18 julho 2018 JOSIAS DE SOUZA

BRASIL CAVA SEU ABISMO COM INSISTÊNCIA E MÉTODO

A realidade brasileira está cada vez mais inacreditável. Há duas semanas, fui às férias convencido de que nada de relevante aconteceria na política durante a Copa do Mundo. No Brasil, porém, nada tornou-se uma palavra que ultrapassa tudo. A ausência foi de apenas 15 dias. Mas volto ao trabalho com uma nova visão sobre o Brasil, o mais antigo país do futuro em todo o mundo.

Imaginei que conseguiria descansar do noticiário. Planejara passar os olhos e os ouvidos a limpo. Nada de internet, TV ou jornal. Não deu. O repouso foi contaminado por uma espantosa sequência de fatos extraordinários protagonizados por pessoas ordinárias – em todos os sentidos. O país não merecia destino tão medíocre. Mas instalou-se uma espécie de monarquia tropical. Reina a esculhambação.

Numa manhã de domingo, retido na cama do hotel pela preguiça e pelo frio, fui despertado por uma novidade que chegou via celular. Minha mulher leu em voz alta a mensagem enviada por uma amiga: TRF-4 manda soltar Lula. Minha reação foi instantânea: Esqueça, é notícia falsa. E ela: Será? A contragosto, fui à manchete do UOL. E descobri que, no Brasil, o pesadelo é, hoje, melhor do que o despertar.

O inusitado não era obra do TRF-4, mas de um desembargador do tribunal. Não um desembargador qualquer. Tratava-se de um desembargador de porta de cadeia. Do tipo que aproveita a condição de plantonista para produzir um habeas corpus partidário, revendo decisão tomada em colegiado por seus colegas. Coisa mantida pelo STJ e STF, as Cortes supostamente superiores de Brasília.

É como se a história do Brasil contemporâneo tivesse pretensões literárias. Ela parece buscar paralelos na dramaturgia grega. Exagera nos detalhes. Transforma o plantão de um magistrado companheiro em oportunidade a ser aproveitada por petistas aloprados. Esforça-se para demonstrar que o exato é o exagero, que a verdade é a esperteza.

Passado o espanto e a correção do despautério, sobrou a evidência de que os libertadores do Supremo fizeram escola. O Judiciário pulou dentro do mesmo micro-ondas que carbonizou a legitimidade do Legislativo e a autoridade do Executivo. Consolidou-se durante a Copa a sensação de que todos os países são difíceis de consertar. Só o Brasil é impossível.

As histórias de horror que ouvimos nos últimos anos – de partidos antropofágicos em guerra permanente, de cofres estuprados, de desemprego selvagem, de impunidade sádica, de bombas orçamentárias – são meras camadas de um abismo que continua sendo cavado com persistência e método. Volto do descanso cansado. O jornalista às vezes tira férias. A realidade nunca. Nem em tempo de Copa.

18 julho 2018 CHARGES

DUKE

PODER JUDICIÁRIO DE BANÂNIA É REFÉM DE MARGINAIS

Juíza de Direito Dr.ª Tatiane Moreira Lima

Em 08/abril/2016 uma imagem chamou a atenção do mundo: Um marginal agressor de mulher manteve a Juíza de Direito Dr.ª Tatiane Moreira Lima, do Fórum do Butantã, Zona Oeste da Capital de São Paulo refém, quando adentrou ao local de trabalho dela e a derrubou no chão, chamando-a de pilantra e ameaçando queimá-la viva, colocar fogo no prédio e resistir à prisão, indignado com a sentença proferida por ela que o condenou por ter batido na companheira.

Premeditado, o marginal espancador de mulher, entrou correndo no local, com uma mochila repleta de garrafas com líquido inflamável, passando pela segurança, para tocar fogo na juíza. Antes já havia jogado coquetel molotov nos policiais de plantão.

Fosse nos Estados Unidos, país reacionário, tolerante e complacente com bandidos, nesse episódio, no mínimo, o marginal que investiu contra a magistrada sairia de lá direto para a cidade de pés juntos com um tiro na testa.

Condenado a mais de 20 anos de prisão pelo Tribunal do Júri, pela acusação de tentativa de assassinato qualificado e cárcere privado contra a juíza que, não se concretizou por um acaso da vida, o agressor, Alfredo José dos Santos, vai ser sustentado pelos contribuintes honestos pagadores de impostos. Ganhará um salário mínimo enquanto estiver preso, o Estado vai sustentar os filhos menores e, se alguma coisa acontecer-lhe na prisão, o Estado terá de ressarci-lo, ou, em caso de morte, indenizar a família!

O mais interessante nesse caso escabroso, filmado e provado, são os argumentos fajutos feitos à data do júri pelos advogados do condenado, que sustentaram a tese de que em nenhum momento ele tentou assassinar a magistrada, mesmo tendo jogado combustível por toda roupa dela, ameaçando-a acender o isqueiro, mas apenas chamar a atenção da mídia para um processo que ele se dizia inocente. Os advogados criminais são uns urubus na carniça!

Infelizmente a Constituição recepcionou essa excrecência!

Tome-se como exemplo esse caso do Petrolão, maior esquema de propina do mundo, onde a maior quadrilha que assaltou o Brasil, liderada pelo chefe-mor, Lapa de Ladrão, se diz inocente de tudo, acusa o Ministério Publico Federal, a Policia Federal e o Judiciário por perseguição, onde existem várias quadrilhas de advogados surrupiando fortunas desses larápios dos cofres públicos sendo pagos com o dinheiro roubado da Saúde, da Segurança, da Educação, do Desenvolvimento e do Progresso de Banânia.

Lamentável que tudo isso aconteça, a impunidade impera e quem paga a conta são as pessoas honestas, trabalhadoras e cumpridoras dos seus deveres, direitos e obrigações.

Esses e outros casos de terrorismo no fórum ou fora dele contra os agentes públicos que agem com respeito às leis, à ordem, colocam o Estado Democrático de Direito em risco, porque é uma violência contra a instituição permanente.

18 julho 2018 CHARGES

RICARDO MANHÃES

FACULDADE GUARARAPES – JABOATÃO-PE

Faculdade dos Guararapes aborda aperfeiçoamento profissional em palestras

Programação é gratuita e acontece no centro de Jaboatão

O tempo vai passando e o mercado de trabalho vai ficando mais concorrido. Por isso, cada vez mais, é necessário buscar diferenciais para se destacar de maneira positiva em seleções ou para obter um aumento de salário.

Com o objetivo de auxiliar quem deseja melhorar suas perspectivas de carreira, a Faculdade dos Guararapes (FG) realiza o Ciclo de Palestras. As ações vão acontecer durante os meses de julho e agosto, funcionando como como um ponto de encontro para discussão de práticas profissionais eficazes e conquistas no mercado de trabalho.

O evento é totalmente gratuito e as inscrições podem ser realizadas no local. A programação inclui palestras sobre os temas “Crise? Transforme essa realidade com criatividade e inovação”, Conhecimento Holístico: A chave do sucesso para o mercado de trabalho” e “Liderança Positiva: Um diferencial no mundo dos negócios”.

“As palestras visam promover novos saberes. Vamos abordar o uso da criatividade, do poder da inovação para obter o crescimento no ambiente profissional”, afirma o professor Ricardo Francisco, coordenador acadêmico da FG e organizador do evento. “Outro ensinamento é a importância do relacionamento interpessoal no mundo corporativo e no trabalho em equipe”, afirma.

Serviço – Ciclo de Palestras

Datas: 18 e 29 de julho, 1º de agosto

Horário: 19h às 21h

Local: Campus Jaboatão Centro da FG. Avenida Barão de Lucena, nº 99

18 julho 2018 CHARGES

GABRIEL RENNER

18 julho 2018 AUGUSTO NUNES

TIROU O PIJAMA PARA FANTASIAR-SE DE DEMOCRATA

* * *

* * *

COERÊNCIA É ISSO AÍ

Tarso Genro confirma que, quando chega uma eleição, sempre escolhe o lado errado

“Se o presidente Lula, que é o maior líder popular do país, não for candidato, porque está sob ataque de um violento processo de Lawfare, eu vou te apoiar, por uma série de razões que estamos inclusive debatendo aqui”.

Tarso Genro, ex-governador do Rio Grande do Sul, dirigindo-se a Guilherme Boulos para avisar que, se não apoiar um criminoso condenado a 12 anos de gaiola, planeja defender a candidatura de outro ainda em liberdade.

18 julho 2018 CHARGES

LUSCAR

18 julho 2018 DEU NO JORNAL

O FORO ADEQUADO PRA TRAFICANTES E POLÍTICOS

O Ministro Marco Aurelio Mello contrariou o entendimento do plenário do STF sobre prisão em segunda instância para dar habeas corpus que beneficiou Leomar Oliveira Barbosa.

Conhecido como Playboy, Leomar cumpria pena por tráfico de drogas e é apontado como ex-braço direito de Fernandinho Beira-Mar.

Na decisão de cinco páginas, do dia 20 de junho, o ministro do STF ordenou a soltura dele e de outros dois réus do mesmo processo “se por outra razão não estivessem presos”.

Em razão de um suposto erro — chamado de “desastre” pelo ministro Raul Jungmann –, Playboy deixou a penitenciária de Formosa (GO) mesmo diante de outros mandados de prisão que continuavam em vigor. Agora, é considerado foragido.

Em sua decisão, Marco Aurélio nem sequer tratou da alta periculosidade do traficante. Segundo o ministro, a prisão dos três após condenação em segunda instância era uma “precipitação” da execução provisória da pena.

* * *

O traficante Playboy foi julgado no foro adequado: o mesmo onde são julgados bandidos políticos de alta periculosidade, traficantes de influência da pesada, como a senadora Gleisi Amante Hoffmann e o senador Renan Guabiru Calheiros.

O fato de Marco Aurélio Babaca de Mello não atentar para a “alta periculosidade” do bandido é coisa comum no amerdalhado e avacalhado “supremo” de Banânia.

É só ver a atuação da 2ª turma, composta por petralhas de toga.

Não atentam para a periculosidade dos bandidos políticos e também não atentam para o desastre que estão montando pro futuro do país.

Francamente, chega dá vontade de vomitar…

18 julho 2018 CHARGES

VERONEZI

A CASA DE NOSSA SENHORA DO CARMO

Basílica do Carmo

O topônimo Boa Vista surge entre nós em 1643, quando da construção pelo conde João Maurício de Nassau de sua casa de recreio, chamada inicialmente de Casa da Bela Vista, erguida em terreno por ele adquirido à Companhia das Índias Ocidentais, localizado na cabeceira da ponte sobre o Rio Capibaribe que ligava a cidade Maurícia ao continente.

O alcácer da Boa Vista, como o denominava Gaspar Barlaeus, era um “local aprazível, alegrado também por jardins e piscinas”.

Naquele remanso, descansava Nassau, rodeado pela vista das suas construções e longe da pátria e das terras de tantos condes e príncipes seus parentes, gozando da felicidade que achara no ultramar. Contemplava astros nunca vistos pela sua Alemanha; admirava a constância de um clima dulcíssimo e mostrava aversão à intempérie da zona temperada onde vivera. […] Enfim meditando, encerrava dentro do âmbito da Boa Vista o múltiplo benefício do céu, da terra e do ar, a República, o inimigo, os índios, os holandeses, as conveniências e proveitos das Províncias Unidas.

Como bem demonstra a gravura de Frans Post no livro daquele latinista (Amsterdã, 1647), o novo edifício, com seus quatro torreões e um elevado pavilhão central, com três janelas em cada uma das frentes, possuía magnífica visão do continente, funcionando como forte militar, em face da sua posição estratégica na cabeceira da ponte sobre o Capibaribe.

Com a expulsão dos holandeses, em 1654, foi a Casa da Boa Vista doada à ordem carmelita para que nela instalasse o hospício do Recife. Em carta dirigida ao príncipe regente, em 1674, comunicam os “religiosos moradores no convento do Arrecife de Pernambuco” que “passa de sete anos que estão moradores naquele lugar” e terem dado início à construção do seu convento e instalação de uma pequena comunidade “em terras do Arrecife”, tendo entre seus primeiros habitantes o frei Francisco Vidal de Negreiros, filho do mestre-de-campo André Vidal de Negreiros, então no governo da capitania de Pernambuco.

Para se fixarem em definitivo na povoação do Arrecife, tiveram esses carmelitas de enfrentar uma conturbada história de lutas com a Câmara de Olinda e com os seus próprios irmãos de ordem do Convento de Santo Antônio do Carmo; estes últimos, seguidores da Reforma Turônica, enquanto os do Recife permaneciam na vida religiosa contemplativa, sendo por isso chamados de “observantes”. Tais desavenças em muito contribuíram para o retardamento das obras de construção do Convento do Recife, continuamente suspensas tanto pelo governo da capitania quanto pela própria coroa portuguesa. O cerne das desavenças, porém, era bem outro e prendia-se aos conflitos entre a nobreza rural, que dominava a Câmara de Olinda, com a burguesia do Recife, os quais em 1710 vieram dar causa ao que depois se convencionou chamar de Guerra dos Mascates (1710).

Em 1679, como se queixavam da situação de insalubridade da Casa da Boa Vista, vieram receber os carmelitas do Recife, em 5 de maio daquele ano, uma área com 100 braças de terra de salgado, isto é, de terras alagadas pela maré alta, em torno do primitivo hospício, para nelas construir algumas oficinas e o seu quintal. Nas terras anteriormente doadas, já tinham os frades construído o seu primeiro convento, aproveitando grande parte da Casa da Boa Vista, com uma capela dedicada a Nossa Senhora do Desterro e uma senzala.

Padeciam os frades de grande desconforto na primitiva Casa da Boa Vista, quando o capitão Diogo Cavalcanti Vasconcelos, senhor do Engenho São Francisco da Várzea, casado com D. Catarina Vidal de Negreiros, filha do governador André Vidal de Negreiros, veio em auxílio das obras do seu cunhado, frei Francisco Vidal de Negreiros. Inicialmente propunha-se o benfeitor a assumir todo o ônus de construção da capela-mor de uma nova igreja, a ser erguida nas proximidades da primitiva. Para isso comprometeu-se em escritura pública, de 18 de agosto de 1685, a construir às suas custas a capela-mor da nova igreja tendo por orago Nossa Senhora do Monte Carmelo, em troca do direito de ter sua sepultura naquele local, juntamente com sua mulher e seus herdeiros, bem como alguns sufrágios por sua alma. Para os serviços, foi contratado o capitão Antônio Fernandes de Mattos, construtor das mais importantes edificações do Recife no final do século XVII.

O túmulo do doador e de sua mulher, localizado na capela-mor ao lado do Evangelho, era assinalado por uma lápide, datada de 28 de agosto de 1703, que em 1898 veio a ser removida para o Instituto Arqueológico e Geográfico Pernambucano.

Com o desaparecimento do primitivo convento, surgiram no seu local as ruas do Cano ou da Paz, Palma e Concórdia, passando esta área a ser denominada de Carmo Velho.

Clique aqui e leia este artigo completo »

18 julho 2018 CHARGES

RICARDO MANHÃES

LUCIA PROENÇA – BRAGANÇA PAULISTA-SP

Berto,

Penso que a campanha “O Brasil que eu quero” deve ser divulgada no Jornal da Besta Fubana.

Que é que você acha?

Podemos começar com este vídeo que estou mandando.

Cordiais saudações

18 julho 2018 CHARGES

RONALDO

UMA GAZETA PRA LÁ DE PÉSSIMA

Comentário sobre a postagem PEDRO MALTA – RIO DE JANEIRO-RJ

João Neves:

“Fake news.

Esse site tá ficando péssimo.”

* * *

Nota do Editor:

Muito obrigado, caro leitor.

Dizer que esta gazeta escrota está ficando péssima é um elogio arretado.

Na verdade, a minha meta é que ela fique abaixo de péssima.

Eu e o colunista Pedro Malta ficamos muito felizes com o seu gratificante comentário.

Ainda mais acompanhado de duas lindas expressões istranjeiras: “site” e “Fake news

Do caralho!!!!!!

Brigadão mesmo.

18 julho 2018 CHARGES

TACHO

18 julho 2018 DEU NO JORNAL

A JUSTIÇA EM PERIGO

J.R. Guzzo

O espetáculo de depravação exibido há poucos dias por um desembargador do Tribunal Regional Federal de Porto Alegre, com a cumplicidade de três deputados federais do PT e com a ideia de “soltar” da cadeia o ex-presidente Lula, teve pelo menos uma vantagem: foi uma lição perfeita de como seria, na prática, a Justiça brasileira num governo de Lula, seu partido e os demais agrupamentos que se apresentam como de esquerda neste país. Foi uma coisa prodigiosa na sua estupidez ─ não chegou a durar duas horas, de tão miserável a qualidade da armação posta em prática, e desceu a um nível de safadeza tão grosseira que, aparentemente, nem mesmo o advogado-chefe de Lula, Cristiano Zanin, sempre disposto ao pior, aceitou se meter na história. Mas deixou claros os planos que Lula tem para o Poder Judiciário no Brasil, caso um dia volte a mandar. No seu entendimento, o sistema de Justiça deve ser uma repartição pública cuja única função é declarar como “legal” tudo o que o governo manda fazer; seus juízes, procuradores e demais funcionários devem ser gente “do partido”, com a obrigação permanente de receber e obedecer ordens. A lei não é o que está escrito. Não é hoje a mesma que foi ontem ou será amanhã. Não é igual para todos. A lei, por esta visão do mundo, é apenas o que Lula, o PT e os seus sócios querem que ela seja.

Muito se adverte, no momento, sobre os perigos que a democracia brasileira está correndo neste momento de paixão eleitoral extremada, com propostas radicais, promessas explosivas e candidatos que inquietam as almas moderadas. Mas a verdadeira ameaça à democracia, hoje, é esse esforço contínuo pela subversão do Judiciário, comandado pelas forças que precisam eliminar os sistemas de combate à corrupção hoje em funcionamento. Ou derrotam a resistência à roubalheira, simbolizada e centralizada na Operação Lava Jato, no juiz Sergio Moro e numa porção decisiva do TRF-4, ou não sobrevivem politicamente. Não há futuro nenhum para Lula, condenado como ladrão a doze anos de prisão em duas instâncias, nem para o imenso aparelho criminoso que opera a vida pública brasileira de alto a baixo, se uma parte da Justiça continuar com poderes reais para punir quem rouba. A guerra para destruir o Judiciário e eliminar a segurança jurídica já está sendo travada há bom tempo. Seu principal campo de batalha, no fundo, é o Supremo Tribunal Federal, onde se concentra o grosso dos esforços para matar a Lava Jato, soltar Lula da cadeia e armar sua volta à Presidência da República. Só assim, acreditam seus generais, será possível pacificar o ambiente político no Brasil e liberar as quadrilhas partidárias para que possam voltar às suas atividades habituais de extorsão, desfrute e roubo do erário público.

Os inimigos de um sistema de Justiça livre, íntegro e profissional têm tido vitórias e derrotas em sua caminhada. Contam com um grupo ativo de servidores no STF ─ recentemente ganharam ali, por exemplo, a libertação do ex-deputado José Dirceu, condenado a mais de 30 anos de prisão. Neste episódio demente da “soltura de Lula”, em que o desembargador Rogério Favreto achou que pelo fato de estar num plantão de domingo poderia anular a sentença do tribunal do qual faz parte, a tropa da corrupção perdeu. Tudo saiu errado. O desembargador é um militante público do PT, nomeado para seu cargo no TRF-4 por Dilma Rousseff sem nunca ter sido juiz de coisa nenhuma ─ faz parte desta pérola da vigarice nacional chamada “quinto”, deformação que dá ao governo o direito de nomear como bem entende 20% de todos os desembargadores brasileiros. Qualquer idiota pode ser nomeado; basta que tenha um diploma de advogado de uma faculdade qualquer de subúrbio e, naturalmente, que seja amigo de quem o nomeou.

A trapaça que tentou aplicar espanta por sua cretinice. Três deputados da área mais desordeira do PT ─ um deles chegou a propor publicamente o fechamento do STF ─ combinaram com Favreto a apresentação de um pedido de habeas corpus em favor de Lula, em regime de emergência, aproveitando que ele estaria de plantão no domingo. De imediato, o desembargador veio com um calhamaço com mais de 30 páginas em que tomava a extraordinária decisão de derrubar a sentença ─ até agora não reformada, e portanto absolutamente legal ─ de um colegiado de três desembargadores do próprio TRF, e mandava que o juiz Moro e a Polícia Federal soltassem Lula “imediatamente”. Por que? Os deputados petistas e seu desembargador disseram que havia um “fato novo” ─ Lula quer ser candidato a presidente da República e não pode fazer campanha se continuar preso. Como assim? Quer dizer que qualquer brasileiro, entre os mais de 700.00 atualmente na prisão, tem direito de ser solto para se candidatar a presidente? É muito louco. Naturalmente, essa ordem não deu em nada, porque não podia ser cumprida. Como disse Moro na resposta à intimação: soltar o condenado seria desrespeitar a ordem do próprio TRF-4 que mandou prendê-lo e que está em pleno vigor. Logo em seguida, a autoridade competente do tribunal mandou que a “soltura” fosse ignorada. Fim do golpe.

Chama a atenção, no episódio todo, como um plano tão idiota pode ir adiante. Ninguém, pelo jeito, disse em nenhum momento que aquilo era uma alucinação ─ ao contrário, chegaram a organizar comemorações antecipadas da “libertação”. O fato é que a tentativa foi realmente executada ─ e isso mostra o quanto Lula e seu sistema de apoio estão dispostos a fazer para virar a mesa. O que poderia ser mais claro? O golpe do plantão de domingo revela, com a clareza possível, que é isso que eles entendem por justiça. É essa a única justiça que lhes interessa; é a que vão fazer se chegarem lá. Afinal, se um dia chegarem, por que raios começariam a fazer o contrário do que estão fazendo agora? A justiça do “Lula Livre” é a justiça da Venezuela ─ acaba-se com tudo e monta-se no lugar um Supremo com 11 Favretos. Tem sido essa, exatamente, a atuação do PT e da esquerda à sua volta desde que começaram os processos de corrupção contra Lula: um vale-tudo para fraudar, enganar, corromper e desprezar a ideia de justiça. Em nenhum momento mostraram o menor interesse em se defender das acusações com base na lei, na razão e nas provas. Desde o primeiro dia, todo o esforço foi espalhar que o ex-presidente era a vítima de um “processo político” destinado a impedir que ele voltasse à presidência do país e pudesse executar de novo as suas “políticas sociais’. Transformaram o STF num picadeiro de circo, e criaram a situação absurda de monopolizar em benefício de um único cidadão a maioria das atividades do principal tribunal do país. Entraram com mais de 70 recursos de todo o tipo, grande parte deles chicana em estado puro para paralisar, interromper e tumultuar os processos. Há mais de ano trabalham o tempo todo para criar um estado permanente de baderna, com o objetivo de jogar a população contra a Justiça brasileira. Vão continuar assim. Não enxergam outra saída.

18 julho 2018 CHARGES

IOTTI

18 julho 2018 DEU NO JORNAL

PRISÃO 5 ESTRELAS

A prisão especial de Lula, gentilmente decidida pelo juiz federal Sérgio Moro, completou 100 dias no domingo passado e já custou R$1 milhão aos cofres públicos.

Condenado a 12 anos e 1 mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em vez de cumprir a pena em penitenciária comum do Paraná, onde foi condenado, ou de São Paulo, onde morava, Lula tem na carceragem da PF “sala” e banheiro individual e banho quente, além de TV, ao custo diário de R$ 10 mil.

Se fosse enviado para presídio de São Paulo, Lula ficaria mais perto da família, custaria R$ 1,4 mil/ mês e o bolso do contribuinte agradeceria.

* * *

Uma prisão 5 estrelas para um estrelado com 5 pontas.

Segundo cálculos do fubânico luleiro Ceguinho Teimoso, o dinheiro que Lula botou nos cofres da república quando foi prisidente, compensa de sobra estes 10 mil reais gastos por dia pelos contribuintes brasileiros com o presodenciável, luxuosamente alojado em Curitiba.

Pelos cálculos de Ceguinho, Lula pode ficar preso por mais de 100 anos que, mesmo assim, na estará dando prejuízo aos cofres públicos.

Vamos aguardar que Lula fique um século atrás das grades pra gente conferir se as contas de Ceguinho estão mesmo corretas.

18 julho 2018 CHARGES

DUKE

O FALAR BRASILEIRO

Suricate deitando a falação brasileira

Lusofonia é a comunidade formada por todos os povos e as nações que compartilham a língua e cultura portuguesas como Angola, Brasil, Cabo Verde, Galiza, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste, Goa, Damão e Diu e por diversas pessoas e comunidades em todo o mundo. O Dia da Lusofonia é comemorado em 5 de maio, dia esse dedicado à língua cultura e expressão portuguesa. É consagrada a Nossa Senhora da Conceição. (Transcrito do Wikipédia)

Ser ou não ser – eis a questão. Falar, ou não falar – eis o problema. O mundo inteiro fala vários idiomas, mas, o que se fala mais, mesmo, são os dialetos. E esses são incontáveis.

No que toca especificamente ao brasileiro, um dos países da comunidade lusofônica, é mais preocupante ainda a questão do “falar corretamente”. Escrever, então, nem se pretende discutir.

De uma ponta a outra do nosso mapa continental, muitas palavras com a mesma escrita tem significado completamente diferenciado, independente de região. E há quem se divirta com isso.

Muito mais com a pretensão de divertir que orientar de forma pedagógica, o cearense editou e distribuiu um “dicionário cearensês”, explicando o significado de várias expressões utilizadas no dia a dia entre as pessoas nascidas na “santa terrinha”.

No Ceará, o falar não é assim tão acentuado de forma que ninguém entenda – é mais para o lado do deboche das coisas. Há expressões puramente cearenses, mas já difundidas e conhecidas em outros continentes.

O “Arre égua” – por exemplo. É uma expressão que tende mais a algum tipo de admiração, mas pode e certamente tem outros significados, sempre de acordo com a situação em que está sendo usada.

Já a expressão “cagou o pau”, no Ceará é utilizada como o hoje abrasileirado, “foi mal”, “não deu certo”, “deu tudo errado”, “pisou na bola” e daí por diante.

Fulano “cagou o pau”. Significa que fulano errou, fez bobagem.

Falar assim não é de difícil compreensão. O mais difícil é pessoas se adaptarem a essa forma disforme de falar.

No Maranhão, onde vivo há exatos 32 anos, encontrei dificuldades para me adaptar totalmente. Achava estranho e ainda acho, a forma sem nexo de falar do maranhense.

“Mamãe, fulano quer me dá-lhe”. É um filho comunicando à mãe que alguém está querendo lhe bater. Tudo errado, gramaticalmente falando.

E quando o maranhense resolve reduzir as palavras?

Como é que fica?

Fica muito mais difícil de entender.

Veja, apenas uma palavra que, para o maranhense, encerra toda uma expressão. Ele fala: “zulive”, pretendendo dizer – “Deus o livre”, disso ou daquilo.

No Pará, que fica logo ali, algum parente, com intimidade e conhecendo o (a) filho(a), o(a) adverte, falando:

“Te mete a besta, que pau te acha.”

E o que isso significa? Não se atreva a fazer isso ou aquilo, que a coisa pode não terminar bem para você.

Além do mais existe também o falar com intenção chula, ofensiva, mas que no fundo não diz muita coisa:

– Vá tomar onde as patas tomam!

– Vá para a casa do caralho!

– Vá pra puta que o pariu!

– Beeeesta, fela da puta!

Onde é que as patas “tomam”? Na lagoa? Tomam o que? Tomam banho?!

Onde é mesmo a casa do caralho? A casa do caralho tem CEP? É a xereca? E, se for a xereca, a casa do caralho é um mal lugar?

Onde fica mesmo a puta que o pariu?

18 julho 2018 CHARGES

JORGE BRAGA

18 julho 2018 DEU NO JORNAL

CADA PAÍS ELEGE O LULA QUE MERECE

O presidente dos EUA, Donald Trump, defendeu a Rússia das acusações de que o país interferiu nas eleições presidenciais de 2016, que levaram o americano ao seu cargo atual.

Depois de uma reunião com o presidente russo, Vladimir Putin, Trump contradisse agências de inteligência americanas e afirmou que não havia razões para a Rússia se intrometer na votação.

Os dois líderes travaram conversas a sós, acompanhados apenas por tradutores e a portas fechadas, por duas horas em Helsinki, capital da Finlândia, nesta segunda-feira.

Em uma coletiva de imprensa após a reunião, Trump foi questionado se acreditava em suas próprias agências de inteligência ou no presidente russo em relação às acusações de interferência nas eleições.

“O presidente Putin diz que a Rússia não agiu assim. Não vejo razão para acreditar no contrário”, respondeu.

As agências americanas concluíram em 2016 que a Rússia estava por trás de esforços para prejudicar a candidata democrata, Hillary Clinton, por meio de uma campanha de ciberataques e notícias falsas plantadas em redes sociais.

* * *

Trump é o Lula americano.

Cada país elege o trapalhão que merece.

A monumental cagada de Trump na Finlânida pode ser catalogada como o fato mais vergonhoso da política mundial nesta segunda década do Século XXI.

Lá nos Zistados Zunidos, o aloprado vermêio (vermêio nas bochechas…), que foi eleito com a ajuda decisiva dos russos, levou cacete de todos os lados, da situação e da oposição, de amigos e de inimigos.

Nenhum presidente norte-americano se rebaixou tanto diante de um tirano“, acusou o influente senador John McCain. Um dos piores momentos da história da presidência norte-americana. Foi um erro trágico“, acrescentou.

E esta foi apenas uma das observações mais leves. Falou-se até em impeachment do aloprado Trump no Congresso americano.

Donald Abestalhado Trump, quando se conscientizou da merda que fez – fato inédito no seu tempo de presidência -, tentou voltar atrás e se justificar.

Mas a emenda foi pior que o soneto.

Aí foi que a fedentina aumentou.

A capa de ontem, terça-feira, do influente jornal Daily News, resumiu tudo com uma manchete:

TRAIÇÃO ESCANCARADA

A charge – que mostra Trump se aliando a Putin pra assassinar os Zistados Zunidos -, e mais as duas chamadas no final, completam o retrato sem retoques:

18 julho 2018 CHARGES

SPONHOLZ


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa