30 junho 2018STAND-UP COM POESIA



A poesia é essa coisa meio louca,
feita por um louco, meio poeta.

Escrevo para que não se perca o
poema nem esqueçam o poeta.

FRUTO PROIBIDO

Nunca comi
Fruto proibido
Nada adiantou
Acabei sozinho
Aqui no paraiso
Com fome
Sem maçã
Sem Eva
Desvestido
E sem uma costela.

O POETA

O poeta
É como um cão farejador
Farejando tudo
Em plena luz do dia
Até no monturo
Encontra poesia

PESCARIA IMPRODUTIVA

Atirei minha rede
Nas águas deste rio
Você andava cheia …
Nuinha, nuinha
Deitada na areia
Tremendo de frio
Eu quase me afogando
Tentando, tentando
Pescar lambari

RESISTÊNCIA INÚTIL

Resisti enquanto pude
Mas cedi aos teus encantos
E como sou homem rude…
Não te ofereci meu pranto
Só minha alegria, meu canto,
Meus versos e minha poesia
No momento isso me basta
O resto faremos juntos:

MINHAS LEMBRANÇAS

Tomei banho tibungando
De cima duma pinguela
Bebi água de gamela…
Andei descalço fungando
Morceguei carro andando
Carreguei pote com rodia
Comigo ninguém bulia
Vivia o verde da esperança
Essas são minhas lembranças
E eu era feliz e sabia

TIBUNGAR = pular dentro do rio de cima de uma ribanceira ou de uma árvore…
PINGUELA = ponte rustica feita de madeira sobre córregos
GAMELA = vasilha de madeira feita de tronco de árvore para colocar água e ração para animais
FUNGAR = absorver pelo nariz; resmungar
MORCEGAR = pendurar-se em carroceria de caminhão em movimento
RODIA = o mesmo que RODILHA, rosca de pano em que se assenta a carga na cabeça.
BULIR= mexer com quem está quieto

Quando bate a saudade
Nesse meu peito ferido
Coração fica partido
Sangra, segrega, a vontade
Lembrando da mocidade
Dói em mim por todo canto
A vida perde o encanto
O poeta vira calouro
“Eu fui temperar o choro
Acabei salgando o pranto”

2 Comentários

Deixe o seu comentário!


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa