A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente nacional do PT, recebeu R$ 885 mil de um esquema de corrupção alvo da Lava Jato. É o que afirma a Polícia Federal em relatório de inquérito que investiga a petista. O dinheiro, repassado em cinco pagamentos, teve origem em um esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato.

Gleisi é investigada no Supremo Tribunal Federal por corrupção, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

Quatro dos pagamentos realizados à senadora, de acordo com o relatório, foram feitos pela empresa Consist, a mesma investigada na Operação Custo Brasil, que tem como principal alvo o ex-ministro do Planejamento e marido da petista, Paulo Bernardo. Outro pagamento, de R$ 300 mil, partiu da TAM Linhas Aéreas.

Ainda de acordo com as investigações da PF, os pagamentos à senadora foram feitos por meio do escritório do advogado Guilherme Gonçalves, que atuava para o casal.

A Operação Custo Brasil, desdobramento da Lava Jato, chegou a prender preventivamente Paulo Bernardo, que ficou preso, em junho de 2016, por seis dias.

O alvo da investigação é a assinatura de um contrato entre o Ministério do Planejamento, o Sindicato Nacional das Entidades Abertas de Previdência Complementar (SINAPP) e a Associação Brasileira de Bancos (ABBC).

O objeto do contrato era a gestão de empréstimos bancários consignados para evitar que trabalhadores excedessem a cota permitida por lei. Após a assinatura do contrato, as entidades contrataram a Consist Software Ltda.

O esquema criminoso envolvendo a Consist, segundo a PF, desviou cerca de R$ 100 milhões de contrato assinado quando Paulo Bernardo era ministro do Planejamento. Ele ocupou o cargo entre 2005 e 2011.

Durante a investigação, a PF concluiu que há indícios de que Gleisi, Paulo Bernardo e pessoas ligadas ao casal receberam aproximadamente R$ 7 milhões originários do “fundo Consist” e pagos pelo escritório de Gonçalves.

O delegado Ricardo Hiroshi Ishida aponta que os valores eram, na verdade, produto de corrupção

Já o pagamento feito pela TAM foi encontrado em uma planilha identificada como “eleitoral Gleisi” durante a Custo Brasil, no escritório de Guilherme Gonçalves.

* * *

É pena que a idolatria do nosso estimado colunista Goiano, petista roxo (mais que vermêio!) se restrinja ao presidiário Lula, engaiolado por grossa corrupção, conforme consta nos autos do processo.

Goiano nem liga pros demais corruptos da cúpula do bando, como Gleisi, Dirceu, Vaccari, Palocci, Delúbio, e tantos outros nomes ilustres desta fervilhante quadrilha.

Senão, ele faria uma magistral defesa dessa Gleisi botadeira de chifres, mais conhecida como Amante na lista de propinas da Odebrecht.

Uma pena mesmo.

Vamos ficar sem esta para alegrar o nosso final de semana.

7 Comentários

  1. e, de acordo com
    as firulas onomatopaicas do arrebol,
    NÃO EXISTE a figura do EX-CORNO !
    Corno bom é o corno-escondido,
    que fica cuidando das crianças …

  2. Um estudo recente realizado pelas famosas sociólogas Dra Paula Nolasco e Dra Consuelo Parracha, concluiu que, algumas mulheres poderosas, quando diminuem a pratica sexual, tornam-se cleptomaniacas para compensar a falta de pajaraca.

  3. Eu soube que a Procurado Geral da República, Rachel Dodge e a Ministra Carmén Lúcia, Presidente do STF, haviam pedido a prisão imediata desta cretina lulística. Isso é verdade ou é mais uma, como se diz pela aí “trolagem” deste mundo internético??

  4. Longe de mim querer discordar da nossa Santidade o Papa Berto.

    Porém na minha humilde opinião tenho que o Ceguinho não é Petista, é Lulista.

    Parece a mesma coisa, porém o Lula do Ceguinho é muito maior que o PT.

    O PT é uma entidade, o Lula uma divindade. Percebe?

Deixe o seu comentário!


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa