O PENICO DA VÉIA PALMIRA

A história é verdadeira. Posso ter botado uma pitadinha de safadeza… Mas, o fato que, nos anos 70, Bóris Trindade e outro advogado criminalista de Pernambuco, foram contratados às pressas por um fazendeiro para defender um sacrista em júri popular numa pequena cidade do interior.

A gleba estava tumultuada. Em revolta, o público exigia justiça na base do cacete e do cipó de boi, que dói que só a gota E SEGUNDO Teócrito Guerreiro, não deixa marcas para o IML.

A maioria dos habitantes estava sob intensa perturbação. O comércio fechou com medo do que pudesse acontecer. Era a tarde fatídica em que se julgaria um latrocínio. Um cabra ordinário havia roubado um pobre agricultor e enfiara um pau no rabo dele até o último pingo de sangue jorrar. Um “misericídio”.

Por azar, os advogados foram contratados exatamente para a defesa do meliante. E ao chegar já notaram que a coisa tava braba. Mais parecia reunião das Ligas Camponesas de Francisco Juião ou comício de Arraes.

A cidade estava em preocupante agitação. Na frente do fórum, os matutos se acotovelavam, muitos sem saber porque. Ali se aglomeravam pra fazer número. Fisionomias fechadas. Chapéus atolados nas cabeças. Paus e foices na mão. Era voz geral que desejavam linchar o acusado e fazer o “mesminho” com ele. Pau no cu e fazer cabidela com o sangue pra dar aos morcegos.

Os advogados de defesa já desceram do carro, coitados, ouvindo alguns “elogios”: Filhos da puta! Esse safado não merece defesa! Que tá pagando vocês? Preparem os costados pra levar cacete.

Naquele lugar a Imprensa era a boca do povo. As pessoas da cidade e do campo vinham divulgando, há dias, tudo quanto era de boato e coisas ruins sobre o desgraçado que estaria no banco dos réus logo mais.

Bóris, mais afoito e dentro de seu “estilo maltratante”, ao se iniciar a sessão do juri começou logo “desvirginando a moral do morto”, dizendo que ele era veado consagrado. Estratégia para denunciar ao corpo de jurados que o falecido não era flor que se cheirasse. Pretendia com tal mote diminuir a pena do suposto culpado, o que agitou a massa interna e externa no decorrer do juri. O julgamento foi ficando ainda mais tumultuado. O Juiz batia com o martelo na mesa como se fosse um prego numa barra de sabão.

Concluída a ata, proferida a sentença e aliviado o apenado de cadeia em Regime Fechado, a Mesa ouviu ruidosa vaia da plateia. Não houve batida de martelo que silenciasse os presentes. A coisa degringolou. O jeito era sair da cena tão rápido quanto possível.

Os jurados começaram a ser “jurados de morte” pelos mais exaltados, enquanto as mulheres “rogavam praga” nos advogados de defesa. Em dado instante, quando Bóris ainda colocava na pasta alguns documentos, começou o “pega pra capar” e o corre-corre.

Aos empurrões, Juiz, Promotor e advogados foram sendo expulsos para a casa vizinha, que tinha uma entrada pelo oitão, sem que o Cabo Tino, do destacamento da PM local, conseguisse proteger os visitantes. Só se ouviu um grito do Guarda Napo:

– Corre todo mundo que os homi tão com a peste!

Em dado momento, veio voando um pedaço de cadeira que aterrissou bem no pé do cangote do advogado assistente, quase lhe extirpando a orelha, derramando o precioso sangue do galego pelo seu terno de linho branco. O fuzuê tava incontrolável.

Apavorado, Bóris Trindade, perdeu toda sua aristocracia. Invadiu a casa indicada para pedir proteção. De tal forma assombrado foi escondido rapidamente no quarto de D. Palmira, uma velha de 83 anos, “cagona” de primeira linha.

Precavido, enfiou-se debaixo da cama, ficando com a cara bem perto de um “capitão”, carregado com a merda da véia, que durante toda a noite havia ali depositado a desgraceira. Cada peido era um fim de mundo. Coitada de D. Palmira, tivera tremenda “diarreia de chicote”, motivada por u’a mão-de-vaca que comera no dia anterior. Tava com o velho cu em brasa.

O outro advogado recebeu tratamento com “Elixir Sanativo” e panos embebidos com pó de café, o que estancou o sangramento. E quando a coisa acalmou começou o “procura daqui procura dali” e tava difícil encontrar Bóris na casa, foram acha-lo bem escondido e tão apavorado que mal respirava. Estivera embaixo da cama com a venta perto do pinico da véia, por uns cinco minutos.

Depois de algum tempo cheirando bosta, o criminalista saiu feito um Jeca Tatu, amarelão, se arrastando de baixo da “Cama-patente”. Quando a coisa acalmou e puderam se preparar para entrar no “carro de aluguel” que os esperava na porta, bom de gatilho, e sempre bem humorado, o advogado, saiu-se com esta, citando o final da pilhéria do “Papagaio e a Freira”:

– A partir de hoje, prefiro a morte a cheiro forte!…

Nunca mais se esqueceu do “bosticídio”, a cena do pinico de D. Palmira e a “merdalhada” que havia dentro dele.

23 junho 2017 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE


@&*)+#℗*¥(¨¨

A desastrosa atuação do governo nos seus acertos políticos nos passa o sinal de que tudo vai muito bem para encaminhamento do Brasil ao desastre. Não há mais condições de permanecer vivendo a situação que por ora passamos, estamos no limite. A falta de atitude daqueles que ainda se salvam do mar de lama é comprometedora, indica que estão submissos aos ditames dos chefes de gangues que dominam o governo e o Congresso Nacional. Pior é uma sociedade vacilante e desinformada tomando o comportamento de um avestruz, se escondendo dos fatos ao se induzir descompromissada com os acontecimentos. O mais grave é a aceitação passiva dos empresários e, principalmente, a omissão das suas instituições representativas, que deveriam estar à frente do enfrentamento a esse desmoronamento político, ético, moral e econômico. Dói na alma ver todo esse “poderio” de forças se acovardar diante desses bandos que já não respeitam mais nada e deslavadamente consomem o sangue do povo brasileiro e se infiltram até mesmo na maior Corte da Nação. Todos estão jogando no colo do Juiz Sérgio Moro a responsabilidade de restaurar a decência na vida do Brasil. É uma covardia deixá-lo sozinho nessa insana luta.

Ladrões como toda essa turma do PT que governou o Brasil, já deveriam há muito estar sendo banidos de qualquer menção na mídia e nos discursos no seio empresarial. São marginais e não merecem nenhum dedo de razão em suas justificativas, muito menos de se utilizarem de chicanas jurídicas para se safarem. Usurparam de tudo que lhes foi dado pelo voto popular, saquearam todos os poderes que lhes foram transmitidos pela confiança da população. Mentiram, iludiram e desmantelaram com ações, próprias de terroristas, toda uma estrutura que se encaminhava para o tão sonhado desenvolvimento do nosso País e que hoje está na lata de lixo. Somos uma Nação em desespero e os muitos que podem financeira e intelectualmente viver fora, estão indo embora. É um esvaziamento silencioso desses valores, são quase cem brasileiros diariamente mudando para o exterior. São pessoas desesperançadas ao perceber o lamaçal em que estão se afundando todas as corrompidas instituições do Brasil.

É vergonhoso ver a grande imprensa brasileira ainda dar espaços a essas gangues que assaltaram e ainda conseguem assaltar o Brasil. Elas fazem parte, e não há como contestar, da estratégia dos bandidos travestidos de “esquerda” que se utilizam da frustração popular e com isso criar a ilusão de que podem resolver e dar solução a todos os problemas. É uma desfaçatez e covardia com a população que pela incompetência dos governos brasileiros, é mantida cercada dentro do estábulo da ignorância. Fica fácil chegar até ela com mensagens mentirosas e enganadoras. Não se fala da cassação do registro partidário do Partido dos Trabalhadores, o foco de toda essa rapinagem cometida com o dinheiro dos cofres do povo. A população mal sabe que toda a farra, e que até o momento ainda realizam os petistas e seus apoiadores, vem do dinheiro que ela paga nos impostos embutidos nos preços dos alimentos, dos remédios, dos combustíveis, dos transportes e por aí vai.

A população não desconfiou e nem desconfia que milhares de produtos que ela compra e utiliza, como exemplo o preço das passagens de transporte municipal, tem sua origem nos custos que vem da Petrobras, assaltada que foi pelos meliantes petistas e seus apoiadores, incluso Temer. Ela, a Petrobras, para sobreviver e bancar os desvios de dinheiro pelos corruptos que ocuparam o governo, e muitos ainda ocupam, teria que aumentar os preços dos derivados do petróleo. O governo petista, em muitos períodos, não realizava esse aumento para se mostrar popular, mas não diminuía, em contrapartida, sua sanha pelo dinheiro pela Petrobras arrecadado e transformado em propinas para os detentores do Poder. O resultado foi a quebra da petroleira que ainda sangra, mas com possibilidades de recuperação. Estamos vivendo o período mais crítico dessa passagem política que vive o Brasil, é um momento crucial de definição. É aquele momento que vai nos dar a certeza do crescimento como Nação ou vai nos dar a certeza do irreversível desmantelamento de nossas instituições com sérios problemas na organização social. Ou você toma jeito ou vai tudo pra @&*)+#℗*¥(¨¨.

23 junho 2017 FULEIRAGEM

RLIPPI – CHARGE ONLINE

23 junho 2017 A PALAVRA DO EDITOR

SERVIÇO PARA OS TURISTAS

Nesta época de festas juninas são muitos os turistas que chegam de outras regiões pra conhecer os folguedos e as tradições folclóricas aqui da Nação Nordestina.

Os aeroportos daqui da região ficam num movimento arretado.

O Serviço de Utilidades Inúteis do JBF oferece aos nossos leitores uma gravação contendo a fala de um comandante nordestino, nascido em Palmares, o Tonho de Orminda, falando a nossa língua e se dirigindo aos passageiros em pleno voo.

Uma cortesia fubânica para os visitantes se acostumarem com o nosso sotaque.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

23 junho 2017 FULEIRAGEM

NICOLIELO – JORNAL DE BAURU (SP)

23 junho 2017 DEU NO JORNAL

SERIA UM DOCUMENTO HISTORIÁTRICO DE GRANDE VALOR ORTOGRAFÍSTICO

* * *

Taí uma coisa que eu gostaria de ver após a prisão de Lula: ele escrevendo de próprio punho sua delação.

Entregando todos os seus subordinados quadrilheiros.

Seria um peça fantástica!

Começando com “eu cunfeço” e terminando com “é çó iço qui eu saibo

Eu teria um prazer de enorme de publicar este documento histórico aqui no JBF.

23 junho 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

O BRASIL VAI EMERGIR DA ESCURIDÃO MUITO MELHOR

A multidão de gatunos engaiolados ou na mira dos investigadores comprova que a Era da Canalhice está ferida de morte

As descobertas da Lava Jato transformaram em casos de polícia o presidente Michel Temer e quatro dos cinco antecessores vivos. Só Fernando Henrique Cardoso ficou fora do pântano onde chapinham Lula, Dilma Rousseff, Fernando Collor e José Sarney, além de mais de 30 ministros ou ex-ministros de Estado, mais de dez governadores, quase 30 senadores, mais de 60 deputados federais e centenas de vigaristas coadjuvantes. Se o Supremo Tribunal Federal cumprir o seu dever com menos lentidão, a turma do foro privilegiado não demorará a engordar a população carcerária.

Já não são poucos os figurões da política transformados em vizinhos de cela de empresários especialistas em bandalheiras. Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda e ex-chefe da Casa Civil, tem tempo de sobra para trocar ideias com Marcelo Odebrecht, ex-presidente da usina de propinas milionárias, e João Vaccari, ex-tesoureiro nacional do PT. Perdeu recentemente a companhia de José Dirceu, libertado pela 2ª Turma do STF. Mas não demorará a rever o primeiro chefe da Casa Civil do governo Lula. Também seguem continuam encarcerados os ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha e Henrique Alves, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral e vários destaques da Turma do Guardanapo.

Tantos números desoladores avisam que o Brasil vai ficar na UTI por muito tempo, certo? Errado: está cada vez mais saudável – graças à Lava Jato. A multidão de gatunos engaiolados ou na mira dos investigadores comprova que a Era da Canalhice está ferida de morte. Para que a nação devastada pelos poderosos patifes recuperasse a saúde, era preciso remover cirurgicamente o tumor da corrupção institucionalizada. O Código Penal agora vale para todos. São sempre escuras as horas que precedem a alvorada. O Brasil vai emergir da escuridão muito melhor.

23 junho 2017 FULEIRAGEM

BRUM – TRIBUNA DO NORTE (RN)

DEZ MESTRES DO IMPROVISO E UM FOLHETO DE GRACEJO

João Paraibano

O que mais me admira
É ver o sapo inocente
Que gosta de lama fria
Mas detesta a terra quente
Vendo da cobra o pescoço
Pinota dentro do poço
Pra se livrar da serpente.

* * *

Rogaciano Leite

Eu nasci lá num recanto
Do sertão que amo tanto
Onde o céu desdobra o manto
Feitos de rendas de anil
Onde o firmamento extenso
É um grande espelho suspenso
Refletindo o rosto imenso
Da minha pátria o Brasil.

* * *
Rena  Bezerra

Lembro bem do meus banhos no riacho
De fazer arapuca lá na mata
Tomar banho escondido na cascata
E descer ribanceira mundo abaixo.
De subir no coqueiro e tirar cacho
No curral tomar leite sem ter nata
Ver os pássaros conduzindo uma cantata
E eu ficar lhes ouvindo bem contente,
Se o passado voltasse pro presente
Mataria a saudade que nos mata.

* * *

Henrique Brandão

Um aboio penoso do vaqueiro
Um cavalo relincha no roçado
A cancela, por onde passa o gado
A cafofa do pé de umbuzeiro
Um boi “brabo” cair no formigueiro
A cacimba na foz do ribeirão
O cuscuz, carne assada e o pirão
Um menino dizendo poesia
Uma porca fuçando a lama fria
Tudo isso são coisas do sertão.

Vaquejada, reisado e cantoria
Uma roça com milho pendoando
Um cigarro de palha, vez em quando
No programa de rádio, cantoria
A cigarra tocando a melodia
Um jumento deitado no oitão
Um sela, perneira e um gibão
Às seis horas louvar Nossa Senhora
Logo a lua se “amostra” sem demora
Tudo isso são coisa do sertão.
 
* * *

Otacílio Batista

Minha mãe me criou dentro do mar
Com o leite do peito de baleia
Me casei no oceano com a sereia
Que me fez repentista popular
Canto as noites famosas de luar
E linguagem das brisas tropicais
Entre abraços e beijos sensuais
Nos embalos das ondas seculares
Conquistei a rainha mãe dos mares
E o que é que me falta fazer mais?

* * *

Zé de Cazuza

O pobre do retirante
Viaja sem rumo certo
Quando está fatigado
Acha um juazeiro perto
Parecendo um guarda-chuva
Que Deus armou no deserto.

* * *

Guaipuan Vieira

É bem feliz quem escreve
E vê sua obra estudada
É imortal quem tem vida
Vida diversificada
Já conquistou sua glória
Prá no céu fazer morada

* * *

Joaquim Venceslau Jaqueira

Eu andei de déo em déo
E desci de gáio em gáio
Jota a-já, queira ou não queira.
Eu não gosto é de trabaio,
Por três coisa eu sou perdido:
Muiê, cavalo e baraio!…

* * *

Inacio da Catingueira

Há dez coisas neste mundo
Que toda gente procura:
É dinheiro e é bondade,
Água fria e formosura,
Cavalo bom e mulhé,
Requeijão com rapadura,
Morá, sem sê agregado,
Comê carne com gordura.

* * *

Bob Motta

Nem ostra, nem catuaba,
nem caldo de tubarão,
culhão de touro ou pirão,
nem mesmo, uma caldeirada;
vai levantar a “finada”,
que vive olhando p’ro chão.
Nem pentelho de barrão,
lhe digo, na minha verve;
isso de nada lhe serve,
quando se acaba o tezão.

* * *

Um folheto de Olegário Fernandes da Silva

O HOMEM QUE CASOU COM A JUMENTA

Jesus pai poderoso
Minha poesia aumenta
Enquanto eu escrevo um causo
Que todo mundo comenta
O homem deixou a mulher
Pra casar com a jumenta

Isto foi na Paraíba
Município de Campina
Deixou a sua esposa
Por nome de Jarmelina
E amigou-se com a Jega
Para cumprir sua sina

Esse causo se deu
Na Paraíba do Norte
O homem pra casar com burra
Precisa que seja forte
Uns diz que é safadeza
E outros diz que é sorte

No mundo aparece coisa
Que parece uma novela
Um homem assim não tem
O valor de uma cadela
Olhe na capa do livro
Ele abraçado com ela

Seu nome Senhor Pereira
Com Jarmelina casado
Porém há mais de mês
Que ele vinha amigado
Namorando uma jumenta
Lá num canto reservado

Clique aqui e leia este artigo completo »

23 junho 2017 FULEIRAGEM

DUKE – O TEMPO (MG)

23 junho 2017 A PALAVRA DO EDITOR

UM IDIOTA TOMANDO NO OLHO DO FURICO

Roberto Idiota Requião inventou de fazer uma pesquisa no Twitter sobre a futura condenação do seu cúmplice Lula, o dono do triplex-propina.

O resultado deixou o tabacudo mais abestalhado do que já é normalmente.

Vejam:

O cheira-peido de Lula e baba-ovo da bandidagem vermêio-istrelada disse que o resultado foi “inusual” e “robotizado“.

Em termos de cegueira e de teimosia, Idiota Requião ganhou do fubânico petista Ceguinho Teimoso.

23 junho 2017 FULEIRAGEM

CLAYTON – O POVO (CE)

23 junho 2017 JOSELITO MÜLLER

CABRAL DIZ QUE NO BRASIL SÓ POBRE VAI PRESO

BANGU 8 – O ex-governador do estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, desabafou em uma rede social ontem à noite ao saber que o Supremo Tribunal Federal adiou decisão sobre pedido de prisão do senador afastado Aécio Neves.

“ENQUANTO ESTOU AQUI NA CADEIA, TENDO QUE UTILIZAR INTERNET DISCADA PARA FAZER ESTE POST, O STF ADIA DECISÃO SOBRE PRISÃO DE AÉCIO NEVES. DOIS PESOS, DUAS MEDIDAS. ISSO PROVA QUE NO BRASIL SÓ POBRE VAI PRESO”, ESCREVEU O EX-GOVERNADOR.

Cabral, que construiu o presídio em que se encontra custodiado quando ainda era governador, classificou as condições na cadeia como desumanas.

“SE EU SOUBESSE QUE IA SER PRESO, TINHA CONSTRUÍDO UM PRESÍDIO MELHOR E MAIS CONFORTÁVEL”, CONFIDENCIOU.

Questionado se sua prisão não desmentia a afirmação de que no Brasil só se prende pobre, Cabral declarou que não:

“SOU POBRE, COMO TODOS VOCÊS SABEM. AS ÚNICAS RIQUEZAS QUE EU TINHA ERAM OS ANÉIS DE OURO E DIAMANTE QUE EU DAVA PARA A ADRIANA, MAS A JUSTIÇA CONFISCOU TUDO E ATUALMENTE NEM MEU ANEL DE COURO ME PERTENCE MAIS.”

Preso preventivamente em Bangu 8, Cabral recebeu menções de apoio do ex-deputado Eduardo Cunha, do ex-ministro Antônio Palocci e do goleiro Bruno.

23 junho 2017 FULEIRAGEM

BAGGI – CHARGE ONLINE

23 junho 2017 DEU NO JORNAL

LAPA DA CORAJOSO TÁ SE OBRANDO DE MEDO

A iminente sentença do juiz Sérgio Moro, numa das ações em que Lula é acusado de corrupção, levou próceres petistas a retomarem a discussão sobre alternativas de fuga do País.

Fonte ligada à cúpula do PT confirmou as discussões, mas nega ser uma “fuga”, e sim “período sabático” em outro país.

As opções para o “período sabático” se limitam a países governados por aliados de Lula, e com forte controle sobre o sistema judicial.

O cuidado dos lulistas que defendem o “exílio” é que o país anfitrião não atenda eventuais pedidos de extradição da Justiça brasileira.

Entre os países listados para o “período sabático” de Lula estão, além do Uruguai, Bolívia, Venezuela, Equador e Nicarágua.

Uma das opções do ex-presidente seria o Uruguai, cujo governo lhe teria oferecido asilo, em caráter reservado.

* * *

Um dos filhos do corruptão Lula, o corruptinho Luiz Cláudio, já se mudou para o Uruguai em 2016, onde fez couto e homízio, acobertado pelo governo local.

Eu só não entendi é porque Havana, o paraíso na terra, não está entre as metrópoles cogitadas pelos petralhas para a fuga do proprietário do partido, o PT, sigla de Perda Total.

Tenho certeza que o poliglota Ceguinho Teimoso se ofereceria com muito gosto pra ser o intérprete do troglodita 24 horas por dia.

Com a falta de papel higiênico em Caracas, certamente que Lapa de Cagão não irá escolher aquele paraíso zisquerdal bolivariano da américa latrina pra fugir da prisão em Curitiba, onde será forçado a obrar de coca.

23 junho 2017 FULEIRAGEM

CHICO CARUSO – O GLOBO

A DAMA

Há várias décadas, Marilu era dona de uma famosa casa “suspeita” em Natal. Apesar da discriminada profissão, era uma mulher de respeito, educada e discreta. Destacava-se pela beleza e fidalguia. Apresentava-se como empresária da noite. Mas, na realidade, era uma empresária do sexo.

Autodidata, Marilu gostava de ler e estava sempre atualizada com a situação política do País. Enquanto foi jovem, despertou grandes paixões nos senhores “respeitáveis” de Natal e de fazendeiros ricos do interior do Estado.

Não frequentava templos, mas no seu quarto mantinha sempre uma vela acesa, junto aos santos de sua devoção.

O seu estabelecimento comercial era frequentado, assiduamente, pelos homens mais ricos da cidade, incluindo conhecidos políticos, advogados, médicos etc.

Entre os principais frequentadores, estava o Sr. Vilton, um conhecido político de Natal. Apesar de ser “bem casado”, bom marido e excelente pai, esse homem era perdidamente apaixonado por Marilu.

Dona Conceição, sua esposa, de prendas domésticas, ia à missa constantemente, comungava e vivia longe da maldade do mundo. Não imaginava, nem de longe, que o marido frequentasse certos ambientes.

Entre os amores de Dona Conceição e das duas filhas ainda crianças, estava Popó, uma cadela da raça “Poodle”, que acabara de dar cria a quatro lindos filhotes.

O Sr. Vilton avisou à esposa que o filhote mais bonito seria dado de presente à Dona Marilu, uma empresária amiga sua, muito decente, que era louca por cachorros. Disse que essa amiga era uma grande dama e muito respeitada em Natal.

Passados alguns dias, Dona Conceição, arrumando o escritório do marido, encontrou um cartão de visitas de Marilu, a empresária, e anotou o telefone. Curiosa para conhecer essa amiga do marido, cantada por ele em verso e prosa, quis lhe fazer uma surpresa. Telefonou para a mulher, convidando-a para lanchar com ela em sua casa. Disse-lhe que queria ter o prazer de conhecer essa grande amiga do seu marido e também queria lhe entregar o cachorrinho que estava reservado para ela. Ficou combinado que, naquela tarde, à 17 horas, Marilu iria até a sua casa.

Na hora marcada, parou na casa do Sr. Vilton e Dona Conceição um luxuoso GALAXY azul, conduzido por um motorista fardado. Do carro desceu a empresária Marilu, muito bonita, impecavelmente vestida num “tailleur” bege, super discreto, usando sapatos pretos de salto alto e uma bolsa preta. A empresária trouxe para a dona da casa uma corbeille de rosas.

A mesa posta para o lanche tinha o requinte das pessoas nobres. Lá estavam deliciosas iguarias, incluindo bolos, biscoitos, queijos e doces, acompanhados de sucos, chá e café.

As duas damas se cumprimentaram, e Dona Conceição ficou admirada com a fineza, a beleza e a jovialidade da empresária. Certa de que seu marido ficaria muito feliz com aquela surpresa, Dona Conceição disse a Marilu que ele logo estaria em casa.

O Sr. Vilton quase teve um “passamento”, ou melhor, um infarto, ao encontrar estacionado na sua porta o conhecido Galaxy de Marilu, a famosa empresária do sexo, que todos os homens de Natal conheciam.

Ao ver a esposa em altos papos com a visitante, o homem empalideceu, ficou sem graça e quase perdeu a voz.

Considerava Dona Conceição uma santa e não admitia que ela fizesse amizade com uma profissional como Marilu.

Com esse susto, o Sr. Vilton se afastou completamente da “empresária do sexo”.

Dona Conceição nunca soube a verdade sobre aquela “dama”.

23 junho 2017 FULEIRAGEM

J. BOSCO – O LIBERAL (PA)

VIVA SÃO JOÃO!

* * *

01 – Quadrilha Sertaneja – (G.Filho) – Gerson Filho – 1979

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


02 – No garpão da Bulandeira – (João Silva/K Boclinho) – Trio Nordestino – 1967

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


03 – Bota gás no lampião – (S.Ramos/Assis Barros/Zé Turquinho) – Jackson do Pandeiro – 1971

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


04 – São João daqui – (João Silva/Sebastião Rodrigues) – Jacinto Silva – 1969

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


05 – De prato na mão – (Florival Ferreira/Luiz Jacinto) – Coronel Ludugero – 1970

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


06 – Glorioso São João – (João Guialberto do Calmo/Zé Russo) – Trio Recife – 1967

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


07 – São João Alegre – (Paulo Vianna) – Elino Julião – 1972

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


08 – Nosso amor pouco durou – (Aluísio/Toninha) – Carrapeta – 1975

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


09 – Fogo na fogueira – (Jonas de Andrade) – Trio Nortista – 1979

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


10 – O sol nasceu – (Onildo Almeida) – Marinês e sua Gente – 1967

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


11 – Prepara a fogueira – (O.Oliveira/Dilson Dória) – Osvaldo Oliveira – 1967

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


12 – Fogueira iluminada – (Catingueira do Norte) – Sebastião Silva – 1967

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


13 – Festejando São João – (Mário Silva) – Irmãos Nordestinos – 1967

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


14 – Nosso cordão quer brincar – (O.Oliveira) – Abdias e sua Sanfona de 8 Baixos – 1969

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


15 – São João farturado – (Antonio Barros) – Seu Pajeú – 1975

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


16 – Essa não – (João Gonçalves/Zé Bezerra) – Messias Holanda – 1975

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

23 junho 2017 FULEIRAGEM

MÁRIO – TRIBUNA DE MINAS

A AMANTE E A ÉTICA

Gleisi esbraveja contra palestrantes que cobram um décimo do que Lula embolsava por discurseiras encomendadas por empreiteiros amigos

“Então, juiz Sérgio Moro, então, Dr. Dellagnol, que estão ganhando dinheiro, inclusive, em cima do processo da Lava Jato, é vergonhoso cobrar R$ 30, R$ 40 mil para uma palestra, para ir lá falar de coisas que não existem, de provas que não existem, falar do processo da Lava Jato, tenham decência! Tenham
decência! Não colaborem, não, para acabar com a democracia brasileira. Façam o papel de vocês: devido processo legal, com base na lei, com base no direito. É assim que tem que se fazer!”.

Gleisi Hoffmann, presidente do PT, informando, com a autoridade moral de quem tornou famosos entre os distribuidores de propinas da Odebrecht os codinomes Amante e Coxa, que nunca viu nada de mais nas “palestras” de Lula, encomendadas por empreiteiras amigas que pagavam 500 mil por palavrórios que se prestavam à lavagem de dinheiro sujo, mas não admite que autoridades engajadas na Lava Jato contem em público o que os companheiros gatunos fizeram com o Brasil.

23 junho 2017 FULEIRAGEM

RONALDO – JORNAL DO COMMERCIO (PE)

23 junho 2017 A PALAVRA DO EDITOR

O DATA BESTA QUER SABER

A última Enquete Fubânica continua no ar.

Como sempre, com mais um tema inútil e sem futuro.

Não deixe de exercer a sua cidadania fubânica.

Vá aí do lado direto e dê o seu voto.

Hoje é dia de festa em toda a Nação Nordestina.

Uma excelente véspera de São João pra todos os nossos queridos leitores!!!

23 junho 2017 FULEIRAGEM

TACHO – JORNAL NH (RS)

23 junho 2017 DEU NO JORNAL

CEM ANOS DE PERDÃO

A Polícia Federal realiza, na manhã desta sexta-feira (23), uma operação para tentar encontrar as joias da ex-primeira dama do Estado do Rio de Janeiro Adriana Ancelmo.

A ação é um aprofundamento da Lava Jato no estado para realizar buscas complementares.

Desde 6h36, os agentes estão em dois endereços ligados à ex-primeira dama para cumprir mandados de busca e apreensão.

* * *

Essa tal de Polícia Federal não deixa ninguém dormir sossegado. Chega ao covil dos guabirus antes das 7 da manhã.

Seja numa casa ou seja num triplex.

Vôte!

O ladrão que comprou as joias dessa ladrona merece cem anos de perdão.

Um trio de ladrões da pesada faz um brinde comemorando a ladroagem; ao fundo, um quarto ladrão sorridente observa a cena; deste quarteto, apenas dois ladrões ainda estão soltos

23 junho 2017 FULEIRAGEM

S. SALVADOR – ESTADO DE MINAS

NA EMENDA

Hoje, 23 de junho, véspera de São João, vamos começar o expediente desta gazeta escrota com um saculejado da bixiga lixa. Para todo mundo remexer os quartos!

Música de Manuel Euzébio e Juarez Santiago interpretada pelo Trio Nordestino.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

23 junho 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
NEM CANTA NEM LARGA A VIOLA

Você diz que canta bem
Tem bico de passarinho
Cala qualquer cantador
Que cruzar o seu caminho
Amigo não leve a mal
Quem canta que nem pardal
Só cisca e caga no ninho.

Você só tem é zoada
Não passa dum fanfarrão
Só faz barulho e mais nada
Eu cheguei à conclusão
Não toca bem a viola
Na rima sempre se atola
Erra a metrificação.

A sua voz é fanhosa
Pois só sai pelo nariz
O povo não compreende
Aquilo que você diz
Porém só quer ser as pregas
Inda manga dos colegas
Com seu deboche infeliz.

Para cantar com você
Mesmo que seja sabido
Quem sabe esquece o que sabe
E logo fica perdido
O pensamento se enrola
Não sai nada da cachola
Só sendo doido varrido.

23 junho 2017 FULEIRAGEM

BAGGI – CHARGE ONLINE


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa