DJANGO É FRANCO NERO

Franco Nero ficou conhecido entre os cinéfilos graças a Django, onde interpreta o personagem-título. Pois bem, diferentemente de muitas estrelas do faroeste, Franco Nero conhece muito bem o Brasil, inclusive, em 2013, participou de um filme brasileiro, contracenando com a atriz Irene Ravache. Trata-se de A Memória Que Me Contam. No filme ele dá vida a Paolo, um italiano que vive no Brasil e precisa lidar com a inesperada prisão por ter participado de um atentado terrorista em seu país natal há décadas atrás. Destaque para a participação de Franco Nero como o marido de Irene Ravache e o lado político que o personagem também carrega, só que desta vez relacionado com sua Itália natal. Perguntado pelo cinéfilo e blogueiro do ADOROCINEMA, como foi aprender a língua em tão pouco tempo, o “italiano Django” respondeu: “Não foi nem um pouco fácil!!! Falo espanhol muito bem, mas português é uma língua completamente diferente para mim. Tinha uma amiga aqui em Roma, Natália, que é brasileira e me ajudou com as falas em português. Procurei decorar os diálogos das minhas cenas e correu tudo bem”.

O filme A Memória Que Me Contam retrata o tempo da ditadura militar e gira em torno da ex-guerrilheira Ana(Simone Spoladorre). O filme foi uma homenagem da cineasta Lúcia Murat a sua amiga Vera Sílvia Magalhães guerrilheira na juventude e marcante na vida de várias pessoas. Na verdade, Vera poderia ter desfilado a beleza de seus vinte anos pelas calçadas de Ipanema, no Rio de Janeiro onde nasceu. Poderia ter sido uma garota que amava os Beatles e os Rolling Stones ou então nos embalos de sábado à noite curtindo John Travolta, no liberou geral de costumes que varreu o mundo na década de 60. Ou poderia ter concluído o curso de Economia e levado uma vida burguesa, mas Vera Sílvia Magalhães amava a revolução e, como tantos jovens de sua época, não admitia viver sob a ditadura implantada pelo golpe de 64. Memória Que Me Contam com participação dos Super Star setentões Nero e Irene é um bom filme brasileiro , recomendo-o, mas poderia ser melhor, o tema é farto e exigia isso.

Custa-nos crer, que haja no gênero cinematográfico que relata as aventuras dos desbravadores do Oeste, uma palavra mais sagrada, Importante, influente e pessoalíssima que “Django”. O personagem atingiu proporções inimagináveis não apenas em termos de sucesso junto ao público, mas também pela influência que gerou. Pelo menos 50 filmes se apropriaram do título “Django” criado por Sergio Corbucci, quase todos com personagens centrais que pouco lembravam a imagem notável concebida por Franco Nero. Segundo um dos maiores cinéfilos do país, na modalidade de filmes faroestes, Darci Fonseca, “nenhum outro western spaghetti, à exceção da Trilogia dos Dólares de Sergio Leone, se equipara a “Django” (filmado no ano de 1966 tendo como diretor, Sérgio Corbucci), na empatia com o público e na importância no relativamente curto percurso em que o gênero dominou as telas do mundo”. Merecidamente, claro!!!

Neste filme que leva o mesmo nome do personagem, o andarilho solitário Django difere em muito de outros filmes. Introspectivo, compenetrado e altamente econômico nas palavras o homem do poncho e da cigarrilha nos apresenta uma grata surpresa em não cavalgar em nenhum momento e nem poderia fazê-lo pois o caixão que arrasta parece um complemento de seu corpo. O filme Django é inovativo em diversos aspectos, haja vista que tem o eixo da história pouco original pois o personagem central é o divisor de águas em meio a dois grupos que se defrontam para obter o poder jurisdicional do Condado local. Segundo o crítico de cinema Darci Fonseca nos faz uma alerta que, quando perguntado sobre para quem é aquele Caixão, ele responde que é para ele próprio, em razão de ser um homem atormentado por seu próprio passado. Entre os dois grupos contendores, Django tem simpatia pelos renegados mexicanos, acreditando no idealismo destes.

E continua Fonseca: Assemelham-se, no entanto, os dois personagens na inverossímil indestrutibilidade, na frieza com que enfrentam inimigos mais poderosos e em maior número. Django tem uma vingança como escopo e não sente repulsa ou aversão às mulheres, pois ao final declara a vontade de recomeçar a vida ao lado de Maria. O respeito da crítica pelo diretor deste filme(Sergio Corbucci), tem início com “Django” porque neste filme o diretor demonstra ter estilo próprio. A lamacenta rua principal do lugarejo semideserto com casario cinzento é perturbadora, assim como a decoração opressiva do Saloon onde transcorre boa parte do filme. É nessa ambientação que rebenta uma sucessão de violência que faz de “Django” um western como sendo um palco de incontido sadismo.

Na sinopse e detalhes, Django (Franco Nero) é um homem que arrasta consigo um caixão, onde dentro está escondida uma poderosa metralhadora. Na fronteira do México, ele está disposto a vingar a morte da sua esposa, e parte para uma luta sangrenta contra duas gangues rivais que agem na região, isso depois de fazer um acordo com o bandido local. Só que desconfiado das intenções do bandido, ele resolve se juntar a Maria, uma mulher que havia salvo, e os dois serão perseguidos pelo mexicano e seu bando. Se deleite com uma síntese de apenas 3 minutos do vídeo logo abaixo. Advertindo sempre que, depois de completar mais de 50 anos que chegou as telas do mundo inteiro, Django é um filme para quem nunca assistiu vale a pena vê-lo e, para quem já assistiu vale a pena ver de novo!!! Leitores!!! Não abram o caixão que vocês podem ter um susto.

Abram o link abaixo e terão uma grande surpresa.

3 comentários

  1. Grande Pinheiro, tu que lembrastes de RIngo agora nos lembra de Django, outra lenda do Velho Oeste, outro rei do faroeste

    • ALTAMIR PINHEIRO em 28 de maio de 2018 às 11:50
    • Responder

    Django, talvez tenha sido o único filme autêntico de faroeste que o ARTISTA não usa e nem anda a cavalo. O cavalo foi substituído por um caixão de defunto, onde lá dentro estava guardada a Lurdinha…

    • d.matt em 28 de maio de 2018 às 12:00
    • Responder

    Prezado Altamir: Assim não vale, depois do seu artigo, não sobrou nada para mim
    comentar. Você e seu amigo Darci Fonseca são mestres no assunto e tudo foi dito com precisão e sabedoria. E também paixão.
    Peço licença apenas para uma opinião sobre o filme: Para mim Django é um CLÁSSICO
    do faroeste italiano e eu já o assisti uma dezena de vezes. Ouso até acrescentar, pelas tomadas de muitas cenas, cenários e efeitos da direção, que este filme influênciou posteriormente o diretor Sergio Leone, com um punhado de sugestões.

    O seu clip do filme está ótimo e as cenas apresentadas são realmente as melhores do
    filme. Muito boa também a música , tão feroz como a metralhadora m ortífera.
    Grande artigo. Me emocionou profundamente.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.