ANIVERSÁRIO DE UMA GRANDE FIGURA

Ontem, sábado, saímos eu, Aline e João com destino à bela Gravatá, um magnífico recanto de mundo localizado no Agreste pernambucano.

Pegamos a BR-232, uma estrada excelente de pista dupla, duas indo e duas voltando, subimos a Serra das Russas e varamos a montanha atravessando o Túnel da Cascavel.

Este túnel é atravessado apenas na ida. Na volta, a estrada contorna a montanha.

Uma paisagem belíssima, deslumbrante. Um caminho seguro e gostoso de se viajar por ele.

Lá em Gravatá chegamos  numa filial de paraíso que é o sítio do colunista fubânico José Paulo Cavalcanti, pra participarmos da sua festa de aniversário dos 70 anos.

Um almoço arretado pra cabra algum botar defeito! Um cardápio nordestino de dar água na boca.

Este Editor ao lado do aniversariante, gozando as delícias da festa

Um grande grupo de amigos esteve presente nesta magnífica confraternização, além dos filhos e netos do aniversariante.

E também sua mãe, a maravilhosa Maria Lia, lúcida e linda aos 92 anos, autora do livro “Recordar é Viver“, do qual ganhei um exemplar autografado. 

Dona Maria Lia Faria Cavalcanti, mãe de José Paulo, com este Editor

Lá pelas tantas, José Paulo me escalou pra contar histórias do meu grande amigo Orlando Tejo, uma figura ímpar da cultura nordestina. Sobretudo a história de Orlando Tejo com o agiota, que já contei aqui no JBF.

Foi uma risadagem arretada!

José Paulo Cavalcanti Filho é um dos mais renomados juristas do Brasil, cuja formação se deu entre Recife e Harvard, nos EUA.

Ex-Ministro da Justiça, Consultor da Unesco e do Banco Mundial, este colunista fubânico é membro da Academia Pernambucana de Letras, juntamente com a sua esposa, a grande intelectual pernambucana Maria Lectícia. Um caso único aqui na terrinha.

Autoridade, doutor, especialista e PhD na obra do poeta português Fernando Pessoa,  José Paulo é autor do premiadíssimo livro “Fernando Pessoa, uma quase autobiografia“.

Parabéns, meu caro amigo!

É um privilégio editar uma página que tem um colaborador do seu quilate.

Muitas felicidades, muito anos de vida, muita saúde e mais sucesso ainda na sua brilhante existência!

Este Editor se amostrando ao lado do casal José Paulo e Maria Lectícia

4 comentários

Pular para o formulário de comentário

    • CARLOS EDUARDO CARVALHO DOS SANTOS em 20 de maio de 2018 às 17:20
    • Responder

    Homi, por nossa senhora da ceuveja, porque não me chamou?!

    Gostaria de rever, ao vivo, você contando as histórias do Orlando Tejo, figura que era irmão da 2a. esposa de meu pai, a saudosa Maria Tejo dos Santos.

    Você acabou fazendo uma reportagem de lascar, mais parecendo Ibrahim Sued palmarense, e pode até ir cobrar seu jeton com o Prefeito de Gravatá.

    Adoramos!

    • CÍCERO TAVARES em 20 de maio de 2018 às 20:17
    • Responder

    Desejo contar aqui uma história interessante quando fui ao escritório de advocacia do Dr. José Paulo Cavalcanti Filho localizado na Agamenon Magalhaes, em 2002. Depois estive por lá com o poeta de Ribeirão Joca de Oliveira, em 2005. Maravilha!

    Dr. José Paulo até então não nos conhecia, mas nos recebeu com uma cordialidade tão fidalga que até hoje me fascina quando lembro.

    Assim que chegamos à secretaria, que fica no térreo do escritório, nos identificamos e ele nos autorizou subir. Veio nos receber no meio da escada que dá acesso ao escritório amplo acompanhado de dois políticos de alta catilogência de Pernambuco, que estavam saindo. Em momento algum virou as costas para nós, que ficamos encantados com tamanha cordialidade, gentileza e educação.

    Perguntou-me o que fazia na vida: Corretor de Imóvel!

    Indagou-me se já havia lido Teoria Pura do Direito, de Hans Kelsen, filósofo e jurista austríaco. Disse que sim: mas que não havia entendido nada! Até hoje!

    Autografou-me O Mel e o Fel, com prefácio do mestre Ariano Suassuna e anteprefácio do Guru Millôr Fernandes e nos presenteou. Após tudo isso, se já era fiquei ainda mais seu fã incondicional: pela honestidade, coerência, humildade, bondade, cortesia, fidalguia – tudo que se pode procurar e encontrar no ser humano decente.

    Despedimos! Naquela ocasião nos manifestou o desejo de escrever uma obra de fôlego para deixar para o futuro e havia escolhido escrever sobre a vida de Fernando Pessoa. Foi a primeira vez que eu ouvia falar e lia TABACARIA, talvez a maior poesia já escritor por um poeta em todos os tempos!

    Outra curiosidade em Dr. José Paulo Cavalcanti Filho: quando saímos do escritório ele nos acompanhou até a porta e em momento algum nos deu as costas!

    Viva os 70 anos de um homem que honra Pernambuco!

    • Cardeal Xico Bizerra em 21 de maio de 2018 às 08:19
    • Responder

    Todos esses conceitos atribuídos a Dr. Zé Paulo (renomado jurista do Brasil, cuja formação se deu entre Recife e Harvard, nos EUA, ex-Ministro da Justiça, Consultor da Unesco e do Banco Mundial, membro da Academia Pernambucana de Letras), tão verdadeiros quanto a sua integridade, são quase nada diante da imensidão de caráter e humildade que povoam a alma desse ilustre pernambucano a quem, de longe, abraço pelos 70 anos de muito vivido e mais a viver.

    • Arael M. da Costa em 22 de maio de 2018 às 10:49
    • Responder

    Veja como são as coisas neste mundão de Deus…
    Estivemos, embora em circunstância diversa, gozando das delícias desse paraíso suiço incrustado no agreste pernambucano.
    O ilustre Papa e sua cúria familiar gozando das merecidas benesses do respeitado e admirado José Paulo Cavalcante Filho e este pobre marquês perambulando das ruas gravataenses e suas delícias.
    Cumpri, como minha índia Arcoverde, de cognome Raquel, esse roteiro rodoviário prazeroso, subindo a Serra das Ruças com o deslumbramento que a chegada das águas nos proporciona e lá, arranchado na aprazível Villa Hípica parti para o gozo das delícias da terra, seja com um jantar caprichado, puxado a um vinho Carmenere, no Antonieta; o tradicional passeio pelo Polo Moveleiro e visita a Maria Paninho, com Da. Raquel comprando seus primeiros enfeites (de muito bom gosto) para a mesa de S. João e até uma missa na simpática Igreja de N. Sra. das Graças, celebrada pelo Bispo da Diocese de Caruarú, Dom Bernadino Marchió, decerto também curtindo as delícias da cidade.
    Pena não ter visto, mesmo de bem longe, onde a vista alcançasse, o nosso renomado e respeitado Papa.
    Mas…
    Talvez na próxima.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.