava Jato. Esse cidadão(?) em qualquer outro país do mundo que tenha um mínimo de seriedade, já estaria vendo o sol nascer quadrado há muito tempo.

Justificativa dele (Renan Canalheiro): Atualizar a Lei de Abuso de Autoridade nº 4.898/65!

Mentira!!!

– Atualizar o QUÊ??? – se a lei que existe já prevê sanções contra o abuso de autoridade!?

O que essa bandidagem institucionalizada quer é fazer vingança, garrotear e anular o trabalho da Lava Jato, para, finalmente, pavimentar o tão sonhado caminho da impunidade.

E sabem quem é o relator dessa devassidão? Aquele canalha do senador Roberto Requião que não vale um dólar furado! – Padrinho da bandidagem do MST – que em 2009, declarou em uma solenidade de formatura de delegados de polícia do Paraná, que o “MST é uma dádiva de Deus!” Só não coloco o vídeo para revermos essa insanidade, porque RETIRARAM DO AR!! Aliás o que tem de vídeo desses canalhas sendo excluído, é uma festa! Além de tudo são covardes, não sustentam o que dizem.

O sorrateiro projeto da intimidação, impunidade e da vingança, tramita na velocidade da luz e se não me engano, vai para a votação na quarta-feira próxima. Querem, simplesmente, acabar com a independência do Judiciário e liberarem de vez a roubalheira institucionalizada.

No vídeo abaixo, a Força Tarefa da Lava Jato pede apoio contra o criminoso e sorrateiro PLS 280/16 – Abuso de Autoridade:

20 abril 2017 FULEIRAGEM

FRANK – A NOTÍCIA (SC)

REALIDADES…

Falta paz e consciência,
Falta amor entre os mortais.

Mote de José Tiburtino

Falta o fermento do amor
No pão da humanidade,
Falta mais fraternidade
Na alma do pecador.
Falta bala no tambor
Das armas dos marginais,
Nas manchetes dos jornais
Sobra ódio e violência.
Falta paz e consciência,
Falta amor entre os mortais.

Glosa: Hélio Crisanto

Falta mais um censo crítico
Nesse povo ignorante,
Falta um “cabeça pensante”
No ambiente político.
Falta rigor analítico
Nas esferas sociais,
Pra não elegerem mais
Candidato sem decência.
Falta paz e consciência,
Falta amor entre os mortais.

Glosa: Wellington Vicente

20 abril 2017 FULEIRAGEM

NICOLIELO – JORNAL DE BAURU (SP)

20 abril 2017 A PALAVRA DO EDITOR

SEIS MINUTOS DE CORRUPÇÃO

Um presente pros leitores fubânicos nesta véspera de feriadão.

Seis minutos inteiros de ladroagem banânica que o JBF chupou de O Globo, aquele jornaleco safado representante maior da grande mídia golpista.

O fubânico petista Teimoso Renitente está convidado pra alegrar nossa quinta-feira fazendo comentários e defendendo seus corruptos prediletos, os guabirus do PT.

Os outros, do PSDB, do PMDB ou da PQP, pode deixar pra gente baixar o cacete.

20 abril 2017 FULEIRAGEM

THIAGO LUCAS – CHARGE ONLINE

PRECISA-SE DE UM HERÓI

No bem conhecido diálogo de sua peça “Galileu Galilei”, (Eugen) Bertolt (Friedrich) – que adotou o sobrenome literário de Brecht – põe Andreas, um discípulo, se dirigindo a seu mestre: Infeliz do povo que não tem herói! Galileu o repreende: Infeliz do povo que precisa de heróis! Diferente deles, penso que verdadeiramente infeliz é o povo que precisa e não tem heróis! Como, hoje, o povo brasileiro.

Na Grécia antiga, em Atenas, Diógenes de Sinope andava pelas ruas, durante o dia, com uma lanterna acesa. À procura de um Homem Honesto. Depois da delação devastadora da Odebrecht, quem anda procurando esse Homem Honesto somos nós.

O cenário que temos é razoavelmente previsível. Temer irá com seu governo até o final. Em 2018. Porque ninguém deseja que ele acabe antes. Nem mesmo aqueles que hoje gritam, pelas ruas, Fora Temer. Já no próximo ano vamos ter campanhas presidenciais. Estão próximas demais. Sem contar que a economia só agora começa a se recuperar. Se sair Temer (ou Meireles), antes disso, vamos nos converter em algo próximo à Venezuela.

Único consenso, hoje, é que nossas elites são muito ruins. Velhas. Praticantes de uma pornopolítica (a expressão é do mestre Roberto Damatta). Não obstante eleitas por brasileiros, em absoluta falta de sintonia com eles. Com seus valores. Com suas expectativas. Com suas esperanças.

O futuro desejável pode vir de algum tipo de consenso social. Entre cidadãos. A partir do reconhecimento da prevalência do interesse coletivo sobre o individual. Esse é o cenário que todos desejamos. Talvez inviável, nos dias que correm. Alternativa seria, então, a adesão dos eleitores a um herói. Um salvador da pátria. Em linguagem mais simples, caso as mudanças não venham de baixo, como seria desejável, elas virão de cima.

É comum se dizer que isso iria ser ruim, para o país. E cita-se, invariavelmente, (Silvio) Berlusconi. Não é uma comparação justa. Berlusconi foi herói só no seu primeiro governo, em 1994/1995. Que, logo depois, acabou derrotado por Romano Prodi. Democracia é coisa boa. Os heróis passam. Depois, trocou seu partido – de Força Italia para Povo da Liberdade. Sendo notórias suas relações com a máfia calabresa (‘Ndrangheta) e os muitos processos que respondeu por corrupção e fraude. Mas já não era, então, herói de nada. E ainda assim, como um político tradicional, ganhou eleições em 2004/2005, 2005/2006 e 2008/2011. Eleições tem disso.

Berlusconi é só um exemplo ruim. Mas poderíamos lembrar de um bom. Como o Papa Francisco. Que veio redimir a Igreja Católica, em meio a uma crise devastadora – decorrente de sua incapacidade em se modernizar. Sofrendo perdas de fiéis para igrejas evangélicas ou messiânicas. Até que veio do fim do mundo. Da América Latina. Para fazer reformas modernizantes. Francisco, para a Igreja, foi uma benção.

A sensação, hoje, é que nomes tradicionais não sobreviverão até o próximo ano. Uns porque serão atingidos pela Lei da Ficha Limpa. Outros porque não terão coragem para subir em palanques, depois de tantos processos. Outros, mais, porque seus discursos perderam atualidade. Envelheceram. Há um herói em gestação, entre nós. Só não vê quem não quer. Ou for cego. Será ruim ou bom?, para o Brasil. É cedo para dizer.

20 abril 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

20 abril 2017 DEU NO JORNAL

NO FUNDO DO MEU CORAÇÃO

Lula e Dilma foram os políticos mais citados no noticiário sobre a Lista de Fachin.

Ele 949 vezes, ela em 876.

Temer, 867.

Os senadores Aécio (453) e Romero Jucá (375) e o ministro Eliseu Padilha (344) também estão no topo da lista do escândalo de delações da Odebrecht.

* * *

Jucá e Aécio, um do PMDB e outro do PSDB, são dois corruptos que eu muito admiro.

Tenho uma grande estima por esta dupla de guabirus.

Isto sem contar os pmdebistas Renan Calheiros e Edison Lobão, dois ratos que merecem os meus aplausos.

Juntando todos eles com Lula e Dilma, fica formado um time que mora no fundo do meu coração.

Eu aplaudo todos eles com muito entusiasmo: clap, clap, clap, clap!!!


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa