E POR FALAR EM GOLPE

Desde o impeachment de Dilma Rousseff que seus defensores falam de golpe e ela, particularmente, diz que não cometeu crime embora tenha sido constatado que houve empréstimo sem autorização do congresso. Lembro que Lula chegou a dizer que não sabia o que era “pedalada”, mas num evento, se dirigindo a Jacques Wagner, disse que “as pedaladas foram dadas para pagar Bolsa Família”. Lembro também de uma entrevista do senador Humberto Costa, nas páginas amarelas da revista Veja, no qual ele dizia que o discurso do golpe estava vazio.

Creio que somente domingo passado, 08/07/2018, eu tive a noção completa como um golpe se processa. Lendo os bastidores desse movimento, em fontes diversas de jornalismo, nota-se como tudo foi orquestrado, negociado e encaminhado com a autorização da direção do PT, de Lula e dos seus advogados que não quiseram figurar no pedido de soltura porque já estão com outras demandas e se desse errado a imagem deles estaria, seriamente, afetada.

O que me espanta é o despacho do Roubério Favreto ter chegado às mãos de Lula antes da 10h da manhã do domingo. Ou seja, Lula está na carceragem da Polícia Federal e isso foi tramado ali dentro. Então, fica claro que a prerrogativa da juíza de execuções penais em permitir visitas a Lula por pessoas que não seus advogados e não são da família foi um grande equivoco passível de repensado. No sistema prisional, tentativa de fuga é punida duramente e no meu entender isso foi uma tentativa de fuga patrocinada por quatro canalhas, um deles com a incumbência de fazer valer a lei no país.

Os canalhas Wadih Damous, Paulo Pimenta e Paulo Teixeira jamais fariam algo dessa natureza sem a anuência dos advogados de Lula, sem o aval de Gleisi e do próprio Lula. Eles tinham plena consciência de que se algo desse errado, a defesa de Lula seria prejudicada. O contato com o Roubério também foi algo previamente realizado. Não tinha como isso acontecer exatamente na sexta. A justiça ficou em xeque por conta da ação desses moleques. É preciso investigar. A presença desses canalhas em Curitiba, a mobilização dos defensores, não tinha como ser organizada de uma hora para outra.

Logicamente, que qualquer cidadão tem o direito de entrar com um habeas corpus. Não me parece que o crime tenha sido esse. Na verdade, faz três meses que Lula está preso e eles não tiveram essa iniciativa porque a defesa não permitiria isso. Inclusive no despacho de Gebran Neto ele cita que a defesa diz que apenas ela tem autoridade de representação. Então, o crime está na forma articulada, no contato com um agente público para obter vantagens escusas. Muito provavelmente estes três canalhas não saberiam do plantão do Roubério, de modo que essa informação partiu dele, diretamente ou por terceiros.

Pacificado a questão com o despacho da ministra Laurita Vaz, fica a dúvida se haverá apuração dos fatos. Deveria ser aberta uma investigação com quebra de sigilo telefônico dos envolvidos para que se apure a participação de cada um e se ficar comprovado que o Roubério Favreto (esse já veio com o reto no nome!) orientou, acordou, instruiu, então ele deveria ser afastado das funções, aposentado sem direito a benefícios. Quanto aos demais, a resposta teve ser através das urnas.

Wadih Damous teve 37 mil votos e ficou com suplente no pleito de 2014, mas assumiu o cargo em 2015. Ele é autor de um projeto que veta delação para pessoas presas. Ou seja, um argumento forte para proteger políticos bandidos. Até o momento sua pré-campanha arrecadou, cerca, de R$ 13 mil e os eleitores do Rio de Janeiro (despertai fubânicos cariocas) não podem eleger este cafajeste novamente. Esse homem é um risco desmedido para a democracia do país. Votar neste pulha é aprovar o nível de corrupção instalado no Rio de Janeiro.

A região Sul mostrou total aversão à Caravana de Lula e tem sido contundente com na defesa da Lava Jato. Espero que essa postura atinja de frente a campanha de Paulo Pimenta e que o pessoal entenda que o Brasil não precisa desse tipo de político. Ele teve uma boa votação em 2010, mas naquele ano o momento político era outro. Lula estava fazendo o sucessor, a economia estava embalada e o eleitor, geralmente, perdoa deslizes quando tem emprego (o mensalão foi assim: o PT foi perdoado pelo eleitorado porque a economia estava bem), quando tem renda. Paulo Teixeira tem pela frente o asco do eleitorado de São Paulo em relação ao PT que nunca conseguiu eleger um governador nesse estado. Seu candidato atual samba nos traços das pesquisas eleitorais. Em São Paulo, Suplicy tem maior receptividade porque não incomoda ninguém, exceto quando canta Blowing the Wind.

Estes três deputados, assim como todos os demais ligados ao PT, sabem que sem Lula eles não terão votos.

Sem Lula, o PT não existe. Por isso, eles precisavam aparecer para os simpatizantes do partido como heróis da salvação. O que eles fizeram foi apenas pensando nos seus próprios futuros. Se estes canalhas tiveram votos para se elegerem, decididamente, a população prevista de um choque de realidade.

8 comentários

Pular para o formulário de comentário

    • Marcelo em 12 de julho de 2018 às 11:02
    • Responder

    Realmente o Brasil não é um país para amadores … Incomoda também , além de toda esta patacoada em tons vermelho, o corporotativismo do judiciário explicitado no despacho do Relator do TRF-4 , Juiz Gelbran Neto, dizendo que o juiz Favreto foi ” induzido” ao erro pelos impetrantes do Habeas Corpus …

      • Maurício Assuero em 12 de julho de 2018 às 22:25
      • Responder

      Marcelo, dizer que ele foi induzido foi a forma elegante de não dizer que ele foi canalha.

    • Marcos Pontes/DF em 12 de julho de 2018 às 14:16
    • Responder

    O pior do Lula, é que ele não tem votos, mas DEVOTOS!

      • Maurício Assuero em 12 de julho de 2018 às 22:26
      • Responder

      Marcos, toda fé cega é inútil.

    • C Eduardo em 12 de julho de 2018 às 14:38
    • Responder

    Paty Not Set do Alferes, 12/07/2018

    “A região Sul mostrou total aversão à Caravana de Lula e tem sido contundente com na defesa da Lava Jato. Espero que essa postura atinja de frente a campanha de Paulo Pimenta e que o pessoal entenda que o Brasil não precisa desse tipo de político. ”

    O Brasil está acordando. O coração ainda está batendo. Quanto mais lambanças esses corruPTos fazem, mais eles se desmoralizam. Está na cara que foi uma enorme armação com seus lacaios infiltrados.

      • Maurício Assuero em 12 de julho de 2018 às 22:30
      • Responder

      Eduardo, a lambança foi tão grande que a direção do PT está com receio de perder o apoio de Toffoli. Esse canalha vai ter muito cuidado, depois dessa, com as bobagens que fizer.

    • Cícero Tavares em 12 de julho de 2018 às 18:44
    • Responder

    Nobre colunista Maurício Assuero:

    Como diz o C. Eduardo – ou Paty Not Set Alferes – a maior prova de que o reinado desse canalha se acabou-se em Banânia foi o fracasso absoluto da “Caravana do Lula” por toda Região Sul! Quando a população descerebrada não sabia dos seus atos bandidos, votaram nele em massa, mas agora… é fumo grosso nele!

    Povo consciente sabe definir perfeitamente um político canalha, picareta, salafrário, aventureiro, de um estadista. Este sim, tudo que faz é pensando e planejando o país para amanhã!

    O que foi que esse canalha, bandido fez nos seus mais de “treze anos de desgoverno”? Foi a ruína total do sistema de saúde, educação, segurança, transporte, desenvolvimento com criação de empregos!

      • Maurício Assuero em 12 de julho de 2018 às 22:32
      • Responder

      Cícero, junte-se a derrocada de empresas sérias, como a EMBRAPA, que perdeu uma causa porque a diretora não se deu ao luxo de ler o despacho do juiz. algo em torno de R$ 13 milhões.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.