Meninos e meninas banhando na chuva – a inocência consagrada

A rua sempre foi o melhor cenário – se adapta à qualquer apresentação. E, sequer precisa de ensaios ou repasse de texto. É a peça no teatro da vida. E nem precisamos tanto de plateia, e quem entra não precisa pagar ingresso.

A gente corria. Caía. Levantava e continuava correndo. O joelho sangrava machucado, mas era confortado pelo coração alegre e feliz. Brincar era bom. Brincar é bom. Mas, já não se brinca mais e o coração não se alegra – agora, chora de dor.

Quando chovia a rua ficava mais enfeitada, pois os adultos se transformavam em crianças e reviviam os banhos, as brincadeiras e dividiam os jacarés (biqueiras) das casas.

Numa chuva demorada, o banho também se prolongava – os meninos e as meninas tremiam, e as mães, coitadas e preocupadas, traziam toalhas, e, juntas, as ordens: “chega de banho – você já está tremendo e vai ficar resfriado”!

Na “amarelinha” o céu fica ao lado do inferno

A Maria morava naquela casa. Aquela casa que ficava quase na esquina daquela rua onde aquelas pessoas também moravam. Todos se conheciam, todos tinham filhos, todos se cumprimentavam quando se encontravam.

Aos domingos, quase todos iam à missa. Quase todos tinham o que comer. Quase todos comiam. Quase todos viviam.

As crianças. Bom, as crianças todas se conheciam. Todas brincavam juntas. Brincavam de tudo, brincavam com tudo, faziam tudo, elas próprias. Pião, pipas, bambolê, cabra-cega, esconde-esconde, corrida do ovo na colher, chuço, triângulo, corda, cabo de guerra, peteca e amarelinha.

Amarelinha na calçada. Amarelinha no asfalto e amarelinha no chão de barro batido.

Naqueles dias que já vão longe, na imagem da amarelinha o céu ficava ao lado do inferno. Vizinho um do outro. Precisava ser bom, na amarelinha da vida, para chegar ao céu sem se queimar no inferno.

Maria, a que morava naquela casa, sabia da vida de quase todos. Maria falava da vida de quase todos. Quando quase todos paravam de brincar, Maria, sozinha, ia brincar na amarelinha. Passava pela casa 1, pela casa 2, pela casa 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10… mas parava no inferno.

Republicação

4 Comentários

  1. Esqueceu das bolinhas de gude e da bola queimada. Tempos felizes dos jogos de malhas e betis, estilingue e a guerras de mamona ou bolinhas de santa Barbara. E o respeito quando alguma mãe chamava para entrar,, Por
    hoje chega, vai tomar seu banho.. Fim da brincadeira..Sabiamos que no dia seguinte poderiamos nos encontrar e fazer tudo acontecer mais uma vez,,,
    `s

    • Tarcísio: boa tarde. Era isso sim e assim desse jeito. Ninguém tinha o atrevimento (que hoje chamam de “personalidade forte”) de dizer não para a mãe.
      EM tempo: essa postagem, foi repetida a pedidos – e a gente não pode deixar de atender. Obrigado!

  2. Caro Ramos lembrei da música “que saudade da professorinha, que me ensinou o beaba, eu igual a toda meninada, quantas travessuras eu fazia, jogos de botões sobre a calçada, eu era feliz e não sabia”

Deixe o seu comentário!


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa