A realidade brasileira está cada vez mais inacreditável. Há duas semanas, fui às férias convencido de que nada de relevante aconteceria na política durante a Copa do Mundo. No Brasil, porém, nada tornou-se uma palavra que ultrapassa tudo. A ausência foi de apenas 15 dias. Mas volto ao trabalho com uma nova visão sobre o Brasil, o mais antigo país do futuro em todo o mundo.

Imaginei que conseguiria descansar do noticiário. Planejara passar os olhos e os ouvidos a limpo. Nada de internet, TV ou jornal. Não deu. O repouso foi contaminado por uma espantosa sequência de fatos extraordinários protagonizados por pessoas ordinárias – em todos os sentidos. O país não merecia destino tão medíocre. Mas instalou-se uma espécie de monarquia tropical. Reina a esculhambação.

Numa manhã de domingo, retido na cama do hotel pela preguiça e pelo frio, fui despertado por uma novidade que chegou via celular. Minha mulher leu em voz alta a mensagem enviada por uma amiga: TRF-4 manda soltar Lula. Minha reação foi instantânea: Esqueça, é notícia falsa. E ela: Será? A contragosto, fui à manchete do UOL. E descobri que, no Brasil, o pesadelo é, hoje, melhor do que o despertar.

O inusitado não era obra do TRF-4, mas de um desembargador do tribunal. Não um desembargador qualquer. Tratava-se de um desembargador de porta de cadeia. Do tipo que aproveita a condição de plantonista para produzir um habeas corpus partidário, revendo decisão tomada em colegiado por seus colegas. Coisa mantida pelo STJ e STF, as Cortes supostamente superiores de Brasília.

É como se a história do Brasil contemporâneo tivesse pretensões literárias. Ela parece buscar paralelos na dramaturgia grega. Exagera nos detalhes. Transforma o plantão de um magistrado companheiro em oportunidade a ser aproveitada por petistas aloprados. Esforça-se para demonstrar que o exato é o exagero, que a verdade é a esperteza.

Passado o espanto e a correção do despautério, sobrou a evidência de que os libertadores do Supremo fizeram escola. O Judiciário pulou dentro do mesmo micro-ondas que carbonizou a legitimidade do Legislativo e a autoridade do Executivo. Consolidou-se durante a Copa a sensação de que todos os países são difíceis de consertar. Só o Brasil é impossível.

As histórias de horror que ouvimos nos últimos anos – de partidos antropofágicos em guerra permanente, de cofres estuprados, de desemprego selvagem, de impunidade sádica, de bombas orçamentárias – são meras camadas de um abismo que continua sendo cavado com persistência e método. Volto do descanso cansado. O jornalista às vezes tira férias. A realidade nunca. Nem em tempo de Copa.

2 Comentários

  1. Verdade prezado, estamos vivendo num mar de incompetência, corrupção, e desmandos.Aí me dizem, calma temos o Congresso.Qual o quê, única reação é pedir uns cargos a mais.
    NOSSA DEMOCRACIA ESTÁ AMEAÇADA! É O COMUNISMO SENDO INSTALADO!

  2. hojesem amnoe duvida ,vivemos momentos mito mais tormentosos que em 1963, /64 , muito masi podres em materiade criminalidade e politica podre , temos hoje muito mais terroristas que os tinhamos a epoca travestidos como ate hoje de intelectuais , a isto somamos o terrorismo institucionalizado dos pseudos movimentos sociasi e suas associaçoes com o crime organizado e ao trafico de drogas e influencia , somados a sto temos as organinacoes de apoio aos criminosos travestidas de organizaçoes de direitos dos manso , quecriticam as policias e a justiça como se criminosos fossam apenas pessoas abandonadas pela sociedade , quando na realidade sao vagabundos que querem ter os mesmos direitos daqueles que sofrem para estudar e trabalhar , somados a isto temos a hoje, a ja nao tao veneravel e briosa defensora das instituiçoes democraticas , das leis e da cosntituiçao , dormindo de pijamas em berços espelendidos as nossas forças armadas , com tudo que que aqu foi citado nos tornarmos sem a menor duvda do mais antigo pais do futuro , mas tambem nos tornarmos no presente o pais mais corrupto e mais violento de mundo onde ser criminoso e corrupto compensa … E PENSANDO NISTO PENSEI EM LANCAR O GRITO , , VICENTE LEPORACI , E O TRABUCO , QUE AFIRMAVA QUE BANDIO BOM NAO IMPORTA TRAVESTIDO DE QUE E BANDIDO MORTO …

Deixe o seu comentário!


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa