QUASE HISTÓRIAS: EREÇÕES

Ananias estava a mil por hora, agitadíssimo, quase irreconhecível, tímido que sempre foi. Nunca falara tanto e sobre tantas coisas como naquela tarde fria de outono.

– Velho Marinheiro: tenho que lhe dizer algo. Não sei se viverei tanto tempo como o senhor…

– Nem queira.

– Mas, se viver, com certeza, eu não terei sua saúde, seu vigor, sua sabedoria e experiência.

– Meu caro, tenho mais dores do que você imagina. Meu vigor, perto do que tive no passado, é pinto. Quanto à minha experiência e sabedoria, palavras suas, quero lhe dizer uma coisa: trocaria ambas, sem pestanejar, pelas ereções que tinha aos trinta anos.

2 comentários

    • CÍCERO TAVARES em 7 de junho de 2018 às 21:32
    • Responder

    FANTÁSTICA CONCLUSÃO, Orlando Silveira!

    Mais uma obra-prima sua para nos alegrar dentro do seu estilo que considero maravilho!

    • Orlando Silveira em 11 de junho de 2018 às 13:00
    • Responder

    Caro Cícero, fico feliz por você ter gostado da croniqueta. Obrigado pelas palavras de incentivo. Abraço.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.