Petrolina-PE e Juazeiro-BA: Pólo de turismo, cultura, produção agrícola,
vinícolas e o São Francisco no meio!

Na época de caixeiro-viajante, anos 1970, dei um pulo em Petrolina-PE, decisão tomada de última hora quando me preparava para voltar ao Recife, pela BR-232.

Tinha à disposição para exercer as vendas de tecidos, confecções, artigos de armarinho, pelas industrias Jomack S.A e Sigra S.A., uma imenso território – do Oeste do Maranhão ao Sul da Bahia, ou seja o Nordeste inteirinho.

Estiquei até Petrolina por saber que iria faturar bem – cidade grande, pólo regional – e principalmente para conhecer aquele lugar ainda não encaixado nas poções de Nordeste que conhecia bem: litoral, mata, agreste, sertão.

Panorâmica de Petrolina, vista de Juazeiro-BA

Que mistérios guardaria uma cidade do Alto Sertão, banhada pelo São Francisco e ainda vizinha da Bahia.

Foi tudo bom, as vendas e os passeios. Paixão à primeira vista.

Só voltei à região agora em 2015, em férias com a família.

Petrolina Juazeiro – Fagner e Jorge de Altinho, do olindense Jorge de Altinho

Conhecia outras travessias do Velho Chico, importantes e históricas: Penedo-AL-Neópolis-SE; e Propriá-SE-Porto Real do Colégio-AL. Estas por conta de passeios avulsos ou rotas de trabalho.

Petrolina Juazeiro, com Trio Nordestino

As duas cidades são férteis como berço de grandes nomes da Música Brasileira: Juazeiro é terra de João Gilberto, Ivete Sangalo e Galvão (Novos Baianos). Petrolina, nos deu o consagrado Geraldo Azevedo e o novo expoente do piano bossa-novista Zé Manoel.

Semana que vem, tem mais.

2 Comentários

  1. Quincas, essa musica é genial, e as cidades em questão, são exemplo de que se querendo tudo dá certo. Exemplos de produtividade , aliás vinícolas de alto padrão e frutas de alta qualidade.

  2. Querido Quincas! Salve as veredas desse nosso país que você vem musicalmente desbravando.
    Sugiro a abordagem à nossa Olinda. Há o poema do Carlos Penna Filho musicado pelo Geraldo Maia, há a música Guia de Olinda, do saudoso Erasto Vasconcelos; além das tantas do Alceu. É tema para mais de uma abordagem.

    Abraços sonoros!!

Deixe o seu comentário!


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa