24 julho 2018STAND-UP COM POESIA



CROMOS (SOMOS)

Somos como
Unha e esmalte
Lábios e batom
Tímpanos e som
Ferimento e dor
Nariz e odor
Sutiã e seio
Até que a morte
Nos separe
O resto, não sei.

QUEM SOU EU?

0 problema me induz
A busca de solução
A solução só revela
O quanto inculto sou eu
A solução só revela
Que vim da tempestade
E sou somente poeira
Sou só paz e calmaria
Sou extinção da violência
Sou verso, talvez, poesia
Isso tudo aí sou eu.

SUICÍDIO

Pensei em matar-me
Rodopiando contigo
No meio de um salão
Ao som de uma canção
Em cores e ao vivo,
Cair nos teus braços
Morrer de cansaço…
E no impedimento
De uma morte assim
É que eu ainda vivo

MORADOR DE RUA E O POETA

O morador de rua
Engana a fome
Durante o dia
Nada come
À noite ele dorme
O poeta insone
Engana à noite
Com poesia
Durante o dia
Poeta dorme

A PALAVRA

Procuro uma palavra que me defina,
não encontro. Na falta de identidade,
me finjo poeta. Acho que é isso que sou.

2 Comentários

  1. Meu caro amigo, joaquimfrancisco, Descer mais até que pensei, a moral e os bons costumes me impediram de descer aqui. Obrigado por me ler, meu caro amigo.

    Itaerço
    Imperatriz-ma

Deixe o seu comentário!


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa