1 outubro 2018 CHARGES

SPONHOLZ

1 outubro 2018 DEU NO JORNAL

TRÊS EXCELENTES NOTAS PARA INFERNIZAR A VIDA DA PETRALHADA NESTA SEMANA

A decisão de Sérgio Moro de incluir – e dar publicidade – ao anexo 1 da delação de Antonio Palocci foi tomada em recurso apresentado pela própria defesa de Lula, que tentava suspender a ação penal até depois das eleições.

Moro indeferiu o pedido, mas entendeu necessária a inclusão das peças, para permitir o amplo exercício do contraditório por parte dos advogados.

Cristiano Zanin deve ser mesmo um agente da CIA infiltrado.

Xolinha de tabaca arrombada pela delação de Palocci

* * *

Distinção básica: Palocci não é uma ex-mulher de Lula que fez acusações em processo de divórcio que não deu em nada e hoje nega o que disse.

Palocci é ex-ministro petista que diz, confirma, indica no mínimo caminho de provas de corroboração e, se for pego na mentira, fica preso.

* * *

Gleisi Hoffmann já foi ao Twitter divulgar o “argumento” que todos os petistas repetirão sobre a delação de Antonio Palocci.

Moro divulga para imprensa parte da delação de Palocci. Não podia deixar de participar do processo eleitoral! A ação política é da sua natureza como juiz. Vai tentar pela enésima vez destruir Lula. Tudo que consegue é a autodestruição”, escreveu a presidente do PT.

Sergio Moro abriu o sigilo em recurso apresentado pela própria defesa de Lula.

Gleisi talvez devesse reclamar com Cristiano Zanin.

“Cumpanhêro, tu vai butá no meu cu. Inda bem que tem Ceguim Teimôso pra me defendê”

1 outubro 2018 CHARGES

ZOP

1 outubro 2018 AUGUSTO NUNES

A POLÍTICA EXTERNA DA CANALHICE

A fantasia de defensor da democracia improvisada por Fernando Haddad fica em frangalhos quando confrontado com a pergunta elementar: caso fosse eleito presidente, o que faria o poste fabricado por Lula para ajudar o povo da Venezuela a sobreviver a uma ditadura que sempre teve como comparsa o partido do candidato?

Aspas para a mais recente resposta de Haddad: “Os governos do PT nunca tomaram partido quando há conflito, aberto ou não, em países da região. E eu acho essa posição correta do ponto de vista da diplomacia”. Haja cinismo. Ministro da Educação de Lula e Dilma, Haddad foi testemunha privilegiada da opção preferencial pelo chavismo feita pela turma a que pertence o pau mandado do presidiário de Curitiba.

Os governos petistas submeteram-se durante 13 anos aos desejos, preferências e vontades de Hugo Chávez e Nicolás Maduro. Lula discursou em comícios de Chávez, Dilma se meteu nas campanhas de Maduro. A vassalagem chegou ao clímax quando a embaixada brasileira em Honduras foi transformada na pensão de Manuel Zelaya, o canastrão deposto depois de tornar-se um sabujo do chavismo.

Ao contrário do que recita Haddad, os governos petistas se intrometeram em todos os conflitos ocorridos na região. E invariavelmente escolheram o lado errado, aliando-se a populistas de botequim e tiranetes de galinheiro. É o que faria o democrata de araque se conseguisse chegar ao Planalto. Ele sonha com a ressurreição da política externa da canalhice.

* * *

FALTOU COMBINAR

Dirceu avisa que o PT está junto de Ciro Gomes um dia antes de Ciro Gomes avisar que não está junto com o PT

“O problema do Bolsonaro é do PSDB e do DEM. Eles que não têm alternativa. Nós, sem o Lula, temos Ciro Gomes e Haddad”.

José Dirceu, ex-chefe da Casa Civil de Lula, condenado a mais de 30 anos de cadeia por ladroagem, em entrevista ao jornal espanhol El País, antes de combinar o que diria com Ciro Gomes.

“O PT contou comigo ao longo dos últimos 16 anos. Na medida em que eles se juntam com o Renan Calheiros, que presidiu o Senado no impeachment que eles chamam de golpe, que estão juntos no Ceará com o Eunício Oliveira, não é mais possível, para mim, andar com eles na política. O PT tem feito muito mal ao Brasil de um tempo para cá”.

Ciro Gomes, candidato a presidente da República pelo PDT, em entrevista à Rádio Guaíba, antes de combinar o que diria com José Dirceu.

1 outubro 2018 CHARGES

CACINHO

1 outubro 2018 A PALAVRA DO EDITOR

SANTINHOS PROS QUADRÚPEDES

Incrível a quantidade de denúncias que estão sendo encaminhadas aqui pro JBF sobre a distribuição de santinhos de campanha, no Brasil inteiro, onde Lula consta como candidato a presidente.

Claro que é motivo de indignação.

Mas não é motivo de surpresa ou de espanto.

Em tudo que Lula e o PT estão envolvidos, absolutamente tudo, inclusive em campanhas políticas, tem safadeza no meio.

O fato é que os candidatos avermêiados contam com a estupidez dos quadrúpedes desinformados que ainda são  capazes de votar em Lapa de Corrupto, atualmente aprisionado e cumprindo pena por grossa ladroagem.

Campanha tipicamente petralhal-luleira em Minas, Alagoas e Bahia

1 outubro 2018 CHARGES

RICARDO MANHÃES

MARCOS MAIRTON – BRASÍLIA-DF

Prezados leitores,

A Associação dos Juízes Federais do Brasil – AJUFE – está lançando uma série de minidocumentários, sobre a atuação cultural de juízes federais.

O diretor cultural Ilan Presser explica a proposta nesse vídeo:

Bem, tenho a honra de ser o personagem do primeiro episódio dessa série, o qual pode ser visto a seguir:

1 outubro 2018 CHARGES

PAIXÃO

O ARADO E O ARADOR

O terreno, devastado, está à espera de quem tenha competência para cultivá-lo, tornando-o fértil e útil para quem nele vive, para quem dele depende. A nós, pobres mortais, mas ainda com poder de decisão, compete escolher o arador certo, como bem disse um Poeta amigo meu. Ter a liberdade de escolher o arado já é um grande privilégio, impensável em outros tempos. Melhor, porém, é saber escolher quem vai pilotar esse arado. Se mal escolhido, a amplidão dos sonhos, de que fala as pessoas sábias, pode transformar-se numa estreiteza em que não passe a menor das pedras que desejamos filtrar, um terreno tão árido que não aceite e impeça a floração da boa semente, que impossibilite a colheita de flores. Não quero canhões, nem porões, nem ladrões. É preciso ter cuidado. Caminhar, cantar e seguir a canção é muito bom, mas isto só, não basta. O mundo é bem mais vasto.

1 outubro 2018 CHARGES

SPONHOLZ

ARNALDO MARANGONI – PRESIDENTE PRUDENTE-SP

Ilustre Editor Berto!!!

Aqui vai uma contribuição desde o navio Titanic para o Jornal da Besta Fubana.

Recebi do colega de trabalho Noel e estou repassando..

Será um grande prazer para nós se você publicar.

Muito obrigado, grande editor!!!!!

Bom dia e muitos abraços!!!.

1 outubro 2018 CHARGES

LEONARDO

STEVE MCQUEEN, O HOMEM DA ESCOPETA

Steve Mcqueen protagonizou um papel de um ex-soldado do Exército Confederado, personagem conhecido como Josh Randall que se transformou em um ser temido, determinado e solitário caçador de recompensas. Esse personagem comum no Velho Oeste não era tolerado em muitas cidades e era visto com antipatia pela Justiça. Randall, ao invés do tradicional Colt 45, usava uma arma bastante estranha que era um rifle Winchester com dois canos, ambos cortados, e que disparavam cartuchos de diferentes calibres (.30 e .40). Medindo aproximadamente 50 cm, esse tipo de escopeta é também chamado de PATADA DE MULA. Uma arma assim especial tinha também uma cartucheira especial que Josh Randall tanto carregava na cintura ou no ombro. E o caçador de recompensas manuseava a arma com incrível habilidade e pontaria certeira.

O cineasta, cinéfilo e pesquisador Darci Fonseca estudioso da biografia de Steve Mcqueen costuma afirmar que ele tinha a indiferença e frieza de Humphrey Bogart somadas porém à rebeldia de James Dean, isto nos conturbados anos 60 em que os jovens procuravam no cinema o que haviam encontrado na música com Bob Dylan e com os Beatles. Steve McQueen parecia ser essa resposta e seu amor pela velocidade completou uma das imagem mais perfeitas de uma época. Milhões de jovens no mundo inteiro tinham na parede o famoso poster de McQueen pilotando uma motocicleta alemã, foto extraída do filme Fugindo do Inferno. Mesmo fazendo poucos westerns Steve é também lembrado como um cowboy, ainda que tenha declarado que não gostava muito de cavalos. Porém quando empunhou seu rifle(escopeta), colocou o surrado chapéu e saiu à caça dos bandidos Steve McQueen deixou uma marca muito forte e pode-se afirmar sem medo de errar que nunca houve um cowboy tão anti-herói como Steve McQueen.

Mais lembrado por seu papel em “PAPILLON” (1973), e uma série de outros filmes de ação. É considerado um dos maiores atores de todos os tempos. Em 1974, Steve McQueen se tornou o astro de cinema mais bem pago do mundo. Ele foi também um piloto ávido de motocicletas e carros de corridas. Passava os finais de semana competindo em corridas de moto. Steve também é lembrado por dispensar o uso de “dublês” em seus filmes, pois ele mesmo realizava as cenas de ação. McQueen continuou a se equilibrar entre o cinema e a TV até que tirou a sorte grande ao conseguir um dos principais papéis de Sete Homens e um Destino(1960), faroeste clássico de John Sturges, com Yul Brynner comandando um elenco repleto de outros jovens candidatos a astros, como Robert Vaughn, James Coburn e Charles Bronson.

Durante quatro anos, de 1958 a 1961, Steve McQueen estrelou a série “Procurado Vivo ou Morto” que era transmitido pela CBS sempre com ótima audiência. Esse programa transformou Steve McQueen numa celebridade interpretando o caçador de recompensas Josh Randall, sempre armado com sua famosa escopeta. Sucesso na televisão é quase uma garantia de melhores filmes em Hollywood e Steve McQueen atuou em “Quando Explodem as Paixões” com Frank Sinatra e fez o papel principal numa produção mediana intitulada “O Grande Roubo de St. Louis”. Em 1960 John Sturges estava compondo o cast para a versão norte-americana de “Os Sete Samurais” e chamou Steve McQueen para ser um dos sete homens desse western intitulado “Sete Homens e Um Destino”. Esse filme fez bastante sucesso nos Estados Unidos, e ainda bateu recordes de público em todos os países em que foi exibido, inclusive no Brasil. Depois de “Sete Homens e um Destino” Steve McQueen passou a ser um nome famoso também no cinema mas ainda não era o grande ídolo que estava destinado a ser.

Steve McQueen mesclou papeis de ação, como no filme de corrida de carros “As 24 Horas de Le Mans”, com papéis como no drama “PAPILLON”, demonstrando que, além de galã, era também bom ator. Depois de “O Inferno na Torre”, uma das melhores fitas de catástrofe realizada em 1974, onde dividiu a tela com ator do porte de Paul Newman. McQueen foi um grande aficionado da adrenalina, especialmente em automobilismo e motociclismo – no transcurso da carreira chegou a considerar seriamente converter-se em piloto de corrida. Foi amigo pessoal do mestre em artes marciais Bruce Lee, Casou-se com sua terceira e última esposa, Bárbara, em janeiro de 1980, dez meses antes de falecer.

O sucesso continuou em diversas películas bem acolhidas pelo público, com PAPILLON e logo após veio O Inferno na Torre. No entanto, McQueen era um solitário por natureza e sua insociabilidade atingiu o ápice entre 1974 e 1978, quando preferia ficar trancado em casa, bebendo cerveja e engordando. Chegou a recusar convites milionários, como atuar em “Apocalypse Now”, de Francis Ford Coppola ou trabalhar ao lado de Sophia Loren. Seu único interesse eram os carros e chegou ao ponto de pedir a seu mecânico para ler os roteiros que recebia e mostrar a ele apenas os mais interessantes. Finalmente, voltou ao cinema no fracassado “O Inimigo do Povo” (1978). Sua última atuação foi no “Caçador Implacável” (1980), já debilitado pela doença que o levaria à morte.

Steve McQueen morreu em 07/11/1980 com apenas 50 anos de idade, no “Tucson Medical Center” em Tucson (Arizona – EUA), vítima de uma ataque cardíaco (Infarto), após uma cirurgia para tratamento de “mesotelioma” (câncer na membrana que envolve os pulmões), também chamada de “doença do amianto”. Quando Steve faleceu, possuía sua própria empresa cinematográfica, a SOLAR e era um dos mais populares astros norte-americanos. O Corpo de Steve McQueen foi cremado e suas cinzas foram espalhadas no Oceano Pacífico, conforme sua vontade.

Assista ao trailer de um bom filme de guerra com esta cena histórica de uma das mais belas tomadas do cinema do meio motociclístico: Steve McQueen no filme FUGINDO DO INFERNO (Sem dúvida um dos maiores filmes da história e que ao lado de o Resgate do Soldado Ryan, seguramente, se tornaram nos melhores filmes sobre a Segunda Guerra Mundial), numa fuga mirabolante dos alemães. Uma grande cena que ficou marcada e reconhecida por grandes astros do cinema como a melhor tomada sobre duas rodas do antigo cinema. McQueen não usava dublês. Lembrando-se de que a cena se passa em 1963.

1 outubro 2018 CHARGES

LUSCAR

1 outubro 2018 A PALAVRA DO EDITOR

APELO

De ontem pra hoje, a caixa do JBF foi inundada com uma infinidade de mensagens.

Todas elas contendo material sobre as manifestações que ocorreram ontem, domingo, em favor do candidato Bolsonaro.

Com manifestação em favor do candidato Haddad só chegou uma. E esta do Haddad é o primeiro vídeo dentre os que estão no final desta postagem.

Eu gostaria de pedir que nos fosse mandado também material em apoio aos outros candidatos.

Multidões nas ruas gritando os nomes de Alckmin, de Amoêdo, de Haddad, de Marina, de Boulos, de Daciolo, de Álvaro Dias e todos os outros que almejam botar a bunda na principal cadeira no Palácio do Planalto, serão publicadas com muito gosto aqui nesta gazeta escrota.

Os eleitores destes candidatos, por favor, mandem pra cá o que bem quiserem.

Chupicleide está trabalhando a pleno vapor pra ver se consegue editar todos os vídeos, fotos e textos que estão chegando.

E isto toma um tempo danado. Mas, mesmo assim, tudo será publicado a tempo.

Por enquanto, logo a seguir estão alguns vídeos e imagens enviadas pelos nosso leitores.

Quem quiser ver mais, é só clicar aqui, num endereço enviado pelo leitor Stélio Mendonça, de Teresina-PI

1) Fernando Menezes – Campinas-SP

 

2) Magno Zara – Curitiba-PR

3) João Messias – Vila Velha-ES

4) Ignácio Travassos – Campo Grande-MS

 

5) Letícia de Moraes – João Pessoa-PB

6) Cláudio Meurer – Maceió-AL

7) Cleide Maria – Recife-PE

1 outubro 2018 CHARGES

NANI

O GORDINHO DO POSTO IPIRANGA

Placa com anúncio na entrada da Secretaria de Finanças anunciando prioridade aos velhos

O ancião Amadeu, já passando dos oitenta e lavai o trem descarrilhado, procurou a Secretaria de Finanças de determinado município do Estado de Pernambuco, localizado no litoral norte da Região Metropolitana do Recife, distante 18 quilômetros da capital do estado, para solicitar a transferência da titularidade do IPTU de um apartamento que lhe pertence de direito há mais de dez anos, mas que já havia repassado para outro proprietário formalmente há mais de oito anos.

Munido de uma cópia da procuração pública e da escritura de compra e venda do apartamento feito no Tabelionato de Notas do Município para provar que já havia vendido o imóvel a um promissário comprador, dirigiu-se ao balcão de informação da Secretaria de Finanças. Lá lhe deram uma ficha de prioridade e pediram para aguardar na fila que já passava de quinhentos velhos à sua frente para serem atendidos sobre transferência, atraso, titularidade e parcelamento de IPTU.

Sentado na cadeira, Seu Amadeu começou a perceber que a fila dos idosos não “andava”, mas a dos “normais” o painel vermelho à sua frente chamava direto! Mal os “normais” chegavam e já eram chamados e atendidos sem delonga! Vez por outra é que o encarregado do setor chamava um velhinho que já estava esperando ser atendido há décadas! “Ficha 24!” “Guichê dos idosos ou qualquer um disponível!” – Gritava.

Inconformado com aquele descaso, desrespeito, violação à lei federal, Seu Amadeu se levantou de onde estava há horas, se dirige até o balcão de atendimento e gentilmente pergunta ao atendente por que a fila dos idosos não “andava”, mas a dos “normais” parecia um supersônico. O atendente o ouviu atentamente, pediu licença e foi consultar o “encarregado do setor”. Quando retornou, chamou Seu Amadeu e, na frente da pessoa que estava atendendo, respondeu:

– O “chefe do setor” informa que desconhece essa lei federal a que o senhor se refere que dá preferência a velhos! Ele mandou perguntar se o senhor não está inventando essa tal de lei do idoso para passar as pernas nos outros velhos. Segundo ele, todos os municípios da Região funcionam assim para o público, não é agora que vai mudar! Lei de prioridade para velhos é esperar sentado! Ele mandou dizer que, se o senhor tiver se sentindo incomodado, desrespeitado nos seus direitos, procure o gordinho do POSTO IPIRANGA que ele irá lhe informar melhor. Segundo ele, “o melhor que o senhor tem a fazer é se sentar e ficar aguardando sua vez de ser atendido que ele não pode fazer nada!” E voltou a atender os “normais” que chegaram.

Passado mais de três horas de espera, o encarregado chama o número do Seu Amadeu que se levanta com dificuldade e se dirige até o balcão de atendimento. Trôpego, devido à idade, mãos e pés tremendo, lentamente Seu Amadeu vai tirando da pasta a procuração pública e o contrato de compra e venda do apartamento e entrega tudo ao atendente, pedindo para ele verificar no sistema se o IPTU daquele apartamento ainda se encontrava cadastrado no nome dele. Caso o promissário comprador não tenha feito ainda que o atendente fizesse agora porque lhe chegou à residência cobrança da Secretaria de Finanças da Prefeitura informando que ele, Seu Amadeu, estava em atraso desde dois mil e doze e que o nome dele iria ser executado, inscrito no Cadastro de Maus Pagadores do Município, SPC, SERASA, CADIN, sem contar que a Prefeitura Municipal iria publicitar o nome dele e de outros inadimplentes em “outdoor”, amparado numa lei municipal aprovada pelos vereadores à unanimidade na calada da noite, sobre o sugestivo título de Lei dos Caloteiros de IPTU e Impostos Afins!

Mexendo para cá, mexendo para lá no teclado do monitor e reclamando da lentidão, depois de muitos cliques e porradas nas teclas, o atendente imprime várias cópias do IPTU em atrasos e entrega ao ancião, alertando:

– Senhor, realmente, tem muitos anos de IPTU em atraso na inscrição desse apartamento e ainda está no nome do senhor! Agora, aqui a gente não muda não! A única coisa que a gente faz aqui é lhe fornecer o BIC (Boletim de Inscrição Cadastral). Daqui o senhor se dirige até o setor de Cartografia da Secretaria de Finanças. É lá que eles fazem a transferência de titularidade e, consultando o relógio, discorre:

– Mas é melhor o senhor vir outro dia porque já é meio dia e meia da tarde e, antes desse horário, eles encerram o expediente!

Antes de se levantar da cadeira para agradecer o atendente que compreendia não ter culpa naquela zona na Secretaria de Finanças – o descaso vem lá de cima! -, Seu Amadeu, em voz baixa, pergunta:

– Meu filho, eu sei que não é culpa sua, mas me responda uma coisa: Por que nessa secretaria tem mais gente para atender do que para ser atendida? São funcionários atropelando funcionários com todo mundo fingindo que trabalha e nada funciona?

Não gostando da observação irônica feita por Seu Amadeu, o atendente lhe pede licença e vai perguntar ao “encarregado do setor”. Quando retorna lhe responde com as palavras ipsis litteris ditas pelo “chefe comissionado encarregado do setor:”

– Senhor, o “Homem” mandou dizer para o senhor que o sistema sempre funcionou assim desde que Cabral pisou aqui. Tudo isso sempre foi cabide de empregos dos apadrinhados do prefeito eleito. É o chamado toma lá! Dá cá! E se o senhor tiver se sentindo incomodado, ultrajado nos seus direitos procure o gordinho do POSTO IPIRANGA para reclamar para ver se ele lhe dá a solução! E encerrou a conversa!

1 outubro 2018 CHARGES

GUABIRAS

1 outubro 2018 A PALAVRA DO EDITOR

SAUDADES DO PÉ DE CEDRO

Este departamento de música aqui no JBF é com o competente Peninha, o homem que tem o mais fantástico e bem organizado acervo de músicas deste nosso Brasil.

E por isso, claro, Peninha só poderia mesmo estar dando expediente aqui nesta gazeta escrota e sendo colunista do jornal mais eclético do mundo!

Mas vou dar uma de inxirido e, aqui no espaço do editor, não vou deixar passar em branco este vídeo que encontrei por acaso em minhas andanças internéticais.

Trata-se de um vídeo que me trouxe à lembrança o tempo em que eu tinha meus 18/19 anos e, distante do meu nordeste de nascença, cumpria o serviço militar em Goiás, onde tomei conhecimento e ouvi pela primeira vez a música sertaneja de raiz, um gênero de excelente qualidade.

Dentre estas músicas, uma em particular me tocava a sensibilidade e atiçava muito as saudades do meu distante torrão.

Era uma composição intitulada Pé de Cedro, de Zacarias Mourão e Goiá, interpretada pela dupla Tibagi e Miltinho.

Um poema comovente e muito bonito, cuja letra, pro meu gosto particular, eu acho simplesmente genial.

Pois na na semana passada, futucando no Google, encontrei esta música que me trouxe gratas recordações.

Mandei o vídeo pro Peninha examinar e me dizer quem estava nele.

E o nosso colunista assim me respondeu:

Quem está no vídeo são: Francis Douglas da Cunha ou Francis Jr., filho do Amaraí.

O próprio Amaraí e entre os dois é o Tibagi da dupla Tibagi e Miltinho, que participa do vídeo declamando.

Em 1967 Belmonte e Amaraí lançaram o primeiro LP, no qual o sucesso da faixa título “Saudade de minha terra” se encarregou de imortalizar a dupla.

Foram mais de 1.650.000 cópias vendidas, número até hoje raramente igualado.

A dupla Belmonte e Amaraí teve curta duração pois, Belmonte faleceu em 09 de setembro de 1972 em acidente de carro.

Tibagi, que era parceiro de Miltinho, faleceu em 12 de maio de 2015 aos 87 anos.

E aqui a gravação original com Tibagi e Miltinho:

1 outubro 2018 CHARGES

CAZO

DELMIR LETUCCI – MACEIÓ-AL

Caro editor,

Esta é uma sugestão para os amigos fubânicos.

Entrem no Google, a página internacional de buscas, e digitem esta frase:

pior prefeito do Brasil

Me digam o que é que aparece.

Grande abraço para todos!!

1 outubro 2018 CHARGES

CLAYTON

EPISÓDIO COM REPENTISTAS DA ANTIGA GERAÇÃO

Certa vez, viajavam juntos os repentistas Romano do Teixeira (1840-1891), Germano da Lagoa (1842-1904), Ugolino Nunes da Costa (1832 – 1895) e Mufumbão (não dispomos de dados sobre esse poeta).

Ao sentirem sede, pediram água numa casa situada à margem da estrada e foram recebidos por uma formosa jovem que, ao atendê-los dispensou-lhes um cativante e espontâneo sorriso. Romano imaginou um mote e foi glosando de imediato:

No riso de uma mulher:

“Oh grande Deus, eu não sei
Se terei na sepultura
No peito da criatura
Que no mundo mais amei!
Em breve abdicarei
Tudo que na alma tiver…
Porém, se o Eterno quiser
Dar-me o céu esse primor!
Eu aceito, mas, se for
No riso de uma mulher,”

Propondo aos companheiros que o seguissem.

Assim o fez Germano da Lagoa com a estrofe:

Muito breve hei de baixar
A vala triste e comum!
De desgosto levo um:
O de não poder amar!
Morto não pode gozar
Um só momento sequer!
Porém, se o Eterno quiser
Prestar-me alguma atenção,
Eu aceito a salvação
No riso de uma mulher.

Ugolino, acompanhando o exemplo dos colegas, brilhou com os seguintes versos:

Para me ver premiado
Com o céu, depois da morte,
Vivo assim, ao léu da sorte,
Castigando o meu pecado.
Sou muito desconfiado,
Mas se esse prêmio vier,
Se o Pai Eterno me der
O céu, na vida futura,
Eu aceito essa ventura,
No riso de uma mulher.

Mufumbão estava separado de sua mulher porque a mesma, utilizando um tipo de disfarce, tentou envenená-lo com erva de rato e por isso pediu para ser dispensado. Mas, por insistência dos colegas, acabou desabafando, a seu modo:

Mulher, animal ingrato!
Sabem o que me sucedeu?
A minha, um dia me deu
Sopa com erva de rato;
Eu morreria de fato,
Se não olhasse a colher…
Sentindo um gosto qualquer
Depois que verifiquei.
Foi o mais leve que achei
No riso de uma mulher.


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa