9 agosto 2017 FULEIRAGEM

S. SALVADOR – ESTADO DE MINAS

ANTONINO SILVA – CAMPINAS-SP

Santo Editor

É impressionante o silêncio da nossa mídia acerca dos acontecimentos na Venezuela.

Por exemplo, ontem (08/08/2017) o Jornal Nacional não deu um pio a respeito.

E hoje, nenhuma notícia acerca da INVASÃO dos membros da fraudulenta Asemblea Constituyente no espaço até então ocupado pelo Legislativo venezuelano, de maioria opositora.

É um escândalo…lá (pela agressão) e cá (pela omissão)…

R. Pois veja só, meu caro leitor: eu leio e assisto notícias sobre a calamitosa situação da Venezuela quase todos os dias na imprensa banânica.

Para ver uma reportagem sobre este assunto no Jornal Nacional de ontem, dia 8, que você citou, basta clicar aqui e procurar uma matéria intitulada Roraima pede reforço de tropas federais na fronteira com Venezuela.

Seja cautoloso, meu caro. Cuidado pra não entrar naquela onda dos descerebrados zisquerdóides de meter o pau na “grande mídia” a propósito de qualquer coisa.

A última notícia que saiu na nossa imprensa sobre este país arrasado pelo bolivarianismo, é uma declaração do psicopata João Pedro Stédile, o comandante das tropas lulaicas, dizendo que vai “enviar os seus soldados para ajudar Maduro“.

Acredite: ele disse isto mesmo!!!

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

AROEIRA – O DIA (RJ)


http://www.apoesc.blogspot.com.br
A CHAVE DO MUNDO

Na Coréia Kim Jong declara a guerra
Apontando seus misseis para o mundo
E os states rebate num segundo
O tratado de paz ali se encerra.
Falta pouco pra gente ver a guerra
Entre um louco e um doido fariseu
Que amedronta o planeta e resolveu
Fazer medo com seus fuzis caducos;
Deram a chave do mundo aos malucos
E o mundo, sem culpa, enlouqueceu.

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

MAURÍCIO ASSUERO – RECIFE-PE

Caro Editodos,

uma manchete da revista Veja me chamou a atenção: Raquel Dodge se reúne com Temer às 22 horas e fora da agenda oficial.

Segundo a futura procuradora o encontro foi para discutir a posse.

Pergunto: se a posse dela é na PGR, qual a relação do presidente com isso? Nenhuma! A posse deve ser discutida com Janot, com o cerimonial da PGR, como fez o careca do STF que procurou Carmem Lúcia para fazer esse tipo de acerto.

Temer disse recentemente que após a saída de Janot a Lava Jato seguiria o rumo certo e para nós isso soa de uma forma simples: o rumo da impunidade, da acomodação, da proteção contra os envolvidos e da coroação da decepção do povo brasileiro com a lei que pune o pobre e protege o rico.

Se o encontro era para isso, não se enxerga qualquer motivo para não ser feito dentro da agenda e com a publicidade necessária ao caso. Lembro que nesse sentido, Lewandoswki recebeu Eduardo Cunha para discutir o processo de impeachment com a imprensa presente (Cunha chegou a dizer “eu pensei que esse encontro era reservado”).

Todo mundo sabe que Raquel Dodge foi escolhida por ser contrária politicamente a Janot; todo mundo sabe que antes da escolha da lista tríplice, Temer se reuniu com Gilmar Mendes para discutir isso e a decisão por ela saiu daí.

Encontros fora de agenda só existem para discutir o que não deve ter publicidade. Só lembrando: Dilma Roussef recebeu Lina Vieira (receita federal) fora da agenda. O planalto não registrou o encontro porque Dilma queria a intervenção dela numa investigação tributária que incomodava a família Sarney. Lina registrou essa data na sua agenda, Dilma não.

O pior é que para proteger Dilma, as imagens foram apagadas e o sistema de segurança do Planalto violado; Temer recebeu Joesley fora da agenda para tratar de tramoias, de corrupção; Bumlai tinha acesso livre ao gabinete de Lula e não era para tratar de política como se sabe.

O que mais incomoda é a passividade do povo.

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

RONALDO – JORNAL DO COMMERCIO

COM BOLSA VOTO E SEM LAVA JATO

Imagine um País com bolsa voto e sem Lava Jato. Ou seja, com financiamentos bilionários de campanha pagos exclusivamente com verbas públicas de até R$ 6 bilhões por ano, o que dará aos políticos mais possibilidades de roubo, e a reeleição assegurada pelas propinas de hábito. Atente para esse paraíso dos mandatários desta porca República, pois quem vai bancá-lo somos nós, cidadãos e contribuintes espoliados pelo Estado estroina e com o patrimônio pessoal arrasado pela crise econômica. De um lado, o éden para delinquentes. Do outro, o inferno para justos.

Se você, caro leitor, está entre os que acreditam que a reforma da Previdência é necessária para tornar as contas públicas do Brasil viáveis, saiba que ela é apenas um pretexto retórico, não pertence à realidade dos fatos. Se, ao contrário, você está do lado daqueles que acreditam na lorota das contas previdenciárias superavitárias e que, portanto, está sendo armado um golpe, perca seu sono por outra causa. O golpe armado à nossa revelia é mais sórdido e insidioso. Os pais da Pátria, os zelosos defensores do novo lema de nossa bandeira – “crise e desordem” – nos lograrão com duas tungas abjetas: o distritão, para garantir o foro dos atuais mandatários, que só pensam na própria reeleição; e o fundo partidário, que nos deixará sem fundos no banco. Não restará sem-mandato que não tenha conta a pagar para que os mandatários continuem se refestelando no poder. Esse pacote de maldades resultará do único projeto que alcançará qualquer maioria no Senado e na Câmara: trate seu eleitor como um trouxa. Afinal, ele permite!

O sinal foi dado pelos deputados que não deixaram que o presidente, absolvido, junto com a petista Dilma Rousseff, da eleição mais fraudada da História da República de todas as fraudes, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por excesso de provas, fosse processado por corrupção passiva. Como tudo tem um preço, madama está liberada para ocupar cargo público, seja por um companheiro que a nomeie, seja por fiéis militantes que a elejam.

Michel Temer, escolhido para se juntar ao banquete do poder, do qual os aliados petistas se fartaram, mas apenas para roer ossos na despensa, ocupou o refeitório de forma legítima, e duas vezes. Dilma só chegou ao segundo turno das duas eleições seguidas que venceu por causa do apoio do partido dele, o PMDB, e isso legitimou a posse provisória e, depois, a definitiva dele à cabeceira da mesa farta. Depois foi, mais uma vez legitimamente, dispensado de ser processado pelo quórum constitucional de um terço dos deputados (157). Com 263, ultrapassou a meta em 109 e, de lambujem, foi anistiado por maioria absoluta dos votos (257) e mais meia dúzia. Assim, garantiu a permanência no poder até 2019.

Com 13 milhões e meio de desempregados aos pés e cercado por falências de todos os lados, o presidente partiu para bazófias ao estilo Trump, disparando torpedos em sua conta de Twitter para anunciar o fim da crise econômica, embora já se conte como certa a quebra de compromisso com o déficit público anunciado de R$ 139 bilhões. Diz-se um presidente reformista, mesmo que a mais esperada das reformas, a previdenciária, tenha destino similar ao do bebê Arthur, assassinado no ventre da mãe por uma bala perdida, no Rio.

Temer é autoindulgente, mas a aritmética é implacável. A reforma, impopular menos pela causa do que pelo pregoeiro, depende de 308 votos (três quintos) na Câmara. São 52 mais do que os recebidos para seu perdão prévio em plenário. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), garantem que a vitória chegará em setembro. É um diagnóstico similar ao feito pelo ministro da Justiça, Torquato Jardim, que decretou o fim do crime organizado no Rio: “Ele não é nem organizado nem poderoso. Ele não resiste à ação legal, obediente à lei, inerente ao Estado democrático de direito”, gabou-se.

Na cidade onde Arthur foi baleado e morto antes de ter nascido, a tal da Operação Onerat obrou essa milagre sem muitos esforços nem gastos: cumpriu 15 mandatos de prisão, nove dos quais de criminosos que já estavam presos. Mais três pessoas foram presas em flagrante e se apreenderam três pistolas, duas granadas, quatro radiotransmissores, 16 carros e uma motocicleta. E sanear a Previdência vai ser mais barato ainda: a custo zero. Pois não há brasileiro de posse das faculdades mentais que acredite no milagre dessa emenda constitucional. A que realmente vingará será a dita política, da lavra do deputado Vicente (nada) Cândido (PT-SP).

Essa, sim, passará facilmente em todos os quóruns depois da adoção do “perdido por um, perdido por mil”, que os deputados revelaram na votação da quarta-feira 2 de agosto, mês do desgosto. Pois não se mostraram nada incomodados com os baíxíssimos índices de popularidade de Temer e deles todos. Ameaçados pelo “sem foro, com Moro”, esses desprezíveis representantes garantirão a reeleição com o distritão, que protege a nobiliarquia partidária, e o aluvião de propinas, que garante a compra do voto, passando ao largo da limpeza da devassa da Lava Jato.

O relator da suja reforma política avisou que não proporá mais a sórdida “emenda Lula”, que proibiria a prisão de candidatos (entre os quais o Guia do Povo) a partir do oitavo mês antes da eleição. Esclareceu, assim, que o anúncio da impunidade para garantir seu voto de volta não passava do bode que o camponês miserável internou em casa antes de descobrir que sem ele certamente a vida ia melhorar. Se a liberdade garantida do Aiatolula não passa de um bode malcheiroso, o distritão e o financiamento exclusivo de campanhas por bilhões do erário são o paraíso que os alvos da Lava Jato – os suspeitos, quem delinquiu, mas não foi revelado, e quem não se caiu na tentação por não saber que aqui o crime compensa, sim, e muito – estão dispostos a fundar com números próximos da unanimidade.

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

A VENEZUELA CONTINUA À ESPERA DO SOCORRO QUE NÃO VEM

Em março de 2014, Mariel, uma jovem venezuelana de longos cabelos castanhos, publicou um vídeo (reproduzido no final desta postagem) que percorreu as redes sociais acompanhado da hashtag #SOSVenezuela. Vestindo camiseta branca e usando um escapulário em volta do pescoço como milhões de meninas da sua idade, ela contava que, desde que iniciaram os protestos contra o governo de Nicolás Maduro, duas semanas antes, mais de 15 pessoas haviam morrido, a maioria vítima da repressão do governo.

“Protestamos, porque estamos cansados das longas filas para comprar leite, açúcar, farinha, papel higiênico”, diz Mariel num trecho do vídeo. “Porque segundo estatísticas, um venezuelano morre a cada 20 minutos. Porque nos matam por um telefone celular. Porque não descobrimos o que está acontecendo com nosso próprio país desde que o governo censurou e fechou a mídia independente. Também protestamos porque estudantes e líderes políticos estão presos só por discordarem do governo”.

Ilustrado por imagens de manifestantes covardemente espancados ou mortos, o filme termina com um apelo. “As autoridades venezuelanas decidiram ignorar nossos clamores. Nós temos esperança de que você não faça o mesmo”, pede Mariel. “Tudo isso acontece sob os olhares cúmplices dos governos da América Latina, que ainda mantêm silêncio. E é por isso que precisamos que o mundo saiba o que está acontecendo na Venezuela”.

Três anos depois, a mesma súplica foi repetida pelo padre Santiago Martín durante o programa Actualidad Comentada, da Magnificat.TV. “Não temos ideia do sofrimento, da falta de liberdade, da falta de segurança e da falta de comida que está passando esse povo e seus mais de 30 milhões de habitantes que estão submetidos a uma ditadura cruel”, afirma. “Se me dói o que se passa dentro do país, me dói quase da mesma forma o que se passa fora: silêncio”.

O prolongamento desse silêncio fez com que Maduro se sentisse à vontade para convocar uma Assembleia Constituinte que tem como objetivo legalizar uma ditadura mal-disfarçada. Fez com que Leopoldo Lopez, Antonio Ledezma e outros políticos contrários ao governo permanecessem incomunicáveis por vários dias ao serem levados para um presídio militar na semana passada. Fez com que a procuradora-geral Luisa Ortega Díaz, também considerada uma opositora de Maduro, fosse destituída do cargo e, em seu lugar, nomeado o aliado Tarek William Saab.

O mesmo silêncio que faz com que imagens como a do vídeo acima sejam parte do cotidiano dos venezuelanos. Nele, um manifestante caído no chão é surrado por policiais, que o arrastam pelos cabelos e se revezam no espancamento até que um deles se encarregue do desfecho brutal: dispara à queima-roupa um tiro na perna do inimigo. Não foi o primeiro. Nem será o último.

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

SONIA REGINA – SANTOS-SP

Saudade não tem idade

Um presente da genialidade de Jerry Lewis contracenando com sua imaginação.

Lembrando que, só era considerado um profissional, quem conseguia datilografar 120 palavras por minuto.

Vejamos se nosso personagem conseguiu essa meta:

Outro vídeo genial.

Um detalhe interessante: a publicidade nos meios de comunicação, em um passado não muito distante, eram chamadas de “Reclame”, depois mudaram para “Comerciais”, hoje “Peças Publicitárias”, “Merchandising ou Merchan”. Será que já inventaram um novo nome?

Os nomes mudam ao sabor do tempo, mas, não mudam os talentos e aqui uma demonstração, na criação de José Carlos Galerani Diniz, e musica de Arquimedes Messina.

Voe nas asas “Varig”.

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

NICOLIELO – JORNAL DE BAURU (SP)

ELES ERRAM, NÓS PAGAMOS

Triste da nação que considera melhor manter um presidente corruPTo no cargo, ao invés de investiga-lo, julga-lo e manda-lo para o xilindró, no caso de ser condenado. O Brasil não precisa de Temer, mas ele precisa demais do cargo. Os indícios são absurdamente fortes para serem deixados sem julgamento. Na gravação da conversa imoral com Joesley, Temer diz que Rodrigo Rocha Loures é o homem de confiança que deve servir de ponte. A “ponte” é filmada recebendo a mala com R$ 500.000,00. O mais incrível: Rocha Loures devolve a mala, confessando que recebeu a propina. Era dinheiro mesmo. Nesse caso, o padrão seria negar que houvesse dinheiro dentro da mala, alegando que eram roupas para viagem.

Apesar da confissão de Loures, apesar de Temer não poder negar aquilo que está na gravação, Suas Excelências, os deputados federais, resolveram por maioria, não investigar o Presidente, alegando que o processo iria comprometer a estabilidade. Qual estabilidade? A estabilidade dos gastos excessivos? O crescimento estável da divida? A estabilidade do uso indevido da Presidência da República pela quadrilha do PMDB? A estagnação econômica?

Suas Excelências sabem que ainda estão prometidas por Janot mais duas acusações contra Temer, mais duas oportunidades de extorquir o Presidente Pato Manco. Possivelmente mais duas facadas contra o esforço dos brasileiros para não gastar escassos recursos públicos em beneficio de poucos, como no caso das alterações do Refis 2017 propostas pelos deputados. Serão duas oportunidades de colocar gente incapaz em cargos desnecessários, apenas para pagar pelos votos contra as investigações. Esse é o tipo de “estabilidade” que os deputados estavam se referindo quando votaram a favor do pornográfico relatório do Deputado Abi Ackel?

Todo o custo de manter Temer na presidência é pago por nós contribuintes. O esforço para conter gastos e cumprir a meta fiscal fica seriamente comprometido com a necessidade de afrouxar o controle das despesas e menos rigor na cobrança de receitas em atraso. O caso das alterações propostas pelo relator da MP 783 (Refis da Crise) é um exemplo do que pode acontecer com as finanças públicas em troca de manter um presidente que faz tratos com empresários desonestos, que seus homens de confiança fazem parte de uma organização tão criminosa quanto a outra comandada por Lulla.

Ruim com Temer, ruim com Rodrigo Maia transitoriamente, ruim com um presidente eleito por esse Congresso corruPTo. Mas é o que está previsto na Constituição e até que se decida alterar mais este trecho da Carta Magna, em respeito às leis é o roteiro que devemos seguir para preservar o estado democrático. Fora Temer! Custa mais caro deixar o presidente atual no cargo do que seguir o que rege a Constituição.

É assustador o quadro das contas públicas sob todos os aspectos:

Déficits Primários crescentes 2014 – 32 bi, 2015 – 114 bi, 2016 – 154 bi, 2017 ??????

Gastos: Previdência – 735 bi, Pessoal – 162 bi, Saúde – 103 bi, Educação – 31 bi

Dá para acreditar que as novas gerações serão melhores gastando 31 bi em educação e 735 bi com previdência?

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

9 agosto 2017 DEU NO JORNAL

RECORDANDO UM COMEDOR DE PRIQUITAS

O “socialismo” foi imposto à Venezuela há anos, mas nenhum dos artistas brasileiros defensores da ditadura bolivariana se mudou para lá.

O ator Wagner Moura preferiu a “imperialista” Los Angeles.

* * *

Por falar em artista brasileiro zisquerdóide, eu ouvi um boato dizendo que Chico Buarque vai comprar um apartamento em Havana e se mudar pra lá.

O outro boato é que Caetano Veloso já está de mudança pra Caracas. Dizem que ele vai morar ao lado do palácio de seu ídolo, o Nicolás Maduro.

Alguém sabe algo sobre isto?

Enquanto aguardo alguma resposta de vocês, vamos recordar o saudoso e imbatível Roberto Campos.

Campos era um cabra que tinha duas grandes qualidades: avacalhava zisquerdista com uma tremenda maestria e adorava comer priquitas.

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

J. BOSCO – AMAZÔNIA JORNAL (PA)

AS NOTÍCIAS FRESCAS

Eu acordei com a observação feita pelo editor, de que sou um colunista relapso, algo como pouco assíduo. Ele falou como quem diz que eu não cumpro meus deveres funcionais e só escrevo minhas matérias quando eu quero e se eu quero.

Só faltou me ameaçar de suspender meus pagamentos ou, pior, me demitir, o que, aliás, não seria nada mau: eu teria a chance de sair desta porcaria de jornal e passar a escrever para a Veja, para o Globo, para a Folha, para o Estadão – um desses ou todos eles! – que vivem me chamando, mas eu continuo aqui, com a exclusividade que me foi exigida. Uma hora faço como Neymar e chuto o balde!

Como decidi, por enquanto, e só por enquanto, permanecer mais um tempo por aqui mesmo, levantei da cama às dez horas da manhã, ainda de cara cheia de ontem, pronto para escrever uma droga de um artigo qualquer, mas… cadê idéia? É por isso que demoro tanto a escrever: cadê idéia?

Recorro ao UOL. Vou pegar uma notícia qualquer e escrever sobre ela. Olho logo a manchete: Inflação em doze meses fica em 2,71%, a menor desde fevereiro de 1999. Ora, não vou escrever sobre isso, o Temer não gosta. Deixo para os puxa-saco dele, aqueles que falam que tudo o que não presta é herança maldita da Dilma e do Lula, mas quando é inflação baixa, aí não, aí é o Temer que é o bonzão do pedaço, o gostosão.

Próxima: Base quer aprovar reforma política “enxuta” em 10 dias. Oras, nem se fosse a reforma política molhada. Pulo essa.

“Fui ameaçado para fazer delação”, diz dono do “posto da Lava.Jato”. Eu passo. Ninguém quer saber se há métodos pouco convencionais ou não, é preciso tirar Lula da jogada, haja o que hajar. Vamos para outra.

Entre prisões de donos de empresas de ônibus, erro de receitas culinárias, saidinha de presos no Dia dos Pais, encontro da próxima procuradora com Temer à noitinha e fora da agenda e a possibilidade de eu ir trabalhar no Canadá (opa!), algo me chama a atenção assim de leve, pois mexe com a figura da hora: a imagem da presidente do STF; será que vão candidatá-la, também, à presidência da república? Leio. Não, é algo mais próximo.

A chamada: Cármen propõe ao STF não seguir aumento do MP. A notícia prossegue dizendo que a presidente do Supremo apresentará hoje a idéia que deixará mal a futura procuradora-chefe Raquel Dodge.

Do que se trata? Ora, o MPF quer aumento de salário, não menos que 16,38%, sob a justificativa de que está há anos sem recuperação da corrosão inflacionária (o último aumento foi em janeiro de 2015, serviu para repor a inflação de 2012 e 2013, de modo que a de 2014, 2015, 2016, e mesmo de 2017, não foi corrigida).

Eles, os procuradores, são casados, em geral, têm filhos e gastam uma baba para manter o nível de vida de suas famílias e conduzir com tranquilidade as operações da Lava.Jato; e ninguém, a não ser Carmén Lúcia, quer, ou parece querer, diminuir o vigor dos encarregados desse trabalho pesado. É que se o STF não for aumentado, qualquer aumento que se dê ao MPF e a outras categorias que ultrapasse o teto, que é o salário dos ministros do STF, será inócuo, não poderá ser recebido.

Hoje, dia 9 de agosto de 2017, a presidente deverá levar a proposta de não querer aumento à apreciação dos demais ministros. Já se antevê que eles, contrafeitos, a acompanharão, pois não querem ficar mal na fita enquanto ela posa de mocinha.

Mesmo que decidam aprovar a proposta de ficarem à míngua, acredita-se que os ministros do STF cochicharão que para ela é fácil, é solteira, não tem filhos, mora sozinha, não tem nem empregada doméstica…

Quanto aos procuradores, caso os ministros decidam como quer Cármen Lúcia, e caso os procuradores sejam aumentados em 16,38% e os ministros do STF não, eles, os procuradores, serão os maiores pagadores de impostos do mundo, pois, além de pagarem todos os que os demais pagam, ainda por cima terão cortados os mesmos 16,38% do aumento inócuo.

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

MARIANO – CHARGE ONLINE

LUCILIA GARCEZ – BRASÍLIA-DF

Queridas e queridos,

O filme “Cícero Dias, o compadre de Picasso“, de Vladimir Carvalho, é finalista no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro da Academia Brasileira de Cinema como melhor documentário.

Se vocês gostaram e querem prestigiar nosso cineasta votem clicando aqui.

Podem votar quantas vezes quiserem.

Agradecemos antecipadamente o apoio.

Abraços,

Lucília e Vladimir

R. Minha querida  amiga, que alegria enorme receber notícias suas e de Vladimir!

Vocês formam um casal de mora na minha estima.

Sua mensagem me deu saudades daqueles tempos em que eu morava em Brasília e vocês iam sempre na minha casa, nos finais de semana, pra fazermos reuniões que eram verdadeiros encontros de artistas, músicos, poetas, compositores, cantadores e muita gente talentosa de tudo quanto é ofício.

Tudo isto regado a cana, cerveja e comida nordestina.

Se lembra que você e Vladimir iam lá pra casa a pé, catando manga-rosa pelo caminho pra chupar durante a caminhada? Pois é. Bons tempos aqueles.

Se quiser matar as saudades, clique aqui e reveja umas imagens que Vladimir fez lá em casa, num documentário que estava rodando sobre o poeta Orlando Tejo. Você aparece ligeiramente num trecho do vídeo.

Pode ter certeza que a comunidade fubânica vai entrar no endereço que você mandou e vai votar em peso no filme de Vladimir  que está concorrendo ao Grande Prêmio da Academia Brasileira de Cinema

Vladimir Carvalho é um paraibano arretado, natural de Itabaiana, a mesma terra de nascença de Sivuca e do poeta Zé da Luz. Sem contar que é lá que mora o grande poeta Jessier Quirino, colunista desta gazeta escrota.

Vladimir tem a seu crédito obras do quilate de “O País de São Saruê” e “O Evangelho Segundo Teotônio

Quem quiser saber mais sobre Vladimir Carvalho, clique aqui. Veja a sua vida e a sua filmografia.

Ou então clique aqui para assistir o filme “O País de São Saruê” na íntegra.

Um beijão, lindona!

E disponha sempre deste espaço.

Vladimir Carvalho, um cineasta nordestino da bixiga lixa

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

SID – CHARGE ONLINE

HÁ SINCERIDADE NISSO?

Somando-se ao valioso patrimônio representado pela língua portuguesa, as legiões romanas nos legaram também deploráveis exemplos. Um deles é que em Roma Antiga, ao cinzelar o mármore os escultores, por mediocridade ou desonestidade, ou por associação dos dois defeitos, corrigiam as trincas e outras imperfeições do material ou do artesão valendo-se de uma cera especial que escondia os defeitos das estátuas, deixando-os imperceptíveis para a maioria dos compradores.

Ocorre que não se enganam os consumidores todo o tempo, e logo eles foram percebendo as imperfeições, concluindo que se tratava de uma escultura cum cera.

Os escultores talentosos e honestos, por seu turno, faziam questão de assegurar que suas estátuas eram sine cera, ou seja, perfeitas, sem defeitos ocultos. E eram. Dos contrastes de dois tipos de escultores, pois, vieram as expressões latinas – cum cera e sine cera – dando origem à palavra sincera.

Mas por que esta divagação etimológica? – você, com razão, há de querer entender.

Explique-se: o deputado paraense Wladimir Costa, aquele que comemorou com champanhe o impeachment de Dilma Rousseff tatuou no ombro o sobrenome do presidente da República em conjunto com a bandeira verde-amarela. Logo surgiram os que a reputaram cum cera, enquanto outros asseguraram ser sine cera.

A discussão não bastou para dirimir a dúvida, requisitando-se a opinião do mais afamado tatuador de Brasília, que sentenciou não ser cum cera nem sin cera, mas cum hena, um processo delével.

Fica algo a ponderar: terá um deputado que dedica o seu tempo à bajulação consciência da importância do seu mandato? A resposta sin cera é não.

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

J. BOSCO – O LIBERAL (PA)

INTERAÇÃO COM OS MILITANTES

Comentário sobre a postagem VACAS E ANTAS

Marcos André M. Cavalcanti:

“Se Maduro disse que Hugo Chaves falou com ele em forma de passarinho, é normal que troque umas idéias com as vacas.

Dizem que por aqui Lula fala com seus militantes…!!!”

* * *

Lula conversando com os seus eleitores:

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

LAFA – CHARGE ONLINE

ATRÁS DA PORTA

O PT, liderando a esquerda, quer se vingar de Temer, derrubando-o. Os partidos adversários querem botar Lula na cadeia e destruir o PT. Temer está disposto a ser impopular para reformar o Brasil. E a Mula sem Cabeça expele fogo pelo nariz – que, como os bens de certos políticos, não é dela.

Para acreditar numa dessas lendas, melhor acreditar na da Mula sem Cabeça. Vai decepcionar-se menos. Os fatos: o PT gostaria de se vingar de Temer, muita gente quer botar Lula na cadeia, e Temer, que já é impopular mesmo, sabe que ou há reformas, e rápido, ou o Brasil quebra. Quem perder essas brigas ficará com menos poder, menos mordomias. É chato, mas tolerável. Já o adversário real, Sérgio Moro (e outros juízes, e promotores), põe em risco boa parte da fortuna, todo o poder e a liberdade dos políticos da esquerda à direita. Para o poderoso, como tolerar a cadeia?

Neste momento, os inimigos entre si negociam como se amigos fossem, para neutralizar a Lava Jato e outras iniciativas semelhantes. Há manobras subterrâneas, como a redução das verbas, a redistribuição dos inquéritos; e há manobras abertas, de denúncia de questões reais de chefes das ações anticorrupção – procuradores e juízes com penduricalhos salariais que ganham acima do teto constitucional, longas prisões sem julgamento, bons acordos, muito bons, para delatores. Afinal, ninguém imaginaria que o Poder se entregasse sem usar todos os recursos – até mesmo os legais.

A raiz da luta

Aliás, a guerra entre Gilmar Mendes (STF) e Janot faz parte da questão.

A lei anda!

Há um projeto de lei na Câmara, o PL 6726/2016, que está parado desde o último 15 de dezembro. Agora, um deputado do PPS do Paraná, Rubens Bueno, decidiu cuidar do caso: está coletando assinaturas para colocar o projeto em votação, em regime de urgência. Uma coincidência: o PPS faz parte do bloco governista, e o PL 6726 fecha as brechas para salários superiores ao teto constitucional de servidores públicos, atingindo grande número de magistrados e promotores. Auxílio-moradia, auxílio-educação, vencimentos, tudo terá de caber no teto constitucional de R$ 33.763,00, equivalente aos vencimentos de ministros do Supremo. Só em São Paulo, 718 magistrados recebem mais que o teto constitucional.

Inimigos amigos

E que ninguém estranhe a aliança de inimigos tradicionais diante de um inimigo comum mais perigoso. Faz parte do jogo. Quando a Alemanha nazista invadiu a União Soviética, o dirigente britânico Winston Churchill se aliou formalmente ao líder soviético Yossef Stalin, a quem sempre atacara com dureza. Quando lhe cobraram a mudança de posição, Churchill explicou: “Se Hitler invadisse o Inferno, eu faria pelo menos uma referência favorável ao Sr. Demônio na Câmara dos Deputados”.

Por falar em benefícios

A petroquímica Braskem, joia do grupo Odebrecht, estuda a mudança de sua sede para os Estados Unidos. Lá está investindo US$ 2,2 bilhões numa nova unidade. Segundo o presidente da empresa, Fernando Musa, “nos próximos cinco ou dez anos”, a Braskem vai investir fora do Brasil. Aqui, pouca coisa, “sem um salto relevante”. A Braskem nasceu poucos meses antes do início do Governo Lula, e se transformou rapidamente numa gigante mundial. A Odebrecht tem 38,25% do capital; a Petrobras, 32,15%. A Odebrecht, controladora da Braskem, fez acordo de delação premiada para que seu presidente, Marcelo Odebrecht, já condenado, pudesse cumprir a pena em casa, a partir do dia 19 de dezembro.

A união dividida

Quanto à esquerda, foi-se o tempo em que o PT comandava um bloco unido. Quando a Câmara apreciou a denúncia contra o presidente Temer, o PT, que queria evitar a votação, sugeriu que os deputados de esquerda não dessem número para a sessão na qual a denúncia seria rejeitada; e Temer continuaria exposto ao desgaste da luta para sobreviver. O PCdoB quis marcar posição, compareceu, votou em bloco contra Temer. Outra divisão: o governador do Maranhão, Flávio Dino, do PCdoB, candidato à reeleição, avisou os aliados de que Roseana Sarney, PMDB, que andava meio sumida, voltou com força total e, no comando do poderoso esquema Sarney, pode retornar ao poder. O PT ainda não se mexeu (há até quem esteja com Roseana) para salvar Dino, o aliado candidato à reeleição

Fora do tom

E há um caso curioso, o de Agnaldo Timóteo, que passou por vários partidos, entre eles o PDT, parte da aliança de esquerda. Ele cometeu o imperdoável pecado de falar mal de Leonel Brizola, fundador e ídolo do partido. Falar mal de Brizola, para o PDT, é como, para o PT, falar mal de Lula: uma heresia. Timóteo está entrando no PT. O PDT já resmunga.

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

IOTTI – ZERO HORA (RS)

9 agosto 2017 DEU NO JORNAL

UMA PEQUENA AMOSTRA DO QUE VEM POR AÍ

Apesar de sua força política no Nordeste e de o governador do Piauí ser do PT, o ex-presidente Lula foi derrotado no seu primeiro teste nas urnas após ter sido condenado pela Lava Jato.

Lula gravou um vídeo de apoio ao candidato Jailson (PT) à prefeitura de Miguel Leão, pequena cidade do Piauí. O candidato de Lula perdeu a disputa para o candidato do PR.

A eleição suplementar ocorreu domingo porque o prefeito, o vice e o presidente da Câmara foram cassados.

No vídeo de um minuto, que acompanha a legenda “ex-presidente do Brasi”, sem a letra “L”, Lula nacionaliza a disputa.

O Jailson é do PT e você sabe que o PT sabe governar o Brasil, sabe governar Miguel Leão, por isso domingo não se esqueça, vote em Jailson”, diz ele.

Jailson recebeu 625 votos e terminou a eleição em segundo lugar.

* * *

Hum…

No interior do Piauí.

Isto é só o começo.

É apenas uma pequena amostra do que virá em breve futuro.

Este bandidão escroto vai sumir do mapa juntamente com o estabelecimento político-comercial de sua propriedade.

Aquela quadrilha que usa a sigla PT.

Tchau, seus meliantes babacas!!!

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

SAMUCA – DIÁRIO DE PERNAMBUCO


QUEM ENTENDE O BRASILEIRO?

Provavelmente a “raça brasileira” já não é tão pura, desqualificou o “pedigree” e agora vive misturada com políticos – o que acaba sendo o mesmo que uma mistura com bosta, lama, merda, esterco e o que mais possa somar para atingir o estágio em que vivemos. E pouco nos lixamos para mudar essa situação. Somos cúmplices até a alma.

Será que alguém consegue explicar, por que um país como o Brasil tem o Senado e a Câmara Federal que tem? Que merda é essa que todo dia se tem proposta de “emenda à Constituição”? Caramba, finalmente, quando ficará “pronta” essa tal Carta Magna? Agora, como ficar “pronta” com a composição que cada Estado colocou para representa-lo?

De sã consciência – você repetiria o voto das últimas eleições?

Se votaria, é porque você é que é o escrachado, o bundão, o mala sem alça, o corrupto de forma indireta. É sócio majoritário de quem está botando no fiofó de muita gente.

É verdade que estamos “avançados” em algumas leis, em alguns entendimentos – mas também é verdade que temos leis concebidas para a Finlândia, enquanto somos um país de décimo mundo. E olhe lá!

Para mostrar apenas um pequeno número de situações tipicamente brasileiras, escolhemos algumas fotos e frases que dizem muito bem do povo que somos. Somos hilários, somos engraçados, somos uns zé manés.

Alguém entendeu que burro de carga pode e deve fazer tudo

Reclamar todo mundo gosta. Dizer que o maior problema do país é o político, todo mundo diz e gosta. Mas, será que você faz tudo certo na sua vida? O que você acha de quem trata dessa forma um animal que ajuda a ganhar o pão?

Essa é uma fotolegenda – nada a acrescentar

Poucas palavras e muita coisa dita

É assim mesmo. Mais direto que isso é impossível. O brasileiro compra um carrinho fuleiro para pagar em 60 prestações e se acha “rico”. Atrasa o IPVA, regateia para emplacar o dito cujo, quer consumir (ingenuidade!) combustível ao mesmo preço que a Petrobras vende para o Uruguai, Argentina e Paraguai. É um bobalhão que ajuda a ser roubado.

Não respeita as leis do trânsito, e reclama até de ter que comprar uma cadeirinha para assentar o bebê no banco traseiro, pérolas dos nossos competentes legisladores. Reclama de tudo, enfim. Mas se acha com o direito de “estacionar” a bosta do veículo em qualquer lugar.

E quando tem um carrinho de merda, acha que é alguém na vida, acha que é rico, acha que é dono do mundo. Para ele (brasileiro), só quem trabalha e tem pressa para chegar ao destino é ele – quer, sempre, passar por cima de todo mundo.
Não deveria se reproduzir. O preservativo é um bom presente.

A prova que tanto cobram da Lava Jato

Condenado no primeiro processo por desvio do conduta no processo que envolve propina de uma empreiteira, transformada em imóvel (tríplex), Lula Vacilão vai passar uns bons e merecidos dias na cadeia.

Quando começar a gostar do novo endereço, estará sendo julgado mais uma vez, agora por desvio de conduta no tocante ao sítio de Atibaia, que também recebeu como propina, segundo informa a Operação Lava Jato deflagrada pelo Ministério Público Federal.

Os petralhas cobram a apresentação de provas. A PF vasculhou uma das despensas que existem no sítio e encontrou a principal prova: um conjunto de potes de mantimentos, todos com identificação que atesta de forma irrefutável quem é verdadeiramente o proprietário do sítio de Atibaia.

Culpa do estepe

Jeep antigo a boa desculpa de “Dico de João”

Quem tem mais de 50 anos de idade vai entender com mais facilidade o que pretendo dizer neste reflexivo texto. Os nomes dos nossos filhos – é o assunto.

Antes, Raimundo, Pedro, Epaminondas, Gabriel, José, João, Alberico e tantos outros se juntavam às Maria, Anunciada, Conceição, Beatriz, Fátima e mais outros tantos. E aí o brasileiro resolveu assumir de vez, a dependência, inclusive cultural, do estrangeirismo.

Não foi difícil, e começaram a aparecer com mais força os John, Alessandro, Bill, Claude, Beatrice, Margareth, Khatia, Karmen, etc., etc. Também não ficou distante a falta de respeito de alguns pais, que começaram a querer imitar aos que criavam e imprimiam as antigas estórias de faroeste retratadas em gibis, pegando alguns nomes de chefes e ascendentes de tribos indígenas, que “batizavam” nas águas de um rio qualquer, os filhos com nomes de “Sol que brilha”, “Cavalo que caminha muito”, “Montanha que faz milagre”, e daí por diante.

Ainda bem que o Código Civil abriu espaço para a mudança de nome de quem não vive satisfeito com o nome que recebeu dos pais, nos cartórios. Idiotice pura, torcer por um time de futebol e achar bonito registrar o filho com o nome de “Garrincha Didi Vavá Pelé Zagalo” ou ainda com nomes de jogadores famosos da Itália ou da Argentina. Falta de respeito ou de amor ao filho.

Pois, em plena “vigência” dos Raimundo, Pedro, Sebastião, José, Getúlio, um pai resolveu passar o fim de semana no interior para olhar de perto o progresso da plantação de manivas, feijão, batatas, e programar a colheita da mandioca para a farinhada.

A estrada tinha mais de vicinal do que o “Mais asfalto” politiqueiro de hoje. Pois, o pai, batizado Raimundo, mas conhecido por Dico, e mais ainda por “Dico de João” decidiu que a viagem seria feita no velho e possante Jeep Willys carro para toda obra do anos 50 e 60. Tração nas quatro rodas, muita força para subir morros e ladeiras. Além dos quatro pneus – ainda com câmaras de ar – equipado com um estepe.

Iniciada a viagem para a roça, “Dico de João” esqueceu alguns detalhes necessários, como a verificação do carburador, calibragem dos pneus, enchimento do tanque e a condução de acessórios importantes como a caixa de ferramentas e o macaco. Também esqueceu do estepe.

Depois de sair da estrada estadual e entrar na estrada vicinal com mais de duas horas de viagem comendo poeira, ao tentar se livrar de um jumento, “Dico de João” saiu um pouco da estrada e “passou por cima” de alguns tocos, furando um dos pneus dianteiros. Arrumou o Jeep para a troca e quando foi verificar, o estepe também estava furado. Para reparar tudo, precisaria caminhar muito. E “Dico de João” resolveu passar a noite ali mesmo.

Sob a luz fria da lua e as paisagens formadas por algumas nuvens, foi difícil se preocupar com corujas, cobras ou pragas – e trepar no coqueiro foi mais animador e inevitável. No tempo próprio nasceu mais um filho de “Dico de João”:

– Stephens Estrada!

Nos anos que se seguiram, aos Raimundo, Amadeu, Pedro e tantos outros, “Dico de João” viveu sempre explicando que tudo foi uma homenagem ao estepe.

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

SINOVALDO – JORNAL NH (RS)

9 agosto 2017 DEU NO JORNAL

UMA PARELHA FEITA NA MEDIDA

“Eu quero ir para o PT como soldado do Lula. Eu não sou PT, eu sou Lula Futebol Clube.”

Agnaldo Timóteo, ex-deputado federal e ex-vereador

* * *

Pelo que conheço do Agnaldo Timóteo político, ele fez a escolha certa.

Certíssima.

O ex-presidente Lula e o ex-deputado Timóteo formam uma bela parelha.

Em termos de política, eles são feito pinico e urinol: a mesma coisa.

Detalhe: Agnaldo foi eleito vereador pelo Rio de Janeiro e também por São Paulo.

Nós nordestinos não temos nada a ver com isto!!!

Timóteo e Lula: dois lindos tolôtes da política de um país chamado Banânia

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA (ES)

DERBY, O QUE ESCONDE ESTE BAIRRO

O bairro do Derby tem uma história singular, mas pouco conhecida dos recifenses dos nossos dias… Quem por lá passa, ou mesmo ouve falar, mal desconfia que, por traz de tão diminuto nome se esconde tanta história do passado do Recife.

– Sim… Derby.

Quem há de lembrar que nos anos finais do século XIX, o que veio a ser o simpático e agradável bairro do Recife fora um centro comercial de padrões internacionais, tendo por atração o Derby Club e, nele, um dos melhores hotéis da América do Sul, além de um Mercado Modelo que, de tão moderno, seria o inspirador de todos os avançados centros de compra (Shopping Centers) dos nossos dias (!).

Tudo começa quando, em terras da antiga Sociedade Hípica Derby Club, fundada em 6 de dezembro de 1888, o industrial Delmiro Augusto da Cruz Gouveia (1863 -1917) resolve iniciar, em 1898, a construção do Mercado da Estância ou Mercado Modelo, mais conhecido pela população como Mercado do Derby. Para isso firmou contrato de isenção de impostos com o município do Recife pelo prazo de 25 anos, ficando as obras concluídas em 7 de setembro de 1899. O novo edifício em estilo neogótico dispunha de 129 metros de fachada dividida em dois corpos principais com pavilhões em suas extremidades.

Mercado do Derby

Mercado do Derby

Voltado para o nascente, o Mercado do Derby dispunha de 18 portões e 112 janelas, localizando-se no centro um pavilhão em dois pavimentos onde funcionava a administração, com uma vista de todo o movimento dos corredores centrais. As cobertas dos dois corpos principais eram suspensas por quatro linhas e 16 colunas em ferro, sendo o pavilhão central cercado por ventiladores que se encarregavam da renovação do ar e da luminosidade do ambiente. Possuía o mercado 264 compartimentos, dispostos em forma de três ruas paralelas, sendo servido por água encanada, esgotos e uma central de energia elétrica, a grande novidade da época.

Em frente à fachada principal, tinha início uma área ajardinada com 400 metros quadrados de extensão, onde eram disputadas corridas de bicicleta e, mais adiante, à direita, foi erguido um luxuoso hotel com vários salões para jogos, cafés, restaurantes e outros divertimentos, sendo todo o conjunto servido por uma linha da Companhia de Ferro Carril, que administrava o transporte coletivo por tração animal.

mercado do derby2

Assinala a Wikipédia ser o atual bairro do Derby, no final do século XIX, algo inusitado difícil em ser concebido pelos que o conhecem em nossos dias:

“O empreendimento incluía mercado, hotel, cassino, velódromo, parque de diversões e loteamento residencial e causou admiração junto a segmentos da população do Recife, que se orgulhavam deste empreendimento a colocar a cidade em sintonia com o que havia de mais moderno e sofisticado no mundo da época. Expressão de progresso e civilidade, o Derby era um centro de diversões modernas que levou ao Recife os prazeres desconhecidos, produzidos com o auxílio da técnica e da ciência”.

A escritora americana norteamericana Marie Robinson Wright em seu livro The New Brazil (1901) (¹) descreve:

“Muitos estrangeiros visitam o porto de Pernambuco todo ano, e não é raro ver meia dúzia de nacionalidades representadas nos hotéis de seus atraentes subúrbios, especialmente no Derby, que é um dos mais pitorescos lugares que se pode imaginar, com bonitas casas, sombras de arvoredos, leve movimento das águas do rio, pequenas pontes artísticas semienterradas na vegetação das margens, e canoas alegremente pintadas deslizando na superfície da água. Este subúrbio goza da distinção de possuir um dos melhores hotéis da América do Sul; o Hotel do Derby é perfeitamente moderno em todos os sentidos e orientado por um padrão metropolitano de serviço. O mercado do Derby é um dos maiores estabelecimentos do seu tipo, no Brasil, e está equipado para os amplos negócios que diariamente são nele realizados. O subúrbio deve seu aspecto atraente à empresa de um cidadão muito progressista, Senhor Delmiro Gouveia, o proprietário, que tem pessoalmente dirigido tudo em sintonia com o desenvolvimento do empreendimento”.

O empreendimento contava com um dos melhores hotéis da América do Sul; o Hotel do Derby, que era considerado moderno em todos os sentidos, e prestava um padrão metropolitano de serviços. O mercado do Derby foi um dos maiores do gênero, no Brasil, e estava bem equipado para os negócios que diariamente nele eram realizados. Nele, além dos artigos comercializados nos mercados na época como os alimentos, se vendia gelo, jornais diários, artigos para fumantes. Havia filial da Livraria Francesa, lojas de perfumarias, lojas de tecidos, de calçados, de louças, de miudezas, e outras.

Hotel Internacional (Cartão Postal datado de 1908) (2)

Hotel Internacional (1908)

“Estrategicamente localizado fora do centro da cidade, numa área cercada por rios e mangues, adotava já naquela época um dos princípios de marketing que norteiam os shopping centers do século XXI: a garantia um isolamento espacial, um ambiente autônomo e com lógica própria, ideal para favorecer as compras e longe de tudo aquilo que possa dificultá-la – o barulho e o movimento das ruas, a falta de segurança, as intempéries naturais. O Derby do final do século XIX era ligado a outras localidades por bondes de bagagem, que trafegavam de manhã, para atender seus clientes”.

No Derby a diversão era a finalidade do empreendimento, e o consumo era promovido como espetáculo, distração, aventura e prazer, procurando ligaá-lo à ideia de progresso, distinção, status e bom gosto. Já naquele tempo utilizava iluminação elétrica com uso cenográfico, e seus funcionários eram orientados para atender com cortesia os clientes, enquanto a música, a variedade de comidas, bebidas e jogos formavam o espetáculo neste “Centro Comercial e de Diversões”. A então magia proporcionada pela luz elétrica e pelo cinema encantavam seus frequentadores.

Era estimulada a prática de esportes, que passaram a ser símbolos de distinção social: corridas de bicicleta (com casa de apostas), regatas, ginástica, jogos de bilhar, dados e dominó, tiro ao alvo, boliche e corridas de pedestres. A exposição denominada “Paris no Derby” constitui-se “um pavilhão para exhibição de diversos apparelhos electricos de diversões” .

Os jornais do Recife noticiavam que grandes multidões – de até oito mil pessoas, segundo matéria no Jornal Pequeno – frequentavam o Derby, e se constituíam num espetáculo à parte. Como os shopping centers de hoje em dia, o Derby visava a estender o consumo às horas livres, às noites, e aos dias santificados.

Mas, não se esqueça caro leitor de hoje, que estávamos no Recife, capital mundial da inveja e da cobiça…

O pior estava por vir…

O que era um paraíso, assinalado pela imprensa da época com títulos como Paris no Derby (Jornal Pequeno, Recife, 11 set. 1899) e causava admiração a todos que nos visitavam, num passe de mágica veio a ser destruído pelos inimigos do industrial Delmiro Gouveia: Na madrugada de 2 de janeiro de 1900, militantes da polícia civil, gente da confiança do vice-presidente da República, Francisco de Assis Rosa e Silva (1857-1929), e do governador do Estado, Sigismundo Antônio Gonçalves (1845-1915), botaram fogo na ala sul do Mercado do Derby, provocando a sua destruição e a consequente falência do empreendimento.

O ato criminoso já era esperado, depois da agressão de Delmiro Gouveia ao conselheiro Rosa e Silva, em 17 de junho de 1899, em plena Rua do Ouvidor, no Rio de Janeiro; episódio largamento divulgado tanto por jornais situacionistas como oposicionistas, e que veio dar causa ao incêndio e consequente destruição do Mercado do Derby.

O jornal recifense A Província publicou, em 4 de janeiro de 1900, um telegrama atribuído ao governador Sigismundo Gonçalves para o Conselheiro Rosa e Silva: “Mercado incendiado. Delmiro preso. Saudações, Sigismundo Gonçalves“.

No que restou do suntuoso prédio funcionou, anos depois sediou a Escola de Aprendizes Artífices (1909) e, no governo de Sérgio Loreto (1922-1926), foi nele instalado o 1º Batalhão de Infantaria Estadual, passando a ser ocupado definitivamente pelo Comando da Polícia Militar de Pernambuco a partir de 19 de novembro de 1925; conjunto arquitetônico devidamente tombado pelo Conselho Estadual de Cultura.

_____________

1) WRIGHT, Marie Robinson. The New Brazil. It’s Resourses and attractions. Historical, Descriptive and Industrial. Philadelphia, George Barrie & Son, 1901. 314 p.

9 agosto 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

SEVEN SPANISH ANGELS

Seven Spanish Angels” composição de Troy Seals e Eddie Setser na interpretação de duas grandes vozes da música americana, Willie Nelson e Ray Charles, em 1984.


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa