13 setembro 2017 FULEIRAGEM

ALPINO – YAHOO NOTÍCIAS

13 setembro 2017 A PALAVRA DO EDITOR

LEGALIDADE E CONSTITUCIONALIDADE SÃO COISAS OBTUSAS

Quando eu digo que neste JBF aparece de tudo e mais alguma coisa, tem neguinho que não acredita.

Pois devia acreditar.

Aqui tem de tudo e tem também o que de mais absurdo a imaginação humana possa criar.

E, confesso a vocês, eu me divirto e me encanto com os disparates que são jogados nesta gazeta escrota, equivalentes a ricas pepitas de ouro num garimpo internético.

Vejam esta preciosidade que foi escrita como comentário numa postagem do último dia 9, sábado passado.

Um comentário sobre a impeachment da ex-presid-Anta Dilma Roussef.

“Tive de agüentar, de uma pessoa muito próxima, a peroração de que não foi golpe porque foi feito “com o devido processo legal”, respeitando os trâmites constitucionais e com a votação da maioria dos congressistas. Fico calado. Não suporto mais dialogar com a obtusidade.”

Leram? Entenderam o que foi dito?

Pois é. O impeachment aconteceu “com o devido processo legal, respeitando os trâmites constitucionais e com a votação da maioria dos congressista“, mas, mesmo assim, foi “golpe”…

Essa foi pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!

Impichar um presidente dentro da lei, “com o devido processo legal“, respeitando os trâmites constitucionais e com a votação da maioria dos congressistas é golpe!!!!

E eu pensava que golpe fosse uma medida de força, fora da lei, acima da constituição, preferencialmente manu militari.

Repito: quando eu digo que no JBF existe de tudo e mais alguma coisa, tem neguinho que não acredita.

O surreal, o hilário, o absurdo, o chocante, o fantástico, o nonsense, o genial, o inimaginável, o besteirol, tem mesmo de tudo mesmo neste recinto de baixo nível.

Por oportuno, aproveito a deixa fornecida pelo comentário acima transcrito para recomendar a vocês um romance de um dos meus escritores prediletos.

Trata-se da obra “Ensaio sobre a cegueira“, Editora Companha das Letras, da autoria do português José Saramago, Prêmio Nobel de Literatura.

Um livro que se transformou em filme de muito sucesso.

Vale a pena ler, garanto a vocês.

* * *

Uma cena do filme “Ensaio Sobre a Cegueira”:

13 setembro 2017 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA (ES)

POLÍCIA FEDERAL É OVACIONADA: O POVO ADVERTE OS CORRUPTOS

Os ladrões ainda crentes no fim da Lava Jato que esperem sentados. O que vai chegar primeiro é a hora de sentar-se no banco traseiro do camburão

O grande momento do desfile que celebrou o Dia da Independência em Brasília foi a ovação que acompanhou, do começo ao fim, a passagem de um punhado de integrantes e viaturas da Polícia Federal. Habitualmente reservadas a piruetas aéreas ou tropas em uniforme de gala, as manifestações de carinho e admiração se concentraram na instituição transformada nos últimos três anos num dos símbolos da Operação Lava Jato. As salvas de palmas foram endereçadas à vanguarda da maior ofensiva anticorrupção da história do Brasil.

A leitura do mais recente balanço da Lava Jato, divulgado em 31 de agosto, torna pouco surpreendentes os sons e imagens captados pelo vídeo acima. Desde o começo da operação, por exemplo, houve 158 acordos de colaboração premiada firmados com pessoas físicas e 10 acordos de leniência. As 165 condenações aplicadas a 107 réus somam 1.634 anos, sete meses e 25 dias de pena. Já foram contabilizadas oito acusações de improbidade administrativa contra 50 pessoas físicas, 16 empresas e um partido político, exigindo o pagamento de R$ 14,5 bilhões. O valor total do ressarcimento, multas incluídas, é de R$ 38,1 bilhões.

O cortejo de números superlativos seria bem menos impressionante se não estivesse em vigor o instituto da colaboração premiada, utilizado com exemplar eficácia pela Lava Jato baseada em Curitiba. Caso seguisse as regras definidas pela matriz, a sucursal de Brasília comandada por Rodrigo Janot não teria produzido as exceções que estimularam a contra-ofensiva ensaiada pela frente ampla dos corruptos. O desabamento da meia-delação premiadíssima, inventada pelo procurador-geral em parceria com Joesley Batista e Edson Fachin, foi a senha para a mobilização da bandidagem espalhada pelos três Poderes.

Os que sonham com o enterro da Lava Jato fracassarão outra vez. Como informa o balanço de agosto, a velocidade alcançada ao fim de três anos tornou irreversível a dedetização do país. Os larápios de todos os partidos, os comerciantes de propinas e os industriais da ladroagem não se livrarão dos tentáculos saudáveis da Justiça brasileira. Os vilões ainda crentes na vitória que esperem sentados. O que vai chegar primeiro é a hora de sentar-se no banco traseiro do camburão.

* * *

13 setembro 2017 FULEIRAGEM

RONALDO – JORNAL DO COMMERCIO (PE)

13 setembro 2017 HORA DA POESIA

SONETO DO EPITÁFIO – Bocage

Lá quando em mim perder a humanidade
Mais um daqueles, que não fazem falta,
Verbi-gratia – o teólogo, o peralta,
Algum duque, ou marquês, ou conde, ou frade:

Não quero funeral comunidade,
Que engrole “sub-venites” em voz alta;
Pingados gatarrões, gente de malta,
Eu também vos dispenso a caridade:

Mas quando ferrugenta enxada idosa
Sepulcro me cavar em ermo outeiro,
Lavre-me este epitáfio mão piedosa:

“Aqui dorme Bocage, o putanheiro;
Passou vida folgada, e milagrosa;
Comeu, bebeu, fodeu sem ter dinheiro”.

13 setembro 2017 FULEIRAGEM

OLIVEIRA – CHARGE ONLINE

13 setembro 2017 SHEILA LIZ - FLOR DE LIZ


ELA É NUANCE

Apenas abriu lentamente os olhos, ainda com muito sono, tonta de cansaço, noite mal dormida, sabe? Fechou-os. Ficou por ali algum tempo ainda, imóvel, aguardando o próximo estímulo do seu corpo que a ajudaria a levantar e começar o dia… Mas parece que ele era condizente com seu estado de espírito: inércia.

Pousou a mão lentamente sobre a cabeça tentando lembra-se dos afazeres do dia, queria permitir-se ficar um pouco mais no aconchego solitários dos lençóis. Não teve outro jeito a não ser realmente despertar. Sentou-se na cama, ajeitou a camiseta amarrotada e saiu da cama com os pés descalços a sentir o chão gelado. Nem se preocupou com o caos do quarto, na verdade não o notava, confundia-o com o interno, se acostumou com a bagunça mental tanto quanto a que lhe rodeava o dia, em casa mesmo.

Não era essa desordem que impediria de organizar seu dia nem suas atividades… Tomou o café, gelado, estava desde a noite anterior no fogão; não conteve a careta, engoliu ainda assim e só pensou: ‘let’s wake up!’.

Entrou ao banheiro e sentou-se na privada, de porta aberta mesmo, morava só mas não seria problema se tivesse presença alheia, a privacidade é relativa, pelo menos para ela. Fez um xixi rápido e tomou um banho, este demorado. Lavou a consciência, como sempre o faz pela manhã, deixou o ontem escorrer pelo ralo e ficou limpa para os novos raios de sol que aparecem pela janela embaçada do banheiro.

Preocupou-se com o que vestiria, escolheu a dedo. Preto, salto fino e batom vermelho. Ah, como adora batons. A cor revela uma parte sensual do corpo, por onde emite o que deseja e recebe o que mais gosta.

Aprontou-se e saiu rapidamente ao ouvir o pequeno sinal de chegada do carro a buscá-la. Fechou a porta com força, o barulho ecoou no corredor e a fez enrubescer pelo desconforto causado ao vizinho. Sua imposição era de uma personalidade mais delicada não invasiva, por isso era tão boa no que se propunha a fazer…. chegava de mansinho, deixava-se ser notada quando estava perto demais para uma recusa efetiva… Entrou no carro e notou a gravata diferente daquele dia. O perfume dele também não era o de costume. A excitante novidade a fez ir rápido demais, puxou-o e, num suspiro profundo revelou à ele a atividade daquele dia: só faça, bem feito. O desafio deixou impressões positivas, a pegou pela cintura e descobriu que não era somente o batom que ela gostava vermelho.

Para ela era só mais um dia a ser esquecido quando voltasse à solidão de seu apartamento. Para ele as nuances dela a cada dia despertavam um sentimento de aventura inesquecível. Não queria mais que ela se contentasse com o café gelado, ela recusava a companhia por mais de uma noite. Sua solidão era parte de sua personalidade, se fosse diferente não seria tão interessante. A melancolia de estar sozinha a tornava misteriosa quando em outra companhia, o medo de ficar desinteressante a obrigava ficar só. Esquecem que estar só não é estar vazio , ela sabia disso, gostava de conhecer-se a cada noite e assim, encorajava-se a levantar para mais um dia de gravatas interessantes.

13 setembro 2017 FULEIRAGEM

CHICO CARUSO – O GLOBO

13 setembro 2017 COMENTÁRIOS SELECIONADOS

13/09: COINCIDÊNCIA PROPOSITAL

Comentário sobre a postagem 13 DE SETEMBRO, DIA NACIONAL DE CACHAÇA

Leandro:

“Outra coincidência:

13/09

13 PT

09 nove dedos

Eita Moro sujeira!!!”

* * *

13 setembro 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

13 setembro 2017 EVENTOS

PARA OS FUBÂNICOS DO RECIFE – ESTESIA: ARTE E TECNOLOGIA

O projeto artístico pernambucano ‘Estesia: Arte e Tecnologia dentro do palco’ leva ao Portomídia, bairro do Recife Antigo, entre os dias 17 de agosto e 28 de setembro, apresentações e debates sobre a arte e sua relação com a tecnologia, seus impactos na produção cultural e no segmento da economia criativa. O evento é gratuito.

Os encontros serão quinzenais e vão reunir especialistas das áreas, sempre nas quintas-feiras das 19h às 21h. Os debates serão ministrados pelos integrantes do Estesia, Carlos Filho, Cleison Ramos, Miguel Mendes e Tomás Brandão.

‘Estesia: Arte e Tecnologia dentro do palco’, que possui produção colaborativa, utiliza o formato teatral para interação com público e mistura os elementos sonoros com a tecnologia e experimentalismo.

Programação

17/08 – Gutie (Rec-Beat), Batebit e Sofia Freire;

31/08 – Melina Hickson (Porto Musical), Neilton (Altovolts) e Grupo Magiluth;

14/09 – Paulo André (Abril Pro Rock), Mabuse (C.E.S.A.R.) e Dielson Pessoa;

28/09 – Ana Garcia (Coquetel Molotov), Carlinhos Borges (Estúdios Carranca) e Gabriel Furtado;

Serviço

Estesia: Arte e Tecnologia dentro do palco
Portomídia (Rua do Apolo, 181 – Bairro do Recife)
Quinta (17) – 19h30

13 setembro 2017 FULEIRAGEM

PAIXÃO – GAZETA DO POVO (PR)

O MAIS LONGO DOS DIAS

É hoje: Lula, acusado de chefiar o esquema de corrupção na Petrobras, depõe ao juiz Sérgio Moro, em Curitiba. Esperam-se perguntas sobre o Pacto de Sangue entre a Odebrecht e Lula, citado por Antônio Palocci.

Nesta mesma Super-Quarta, o Supremo deve decidir se as provas constantes da delação de Joesley Batista devem ser anuladas. Se forem, quase dois mil políticos nela citados ficarão mais tranquilos, ao menos por algum tempo – pois, embora não possam ser processados pelas acusações de Joesley, eleitor e Polícia saberão o que eles fizeram no verão passado.

O Supremo decide também se o procurador-geral Janot é suspeito para apresentar nova denúncia contra o presidente Michel Temer. Caso não seja, Janot tem a denúncia pronta, por chefiar organização criminosa, o Quadrilhão do PMDB, que envolve, além de Temer, seus auxiliares mais próximos. Na denúncia, deve ser citada a delação do doleiro Lúcio Funaro. O inquérito em que se baseia a nova denúncia foi concluído nesta segunda pela Polícia Federal. Atinge Temer, os ex-ministros Geddel Vieira Lima (o das malas de dinheiro) e Henrique Alves, os ministros Moreira Franco e Eliseu Padilha, e Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara. Todos devem ser denunciados por corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, evasão de divisas e fraude em licitações. Destes, só Eliseu Padilha, Moreira Franco e Michel Temer estão soltos.

Tem mais, tem mais…

A Super-Quarta é o mais longo dos dias por ter começado na terça. No Congresso, foi instalada a CPMI do BNDES – M de mista, por englobar Senado e Câmara. Os dois membros petistas, o senador Lindbergh Farias e o deputado Paulo Rocha, chegaram atrasados – mas a tempo de reclamar que Lula, o ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o ex-presidente do BNDES, Luciano Coutinho, já tinham sido convocados para depor. O caro leitor tem uma chance de adivinhar os termos do protesto de Lindbergh. Claro: ele exclamou várias vezes “é golpe, é golpe”.

…e tem mais

Ainda na quarta, o Tribunal Regional Federal 4, em Porto Alegre, deve decidir se aceita o recurso de José Dirceu, que está em prisão domiciliar.

Maldade

Dizem que, terminado o mandato de procurador-geral, e após a confusão de ter um assessor próximo acusado de atuar dos dois lados do balcão, Janot fará cinema. Ocupará o lugar de Peter Sellers, o Inspetor Clouseau, na refilmagem de A Pantera Cor-de-Rosa. Fará o papel de Inspetor Janot.

De um bolso para outro

A Pilgrim’s Pride, maior produtora americana de carne de frango, acaba de comprar a irlandesa Moy Park, fornecedora de 25% do frango consumido na Europa, por US$ 1,3 bilhão. “A compra nos dá acesso aos atraentes mercados do Reino Unido e da Europa, atendendo nossa estratégia de diversificação do portfolio”, anunciou Bill Lovette, presidente executivo da Pilgrim’s Pride. Um detalhe: a Pilgrim’s é controlada pela JBS e a Moy Park é integralmente pertencente à JBS. Alô, Rolf Kuntz! Alô, Alexandre Schwartsman! Não é a mesma coisa que tirar dinheiro da carteira e botá-lo no bolso? Sabendo que quem comprou e quem vendeu foi a JBS, de Joesley Batista, será que não existe nada esquisito nisso? Tomara que este colunista esteja errado: será a prova de que nem sempre o que acontece é aquilo de que a gente comum, como eu, desconfia.

Meu pai-pai

Flávio Bolsonaro, deputado estadual (PSC-Rio), prova viva de que sobrenome ajuda em eleição, estreia em nova área profissional: biógrafo. Bolsonaro preparou um livro com passagens da vida de seu pai, o deputado federal (e candidato à Presidência) Jair Bolsonaro. O lançamento do livro deve ocorrer neste mês, a tempo de transformar-se em possível presente de Natal. Deve haver uma grande noite de autógrafos, com a presença do pai, Bolsonaro, e dos dois filhos deputados, Bolsonaro e Bolsonaro.

Recordando ACM

O principal cacique político da Bahia, Antônio Carlos Magalhães, volta a ser lembrado por escrito a partir de amanhã, às sete da noite: é o horário previsto para o lançamento de ACM em Cena, livro de crônicas sobre os tempos em que ele comandava a Bahia (diga-se, com mão de ferro). São, em textos que quem viveu esta época, “depoimentos e cenas de uma grande história de amor pela Bahia”. Preço do livro: uma lata de leite em pó. Este colunista, que jamais morreu de amores por ACM, mas reconhece seu papel dominante na história recente da Bahia, já encomendou o livro à amiga (e autora de uma das crônicas) Rose Vitaly. Junto com o lançamento do livro, no Cine-Teatro Gláuber Rocha, praça Castro Alves, deve ser apresentado ACM, Tempo e Espaço, documentário de Oscar Santana. Vale.

13 setembro 2017 FULEIRAGEM

BRUNO AZIZ – A TARDE (BA)

13 setembro 2017 EVENTOS

PARA OS FUBÂNICOS DE JABOATÃO DOS GUARARAPES – ALDEIA YAPOATAN

Dialogando com diversas linguagens artísticas como o teatro, música, dança, circo e artes visuais, o Sesc Piedade realiza a partir desta sexta-feira (15/09) até o dia 24 de setembro a quarta edição da Aldeia Yapoatan. Com programação descentralizada em 12 palcos espalhados pela cidade de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, a iniciativa é braço cultural do projeto nacional Palco Giratório. Durante os 10 dias de atividades serão realizados 70 espetáculos, sete oficinas, cinco cursos, três mesas de conversa, além de um seminário sobre Políticas Públicas.

A grade explora como tema Ancestralidade Desdobramentos e Contextos Contemporâneos. “A Aldeia Yapoatan afirma nesta edição as noções de identidades em Jaboatão, desde o nome que batiza o projeto até os traços curatoriais da programação, o que valoriza a cidade, suas raízes e a contemporaneidade”, explica a coordenadora da iniciativa, Ivana Motta. Entre os destaques desse ano estão a participação da cantora Virgínia Rodrigues, de Salvador, o Grupo Teatro de Vertigem, da cidade de São Paulo, além dos grupos Experimental e Grial.

A programação da Aldeia Yapoatan traz cinco oficinas com os temas: Dramaturgia da Dança (13 a 16/9), Descobrindo a Estética do Oprimido (16 a 18/9), Dança para Crianças (18 e 19/9), Vivências Circenses (18 a 20/9) e Laboratório de Criação Cênica (18 a 22/9).

As aulas serão ministradas por professores locais e de estados como São Paulo e Rio de Janeiro, como Flávia Meireles e o Teatro da Vertigem.

As inscrições podem ser realizadas no site do Sesc.

13 setembro 2017 FULEIRAGEM

FERNANDO – JORNAL DA CIDADE DE BAURU (SP)

13 setembro 2017 JOSELITO MÜLLER

ONANISTA DO BUSÃO CONSEGUE FINANCIAMENTO

Uma notícia gozada, mas muito boa notícia para as mentes sofisticadas apreciadoras da arte transgressora e contêmporo-vanguardista em nosso país.

Enquadrado pela polícia por supostamente cometer abusos, o chamado “Onanista do busão” teve projeto aprovado e passará a fazer a performance “a cuspida da serpente” dentro da programação do Santander Cultural.

“MUITA GENTE PENSOU QUE ELE ESTAVA COMETENDO UM CRIME, QUANDO NA VERDADE, AQUILO QUE ELE FAZIA ERA UMA PERFORMANCE ARTÍSTICA QUE VISAVA QUEBRAR PARADIGMAS E TIRAR O EXPECTADOR DA ZONA DE CONFORTO” DISSE O CURADOR DA TURNÊ.

Interessados poderão assistir a atuação do artista de segunda a sexta-feira na sede da referida instituição, localizada na cidade de Porto Alegre.

13 setembro 2017 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

13 setembro 2017 A PALAVRA DO EDITOR

13 DE SETEMBRO, DIA NACIONAL DE CACHAÇA

Hoje, 13 de setembro, é celebrado o Dia Nacional da Cachaça.

Confira lendo uma interessante matéria, publicada em 2010 pelo G1, sobre o assunto clicando aqui.

O deputado baitola Jean Aero Wylys, do PT, e a senadora Gleisi Amante Hoffmann, também do PT, acabaram de enviar uma nota aqui pro JBF fazendo um veemente protesto.

Eles dizem que o interrogatório de Lula, mais conhecido por Lapa de Réu, foi marcado de propósito pro dia de hoje, com a intenção de desmoralizar o maior e mais honesto presidente que este país já teve.

Segundo suas insolências, a intenção é desmoralizar Lula, associando sua figura à bebida.

Acabei de responder aos dois rebatendo tamanha injúria. Injúria contra a mais brasileira de todas as bebidas.

Associar Lula com aguardente é desmoralizar este bebida de modo irremediável.

Jean Aero Wylys já disse, em vídeo distribuído na internet, que o Juiz Sérgio Moro condenou Lula a 9 anos e meio de prisão pelo fato de que Lula tem 9 dedos e um cotoco.

Afirmação típica de um petista, tão digna de credibilidade quanto os comentários do Ceguinho Teimoso aqui no JBF.

Levando a sério esta afirmação de Aero Wylys, como a sério devem ser levadas quaisquer afirmações de um parlamentar petista, então o juiz curitibano marcou o interrogatório de Lapa de Bebum pro dia de hoje de propósito, por ser 13 de setembro o Dia Nacional da Cachaça.

Não importa. O que importa é o seguinte: ver Lula com a bunda no banco dos réus mais uma vez, merece que se tome um porre de alegria e felicidade.

Como estou em abstinência compulsória, peço encarecidamente aos nobres amigos cachacistas que tomem uma lapada por mim.

Aliás, tomem duas, por favor.

Uma pelo dia de hoje e outra pelo prazer de ver Lula novamente se cagando diante do Dr. Moro.

Agradeço antecipadamente.

E fecho a postagem com a instigante imagem de um presidente da república banânica, em pleno exercício do cargo, completamente bêbado, dentro do carro oficial da presidência e escoltado pelo general careca Gonçalves Dias, que era então o chefe da sua segurança pessoal.

O motorista, sargento Severino, tá mais sério do que um porco mijando…

Uma cena que é a República Federativa de Banânia cagada e cuspida em tempos petralhas.

13 setembro 2017 FULEIRAGEM

FRED – CHARGE ONLINE


CASTIGO É ALGO “DIDÁTICO”?

Espora – o antigo castigo para as montarias

Pelos idos anos de 40 e 50, embora ninguém fosse obrigado a “aprender” o que era ensinado nas escolas públicas e particulares, a palmatória impunha algum tipo de medo. Concebia-se que, todos se esforçavam para aprender e para ficar livre das consequências da palmatória. Embora nunca se tenha tido conhecimento, havia também algo parecido nos colégios dirigidos pelas freiras e pelos frades capuchinhos.

Aos poucos a palmatória foi sumindo, até desaparecer definitivamente. Mas, não esqueçamos, havia outro tipo de punição – agora, muito mais às indisciplinas ou maus comportamentos individuais dos alunos. Tipo ficar na sala nos horários dos recreios, ou ficar alguns minutos “de castigo” após o término das aulas.

Não era pelo castigo ou pela palmatória que o aluno “de antigamente” aprendia mais que o atual. O item e resposta mais forte é: os professores eram exageradamente melhores.

Castigo não é algo bom. Nenhum tipo de castigo.

E aí faço uma pergunta: por que o uso da espora ou do chicote para garantir o serviço mais rápido dos animais?

O “laçador” – habilidade e vivência na fazenda

Santos, Paranaguá, Rio de Janeiro, Fortaleza e São Luís são algumas das cidades brasileiras que operam com carga e descarga de navios. Desses, São Luís é o que tem mais complicadores – pelo calado profundo, pela correnteza marítima e principalmente pelos obstáculos naturais.

Nesses portos brasileiros a figura mais importante para a atracação, é o “Prático”. É ele e só ele quem conduz o navio até o desembarque de cargas e/ou passageiros. O prático é também quem ganha os melhores salários nessa atividade.

Mas, ao contrário do “Prático”, na fazenda e no trato com o rebanho, o Vaqueiro encarregado de laçar bois e vacas – para qualquer que seja a tarefa seguinte – não é o que recebe melhor salário. Acaba sendo o Capataz.

O laçador passa a ser apenas um empregado que realiza um trabalho diferenciado – que pode ser feito por qualquer outro, desde que desenvolva prática apurada.

13 setembro 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

13 setembro 2017 DEU NO JORNAL

O QUADRILHÃO

Supremo abre nova investigação sobre presidente Michel Temer

A Polícia Federal concluiu na segunda-feira o inquérito que investiga o chamado “quadrilhão” do PMDB da Câmara.

Em relatório encaminhado ao Supremo Tribunal Federal, os investigadores sustentam que deputados e ex-deputados do partido cometeram o crime de organização criminosa e, a partir dele, incorreram nos delitos de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, fraude em licitação e evasão de divisas, entre outros.

Segundo a PF, o “poder de decisão” no grupo, ou seja, de indicar cargos estratégicos na máquina federal e negociar propina, cabia ao presidente Michel Temer e ao ex-deputado federal e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, preso em Curitiba.

Também são citados na conclusão da investigação os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco e os ex-ministros Geddel Vieira Lima e Henrique Eduardo Alves.

* * *

Uma excelente notícia para nós outros que, ao contrário do Ceguinho Teimoso, não temos bandidos prediletos.

Sarney, Collor, Lula e Dilma já podem respirar aliviados.

Eles não são mais os únicos presidentes banânicos oficialmente e judicialmente guabirus.

Acabou de entrar mais um na lista.

Temer passou a fazer parte deste seleto grupo.

Viva Banânia!!!

13 setembro 2017 FULEIRAGEM

BAGGI – CHARGE ONLINE

TEMER FINALMENTE MANIFESTA-SE EM DEFESA DE LULA

O Palácio do Planalto acaba de sair em defesa contundente do ex-presidente Lula.

Inconformado com a perseguição que o ex-presidente sofre, Temer achou que chegou a hora de dar um basta e, em nota oficial, declarou, certamente referindo-se ao depoimento de Antonio Palocci, que “Bandidos constroem versões ‘por ouvir dizer’ a lhes assegurar a impunidade ou alcançar um perdão, mesmo que parcial, por seus inúmeros crimes”.

Sem citar o nome de Lula, a nota oficial da presidência da república afirma que “Garantias individuais estão sendo violentadas, diuturnamente, sem que haja a mínima reação”.

Deve ser certo que Temer se refere à psicótica denúncia de que Lula vendeu ato legislativo, com o apoio unânime do Congresso Nacional, ao dizer que “Muda-se o passado sob a força de falsos testemunhos. Vazamentos apresentam conclusões que transformam em crimes ações que foram respaldadas em lei”. Deve tratar-se do que andam chamando de “criminalização da política”, que faz com que qualquer ato legislativo que beneficie algum setor da economia, desde que praticado por Lula, tenha sido feito de encomenda e em troca de propina.

Temer, em sua sede de que Lula deixe de ser perseguido, não poupou críticas ao ferimento do Estado de Direito, ao observar que “O Estado Democrático de Direito existe para preservar a integridade do cidadão, para coibir a barbárie da punição sem provas e para evitar toda forma de injustiça” e que “o Brasil vem assistindo exatamente o contrário”.

Até agora muitos estranhavam que Temer, conhecido por sua fidelidade e companheirismo, não se pronunciasse em defesa dos seus aliados (a nota certamente também se refere à ex-presidente Dilma, embora da mesma forma não cite o nome dela).

Com essa atitude, o Presidente Temer recupera seu conceito junto ao Partido dos Trabalhadores e deverá receber os cumprimentos e o carinho de Dilma, de Lula e dos demais expoentes do PT, além de ser chamado para, frente ao juiz Sérgio Moro, testemunhar em favor do ex-presidente.

13 setembro 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

SYLVIA VRETHAMAR E ORQUESTRA BERT KAEMPFERT

Acompanhada pela Orquestra de Bert Kaempfert, a cantora Sylvia Vrethamar interpreta de Charles Singleton, Eddie Snyder e Kaempfert em apresentação do ano de 1974, em Londres, “Spanish Eyes“.


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa