3 setembro 2017 FULEIRAGEM

ZOP – CHARGE ONLINE

UMA GAZETA MENTIROSA QUE SÓ A PORRA: O PT NÃO TEM ABSOLUTAMENTE NADA A VER COM O PMDB

Comentário sobre a postagem CACHORRADA BANÂNICA DE ALTÍSSIMO NÍVEL

Goiano:

“Consta que na época (2010) a escolha do Temer foi “segundo Sarney”, unanimidade do Partido, isto é, do PMDB, e não escolha de Lula.

Entretanto, a Dilma disse em entrevistas que ter ela feito a escolha de Temer para a chapa foi um erro político óbvio.

Já o Jornal da Besta Fubana diz que quem escolheu foi o Lula.

Afinal, onde está a verdade?”

* * *

Este “consta” que foi o PMDB quem escolheu Temer, e não Lula, tá arretado.

E isto “segundo Sarney”

“Lula não participou da escolha de Temer. Eu chega se mijei-me todinho de tanto se rir-se-me! Essa foi pra arrombar o priquito de Xolinha!”

* * *

Um vídeo pra completar a hilaridade dominical:

3 setembro 2017 FULEIRAGEM

NICOLIELO – JORNAL DE BAURU (SP)

APRENDI UMA ASNEIRA NOVA: PIGMENTALISMO

Não costumo assistir à TV aberta, é raro. E todas as raras vezes a que assisto, aprendo uma asneira nova.

Estava na casa deu uns amigos, em Palmas-To, e sem ter o que fazer, liguei a TV. Como eles não têm TV por assinatura, estava sintonizada na Globo, precisamente no programa apresentado pela Fátima Bernardes.

Começou o desfile de besteiras. O tema, última moda do politicamente correto, era o de sempre: racismo.

Do programa, dentre outros, participava uma atriz negra -não sei o nome- , aquela que faz uma comédia que tem como tema uma pensão no bairro do meier no Rio. É, também não lembro o nome.

Essa senhora contou que é casada com um branco e que, quando conheceu o marido, este lhe chamou de morena, ao que imediatamente protestou, dizendo ser negra com muito orgulho. Foi muito aplaudida pela plateia ignorante. Isso sim, aquela mulher, contra tudo e contra todos da sociedade não aceitou ser chamada pelo que não era, afinal, chamar uma negra de morena é racismo, um absurdo.

Também não acho certo chamar um negro de moreno, mas por que as pessoas fazem isso?…Simples. No mundo politicamente correto de hoje, se você for branco, chamar o negro de negro, ou pior, de preto, mesmo sendo sinônimo, você vai ser taxado de racista, de fascista (mesmo que eles não saibam o que é) e de um monte de outros adjetivos. Experimentem.

O certo seria afrodescendente? Aí é que o bicho pega. Todos nós, sejamos de qualquer etnia, somos afrodescendentes, afinal, o ser humano surgiu na África e todos guardamos essa origem no nosso DNA mitocondrial. E agora? Como chama-los? Humanos de pele mais escura?

Mas o grande absurdo que vi naquele programa não foi o citado acima, foi muito pior.

Aprendi que o termo racismo está ultrapassado. Agora o certo é falar em pigmentalismo… pqp, essa palavra nova ainda consegue ser pior do que empoderamento.

Pigmentalismo, mas que porra é essa?

De acordo com a imbecil que o vomitou, o racismo por si só está errado, pois ele ocorre em diferentes graus de acordo com a tonalidade da pele dos negros, ou seja, os negros de pele mais clara sofrem menos racismo do que os negros de pele mais escura. Deve ser aquele negócio de canela fina. Aí eu desliguei a TV, não deu pra ouvir até o fim.

Mas ela está certa. Como militante da causa de uma minoria, não poderia perder para os LGBT, que hoje estão focados em aumentar a sigla para LGBTQWERTYUIOP…, a cada dia aparece um tipo de boiola, ops, gênero novo. Por que não um tipo de “raça”?

De humano de pele mais escura não vai dar para chamar. De acordo com a jumenta, vai ficar difícil. Vai ter humano com a pele menos escura, humano com a pele escura, humano com a pele muito escura, humano com a pele muito escura pra caralho etc.

Vocês vão ver essa palavra na moda muito breve. Querem apostar?

Volto da minha viagem, o Brasil de pernas pro ar, e vejo o JN festejando o banheiro unissex da PUC, mas isso é conversa pra outra hora.

Uma coisa nós não podemos tirar da esquerda, ela é infinitamente criativa.

E o Berto fica puto quando alguém mete o pau na GROBO.

3 setembro 2017 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA (ES)

3 setembro 2017 HORA DA POESIA

O MORCEGO – Augusto dos Anjos

Meia noite. Ao meu quarto me recolho.
Meu Deus! E este morcego! E, agora, vêde:
Na bruta ardência orgânica da sede,
Morde-me a goela ígneo e escaldante molho.

Vou mandar levantar outra parede…”
– Digo. Ergo-me a tremer. Fecho o ferrolho
E olho o tecto. E vejo-o ainda, igual a um olho,
Circularmente sobre a minha rede!

Pego de um pau. Esforços faço. Chego
A tocá-lo. Minh’alma se concentra.
Que ventre produziu tão feio parto?!

A Consciência Humana é este morcego!
Por mais que a gente faça, à noite, ele entra
Imperceptivelmente em nosso quarto!

3 setembro 2017 FULEIRAGEM

FERNANDO – JORNAL DA CIDADE DE BAURU (SP)

3 setembro 2017 FERNANDO GABEIRA

OUÇA, TEMER

Tenho discretas razões para supor que Temer compreenderá o equívoco de abrir para a mineração, na Amazônia, uma área do tamanho da Dinamarca. No passado, ele se tornou dono de terras em Alto Paraíso, e a comunidade que trabalhava há anos ali foi a Brasília pedir ajuda. Terras em Goiás foram distribuídas a políticos do PMDB. Temer nem sabia exatamente como eram e o que produziam. Pressionado pelos agricultores alternativos que trabalhavam ali, Temer resolveu abrir mão de suas terras e as doou à cidade de Alto Paraíso. Agora, não se trata apenas de alguns, mas de 47 mil hectares. As terras não são de Temer, mas do Brasil e, de uma forma indireta, de toda a Humanidade. Quando os militares criaram a reserva, a ideia era pesquisar e explorar os recursos de uma forma estratégica. Não creio que pensaram nisso como um momentâneo desafogo a uma crise econômica provocada pela incompetência e corrupção.

Não quero raciocinar em termos de estatal ou privado, ou mesmo de nacional ou estrangeiro. Depois que os militares criaram a reserva, muita água passou por baixo da ponte, ou mesmo por cima, com os eventos climáticos extremos.

No fim da década dos 1980, o Brasil ainda era um vilão internacional porque desmatava a Amazônia. Lembro-me de uma reunião de cúpula na Holanda em que Sarney não foi porque tinha medo de uma reação negativa. Na época, além das queimadas e de outros fatores, houve ainda o episódio de negarem passaporte a Juruna.

Com a realização da Rio-92, o maior encontro de estadistas no pós-guerra, o papel do Brasil começou a se alterar. De vilão ambiental, tornou-se um interlocutor importante e passou a ser visto como ator decisivo nos acordos sobre o aquecimento global. A Amazônia tornou-se para o mundo um espaço a ser preservado, respeitada a autonomia nacional sobre suas terras. Países como a Noruega acharam que se a Amazônia era importante para a sobrevivência de todos, deveriam investir nela em projetos sustentáveis. E fizeram isso.

Você mesmo esteve na Noruega, embora a tenha confundido com a Suécia.

A grande crise iniciada em 2008 e fatos posteriores, como a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos, enfraqueceram mas não destruíram a disposição planetária de contribuir com a Amazônia.

Sua decisão coloca em risco grande parte do trabalho feito por todos nós para recolocar o Brasil no âmbito dos países comprometidos com a preservação do planeta. E de uma certa maneira, despreza os potenciais investimentos em projetos sustentáveis em nome de uma saída que me parece anacrônica e predatória.

Tudo bem, Temer, você dirá que serão respeitadas as regras ambientais para a mineração. Mas quem percorre Minas Gerais e outros pontos do país constata rapidamente que elas não são respeitadas no Sudeste, onde teoricamente, concentrase o grosso da fiscalização.

No segundo decreto, você criou um comitê ligado à chefia da Casa Civil para monitorar as atividades de mineração nessa faixa que engloba parte do Amapá e do Pará. Não consigo me convencer disso. O chefe da Civil, Eliseu Padilha, é investigado por crimes ambientais no Mato Grosso e no Rio Grande do Sul. E as acusações são amplas, vão de desmatamento a construção de pistas de pouso clandestinas. Pouca gente sabe disso. Mas está disponível na internet e no próprio Supremo.

Além de arruinar o trabalho de construção da imagem nacional, o governo nos propõe uma fórmula de controle na qual a raposa toma conta do galinheiro. O namoro do PMDB com as riquezas naturais da Amazônia vem de longe. Romero Jucá é o mais destacado parlamentar buscando fórmulas para regulamentar a mineração nas terras indígenas.

Nesse momento, Temer, você está cedendo às piores influências no manejo da Amazônia. Se fosse simplesmente um opositor, talvez pudesse me alegrar com essa decisão. Antes de ser opositor, sou brasileiro e lamento ver o Brasil caindo de novo naquele desprezo internacional que sentimos em Haia, no fim da década de 1980. É uma ilusão você pensar que tudo dará certo. Até mesmo Padilha e Jucá, que devem estar comemorando, não percebem que estão atraindo um furacão contra eles. Deveriam ser mais discretos, mas a aposta é de levar tudo porque aqui não se pune ninguém.

No momento em que publico este artigo, estou tentando entrar na reserva, que não tem acesso fácil. O argumento de que garimpeiros clandestinos estão por lá não justifica esta abertura às grandes empresas. Aliás, Temer, existe uma possibilidade de você estar se deixando execrar inutilmente. As empresas que você quer atrair também estão no mundo e devem sofrer pesadas campanhas em seus países de origem.

Não me importa que você confunda Noruega com Suécia, Paraguai com Portugal, ou mesmo reviva a União Soviética. O essencial é não confundir a Amazônia com Goiás, onde tantas terras foram passadas a líderes do PMDB. É um lugar tão complexo, capaz de sepultar não apenas os sonhos pioneiros como o de Henry Ford, mas também as grandes trapaças.

3 setembro 2017 FULEIRAGEM

LUCIO – CHARGE ONLINE

3 setembro 2017 FULEIRAGEM

CLAYTON – O POVO (CE)

3 setembro 2017 DEU NO JORNAL

BOMBA NO FURICO DELES!

O governo da Coreia do Norte anunciou na madrugada deste domingo (3) que realizou um teste ‘bem-sucedido’ com uma bomba de hidrogênio que pode ser carregada no novo míssil balístico intercontinental do país.

O teste nuclear provocou um tremor de magnitude 6,3.

* * *

Acabei de enviar mensagem pro lindinho e democrático Kim Jong-un sugerindo que ele mande soltar uma bomba destas na sede da organização idiotífera que, aqui no Brasil, aplaude, apoia e acha lindo o regime da Coréia do Norte.

Estou falando de uma sigla que abriga uma meia dúzia de idiotas e que é conhecida por PCdoB.

Sugeri a Kimzinho que soltasse lá na sede dos vermêios não uma bomba de hidrogênio, mas uma bomba de merda. Um míssil de pura bosta.

Curiosamente, a página oficial de república “democrática” da Coreia do Norte é escrita em inglês!!!

Enfim, estamos falando de uma “república” cujo dirigente não sobrevive sem Coca-cola e sem desenhos do Pato Donald.

Mas arretado mesmo é o que está escrito (em inglês!) na página oficial da “república” de Kimzinho.

Vejam que belíssima peça de ficção:

The Democratic People’s Republic of Korea is a genuine workers’ state in which all the people are completely liberated from exploitation and oppression. The workers, peasants, soldiers and intellectuals are the true masters of their destiny and are in a unique position to defend their interests.

Peguei este trecho, botei no Tradutor do Google e quando li o que estava escrito, eu quase se mijei-me todinho de tanto se rir-se-me.

Vejam que humor negro da porra:

A República Popular Democrática da Coréia é um verdadeiro estado dos trabalhadores em que todas as pessoas estão completamente liberadas da exploração e da opressão. Os trabalhadores, camponeses, soldados e intelectuais são os verdadeiros mestres do seu destino e estão em uma posição única para defender seus interesses.

É mole ou querem mais???!!!

Confiram clicando aqui

Saber que aqui em Banânia existe gente que aplaude este tipo de coisa me dá uma tranquilidade arretada, quando imagino que não penso igual a estes babacas.

É phoda saber que respiramos o mesmo ar que estes tabacudos também respiram.

Kimzinho estudando com seus cientistas se a bomba de hidrogênio dá pra ser enfiada no furico de Jandira Grelão e de todos os comunistas banânicos

3 setembro 2017 FULEIRAGEM

PATER – A TRIBUNA (ES)

A GUERRA DO IRAQUE

Esse “ensaio de rabo” entre dois baitolas, um americano e o outro coreano, tem gerado notícias frequentes no rádio, TV e jornal.

Até por falta de notícias por aqui, já que tudo permanece na mais absoluta “calmaria”.

Geraldo Freire, grande radialista pernambucano, outro dia perguntava aos colegas de bancada se não estavam preocupados com essa guerra EEUU X CORÉIA.

Lembrei de uma matutinha dos Bernardos do Boi Velho, Paraíba, que foi trabalhar em São Paulo e deixou a mãe viúva morando sozinha num sítio perto da rua.

Acabara de estourar a Guerra do Iraque e rádio, jornal e TV só falavam nisso.

A Globo, dia e noite (somente).

A matutinha ouvia aquilo o tempo todo e só pensava na mãe.

Sozinha lá no Boi Velho.

Um dia não aguentou mais e depois de muitas fichas gastas no posto telefônico finalmente conseguiu falar com a mãe.

– Mamãe eu tô aqui preocupada com essa guerra acabando com tudo e a senhora sozinha aí.

A mãe, um poço de tranquilidade, responde.

– Minha filha, eu tando com minha louça lavada, minha casa e meus terreiros varridos e Tupi latindo na minha porta, não tem guerra que me aperreie…

3 setembro 2017 FULEIRAGEM

IVAN – CHARGE ONLINE

3 setembro 2017 DEU NO JORNAL

UMA FIGURA QUE REPRESENTA COM PERFEIÇÃO UM PASSADO RECENTE

Os delatores da JBS entregaram nesta sexta-feira (1º) novos anexos à Procuradoria Geral da República.

E, nessa complementação da delação, revelaram detalhes inéditos sobre um pagamento feito a Aldemir Bendine, ex-presidente da Petrobras e do Banco do Brasil.

Joesley Batista contou que, em 2013, Bendine, ainda no comando do Banco do Brasil, foi pessoalmente à casa do empresário pedir dinheiro.

O delator afirmou que Bendine pediu R$ 5 milhões emprestados para a compra de um imóvel. 

De acordo com o anexo entregue à PGR, Joesley afirmou que Bendine era uma pessoa influente no governo e que, por isso, concordou em emprestar os R$ 5 milhões.

* * *

E bote influente nisso. Nos tempos dilmaicos, Bendine dava as cartas à vontade.

Dava as cartas e dava o dinheiro do Banco do Brasil pra sua curriola.

Este cabra, nos governos do PT, foi presidente “apenas” de duas estatais bem “modestas”: o Banco do Brasil e a Petrobras, nomeado por Lula e por Dilma.

(Dizer que foi nomeado por Dilma é apenas força de expressão. Quem fazia nomeações no governo da bovina era o seu patrão Lula, que governava tendo ela como gerenta do boteco)

Bendine já está obrando de coca no boi da prisão de Curitiba desde julho passado.

As canetadas do Dr. Moro só botam pra lascar no toba de ladrões de altíssimo escalão.

Ele já estão enjaulado, mas ainda faltam mais dois ratos pra fazer companhia a este corrupto com pinta de galã.

Repito: Bendine foi “apenas” presidente do Banco do Brasil e da Petrobras.

Só isto. Apenas isto. Nada mais que isto.

Agora, aqui entre nós, ele pode ter todos os defeitos do mundo, mas tem uma qualidade marcante: o sujeito é macho e corajoso que só a porra.

Ele era o queridinho da ex-presid-Anta Dilma e teve coragem suficiente pra enfiar a pajaraca no furico da Vaca Peidona, segundo apurou o Departamento de Fuxicos do JBF.

A bovina era apaixonada e arriada os quatro pneus por ele.

Comedor de raparigas das zelites e de altíssimo luxo, quengas que andavam de Porsche comprado com dinheiro corrupcional vermêio-istrelado, Bendine é um tremendo GG (Guabiru Garanhão).

A badalada socialite Val Marchiori, que chifrava o marido furunfando com Bendine, é que sabe contar direitinho esta história.

“Este Editor do JBF é um escroto: morre de inveja porque só faço vuco-vuco com Bendine”

3 setembro 2017 FULEIRAGEM

MIGUEL – JORNAL DO COMMERCIO (PE)

O LIVRO DOS NOMES

Tanto o eleitor reclamou dos mesmos de sempre que foi atendido: nosso presidente da República, na viagem de Temer, é Rodrigo Maia, presidente da Câmara. Já não é um dos mesmos, embora seja filho do fluminense César Maia. No lugar de Maia, a presidência da Câmara, um político novo em folha: André Fufuca. Se o caro leitor não sabe quem é, vai continuar não sabendo. Cá entre nós, não faz falta. Deixando o cargo, Fufuca volta ao limbo, ao lado de deputados como Cabuçu, Petecão, Carimbão, Salame, Chapadinha, Junior Marreca e Kaio Maniçoba. Todos bem pagos por nós.

Temer, Fufuca, Maia

Os novos não são problema: se não têm o que mostrar, são baixo clero para sempre. O problema é que os mais antigos e experientes, bem mais conhecidos, têm muito o que mostrar. Dois dos ministros de Temer, Geddel Vieira Lima e Henrique Alves, estão presos. Outro ex-ministro, Romero Jucá, é alvo de 14 inquéritos no Supremo. Oito ministros têm desempenho inferior: Blairo Maggi, Bruno Araújo, Aloysio Nunes, Moreira Franco, Helder Barbalho, Eliseu Padilha, Marcos Pereira e Gilberto Kassab estão sob investigação no Supremo. Seu assessor e amigo próximo Rocha Loures está em prisão domiciliar. Seu ex-assessor Tadeu Filippelli está solto, mas em maio passou alguns preso. Todos foram amplamente citados em delações premiadas. E o próprio Temer só não corre – agora – o risco de impeachment porque a Câmara negou autorização para investigá-lo.

Tá faltando um

Há ainda um político não tão próximo de Temer, mas seu aliado, que também enfrenta dificuldades: Eduardo Cunha, preso em Curitiba.

Questão de título

O problema é que, seja experiente, seja novo, seja cabeça-branca ou cabeça-preta (e onde é que localizariam o deputado catarinense Esperidião Amin?), parece que o político, para conquistar notoriedade e poder, não precisa ter currículo: basta exibir o prontuário.

Vai, volta…

Temer assumiu a Presidência da República, há pouco mais de um ano, prometendo colocar em ordem as contas, reduzir o número de ministérios, eliminar gastos. O que fez: deu generosíssimos aumentos a servidores já bem pagos, elevou a meta do déficit fiscal, mandou alugar um Boeing, maior que o AeroLula, para suas viagens, não dispensa nem a hospedagem no hotel mais caro de cada país que visita. Anunciou o fim do Ministério da Cultura, o Ministério da Cultura continua firme e forte. Mandou adaptar o Palácio da Alvorada, a residência oficial, para a segurança de uma criança, seu filho Michelzinho, e em seguida decidiu não se mudar para lá.

… adia

A última iniciativa dessas foi mudar o tipo de uso da Renca, reserva na Amazônia para mineração de cobre. A Renca era herança do regime militar: 47 mil km², do tamanho do Espírito Santo, reservados desde 1984 à pesquisa de minérios e mineração. Como deveria ser tocado por estatais, o projeto encruou. Temer o abriu para a iniciativa privada. Como de hábito, a comunicação oficial falhou. Passou para o público que Temer tinha liquidado uma reserva ambiental, para ajudar mineradores estrangeiros a lucrar com a devastação. Não era, mas Temer ainda deu dois recuos: 1) trocando o decreto por outro mais claro; 2) criando prazo de 120 dias para estudar o assunto. Daqui a quatro meses, quem vai se lembrar disso?

Dez vezes Joaquim Barbosa

Depois de longo silêncio, o ministro aposentado do Supremo Joaquim Barbosa volta a tratar de temas nacionais. Disse ao jornal Valor:

1 – Em nenhum país do mundo o presidente continuaria no cargo depois das acusações que Temer sofreu.

2 – Temer deveria ter a honradez de deixar a Presidência.

3 – É favorável às reformas propostas pelo Governo Temer, mas acha grave que sejam conduzidas por um Governo não respaldado pelo voto.

4 – Defende campanhas eleitorais mais curtas, com financiamento público “moderado”.

5 – Lula não deveria ser candidato. “Vai rachar o país ainda mais”.

6 – Não é candidato, mas percebe seu potencial. “Por onde vou as pessoas me abordam. Há potencial, mas não incentivo isso”.

7 – A denúncia contra Michel Temer é muito mais grave que as que levaram ao impeachment da presidente Dilma Rousseff.

8 – Um político que elogiou: Paulo Hartung, PMDB, governador do Espírito Santo. “Se eu entrasse nisso (política), iria chamá-lo.

9 – O país foi sequestrado por um bando de políticos inescrupulosos que reduziram as instituições a frangalhos.

10 – Parlamentarismo é, para esses políticos, a maneira de perpetuar-se no poder e se proteger. E já foi rejeitado duas vezes pela população.

3 setembro 2017 FULEIRAGEM

DUKE – O TEMPO (MG)

UMA AULA VINÍLICA

Comentário sobre a postagem PEDRO MALTA – RIO DE JANEIRO-RJ

G. Mendoza:

“Para dizer nomes de vinhos portugueses é aconselhável tirar as crianças da sala.

Conheço dois vinhos portugueses com nomes sugestivos que não estão na lista, são eles “Vinha do Puto” e “Rapariga da Quinta”.

O vinho “Finca La Pica” é espanhol.

A “aguardente vínica velha” pode ser um tipo de Bagaceira (cachaça de uva), que na Itália e chamada Grappa.

Quanto ao “Licor de Merda”, pela composição descrita é o que em Minas Gerais chamavam de “Leite de Onça”.”

* * *

3 setembro 2017 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA (ES)


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa