NOTAS VÁRIAS

1. Contendo uma quase completa biobibliografia do autor, o Bê-a-Bá de Pernambuco do meu saudoso amigo Mauro Mota está repleto de notáveis apontamentos. Quem é que sabe, por exemplo, que Pernambuco vem de Paranã-puka, denominação dada pelos caetés à abertura feita pelas águas nos arrecifes do nosso porto natural? Quem é que sabe que Jerônimo de Albuquerque carregava o apelido de Adão Pernambucano, tamanho era o número de amantes e filhos? O livro de Mauro Mota faz justiça histórica ao nosso passado. Diz ele, sempre comprovando com referências e dados, que Pernambuco ostenta inúmeros pioneirismos em relação ao Brasil: a primeira igreja, a de São Cosme e São Damião, em Igarassu; o primeiro estudo científico de história natural de uma região; o primeiro observatório astronômico; o primeiro zoo botânico; o primeiro drama representado em teatro público; a primeira cidade do continente a ter um plano de urbanização; os primeiros sobrados de sete andares; a única ponte giratória; a primeira assembleia legislativa, a câmara dos escabinos, criada por Maurício de Nassau. No Bê-a-Bá poderemos constatar como nós utilizamos palavras africanas. Muitos nem imaginam que bunda é uma palavra africana. Como inúmeras outras do nosso cotidiano: banana, angu, samba, mucambo, garapa, cabaço, fuzuê, mulungu, bugiganga e carimbo. Além de moleque, mulungu, caçula, cafuné e cambada. O livro trata com muito carinho da mais importante revolução do Brasil colonial: a Revolução Pernambucana de 1817. Sentimento nativista repleto de batinas rebeldes, comandado pelos freis Arruda Câmara e Caneca, dois carmelitas, capazes de meter carreira em capeta metido a besta. Mas também não esqueceu Mauro do papel desempenhado pelo Clube do Cupim, reduto de abolicionistas. E não se descurou o poeta de analisar o rosismo, os borbistas e os dantistas, além do fenômeno do cangaço, desde o banditismo mais cruel até o pitoresco, lembrado por ele, quando da ocasião da visita de parente e amigo a um que se encontrava recolhido à Casa de Detenção:

– Pruquê os sordados te pegaro,cumpadre ?

– Injustiça, injustiça. Misera dos homem, cumpadre. Matei cinco pro coroné, não me aconteceu nada. Pru caso do primêro que matei pra mim, tou aqui.

2. Empresários, sindicalistas, homens públicos, líderes comunitários, militares e religiosos estão percebendo que o apenas mais-ou-menos é muito pouco. Fazer o melhor, eis o mote para se sair de uma situação de bancarrota, sempre se assessorando nos melhores talentos, eticamente vocacionados. É chegada a hora da reinvenção de empresas, empresários, homens públicos e lideranças as mais diversas. Todos com a certeza de que, numa sociedade que se informatiza, acelera-se a urgência de fecundas ultrapassagens, na linha de frente se firmando uma inadiável qualidade de vida para todos.

3. Receio pelo momento presente do país. Das desesperanças transformadas em explícitas desobediências civis. Dos falsos moralismos dos puritanos, eternos donos das verdades mais absolutas. Dos eu-não-disse? de uma esquerda incompetente, messiânica, sem proposta nem criatividade, aferrada a dogmas ultrapassados. De uma direita sempre a contemplar o próprio umbigo, viciada em retrocessos para se manter na ponta dos cascos, esmagando tudo e todos. Tenho ojeriza dos eternos inquisidores, jamais construtores, que cascavilham para chafurdar, nunca para esclarecer. Dos criquentos mexeriqueiros, que vivem colocando defeitos e deficiências nas empadas dos outros, vendo em tudo mil maracutaias. Dos sem imaginação, que sonham com novas intervenções militares no cenário nacional, para novamente arrostar equinos pendores civis. E das bestas do apocalipse que anunciam o fim do mundo pelo fogo eterno dos infernos.

4. Muitos estão cientes de que “em casa onde não há pão, todos gritam e ninguém tem razão.” Quando os níveis de desemprego se agigantam e os “bicos” tornam-se mais escassos, os roncos estomacais se avolumam, incomodando famintos e saciados, os últimos ainda desatentos para a lição histórica: “quem semeia ventos colhe tempestades.” E as tempestades são más conselheiras, atraem patas e chibatas, messianismos autoritários e autoritarismos messiânicos, independentemente de classes sociais. O “maldito” Wilhelm Reich, em 1942, já repetia incessantemente: “A psicologia marxista, desconhecendo a psicologia de massas, opôs o burguês ao proletário. Isso é psicologicamente errado. A estrutura do poder não se limita aos capitalistas, atinge igualmente os trabalhadores de todas as profissões. Há capitalistas liberais e trabalhadores reacionários. O caráter não conhece distinções de classe.

5. Muito deve amedrontar as massas profissionalmente desqualificadas, bucha de canhão para mistificadores e falsos profetas. “Para quem não sabe ler, um pingo é letra” e “Para o mau oficial nenhuma ferramenta presta“, complementam-se magnificamente, retratando uma tragédia educacional, a brasileira, que é consequência direta das desatenções de toda elite dirigente para com um efetivo processo integrado de cidadania, prioridade das prioridades de qualquer planejamento governamental estratégico digno de confiança. Para toda sociedade elitista e autofágica, outros provérbios deveriam calar bem fundo, alertas para os que desejam um amanhã brasileiro menos truculento: “Antes prevenir do que remediar”, “Para grandes males, grandes remédios”, “O barato sai caro”, “Do prato à boca, perde-se a sopa”, “Não se deve gastar vela com mau defunto.” Para homens e mulheres que da vida só desejam sombra e água fresca, sempre pendurados nas costas dos que trabalham para sustentar pão, família e ambiência, recomenda-se a leitura, e memorização, das seguintes advertências: “Quem não pode com a mandinga não arrasta patuá”, “Quem o alheio veste, a praça o despe”, “O pote tanto vai à bica que um dia fica.” E que não venham mais com aquela historinha de que “Quem come a carne que roa os ossos”, posto que já existe muita pastilha boa contra azia e má digestão, ninguém mais sendo obrigado a conviver com comida estragada.

Somos um país naturalmente vocacionado para uma irreversível liderança continental. E pouco a pouco vamos percebendo, todos os mais responsáveis, que os oportunismos populistas não beneficiam ninguém. Nem faraós nem tupiniquins. Tampouco fiéis e ateus. Necessário apenas não deixar para amanhã o que se pode alertar hoje. A nação brasileira fascinará o mundo inteiro, estou convencido. Um dia, breve embora não muito ainda, a maturidade da convivialidade comunitária preponderará. Aí todos perceberão que somente sobreviverão se todos agirem como se fossem brasileiros consequentes, cada um dominando plenamente a cartilha dos seus direitos e dos seus deveres. Quem viver, vivenciará.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.