16 maio 2018 CHARGES

RONALDO

16 maio 2018 DEU NO JORNAL

UMA PARELHA DE CORRUPTOS DA PORRA

O primeiro ex-presidente brasileiro condenado por corrupção cumpre pena há mais de um mês.

Não é nada, não é nada, e não é nada mesmo: seu amigão Sérgio Cabral está preso há 18 meses.

* * *

E tem mais: o cumpanhero lulaico Sérgio Cabral pegou mais de um século de cadeia.

Já Lapa de Corrupto, por enquanto, pegou apenas uma dúzia de anos.

Por enquanto, repito, pois outros processos estão em andamento.

O ideal seria que os dois chegassem a um empate.

“Será que ele vai me alcançar???”

16 maio 2018 CHARGES

NANI

AS FORÇAS ARMADAS NOS DEVEM DESCULPAS

A rigor, o memorando do diretor da CIA William Colby ao secretário de Estado dos EUA em 1974, Henry Kissinger, informando que o presidente Ernesto Geisel adotou a política do antecessor, Emílio Médici, de executar “subversivos perigosos” não devia provocar surpresa nem estupor. O documento, encontrado no computador pelo pesquisador da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Matias Spektor, só confirmou que Geisel e o chefe do Serviço Nacional de Informações (SNI) que nomeou e seu sucessor em 1979, general João Figueiredo, sabiam que inimigos da guerra suja eram executados, depois de torturados, nos porões da polícia e das Forças Armadas. Negar o truísmo equivaleria a imaginar que Lula, Dilma e Temer ignoravam o saque aos cofres públicos nos 16 anos de mandarinato do conluio PT-PMDB. Mas não dá para negar o valor histórico do achado.

Assim que os meios de comunicação a publicaram, duas reações a ela se tornaram públicas. Em entrevista a Rubens Valente, da Folha de S.Paulo, a ex-coordenadora da Comissão Nacional da Verdade (CNV), advogada Rosa Cardoso, lamentou que o documento não tenha sido repassado, entre outros, ao órgão, que foi constituído pela ex-presidente Dilma Rousseff para apurar os crimes cometidos à época do regime instalado em 1964 e endurecido depois de 1968. Ela reconheceu que o tal memorando não altera as principais conclusões da comissão, mas representa uma importante confirmação.

Na mesma sexta-feira 12 de maio, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, que no atual governo federal representa o apoio parlamentar do antigo Partido Comunista Brasileiro (PCB), cuja denominação atual é Partido Popular Socialista (PPS), disse que essa revelação não abala o “prestígio” do Exército. Para ele, tal prestígio “se encontra nos mesmos níveis. Por uma razão muito simples: as Forças Armadas são um ativo democrático do País”. Ninguém mais no governo falou. Nem o comandante dessas Forças Armadas, o presidente Michel Temer.

Ao abordar a dubiedade das autoridades americanas em relação à ditadura militar brasileira, Rosa Cardoso denunciou o cinismo da Casa Branca, que não deu informações pedidas e escondeu sob o sigilo de seus órgãos de informação a proteção dada a tiranias brutais pela maior democracia do Ocidente. A segunda metade do mandato de Geisel no Brasil coincidiu com a primeira do governo do democrata Jimmy Carter, que alardeou uma política externa favorável aos direitos humanos nos países aliados. Mas isso em nada mudou as relações mantidas com o regime dos brasileiros na era Geisel, em cuja gestão foram assassinados no DOI-Codi o jornalista Vladimir Herzog e o operário Manuel Fiel Filho.

O silêncio obsequioso de Temer, oculto no elogio basbaque do encarregado de lidar com polícias e bandidos, falou mais alto do que a ignorância deste em História do Brasil. Se o “ativo democrático” vivesse em casernas, as instituições democráticas do Segundo Império não teriam sido abaladas pela “questão militar”. E a insana República não seria inaugurada pela traição do alto oficialato do Exército, que a proclamou, da forma como a conhecemos, e deportou a família do imperador derrubado.

Obra de oficiais positivistas, a República conviveu desde o início com a tirania do vice Floriano Peixoto, o Marechal de Ferro. Depois, vieram a Revolução dos Tenentes, em 1930, e a intentona sob a égide do capitão Luiz Carlos Prestes, em 1935. Esta pretextou o putsch de 1937, instituindo o fascismo à gaúcha do Estado Novo para evitar uma eleição presidencial em marcha e manter Getúlio Vargas no poder, sob tutela dos generais Gois Monteiro e Eurico Dutra. O “ativo democrático” inspirou ainda a tentativa malograda de evitar a posse do vice constitucional João Goulart em 1961 e seu segundo movimento, ao derrubar o mesmo Jango e assumir a ditadura explícita no AI-5, de 1968.

O chefe federal de polícia referia-se à inércia militar que, sob a Constituição de 1988, mantém leal obediência aos mandatários civis, mesmo com os abusos por estes cometidos nos recentes escândalos de corrupção Apesar dos arreganhos nostálgicos da direita dita chucra, que clama por nova intervenção fardada, antes nas ruas e hoje nas redes sociais, os comandantes têm limitado a expressão de seu “ativo democrático” a “palmadas no bumbum” dadas por generais de pijama ou enigmas da lavra de portadores de estrelas na farda e comando de tropas.

O porta-voz da bajulação do generalato, na verdade, cumpriu uma antiga postura de presidentes civis temerosos de se tornar vítimas de uma súbita quartelada. A José Sarney podia-se desculpar por ter assumido o poder pela morte do titular Tancredo Neves e sob a bênção explícita do general Leônidas Pires Gonçalves, que entronizou o vice inesperado para evitar surpresas nefastas de uma escolha popular na sucessão do morto. Foi mais uma intervenção fardada, só que desarmada, para garantir que a paz reinasse sobre torturadores e seus chefes, garantidos pela anistia de mão dupla. Fernando Collor e Itamar Franco viraram a página e deixaram vítimas e carrascos em paz. Fernando Henrique deu uma de dois de paus por conveniência.

Lula é fã de Geisel e nem seria porque, ao estatizar a ponto de criar a República Socialista Soviética do Brasil, título da série de reportagens pautada por Ruy Mesquita no Jornal da Tarde, o general acumulou milhões em cofres e deu oportunidade para o furto de Lula e seus asseclas. Dilma Rousseff, que se jacta de ter sido torturada, não se deu ao trabalho sequer de exigir retratação de seus comandados do Exército pelo soco desferido pelo capitão Benoni Albernaz, que teria quebrado seus dentes no DOI-Codi.

Como Temer não tem poder para exigi-lo, os comandantes das Forças Armadas deveriam pedir-nos desculpas para se mostrarem à altura do “ativo democrático” que o comunista Jungmann ora lhes atribui.

16 maio 2018 CHARGES

PELICANO

JACOB FORTES – BRASÍLIA-DF

FORO PRIVILEGIADO

Que o Brasil é fecundo em desigualdades sociais isso todos sabemos. As centenas de favelas e palafitas — que adornam as cidades para que pareçam mais formosas — atestam essa realidade. Neste País, onde tantos têm tão pouco e poucos têm tanto, a desigualdade começa na Constituição Brasileira: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza {.}”!

Sublinhei a exclamação.

Se todos fossem iguais perante a lei não existiria o foro especial por prerrogativa de função, o popular “foro privilegiado” destinado a aveludar as malfeitorias dos portadores de nomeadas, dos famanazes, dos mandarins, dos argentários, dos etiquetados com dignidade real, dos nobres de preeminência. Essa regalia, que enche os brasileiros de indignação, é a prova cabal de que fidalgos merecem ser tratados com maciez, o populacho não.

Quando o Brasil terá leis iguais para todos? Quando surgirão medidas que venham pôr rasoura nessas desigualdades; que reavivam a face da monarquia em detrimento da democracia republicana? Retidão dispensa privilégios.

16 maio 2018 CHARGES

IOTTI

HOMEM E MULHER, COISAS DO PASSADO

O criacionismo baseia-se na fé da criação divina, como escrito na Bíblia Sagrada, mais especificamente no livro de Gênesis na qual Deus criou todas as coisas, inclusive o homem. Embora na prática, são os homens quem criam os deuses.

O evolucionismo fundamenta-se em pesquisas cientificas, que surgiram com o experimento de Oparin-Haldane. Eles acreditavam que os gases existentes teriam formado as primeiras moléculas orgânicas e mais tarde os primeiros seres vivos.

Você escolhe qual versão acreditar. Não identificará em nenhuma das duas hipóteses a possibilidade de encontrar nenhum ser humano que não seja macho ou fêmea. Homem ou mulher.

Pois os seres humanos do Século XXI desenvolveram um novo gênero que não pode ser reconhecido nem como macho, nem como fêmea. Eles são diferentes, são os não-binários. Um troço que ninguém sabe direito o que é, mas que deve ser respeitado e não tratado como um louco (loucos somos nós). Se o bicho nasceu macho e quer viver como mulher é um direito dele (ou dela). Porém, não dá para a sociedade reconhece-lo legalmente como mulher, por mais operação que faça, hormônios que tome e o traje que use. E vice-versa.

Eu achei ao mesmo tempo ridículo, deprimente e cômico ver uma reportagem no Fantástico que tratava desse assunto. Jovens classificaram os seres humanos não como homens e mulheres, mas como cisgêneros e transgenêros.

Cisgênero é o termo utilizado para se referir ao indivíduo que se identifica, em todos os aspectos, com o seu “gênero de nascença”. Já os transgêneros são as pessoas que não se identificam com o seu sexo biológico, mas sim com um gênero diferente daquele que lhe foi atribuído biologicamente.

Para inovar ainda mais e confundir tudo que conhecemos sobre humanos, os jovens dizem que eles não são binários. Os transgêneros podem ser não-binários, ou seja, eles não se identificam nem como homem, nem como mulher. E agora??????? Diz a artista Triz, que nasceu Beatriz e hoje se identifica assim: “Quem a gente é, como a gente se sente tá exclusivamente responsável pelo nosso cérebro decidir. Então gênero tá ligado a nossa cabeça, enquanto sexo biológico é só a estrutura do seu corpo. Não vai dizer quem você é”. Os não binários não usam as letras O e A no final das palavras para identificar masculino e feminino. Não estão cansados, ou cansadas, estão cansades. Não são burros, ou burras, são burres.

Nascer homem e querer viver como mulher perdeu a graça. Assim como as meninas já não se contentam mais em se comportarem como meninos. A moda agora é ser não-binário. Nem macho nem fêmea.

O que não sei responder é se toda essa loucura é resultado de:

1- Muita droga

2- Muita informação

3- Muita senvergonhice

4- Muita falta do que fazer

Será que essa geração tão criativa vai poder fazer alguma coisa pelo nosso Brasil? Que futuro louco parece que vamos viver.

16 maio 2018 CHARGES

DUKE

16 maio 2018 DEU NO JORNAL

EM BOA HORA

Thiago Trindade Lula da Silva, neto do presidiário Lula, foi nomeado secretário parlamentar no gabinete do deputado petista Vicentinho.

Ele é filho do ex-vereador Marcos Cláudio e sócio do irmão Sandro Lula da Silva na FlexBr, empresa que recebeu repasses do Instituto Lula.

Com apenas 21 anos, Thiago vai ganhar salário superior a R$ 4 mil mais benefícios e gratificações.

* * *

Uma nomeação muito justa.

Com vovô engaiolado e a família passando por pesadas privações, este empreguinho chegou em boa hora.

Somando tudo que a família Lula da Silva recebe em um mês, dá bem menos que um salário mínimo.

Podem perguntar pra Ceguinho Teimoso que ele confirma.

16 maio 2018 CHARGES

VERONEZI

16 maio 2018 PERCIVAL PUGGINA

NO VALE DO SILÍCIO DA CORRUPÇÃO

Quando a bancada do ainda minúsculo PT da Assembleia Nacional Constituinte eleita em 1986 se recusou a assinar a Constituição, não estava antevendo os problemas que forçosamente dela adviriam. Era por motivos errados que o partido rejeitava a Carta. Reprovava-a por não ser suficientemente socialista, estatista, coletivista, corporativista e sindicalista, nem suficientemente avessa à propriedade privada, ao cristianismo e à civilização ocidental. Tudo que ela tinha de ruim, o PT queria ainda pior. Para quase todas as teses derrotadas ou não tão vitoriosas quanto desejava, o partido tinha apoio da ala esquerda do PMDB, que nos últimos meses do processo constituinte rompeu com o governo Sarney e fundou o PSDB. É bom não esquecer: o PSDB nasceu mais próximo do PT que do PMDB e muito distante do DEM (então PFL), com o qual viria a andar por bom tempo.

A plataforma e as posições políticas que o PT sustentara na constituinte serviram para atazanar todos os governos subsequentes. O partido foi contra o Plano Real, o pagamento da dívida externa, a Lei de Responsabilidade Fiscal, o superávit fiscal, as privatizações, a abertura ao mercado externo, o agronegócio, bem como a toda e qualquer proposta que significasse redução do tamanho e do peso do Estado. Na oposição, o PT fez muito mal ao Brasil. O partido pode ser representado por uma figura de costas para o século XXI, empacada com um pé na primeira metade do século XX, outro na segunda metade do século XIX. Não apenas impediu, ou dificultou, de modo sistemático, a aprovação de medidas modernizantes, mas emperrou, na mesma sintonia, a mentalidade de parcela significativa da população brasileira, seduzida pelo discurso partidário. O único, por sinal, que fez e faz política em tempo integral, tendo, por isso, elevado poder de convencimento.

O tempo veio mostrar o quanto era hipócrita o duro combate à corrupção que embalava a oratória do PT oposicionista. Esse vício moral não surgiu com o PT. Não nasceu em 2003. Bem antes, já engatinhava pelos corredores do poder, preparando-se para os “malfeitos” do porvir. Na longa continuidade do governo petista, ganhou tempo para alcançar maturidade e se profissionalizar. Brasília se tornou uma espécie de Vale do Silício da corrupção, terra dos negócios bilionários, das “sacadas” geniais, pluripartidárias, conferindo notáveis fortunas a indivíduos dos quais ninguém, antes, sequer ouvira falar.

Os treze anos de governos petistas criaram o caos. Derrubaram a economia, reintroduziram a inflação, exponencializaram o déficit público, jogaram milhões de brasileiros no desemprego, não promoveram quaisquer das reformas estruturais e institucionais que a realidade nacional exigia e naufragaram em irresponsabilidade fiscal e corrupção. O país afundou.

Com o impeachment de Dilma, o partido voltou à oposição e ao mesmo padrão de conduta que o levara ao poder. Passou a opor-se às mais indispensáveis e inadiáveis reformas, que por não terem sido feitas no tempo devido, tornaram-se urgentíssimas. Em vão. O PT e seus anexos cuidam apenas de impedir que o governo governe. A irresponsabilidade, na política brasileira, é uma coisa doentia, que o PT também não inventou, mas à qual conferiu estatura épica. Passou da hora de os partidos políticos brasileiros assumirem suas responsabilidades e colocarem o bem do país em primeiro lugar. Parafraseando Temer pelo avesso: não dá para manter isso aí, viu?

16 maio 2018 CHARGES

AMARILDO

16 maio 2018 A PALAVRA DO EDITOR

UM COMOVENTE, SINCERO, TOCANTE, DOLOROSO E LINDO DEPOIMENTO DE UM INOCENTE INJUSTAMENTE ENGAIOLADO

Depoimento do presidiário Luiz Inácio Lula da Silva, atualmente cumprindo pena de 12 anos e um mês de prisão por corrupção e aguardando as próximas sentenças de outros processos que tratam do mesmo tipo de crime. Postado na seção de comentários pelo colunista fubânico Goiano:

“Meus amigos, minhas amigas, tenho pensado muito sobre o caminho que nossas vidas tomaram. O futuro, no fim das contas, não parece ser um lugar assim tão distante, não é mesmo?

Não que a nossa vida tenha sido fácil… Longe disso. Sentimos na pele o que passa um povo esquecido, mas sabemos que nenhum fardo é tão pesado que não se possa carregar. Quem sobrevive depois de passar por tanta dificuldade aprende, desde cedo, que a honra é o nosso bem mais valioso.

Ao longo do caminho, conheci muita gente que precisava apenas de uma oportunidade para andar com as próprias pernas e construir com dignidade a própria vida. Foi essa ideia de um Brasil mais justo, que embalou nossos melhores e mais generosos sonhos.

Um país sem fome, com escola, casa e emprego para todos. Olho pra trás e vejo que poderíamos ter feito mais. Sempre é possível fazer mais. Mas as oportunidades que criamos num país tão desigual e injusto parecem ainda maiores nos dias difíceis de hoje. Eu já fui preso uma vez, minha vida foi toda revirada, minha família foi perseguida e perdi minha eterna companheira…

Eu não tenho medo do que está por vir. Enquanto me restar pelo menos um minuto de vida, esse minuto vai ser pra lutar pela dignidade do nosso povo. E defender a nossa honra. A honra do menino que cruzou o País pra vencer a fome e se tornou engraxate.

Do adolescente que se tornou um jovem operário. Do homem que se tornou pai e lutou com todas as forças para representar o povo brasileiro. Nas tardes de incerteza da minha juventude nunca imaginei ser possível. Mas foi. Me tornei o presidente do povo brasileiro.

Quem me condenou sem provas sabe que sou inocente e que governei com honestidade. Os que nos perseguem podem fazer o que quiserem comigo, mas jamais poderão aprisionar os nossos sonhos. Um beijo carinhoso do Lula”.

Assinatura:

* * *

Canta, Rui Grudi!

Vamos homenagear o redator que escreveu este texto pra Lula decorar e gravar.

E assinar com sua impressão digital.

Responde ao “beijo carinhoso” do prisioneiro por crime de grossa corrupção com uma linda música!

Canta para deleite dos crentes da Igreja Lulaica!

16 maio 2018 CHARGES

NANI

16 maio 2018 EVENTOS

É HOJE! – FEIRA DE EMPREGABILIDADE EM JABOATÃO

Evento gratuito acontece em instituição de ensino no centro do município

Com o objetivo de conectar profissionais em busca de oportunidades no mercado de trabalho e empresas com disponibilidade de vagas, o Centro Universitário dos Guararapes (UniFG) realiza na próxima quarta-feira (16) a Feira de Empregabilidade. O evento, aberto ao público, vai acontecer no campus Jaboatão Centro da instituição, das 18h30 às 21h.

Voltada tanto para universitários à procura de estágio quanto para quem procura colocação no mercado, a feira vai reunir num mesmo ambiente instituições como a Agência Brasileira de Estágios (Abre), Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) e Instituto Euvaldo Lodi (IEL). O evento vai contar também com a participação de professores e alunos do curso de Psicologia da FG, que estarão orientando acerca da importância da psicologia organizacional para quem deseja ter uma carreira bem-sucedida.

As empresas vão levar até a feira as vagas que estão sendo oferecidas e realizar um processo de triagem com os participantes a partir de entrevistas e análise de currículos. Na última edição do evento, realizada em março no campus de Piedade, em Jaboatão dos Guararapes, cerca de 180 postos de ocupação entre estágios e empregos das empresas participantes foram preenchidos.

A programação vai contar ainda com duas palestras com temas “O Profissional do Século 21” e “Coach como ferramenta de gestão”, ambas gratuitas e ministradas por especialistas atuantes no mercado de trabalho.

Segundo Oswaldo Sérgio, coordenador de Global Office na FG e organizador do evento, a Feira de Empregabilidade funciona como uma ponte que cumpre o papel de aproximar pessoas e empresas. “É uma ação que dá resultado”, afirma. “Não apenas por preencher vagas, mas também por tornar as pessoas mais preparadas para futuras seleções e entrevistas de emprego.”

Feira de Empregabilidade
Data: 16/05
Horário: 18h30 às 21h
Local: Campus Jaboatão Centro da FG. (Av. Barão de Lucena, nº 121)

16 maio 2018 CHARGES

CLÁUDIO

16 maio 2018 A PALAVRA DO EDITOR

VAMOS CURTIR, MINHA GENTE!

Lá no final de cada postagem, do lado esquerdo, tem um botão com a palavra “Curtir”.

Clique lá sempre que gostar de alguma matéria.

Se não gostar, dê o calado por resposta.

Só peço a vocês que não deixem a quantidade de curtidas chegar ao número 13, como neste exemplo que está aí em cima.

O número 13 já é amaldiçoado na crença popular há séculos e, depois que o PT fudeu Banânia, aí é que esta dezena passou a ser maldita mesmo.

Agradeço antecipadamente a atenção de todos vocês.

16 maio 2018 CHARGES

LUSCAR

PROFESSOR DILMO, ÀS SUAS ORDENS

Por pouco, muito pouco, a expressão “Depois de mim virá quem bom me fará” não se confirma de novo: no quesito “que é que quis dizer”, Dilma continua imbatível. Mas quem veio logo depois, Michel Temer, mostra-se competitivo na confusão verbal. Ontem, dia em que festejou dois anos de governo, quis lançar um slogan-bumerangue: “O Brasil voltou, 20 anos em 2”. Duplo sentido: pode significar que o Brasil voltou 20 anos. Ele desistiu.

Temer ensaia há tempos seu lado Dilmo. Há um ano, na reunião do G20, disse que estava “fazendo voltar o desemprego”. Na mesma época, explicou por que o Ministério do Trabalho indicava a redução do desemprego e o IBGE falava em aumento: “Não é que o desemprego aumentou. É que o desempregado, quando a economia começa a melhorar, ele, que estava desalentado, portanto, não procurava emprego, ele se transforma em um alentado. Ele vai procurar emprego. Como não há emprego para todos ainda, ele não consegue o emprego e isso entra na margem do cálculo do IBGE.” Até dá para entender. Mas o slogan “Ordem é Progresso” pode indicar que a Coreia do Norte progride rapidamente. E a última, de ontem, é notável: o Twitter oficial do Governo Michel Temer traduziu para o inglês, no “Brazil Gov News”, o nome do cônsul-geral em Nova York, Enio Cordeiro, Ele foi transformado em “Ernie Lamb”.

Data vênia, professor, homenageá-lo-emos como Dilmo com Mesóclise.

Matéria de memória

Michel Temer não está sozinho: além da companhia de Dilma, desfruta da solidariedade, em sua busca por um mundo paralelo, de mais uma estrela oposicionista. Manuela d’Ávila, candidata do PCdoB ao Planalto, disse que os governos militares foram “mais nacionalistas” que o atual. Pois este colunista se lembra de Juracy Magalhães, ministro das Relações Exteriores e da Justiça no Governo militar do marechal Castello Branco, afirmando que “o que é bom para os Estados Unidos é bom para o Brasil”.

Matar ou morrer

É difícil entender o raciocínio dos que condenam a correta reação da PM Kátia Sastre, que matou o bandido armado que assaltava mães e crianças à porta da escola. Kátia agiu como agiria qualquer mãe, defendendo a filha; como qualquer pessoa, defendendo a própria vida; como policial, defendendo gente ameaçada. O policial, como o médico, é policial dentro ou fora do expediente. Qual a alternativa que tinha? Fingir que não era com ela nem com sua filha? Fingir que não era policial? Na hora em que o bandido abrisse sua bolsa e encontrasse a arma e o distintivo, seguiria a Lei do Cão: iria matá-la, por ser policial. E quem, dos que a condenam, pelo menos iria ao enterro? Ah, mas não precisava atirar no peito. Poderia atirar no braço, no joelho (alvos menores e mais difíceis). Em combate, e era disso que se tratava, é preciso neutralizar o inimigo. O tiro no peito o detém. Mesmo assim, ele atirou nela duas vezes. Parabéns, PM Kátia! E, sr. governador Márcio França, quando irá promovê-la por mérito e bravura?

Imprensa livre

O Supremo acaba de cassar duas decisões de instâncias inferiores que afrontavam a liberdade de imprensa. A primeira decisão derrubada é da juíza da comarca de Fortaleza, que proibia a Editora Três de divulgar notícias sobre uma investigação criminal que, supõe-se, envolveria o ex-governador Cid Gomes, irmão do candidato presidencial Ciro Gomes. A decisão mandava também apreender uma edição de 2014 da revista IstoÉ. A segunda decisão cassada é da 7ª Vara Cível de João Pessoa: mandava remover postagens de uma jornalista sobre o governador paraibano Ricardo Coutinho (PSB). Diz o ministro Luís Roberto Barroso: “A personalidade pública dos envolvidos, a natureza e o interesse públicos no conhecimento do suposto fato, noticiado em jornal local, são inegáveis (…) negar o exercício do direito de manifestação implicaria a intimidação não só da reclamante, mas de toda a população, que restaria ainda mais excluída do controle e da informação sobre matérias de interesse público”.

Sem censura

Outra decisão em favor da liberdade de imprensa: o advogado do hotel Maksoud Plaza pediu que a revista Veja fosse impedida de publicar, neste próximo fim de semana, reportagem sobre denúncias contra os administradores da empresa. O repórter de Veja nada comenta; diz apenas que o assunto é bom e deve repercutir. O pedido de liminar para impedir a publicação foi rejeitado em primeira e segunda instâncias, e nada impede Veja de divulgar a matéria na edição deste final de semana. O repórter não revelou os temas principais. Quem quiser saber, veja a revista.

Correção

A assessoria de Armando Monteiro Neto nega que ele tenha desistido de concorrer ao Governo pernambucano. Sua candidatura, assim, está de pé.

16 maio 2018 CHARGES

JORGE BRAGA

16 maio 2018 CHARGES

GILMAR

JOICE MARIA RODRIGUES – CAMPO VERDE-MT

Editor Berto,

Hoje uma amiga minha postou no Face “Estou com Lula

E aí eu perguntei “Em qual cela?

Ela ficou brava e me bloqueou.

Não entendi.

16 maio 2018 CHARGES

SPONHOLZ


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa