2 maio 2018 CHARGES

AMARILDO

2 maio 2018 JOSIAS DE SOUZA

PT JÁ NÃO PRECISA DE AUTOCRÍTICA, MAS DE AUTÓPSIA

O grande problema das autocríticas é que elas sempre chegam tarde. No caso do Partido dos Trabalhadores, a demora foi tão grande que a providência tornou-se desnecessária. Ao reagir contra a mais nova denúncia da procuradora-geral Raquel Dodge, o PT deixou claro que seu caso não é mais de autoanálise, mas de autópsia.

Dodge acusou de corrupção e lavagem de dinheiro Lula, a presidente do PT Gleisi Hoffmann, os ex-ministros petistas Antonio Palocci e Paulo Bernardo, o empreiteiro Marcelo Odebrecht e um um ex-assessor de Gleisi: Leones Dall’Agnol. De acordo com a denúncia, a Odebrecht trocou vantagens empresariais por propinas. Coisa de US$ 40 milhões. Ou R$ 64 milhões, em moeda nacional, na cotação da época. Parte da verba foi passada a sujo em campanhas eleitorais, entre elas a de Gleisi.

A Executiva nacional do PT soltou uma nota. O conteúdo não é original. Um redator qualquer limitou-se a apertar o botão da perseguição política. E a resposta fluiu: “Mais uma vez a Procuradoria Geral da República, de maneira irresponsável, formaliza denúncias sem provas a partir de delações negociadas com criminosos em troca de benefícios penais e financeiros. […] Mais uma vez o Ministério Público tenta criminalizar ações de governo citando fatos sem conexão e de forma a atingir o PT e seus dirigentes.”

A nota reforça a sensação de que os petistas dividiram-se em três grupos: há os presos, os que aguardam na fila e os que se comportam à maneira do avestruz, enfiando a cabeça no silêncio. E a Executiva mantém o PT no seu labirinto: “A denúncia irresponsável da Procuradoria vem no momento em que o ex-presidente Lula, mesmo preso ilegalmente, lidera todas as pesquisas para ser eleito o próximo presidente pela vontade do povo brasileiro.”

Mais um pouco e até a autópsia será desnecessária. Bastará emitir o atestado de óbito, anotando no espaço dedicado à causa mortis: “Cinismo crônico.”

* * *

TEMER EXIBE DESESPERO

2 maio 2018 CHARGES

NICOLIELO

DODDO FÉLIX – BOM JARDIM-PE

JUÍZES DE FATO

São três juízes, três homens de bem:
o juiz SÉRGIO MORO e o juiz BRETAS
que a lei defendem e coragem têm,
não se assustando jamais com caretas.

Mas, além desses, há outro também
que sabe agir conforme as etiquetas
do Código Penal, como convém,
sem processos dormindo nas gavetas…

Concomitantemente, o VALLISNEY,
atuando em Brasília, aplica a lei
com a hombridade de um juiz de fato!

E por fim surge uma voz feminina:
– a briosa juíza CAROLINA,
que não teme os vilões da Lava Jato.

2 maio 2018 CHARGES

SPONHOLZ

2 maio 2018 DEU NO JORNAL

O ELO DE GLEISI E LULA

* * *

LULA COMANDA PT DA CADEIA

2 maio 2018 CHARGES

VERONEZI

INGÊNUOS DE UM LADO E IMBECIS DO OUTRO

O mês de abril protagonizou dois exemplos fabulosos de ingenuidade. O primeiro foi o senador Aécio Neves flagrado metendo a mão no bolso de Joesley Batista para arrancar, míseros, R$ 2 milhões de reais, que o primo Fred foi buscar e encaminhou para um assessor do senador Zezé Perrella, aquele dono de um helicóptero que transportava meia tonelada de cocaína.

O argumento de Aécio parece uma prece de Madre Teresa de Calcutá. Aliás, quando eu vejo Aécio falando, tenho a impressão que ele está inspirado nas ações humanitárias de Madre Teresa. Só falta o hábito, quer dizer a vestimenta, porque o hábito de roubar ele já tem desde muito. Aécio quer convencer o Brasil de que aquilo ali foi um empréstimo e que ele foi vítima de um bandido delator. Empréstimo se faz à luz de um contrato, com regras, testemunhas e com recursos transitando pelo sistema financeiro. Ademais, se era um puro empréstimo qual o motivo de “manda um cara teu, que eu mando um cara meu. Um cara que se delatar, a gente mata. Eu vou mandar o Fred”? Se o STF aceitar tais argumentos, registre-se a falência do sistema judiciário.  

Poucos dias após essa argumentação de Aécio, eis que Rodrigo Loures nos brinda com uma declaração jamais esperada: ele não sabia que havia dinheiro na mala! Cabe lembrar que a mala com conteúdo desconhecido foi guardada na casa dos pais de Loures e que quando foi apreendida faltava R$ 35 mil. Estes R$ 35 mil foram depositados, em juízo, pela defesa de Loures, ou seja, Loures e seus advogados não devem ter juízo porque esqueceram que os R$ 35 mil foram entregues à Polícia Federal. Se ele não sabia que era dinheiro, quem tirou estes R$ 35 mil? Seus pais?  Não! Deve ter sido a coitada da empregada pobre, preta, mãe de não sei quantos filhos que vai assumir a culpa. Ainda não consigo entender porque o juiz não perguntou a Loures pela falta desse dinheiro ou pelo depósito feito em juízo. É provável que com esta afirmação, o coitado seja absolvido porque não se tem como comprovar seu conhecimento sobre o conteúdo da mala e aqui a constituição diz que “se é inocente até que se prove em contrário”, embora que conversa entre Temer e Joesley aquela mala era a primeira de uma série. Precisamos de uma máquina, urgente, que leia pensamentos.  Só assim, ficará provado por A mais B, se Loures tem razão ou não.

A cara de pau desses canalhas faz a gente sentir idiota. Puros idiotas. Talvez porque nunca fomos capazes de demonstrar o quanto somos ingênuos e talvez por essa razão a vida vai seguindo seu rumo e a gente se esforçando para não cometer um delito qualquer passível nos colocar diante de um juiz qualquer, pois não temos a certeza de que tal juiz é daquele tipo que não faz perguntas para  não incomodar o réu. 

Lamentável reconhecer que a ingenuidade dos bandidos, flagrados em delitos de todas as espécies, encontra o afago paternal de alguns ministros do STF. Ainda bem que a Polícia Federal não desiste, mas a impressão que fica é que a PF faz um papel semelhante ao do figurinista de filme pornô. Veste todos os atores e quando o diretor grita “ação” todo mundo tira a roupa. Quer inutilidade maior do que essa? A PF prende, desbarata, mostra provas e o STF diz que elas são insuficientes.

No bojo disso tudo tem uma questão fundamental que se aproxima chamada eleição. Nenhum dos partidos envolvidos em falcatruas tomou qualquer atitude para expulsar os praticantes de improbidade. Quando as denúncias contra Aécio se tornaram públicas e ele deixou a sessão do Senado com a mão na testa (cena hilária), o então presidente Tasso Jereissati não moveu uma palha para expulsá-lo porque nenhum deles tem moral para isso. Cada um conhece os pecados dos outros e por receio da publicidade agem na direção do protecionismo. Tasso, pelo contrário, trabalhou para que o Senado não aprovasse as medidas cautelares do STF contra Aécio e votou a favo da restituição do seu mandato. Na primeira oportunidade que Aécio teve, destituiu Tasso da presidência e colocou um pau mandado seu para dar as cartas.

Quero ver o discurso de Alckmin, o Santo nas planilhas da Odebrecht, sobre combate a corrupção. Ele bem que tentou afastar Aécio apelando para o “bom senso”. Ladrão não tem bom senso nem na hora da partilha do roubo. Geralmente, ele fica com 50% ou mais do butim e o resto é dividido entre os componentes da quadrilha. O primo Fred levou R$ 2 milhões para Aécio. Quanto ficaria para ele? Talvez o salário de assessor ou uns R$ 5 mil para ele fazer uma farra com amigos.

Para finalizar, tem um detalhe importante, além da possível saída de Lula da cadeia no próximo dia 10. A delação de Palocci. Ele disse, anteriormente, que o PT recebeu US$ 1 milhão de Kadafi e isto, de acordo com o item I do artigo 28 da Lei № 9.096/95, significa cancelamento do registro do partido. Imagine como ficariam os denunciados com foro privilegiado sem legenda para concorrer!

Os imbecis aguardam, ansiosamente, as novas declarações dos ingênuos. Quem sabe se com estas aulas de educação à distância num futuro próximo os imbecis serão promovidos a ingênuos?

2 maio 2018 CHARGES

AROEIRA

FRANCISCO ITAERÇO – IMPERATRIZ-MA

Meu caro editor,

acabei de pagar o dízimo do mês de maio para o tesouro do templo do JBF.

Através de transferência bancária depositei R$ 50,00 (cinquenta reais).

Um abraço e meu bom dia.

R. Meu caro colunista fubânico, o combalido caixa desta gazeta escrota agradece penhoradamente a vossa doação mensal.

Estou aqui torcendo pra que consigamos chegar aos patamares dos dízimos que são arrecadados por Edir Macedo…

Suspiros, suspiros, suspiros…

Colunistas e leitores estão dando uma força e tanto pra que possamos manter este jornal poluindo os ares banânicos com muita safadaria.

Bola pra frente!!!

2 maio 2018 CHARGES

MYRRIA

2 maio 2018 DEU NO JORNAL

CADÊ A PROPINA QUE ESTAVA AQUI, GLEISI?

Na denúncia apresentada ontem, a Procuradoria Geral da República acusa Gleisi Hoffmann de ocultar cerca de R$ 1,8 milhão dos R$ 3 milhões que recebeu de propina da Odebrecht.

O dinheiro deveria ter sido TODO utilizado na campanha de Gleisi em 2014, mas isso não ocorreu.

O publicitário Oliveiros Domingos Marques Neto disse que levou um calote da petista, mas decidiu não cobrar o valor após a deflagração da Lava Jato.

Os procuradores suspeitam que Gleisi tenha usado para fins pessoais, como a aquisição de imóveis, parte da propina que era para a campanha.

* * *

Se é que entendi direito, a tabacuda lulaica desviou pra si própria dinheiro que era destinado a ela mesma.

Em se tratando de uma petralha, faz sentido.

Eu acho que, ao invés de comprar imóveis com a propina, Gleisi comprou mesmo foi um bom estoque de Óleo de Peroba pra passar na sua imbatível cara-de-pau.

E ainda sobrou um troco pra comprar um brilhoso lustrador pros chifres de Paulo Bernardo, também constante na mesma denúncia que sua esposa traideira.

O Departamento de Estudos Cuzísticos do JBF detectou que uma parte do pixuleco foi doada a Lula para a compra de Viagra e de vaselina furical.

Também ficamos sabendo que Lula gastou o estoque todinho antes de ser preso.

Foi isto mesmo, Gleisi?

* * *

2 maio 2018 CHARGES

SPONHOLZ

Qual o propósito, qual o motivo?

2 maio 2018 DEU NO JORNAL

O CINISMO DE BOULOS SOBRE O DESABAMENTO

* * *

A FROUXIDÃO DO PODER PÚBLICO COM INVASORES

2 maio 2018 CHARGES

ZÉ DASSILVA

O XODÓ DE LULA E OS QUINDINS DE IOIÔ

Antônio Palocci já foi de tudo na vida: sanitarista, funcionário público, guerrilheiro, prefeito, deputado federal, coordenador de campanhas eleitorais de candidatos vitoriosos à Presidência da República, ministro da Fazenda e chefe da Casa Civil. E, justiça seja feita, nunca foi santo.

Ao contrário, quando se tornou a mão direita do todo-poderoso padim Lula, já tinha uma capivara notória de denúncias de corrupção. Em 9 de março de 2006, em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito dos Bingos, o delegado seccional de Ribeirão Preto, Benedito Antônio Valencise, relatou detalhes das investigações sobre irregularidades em contratos e licitações da prefeitura daquela cidade com a empresa de varrição urbana Leão & Leão. De acordo com o depoente, os inquéritos policiais contêm provas e indícios do envolvimento dos ex-prefeitos do rico município paulista Antônio Palocci e Gilberto Maggioni no comando do esquema, em conjunto com o presidente da Leão & Leão, Luiz Cláudio Leão. O rei dos animais passou, desde então, a sujar sua ficha de mau gestor.

Nada disso manchou a fama do ex-militante da trotskista Libelu e diligente servidor da Secretaria de Saúde do Estado que se elegeu duas vezes prefeito de sua cidade e deputado federal pelo Partido dos Trabalhadores (PT), cuja alta hierarquia nunca cobrou dele malfeitos de que era acusado. Galgou a escada do poder e da glória bem ao lado do paxá dos petistas e foi parlamentar com discursos e projetos típicos do delírio soit-disant socialista, ao gosto do PT de antes do poder.

Em 2002, o protagonista do escândalo de corrupção na prefeitura de Santo André, Celso Daniel, foi executado por criminosos, impunes por mercê de uma penada do então presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski. E Palocci assumiu a coordenadoria do projeto de governo de Lula. Nessa condição, inspirou e conduziu a guinada liberal, manifestada na célebre Carta aos Brasileiros, que cimentou a rampa de subida do chefão ao ápice do poder.

Aí, o xodó de papai Lula virou os quindins de banquetes de ioiôs da plutocracia patronal. Na Câmara e na militância petista ele pregava o calote da dívida externa e o rompimento com o mercado financeiro internacional, além de ter autorizado a abertura em seu município de escritório das Farc, guarda pretoriana marxista dos cartéis colombianos do narcotráfico. Como avalista da guinada do favorito à Presidência, passou a ser visto, recebido e mimado por banqueiros, empreiteiros e pensadores liberais como baluarte da moeda estável e da negociação de dívidas tomadas no exterior. E como garante de estabilidade se opôs ao companheiro de armas José Dirceu, que era chefe da Casa Civil de Lula.

No auge da república da farsa socialista do PT, Palocci logo deixou claro que sua verdadeira vocação era a extraordinária capacidade de transformar proximidade do poder em moeda sonante, não a medicina social, a militância política ou a gestão pública. Frequentou em Brasília uma mansão na qual prostitutas de fino trato e malas de propina eram distribuídas a ele e a alguns dos membros da patota dos tempos de Ribeirão Preto.

Sua presença foi denunciada pelo caseiro Francenildo Santos Costa, o Nildo, em entrevista ao Estado, confirmada na CPI dos Bingos, iniciando um episódio que cobriu de infâmia todas as suas personagens. O repórter Vladimir Netto revelou na revista Época que a principal testemunha dispunha então de saldo de R$ 38.860, quantia incompatível com sua renda, numa conta na Caixa Econômica Federal (CEF). Informados pela jornalista Helena Chagas, Palocci e Jorge Mattoso, então presidente da CEF, quebraram sem autorização judicial o sigilo bancário do caseiro, pretendendo provar que este havia recebido o dinheiro de interessados em prejudicá-lo. E o dinheiro fora depositado pelo pai biológico do destinatário, um segredo de família.

A reação dos petistas à folha corrida de Palocci foi, como de hábito, asquerosa: o senador Tião Viana (PT-AC) obteve do então ministro do STF César Peluso liminar para barrar o depoimento do caseiro na CPI dos Bingos. Demitido do governo, o beneficiário dessa sórdida fábula voltou à Câmara e às relações espúrias com a fina-flor da burguesia. Relatório da Receita Federal informou que seu alter ego jurídico, a Projeto Consultoria Empresarial e Financeira, recebeu R$ 81,3 milhões de 47 empresas.

Sua volta à cúpula não tardou. Com todo esse prontuário policial, Palocci coordenou a campanha vitoriosa de Dilma Rousseff em 2010 e tornou-se chefe da equipe de transição e, depois, da Casa Civil da sucessora estepe de Lula.

As figurinhas carimbadas desse álbum de horrores não recomendam: PT, MDB, PSDB, a cúpula do Judiciário e amigos ocultos do acordão que sabota o combate à corrupção no Brasil. Tião Viana governa o Acre e não disputará a reeleição: preferiu apoiar a permanência do irmão Jorge no Senado. Nildo, o único cidadão honrado do caso, sobrevive em empregos mal remunerados.

O protagonista foi apanhado pelo vendaval da Lava Jato. Condenado a 12 anos, 2 meses e 20 dias de reclusão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro e preso desde setembro de 2016, Palocci lutou com dificuldades para obter uma delação premiada, negociada a duras penas com o Ministério Público Federal (MPF), sabe-se lá por quê. E a firmou com a Polícia Federal.

Enquanto Palocci espera a homologação do TRF-4 e eventuais confirmações dos tribunais superiores, os petistas, que sempre o perdoaram, passaram a difamá-lo em cínico benefício próprio. Lula sugeriu que seu xodó de antes o acusa de ilícitos para sair da prisão. E Dilma Rousseff, em nota, garantiu que o chefe da Casa Civil de seu governo criou “peças de ficção” ao contar reuniões dos dois em que propinas foram citadas. Quem leu este texto sabe que até agora, se alguém mentiu, não foi só ele.

2 maio 2018 CHARGES

CLAYTON

PENINHA – TUPI PAULISTA-SP

Caro Zé Ramos,

com este vídeo da Elis Regina, estou complementando o meu presente pelo seu aniversário.

Tenha ótimos dias.

Abraços

2 maio 2018 CHARGES

SPONHOLZ

2 maio 2018 PERCIVAL PUGGINA

O REPERTÓRIO DE PULOS DOS GATOS

É exaustivo. O tal “exercício” da cidadania, no Brasil, é de pôr os bofes para fora. O brasileiro é um cidadão em luta contra as instituições. Precisamos defender-nos delas, precisamos enfrentá-las, somos compelidos a fazê-lo como forma de autopreservação e isso cansa mais do que “puxar ferro” numa academia. Os poderes de Estado, que constituímos e regiamente remuneramos, na esperança pueril de que viessem a zelar pelo interesse geral enquanto cuidássemos de nossas vidas e amores, se converteram em nossos não dissimulados adversários. Cuidam de si mesmos a nosso despeito e à nossa custa.

A Constituição cidadã, sabe-se hoje, abriu um leque de oportunidades de negócios com os recursos públicos e fechou em torno delas um círculo de ferro de proteções recíprocas. Levamos 30 anos para entender a fria em que havíamos entrado. Primeiro, pressentimos; depois intuímos; e, agora, empírica e dolorosamente, constatamos o quanto o Estado brasileiro protegeu-se de seus cidadãos. Às vezes me dá vontade de sentar e ficar apenas observando o repertório de pulos desses gatos. São verdadeiros artistas nos seus ramos de atividade.

Já no ano passado, aquela parte da sociedade que não corteja bandidos decidiu que precisaria de um Congresso quase inteiramente renovado. Só assim, talvez – talvez! – pudessem ser desmontadas as armadilhas institucionais, bem como a arquitetura juspolítica de fossos, muralhas, escarpas e contraescarpas, que protegem as cidadelas do poder. Um legislativo que, em quatro anos, nada fez nessa indispensável direção, e que, ao contrário, sempre cuidou de sua própria cidadela, nada faria para mudar substancialmente as regras do jogo. O Brasil precisa mudar. Renovação já, portanto!

Eis que diante desse óbvio sentimento nacional, o sistema reage – escândalo! – com novas trancas e ferrolhos para garantir a renovação dos atuais mandatos. Os partidos políticos adotam estratégias para impedir que se cumpra o inequívoco e indispensável anseio dos eleitores. Não lembro de já haver visto algo assim. Tanto se empenharam pelo “virtuoso” financiamento público e contra o “vicioso” financiamento privado das campanhas! Resultado: os partidos dispõem, agora, de dinheiro dos nossos impostos para distribuírem, prioritariamente, aos atuais parlamentares, não por acaso as pessoas mais influentes dentro deles. As nominatas de candidatos serão formadas pelos próprios e mais uns poucos, bem poucos, para dificultar o ingresso de novos no círculo de ferro do poder e na distribuição da grana. Logo estaremos vendo isso tudo acontecer. Digam-me se não dá uma canseira.

Diante disso, ponho-me a pensar na recente experiência francesa. Esclareço: estou apenas pensando. O eleitorado gaulês escolheu um candidato (Emmanuel Macron) e seu partido (La République en Marche), conferindo-lhes vitória consagradora e uma base política amplamente majoritária. Não poderíamos reproduzir algo parecido por aqui, com as limitações, claro, do nosso sistema proporcional? Centrarmos a renovação em candidato e em poucos partidos?

Não sei. Mas sei que precisamos interromper o curso dessa bandalheira que pretende usar nosso dinheiro para forçar a reeleição de parlamentares que não queremos ver reeleitos e preservar essas desavergonhadas estruturas de poder.

2 maio 2018 CHARGES

J. BOSCO

2 maio 2018 DEU NO JORNAL

AGORA ESTÁ EXPLICADO O EMPENHO DE GLEISI PRA DEFENDER LULA

2 maio 2018 CHARGES

IOTTI

JOÃO FRANCISCO KRONKA – RIBEIRO PRETO-SP

Caro Berto, boa noite!

Gostaria de parabenizar pelo novo formato desta gazeta escrota, que está muito bacana.

Tenho participado ativamente, pois me dá muito prazer e só neste espaço democrático tenho esta oportunidade.

Também fiquei muito feliz quando vi algumas destas participações subirem para o quadro principal.

Fiquei todo pimpão e mostrei para todos em casa.

Só que hoje alguns comentários meus não saíram.

Agora mesmo escrevi um comentário em sua coluna Palavra do Editor, aquela com o título de Caridosa campanha de doações , e ele não foi publicado.

Um abraço,

R. Caro leitor, o sistema de postagem de comentários por parte dos nossos leitores está funcionando perfeitamente.

Pode ser que tenha acontecido alguma instabilidade no momento em que você tentou postar o seu.

Mas, fique tranquilo: aqui nesta gazeta escrota quem manda e quem sempre tem razão é o freguês. 

O comentário que você fez está transcrito logo a seguir.

Disponha sempre deste espaço.

Abraços para toda comunidade fubânica daí dessa progressista metrópole que é Ribeirão Preto.

“O Ceguinho Teimoso pode ser apaixonado pelo Lula e defendê-lo até o final do mundo; mas não é louco.

Quer dizer, não totalmente, eu acho.

Dar o dinheiro da sua aposentadoria polpuda para o objeto de sua paixão já é demais.

Deixa o Ceguinho nos divertir aqui nesta gazeta escrota democrática que já está bom. “


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa