PAULO ALBERNAZ – GOIÂNIA-GO

Nobre editor Berto,

Veja nesse vídeo o grande constitucionalista Lula da Silva aparece ensinando como é que se faz o impeachment da Dilma.

Claro, conciso e preciso.

Tem um eleitor dele que vai gostar muito, o nosso estimado Ceguinho Teimoso.

Saudações goianas!

2 comentários

    • Severino Gomes Souto em 11 de junho de 2018 às 19:38
    • Responder

    Muito legal….. Esse Lula aí era o de Collor….nada com a Anta.

    • Ceguinho Teimoso em 12 de junho de 2018 às 11:12
    • Responder

    Acredita-se que a totalidade, ou quase todalidade, do que se atribuiu a Fernando Collor de Melo tenha sido obra de
    PAULO CÉSAR FARIAS:
    PC era uma espécie de caixa-preta humana, depositário de alguns dos mais bem-guardados segredos do esquema de corrupção que escandalizara o Brasil e que, menos de quatro anos antes, em 1992, levara ao processo de impeachment e à renúncia do ex-presidente Fernando Collor de Mello. Tesoureiro da campanha de Collor à Presidência, PC Farias tornou-se a eminência parda do novo governo, organizando um “caixa 2” estimado pela Polícia Federal em cerca de 1 bilhão de dólares. A fortuna era proveniente de uma rede de dinheiro sujo que chegou a manter conexões com a máfia italiana e o crime organizado internacional.
    Em junho de 1993, um dia antes de ter sua prisão decretada pela Justiça, sob acusação de falsidade ideológica e de abertura de contas bancárias ilegais no exterior, PC Farias escafedeu-se. Passou 152 dias foragido, despistando seguidamente a Polícia Federal e a Interpol, esgueirando-se pelo Paraguai, Argentina, Uruguai, Inglaterra e Tailândia, onde finalmente foi preso, em novembro daquele ano, após recorrer ao inacreditável disfarce de príncipe árabe durante sua permanência em Londres. Em dezembro de 1995, depois de cumprir dois dos sete anos a que havia sido condenado, foi posto em liberdade condicional.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.