4 julho 2018 CHARGES

SPONHOLZ

4 julho 2018 DEU NO JORNAL

O LIVRO DO CONDENADO

Das 500 páginas do primeiro dos dois volumes do livro de memórias de José Dirceu, que será lançado em agosto pela Geração Editorial, algumas são reservadas para descrever suas várias decepções com Lula.

A primeira, que ele qualifica de grave, deu-se no dia em que Lula venceu a eleição de 2002.

Dirceu conta que estava tudo combinado para que ele fizesse o discurso da vitória na Avenida Paulista.

Só que Lula tinha outros planos.

Escalou José Genoíno para a tarefa.

Já no palanque, Dirceu soube por um assessor que fora rifado.

Quis se retirar. Mas, soldado fiel, cumpriu a ordem de Lula calado e sem se rebelar.

O que, aliás, faz até hoje.

* * *

Zé Dirceu, o condenado mensaleiro e irmão-gêmeo de Tofinho, vai levar porrada do fubânico luleiro Ceguinho Teimoso.

Ceguinho considera Lula infalível.

Ele classifica Lula como o único ser humano no Planeta Terra que não comete erros. Ao contrário do que diz Zé Mensaleiro em seu livro de memórias.

Atenção leitores: não estou sendo irônico nem fazendo gracinha.

Ceguinho acha isto mesmo!!!

É só pesquisar aqui no JBF.

Ceguinho já disse que não há uma viva alma neste país que seja mais honesta do que Lula.

É por isso que o JBF é a página humorística que mais faz sucesso em Banânia.

4 julho 2018 CHARGES

LUTE

SALTOS IMPOSSÍVEIS

Deixando o Rio de Janeiro, em um ensolarado final de tarde, com destino a Brasília, desci do táxi e entrei no Aeroporto Santos Dumont. Não havia pressa alguma. O voo estava previsto para largas três horas depois. Teria tempo de sobra para fazer um lanche e observar o movimento, nessa fonte inesgotável de histórias que são os aeroportos.

Todos os dias é um vaivém…”, diz a canção. E foi como se as vozes de Simone e Maria Rita disputassem um lugar em minha memória musical. É fato que a música fala de uma estação de trem; mas, de certa forma, dá no mesmo: os aeroportos são as novas plataformas para tantas chegadas e partidas, e outros tantos encontros e despedidas…

Decidido a não ter qualquer preocupação com o tempo, segui direto para o salão de embarque. Na fila do raio X, à minha frente, uma jovem tirou a jaqueta e a pôs na esteira, junto com a bolsa e o telefone celular. Usava uma calça um tanto quanto engraçada, para meus padrões estéticos, talvez desatualizados: colada ao corpo, do joelho para cima, e abrindo-se em formato de cone, do joelho para baixo.

Foto: G1 – Globo

Chamou-me a atenção, ainda, o fato de ela ser mais alta que eu – característica pouco comum entre as mulheres que costumo encontrar cotidianamente –, apesar da minha estatura de apenas um metro e setenta e dois centímetros. Se essa observação decorre de alguma admiração especial por mulheres mais altas, ou de eventual resquício de influências machistas em minha formação, é avaliação que deixo a cargo de quem se ocupar desta leitura.

Chegada a minha vez de passar os pertences pela máquina de raio X, pus a mala na esteira e o paletó em uma bandeja de plástico. Costumo tirar o paletó e pôr no raio X porque, assim, vão em seus bolsos meus dois telefones celulares, as chaves e outros objetos metálicos, como moedas. O notebook vai em outra bandeja, devidamente retirado da mochila e apoiado sobre ela.

Estava nessa fase do procedimento – tirando o notebook da mochila – quando ouvi uma voz feminina, logo à minha frente, demonstrando irritação.

Era a jovem de quem falei antes. Reclamava com o funcionário do aeroporto por ter que voltar e passar, novamente, pelo detector de metais. Uma luz vermelha piscava na parte inferior do portal a cada vez que ela transitava por ali.

O rapaz que controlava o equipamento tentava ser gentil, mas a moça queixava-se de já haver tirado todas as pulseiras e, até mesmo, o cinto.

– O problema é nos pés – explicava o rapaz. – Deve haver metal nos seus sapatos. Acontece muito isso…

O desentendimento entre os dois atrasava minha passagem, mas isso não chegava a ser um incômodo. Afinal, ainda restavam duas horas e quarenta e cinco minutos para o meu embarque.

Apesar dos protestos e da impaciência cada vez maior, a viajante acabou aceitando tirar os seus sapatos. Acomodou-se em um banco – aparentemente, posto ali para aquela exata finalidade – e acabou se descalçando, ali mesmo.

Foi, então, que contemplei os maiores saltos de sapatos que já pude ver em toda a minha vida!

A parte da frente, onde se apoiam os dedos e os metatarsos, devia ter uns vinte centímetros de altura; o salto propriamente dito – que, em condições normais de temperatura e pressão, serve para apoiar o calcanhar – chegava, facilmente, a uns trinta centímetros.

Não sei se a irritação da moça tinha alguma relação com o fato de ela ter que circular por ali, exibindo sua altura real. Aos meus olhos, a redução da estatura era algo que não a diminuía em nada – perdoem-me o trocadilho. Mas as pessoas têm suas preferências estéticas e, no caso, a diferença era bem grande.

Com os pés descalços, ela cruzou o portal do detector de metais, agora, sem acionar qualquer alarme. Pegou de volta seus sapatos com saltos gigantes, que haviam sido postos na esteira do raio X, e os calçou novamente. Ocultos sob sua calça engraçada – de pernas com bocas de sino –, ninguém suspeitava que eram eles que faziam a jovem ficar mais alta.

Se alguém me houvesse mostrado aqueles calçados na vitrine de uma loja, acharia que era apenas uma peça decorativa, como aqueles calçados conceituais criados por grandes estilistas para lançarem suas coleções, mas que são de uso improvável. Teria certeza de que ninguém seria capaz de andar equilibrando-se naquelas coisas. Mas, ela andava. E rápido.

O tempo que gastei repondo o notebook na mochila e vestindo novamente o paletó foi suficiente para que a moça dos saltos impossíveis sumisse na multidão.

4 julho 2018 CHARGES

NANI

MAURO OITICICA – CAMPOS DO JORDÃO-SP

Berto,

saudações deste seu leitor diário, viciado na Besta.

Publique aí nesta gazeta escrota a foto que está no anexo.

Esta segunda turminha do stf é uma merda.

Bote pra quebrar, seu editor da porra.

Este é o melhor site do Brasil.

Meu abraço.

R. Êita!

Ganhei o dia.

Ser chamado de “editor da porra” me encheu os peitos de satisfação.

Muito obrigado, caro leitor.

Mande as ordens e disponha sempre.

E vamos aproveitar o dia pra rogar pesadas pragas contra estes canalhas que denigrem o poder judiciário.

Uma boa praga seria desejar que eles pegassem chato e não pudessem coçar os pentelhos tomados de uma coceira braba por estarem com as mãos amarradas nas costas.

Dúvida: Ainda existe chato no mundo, o lendário “piolho de púbis”?

4 julho 2018 CHARGES

DUKE

4 julho 2018 DEU NO JORNAL

UMA PERFEITA PARELHA BANÂNICA

Roseana Sarney, que quer voltar ao governo do Maranhão, manifestou apoio à campanha “Lula Livre” nas suas redes sociais.

Atualmente no MDB, a filha de José Sarney postou uma foto em que abraça o hóspede da carceragem da PF em Curitiba, com a frase “o Maranhão está com Lula, eu também estou” e o comentário “a luta de Lula por Justiça também é nossa!”.

“Lula é meu amigo pessoal. Eu não abandono amigo, por mais difícil que seja a situação dele. Enquanto houver recurso possível na Justiça, estarei com ele nessa luta”, declarou Roseana.

* * *

Francamente, fiquei comovido com esta declaração de amor que a filha de Zé Sarney fez a Lula.

Lindo, lindo, lindo ! ! !

Lula e Roseana formam uma parelha banânica perfeita.

Perfeitíssima.

Os dois se merecem mutuamente.

E quem vota neles merece os dois.

O presodenciável Lula, homem petralhalmente coerente, retribui o amor de Roseana à altura.

4 julho 2018 CHARGES

AMARILDO

4 julho 2018 CHARGES

PAIXÃO

4 julho 2018 AUGUSTO NUNES

LADRÃO ESPERTO

Lula acusa “eles” de terem roubado estatais e instituições saqueadas pela quadrilha que chefiou

“A verdade é que o tempo deles está acabando. Correm para entregar o que prometeram aos patrocinadores do golpe do impeachment em 2016: nosso petróleo, nossas riquezas, as empresas dos povo, a Petrobras, a Eletrobras e os bancos públicos”.

Lula, em artigo no Jornal do Brasil, que alguém escreveu e ele assinou, acusando a misteriosa entidade denominada “eles” de ter esvaziado os cofres das estatais empresas e instituições saqueadas pela quadrilha que chefiou.

4 julho 2018 CHARGES

IOTTI

HARRISON CHIANCA – JOÃO PESSOA-PB

Mestre Berto

O tempo não existe, é só uma unidade de estudo, então se é assim me arreceba poeta.

Fiquei meio afastado porém não me esqueci desse Jornal arretado de bom que é a Besta Fubana.

Voltei para ficar, e como a saudade é dor que invade o peito, e na caixa do peito é onde escondemos as dores, fiz esse soneto, que te passo agora.

Pecados

Na amargura se encontra o sentido
De saber que a vida nos ensina,
Que lutamos para sair da própria sina
De sarar o que ainda não foi ferido.

Se sorrindo eu engano a quem me vê
Quando só, me acusa a verdade,
Sou só um homem partido na metade
Que luta contra o amor pra não sofrer.

Se amar sempre foi só um engano,
Dos momentos que foram levianos
Quero, mas não posso esquecer.

Da vida busco sempre o perdão,
Dos meus erros, que são sem intenção,
Dos pecados que não quero cometer.

Um grande abraço Poeta Berto, de um paraibano ausente.

R. Seja vem vindo de volta, meu caro.

A casa é toda sua.

Disponha sempre deste espaço.

Um grande abraço e muito sucesso.

4 julho 2018 CHARGES

AROEIRA

O DIÁLOGO DO POLVO COM A CENTOPEIA

Polvo resolver dar uma voltinha pelo cabaré do fundo do mar

O mar, mais uma vez não está pra peixe. Quem está tirando muito proveito disso é o polvo, que, com esperteza, usa todas as suas ventosas para garantir, se não a multiplicação da espécie, pelo menos a garantia de não aumentar tanto o seu tempo de quarentena sexual. E, até onde se sabe, não é sem mais nem menos que o polvo tem tantos “elementos penetrantes”.

Na juventude, quando as facilidades atuais ainda não existiam para “fazer amor”, os irmãos mais velhos, e em algumas situações os próprios pais lembravam que os meninos tinham uma namorada predileta: a “Maria cinco Dedos”. Somente anos depois, foi que apareceram as bonecas infláveis para os homens, enquanto as mulheres conheceram os vibradores.

E, no fundo do mar, a coisa não funciona assim. Tem que dar certo alguma coisa. Tem que acontecer um namorico, ainda que entre espécies diferentes. Dizem até que, no desespero, tartarugas marinhas “fazem sexo” com baleias e tubarões. Será que as “tartarugas ninjas” são produtos desse namoro?

Centopeia quando está “subindo de costas pelas paredes” entra no mar e transa com o polvo

Eis que, cansada de “rodar bolsinha” debaixo dos tapetes, nas frestas das portas, por debaixo dos latões de lixo, e por não encontrar nada para comer e pelo visto nada que tivesse a coragem de comê-la, a Centopeia resolveu dar um mergulho, mudando de rumo. Quando menos esperava, embora desejasse muito, sentiu aquela coisa pegajosa, como se fosse uma pedra no seu caminho. Felizmente, não era.

Era uma das ventosas do polvo. Como no fundo do mar não havia nenhuma condição para acender fogo para ferver água numa panela, Centopeia imaginou que, naquele momento, só poderia ser “comida” da forma que há muito desejava: a única forma de comilança em que os prazeres são divididos. E, tome ferro. Digo, tome ventosa.

Cavalo marinho – a viadagem no fundo do mar

E a Centopeia “deu” para a ventosa do Polvo. Meses depois, a natureza se encarregou de agir, e o resultado foi o nascimento do “Cavalo marinho”, único “macho” no planeta Terra que “engravida” – coisa que muitos baitolas, frescos, gays e esconde espadas ainda não conseguiram descobrir.

Eita meleca, quando neguinho que adora transformar o traseiro em objeto de prazer – será que é “prazer” mesmo, em alguns casos de relacionamento com alguns negões da vida? Sei não visse – esse mundo velho vai ficar mais esculhambado que os “bastidores” de algumas instituições superiores deste Brasil.

Zulive!

Cactos na caatinga – bem que poderia ser filho do Polvo com a Centopeia

Acontece que, satisfeita a sua vontade de “dar”, indiferentemente de saber “para quem”, a Centopeia resolveu que era hora de tirar para fora, e resolveu sair do mar. Com tantas pernas, não demorou a encontrar a caatinga, onde resolveu enterrar seus últimos ovos daquela “transa” no fundo do mar.

Com os ovos enterrados, a chegada da chuva, ainda que esporádica, possibilitou o nascimento de vários tipos de cactos – algo que é a mais provável justificativa de existência de algo tão ridículo, cuja única utilidade é ceder espinhos para as almofadas de bilros da minha falecida Avó.

É exatamente como questionava Chico Anysio, querendo entender qual a utilidade do “rinoceronte”. Esse bicho é algo que se coma? É algo que tem carne ou só banha?

Assim, qual é a utilidade do cactos?

4 julho 2018 CHARGES

FRED

HÉLIO FONTES – VIDEIRA-SC

Berto,

Boa noite.

Acabo de transferir um pixulequinho de R$ 50,00, para contribuir com o sorriso da simpática e expedita secretária dessa gazeta cada dia mais escrota.

Aceite um “quebra-costelas” bem cinxado deste conterrâneo extraviado no sul maravilha.

R. A sua doação, caro leitor, já está na raquítica conta desta gazeta, que anda sempre no vermêio (êpa!).

Brigadão pela salvadora oferta.

Agradecimento extensivo aos leitores Carlos Alberto, Elaine Ramos, Benigno Aleixo e Nadja Menusier, que também fizeram doações neste início de julho.

Chupicleide ficou se rindo-se que só uma abestalhada.

4 julho 2018 CHARGES

NICOLIELO

SE TOCA, CARA ! ! !

Ao desautorizar o uso de tornozeleiras, determinado pelo juiz Sérgio Moro, por seu ex-chefe José Dirceu, sem que a defesa sequer tivesse requerido, o ministro Dias Toffoli deixou claro que está no STF prioritariamente para funcionar como auxiliar dos advogados do ex-chefe da Casa Civil de Lula.

E isso a dois meses de assumir a presidência da chamada Corte, dando ideia do que espera o Brasil em matéria de Justiça no futuro próximo.

Confirmando ser, de fato, a “suprema tavolagem federal”, como descrevi em meu artigo publicado ontem no JBF, a postura do ex-advogado geral da União no governo Lula deu mais um sinal de que a última instância continuará desfazendo o combate à corrupção por primeira e segunda instâncias.

Se toca, Toffoli!

4 julho 2018 CHARGES

DUM

4 julho 2018 A PALAVRA DO EDITOR

PAÇO DO FREVO

4 julho 2018 CHARGES

THIAGO LUCAS

O ELEITOR É APENAS UM DETALHE

Temos, hoje, 28 pré-candidatos à Presidência da República. Quem tem 28 candidatos não tem nenhum – a menos que ache que os três maiores partidos do país vão disputar o jogo de buraco (o que é melhor do que disputar o rouba-monte, mas também não resolve nada). Um partido quer porque quer registrar um presidiário, que não atende às especificações da Lei da Ficha Limpa; outro insiste num candidato que tem dinheiro para a campanha, mas é pobre de votos; o terceiro gira em torno do cacique que venceu várias eleições em São Paulo mas não consegue cruzar fronteiras – tanto que o partido que preside só não o substitui por falta de substituto.

Há nomes que despontam bem: Bolsonaro, Ciro Gomes, Marina. Marina sempre desponta bem e despenca melhor. Bolsonaro não tem tempo de TV nem para dizer “meu nome é Bolsonaro”. E Ciro, que negocia com vários partidos, da esquerda à direita, sempre vai bem até falar o que não deve.

O fato é que os partidos ainda não marcaram a data das convenções. E o site Diário do Poder, que analisou as pesquisas, concluiu que 64,5% dos eleitores não optaram por qualquer dos candidatos. Quase 40% dos eleitores aguardam novos nomes; os restantes parecem decididos a votar nulo. E os eleitores já definidos são apenas 35%.

Qualquer previsão, nesse terreno instável, tende a falhar. Os candidatos tentam articular-se politicamente – mas quem irá cuidar dos eleitores?

Ele é o bom

O ex-governador Alckmin, que tem intenções de voto expressas em um só algarismo, se diz otimista com o quadro eleitoral: garante que já se aliou a quatro outros partidos que, somados ao seu PSDB, lhe dão 20% do tempo da TV. Quais são esses partidos? Ele não diz. Mas conta vantagem: “Nenhum pré-candidato tem o apoio de dois partidos. Nenhum – exceto eu, que tenho cinco”. Diz também que nenhum desses partidos é o DEM – sorte dele, já que o DEM, velho aliado do PSDB, tende a dar apoio a Ciro.

Esquerda geral

O movimento pró-Ciro é tão forte que um intelectual brizolista, o professor Roberto Mangabeira Unger, já deu entrevista dizendo que o DEM é mais esquerdista que o PSDB – isso, o DEM de Antônio Carlos Magalhães. Mangabeira acha que Ciro, que foi integrante do PDS, dirigido à época por Maluf, é também esquerdista. Ciro tem boas possibilidades de conquistar ainda o apoio do PSB, antes prometido a Alckmin. Mas Alckmin tinha prometido apoiar a candidatura de seu vice, Márcio França, ao Governo paulista; agora age como se nada tivesse a ver com a promessa.

E não é que tem razão?

O chefe da Casa Civil do presidente Temer, Eliseu Padilha, cacique dos fortes do PMDB, disse que se a convenção nacional do partido se realizasse agora, a candidatura de Henrique Meirelles seria confirmada sem nenhuma dúvida. “Hoje não tem disputa”, disse Padilha. O problema é que, com os raquíticos índices que Meirelles apresenta, não haverá disputa também nas eleições. A propósito, Padilha deve ser lido com atenção: se a convenção do PMDB se realizasse agora, Meirelles seria o candidato. Só que o PMDB não marcou ainda a convenção. Até marcá-la, quem sabe a fila anda?

A força do candidato

Meirelles tem uma proposta que agrada o PMDB: pagar a sua campanha com seu dinheiro. Com isso, os recursos do financiamento público ficam para candidatos a outros cargos, que não precisarão financiar o presidente.

Os bens da família Lula

O patrimônio da família do ex-presidente Lula, revelado por seus advogados no processo de inventário da falecida esposa Marisa Letícia, e divulgado por esta coluna no domingo, dia 1º, soma perto de R$ 13 milhões. Muito ou pouco? Não dá para dizer: se multiplicarmos o salário do presidente por 104 (oito anos, mais os 13ºs), considerando-se que ele não tenha tido qualquer despesa nesse período, chegaremos a pouco mais de R$ 3 milhões, sem considerar o rendimento das aplicações. Há também possíveis ingressos provenientes de palestras, que Lula informa ter proferido. Em resumo, apenas com os dados disponíveis, não é possível dizer se os rendimentos foram ou não superiores ao habitual. É preciso ainda considerar que o valor venal das propriedades não costuma coincidir com o valor de mercado, normalmente mais elevado.

Salvando vidas

A partir de agora, o telefone 188 está destinado, em todo o território nacional, a apoiar pessoas que pensam em suicidar-se. Nos moldes do CVV, Centro de Valorização da Vida, há voluntários bem treinados para conversar com possíveis suicidas e estimulá-los a continuar vivendo. É uma experiência muito bem sucedida que se estende ao país inteiro.

4 julho 2018 CHARGES

PAIXÃO


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa