10 agosto 2018O ENGANO DE LEWANDOWSKI



Maílson da Nóbrega

O ministro Ricardo Lewandowski, um dos sete membros do STF que defenderam o aumento salarial dele e de seus pares, disse que se tratava de “modestíssimo reajuste”. Na verdade, uma elevação de 16,38% não é “modestíssimo” em qualquer lugar, mesmo que se considere os anos passados desde o último aumento. O contracheque dos ministros vai chegar perto de 40.000 reais mensais (fora acréscimos), sem contar o efeito cascata nos salários de magistrados país afora, o que elevará a conta para 4 bilhões de reais em 2019.

O ministro se valeu de estranho raciocínio para justificar o reajuste, que pode acontecer em um momento de grave crise fiscal e da existência de mais de treze milhões de brasileiros desempregados (sem contar os muitos milhões que desistiram de procurar emprego). Para ele, o gasto adicional será menor, pois o Judiciário, via Operação Lava Jato, recuperou mais de 1 bilhão de reais surrupiados da Petrobras.

Lewandowski cometeu dois equívocos. Primeiro, esqueceu-se de considerar em seu cálculo o efeito cascata do reajuste salarial dos ministros do STF. Segundo, confundiu estoque com fluxo.

De fato, o gasto adicional do reajuste será uma elevação do estoque de gastos salariais, o que acarretará um fluxo permanente, isto é, vai ocorrer todos os anos e para sempre, sem contar futuros aumentos que levarão em conta a inflação dos anos vindouros.

Assim, para que o aumento dos salários dos magistrados fosse compensado com a recuperação de valores pela Operação Lava Jato seria necessário que ocorresse um fluxo de recuperação desses valores todos os anos, para sempre e igualmente reajustados pela inflação futura. Qualquer um sabe que isso não acontecerá.

Além do mais, a recuperação dos desvios na Petrobras são parte inerente do trabalho de procuradores e juízes da Operação Lava Jato. É sua obrigação lutar pela maior devolução possível dos correspondentes recursos. Não é próprio justificar assim os novos gastos.

O ministro precisa encontrar outra justificativa para convencer a sociedade e o Congresso de que, em meio a tantas dificuldades que o país enfrenta, o Supremo possa ser insensível ao efeito do aumento salarial nas contas da União e de suas consequências nas finanças estaduais, que estão piores do que as federais.

4 Comentários

  1. Pensemos por outro ângulo: quer dizer que o ilibado (upa!) ministrowski propõe um PPRR – Plano de Participação na Recuperação de Roubos , tendência moderna da administração de RH…

    Taí, eu topo: Para cada corrupto que suas excrescências puserem na cadeia, levam um prêmio de 1 milhão, e mais 10% sobre o valor total recuperado. Que tal? Vai sair barato para nós, burros de carga que sustentamos essa corja de cínicos. E vai ser um engaiolamento geral, não vai sobrar um!

  2. Bela exposição de ideia para retratar com gabarito outro verdadeiro absurdo dos homens que dizem defensores da lei e da ordem. Pau neles, brasileiro massacrado pelas torrentes devastadoras que só pensam em si na hora de dividir as fatias do bolo nacional.

Deixe o seu comentário!


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa