31 agosto 2017 A PALAVRA DO EDITOR

OREMUS

No dia de hoje está se completando exatamente um ano que Michel Miguel Elias Temer Lulia assumiu o governo de Banânia.

Lula o escolheu pra ser vice de Dilma pela seu lindo sobrenome: Lulia.

Também no dia de hoje acaba o mês de agosto.

Já se passaram 243 dias deste ano de 2017 e faltam apenas 122 para o seu término.

Repito a invocação latina que antigamente se usava na hora de celebração da missa católica: 

Oremus!

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA (ES)

QUANDO SETEMBRO CHEGAR…

De vez em quando parece-me que regressei ao passado. Olho a televisão e vejo as mesmas notícias de ontem, do ano passado, de dez anos atrás.

Prestando melhor a atenção mudaram alguns personagens, outros continuam os mesmos, talvez um pouco mais velhos, mas tão velhacos quanto outrora. Sim, mudaram alguns personagens, mas o roteiro, o enredo e o picadeiro continuam os mesmo. E pior, os palhaços, que somos nós, pobres eleitores/espectadores continuamos sentados tristemente.

Nenhum sorriso, nenhuma alegria! Só frustração, decepção e desencanto em todos os níveis do desgoverno. Os mesmos safados (e mais alguns novos sem-vergonhas) querendo nos enrabar, os mesmo vagabundos nos roubando, os mesmos cínicos mentirosos.

É o bandido que rouba e diz que é vítima da sociedade!(?) É o servidor público que não serve ninguém além dele mesmo e, só pensa em direitos. É o jovem que não estuda, não trabalha e não quer estudar ou trabalhar. Acha que seu precioso tempo deve ser dispendido com coisas uteis ou serão fúteis? Na opinião deles (da geração NEM-NEM) útil provavelmente é brincar de Black block enquanto fuma um baseado.

É o politicamente correto me execrando, me tratando como um criminoso, só porque sou sincero ou não concordo com a baboseira que ‘eles’ pregam. E o pior é que são uns chatos, de galochas. Só ‘eles’ é que respeitam os outros, só ‘eles’ é que sabem o que é melhor para a sociedade.

Não coma isto! Engorda! Faça exercícios! Não coma aquilo, pois maltratou um pobre animalzinho para fazer! Não beba! Use protetor solar! Seja vegano! Sorria! Não tenha preconceitos! Aceite Marx! Proteste contra o Governo golpista! Vote em Lula! Admire os homossexuais! Defenda a liberação das drogas! Dê a bunda!

Vão se fu…Catar! Eu detesto que me digam o que fazer!

Meu prato predileto é um só: o prato cheio!

ADORO carne! Churrasco, bife e assado. Estou cag… e andando para o pobre animalzinho que ali está servido em meu prato. Minto! Admiro este ‘animalzinho’ e lhe serei muito grato, exatamente por estar em meu prato. Inclusive vou homenageá-lo comendo-o todo!

Bebo sim. Bebo, pago minha bebida com meu trabalho. Quando bebo não dirijo e não fico chato, sou maior e posso tomar meus tragos. Não uso protetor solar. Acho que ser vegano ou vegetariano é coisa de veado desocupado.

O cara pode ser o que quiser é só não encher meu saco!

Marx foi um fdp, vagabundo e inútil. Aplicar a constituição e tirar uma corrupta incompetente do poder não é golpe! Greve é coisa de servidor público vagabundo.

Sorrio para que eu quero! Nunca votei ou votarei no Lula ou no PT, prefiro o suicídio.

Liberar as drogas é uma ideia idiota, só vai destruir mais rapidamente nossa sociedade. Sociedade que aliás já está a um passo da destruição com estas ideias idiotas do politicamente correto.

Em minha opinião bandido só deve receber três coisas da sociedade: porrada, chumbo e cana-dura.

Não admiro veado. Aliás, não gosto de homem, nem macho nem veado. Respeito à opção e, suporto, aqueles com quem convivo!

Gosto é de mulher, de xibiu, de carne mijada. Quanto a ideia de dar a bunda, dê a sua e não encha meu saco!

Está é minha revolta quanto ao Brasil hoje. O país virou uma zona pior do que sempre foi e agora está ficando chato e repetitivo.

Não que a zona seja novidade. Se lermos os Bruzungandas de Lima Barreto (escrito no inicio do século XX) ou FEBEAPÁ do Stanislaw Ponte Preta (escrito nos anos 1950) pensaremos estar lendo o jornal de hoje. A putaria é cíclica e parece que não vai mudar.

Talvez porque a política, o Governo e o Congresso Nacional reflitam verdadeiramente a média do povo brasileiro. Talvez esta zona seja apenas um reflexo no espelho de quem somos. E se for isso, bom ai não tem jeito. Ninguém foge do que realmente é.

Esperemos que não! Esperemos que a sujeira que turba nosso país seja apenas reflexo da putrefação daqueles que nos desgovernaram. E dos intelectuais e ricos que os alentaram e apoiaram. Pois sem estes intelectuais e sem o dinheiro dos poderosos esta escumalha já teria sido varrida do Brasil.

Esperemos também que o futuro não nos reserve uma Venezuela nos braços de Lula ou de outro salvador da Pátria. Esperemos um país que no futuro embale com um Estado enxuto, com bons políticos, com excelentes e poucos (apenas os essenciais) serviços públicos. Esperemos um país que no futuro não nos assalte diariamente cobrando impostos escorchantes.

Aliás, lia outro dia Olavo de Carvalho (não o faço todos os dias, não se preocupem) quando este perguntou qual a diferença entre pagar impostos no Brasil e dar a bunda (ou algo assim). Um gaiato respondeu que ao dar a bunda pelo menos você recebe algo em troca.

É mais ou menos assim que o brasileiro trabalhador e honesto se sente. E em Brasília só conchavos, Fufucas, propinas, maracutaias para abafar a Lava-jato e a tal reforma política que nunca sai.

E Lula, o criminoso, andando pelo Nordeste, cuspindo na cara da justiça. Cometendo outros crimes, como o de campanha antecipada ou crime ambiental ao derrubar uma palmeira imperial. E ninguém faz nada.

Já pensaram que nós é que pagamos a conta disto. O sem caráter do apedeuta passeia com passagens pagas por nós, a Dilma vai junto e quem paga seus deslocamentos e seguranças, como ex-presidentes? Nós. Quem paga os comícios e carreatas? Nós, pelo fundo partidário e com dinheiro dos desgovernos nordestinos, que não tem caixa para pagar uma escola decente para o povo mas jogam dinheiro na carreata de Lula.

E Lula abraçado em Renan, agradecendo Sarney! Como diria Aparicio Torelly (O Barão de Itararé): ‘Diga-me com quem andas e te direi se vou junto’. Eu certamente não irei!

Nem o povo nordestino vai junto. A julgar pelo vazio da caravana, nem cachorro magro segue Lula pois sabe que dali não vai sair nem mortadela. Só o acompanham os cada vez mais escassos sindicalistas e militantes. E estes deveriam acompanhá-lo na prisão, deveriam ser presos junto.

E nós aqui, na mesma m…

Espero que setembro chegue alvissareiro. Com a reforma política decente sendo discutida. Com a nova PGR denunciando a corja do PT, Lula e Dilma (material ela tem). Com a reforma da previdência sendo aprovada.

Esperança é a última que morre! Ou pelo menos um alento na desilusão!

Setembro chega e com ele a possibilidade da condenação e prisão de um crápula: José Dirceu. Tomara que ocorra, pelo menos será um alento neste deserto desesperador!

Até lá só nos resta esperar Setembro chegar e com ele chegue um Brasil melhor.

E que me chegue junto um pouco de ânimo para aguentar a chatice cíclica deste país!

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

PEDRO MALTA – RIO DE JANEIRO-RJ

Berto

Só quem entende de Enologia é capaz de explicar.

Os portugueses tem um sério problema na hora de escolher nome de vinho.

Veja só:

R. Vôte!

“Força no Pau”???

Danô-se!

“Finca la Pica”???

Arre égua!

Este portugueses botam cada nome da porra nos vinhos que fabricam.

Vendo esta foto que você nos mandou, eu se alembrei-me de um mimo que ganhei do colunista fubânico José Paulo Cavalcanti, ilustre jurista brasileiro.

Ele me trouxe de Lisboa uma garrafa de bebida por nome de Curvada de Velha.

Isto mesmo: Curvada de Velha.

E a explicação do nome estava no formato da garrafa: o gargalo era curvado mesmo!

Veja:

Confira aí na foto que o precioso líquido não acabou. Tem ainda uns dois dedos.

A abstinência compulsória que me foi imposta pelo meu cardiologista impede que eu cumpra esta prazerosa tarefa de esvaziar a garrafa.

A bebida é assim identificada no rótulo: “aguardente vínica velha“.

Aguardente vínica… Só falta mesmo aparecer um “vinho aguardentifero“.

Na embalagem do presente que José Paulo me deu, havia um verdadeiro prefácio, informando que a Curvada de Velha “é proveniente da cuidada destilação de vinhos de qualidade e estagiou em cascos de carvalho Limousin durante 15 anos“.

É mole ou quer mais???

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

ED CARLOS – CHARGE ONLINE

31 agosto 2017 A PALAVRA DO EDITOR

A HISTÓRIA SE REPETIU

Nosso estimado fubânico Jesus de Rita de Miúdo assina neste JBF a coluna “Conversa em Glosa, Rima em Prosa“.

Jesus é um PP (Poeta da Porra), que costuma nos presentar com glosas magistrais e excelentes textos.

Pois esta semana um conterrâneo de Jesus, um fuxiqueiro lá do Rio Grande do Norte, me presentou com uma foto interessante. 

Uma foto que ele capturou na internet.

Segundo o fuxiqueiro, a foto é de 2005, quando Jesus “tinha 18 quilos a menos de peso e tinha 18 quilos a mais de ilusão“.

A ilusão era pelo fato de, naquele tempo, Jesus ser eleitor de Lula.

Uma deformação de caráter que, felizmente, o nosso querido colunista curou e, hoje em dia, esclarecido e bem informado, exercitando diariamente o uso da razão, renega com veemência o seu passado vermêio-istrelado.

Na foto, o fubânico Jesus aparece entre Lula e o deputado federal petista Vicentinho.

Vejam que lindo:

E, sobre a foto, o fuxiqueiro escreveu o seguinte:

“Se acontecesse um acidente no momento em que a foto foi feita, o teto caísse, entrasse um atirador do Estado Islâmico, explodisse o gás… a história se repetiria: Um Jesus morreria entre dois bandidos”.

Pronto, seu cabra difamador: o fuxico está publicado nesta gazeta escrota e será lido em toda Banânia.

E também em várias partes do mundo.

Eu só quero mesmo é ver o que Jesus vai dizer. 

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

MICHELÂNGELO – CHARGE ONLINE

31 agosto 2017 JOSIAS DE SOUZA

NOVA DENÚNCIA ANTI-TEMER REACENDE CHANTAGEM

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

NICOLIELO – JORNAL DE BAURU (SP)

O BRASIL ESTÁ FODIDO COM FUFUCA PRESIDENTE

Comentário sobre a postagem FERNANDO – JORNAL DA CIDADE DE BAURU (SP)

Jesus de Ritinha de Miúdo:

“Bom, lá vai um mote no melhor estilo Glosa Fescenina:

O BRASIL ESTÁ FODIDO
COM FUFUCA PRESIDENTE

O povo arrependido
Porque não sabe votar
Acabou de constatar
O BRASIL ESTÁ FODIDO.
Completamente falido
Em estado deprimente
Onde o pior ambiente
É a casa dos de-puta-dos
Mais de quinhentos safados
COM FUFUCA PRESIDENTE.

Recheado de bandido,
De corruto e de ladrão
Andando na contramão
O BRASIL ESTÁ FODIDO.
Um país todo vendido
Um Congresso delinquente
Mal representando a gente
Bando de fela-da-puta
Uma chusma má-conduta
COM FUFUCA PRESIDENTE.

* * *

André Fufuca, Presidente Interino da Câmara dos Deputados: “Só tem poeta porreta neste JBF!”

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

MÁRIO – TRIBUNA DE MINAS

MAIS UM CONFISCO

Cristovam Buarque, no seu “A Conspiração Próspero 1984”, disse que Uma conspiração perfeita é uma conspiração em que a própria descoberta da conspiração faça parte da conspiração. Não é o caso dessa de agora, em Pernambuco. Não tão sutil. Dura. Envergonhada. Uma conspiração apenas para transferir, ao caixa do governo, recursos de terceiros. Privados. Apropriação indébita, sem dúvida. Conduta mais própria do Código Penal.

Por essa conspiração, até 75% de recursos financeiros depositados no Tribunal de Justiça, decorrentes de ações em que Estado e agregados sejam parte; e até 20% de depósitos privados (litígio de José contra João, por exemplo), vão passar às mãos do Estado. Para pagar precatórios, é o que se diz. Será mesmo, no mundo real? Só Deus sabe.

Por que particulares, em vez de pagar valores questionados pelos poderes públicos, preferem depositá-los em juízo? Por uma razão evidente. É que não confiam no Estado. E com toda razão. Se perdem a ação, esses recursos vão afinal para os cofres públicos. Só que, ganhando, os levam de volta para casa. Sem mais esperas. Nem riscos. E não se trata só desses recursos. Os que o Estado deposita para pagar desapropriação, e afins, também. Finda essas ações, as partes recebem os recursos. E se, depois dessa tunga, já não houver grana para pagar? Como ficamos?

Tanto mais grave é que, um a um, nossos Estados estão quebrando. Pernambuco também, algum dia, talvez. Se faltarem esses recursos, quem vai garantir o contribuinte? Justificativa é que os recursos estão parados. Sem uso. Só mesmo rindo. Que o dinheiro não é do Estado. Se o argumento valer, também não têm uso boa parte dos depósitos bancários à vista da população. Em pouco, vão querer apropriá-los. Se não o Governo daqui, será o de Brasília. Sob a mesma desculpa. Caso necessário, o Estado repõe. Mas e se não houver recursos para isso?

Mais grave é que o Supremo já se pronunciou sobre essa questão. Em favor dos contribuintes. E contra os Estados. Por considerar se tratar de modalidade de empréstimo compulsório. Qualificável, na prática, como confisco. É só consultar as Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADI) números 5.072, 5.353, 5.365 e 5.392. Com decisões já tomadas, nesse sentido, pelos Ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, Rosa Weber e Teori Zavascki.

Em resumo, então, melhor seria resistir à tentação de promover confiscos desse tipo. Melhor fazer uma conspiração do bem. Que é cumprir a lei. Bem mais sensato. E mais democrático.

CHESF. A CHESF já foi desmontada. Emagrecida. Transferida à Eletrobrás. E perdeu qualquer chance de manter seu papel de protagonista, no desenvolvimento. Nem incentivos à Cultura se faz mais por aqui. O que é ruim para o Nordeste. Muito ruim. Péssimo. Só que isso tudo se deu não agora, mas no governo Dilma (MP 579/2012). Que destruiu todo o sistema elétrico nacional. Sob o silêncio cúmplice de (quase) todos os que hoje fazem Frentes, e discursam, e protestam ruidosamente contra sua privatização. Às vésperas das eleições de 2018. Vai ver é só coincidência. Deveriam ter protestado antes. Mas preferiram calar. O que uma eleição não faz… É engraçado.

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

CAZO – COMÉRCIO DO JAHU (SP)

UM PECADO A MENOS

Lula confirma que prefere receber em apartamentos, sítios, viagens em jatinhos e dinheiro vivo

“Eu tinha 13 anos e nunca roubei uma maçã, com medo de envergonhar minha família. Agora eu não iria envergonhar milhões de vocês”.

Lula, pelo Twitter, jurando que nunca roubou maçãs.

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

THIAGO LUCAS – CHARGE ONLINE

TRÊS AÇÕES AVACALHATIVAS

Meu cumpade e Papa Berto I

É de perplexidade o assunto.

Numa única semana, vi, nas redes sociais e no noticiário de TV, pelo menos três ações avacalhativas, que me deixaram perplexo e até pensar estar sofrendo da bola.

Uma foi a do Deputado Fufuca. A primeira vez que viçou, cruzou logo com o touro da presidência da Câmara.

Êita pau!

Outra foi a intenção esbaforida do governo, de rever leis ambientais em reservas de floresta, área indígena e de mineração, tudo ao sabor dum vexame, como diz o matuto, que não tinha vexame. Esta, (por enquanto), questionada pela justiça e pelo povo.

Como diria Reinivaldo “o Crente”: tem ciênça nesse pé de pau!!

A terceira, uma de derrubar o queixo, e, brilhantemente relatada por José Paulo Cavalcanti, na crônica: “Minha terra tem palmeiras”; foi de quando a motosserra roncou, bem dizer, na mão de um partido que se diz ético, esquartejando uma palmeira adulta, pra passar com um trio elétrico que Deus o livre.

Tenho um poema chamado “Coco do pé de manga”, do livro Papel de Bodega que diz:

As mangueiras tão de luto
E as mangas de sentimento
Derrubaram um pé de manga
Pra fazer um apartamento.

Pergunto, por que não:

As palmeiras tão de luto
E as árvores de sentimento?

Confiram uma versão pedagógica da garotinha Heloísa, de 10 anos da cidade de Areia-PB, cantando de pandeiro na mão.

Recebi este vídeo do cumpade e cantador Vital Farias.

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

J. BOSCO – O LIBERAL (PA)

31 agosto 2017 JOSIAS DE SOUZA

CONGRESSO TEM NOITE DE BAR: “NÃO SOU NEGA SUA”

Além da falta de ética, a política vive uma crise de compostura. Isso ficou evidente na sessão noturna do Congresso Nacional, nesta terça-feira. O plenário viveu uma noite de boteco. Não um botequim qualquer. Um bar de quinta categoria. O tratamento cerimonioso de ‘Vossa Excelência’ perdeu o sentido. No calor da confusão, uma Excelência era vista por outra como um biltre. E vice-versa. A certa altura, Eunício Oliveira, presidente do Senado e do Congresso, dirigiu-se com a sobriedade de um ébrio a um deputado que o interpelava: “Baixe os dedos, não sou nega sua!”

A sessão reuniu deputados e senadores no plenário da Câmara, que é maior do que o do Senado. Destinava-se à análise de vetos de Michel Temer. Nas sessões ordinárias da Câmara, só com deputados, já é grande a confusão. Com o acréscimo dos senadores, aí mesmo é que a atmosfera conspira a favor das ofensas e dos empurrões, não de decisões sensatas. Os parlamentares ficam em pé, na frente da mesa. É como se não dispusessem de poltronas.

A encrenca começou quando o líder do PDT, Weverton Rocha (MA), pediu a palavra para formular uma ”questão de ordem”. Para usufruir um pouco mais do microfone, ele requisitou o tempo destinado aos líderes, que é mais elástico. Presidia a sessão o segundo vice-presidente do Senado, João Alberto Souza (PMDB-MA). Conspiração dos astros! Os dois são rivais na política maranhense. Weverton é da tribo do governador Flavio Dino (PCdoB). João Alberto é um seguidor devoto do clã Sarney. E a Câmara virou uma espécie de quintal de São Luís.

João Alberto deu de ombros para a solicitação de Weverton, que o acusou de censurá-lo. Outros deputados de oposição solidarizaram-se com o líder do PDT. Grita daqui, empurra dali, Eunício Oliveira (PMDB-CE) acomodou-se na poltrona de presidente. Desatendido, Weverton jogou um exemplar do regimento interno na direção da Mesa. Um grupo de parlamentares marchou em direção a Eunício, para cobrar respeito ao regimento. Agentes da Polícia Legislativa do Senado fizeram um escudo humano para proteger o mandachuva do Congresso da ira dos congressistas.

Eunício suspendeu a sessão por dez minutos. Na volta, com os ânimos menos exaltados, afirmou não ter medo de gritos, agressões ou cara feia. O deputado Silvio Costa (PTdoB-PE) disse não ter duvida de que o presidente do Congresso não teme cara feia. Do contrário, disse ele, Eunício não suportaria olhar seu próprio reflexo no espelho. O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) acusou Eunício de trazer do Senado agentes armados, para “intimidar” os deputados. Coube à senadora Ana Amélia (PP-RS), gaúcha como Pimenta, sair em defesa colega.

Segundo Ana Amélia, os seguranças não fizeram senão assegurar a ordem. Ela recordou uma cena ocorrida no início de julho. Um grupo de senadoras, sob a liderança de Gleisi Hoffmann (PR), presidente do PT de Paulo Pimenta, ocupou a Mesa do Senado. As sublevadas atrasaram por quase oito horas a votação da reforma trabalhista de Michel Temer. Eunício chegou a cortar a luz do plenário. “O Brasil inteiro se deparou com a cena dantesca”, enfatizou Ana Amélia.

Numa época em que congressistas trazem códigos de barras na lapela e comercializam seus votos à luz do dia, as confusões do plenário apenas adicionam à crise moral elementos de uma crise de compostura. A diferença entre o boteco e o Congresso é que na mesa de bar os bêbados pagam do próprio bolso a bebida que entorta a prosa. No Legislativo, é o Tesouro Nacional que financia tudo – do salário ao cafezinho. No botequim, de resto, o álcool sai na urina. No Congresso, se os resíduos verbais fossem concretos, não haveria esgoto que bastasse.

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

PATER – A TRIBUNA (ES)

31 agosto 2017 DODDO FELIX - GORJEIOS


O MONSTRO DA ELETRÔNICA E A VIÚVA ESQUARTEJADA

O MONSTRO DA ELETRÕNICA E A VIÚVA ESQUARTEJADA

Findava o mês de dezembro,
era o ano de dois mil.
Por volta das treze horas
de uma tarde cor de anil,
Bom Jardim serviu de palco
a um crime chocante e vil.

Na Rua Manoel Arnóbio,
próximo da capelinha,
à oficina eletrônica
chegou a mulher sozinha.
Nem de longe pressentia
que encontrar a morte vinha!

Verônica, jovem viúva,
perdera há pouco o marido.
Em virtude disso, havia
um Seguro recebido.
E o dono da eletrônica
tinha há pouco conhecido.

O que a fez naquela hora
chegar àquele lugar
foi um som que lá deixara
para o técnico consertar,
o qual mandou avisá-la
que já podia ir buscar.

Entrou na casa onde o algoz
por ela estava esperando.
Levou-a para a cozinha.
Ela nele confiando.
Pois jamais suspeitaria
o que ele estava tramando.

A discutir começaram,
já que o assunto primeiro
foi a viúva exigir
reposição de um dinheiro
que ele lhe surripiara,
como qualquer trapaceiro.

Tomado de fúria, Adilso
(era esse o nome seu),
pegou a pobre indefesa
e o seu pescoço torceu.
Ao golpe não resistindo,
sem vida, o corpo pendeu…

Clique aqui e leia este artigo completo »

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

NICOLIELO – JORNAL DE BAURU (SP)

31 agosto 2017 PERCIVAL PUGGINA

SE O COMUNISMO CONSEGUIU MANTER NA MISÉRIA METADE DA ALEMANHA DURANTE 44 ANOS…

Os venezuelanos pedem socorro. Não, não são todos. Lá, como em quaisquer regimes totalitários, graças à fé doentia nas lideranças revolucionárias ou aos favores que recebe ou espera receber do Estado, parte considerável da população está alinhada com a ditadura. Os que a ela resistem se defrontam com as forças militares e com as milícias armadas pelo regime.

Pobre povo venezuelano! Foge pelas fronteiras e conta mortos nas ruas. Tudo se passou como se uma velha garrafa jogada do malecón habanero em meados do século passado, houvesse atravessado o Mar das Caraíbas, arribado no pedregoso litoral venezuelano e ali se quebrado, espargindo uma torrente de maldições semelhantes às que se abateram sobre Cuba. Sim, porque quase tudo na Venezuela segue o funesto ritual cubano: crescentes restrições às liberdades políticas, manipulações eleitorais, cerceamento da oposição e prisão de dissidentes, intervencionismo estatal, tabelamento de preços, sucateamento do parque produtivo, escassez. E, desde 2013, a versão bolivariana, eletrônica, da libreta de racionamento. Quando esta começou em Cuba, no ano de 1963, foi muito mal recebida pela população. Era uma forma de proporcionar, a um povo que empobreceu rapidamente após a revolução, alimento subsidiado em quantidades mínimas. Passados 54 anos, o Estado cubano continua se apropriando da totalidade da renda nacional e remunerando a população em servidão com salários mensais que apenas compram três quilos de leite em pó. A libreta se adelgaçou a menos da metade do conteúdo original, mas os cubanos reagem às propostas para extingui-la, porque “con la libreta nadie puede vivir, pero sin la libreta hay mucha gente que no puede vivir”.

Diferentemente de Cuba, a Venezuela era rica, petroleira, membro da OPEP. O comunismo, que afundou a economia cubana em três anos, levou 17 para arruinar o país. Mas nada é impossível a esse ogro político-ideológico. Se o comunismo conseguiu manter na miséria metade da Alemanha durante 44 anos, não seria uma republiqueta bolivariana que haveria de resistir a seu poder de destruição.

Os venezuelanos estão famintos. Matéria da United Press International em fevereiro deste ano informou sobre uma pesquisa desenvolvida por três universidades venezuelanas (Universidade Central da Venezuela, Universidade Católica Andrés Bello e Universidade Simão Bolívar). Os resultados foram assustadores! Em meio à crise de alimentos e medicamentos, a população perde peso em proporções alarmantes. Um milhão de estudantes abandonaram a escola.

Por quê? Blackouts, greves, fome. A renda de 82,8% dos venezuelanos os classifica como em estado de pobreza. O FMI estima que a inflação do país atingirá 1600% no corrente ano e a Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe avalia uma redução de 4% no PIB nacional.

Matéria do El Nacional do dia 16 de agosto passado mostra que se repete na Venezuela um fenômeno generalizado no comunismo: até as vacas param de dar leite e a população apela para éguas e cabras. A falta desse produto agrava a mortalidade infantil por desnutrição e doenças digestivas.

Nesse cenário é impositivo perguntar: para onde se deve mover a sensibilidade de uma pessoa com senso de justiça e humanidade? Claramente, é o sofrimento da população que nos deve condoer. Em instância mais remota, será a ruína de um país vizinho e sua tragédia perante a história. Mas, para isso, é preciso ter senso de justiça e humanidade. Os dirigentes e militantes dos nossos partidos de esquerda (PT, PCdoB e PSOL) olham para a realidade venezuelana e, entre o sofrimento da população sob seu governo comunista, ficam com o governo, apoiando-o para que ponha mais lenha no braseiro do inferno que criou.

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

FERNANDO – JORNAL DA CIDADE DE BAURU (SP)

31 agosto 2017 DEU NO JORNAL

CENA BANÂNICA JUDICIÁRIA SUPREMA

“Em relação a esse rapaz. não falo”

Marco Aurélio Mello, Ministro do Supremo Tribunal Federal, sobre seu colega Gilmar Mendes

* * *

Temos aqui um ministro do órgão máximo do Poder Judiciário se referindo a um seu colega de toga.

Se referindo a um “rapaz”

Eu só acredito que a informação é verdadeira porque saiu na imprensa e não foi desmentida pelo cidadão que é citado como autor da frase.

Ele disse isto mesmo pros jornalistas.

O surrealismo desta nossa Banânia lulo-dilmaica é impressionante e aumenta um tanto a cada dia. 

Boca-de-Furico e Boca-de-Buceta: uma parelha ministricamente supremal banânica

* * *

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE


http://orlandosilveira1956.blogspot.com.br/
NAQUELA NOITE, OTTO LARA “VIROU” ZÉ APARECIDO

O mineiro Otto Lara Resende (1922-1992) viveu mais tempo no Rio de Janeiro que em seu estado natal. Se nunca abandonou a “mineirice” trazida de São João Del Rei, incorporou, definitivamente, o senso de humor dos cariocas. Advogado, jornalista, escritor e frasista de primeira, Otto formou com Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos e Hélio Pellegrino, seus amigos de juventude, todos igualmente mineiros e talentosos, o que eles próprios definiram como os quatro “Cavaleiros do Apocalipse”. Ou: “adolescentes definitivos”.

Antes de tudo, Otto foi um exímio contador de casos. Há quem o considere o “ultimo causeur”. Ficcionista, ele próprio transformou-se num personagem. Diz-se que certa noite, em plena ditadura militar, ele entornou uns uísques a mais no famoso Antonio’s, reduto da boemia intelectual do Leblon. Lá pelas tantas, subiu numa cadeira e fez um duro discurso contra o regime vigente. Mais um gole, Otto voltou ao palanque improvisado, agora para comunicar à assistência, em alto e bom som, quem era: “Anotem o meu nome: José Aparecido de Oliveira”.

Em tempo: José Aparecido de Oliveira, ex-secretário do ex-presidente Jânio Quadros, mineiro como ele, era amigo de Otto desde os tempos de juventude, nas Gerais. Se a história é verdadeira ou falsa, ninguém sabe. Nem o jornalista Benício Medeiros, autor de um excelente perfil sobre o “mais carioca dos mineiros”.

Da esquerda para a direita: Paulinho, Sabino, Otto e Hélio (agachado)

Nos tempos de juventude, numa brincadeira, Fernando Sabino fez a seguinte quadrinha, para adornar a lápide de Otto:

“Aqui jaz Otto Lara Resende
mineiro ilustre, mancebo guapo.
Deixou saudades, isso se entende:
Passou cem anos batendo papo.”

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

J. BOSCO – O LIBERAL (PA)

31 agosto 2017 DEU NO JORNAL

JUSTIÇA BANÂNICA

* * *

O Meretríssimo Sinhô Dotô Juiz tá certíssimo.

Num houve estupro.

Uma simples esporrada, depois de uma boa esfregada na bunda de outra passageira, não é motivo pra condenar ninguém.

Quando muito, deve-se apenas mandar o esporrador limpar a gala que ficou pingando na roupa da mal-amada.

Ainda mais em se tratando de um pobre excluído que tem apenas 2 passagens por crime sexual. Duas conhecidas, não custa nada ressaltar.

Fora as outras esporradas que não  foram burocraticamente registradas em delegacia.

Quando ele ultrapassar umas 20 ocorrências, aí sim, se pode pensar em alguma punição.

Uma punição do tipo “pode gozar na frente, nunca atrás”.

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

CHICO CARUSO – O GLOBO

31 agosto 2017 JOSIAS DE SOUZA

“É TORTURA!”, DESABAFA MULHER DE GILMAR MENDES

A advogada Guiomar Feitosa Mendes, mulher do ministro Gilmar Mendes, comparou o pedido de suspeição feito pela Procuradoria-Geral da República contra seu marido a um suplício. Em conversa com o blog, ela chegou mesmo a utilizar o vocábulo “tortura” ao comentar a acusação de que o seu “contato” constava da agenda do empresário de ônibus Jacob Barata Filho, preso na Lava Jato e libertado por Gilmar.

“Eu perguntei para o Gilmar: será que falei com esse homem, meu Deus? Será que ele ligou pra mim e não me lembro? É uma tortura! Depois, chego à conclusão de que, se os procuradores soltam a informação de que há o contato na agenda, é porque quebraram o sigilo telefônico do homem. E não tem nenhuma ligação minha. Não tem troca de ligações.”

Guiomar prosseguiu: “É tudo muito ridículo. Primeiro, o Ministério Público anunciou que meu contato estava na agenda do Jacob. Eu achei que era um telefone meu. Descubro agora, porque eles divulgaram, que é só o endereço. Ele queria mandar flores para nós. E desde quando flores enviadas em 2015, que nem me lembro se recebemos ou não, servem para fundamentar ou para reforçar um pedido de suspeição do Gilmar?”

Na companhia de Gilmar, em viagem oficial a Bucareste, Guiomar ecoa a pregação do marido, que acusa a Procuradoria de tentar intimidar o Judiciário. “Imagina qual é a leitura que os ministros do STJ fazem desse episódio todo. Eles pensam: se fazem isso com um ministro do Supremo, o que não farão com a gente se deferirmos algum habeas corpus?”

“Quem sai perdendo”, declarou Guiomar, “é o cidadão comum, porque o Ministério Público é o dono da ação penal. O juiz, na hora de analisar um pedido de habeas corpus, vai raciocinar: é melhor deixar preso, senão eles vêm pra cima de mim. Isso acaba afetando a própria independência do Judiciário. Esse é o perigo.”

Guiomar se associa ao marido também nas críticas ao procurador-geral Rodrigo Janot, signatário de dois pedidos de suspeição contra Gilmar Mendes. O primeiro referia-se ao caso de Eike Batista, defendido na área civil pela banca de Sérgio Bermudes, que tem Guiomar nos seus quadros.

“No caso do Eike, o processo foi distribuído no Supremo e o Janot ficou quieto”, relatou Guiomar. “O Gilmar indeferiu o primeiro pedido de habeas corpus. O Janot continuou quieto. Quando o Gilmar estendeu o habeas corpus ao Eike, porque tinha deferido para um outro acusado da mesma operação, o Janot arguiu a suspeição. Ora, por que não fez no princípio?”

“Nesse caso do Jacob Barata Filho”, prosseguiu a mulher de Gilmar, “o processo foi distribuído para o ministro Luiz Fux, que se deu por impedido. Então, o processo foi redistribuído para o Gilmar. Em 25 de julho, os procuradores do Rio arguíram a suspeição do Gilmar, porque já havia um estardalhaço em função de ele ter sido padrinho de casamento da filha do Jacob Barata. Na verdade, foi padrinho do meu sobrinho, que casou com a moça. Nessa época, o Janot ficou quieto. Deixou o Gilmar decidir. Quando foi deferido o habeas corpus, o Janot arguiu a suspeição. Quer dizer que, se tivesse indeferido, não seria suspeito?”

Na opinião de Guiomar, Janot “manipula os fatos”. E “a imprensa cai nas esparrelas do procurador-geral.” Ela lamenta: “A dona Maria e o seu João assistem ao Jornal Nacional e pensam: isso é tudo farinha do mesmo saco, o bandido mandou flores para o ministro e a mulher dele. Tudo isso macula, desacredita o magistrado. E gera insegurança dos demais, amedronta os outros. Quem perde é o cidadão.”

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

VASQS – CHARGE ONLINE


http://www.musicariabrasil.blogspot.com
HISTÓRIAS E ESTÓRIAS DA MPB

Wilson das Neves

Falar dos grande representantes do samba ainda em atividade e esquecer o nome do cantor , instrumentista e compositor carioca Wilson das Neves é cometer uma das mais graves heresias existentes no universo musical brasileiro, Das Neves, como é conhecido no meio artístico começou a sua carreira como baterista na orquestra de Permínio Gonçalves na década de 1950 aos 21 anos de idade. Entre 1957 e 1968, Wilson acompanhou a pianista Carolina Cardoso de Menezes, foi membro do Conjunto de Ubirajara Silva, e estreou como “músico de estúdio” na Copacabana Discos; e se integrou em conjuntos como o de Steve Bernard e o de Ed Lincoln.

Ainda nestes primeiros anos como instrumentista firmou-se no meio musical e apesar do pouco tempo de carreira começou a acompanhar alguns dos maiores nomes da música brasileira desde então. No início tocou com nomes como o flautista Copinha, o pianista Eumir Deodato no conjunto Os Catedráticos, e com Eumir e Durval Ferreira no grupo Os Gatos. Em 1964 funda o grupo Os Ipanemas, com o qual chegou a gravar apenas um LP o qual continha canções que posteriormente viria a se tornar clássicos da música popular brasileira tais quais “Garota de Ipanema” e “Berimbau”.

Integrante das orquestras da TV Globo e da TV Tupi de São Paulo, em 1965 participou tocando bateria em todas as faixas do antológico disco “Coisas”, do mastro e compositor pernambucano Moacir Santos. Ainda na década de 1960 gravou com Elza Soares, o disco “Elza Soares – Baterista: Wilson das Neves”, formou seu próprio conjunto, registrou o LP “Juventude 2000”, gravou o disco e “Som Quente É o das Neves” com arranjos de Erlon Chaves (responsável também pelos arranjos do LP “Samba Tropi – Até aí morreu Neves”).

Na década de 1970 acompanhou grandes nomes da MPB como Roberto Carlos, Francis Hime, Taiguara, Elis Regina, Egberto Gismonti, Wilson Simonal, Elizeth Cardoso, Sérgio Sampaio, João Donato, Jorge Ben e Nara Leão em discos como “Lugar Comum”, “Meu Primeiro Amor” e “África Brasil”. Foi ainda nos anos de 1970, no LP “O Som Quente É o das Neves”, que Wilson das Neves estreou como cantor e compositor. Essa faceta do instrumentista evidencia-se de modo mais evidente a partir do samba, onde compôs canções com nomes como Nei Lopes, Moacyr Luz, Claudio Jorge, Aldir Blanc, Paulo Cesar Pinheiro entre outros.

É bem provável que esse seu lado tenha sido substanciado não apenas pela experiência de dividir o palco com nomes como João Nogueira, Beth Carvalho, Cartola, Nelson Cavaquinho, Clara Nunes, Roberto Ribeiro, Martinho da Vila entre outros, mas também por sua paixão pela escola de samba Império Serrano, onde tocava tamborim como ritmista. É de sua autoria (em parceria com Paulo César Pinheiro) a canção “O samba é meu dom”, uma belíssima música que traz em sua letra a citação de mais de vinte nomes de sambistas que contribuíram de modo significativo para a trazer o samba ao patamar ao nível em que hoje ele se encontra.

Trazer o nome de Das Neves a esta coluna é buscar dar as flores em vida a este nome que é uma das representações máximas do samba brasileiro. Sua linhagem é única, como tem sido percebível a cada novo projeto ao qual se deixa envolver, a cada novo álbum lançado ou a cada apresentação que costuma fazer empunhando suas baquetas. Uma das grandes vantagens de escrever uma coluna como esta é ter a oportunidade de não apenas trazer grandes nomes da MPB, mas falar de quem se admira como é o caso deste artista singular. Ô sorte!

Deixo aqui a sua parceria com o cantor e compositor Chico Buarque chamada “Grande Hotel”, neste registro de 1996 o cantor, compositor e instrumentista tem nos vocais a companhia de Chico Buarque, artista com quem fez parcerias nos palcos por cerca de 30 anos:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

EDITOR DESINFORMADO COMETE GAFE

Comentário sobre a postagem UM PROFESSOR DE PRIMEIRA LINHA

Yoshiro Nagase:

“Super Editor BERTO:

Embora existirem, com certeza, fatos reprováveis como os veiculados no Fantástico, essa vergonhosa prática ladroagem-politiqueira não aconteceu em MATO GROSSO DO SUL, mas sim, na nossa co-írmã MATO GROSSO.

Afetuosas saudações e um forte abraço.

Yoshirfo Nagase, de Campo Grande-Mato Grosso do SUL.”

* * *

 

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

DUKE – O TEMPO (MG)

A CARTA DE SATANÁS PARA O PRESIDENTE TEMER

Ao chegar à presidência,
Temer se disse moderno,
E prometeu para o povo,
Ser um governo fraterno,
Mas, junto com a sua gang,
Fez do Brasil um inferno.

Satanás, sabendo disso,
Ficou de cabeça quente,
Porque não admitia
Ter na terra um concorrente,
Por isso fez uma carta
E mandou pro presidente.

Para surpresa de Temer,
O Satanás se zangou,
E, numa carta raivosa,
O bicho desabafou.
Eu vou descrever agora
O que o Satanás falou:

Meu prezado amigo Temer,
Tô ficando apavorado,
Pois sempre reinei nas trevas,
Sem medo, despreocupado,
Porém tu, meu camarada,
Tás me deixando assustado.

Sou Lúcifer, sou Pai das Trevas,
Rei das fortes tentações,
Sou maligno, sou Satã,
Causador de aberrações,
Mas sou um pobre coitado,
Perto das tuas ações.

Tu, junto com teus comparsas,
Derrubaste a presidenta,
Porém fazes no governo
Outra gestão fraudulenta,
E fazes tanta maldade
Que o povo já não aguenta.

Clique aqui e leia este artigo completo »

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

ALPINO – YAHOO NOTÍCIAS

31 agosto 2017 A PALAVRA DO EDITOR

UM SUCESSO DA PORRA

A nojenta e bostosa caravana de Lula pelo nordeste, em campanha eleitoreira ilegal e escandalosa, foi um sucesso enorme.

Um fantástico sucesso de falta de público.

Melhor ainda que o vazio de gente, foi o constrangimento que o Palanque Ambulante sofreu em inúmeros recantos aqui da terrinha.

Fora Lula” foi o grito dominante em vários pontos da Nação Nordestina.

Um fato auspicioso e que deixa feliz a banda decente deste país.

Vejam esta faixa na cidade cearense de Quixadá:

31 agosto 2017 FULEIRAGEM

MARIANO – CHARGE ONLINE


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa