Editorial do Estadão

Com a volta do deputado cassado José Dirceu à prisão, agora toda a cúpula do primeiro governo de Lula da Silva, exercido de 2003 a 2006, encontra-se na cadeia. Dirceu, Lula e o ex-ministro Antonio Palocci estão condenados por corrupção. Nada há a celebrar nesse desfecho, a não ser o auspicioso fato de que a Justiça, no Brasil, finalmente alcançou gente tão poderosa e com tanta influência política. No mais, é triste que a República tenha sido entregue, por meio de eleições livres, a indivíduos tão acintosamente despreparados para o exercício minimamente ético do poder, gente que agiu à margem da lei de forma sistêmica e profissional, usando como desculpa a fajuta promessa de “justiça social”.

A coincidência — chamemos assim — da prisão dos três homens mais importantes do primeiro mandato petista na Presidência dá àquela gestão ares de organização criminosa — coisa que, aliás, já havia ficado razoavelmente clara, até para o mais inocente observador, desde que estourou o escândalo do Mensalão, em 2005.

Recorde-se que a campanha eleitoral que levou esse pessoal ao poder incluiu ferozes ataques aos políticos governistas de então, comparados, em uma peça publicitária, a ratos que estavam a roer a bandeira do Brasil. A peça, concebida pelo marqueteiro Duda Mendonça, veio acompanhada de um chamamento dramático aos eleitores: “Ou a gente acaba com eles, ou eles acabam com o Brasil. Xô, corrupção. Uma campanha do PT e do povo brasileiro”. Como se sabe, Duda Mendonça confessou mais tarde que o PT pagou por esse e outros serviços com transferências milionárias para contas secretas em paraísos fiscais, coisa típica de quem tem muito a esconder. Era apenas um fiapo do Mensalão, que se revelaria um dos maiores escândalos de corrupção da história — só não foi o maior porque, em seguida, viria o Petrolão, que dificilmente será destronado.

O PT nunca admitiu a corrupção de seus próceres. Ao contrário, tratou-os como “guerreiros do povo brasileiro”, como se tudo o que se comprovou a respeito dos crimes por eles cometidos fosse mentira. Segundo os petistas, as evidências colhidas contra Lula, Dirceu, Palocci e tantos outros — nada menos que três ex-tesoureiros do partido foram encarcerados — integram uma imensa conspiração das elites para impedir que os pobres tenham uma vida decente — algo que, conforme o evangelho petista, só é possível com a turma de Lula da Silva no poder.

Se resolvesse seguir à risca seus estatutos, o PT teria de expulsar todos os que foram condenados por receber propinas, casos de Lula da Silva e de seus parceiros. Mas é evidente que essa ameaça não vale o papel em que está escrita. A expulsão está reservada aos que ousam mostrar que o rei Lula está nu, como aconteceu com um dos fundadores do PT, Paulo de Tarso Venceslau, que em 1997 denunciou um esquema de corrupção engendrado por um compadre do demiurgo de Garanhuns em prefeituras administradas por petistas. A Paulo de Tarso foi reservado o estigma dos traidores; já o esquema por ele denunciado revelou-se um aperitivo do que viria a ser o Petrolão.

Do PT não é possível esperar regeneração. Enquanto estiver sob o domínio de Lula da Silva — e nada parece capaz de diminuir esse domínio, nem mesmo sua condição de presidiário —, o partido será a expressão do cinismo dos que se dizem campeões da “ética na política”, mas exercem o poder como se nenhum limite moral lhes dissesse respeito, ademais de se considerarem proprietários do governo, e não inquilinos temporários. É isso o que explica por que razão Lula da Silva, José Dirceu e Antonio Palocci, esteios do primeiro governo petista, estão presos.

Em um país civilizado, não se admite que um grupo político com esse comportamento tão explicitamente criminoso, que fez da corrupção um método de governo, com o objetivo de permanecer para sempre no poder, escape impune. Ainda há um longo caminho a percorrer para que a influência deletéria dessa turma seja inteiramente neutralizada, mas a prisão da poderosa troica petista é um excelente começo.

5 Comentários

  1. O brasileiro é iludido por formadores de opiniões que proliferam estimulados pelo que restou da esquerda,e de políticos preocupados em fazer sucessores ou se manter nos cargos. Grande parte apoiou a greve dos caminhoneiros. Grande parte deste movimento era patrocinado as escondidas pelos sindicatos ligados a esquerda , outra parte pelos donos de empresas e muito pouco por verdadeiros caminhoneiros. Direito de greve ainda existe, porem uma greve deve ser para resolver problemas , não para criar caos.Resolvido o problema dos caminhoneiros , será que os preços de frete baixarão para a população? não. Os combustíveis baixarão para a população? não. Se o acordo prevê redução do preço dos combustíveis por 60 dias, e depois? E o enorme transtorno?,quem paga é o povo!. Alguns gritam em derrubar Temer, mas quem assumirá no lugar? A primeira linha é de Generais, ou postos equivalentes. O que decidiram? Derrubar um presidente como Temer acredito que basta o alto comando das Forças Armadas pedir para ele sair. Dificilmente alguem sairia em seu apoio , entretanto não é só ele que deveria sair. Temos políticos que pegaram carona neste movimento fingindo de santo , mas são culpados pela situação. Tem muito gente a se explicar no executivo no legislativo e no judiciário. Os políticos estavam igual a baratas quando levanta a tampa de bueiro. Misturaram as coisas e agora apesar do enorme prejuízo, tudo continuará na mesma . ganharam tempo para respirar. Gilmar e colegas continuarão a soltar os criminosos. 5 meses passam rápidos e Temer mesmo se fosse candidato não seria reeleito. Fizeram uma monstruosidade com o país para nada. Derrubar Temer não seria remédio nem mesmo paliativo, se o restante continuassem lá, disfarçados de apoiadores de um novo governo. Tem quer haver estudo antes, para que haja bons resultados. Mostrar ao povo a realidade , sem iludi-lo como fez o pt e outros partidos. Ser rigoroso ,justo e vigoroso. Não querer se perpetuar no governo, mas querer que o respeito e a dignidade se perpetuem. Serem realmente democráticos, pois o que vemos até agora é apenas uma aristocracia disfarçada.

  2. O PT, daqui dois anos , completará 40 anos. Será que existirá até lá? Senão vejamos. O partido atingiu o ápice entre 2000 e 2010, neste intervalo o Lula esteve à frente. De lá pra cá, com a saída do Lula da presidência do país, o PT só vem descendo a ladeira , culminando com a prisão do trio Lula, Dirceu e Palocci. E o que eu enxergo é que está existindo um descolamento da figura do Lula do Partido dos Trabalhadores. Na realidade o Lula sempre foi ele mesmo e nunca um partidário. Lula é o Lula e o PT é o PT. Ou seja , outra coisa. Com um terço de sua existência, o PT conseguiu ir ao topo e voltar chão, tal e qual era na década de 80. Sem Lula o futuro do PT é tão sombrio quanto andar na escuridão. E, a justiça, acaba de determinar o uso da força policial, para terminar com o acampamento pró Lula , em Curitiba.

  3. E por escrever sobre a situação, as centrais sindicais ligadas a cut e outras denunciaram o Brasil por ter cortado o ganha croissant deles ( a força sindical está no meio). Será que estavam infiltrados na greve? .
    E o governo do tal vampiro como se escreve aqui, demitiu 6 “assessores” de lula, e deveria ter demitidos vários outros “acessórios” do molusco. Como vai sair logo , e foi certamente prejudicado pelos ex aliados poderia ao menos ajudar o próximo governo ,seja qual for, retirando ou tentando retirar os que deliberadamente( sem vantagem alguma para a nação) o prejudicaram.

  4. t r a d u z i n d o,
    e
    r e p e t i n d o
    (de novo):

    nesse tal de pt SÓ TEM LADRÃO !!!

    SÓ TEM LADRÃO !!!
    SÓ TEM LADRÃO !!!
    SÓ TEM LADRÃO !!!

Deixe o seu comentário!


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa