ESTAMOS PERDIDOS E MAL PAGOS

A confusão política que instalou nesse país, no segundo governo de Dilma, deixou sequelas de todo tamanho e que foram intensificadas pelo alcance da Operação Lava Jato. Num determinado momento, os principais implicados na operação passaram a defender a tese de que a Lava Jato estava aniquilando a economia porque as empresas estavam sendo sufocadas e obrigadas a demitir pessoas. Na verdade isso era só uma tentativa de jogar a população contra a operação. A grande perda da economia se deu pelos desvios praticados com empresas sendo vendidas a preços inferiores ao preço de compra.

Do ponto de vista econômico, o governo Dilma foi uma catástrofe. Antes mesmo do impeachment o mercado já havia se posicionado contra a permanência dela. Basta ver os indicadores econômicos e a variação do dólar para entender que ela deveria ter ido há mais tempo. Bem antes do impeachment, mais precisamente Nno início do período eleitoral, uma analista de um banco fez um estudo no qual dizia que a reeleição de Dilma traria riscos sérios para a economia. Ela foi demitida, a pedido de Lula, e ganhou, recentemente, uma indenização judicial de R$ 400 mil. Mas, o impeachment não trouxe as respostas que a população desejava. Primeiro porque foi feito como instrumento de vingança por parte de Eduardo Cunha, embora, tecnicamente auditoria do TCU tenha constado empréstimo a bancos públicos sem autorização do congresso. Atribuo Reputo a Eduardo Cunha parte da culpa do que aconteceu no hoje no Brasil, não pelo impedimento, mas pela pauta bomba que ele adotou e que inviabilizou mais a economia do que Dilma que já estava na extrema-unção. Não houve ato de heroísmo no seu gesto. O que ele fez, para a economia, foi pura sacanagem.

Cabe lembrar que assim que se tornou presidente, num programa de entrevistas, Temer admitiu que se Dilma tivesse atendido as demandas de Eduardo Cunha, ainda seria presidente. Vejam como o interesse particular dos donos do poder extrapolam, e muito, os interesses da população. O povo é o Z do alfabeto. Eles são o A. O fato é que Temer será lembrado como o pior presidente que Banânia já teve. Ele escolheu seu ministério baseado em agradecimentos pelo empenho no impeachment e não pela competência dos indicados. Teve um que chegou ao cargo de ministro porque deu o voto 342; outro porque participou ativamente do grupo G8 (um grupo de oito parlamentares que se reunião reuniam na casa de Heráclito Fortes, para tramar o impeachment de Dilma).

Ao assumir, extinguiu vários ministérios entre eles o da cultura e da ciência e tecnologia. O primeiro, por pressão pública da classe artística voltou e o segundo foi incorporado ao Ministério das Comunicações. Ciência e Tecnologia são bases para o desenvolvimento de qualquer nação. Pode-se pensar que houve falta de interesse dos cientistas brasileiros, mas o fato é que nossos bons cientistas conseguem recursos para pesquisas de organismos internacionais. Uma das melhores pesquisadoras do Brasil (Suzana Herculano-Houzelabto), numa entrevista em maio/2016, dizia que estava deixando o Brasil e explicava as razões. A entrevista está disponível na internet. Vale a pena para quem quer saber o que a ciência no Brasil faz. Então, a ciência do Brasil acaba sendo feita lá fora.

Então, com tudo isso, a gente chega a um cenário de caos econômico, recentemente reforçado pela greve dos caminhoneiros. Uma das pautas era frete mínimo. Empresas já conseguiram decisões judiciais para não cumprir. O desconto de R$ 0,46, que agora é R$ 0,41 e, terminou em R$ 0,34, precisava ter sido conversado com as distribuidoras e com os postos. O governo impõe que os governos estaduais reduzam o ICMS sobre o combustível. Como? Se estes estão além da margem de segurança da Lei de Responsabilidade Fiscal, como abrir de receita? Mas, mais uma vez E, mais uma vez, o governo teve qvoltou ue voltar atrás na questão da tabela do frete. A campanha publicitaria de Temer, “o Brasil voltou, 20 anos em 2”, estava correta porque o Brasil volta todo dia e assim a gente vai conseguir chegar a 20 anos atrás, em apenas estes dois anos de desgoverno.

O que nos espera com as eleições de 2018? Do ponto de vista econômico temos pouco a considerar. Nenhum dos candidatos tem a menor capacidade de tirar esse país do lamaçal atual. Imagina-se um candidato bem sucedido no mercado: . O Josué Alencar (filho do ex-presidente José de Alencar). Como posso confiar nesse nome se o partido que ele está conversando chama-se Partido da República, cujo dono (no Brasil partido político tem dono) é Valdemar da Costa Neto, condenado por corrupção? Se Josué for ele fosse eleito os bandidos, com procuração de Valdemar, estariam feitos. E a roubalheira continuaria.

Como entender o lançamento da candidatura de Lula, embora Eugênio Aragão tenha lhe dito que ele estava inelegível. Com base na Lei da Ficha Limpa, até o sacripanta, Gilmar Mendes, já disse que a inegibilidade de Lula é “aritmética”. Então, como se permite a captação de dinheiro para uma campanha que não vai ocorrer? Alguém precisa botar ordem nessa zona. Se não fizermos dificilmente teremos condições de atrairmos investimentos. Essa defesa pública da candidatura de Lula já deveria ter sido definida pelo TSE.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.