17 setembro 2018 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JOSÉ MAURO MENDONÇA – FORTALEZA-CE

Caro Editor,

Este fato aconteceu ontem, domingo (16), na sagrada cidade de Canindé, aqui no Ceará, interior do nordeste

Foi durante a missa em homenagem ao milagroso São Francisco das Chagas, com muitos romeiros vestidos de bata e cajado na mão.

No final da cerimônia, o locutor convidou os devotos para participar da manifestação “Lula Livre”.

Veja só a reação da multidão que estava presente:

17 setembro 2018 CHARGES

EDRA

17 setembro 2018 PERCIVAL PUGGINA

SOB OS ÓCULOS DA PERVERSÃO

Sessenta e três mil homicídios – números de guerra civil – são praticados por ano em nosso país. Em igual período, quase seiscentos mil veículos e 1,5 milhão de celulares são roubados ou furtados. Mais de 50 mil estupros notificados. São números impressionantes, assustadores, e justificam a sensação de insegurança e de desproteção em que vivemos.

Enquanto isso, muitos afirmam, sem pestanejar, como se tais crimes não fossem praticados por pessoas às quais deveria estar proibido o convívio social, que no Brasil se prende excessivamente. Gostariam que houvesse mais bandidos nas ruas! O PCC e o CV concordam. O primeiro, aliás, nesta semana, “desencarcerou” vinte e tantos do presídio de Piraquara… Obedecendo a essa linha negligente de raciocínio, as franquias do semiaberto, da prisão domiciliar e da descartável tornozeleira são concedidas com liberalidade a criminosos que delas se valem como previsível meio de fuga. Em outras palavras, a justiça, a lei e a sociedade perdem quase todas para crime.

Pronto! Na falta de juízo, de neurônios, ou na ótica perversa desses palpiteiros, o direito natural à autodefesa e o dever moral de proteger a própria família são apontados como deformações de conduta, sujeitas a juízos éticos que raramente incidem sobre quem comete os crimes e gera a insegurança social. Até os traficantes contam com a silenciosa tolerância da mídia desajuizada.

Por outro lado, ninguém ignora os efeitos desastrosos da erotização precoce da infância, da contínua influência de programas impróprios, da pornografia, da ideologia de gênero e do assédio de desqualificada educação sexual proporcionada em alguns educandários. As crianças brasileiras estão expostas a toda sorte de aberrações, nas ruas, nas escolas e nos meios de comunicação. No entanto, a mídia militante joga sobre quem clama por reação da sociedade e interferência dos poderes públicos para coibir abusos, a acusação de “fanatismo religioso” e “moralismo”!

Fica difícil a vida neste país quando tantos se empenham em transformar virtude em vício e vice-versa.

17 setembro 2018 CHARGES

MYRRIA

17 setembro 2018 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

GIOVANA GIRARDI – RIBEIRO PRETO-SP

Caro editor Berto,

Noto que o nosso jornal não se ocupa de esportes, principalmente de futebol, o esporte do povão.

O jogador Felipe Melo, autor do gol do Palmeiras no empate de 1×1 contra o Bahia, em jogo realizado ontem, domingo, fez uma interessante declaração, quando dedicou o seu gol.

Seria possível publicar nesta gazeta escrota o vídeo que estou enviando no anexo?

Muito obrigado.

17 setembro 2018 CHARGES

SPONHOLZ

17 setembro 2018 DEU NO JORNAL

VEM AÍ DE NOVO “NÓS CONTRA ELES”

O PT ainda não entrou em campo com todo seu arsenal.

Mas o plano traçado é ressuscitar no segundo turno a estratégia dos “pobres contra os ricos” — conhecida também como “nós contra eles“.

Os pobres seriam os petistas.

Imagina-se que não são os petistas do Mensalão e do Petrolão, claro.

* * *

Petistas pobres são aqueles que só podem comprar um sítio e um triplex.

É de fazer pena…

Um pequena amostra do patrimônio de um petista lascado, fudido, miserável, paupérrimo

17 setembro 2018 CHARGES

VERONEZI

PLAYING FOR CHANGE – PROJETO MÚSICA PARA O MUNDO

O produtor americano Mark Johnson ao lado de crianças carentes da África

O produtor musical e documentarista americano Mark Johnson, cofundador do projeto Playing For Change, teve a ideia genial de criar uma ONG musical para percorrer todos os estados americanos para elevar e mostrar às pessoas do mundo as diferentes culturas através da música e mostrar o quanto estamos conectados por meio delas. A ideia deu tão certo que ele começou a gravar todos os artistas de rua americanos e, não satisfeito, começou a percorrer o mundo inteiro, testando todos os talentos anônimos, agregando-os, gravando-os e expandindo-os para o mundo ouvir e ajudar as escolas carentes e ONGs que ajudam crianças e adultos talentosos e necessitados por meia da música.

Criado em 2002, Playing For Change, é um projeto multimídia criado com o objetivo de unir músicos do mundo inteiro em prol de mudanças globais e culturais. Integra o projeto a Playing For Change Foundation, uma organização não governamental que tem construído escolas de música em comunidades carentes. O projeto produz discos e vídeos com músicos como Grandpa Elliot, Keb’Mo, Clarence Milton Beeker, Keiko Komaki, Tal Ben Ari (Tula), natural de Tel Al Viv, Israel, Peter Buneta (baterista), junto a artistas desconhecidos de várias partes do mundo, tocando versões de canções conhecidas e composições próprias. Já foram lançados três discos: Playing for Change Live, Playing For Change 2 e Playing For Change 3, dentre outros de músicos e cantores de países de diferentes culturas musicais.

Parte dos integrantes da banda Playing For Change em visita a ONG de Cajuru, Curitiba, em 2016

Os músicos da banda ficaram famosos antes mesmo de se tornarem um grupo. Eles fizeram parte de um documentário filmado em 2004, no qual o produtor e engenheiro Mark Johnson viajou o mundo gravando pessoas cantando e tocando clássicos da música. A repercussão da interpretação de Stand by me, de Ben E. King e que também foi cantada por John Lennon, ganhou mais de 40 milhões de pageviews no Youtube. Esta canção é apenas uma do CD e DVD Playing For Change – Songs Around The World, de 2009, gravado com mais de cem artistas de 40 países diferentes.

O Playing For Change é um movimento global que usa a música e as artes para promover a cultura da paz e mudanças positivas no planeta através de duas ferramentas:

– Produção e transmissão de vídeos com músicos de rua do mundo inteiro.

– Apresentações da banda Praying For Change, formada por parte destes músicos com objetivo de gerar sustentabilidade para a Foundation e para os profissionais envolvidos.

Um empreendimento social e cultural a altura do talento do produtor e dos músicos envolvidos.

O objetivo é fazer com que as crianças das comunidades onde o Playing For Change está inserido se desenvolvam em harmonia, crescendo num ambiente que inspira paz, música e aprendizado.

No Brasil, o Instituto Playing For Change foi ao bairro de Cajuru, em Curitiba, que atende a crianças de idade entre 7 a 14 anos em seu turno escolar, oferecendo aulas que visam desenvolver cidadania, disciplina, técnica e conhecimentos instrumentais diversificados, expressões corporais e voz. A metodologia adotada pela Escola está focada em atender individualmente cada criança, respeitando sua história pessoal.

O Playing For Change Day é ação global, voluntária e espontânea de músicos engajados e comprometidos com o próximo, que abrem mão de seus cachês para ajudar na arrecadação de recursos para criação e manutenção de projetos de educação musical em comunidades de periferia – disse o produtor e idealizador do projeto Mark Johnson quando veio a Curitiba em 2016.

Visando a realização do Playing For Change Day com maior impacto e excelência, os voluntários se organizaram para promover o movimento durante todo ano através de ações de ativação e fortalecimento da marca e do conceito PFC.
A principal estratégia é convidar profissionais engajados e fãs apaixonados para fazer parte do movimento para mantê-los. Por isso criamos contra partidas que podem colaborar para o desenvolvimento pessoal e profissional deles, finalizou o Mark.

Estamos de mudança para novo local que pretende servir de ponto de encontro para voluntários do movimento e um espaço gratuito de criatividade e solidariedade para músicos e afins. Uma estratégia para atrair novos voluntários, parceiros e apoiadores; Promover network, Marketing cultural e social (Exposição arte e de serviços e produtos); Realização de eventos (workshops, treinamentos, show cases etc.) Fomentação de projetos e ações de música e solidariedade – disse Mark Johnson.

O mais impressionante em tudo isso é que todo esse projeto grandioso, criado com o intuito de unir culturas e resgatar artistas anônimos do mundo inteiro, foi idealizado por um filho do país mais reacionário do mundo: Os Estados Unidos!

Clique aqui para acessar o site do grandioso projeto sem fins lucrativos que ajuda as crianças e os artistas carentes do mundo inteiro.

Abaixo o clipe da música ON LOVE (Bob Marley/Curtis Mayfield), que faz parte do repertório da banda, um vídeo gravado em Curitiba com a ONG ligada ao projeto.

17 setembro 2018 CHARGES

CLAYTON

17 setembro 2018 DEU NO JORNAL

MELIANTE DESESPERADA

Desesperada em busca da manutenção do foro privilegiado, a senadora Gleisi Hoffmann amealhou um pequeno batalhão de ‘cabos-eleitorais’ em Curitiba, certamente pagos.

Neste sábado (15) ela saiu às ruas, microfone em punho e muita falação, enquanto a trupe que a acompanhava, abanava as bandeiras.

“Nós queremos o nosso Brasil de volta”, gritava Gleisi.

Durante toda a caminhada, a petista sentiu fortemente o desprezo das pessoas e percebeu o quanto será difícil conquistar uma vaga na Câmara Federal.

Gleisi desistiu do Senado, mas precisa do foro que o mandato de deputado federal também pode propiciar.

* * *

Tá fudida!

Aqui estou usando “fudida” no sentido de lascada, derrotada

E não no sentido do seu codinome na lista de propinas da Odebrechet, que é Amante, fudida e comida pela bacurinha e pelo furico.

Esta destacada devota da Igreja Petralhal do Reino de Lula vai tomar uma pajaraca de grosso calibre na próxima eleição.

O povo do Paraná saberá dar o troco pelas muitas merdas que ela fez e pelos muitos tolôtes orais que cagou ao longo dos últimos anos.

Xô, assombração agourenta!!!

Vai-te embora lá pras profundas dos quintos dos infernos!!!!

17 setembro 2018 CHARGES

DUKE

CINZAS DE NOSSA MEMÓRIA

É lamentável o que ocorreu no Museu Nacional, trágico!

Infortúnios acontecem. Museu pegam fogo como o Museu da Língua Portuguesa em São Paulo à alguns anos. Museus são roubados até mesmo os grandes e famosos Museus Europeus. O problema no Brasil é a recorrência disto, já virou lugar comum e, para não variar, ninguém faz nada.

A tragédia do Museu Nacional não é só culpa do Temer, aliás a parcela de culpa dele é bem pequena. Apesar das tentativas de pôr a culpa no Temer por parte daqueles de sempre, esquerda, intelectuais e o PT.

Até Dilma tisnada até a alma no incêndio do Museu Nacional tentando dar uma de boazinha e por a culpa no Temer. Ridículo!

O atual presidente tem sua parcela de culpa, afinal foi associado vip da corja que o antecedeu. Mas verdade seja dita o último presidente a destinar verbas para melhorias do Museu Nacional foi FHC, o mesmo FHC odiado e culpado de tudo segundo o PT.

O Museu estava sem alvará desde 2004, pasmem. E continuou funcionando, nenhuma autoridade estadual ou municipal fiscalizou e fez sua função de fechar o Museu por falta de alvará durante 14 anos. Daí pode-se ter uma ideai da zona que é o Rio de Janeiro e porque encontra-se na condição que hoje está.

Nem Lula, nem Dilma colocaram um centavo na preservação da cultura e da história brasileira, no Museu Nacional. Por dois motivos primeiro por que Museus como bibliotecas não votam, não dão votos e lhes causam asco e dor de cabeça.

Segundo porque este Museu ‘Nacional’ contava e registrava a história brasileira verdadeira, aquela que aconteceu mesmo e que é muito diferente da história contada e declamada pelos Petistas.

Por um lado foi bom, nunca tivemos o risco de Lula ir ao Museu Nacional enquanto presidente, imaginem se a falecida Dona Marisa entende-se que alguma joia ou obra de arte presenteada a governantes de outrora lhes pertencesse já que estavam no trono.

Poderia acabar, como tantas outras obras do acervo de Estado, no cofre da família ou no Sítio em Atibaia.

E Dilma, fazendo uma saudação a genialidade das múmias egípcias, prova inconteste da superioridade de nossos índios que supostamente teriam criado estas múmias com o propósito de conservar os corpos de nossos antepassados até que o competente SUS conseguisse ressucitá-los. Claro que as múmias vieram do Egito, 4000 anos antes da descoberta do Brasil, mas isto é detalhe. Aliás um discurso de Dilma no Museu seria épico, dificil seria deixá-la sair de lá.

Mas ‘Eles’ não foram ao Museu nem lhe deram dinheiro ou verbas, aliás Dilma reduziu seu orçamento.

Mas verbas que faltaram ao Museu Nacional não faltaram a projetos da Lei de Incentivo a Cultura tais como um filme sobre Lula, uma exposição sobre Lula, um filme sobre Zé Dirceu, shows de artistas famosos (que fazem campanha e defendem quem? O PT) e o QUEER Museu, aquela putaria que faz corar até cafetina.

Dizem que é arte. É safadeza. Em um mundo em que tudo é arte, NADA É ARTE, foi-se o talento. Daqui alguns dias cagam em uma lata e dizem que é uma obra de arte. Aliás já fizeram isto.

Filmes de auto promoção de políticos, isto é fazer proselitismo com dinheiro público. Deveria ser proibido como é proibido dar nome a logradouros com a pessoa viva.

Se Lula ou Dirceu são tão interessantes que o público pague para ver e financie a ‘obra’. Mas é óbvio ninguém vai pagar para vê-los, pelo menos ninguém em sã consciência, então dá-lhe sdinheiro público.

Resumo da ópera o dinheiro jogado, a rodo, fora pela LIC, poderia sustentar o Museu Nacional por 100 anos. E Temer? Temer não fez nada, absolutamente nada. O custo do inútil Ministério da Cultura que ele acertadamente fechou e depois voltou atrás, só em salário de cargos de confiança seria suficiente para 20 anos de custeio do Museu.

E UFRJ, outro espelho do que se transformou o Rio de Janeiro, um aparelho do PSOL. Por que a Reitoria não aportou dinheiro no Museu Nacional? Por que se a situação era caótica não interditou o Museu? Simples, incompetência e descaso.

O dinheiro que faltou para o Museu não faltou para cursos esdrúxulos como do ‘Golpe de 2016’, nem para treinamentos, encontros e capacitações de sindicalistas, sem-terra, sem-teto e sem vergonhas.

O TCU indicou que quase 100 bilhões de reais foram desviados em pagamentos indevidos a servidores públicos federais nos últimos 10 anos. Destes quase metade foi paga pelo executivo federal (Lula, Dilma e Temer). A Instituição que mais efetuou pagamento irregulares/discutíveis no executivo federal, segundo o TCU foi a UFRJ.

Agora todos são anjos, a culpa é da viúva, dizem que é autoritarismo tirar da UFRJ o Museu que ela mesma detruiu. Como um Reitor deixa aberto um Museu sem alvarás e em condições precárias. Não é autoritarismo não tirar da UFRJ o que restou do Museu Nacional.

Não é autoritarismo intervir neste pardieiro, não é autoritarismo afastar e punir a Reitoria. É o que precisa ser feito.

É o que já deveria ter sido feito. Mas que se faça agora. Antes tarde do que nunca!

17 setembro 2018 CHARGES

SPONHOLZ

17 setembro 2018 DEU NO JORNAL

FRASES

“Tenham a plena certeza de que, nesses dois anos, vou me dedicar de corpo e alma à Justiça e à Nação brasileira. A Constituição da República será meu guia”.

Dias Toffoli

“Eu chega se mijo-me todinho de tanto se rir-se-me com Toffoli”

“Toffoli: que juiz que nada! Não espere do novo presidente do STF nada mais do que ele sempre foi na vida de advogadinho do PT e de Lula, cujo grande feito na cúpula do Judiciário foi soltar seu ex-chefe Zé Dirceu, condenado por corrupção.”

Colunista fubânico José Nêumanne Pinto

17 setembro 2018 CHARGES

AMÂNCIO

FURACÃO

Está na época de furacão e tufão. Para a ciência os dois fenômenos meteorológicos têm o mesmo significado. Tempestades tropicais alimentadas por ventos fortes e traiçoeiros. A velocidade das tempestades supera os 119 quilômetros por hora.

Para a meteorologia, quando as nuvens e tempestades se deslocam de forma acelerada e violenta no Nordeste do Atlântico, o fenômeno é chamado de furacão. Mas, quando a perturbação ocorre no Nordeste do Pacífico é batizada de tufão.

Os furacões são classificados numa escala entre 1 a 5. No patamar cinco, o máximo, evidentemente, a coisa fica pretíssima. A destruição é total. A base da classificação depende da variação dos ventos. Da força da ventania. O período dos ciclones ou furacão no Nordeste do Atlântico é entre junho e novembro. Já os tufões do Pacífico costumam acontecer entre maio e outubro.

Toda vez que a temperatura do oceano subir acima do normal, 27ºC, pode resultar em furacão. A retenção de água no ar esquenta a temperatura. A água quente retida faz ser despejada em algum lugar da terra propensa a esse tipo de desastre natural.

O resultado desses desastres naturais, que sempre duram alguns dias, são sempre os mesmos. Inundação de grandes áreas, derrubada de casas, árvores, e arrastão de veículos, desabastecimento e mortes. Provocando prejuízos materiais, financeiros e humanos. Muitas lamentações.

As mais devastadoras tempestades tropicais dos últimos anos foram o Haiyan e o Katrina. O tufão Haiyan, fez miséria nas Filipinas, em 2013. As rajadas de vento superaram a velocidade de 275 quilômetros por hora. Matou mais de 6 mil pessoas.

O Katrina castigou os Estados Unidos em 2005. O desastre natural surgiu entre as regiões do Mississipi e Louisiana. Foi o terceiro pior furacão dos EUA. Dizimou 1.800 pessoas.

No entanto, antes do Katrina, passaram pelas costas norte-americanas os furacões Galveston, em 1900 que matou mais de 8 mil pessoas e o Okeechobee, em 1928 que ceifou a vida de 3 mil vítimas.

A devastação do Katrina foi tão infernal que a cidade de Nova Orleans demorou 10 anos para se recuperar da terrível destruição.

Agora, os americanos da Costa Leste, mais precisamente entre os estados da Carolina do Sul e do Norte, Virginia, Maryland e Washington DC estão sofrendo horrores com o furacão Florence. Perigoso e catastrófico. Por isso, decretaram estado de emergência.

No momento, as Filipinas também enfrentam outro fufão. É o super tufão Mangkhut com ventos a 250 km/h. Tão forte, atingiu a escala 5, perturba a vida de mais de quatro milhões de pessoas. O fenômeno apareceu neste sábado, dia 15. Já matou 14 pessoas e deixou, até o momento, 8 desaparecidos. A brutal tempestade acontece na região Norte das Filipinas.

A ciência costumar batizar os furacões com nomes masculinos e femininos ao invés de escolher nomes ou termos técnicos. A preferência é por nomes femininos. A finalidade é evitar confusões. Por serem mais fáceis de repercutir. Quem adotou esta norma foi o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos, em 1953.

Pra sorte do brasileiro, por enquanto o país anda livre dessas tormentas climáticas. Segundo os meteorologistas, o motivo é a temperatura do mar nas costas brasileiras não ultrapassar os 27ºC. Nunca passa desse limite por estar localizado na linha do Equador. Se acaso ultrapassar o limite, provoca furacão.

A última ocorrência de furacão no Brasil, batizado de Catarina, aconteceu nos litorais de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul, em 2004, castigando 40 cidades da região. O Catarina atingiu a velocidade de 180 km/h. Matou 4 pessoas, feriu 513, deixou 33 mil desabrigados e muitos prejuízos.

17 setembro 2018 CHARGES

DUKE

17 setembro 2018 COMENTÁRIOS SELECIONADOS

ÚLTIMO REDUTO

Comentário sobre a postagem SPONHOLZ

Rita:

“Lá no fundo a justiça indo embora!!

Pois é!

De hoje em diante só faremos justiça no JBF!

É o último reduto dos indignados deste país!”

* * *

17 setembro 2018 CHARGES

NANI

FRASES POÉTICAS DE MÁRIO QUINTANA

“Viver é acalentar é acalentar sonhos e esperanças, fazendo da fé a nossa inspiração maior. É buscar nas pequenas coisas, um grande motivo para ser feliz!”

“Um discurso em homenagem nossa é uma verdadeira surra às avessas: fica-se naquele estado horrível e sem palavras com que revidar!”

“Tenho uma enorme pena dos homens famosos, que por isso mesmo perderam sua vida íntima e são como esses animais do Zoológico, que fazem tudo à vista do público.”

“Quando completei quinze anos, meu compenetrado padrinho me escreveu uma carta muito, muito séria: tinha até ponto e vírgula! Nunca fiquei tão impressionado na minha vida.”

“Ah, esses livros que nos vêm às mãos, na Biblioteca Pública e que nos enchem os dedos de poeira. Não reclames, não. A poeira das bibliotecas é a verdadeira poeira dos séculos.”

“O problema da solidão não consiste em saber como solucioná-la, mas saber como conservá-la.”

“É uma barbaridade o que a gente tem de lutar com as palavras, para obrigar as palavras a dizerem o que a gente quer .”

“Por que será que a gente vive chorando os amigos mortos, e não aguenta os que continuam vivos?”

“As reticências são os três primeiros passos do pensamento que continua por conta própria o seu caminho.”

“A gente deve atravessar a vida como quem está gazeando a aula, e não como quem vai para a escola.”

“Não pense compreender a vida nos autores. Nenhum disso é capaz. Mas a medida que vivendo fores, melhor os compreenderás.”

“Nem todos podem estar na flor da idade, é claro! Mas cada um está na flor da sua idade.”

“As pessoas sem imaginação podem podem ter tido as mais imprevistas aventuras, podem ter visitado as terras mais estranhas. Nada lhes ficou, nada lhes sobrou, uma vida não basta ser vivida: também precisa ser sonhada.”

“Havia um tempo de cadeiras na calçada. Era um tempo que havia mais estrelas. Tempo em que as crianças brincavam sob a claraboia da lua. E o cachorro da casa era um grande personagem. E também o relógio da parede! Ele não media o tempo simplesmente: ele meditava o tempo.”

“Não sejas muito justo, e nem utilize sua sabedoria mais que o necessário, para que não venhas a ser estúpido.”

“O futuro é uma espécie de banco ao qual vamos remetendo, um a um, os cheques de nossas esperanças. Ora, não é possível que todos os cheques sejam sem fundo.”

“Nunca troque o que mais quer na vida por aquilo que mais quer no momento. Momentos passam, a vida continua.”

“Na simplicidade aprendemos que reconhecer um erro não nos diminui, mas nos engrandece, e que as pessoas não existem para nos admirar, mas para compartilhar conosco a beleza da existência.”

“Abraçar é dizer com as mãos o que a boca não consegue, porque nem sempre existe palavra para dizer tudo.”

“Um poeta sofre três vezes: primeiro quando ele os sente, depois quando ele os escreve e, por último quando declama seus versos.”

Mário Quintana (1906 – 1994) foi um poeta, tradutor e jornalista brasileiro. Mestre da palavra, do humor e da síntese poética, em 1980 recebeu o prêmio Machado de Assis da Academia Brasileira de Letras (ABL) pela obra total. Em 1981, foi agraciado com o Prêmio Jabuti de Personalidade Literária do Ano. Sua biografia é tão singela quanto seus poemas: não casou, não teve filhos, viveu boa parte da vida em quartos de hotéis, passeava pelas ruas de Porto Alegre como qualquer anônimo e da cidade foi figura lendária. Faleceu na capital gaúcha no dia 05 de maio de de 1994, aos 87 anos, em decorrência de problemas cardíacos e respiratórios, deixando u ma inestimável e singular contribuição para a literatura brasileira.

17 setembro 2018 CHARGES

DUKE

17 setembro 2018 DEU NO JORNAL

AMIGOS, AMIGOS, NEGÓCIOS INCLUSOS

Em um depoimento ainda inédito prestado à Polícia Federal e mantido sob sigilo, o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci apresenta novos detalhes sobre um acerto de propina envolvendo a construção de sondas de exploração de petróleo em águas profundas que seriam compradas pela Petrobras para explorar o pré-sal.

Palocci afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu priorizar empreiteiras brasileiras depois de ter sido alertado por João Vaccari, então tesoureiro do PT, de que seria mais fácil cobrar propina delas do que das empresas estrangeiras.

* * *

Procurados pela reportagem do JBF, tanto Gleisi Hoffmann, presidente do PT, quando o fubânico Luleiro Ceguinho Teimoso, adorador do PT, garantiram taxativamente que Palocci é um mentiroso.

Eu só queria mesmo era me lembrar qual foi o ministério que Italiano ocupou no governo de Amigo

Deve ter sido um ministeriozinho bem vagabundo, tipo Ministério dos Bichos e das Antas.

Italiano era o codinome de Palocci na lista de propinas da Odebrecht.

Lista na qual consta um cabra, atualmente cumprindo pena por ladroagem, que tinha o codinome de Amigo

Quem se lembrar qual foi o ministério ocupado por Italiano no governo de Amigo, avise aqui pra gente, por favor.

Ah, sim:

E também qual foi o ministeriozinho desimportante que Italiano ocupou no gunverno de Vaca Peidona.

Uma trinca do caralho!!! Um trio como só mesmo em Banânia seria possível existir

17 setembro 2018 CHARGES

RONALDO


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa