27 julho 2018BARRAR O INTRUSO



A vigilante mídia brasileira se espanta mais com a adesão de uma quarta parte da população às posições conservadoras do candidato Bolsonaro do que com a adesão de um terço dessa mesma população às condutas moralmente corrosivas e economicamente destrutivas de um criminoso condenado, réu em meia dúzia de outros processos cujo denominador comum é a promíscua relação pessoal com grandes empresas que prosperam à sombra do Estado.

Qual o motivo do estresse em que se envolveu o circo político-partidário nacional nas últimas semanas? Tratava-se, visivelmente, de barrar a presença de um intruso, um outsider, uma zebra que entrou no picadeiro eleitoral com ponderável estoque de intenções de voto.

É fácil compreender o desconforto que isso causa. As forças políticas tradicionais, que degustaram os canapés do poder ao longo dos últimos trinta anos não sabem como operar com intrusos. Habituaram-se a atuar como corretoras de votos parlamentares e operadoras de verbas públicas legítima e ilegitimamente coletadas. Todo intruso é risco e todo risco tem preço, sabem os aprendizes do mercado de capitais.

É verdade o que intuem. Bolsonaro é um intruso e, como tal, fator de risco. No entanto, esses mesmos partidos que somam letrinhas para encorpar a sopa, gastaram e continuam gastando seu tempo – e em muitos casos, longo tempo – cuidando de cargos e negócios. Em vez de ouvirem as vozes mais sensatas da opinião pública, de abrirem quadros e mentes para a renovação exigida pela sociedade, em vez de compreenderem seus anseios, fecharam-se no entorno de elites decadentes e, em muitos casos, totalmente desmoralizadas. Deram as costas para os interesses nacionais e para os clamores por responsabilidade e equilíbrio fiscal. Lançaram e deixaram que fossem lançados pela janela dos interesses mais escusos valores monetários duramente produzidos pelo trabalho dos cidadãos. Jogaram e continuam jogando o país no caos. Não ouviram os liberais e se afastaram dos conservadores que, juntos, formam folgada maioria do eleitorado.

Bolsonaro representa um risco? Sim, há risco em toda eleição presidencial. Viver sob esse modelo político é como rodar em estrada esburacada – anda-se devagar e aos solavancos. Pneus estouram. Há candidatos de risco e candidatos sabidamente catastróficos. Quem confia no centrão ou no Ciro “tarja preta” Gomes, não deve atravessar a rua desacompanhado.

Em política, muito do que se é resulta definido pelo que se combate. Reitero ser ainda cedo para opções eleitorais definitivas. Na minha planilha, chegou a hora de marcar quem combate quem e o quê. Isso tem seu lado divertido e seu lado desolador. É divertido observar o descaramento das negociações que distribuem terrenos na lua do poder. É desolador o confinamento da maioria do eleitorado.

4 Comentários

  1. Qual é o risco do Bolsonaro comparado ao risco do Lula voltar ou do Ciro/Marina ganharem a eleição???
    Qual é o risco do Psdb voltar à presidência com o Geraldo, FHC e e Aécio??
    Na minha opinião quem traz o menor risco é o Bolsonaro, pois já avisou que vai passar o controle para quem entende e não vai se meter na economia como a Dilma, que é economista tentou fazer no seu governo. Tem 13 milhões de desempregados rezando todos os dias para um emprego. Só lembrando o Bolsonaro tem formação universitária e como capitão a sua formação militar também inclui a administração, logo quando diz que não entende de economia está sendo humilde e deixando para os especialistas falar.
    Lula só tem a formação básica e ninguém foi perguntar por que ele colocou o Meireles.

  2. em se tratando de fazer as planilhas de comparaçao , um dos pontos que mais valem pontos e que fazem a enorme diferença , entre um chile e uma venezuela , e exatamente o que no brasil nao se da nenhum valor a honestidade e a competencia de tornar um pais uma naçao , e embora tenhamos os resultados catastroficos , deste inicio de seculo no brasil , que nos levara para mais distante ainda do podium de nos tornarmos uma naçao , o populismo ea vagabundagem que sempre grassaram no pais , mas que atingiram seu apice a partir da eleiçao da quadriha petista e seus cumplices , continuam e continuarao a grassar cada vez mais no brasil , que devera continuar sendo grafado em letras minusculas , proporcionais aos seus politicos , eleitores a aos seus voos de galinha , de serra abaixo. somos e continuaremos a ser sem pre o pais do futuro que nunca chegara , pois afinal , NAÇAO E A SOMATORIA E UM PAIS e seu povo, e infelismente como o nosso estamos fadados a jamis atingirmos , esta base de naçao , fadados estaamos a sermos apenas uma republiqueta de bananas , , proporcionais aos nossos eleitores E UMA BOA COMPARAÇAO ALIAS EXCELENTE COMPARAÇAO SOBRE ISTO, PODERA SER FEITA AGORA EM AGOSTO , QUANDO ACONTECE O SEPETUAGESIMO TERECEIRO ANIVERSARIO DO LANÇAMENTO DAS BOMBAS SOBRE AS CIDADES DE HIROSHIMA E NAGASAKI, A RADIAÇAO QUE DEVERIA DURAR ML ANOS HOJE COMTEMPLA DUAS DAS CIDADES MAIS PROMISSORAS DO MUNDO , A DIFERENÇA MAIOR ENTRE UM PAIS DESTRUIDO PELA GUERRA SE TORNAR A TERCEIRA MAIOR ECONOMIA DO MUNDO , MESMO SOFRENDO ADVERSIDADES NATURAIS ,E UM PAIS QUE E UM PARAISO CLIMATOLOGICO SE COMPARADO A OUTROS ,??? SIMPLESMENTE UMA PALAVRA PEQUENA MAS QUE FAZ ENORME DIFERENÇA , ESTA PALAVRA E ………… POVO…… PALVRA PEQUENA MAS DE UMA FORÇA E PODER DE TRANSFORMAR UM PAIS EM UMA NAÇAO E TAMBEM DE LEVAR UM PAIS A UMA DITADURA DE MISERAVESI COMO O E HOJE A VENEZUELA . ……… E NAO NOS ESQUEÇAMOS OS POLITICOS SAO O POVO ESPELHADO NOS TRES PODERES .

    • Parabéns!, miremos os exemplos do Japão, Alemanha, e outros destruídos durante a segunda guerra mundial ou, vão aprender na carne indo viver em Cuba, Venezuela e outros países latrinoamericanos.

  3. Parabéns!, miremos os exemplos do Japão, Alemanha, e outros destruídos durante a segunda guerra mundial ou, vão aprender na carne indo viver em Cuba, Venezuela e outros países latrinoamericanos.

Deixe o seu comentário!


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa