7 junho 2017 JOSELITO MÜLLER

FLATULÊNCIAS DE TRUMP

WASHINGTON – Uma denúncia que poderá justificar um eventual pedido de Impeachment foi revelada na manhã de hoje pela CNN e tem assustado o presidente Donald Trump.

Segundo um relatório divulgado por agências especializadas em promover estudos sobre o aquecimento global, Donald Trump, que esta semana retirou os Estados Unidos do chamado Acordo de Paris, solta constantes flatulências, o que tem contribuído para a emissão de CO2 na atmosfera e, por conseguinte, colaborado para que o planeta continue em constante aquecimento.

“ISSO EVIDENCIA QUE A POSIÇÃO DE TRUMP, SEGUNDO A QUAL O AQUECIMENTO GLOBAL NÃO EXISTE, É MOTIVADA POR INTERESSES PESSOAIS, ALGO INADMISSÍVEL PARA UM CHEFE DE ESTADO”, AFIRMOU UM ÂNCORA DA CNN.

A denúncia foi encaminhada para uma comissão de senadores democratas, que se comprometeram a estudar os documentos e tomar providências pertinentes.

7 junho 2017 FULEIRAGEM

MARIANO – CHARGE ONLINE

7 junho 2017 DEU NO JORNAL

UM DEFENSOR À ALTURA DO DEFENDIDO

Cristiano Zanin, advogado de Lula, afirmou que foi surpreendido com a inclusão dos vídeos da delação da Odebrecht nos autos do processo do terreno do Instituto Lula e da cobertura em São Bernardo do Campo.

O TRF-4 determinou, assim, que Emílio Odebrecht e Alexandrino Alencar fossem ouvidos outra vez.

De acordo com Sérgio Moro, no entanto, Zanin pode ter mentido:

“Apesar da Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva não ter aberto a intimação eletrônica, consta, nos registros eletrônicos, que o advogado Cristiano Zanin Martins acessou o processo e ainda especificamente os depoimentos extrajudiciais de Alexandrino de Salles Ramos Alencar e de Emílio Alves Odebrecht ainda em 31/05/2017, por diversas vezes, e novamente, por diversas vezes, no dia 01/06/2017.

“Assim, salvo melhor explicação por parte da Defesa, não aparenta corresponder à realidade a afirmação do advogado Cristiano Zanin Martins de que foi surpreendido na audiência de 05/06/2017, já que os registros eletrônicos do sistema informam que teve acesso à prova com relativa antecedência, em 31/05/2017 e 01/06/2017. Salvo melhor explicação, os fatos afirmados na impetração pelos advogados, de que a Defesa teria sido surpreendida em 05/06/2017, não são lamentavelmente verdadeiros.”

Que feio.

* * *

Se o constituinte é mentiroso contumaz, é natural que a defesa dele procure também o caminho da inverdade.

Uma coisa lógica e irretorquível.

Todavia, o dotô que defende o proprietário do PT pode ficar tranquilo quanto a esta pajaraca sem cuspe que o Juiz Sérgio Moro enfiou no furico dele.

O petista fubânico Justificador Incansável, que é Bacharel em Ciências dos Direitos Lulíferos, vai explicar tudinho, tim-tim por tim-tim.

E provar que toda esta fofoca não passa de perseguição da grande mídia golpista e reacionária.

“Eu não minto. Eu apenas conto verdades que nunca aconteceram. Afinal, sou advogado de Lula”

7 junho 2017 FULEIRAGEM

BAGGI – CHARGE ONLINE

DILMA E TEMER SÓ SERÃO SALVOS PELA MORTE DA JUSTIÇA ELEITORAL

A chapa vitoriosa em 2014 só escapará do castigo se a maioria dos ministros do TSE mandar às favas à lei e submeter a Justiça aos interesses dos réus

Os brasileiros saberão nesta semana se o Tribunal Superior Eleitoral ouve exclusivamente o que diz a lei ou também ouve os sussurros de quem acha que a Justiça deve subordinar-se ao quadro político e econômico que aflige o Brasil. A resposta será dada pelos sete ministros que, a partir desta terça-feira, escreverão o epílogo do julgamento da chapa formada por Dilma Rousseff e Michel Temer em 2014, acusada de abuso de poder político e econômico na campanha presidencial.

Essa dupla não teria quaisquer chances de salvação se os julgadores se ativessem apenas a critérios jurídicos – e, na hora de votar, não fechassem os olhos à montanha de provas que incriminam a dobradinha que fez o diabo para ganhar a eleição. Os fatos berram que os dois parceiros foram financiados por dinheiro sujo. Ambos sempre souberam de onde vinha a enxurrada de doações multimilionárias, ambos sempre desfrutaram sem remorso das relações promíscuas entre larápios com foro privilegiado, figurões do Executivo e bandidos de estimação premiados com o segredo do cofre do BNDES. .

Dilma já é carta fora do baralho: caso preserve os direitos políticos e se atreva a disputar uma vaga no Senado, será aposentada com humilhação, e definitivamente, pelas urnas de 2018. O protagonista da novela em curso no TSE é Temer. Se o julgamento não for interrompido por outro pedido de vista, formulado por algum cúmplice desprovido do sentimento da vergonha, Temer só escapará do castigo se a maioria dos ministros mandar às favas à legislação eleitoral e agarrar-se à falácia segundo a qual o mundo político e a política econômica não sobreviverão a mais uma troca de guarda no Planalto.

Nessa hipótese, o Tribunal Superior Eleitoral se transformará em mais uma corte reduzida a puxadinho dos podres poderes, habitado por juízes sem juízo e, por isso mesmo, prontos para submeter-se aos interesses de empresários com medo de falência ou pais da pátria com medo de cadeia. Nem por isso a esperança estará revogada. Os que sonham com a rendição do Brasil decente primeiro precisam conseguir a capitulação da República de Curitiba. É tarde demais para paralisar a Lava Jato personificada não por Rodrigo Janot, mas por Sérgio Moro.

7 junho 2017 FULEIRAGEM

DUKE – O TEMPO (MG)

7 junho 2017 DEU NO JORNAL

PRISIDENTES NOS ARES BANÂNICOS

* * *

A Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República divulgou nota nesta quarta-feira (7) na qual afirma que, em janeiro de 2011, o presidente Michel Temer, à época vice-presidente da República, utilizou um avião particular para levar a família de São Paulo a Comandatuba, na Bahia.

De acordo com a nota, Temer não pagou pelo serviço e não sabia a quem o avião pertencia.

* * *

Conforme apurou o Departamento de Inverdades do JBF, o Manual de Cerimonial Aéreo da Presidência da República estabelece que o prisidente deve sempre dizer que não sabe quem era o dono do avião no qual pegou carona.

Seja o dono do avião Eike Batista, seja o dono do avião Joesley Também Batista, ou seja o dono do avião qualquer outro Corruptor Ativo.

“Não sei e não interessa ao distinto público saber quem é o dono”, é esta a resposta recomendada pelo Manual.

E fim de papo.

7 junho 2017 FULEIRAGEM

RONALDO – JORNAL DO COMMERCIO (PE)

7 junho 2017 JORGE OLIVEIRA

MAIS UMA MARIONETE NAS MÃOS DE LULA

Lula é um sujeito previsível. Os seus passos só não são conhecidos por seus fanáticos que não enxergam os seus truques fisiológicos para permanecer no poder a todo custo. Depois de mentir para o juiz Sérgio Moro e jurar de pés juntos que não tem nenhuma influência no PT, eis que aparece em Brasília erguendo a mão de Gleisi, eleita presidente do seu partido, para quem ele cabalou votos. É a segunda mulher que Lula patrocina a eleição e vira cabo eleitoral para continuar manipulando os bastidores da política.

Dessa vez, Lula terá ao seu dispor mais de 100 milhões do fundo partidário (em 2016 foram 98 milhões, segundo o TSE) para começar a sua campanha presidencial, já que, se não for condenado, não contará mais com a boa vontade dos empresários amigos e dos diretores das empresas estatais que roubavam dos cofres públicos para patrocinar as campanhas do PT.

A Gleisi é ré na Lava Jato e o seu destino é incerto daqui para frente se realmente se deixar levar pela conversa de camelô do seu chefe, a exemplo do que ocorreu com os ex-tesoureiros do PT e o José Genoino, ex-presidente, que cumpriu pena por desvio de recursos do partido.

Para disfarçar o autoritarismo e dar um ar democrático a eleição, Lula indicou para disputar a presidência do partido dois aliados: Gleisi e Lindbergh. Um tal de José de Oliveira se vestiu de laranja, mas não teve um voto sequer. Qualquer um dos dois que ganhasse ele estaria bem servido. Mas a Gleisi, na verdade, tinha sua preferência. A exemplo do que aconteceu com a desqualificada Dilma, que levou o país ao caos econômico e ético, Lula agora tem outra mulher para fazer o papel de fantoche. O pretexto é o mesmo: abrir espaço político para as mulheres como se as verdadeiras mulheres necessitassem de um empurrãozinho para sobreviver na política ou em qualquer outra atividade.

Agora vigiado pelos investigadores da Lava Jato, Lula não pode movimentar nem a conta que a JBS mantém à sua disposição e da Dilma no exterior. Precisava, portanto, de uma fonte de renda para usar com gastos pessoais e da campanha dele e de seus comparsas petistas, já que a redução no número de prefeituras em 2016 reduziu o dízimo dos cargos comissionados. Assim, ele escalou a senadora Gleisi que, além de militante, é fanática da seita lulista, com quem ele pode contar incondicionalmente para manipular o dinheiro do fundo partidário.

Praticamente não houve disputa. Escaldados, petistas de outras tendências preferiram não apresentar candidatos. Não quiseram participar do joguete de Lula e acabar na cadeia ou condenados como foram Zé Dirceu, João Vaccari Neto, Genoíno, Delúbio Soares e tantos outros que abriram os cofres para Luiz Inácio da Silva. Pela primeira vez dentro do PT não houve disputa acirrada dos núcleos para chegar à presidência do partido. Ninguém quer ir para a cadeia para satisfazer a ganância e a ambição desenfreada do chefe Lula.

A estratégia de Lula – previsível, mais uma vez – era ter um candidato que não morasse em São Paulo. E isso aconteceu. Gleisi é do Paraná e mora em Brasília com o marido Paulo Bernardo, ex-ministro do Planejamento e da Comunicação que já amargou uns dias de cadeia por corrupção. Assim, a presidência do partido será representada por uma pessoa de confiança de Lula que assumirá toda parte administrativa do partido. Gleisi, coitada!, só vai assinar papel como aconteceu com Dilma impedida de governar pelas mãos ferro de seu protetor.

Depois de homenagear no congresso os presidiários Zé Dirceu e João Vaccari Neto, o fundamentalista Rui Falcão deixou a presidência do partido e o abacaxi nas mãos de Gleisi. A senadora inicia o mandato tendo que responder a processo da Lava Jato. Ela também é líder do PT no Senado e ré juntamente com o marido Paulo Bernardo. O ano passado, o STF aceitou denúncia da PGR que acusava os dois de terem recebido ilegalmente 1 milhão de reais para sua campanha ao Senado em 2010. Eles respondem por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Não se pode aqui achar que Gleisi Hoffmann é ingênua politicamente. Senadora ativa, bem articulada, ex-ministra da Casa Civil de Dilma, várias vezes candidata derrotada em seu estado, ela se vê de uma hora para outra guindada por Lula aos principais cargos importantes do PT. Mas acontece que cego quando vê muita esmola desconfia.

Será que a senadora não desconfia de nada? Será que a cúpula petista tão afoita em disputa iria abrir mão da presidência de um partido que administra mais de 100 milhões reais se alguma trama não tivesse por trás de tudo isso? Senadora, cuidado para não antecipar o seu recolhimento ao presídio da Papuda só para atender a fúria incontrolável de poder do seu chefe.

7 junho 2017 FULEIRAGEM

NICOLIELO – JORNAL DE BAURU (SP)

7 junho 2017 JOSIAS DE SOUZA

TSE NÃO PODE IGNORAR A FOME DE LIMPEZA NO AR

7 junho 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

CHEGOU SÃO JOÃO

Já começaram os festejos juninos na Nação Nordestina!

Marinês e Sua Gente alegram o forró fubânico cantando uma música junina da autoria de Zé Dantas e Joaquim Lima.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

7 junho 2017 FULEIRAGEM

CHICO CARUSO – O GLOBO

7 junho 2017 DEU NO JORNAL

NINGUÉM ROUBA A POLE DE LULA

Eliziário Goulart Rocha

A retomada do julgamento da chapa pelo TSE coloca na berlinda Michel Temer e – mas quem se importa com ela a esta alturas – Dilma Rousseff. Aécio Neves está todo enrolado e Sérgio Cabral se tornou réu em dez processos da Lava Jato, um recorde impressionante. Fora outros figurões engaiolados ou à espera das algemas.

Mesmo com tanta fartura, o primeiro posto já tem dono. Da mesma forma que ninguém tirava a pole position de Ayrton Senna da Silva, o menino sem medo que nos acordava mais cedo aos domingos e enchia de orgulho todos os “da Silva” deste país, ninguém tira de Luiz Inácio Lula da Silva, o menino sem vergonha que nos faz ter pesadelos e desonra o mais brasileiro dos sobrenomes, a pole position na fila de embarque formada por passageiros do camburão.

Somente quem finge que nada sabe ainda acredita no homem que finge que nada sabe. A cegueira ideológica espanta, sobretudo, por assaltar mentes grisalhas com diploma universitário, pós-graduação, doutorado e MBA. Para essa gente, os dólares subtraídos aos cofres públicos pelo corrupto de estimação do vizinho parecem sempre mais verdes do que os surrupiados por seu próprio corrupto de estimação. Jamais irão aceitar o fato de que de Paulo Maluf, uma espécie de decano brasileiro das malfeitorias com dinheiro público, a Lula, dono da camisa 10 e capitão da seleção nacional dos colecionadores de pixulecos, corrupto é corrupto. Aliás, no cenário atual, Maluf pode sonhar, no máximo, com uma vaga na Segundona da safadeza.

Adotar um corrupto implica responsabilidades. Significa, por exemplo, ter de alimentá-lo o tempo todo e protegê-lo com amor paternal do permanente risco de colisões com o Código Penal. Mas os seguidores da viva alma muito viva não querem saber dessas miudezas. Ao contrário do que ocorre em jogos de adolescentes ou marmanjos desmiolados de qualquer idade, seguem tentando provar que “o seu é maior do que o meu”.

7 junho 2017 FULEIRAGEM

CAZO – COMÉRCIO DO JAHU (SP)

AMNÉSIA VIGARISTA

Lula não consegue lembrar nem o nome dos velhos amigos engaiolados pela Lava Jato

“Eu não era um desconhecido do Lula, como ele afirmou que não tinha relação comigo. Eu vivia no Palácio do Planalto, e participava de pelo menos duas reuniões por mês do Conselho Político, com todos os presidentes dos partidos”.

Pedro Corrêa, ex-deputado federal pelo PP de Pernambuco, condenado no julgamento do Mensalão e preso desde 2015 pela Lava Jato, ao mostrar durante o depoimento a Sérgio Moro fotos ao lado do ex-presidente cuja memória diminui sempre que o prontuário aumenta mais um pouco com a descoberta de outra bandalheira.

Lula, José Dirceu e Pedro Corrêa

7 junho 2017 FULEIRAGEM

MYRRIA – A CRÍTICA (AM)

IOLANDA & ZÉDANTAS, A PARCERIA DO BEM-QUERER

Iolanda Dantas – 86 anos

Nestas festas do juninas de 2017, a musa maior do compositor José de Souza Dantas Filho (1921-1962) não se encontra entre nós; partiu para a eternidade em dois de janeiro passado aos 86 anos no Rio de Janeiro.

Dona Iolanda Dantas é hoje mais uma estrela que brilha em nosso céu. Foi ela a musa e inspiração maior do Zedantas, como gostava de ser chamado o mais importante parceiro da trajetória musical de Luiz Gonzaga do Nascimento (1912-1989).

Para Dona Iolanda o Zedantas apaixonado escreveu Letra I (1953); Vem morena; Sabiá e uma tantos outros sucessos que marcaram as nossas festas juninas.

Dona Iolanda morreu aos 86 anos, numa segunda-feira, 2 de janeiro de 2017, no Rio de Janeiro, onde encontrava-se internada numa clínica médica da Tijuca, tendo o seu corpo sido cremada e suas cinzas transportadas para o Recife onde se encontram junto aos restos mortais de seu grande amor: José de Souza Dantas Filho, o nosso Zedantas poeta maior do nosso cancioneiro regional.

Segundo a bibliotecária Lúcia Gaspar, da Fundação Joaquim Nabuco José de Souza Dantas Filho, conhecido como Zé Dantas ou Zedantas, como costumava assinar, nasceu no município de Carnaíba de Flores, Sertão do Alto Pajeú de Pernambuco, no dia 27 de fevereiro de 1921.

Ainda criança, mudou-se para o Recife para estudar e tornar-se médico, como queriam seus pais, pertencentes à burguesia rural nordestina. Foi aluno dos colégios Nóbrega, Americano Batista e Marista.

Em 1938, aos 17 anos, já compunha xotes, baiões e toadas, chegando a publicar alguns na Revista Formação, editada pelo Colégio Americano Batista.

Segundo depoimento do folclorista Mário Souto Maior, seu colega no Marista, Zedantas vivia batucando numa caixa de fósforos e criando músicas de improviso, pelos corredores do Colégio.

Durante a época em que era estudante de Medicina, para desespero do seu pai, tornou-se um boêmio. Passava noites em bares dos subúrbios da cidade, fazendo versos, cantando e desenvolvendo sua criatividade musical.

Em 1947, quando ainda estudava Medicina, já com certa fama de artista “improvisador” e compositor no meio universitário recifense, descobriu que o cantor e compositor Luiz Gonzaga, de quem era grande admirador, estava no Recife, hospedado no Grande Hotel.

Conseguiu entregar-lhe algumas composições suas, entre as quais era provável que estivessem Vem morena e Forró do Mané Vito, que foram gravadas por ele em 1949; A volta da asa branca e Acauã, gravadas respectivamente em 1950 e 1952.

Em dezembro de 1949, formou-se em Medicina, pela então Universidade do Recife. No ano seguinte, mudou-se para o Rio de Janeiro, então a capital da República, para fazer residência médica em obstetrícia. Trabalhou no Hospital do IPASE, onde chegou a ser Vice-Diretor da Maternidade; atendia em seu consultório, como ginecologista, mas continuou investindo na sua carreira de compositor. Foi, ainda, diretor do programa O Rei do Baião, da Rádio Nacional e do Departamento Folclórico da Rádio Mayrink Veiga.

Casado com Iolanda Simões, em 26 de junho de 1954, a quem dedicou o baião “Letra I”, Zé Dantas foi pai de Sandra, Mônica e Zé Dantas Neto, merecendo essas recordações.

Zé Dantas era um homem maravilhoso, pai carinhoso e amigo dos seus amigos. (…) Todos sentimos muito orgulho dele e hoje, sua neta Marina Elali revive sua obra, cantando baiões do vovô Zé Dantas – com destaque para Sabiá; O Xote das Meninas.

Falecendo aos 41 anos, em onze de março de 1962, coube a sua mulher, Iolanda Dantas, educar os três filhos e se transformar na sentinela e guardiã de sua obra.

Assim eu a conheci, na luta em favor da preservação da memória de Zé Dantas, ainda dos anos de 1986, quando da edição do livro de Sinval Sá, O Sanfoneiro do Riacho da Brígida, que surgira em 6ª edição, “numa edição gorda”, segundo ironizava o próprio Luiz Gonzaga, trazendo o Cancioneiro de Zé Dantas, dentro da Coleção Pernambucana – 2ª Fase, com estudo introdutório de minha autoria.

Por essa época Dona Iolanda estava formando o seu filho, José de Souza Dantas Neto, em Medicina, pela Universidade do Rio de Janeiro, e a mim coube mandar apertar o anel de formatura, que pertencera ao próprio Zé Dantas, tarefa por mim confiada ao ourives Olegário Barreto, que tinha sua oficina na Rua da Concórdia.

O tempo passou, a amizade foi crescendo, era Iolanda irmã de meu amigo Manuel Simões, quando chega às minha mãos os originais de Mundicarmo Ferretti, com o título: “Na batida do zabumba, no balanço do forró”.

Com o consentimento de sua autora, optamos por um novo título “Baião dos dois – A música de Zedantas e Luiz Gonzaga no seu contexto de produção e sua atualização na década de 70”, que veio ser lançado com prefácio de minha autoria em 1988, pela Editora Massangana da Fundação Joaquim Nabuco.

Nas nossas longas conversas tudo girava em torno do “Zé”, como se referia ela ao seu grande amor.

Passei a ser um dos vigilantes da sua memória, sempre chamando a atenção daqueles que teimavam em omitir o nome de Zé Dantas de suas interpretações, para isso sempre contando com o apoio dos amigos Toinho Alves e Marcelo Melo, do Quinteto Violado, e do próprio Luiz Gonzaga, que veio relançar o LP gravado em 1959 e relançado em 1970, Luiz Gonzaga canta seus sucessos com Zedantas, seguindo-se em 1962 da composição de Antônio Barros, Homenagem a Zé.

7 junho 2017 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa