14 junho 2017 FULEIRAGEM

CHICO CARUSO – O GLOBO

14 junho 2017 JORGE OLIVEIRA

UMA AFRONTA AO PAÍS

São graves as ameaças sofridas por Miriam Leitão por um bando de desocupados do Partido dos Trabalhadores. O fato aconteceu quando a jornalista se deslocava de Brasília para o Rio de Janeiro a bordo de um avião. Dezenas de petistas, lunáticos, seguidores da seita lulista, achincalharam a comentarista da Globonews e colunista do Globo e, por pouco, não a agrediram fisicamente. O constrangimento durou todo o tempo de viagem, cerca de duas horas, segundo revelou a própria Miriam na sua coluna no jornal carioca.

A reação dos facínoras do PT aos jornalistas que escrevem com independência sobre o escândalo de corrupção desses meliantes é motivada pelos discursos de Lula que conclama seus parceiros sindicais a tocar fogo no país. Os baderneiros, que ocupavam o mesmo voo da jornalista, também xingaram a TV Globo, onde ela trabalha, acusando a empresa de criticar seu líder, um político, segundo ele próprio, acima de qualquer suspeita. A manifestação desses analfabetos políticos é um sinal claro de que outras hostilidades vão ocorrer no país se o juiz Sérgio Moro condenar o chefe da organização criminosa.

Com as mordomais cortadas e alguns de seus líderes na cadeia, os petistas estão sentindo na pele o desemprego gerado por seu partido quando governou o país. Hoje mais de 14 milhões de trabalhadores vivem na marginalidade, fruto da administração desastrosa de Lula e Dilma à frente do comando da economia. Desgarrados das boquinhas dos cargos comissionados, muitos deles agora apontam seus mísseis para os jornalistas, culpando-os por dizerem a verdade sobre o maior assalto aos cofres públicos praticado pelo PT.

Miriam Leitão é uma jornalista íntegra, decente, que já passou por outros constrangimentos durante a ditadura militar quando foi presa e torturada. Brilhante como comentarista econômica, utiliza seu espaço para fazer análises abalizadas e imparciais sobre os problemas econômicos e sociais que atingem o Brasil. Não tem culpa de revelar aos brasileiros o quadro caótico da nação e o desserviço dos petistas quando ocuparam as estatais para se locupletarem do dinheiro público. Como ela, muitos outros profissionais desengajados de partidos políticos também escrevem com isenção sobre os fatos desabonadores do PT. Nem por isso, portanto, devem ser crucificados ou agredidos por esses dirigentes partidários e lunáticos ensandecidos.

Esses ataques a quem pensa diferente deles são feitos por militantes desqualificados, indecentes, truculentos e idiotizados. Merece todo repúdio dos brasileiros que veem nesse tipo de comportamento tresloucado de alguns trogloditas do PT uma maneira de coagir e silenciar a imprensa, práticas tão usadas por ditadores sanguinários, espúrios e nefastos que feriram a democracia em tempos recentes.

As autoridades brasileiras precisam estar atentas para impedir que casos como esses da Miriam não se propalem. Aliás, a Justiça deve punir com rigor esses provocadores para evitar que hostilidade desse tipo se espalhe pelo Brasil afora e vire uma baderna generalizada, pois se depender de Luiz Inácio as arruaças vão continuar como forma de intimidar a Justiça e os jornalistas que não estão a soldo da organização criminosa e nem rezam em sua cartilha ideológica.

Lula deve ser responsabilizado por qualquer ato hostil cometido por seus militantes. É dele a proposta para que seu exército vermelho, formado por delinquentes financiados pelos sindicatos e centrais, toque fogo no país. Já foi flagrado inclusive falando com o senador Lindbergh para “ir pro pau” contra o Temer, o vice que ele mesmo criou, ou para o “tudo ou nada”, o que mostra o caráter autoritário de um déspota desequilibrado e anacrônico que não se contenta com o fim do poder.

14 junho 2017 FULEIRAGEM

NICOLIELO – JORNAL DE BAURU (SP)

AÉCIO NEVES TEM FUTURO POLÍTICO?

14 junho 2017 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA (ES)

14 junho 2017 A PALAVRA DO EDITOR

O EDITOR PEDE AJUDA

Atenção, senhores militantes petistas que leem esta gazeta escrota.

Me ajudem a baixar o cacete no Corrupto Passivo Aécio Neves.

Nos últimos dias tenho feito um monte de postagens com este guabiru, e vocês não se manifestam nunca.

Este Editor não tem bandidos prediletos e baixa o cacete em todos eles.

Desde Aécio e Eduardo Cunha, passando por Renan e Romero Jucá, até chegar em Sarney e Edison Lobão.

Sem falar nos cacetes que tenho dado em Temer.

Repito: me ajudem a malhar o quase prisioneiro Aécio Neves.

Podem ficar quietos quanto a Lula, Dilma, Zé, Dirceu, Palocci e Vaccari.

E todos os tesoureiros do PT,

A gente entende.

Mas me ajudem a enfiar a pajaraca no furico do Cheiradorzinho.

Estou no aguardo, viu?

14 junho 2017 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

14 junho 2017 PERCIVAL PUGGINA

O “LADRÃO VACILÃO” E SEU CARRASCO

Estava em viagem, acompanhando com menos denodo os acontecimentos no Brasil e, por isso, apenas ontem tomei conhecimento do fato que dá motivo a estas considerações.

Uma coisa é a crescente indignação com nossa também crescente insegurança; outra é a vingança mediante aplicação de uma suposta justiça por meios próprios. Uma coisa é o legítimo direito de promovermos a defesa de nossos bens e da nossa vida mediante o uso de instrumentos de persuasão; outra é o uso desproporcional desses meios, mormente quando aplicados contra um indivíduo em estado de idiotia, incapaz de se defender.

Houve um tempo, na história da humanidade, em que a “justiça” se fazia mais ou menos assim. Por repetitivo que seja, sempre é bom lembrar que já no século XVIII a.C., o rei Hamurabi, unificador do império paleobabilônico, editou o código que leva seu nome e, nele, estabeleceu a lei de talião (resumidamente: “olho por olho, dente por dente”) para evitar reparações abusivas, que excedessem o dano causado. Assomos de vingança pessoal, linchamentos, e atos como o do tatuador, representam, pois, um recuo de 3800 anos na história da humanidade. O processo civilizador construiu outras referências, outros padrões de conduta e meios formais para realizar a justiça e buscar a sanidade nas relações sociais. Ou se adere a esses padrões que levam em conta a dignidade da pessoa humana, apesar das dificuldades e dos impulsos primitivos que coabitam em nós, ou retornamos à barbárie, à lei do mais forte. E isso é uma imprudência porque sempre haverá alguém mais forte do que nós.

É verdade que também regredimos na aplicação da justiça como a concebemos. Ela é lenta, ideologizada, pouco eficiente; o ladrão entra por uma porta da delegacia e sai pela outra. É verdade que essa sensação de impotência e quase inutilidade das instituições dá causa àquela indignação a que me referi acima. Mas sequer a soma de todas essas motivações autoriza a violência como a que foi exercida contra o rapaz por alguém que se fez juiz e agressor covarde de um indivíduo deficiente, e debochado carrasco de seu “réu” privado. Cometeu, assim, um crime muito mais grave do que o delito que o motivou àquela reação ferina. A conduta causa indignação. Mas essa indignação não autoriza quem quer que seja a tatuar-lhe na testa “carrasco e torturador”. Certo?

Devemos ser promotores da humanização da humanidade. E não o contrário disso. Então, assim como saúdo a solidária mobilização para restaurar o rosto do pressuposto ladrão vacilão – que rapidamente levantou milhares de reais – lamento a falta de solidariedade nacional em relação a tantas outras vítimas da violência e da criminalidade que não aparecem na imprensa, não são pauta nas redes sociais e não inspiram ações restauradoras de natureza pública ou privada.

14 junho 2017 FULEIRAGEM

ZOP – CHARGE ONLINE

LEITOR FAZ RECOMENDAÇÃO A COLUNISTA

Comentário sobre a postagem A TIMIDEZ JUDICIÁRIA E O ESTADO DE DIREITO

Luiz RP Aguiar:

“Pela sua insistência na defesa do Lula acredito que você tenha informações privilegiadas, leu todos os 13 processos em que ele está envolvido direta ou indiretamente (a maioria deles), teve acesso a todas as provas levantadas pela Polícia Federal, as argumentações dos promotores de justiça e procuradores da república, como também todo o material e contra argumentações da defesa (mais de 15 mil páginas e 1500 anexos contendo fotos, vídeos, planilhas, extratos bancários, extratos telefônicos, mensagens de SMS, etc.), e como profundo conhecedor das nuances jurídicas (quase um Gilmar Mendes) ter não só “convicção” mais absoluta certeza que Lula é INOCENTE de todas as acusações a ele imputadas por essa justiça corrupta e golpista.

Complementando:

Não só Lula é inocente como também o é Palloci, Zé Dirceu, Vaccari, Delúbio, Mantega, André Vargas, Edinho, Paulo Pereira (aquele que investiu em passista de escola de samba). Estes nunca praticaram tráfico de influência, prevaricação, enriquecimento ilícitos, falsas declarações de patrimônio, depósitos em paraísos fiscais, nunca utilizaram de facilidades de corruptores, etc, etc, etc…

Como tem certeza que os verdadeiros culpados são, única e exclusivamente, os empresários corruptores, as empresas e seus empregados, os doleiros, o porteiro do prédio do tríplex que não é dele, o caseiro do sítio que também não é dele, e todos os políticos que não são do PT, entenda-se o Delcidio e o Pedro Correia.

Também tem certeza absoluta que o MENSALÃO não existiu, e que eu não sendo tão convicto como você da inocência dos envolvidos no PETROLÃO sou um partidário da direita golpista.

Mas,

Se não leu todo o material do processo, não teve acesso aos anexos e, por conseguinte não os leu.

Discerniu que o Lula é inocente por fé, por fidelidade ao PT, por simpatia, ou por outras razões de foro intimo, vou parafrasear o que o Rei da Espanha disse em certa oportunidade para o ditador Hugo Chaves, “PORQUE NÃO TE CALAS!, e espera o resultado do julgamento do Lula em todas as instâncias, antes de fazer seu julgamento.

Recomendo também ler outros informativos midiáticos, além de BRASIL 247, CONVERSA AFIADA, ESQUERDA CAVIAR, ESQUERDA MARXISTA, que eram pagos com verba do governo.

* * *

14 junho 2017 FULEIRAGEM

SID – CHARGE ONLINE

HUMBERTO DE LUNA FREIRE FILHO – SÃO PAULO-SP

Revoltante tudo isso que o cidadão brasileiro, impotente, tem engolido a nível de governo e ainda ver o focinho de certos advogados, governadores, deputados e senadores defendendo duas coisas que nos foram empurradas de goela abaixo por um eleitorado de analfabetos, semianalfabetos e comprados – o jerico pernambucano e a anta mineira.

Essas duas coisas juntas quebraram o Brasil.

De 2003 a 2016 essas duas coisas, difícil de classificar, juntas, criaram a maior organização criminosa já vista na face da terra.

Ao longo de 14 anos, aboliu a ética e a moral na política e desmoralizou o Brasil

A máfia italiana, a máfia americana e a máfia japonesa foram desmoralizadas.

A capital da república transformou-se em um criadouro de bandidos, com sede na praça dos Três Poderes.

Jamais o arquiteto Oscar Niemeyer imaginaria que os porões de seus palácios, fosse um dia, abrigar tantos ratos de duas patas.

14 junho 2017 FULEIRAGEM

GENILDO – CHARGE ONLINE

14 junho 2017 DEU NO JORNAL

OS GOLPISTAS DA GRANDE MÍDIA EM AÇÃO MAIS UMA VEZ

* * *

Eu não acredito nisto de modo algum.

Isto é coisa da grande mídia golpista e reacionária.

Tenho certeza que esta notícia foi forjada na Sala de Guerra da Globo.

O Instituto Gilmar Mendes é tão impoluto e probo quanto o Instituto Lula.

São duas entidades ilibadas e de altíssimo nível.

Aproveito a oportunidade pra informar a Joesley Safadão, dono da J&F, que o Instituto Luiz Berto está pronto pra receber qualquer quantia.

Qualquer pixuleco será muito bem vindo.

* * *

* * *

“Cumpanhero Gilmar, o Instituto Luiz Berto tá morrendo de inveja dos instituto de nóis dois”

14 junho 2017 FULEIRAGEM

FERNANDO – JORNAL DA CIDADE DE BAURU (SP)

MENTIROSA REACIONÁRIA GOLPISTA: SÓ PODIA MESMO TRABALHAR NA GLOBO

Comentário sobre a postagem O ÓDIO A BORDO

Glória Braga Horta:

“Eu, Glória Braga Horta, sou contra a violência, tanto de cá como de lá, e acho que todos nós somos vítimas desse desgoverno. O povo está escaldado por ver tanta corrupção, impunidade e parcialidade por parte da mídia e da Justiça.

Isso que ocorreu com Miriam Leitão foi um fato que ocorre com todos.

Dilma foi vaiada durante um jogo de futebol, e mandada TNC por uma direita violenta e prepotente, e nem por isso se fez de vítima desse jeito.

Você, Miriam, devia saber que o que ocorreu com você são os ossos do ofício.

Mesmo assim, sinto muito, se é que o fato foi realmente como você relatou. Nessa onda de “vale tudo”, cada um que cuide do seu.

Em post em seu Facebook, o advogado Rodrigo Mondego disse que estava no voo em que houve o incidente e que a colunista do Globo mentiu em seu relato.

Cara Miriam Leitão, a senhora está faltando com a verdade! Eu estava no vôo e ninguém lhe dirigiu diretamente a palavra, justamente para você não se vitimizar e tentar caracterizar uma injúria ou qualquer outro crime. O que houve foram alguns poucos momentos de manifestação pacífica contra principalmente a empresa que a senhora trabalha e o que ela fez com o país. A senhora mente também ao dizer que isso durou as duas horas de vôo, ocorreu apenas antes da decolagem e no momento do pouso“, diz Mondego.

Se a carapuça serviu com os gritos de ‘golpista’, era só não ter apoiado a ação orquestrada por Eduardo Cunha e companhia, simples. E seja sincera, senhora odeia o Partido dos Trabalhadores e o atacou das mais diversas formas na última década, aceitando inclusive se aliar com os que antes foram seus algozes na ditadura militar“, acrescentou Mondego.

* * *

Míriam hoje, odiando furiosamente o PT e aliada aos seus algozes, e ontem, fichada como terrorista

* * *

Coxinhas e mauricinhos, todos da direita violenta e prepotente, disfarçados de torcida; são todos bilionários capitalistas, mandando Dilma tomar no cu em pleno Maracanã:

14 junho 2017 FULEIRAGEM

PAIXÃO – GAZETA DO POVO (PR)

NÃO HÁ INGÊNUOS NESSE PROSTÍBULO

A entrada dos irmãos Batista de Anápolis, Goiás, no noticiário político-policial com a visita de Joesley ao presidente Michel Temer no porão do Jaburu inicia uma devastação de reputações. A primeira é a do anfitrião, Temer, que já havia sido citado em delações e se comporta de forma permissiva com seus sete ministros delatados. No caso dele, parecia ponto pacífico que não seria atingido por investigação policial, acusação do Ministério Público nem condenação judicial, pois só pode ser incriminado por delitos cometidos no exercício da Presidência.

Com a delicada situação política e a necessidade de confiabilidade para conduzir a economia à recuperação, parecia difícil ele se arriscar a um flagrante. A visita de Joesley surpreendeu a todos, pois nada a justifica, a não ser a certeza absoluta da impunidade e o total desprezo pela inteligência alheia. No entanto, deu-se o que menos se esperava: uma delação premiada (!) dos acionistas e executivos da holding J&F e uma ação programada da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público Federal (MPF) flagraram Temer ouvindo um delinquente, acusado em cinco operações policiais, a confessar delitos que levantam suspeitas claríssimas de crimes cometidos de corrupção passiva, organização criminosa e obstrução da investigação. Mas, em vez de negar com fatos as acusações, Temer mostrou-se obsessivo em ficar no governo, alegando que precisa completar sua cruzada contra a recessão e tendo a seu favor a indefinição quanto à sua substituição.

Após O Globo ter noticiado o prêmio excessivo aos irmãos Batista, a Veja informou que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) foi encarregada de encontrar algum deslize na biografia do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin, que homologou a delação premiada. Isso para evitar que ele relate a investigação pedida pelo procurador-geral da República, Rodrigo, Janot, que acusa Temer de tais delitos. E Eliane Cantanhêde relatou a descoberta de grampo em telefone da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Em nota oficial, o Palácio do Planalto assegurou que o presidente jamais mandou a Abin investigar Fachin e também que “o governo não usa a máquina pública contra os cidadãos brasileiros, muito menos fará qualquer tipo de ação que não respeite os estritos ditames da lei”. A revista identificou a fonte como um auxiliar do presidente “que pediu para se manter no anonimato porque não está autorizado a falar publicamente sobre o assunto”. Mas a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, retrucou, também em nota, que é “inadmissível a prática de gravíssimo crime contra o Supremo Tribunal Federal, se confirmada a informação divulgada pela revista”. Para ela, essa prática é “própria de ditaduras”.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por sua vez, divulgou nota afirmando que, “a se confirmar tal atentado aos Poderes da República e ao Estado de Direito, ter-se-ia mais um infeliz episódio da grave crise de representatividade pela qual passa o País”. Segundo ele, na hipótese de confirmação da notícia, “em lugar de fortalecer a democracia com iniciativas condizentes com os anseios dos brasileiros, adotam-se práticas de exceção”.

Todos têm alguma razão, mas ninguém a tem por inteiro. Absolvido por 4 x 3 pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o presidente saiu ileso na Justiça Eleitoral em episódio conhecido como “o enterro das provas vivas”. E tergiversa ao responder às acusações que lhe são feitas. Em vez de explicar seu mutismo perante o visitante “falastrão”, usa argumentos paralelos que em nada o inocentam. E não respondeu às 82 perguntas da Polícia Federal no inquérito sobre a visita de Joesley, preferindo representar o papel de Lula perante a Lava Jato e Moro: o de humilhado e ofendido, que não lhe cai bem. Mas a unanimidade popular que o reprova também não aceita a anistia dada pelo MPF e pelo STF aos criminosos confessos da J&F.

Fachin ainda não desmentiu categoricamente os cochichos de corredor que narram suas visitas a senadores para ser aprovado para o STF acompanhado por um dos delatores premiados da J&F, Ricardo Saud. Se todos os ministros do Supremo fizeram idêntico périplo na vez deles, também devem explicações ao distinto público. E decerto não cabe a Cármen Lúcia tentar tapar com a peneira da ditadura as evidências solares de que o acordo feito com os delatores foi benéfico demais para eles. Há mistérios demais nesse caso, que não comporta falta de transparência. Diz-se que os irmãos Batista foram ameaçados de morte e por isso lhes foi concedida fuga protegida para o exterior. Mas até agora ninguém apresentou uma evidência sequer de tais ameaças e isso protege ao mesmo tempo as eventuais vítimas e seus possíveis algozes. Joesley teve a ousadia de gravar a maior autoridade do País, mas não fez o mesmo para comprovar as ameaças que teria recebido.

Para fazer justiça, urge pôr essas conversas todas a limpo, sem continuar escondendo suas verdadeiras motivações. Antes de flagrado, Temer disse que quem, como ele, foi secretário de Segurança de São Paulo e presidente da Câmara dos Deputados não pode ser acusado de ser ingênuo. Agora, a única justificativa que encontrou para explicar as causas e circunstâncias de sua conversa suspeita em palácio foi ingenuidade. Está na hora de esclarecer tudo, partindo de um pressuposto comum: não há ingênuo algum nessa presepada. Nenhuma das personagens citadas é tolinha nem pode fingir-se de quadro de São Jorge em prostíbulo, metáfora usada por Gilmar Mendes. Nesse prostíbulo metafórico onde atuam todos não há quadros de santos nas paredes. Apenas cartazes de “procura-se”.
E que ninguém me venha com essa patacoada de que não há substitutos para os mandatários dos três Poderes atingidos no tiroteio. Há, no mínimo, 200 milhões de brasileiros honestos o suficiente para substituí-los nas tarefas que poucos deles não desonraram.

14 junho 2017 FULEIRAGEM

CLAYTON – O POVO (CE)

14 junho 2017 DEU NO JORNAL

A FILA TÁ ANDANDO… MAS TÁ FALTANDO GENTE…

O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, foi condenado pelo juiz Sérgio Moro – responsável pelos processos da Operação Lava Jato em primeira instância – a 14 anos e 2 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A decisão foi publicada no sistema da Justiça Federal do Paraná nesta terça-feira (13).

Além desse processo, Cabral é réu em outras nove ações, que são analisadas no Rio de Janeiro.

Esta é a primeira condenação de Cabral no âmbito da Lava Jato.

* * *

O injusto e perseguidor Juiz Sérgio Moro condenou Cabral. Mas absolveu a esposa dele, Adriana Ancelmo, das acusações de corrução passiva e lavagem de dinheiro “por falta de provas“.

Diz a notícia que esta é “a primeira condenação na Lava Jato“.

Gostei desta ressalva. Ainda tem as outras guabirutagens de Cabral que não estão no âmbito da Lava Jato.

Bom, pelo menos a fila tá andando.

A prisão de Aécio está oficialmente pedida. A irmã dele, Andréa, ex-governadora de fato das Minas Gerais, já está mijando de coca no xilindró.

Mas ainda falta gente…

Gente que fez campanha pra eleger um ladrão do porte astronômico de Cabral.

Não resisto à tentação de repetir o que Lapa de Desonesto cagou oralmente em seu discurso:

“Votar no Sérgio Cabral é quase que uma obrigação moral, ética, política. É um compromisso de honra pra quem quer garantir um futuro melhor para os nossos filhos, para os nossos netos, para aqueles que a gente ama, porque este homem já provou que é um homem de bem”.

Eu fico tão entusiasmado que chega me dá vontade de bater palmas:

Clap, clap, clap, calp!!!!

14 junho 2017 FULEIRAGEM

MIGUEL – JORNAL DO COMMERCIO (PE)

VELHAS NOVIDADES

O veterano Repórter Esso, que marcou época no rádio e na TV, tinha como lema “o primeiro a dar as últimas”. Os noticiários do Brasil, hoje, são os de sempre, divulgando o de sempre. Novidades? Preferem velhidades. Para todos nós, resta a impressão de que só há notícias bem antigas.

O PSDB fica no Governo, como ficou sempre que pôde. Claro, dizem que é para garantir a governabilidade e a estabilidade do país e os avanços na economia. Nada a ver com cargos e verbas, claro. Puro patriotismo.

Lula diz que o PT tem muito a ensinar aos outros partidos. Não é bem assim: com Mensalão, Petrolão, empreiteiras amigas, açougueiros amigos, propriedades que não são dele, nunca antes na História desse país partido nenhum girou tanto dinheiro. Mas o PMDB é mais competente: participou da farra petista e continuou no poder quando o PT caiu. O PT, na busca de pixulecos, perdeu gente de nível, como Hélio Bicudo, Paulo de Tarso Venceslau (que, além de sair, fez as primeiras denúncias de malfeitos petistas), Erundina. O PMDB fez igual e não perdeu ninguém. O PSDB, este tem a aprender. Não é questão de ética: há muito tucano, incluindo seu candidato à Presidência, em listas de denunciados. Nem de caráter: a ala jovem tucana, que era contra ficar no Governo, resmunga mas ficou. Miguel Reale Jr., 73, foi quem saiu do partido. Pergunta que os líderes tucanos não fizeram: se o PSDB é igual aos outros, por que ficar lá?

Alto nível

O PSDB promoveu uma reunião de altíssimo nível para decidir o que fazer. Havia quatro governadores, Geraldo Alckmin, de São Paulo, Beto Richa, do Paraná, Marconi Perillo, de Goiás, e Simão Jatene, do Pará, quatro ministros, Bruno Araújo, Aloysio Nunes, Antônio Imbassahy e Luislinda Valois, dois prefeitos de capitais, Arthur Virgílio Neto, Manaus, e João Dória, São Paulo, mais um carro Gol lotado com a ala jovem tucana. Decidiram que ficar no Governo é melhor do que na oposição.

Exemplo partidário

O PMDB é coerente: está sempre com o Governo. O Governo muda, o PMDB fica. Ninguém desvia o PMDB de seus ideais.

De um lado a outro

Quando os fundadores do PSDB resolveram tomar rumo próprio, eram classificados como “a consciência do PMDB”. Tinham deixado o partido por não concordar com seus rumos. Mas, se os tucanos deixaram o PMDB, o PMDB não deixou os tucanos. O PSDB esteve em todos os governos, exceto o de Collor – e só porque Mário Covas, governador de São Paulo, impediu a adesão (Collor queria Serra e Fernando Henrique no Ministério). Mas há uma diferença entre Reale Jr. e Covas: Reale Jr. tem prestígio, caráter, e Covas tinha o Governo paulista.

A força da palavra

Miguel Reale Jr. tem também o dom da palavra. E está indignado:

“É difícil sair de um partido do qual fui vice-presidente em São Paulo, amigo de todos os dirigentes, em que compartilhei ideais e esperanças. Mas desisti diante de tantas vacilações e fragilidades. Não se pode ser fraco diante da afronta à ética.” E, referindo-se à fama tucana de sempre ficar em cima do muro, previu o futuro do PSDB: “Espero que o partido encontre um muro suficientemente grande que possa servir de túmulo”.

O TSE é só nosso

Do repórter Cláudio Tognolli: “Só no Brasil o juiz Napoleão cita o Alcorão, pede guilhotina para os jornalistas e fica tudo por isso mesmo”.

O voto do TSE…

Houve quem aprovasse e quem criticasse a decisão do Tribunal Superior Eleitoral. Os dois lados têm leis para citar (e citam só a parte da legislação que melhor atenda às suas preferências políticas). O fato é que as leis devem ser interpretadas, e quem decide é a Justiça. Ponto final.

Decisão judicial se cumpre, mas pode-se (e deve-se) discuti-la. A posição de um dos procuradores da Lava Jato contra a decisão, porém, não pode ser aceita: primeiro, porque os procuradores têm o direito de propor, mas não de decidir; quem decide são os juízes, ouvidos obrigatoriamente os advogados que defendem os réus. Insultar os juízes, faltando-lhes com o respeito, e classificando o voto dos que não concordam com os promotores de “verdadeiro cúmulo do cinismo”, é um excesso que também deve ser discutido. E os próprios procuradores devem, entre si, iniciar a discussão.

…e suas consequências

A senadora Kátia Abreu, antiga líder dos ruralistas, ex-DEM, ex-PSD, hoje PMDB, que era ferozmente antipetista e virou amiga de infância de Dilma, quer vê-la candidata ao Senado ou à Câmara pelo Tocantins. Dilma sairia pelo PT e Kátia a apoiaria pelo PMDB. Mas já há reações: no Estado, entidades antipetistas estão organizando o movimento “Aqui, não!”

14 junho 2017 FULEIRAGEM

DUKE – O TEMPO (MG)

LIDERANÇA DO DEM – BRASÍLIA-DF

Emenda de Aleluia é aprovada e parte de recursos de precatórios será destinado à Educação

Atento à situação da educação, o deputado José Carlos Aleluia (BA) apresentou, no plenário da Câmara, um substitutivo ao Projeto de Lei 7626/17, aprovado hoje na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), para que parte do valor cancelado de precatórios e de Requisições de Pequeno Valor (RPV) federais seja destinado à educação. “Nossa emenda destina pelo menos 20% do que for recuperado para investimentos em Educação, onde nosso ministro Mendonça Filho tem feito um trabalho excelente”, argumentou.

O projeto foi aprovado há pouco pelos deputados no plenário da Câmara. O PL 7626/17 prevê o cancelamento os precatórios e as RPVs depositados há mais de dois anos em banco federal e que não foram sacados pelos beneficiários. “São recursos que estão lá parados e que poderão ser muito úteis à recuperação econômica do país”, ponderou Aleluia.

O parlamentar baiano ressaltou o bom trabalho que a equipe econômica vem realizando. “A inflação está sob controle, os juros mais baixos, indústria e comércio tem tendência de alta em suas atividades e até o emprego vem apresentando números promissores”, destacou. “Essa ideia de resgatar os precatórios é uma alternativa interessante para trazer recursos ao caixa da União e garantir investimentos em áreas fundamentais como a educação, por exemplo”, justificou.

Pelo texto aprovado, o cancelamento será operacionalizado mensalmente pelo banco onde o recurso está depositado, com a transferência dos valores para a Conta Única do Tesouro Nacional.

Precatório é uma requisição de pagamento em dinheiro de uma dívida reconhecida em uma ação judicial transitada em julgado (com decisão definitiva). Os precatórios resultam de ações contra a União, os estados, Distrito Federal e municípios. As RPVs também são oriundas de ações contra o poder público, reconhecidas pela Justiça, porém com valor limitado a 60 salários mínimos.

A proposta, entretanto, não extingue de forma definitiva o direito do credor, pois abre a possibilidade de expedição de novo requerimento do beneficiário para expedição de novo precatório ou nova RPV, mantendo a mesma posição antes ocupada na ordem para pagamento da respectiva dívida.

R. Confesso que num intendo…

Num intendo mesmo…

Tanto blog, página e jornal importante nesta imensa Banânia, e a Liderança do DEM fica mandando mensagens aqui pro JBF pra divulgar as grandes realizações dos seus parlamentares.

Que coisa estranha…

Aliás, pensando bem, todo partido escroto tem mesmo que divulgar suas besteiras numa gazeta escrota.

Do PT ao PSDB, passando pelo DEM e pelo PMDB.

14 junho 2017 FULEIRAGEM

PATER – A TRIBUNA (ES)


O BRASIL É UM PAÍS? COMO É E COMO VIVE SUA GENTE?

Se tomarmos por base analítica os últimos 15 anos e compararmos os avanços sociais que aconteceram no Brasil, tendo como parâmetro o custeio financeiro e o desgaste moral de tudo que aconteceu, ao final veremos que não evoluímos em praticamente nada.

O Brasil enfrenta hoje uma crise moral. Falta de credibilidade, dívida interna, saúde e educação capengas apesar do absurdo de milhares de milhões que saem dos cofres via arrecadação e são transformados não se sabe em que.

A corrupção fincou pé e está institucionalizada. Como disse algum dia Ruy Barbosa, diante de tanta desfaçatez e de tanta roubalheira, é crescente o número de pessoas que sentem vergonha de se dizerem honestas.

I

Faz tempo que estudei Geografia – na época, dividida em Geografia Geral e Geografia do Brasil, ambas tratadas por Aroldo de Azevedo (Aroldo Edgard de Azevedo) um dos melhores professores daqueles tempos. A Geografia do Brasil tratava dos relevos, rios, estados e demais riquezas e acidentes geográficos da nossa terra. A Geografia Geral, além dos demais países, tratava também de muita coisa que já não é a mesa nos dias de hoje.

Mas, se fizermos uma impossível “salada” com tudo que é nosso (ainda) de que tratava Aroldo de Azevedo, caberá fazermos uma pergunta: “que País é realmente o Brasil, em todos os aspectos sociais num somatório com a Geografia?

Quando aqui chegaram os descobridores, os livros narram que apenas os índios ocupavam as terras, que mais tarde chegariam escravos procedentes da África via Oceano Atlântico – e, finalmente chegariam degredados europeus da pior espécie, somando para a “salada” que acima nos referimos. Hoje percebe-se que essa “salada” não tem bons legumes nem boas verduras e muito menos boas frutas.

Somos hoje, isso sim, um país de merdas. Merdinhas. Insignificantes. E, dizem, com um forte contingente de ladravazes que cultivam primeiro para si a abrasileirada “Lei de Gerson”.

Estamos no mato, perdidos, e até o cachorro vira-latas que nos seguia já foi roubado – provavelmente para fazer linguiça ou para incluir no item de exportação para o Oriente. O PIB tem que subir, custe o que custar.

Que país (além do Brasil, claro) deste planeta resistiria a tantos desmandos e a tanta roubalheira durante tantos anos?

Vejamos: tem quem afirme que, na última Copa do Mundo de Futebol, realizada no Brasil, ao sofrermos uma goleada de 7 a 1 para a Alemanha, teria havido mutretagem. Se houve, quem lucrou com a nossa vergonha? Ainda no futebol, o que justifica a construção das arenas de Manaus e Mato Grosso a partir do estágio zero e, por que a arena do Atlético/PR foi destruída para, no mesmo local ser erigida outra?

Não nos cabe acusar esse ou aquele, e aprendemos que devemos respeitar nossas instituições – principalmente quando não temos elementos que nos autorizem achincalhar.

A foto nem precisa de legenda – independentemente de que país seja

É preocupante que, no rol do que se critica tanto e da forma mais escancarada possível, esteja o poder judiciário. O cidadão brasileiro tem, literalmente e todos os dias, “caído de pau” no poder judiciário, acusando de abrir os olhos além da conta para uns e fechando para outros tantos.

Estranho, também que, até briga de galo ou sexo dos anjos tenha que ser decidido pelo STF, quando nos parece que nem haveria necessidade disso. Também estranhamente, circulam afirmações nas redes sociais, dando conta que alguns ministros do STF dão mais entrevistas que Messi, Cristiano Ronaldo, Tite, ou muitos jogadores da NBA. Dizem também, que, em muitos países, nem se sabe se existe a Suprema Corte ou quem são os seus componentes. Mas aqui é Brasil e Brasil não é um país deste planeta.

II

Segundo dados que parecem oficiais, a quantidade de desempregados no Brasil, após a crise eclodida a partir dos últimos anos do governo Dilma (onde, recorrentemente se pensou mais em benefícios de projetos sociais), já ultrapassou os 14 milhões de brasileiros sem carteira profissional assinada.

O desemprego cresce. Mas, paralelamente, o desemprego é acompanhado pela falta de uma qualificação adequada em quase todos os setores da sociedade. Cada vez mais se exige qualificação mas, ainda assim o desemprego aumenta à proporção que o tempo passa.

A foto mostra o desnível entre o profissional e o que ele faz

III

Nesse item o Brasil ocupa posição privilegiada

Pode até não ser nenhum mérito, mas podemos afirmar que também não é demérito. Enquanto patina no quesito credibilidade, na transparência, na indecência da educação e da saúde pública – no quesito mulher, o Brasil ocupa posição destacada. E é com mulher como essa que a foto mostra que definitivamente esquecemos o crescente número de homossexuais que ainda não provaram carne desse nível. Pior para eles e melhor para quem gosta.

14 junho 2017 FULEIRAGEM

RONALDO – JORNAL DO COMMERCIO (PE)

14 junho 2017 DEU NO JORNAL

CABRA BONITO!

* * *

O que eu gostei mesmo nesta manchete aí de cima foi do fucinho de Joesley Safadão.

Ele num tá lindo???

Igualzinho um vilão de novela da Globo.

A imponência da imagem do Corruptor Ativo é bem maior que o valor dos repasses que ele fez pra Lula e Dilma, míseros 150 milhões.

De dólares.

Em depósitos no exterior.

Escrevendo tudo, chegamos a 11 algarismos:

US$ 150.000.000,00

Com mais 2 algarismos, teríamos um total de 13…

14 junho 2017 FULEIRAGEM

MYRRIA – A CRÍTICA (AM)

PRONTO-SOCORRO GILMAR MENDES: SÓ PARA AMIGOS NA MIRA DA JUSTIÇA

Gilmar Mendes abraça Michel Temer durante cerimônia no TSE

Uma imensidão de brasileiros descobriu na semana passada que o Tribunal Superior Eleitoral é presidido por um ministro da defesa de réus soterrados pela avalanche de provas do crime. Quem acompanha a trajetória de Gilmar Mendes sabe disso pelo menos desde 2008, quando esse mato-grossense de Diamantino assumiu a presidência do Supremo Tribunal Federal — e passou a mostrar que o professor de Direito Constitucional era a fachada que camuflava um doutor em absolvição de culpados.

Em 27 de agosto de 2009, por exemplo, Gilmar conseguiu arquivar “por falta de provas” a denúncia que identificava Antonio Palocci como o mentor da violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa, que testemunhara as frequentes aparições do ainda ministro da Fazenda na suspeitíssima “República de Ribeirão Preto”. Para inventar o estupro encomendado sem mandante, valeu-se do duplo papel de presidente da corte e relator do caso.

O relator negou-se a enxergar a catarata de evidências. O presidente foi o primeiro a votar pelo sepultamento da bandalheira. A mentira venceu por 5 a 4 porque Gilmar, como reafirma o vídeo abaixo, não viu nada de mais. Talvez aceitasse a denúncia se Palocci fosse pessoalmente à agência da CEF, obrigasse o gerente a mostrar-lhe a conta e convocasse uma entrevista coletiva para confessar o que fizera. Como não agiu assim, sobrou para o caseiro.

Por ter contado a verdade, Francenildo perdeu o emprego, o sossego, a mulher e a chance de conseguir trabalho fixo em Brasília. O culpado ficou dois meses deprimido com a perda do emprego, elegeu-se deputado federal, coordenou a campanha de Dilma Rousseff, virou chefe da Casa Civil, teve de cair fora do primeiro escalão por ter enriquecido como facilitador de negociatas disfarçado de “consultor”, voltou ao palco para ajudar a candidata à reeleição e acabou no pântano drenado pela Lava Jato.

Preso em Curitiba desde 26 de setembro de 2016, Palocci tentou recentemente escapar pela trilha que começa na Segunda Turma do STF. O malogro da tentativa de ser resgatado da cela pela trinca formada por Gilmar, Lewandowski e Toffoli convenceu o ex-ministro a buscar um acordo com o Ministério Público Federal. No momento, o Italiano da Odebrecht ensaia a delação premiada que assombra as madrugadas de Lula. Promete fazer revelações que comprometem banqueiros e empresários. Tomara que não se esqueça do Poder Judiciário.

Em dezembro de 2009, enquanto Palocci saboreava o regresso à Câmara dos Deputados, Gilmar valeu-se de um habeas corpus para devolver à liberdade o médico Roger Abdelmassih, engaiolado desde agosto pela autoria de pelo menos 56 crimes sexuais contra 37 pacientes e condenado a 278 anos de prisão. Convencido de que o popstar da inseminação artificial já não ameaçava ninguém por ter sido proibido de exercer a profissão, decidiu que quatro meses de confinamento estavam de bom tamanho.

Em 2011, a polícia comunicou à Justiça que Abdelmassih havia regularizado o passaporte e pediu autorização ao STF para prendê-lo antes que fugisse. De novo, Gilmar garantiu-lhe o direito de ir e vir, que usou em 2011 para ir embora do Brasil e não voltar. Foi recapturado três anos mais tarde, quando saboreava a vida mansa no Paraguai. Hoje é um dos hóspedes do presídio de Tremembé.

Nos anos seguintes, a agenda sempre sobrecarregada de Gilmar Mendes não deixou de abrir espaço para atendimentos de emergência a amigos do Estado natal, sobretudo aos que reconhecem e festejam a influência do ministro. Em 10 de maio de 2013, ao receber a medalha da Ordem do Mérito de Mato Grosso, o homenageado incluiu nesse grupo de elite o governador Silval Barbosa: “Somos amigos há muito anos, sempre tivemos conversas proveitosas”, diz Gilmar no vídeo abaixo. Uma dessas conversas proveitosas ocorreria um ano mais tarde, quando a residência de Silval foi alvo de um mandado de busca e apreensão executado pela Polícia Federal.

Ao vasculharem a casa do político investigado no Supremo Tribunal Federal por corrupção, os agentes da PF encontraram uma pistola com registro vencido. Depois de pagar a fiança fixada em R$ 100 mil, Silval teve prontamente atendido o pedido de socorro a Gilmar, como atesta o áudio abaixo.

– Governador, que confusão é essa!!!??? – ouve-se a voz de Gilmar Mendes num tom que desenha um buquê de pontos de exclamação e interrogação.

– Barbaridade, ministro, isso é uma loucura! – ouve-se a voz de Silval Barbosa num tom de quem faz o possível para simular espanto.

– Que coisa! Tô sabendo isso agora! – Gilmar continua perplexo.

– É… é uma decisão aí do Toffoli – começa o cortejo de palavras desconexas, frases truncadas e explicações incoerentes, interrompido a cada meia dúzia de sílabas por vírgulas bêbadas e reticências que denunciam a ausência de álibis. Entre um e outro hum-hum rosnado por Gilmar, o governador menciona Blairo Maggi, uma delação premiada e denúncias envolvendo a campanha eleitoral de 2010 que nem sabe direito quais são. Precisa conferir o processo. – É uma loucura, viu? – recita com voz chorosa.

– Que loucura!, que loucura! – concorda Gilmar, antes de avisar que o socorro está a caminho. – Eu vou ver. Vou agora para o TSE conversar com o Toffoli.

O governador repete o falatório incongruente. O ministro do STF reitera a promessa de ajuda:

– Eu vou lá e, se for o caso, depois a gente conversa – combina Gilmar, que se despede com “um abraço de solidariedade”.

Silval pôde dormir em sossego enquanto desfrutou do foro privilegiado. Terminado o mandato, ficou exposto a instâncias do Judiciário fora do alcance do nada santo protetor de corruptos. Em 17 de setembro de 2015, depois de ficar foragido por dois dias para escapar da prisão preventiva decretada pela juíza Selma Arruda, Silval entregou-se à Justiça. Passados quase dois anos, continua engaiolado. Mas não parece figurar na agenda de preocupações do especialista na absolvição de culpados.

Gilmar, que vive prometendo marcar encontros com “as prisões alongadas ocorridas em Curitiba”, não deu as caras na cadeia que há quase dois anos aloja Silval. Feroz inimigo de delações premiadas, decerto não gostou de saber que o ex-governador negocia um acordo com a Justiça que o obrigará a contar tudo o que sabe. A amizade entre essas duas celebridades mato-grossenses pode estar perto do fim.

Como reiterou a entrevista publicada pela Folha nesta segunda-feira, Gilmar vê no espelho uma figura onipotente, onisciente e onipresente. Mas mesmo quem pode muito não pode tudo. Já não pode, por exemplo, livrar Aécio Neves da enrascada em que se meteu com a divulgação da conversa telefônica em que tentou conseguir R$ 2 milhões de Joesley Batista – e mostrou ao país que um ex-candidato à Presidência da República também sabe falar um subdialeto de encabular o mais desbocado brigão de cortiço.

Até então, o senador mineiro figurou na lista VIP dos clientes do ministro. Aos integrantes desse grupo é permitido até pedir que um ministro do Supremo interfira em votações no Senado, como atesta a gravação abaixo reproduzida, que registra o diálogo entre entre Gilmar e Aécio ocorrido em 26 de abril deste ano. Ou pode, como fez Michel Temer, pedir ao presidente do TSE que o absolva por excesso de provas. Foi a maior vitória do Juiz dos Juízes. Talvez tenha sido a última.

14 junho 2017 FULEIRAGEM

PATER – A TRIBUNA (ES)

AH, BOM… AGORA TÁ EXPLICADO: A CULPA É DA SALA DE GUERRA DA GLOBO

Comentário sobre a postagem O ÓDIO A BORDO

Glória Braga Horta:

“Em nota assinada pela recém-eleita presidente Gleisi Hoffmann, o Partidos dos Trabalhadores (PT) ‘lamenta o constrangimento’ sofrido pela jornalista e colunista do GLOBO Míriam Leitão em voo de Brasília para o Rio de Janeiro no último sábado.

Conforme o relato em sua coluna desta terça-feira, Míriam foi alvo de contínuas hostilidades e agressões verbais por parte de dirigentes do PT que retornavam para o Rio após o congresso do partido no último sábado.

Depois de dizer que orienta sua militância a “não agredir qualquer pessoa por suas posições políticas ou ideológicas”, o partido atribui o acirramento no país ao trabalho da imprensa.

A Rede Globo, empresa para a qual trabalha a jornalista Miriam Leitão, é, em grande medida, responsável pelo clima de radicalização e até de ódio por que passa o Brasil“, diz a nota do PT.

Leia mais clicando aqui 

* * *

Sala de Guerra da Globo, local onde foi tramada a agressão contra a jornalista Míriam Leitão, funcionária desta emissora que é responsável  por toda a radicalização e todo ódio em que vive Banânia mergulhada, desde a prisão de Eduardo Cunha até o pedido de prisão de Aécio Neves, cuja irmã já está atrás da grades; é muito ódio e muita radicalização que esta Globo provoca, inclusive com a homofobia em suas novelas

* * *

A Rede Globo foi quem incitou a deputada petista Benedita da Silva a convocar a população para pegar em armas e provocar um bíblico derramamento de sangue

14 junho 2017 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA (ES)

SANTO ANTÔNIO, O NOSSO MILAGREIRO

SANTO ANTONIO

O nosso Glorioso Santo Antônio, Padroeiro de Pernambuco, cuja data, por todos nós festejada no dia 13 do mês de junho, é segundo o historiador pernambucano Evaldo Cabral de Mello, o maior dos nossos milagreiros.

Segundo ele ainda hoje um historiador eclesiástico constata que “de todos os taumaturgos da igreja latina, nenhuma dispõe de clientela tão numerosa”; primado explicável pela sua função de santo do quotidiano, a quem se apelava nas dificuldades da vida diária, vezo que, aliás, o padre Antônio Vieira já criticava no Maranhão dos meados do século XVII.

“Muitos cuidam que se aproveitam das maravilhas de Santo Antônio, empregando a valia deste santo para o remédio das coisas temporais, e isto é desperdiçá-las.” E exemplificava: “Se vos adoece o filho, Santo Antônio; se vos foge o escravo, Santo Antônio; se mandais a encomenda, Santo Antônio; se esperais o retorno, Santo Antônio; se requereis o despacho, Santo Antônio; se aguardais a sentença, Santo Antônio; se perdeis a menor miudeza de vossa casa, Santo Antônio; e talvez se quereis os bens da alheia, Santo Antônio.” Além desta função de “paráclito universal”, que o fazia pau para toda obra.

Santo Antônio era sobretudo, como dizia o padre Vieira, um santo “deparador”, isto é, recuperador das coisas perdidas. “Deparar coisas perdidas é o gênio e a graça particular de Santo Antônio.” “Deus, como autor de todos os bens, é o que os dá; é o que os recupera.” Deus dera o Brasil aos portugueses; o flamengo herege usurpara-o; Santo Antônio lho restituiria. Em vista de devoção geral por Santo Antônio, era mister alistá-lo, mobilizando o ânimo tíbia da população luso-brasileira; e para tanto cumpria decifrar os signos da sua proteção sobrenatural à empresa.

Ao contrário da devoção a Nossa Senhora dos Prazeres, mas analogamente ao que se verifica em Nossa Senhora da Luz, a escolha de Santo Antônio pressupôs o seu culto no Pernambuco ante bellum; o êxito da ‘guerra da liberdade divina’ consolidará sua preeminência no imaginário religioso da capitania, ao conferir-lhe o cariz se santo militar.

TAMBÉM VEREADOR

Recentemente muita celeuma veio a ser causada por conta do soldo de vereador atribuído a Santo Antônio de Lisboa pela Câmara de Igarassu, fazendo honrar ao título que lhe foi concedido pelo Rei de Portugal ainda nos meados do século XVIII.

Tanta confusão por nada, vez que a tradição fez de Santo Antônio o santo mais popular de nosso país. Em Pernambuco foi o seu culto divulgado pelos frades franciscanos, já nos primeiros anos da colonização, ao fundarem em Olinda o primeiro convento em terras do Brasil (1585) e assim espalhar a devoção pelo santo lisboeta por todo Brasil.

Nascido em Lisboa, em 15 de agosto de 1195, e falecido na cidade italiana de Pádua, em 13 de junho de 1231, Santo Antônio tornou-se o orago mais popular do Brasil, onde possui 228 freguesias com a sua invocação. Em segundo lugar em popularidade viria São José, com 71 freguesias sob a sua proteção. Daí a afirmativa de Luís da Câmara Cascudo, in Dicionário do Folclore Brasileiro: “apesar de tanta bajulação e mudanças corográficas, o Brasil possui 70 localidades com o nome de Santo Antônio”.

No Recife a tradição do culto deste santo data de 1606, quando os mesmos franciscanos instalaram na então ilha de Antônio Vaz um convento sob a proteção de Santo Antônio, ainda hoje existente na Rua do Imperador e para onde aflui centenas de devotos em todas as terças-feiras do ano. Quando da elevação da então povoação à vila, em 19 de novembro de 1709, apesar de tentativa de eleger São Sebastião como padroeiro, numa bajulação flagrante ao governador Sebastião de Castro Caldas, o antigo “Povo dos Arrecifes” recebeu a denominação de Vila de Santo Antônio do Recife. A proteção do santo lisboeta foi mais tarde reconhecida pelo Papa Benedito XV, quando, em 12 de novembro de 1918, ao conceder o co-padroado da cidade a Nossa Senhora do Carmo, salientou ser “Santo Antônio o padroeiro principal”.

Por sua vez, a primitiva capitania de Pernambuco também tinha como padroeiro Santo Antônio de Lisboa, como bem demonstra Francisco Augusto Pereira da Costa, citando os estatutos da Companhia Geral do Comércio de Pernambuco e Paraíba, aprovados em alvará de 13 de agosto de 1759, onde, no seu artigo 2º, declara que esta “usará de armas para os selos em que se veja na parte superior a imagem de Santo Antônio, padroeiro daquela capitania”.

Também no Recife tem Santo Antônio a sua carreira como militar, chegando a ser promovido ao posto de tenente de artilharia do forte do Buraco, em ato confirmado pelo rei D. João V, em 30 de abril de 1717, que lhe atribuía o soldo de 2$700 [dois mil e setecentos réis], a ser recebido pelos frades do seu convento. Um século mais tarde, os mesmos frades solicitaram do governador Luiz do Rego a promoção de Santo Antônio ao posto de sargento-mor. Em seu despacho, de 30 de agosto de 1819, aquele governador indeferia o pedido com base no fato de que, “sendo o santo oficial que nunca morre, hão de necessariamente chegar um dia a gozar debaixo deste título o soldo de marechal do Exército, do que mais poderem inventar e então serão sustentados [os frades] às custas da real fazenda, o que me não parece preciso”.

Na primeira quinzena de junho, nas primeiras treze noites, é o santo festejado. Nas cidades, ou na zona rural, os seus fiéis estão a cantar a trezena que nós, desde pequenino, nos acostumamos a ouvir.

Milagroso Antônio
Nosso Padroeiro
Enche de alegria
Pernambuco inteiro

14 junho 2017 FULEIRAGEM

LUCIO – CHARGE ONLINE

FABIAN OLIVEIRA – RECIFE-PE

Prezado Berto!

Como hoje em dia andam fazendo vaquinha (ou crowdfunding, para ficar chique) até para pagar fiança de safado, dada a tristeza de minha condição financeira, resolvi fazer uma eu mesmo para pagar as despesas de minha mudança de volta para Recife. Se o amigo quiser ajudar e/ou divulgar, eu agradeceria muito.

Segue abaixo um pouco da minha história e o link para a vaquinha virtual.

Somos uma família de quatro pessoas, eu, minha esposa e duas filhas. Sou tradutor freelancer inglês/português e minha esposa, embora nunca tenha exercido, é tecnóloga em radiologia. Com a quebradeira da economia no início de 2016, comecei a ficar preocupado com minha situação financeira. Naquela época, recebi uma proposta de negócios de um amigo do RS. Dadas as circunstâncias, topei e lá fomos nós para Porto Alegre no início de maio de 2016.

Sabem quando as coisas parecem que “não são para ser”? Logo de início tive um problema de saúde (obstrução intestinal) que me forçou a uma cirurgia de emergência na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. Enquanto me recuperava, minha esposa tocava o negócio (fabricação de malhas). Lamentavelmente, o empreendimento nunca engrenou e sequer pagou o investido. Para resumir, acabamos ficando financeiramente quebrados e “presos” em Porto Alegre por não termos como pagar as despesas da volta.

Estamos trabalhando, mas nossa renda atual apenas cobre nossas despesas básicas. No início de maio deste ano consegui voltar para Recife com minha filha mais nova com a intenção de buscar oportunidades aqui e permitir que minha filha estude em uma escola melhor (a escola pública onde ela estudava em POA era assustadoramente ruim). Minha esposa e a outra filha ficaram aguardando que consigamos arrecadar dinheiro para a mudança de volta, mas no ritmo que as coisas vão, vamos levar muito tempo para juntar o dinheiro necessário…

Queremos muito reunir nossa família de novo, aqui em Recife, e precisamos de ajuda para isso.

(Clique aqui para acessar a página)

Abraço,


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa