O GALO IOIÔ

Vi um galo fanfarrão
Que fez o maior salseiro
Se achando dono da rinha
Cagou no pau do poleiro
Por isso foi condenado
Mas agora encarcerado
Protesta o arruaceiro.

Chamou os três mosqueteiros
Pra lhe tirar da prisão
Pegou outro galo amigo
Que estava de plantão
Mas vendo bater badalo
Distante cantou de galo
Quem tinha a chave na mão.

O galo velho ciscou,
E fez roda e fez titica
Um dizia solta o galo
Já outro o galo fica
O galo ia e voltava
E desse jeito ficava
Igual a couro de pica.

2 comentários

    • ALTAMIR PINHEIRO em 12 de julho de 2018 às 06:27
    • Responder

    A expressão COURO DE PICA(OU CORO DE PICA), no dicionário cearense e no nordestino como um todo, indica alguma coisa que está enrascada, que não se resolve, NÃO ATA NEM DESATA. Como por exemplo: “O noivado desses dois é igual a couro de pica, acaba e volta, volta e acaba”…

  1. É exatamente isso, Altamir. Eu adoro essas expressões nordestinas e aplico muito em meus escritos e nesses versos terminei escrevendo, “coro” ao invés de couro, seguindo nossa pronúncia cearense. Pediria ao Luiz Berto para corrigir, antes que eu entre no couro. Obrigada pelo comentário.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.