DOIS POEMAS DE ZÉ DA LUZ

Severino de Andrade Silva (Itabaiana/PB, 1904 – Rio de Janeiro/RJ, 1965), mais conhecido como Zé da Luz, foi um alfaiate de profissão e poeta popular brasileiro

* * *

A TERRA CAIU NO CHÃO

Visitando o meu sertão
que tanta grandeza encerra,
trouxe um punhado de terra
com a maior satisfação.

Fiz isso na intenção,
Como fez Pedro Segundo,
de quando eu deixasse o mundo
levá-lo no meu caixão.

Chegando ao Rio, pensei
guardá-lo só para mim
e num saquinho de brim
essa relíquia encerrei!

Com carinho e com cuidado
numa ripa do telhado,
o saquinho pendurei…

Uma doença apanhei
e vendo bem próxima a morte
lembrando as terras do norte
do saquinho me lembrei.

Que cruel desilusão!
As traças, sem coração
meteram os dentes no saco,
fizeram um grande buraco
e a terra caiu no chão.

* * *

CANTADÔ E VIOLÊRO

Eu nunca aprendí a lê.
Eu nunca tive im iscóla.
Mas, Deus mi deu o sabê,
De sê impruvisadô
E tocadô de viola.

Eu não invejo a sabênça
De nenhum hôme letrado.
Deus mi deu intiligênça,
Qui tem feito diferença
A munto doutô formado.

De que serve os anelão
Qui êsses doutô tem nos dêdo,
Se de uma impruvização
Êles não sabe o segrêdo?

As iscóla, a Acadimía,
Faz doutô de todo jeito:
– Faz doutô de inginharía;
Doutô Juiz de Dereito;
Doutô prá curá duênça;
Faz inté doutô dentista.
Mas, nunca há de fazê,
Um doutô saí de lá,
Formado na puisía,
Num puéta repentista!

Quando eu pego na vióla
Qui óiço o gemê das prima,
Os verso sái da cachóla
Im cachuêras de rima!

Praquê maió aligría,
Prá um cabra impruvisadô,
De que numa canturía
Êle lová u’a moça,
Pra dispôis dela lováda,
Fica tôda derrengáda
Agradicendo o lovô?

E a vióla, contente,
Ficá tocando um baião,
Inquanto o cabôco sente,
Outra vióla tocando
Cá dentro do coração?…

Se os versos q’eu impruviso
Não tem graça nem belêza,
Piçuí um grande valô:
– Êsses verso, eu aprendí
No livro da Naturêza
Tendo Deus pru professô!

O cantadô de repente
Tem tudo qui êle quizé:
– Tem os rio, as cachuêra,
Tem as noite inluaráda,
O rompê das arvoráda
E a graça das muié!

E tem o céu brasilêro
Qui cobre as terra Norte!
E tem o cabôco forte,
Tem o valente vaquêro,
As “Festa de Apartação”,
Tem o calô das fuguêra
Das noites de São João!

Tem os cabôco valente
Flô da alma do sertão!
Êsses cabôco ribusto,
Qui vinga a honra ultrajada,
Sem tê mêdo, sem tê susto,
Cum um “Bacamarte” na mão!

Praquê livro ou iscóla,
Praquê ané de doutô?
Se eu piçúo uma vióla,
Tenho livro e prufessô;
Tenho Deus e a Naturêza
Aonde tá a grandêza
De tudo qui Êle criou!?

Eu sou feliz, meu patrão.

Eu vivo nesse mundão
Bem satisfeito e contente.

E peço à Deus das artura,
(Ao meu grande prufessô)
Qui não mi farte o repente,
Esse dom qui Êle mi deu
Cum Seu pudê verdadêro
De eu sê impruvisadô,
Cantadô e violêro!

4 comentários

Pular para o formulário de comentário

    • Jesus de Ritinha de Miúdo em 18 de maio de 2018 às 17:00
    • Responder

    Pedro, você é pura superação.
    Zé da Luz é algo que beira a perfeição do sentimentalismo.
    A Terra Caiu no Chão é de uma beleza ímpar.

    • Pedro Fernando Malta em 18 de maio de 2018 às 19:05
    • Responder

    Caríssimo poeta,
    Não exagere. Sou um simples copiador do que encontro na internet e acho bonito,
    Fraterno abraço
    Malta

    • Aristeu Bezerra em 19 de maio de 2018 às 12:38
    • Responder

    Quem seleciona versos tão belos ajuda a tornar a vida mais amena. Acredito que a poesia está em todo lugar e aquele que visualiza possui uma inspiração intuitiva muito grande. Parabéns por seu excelente trabalho de garimpar estrofes com harmonia próxima da perfeição.

      • Pedro Fernando Malta em 20 de maio de 2018 às 14:25
      • Responder

      Caríssimo Aristeu,
      Sou grato por suas tão bondosas palavras.
      Fraterno abraço

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.