A pornografia explícita constante da última prova do Enem me deixou indignado.

Pornografia carnal e pornografia político-ideológica.

Mais indignado ainda foi ver gente defendendo, justificando e explicando esta absurda putaria pedagógico-didática de cunho tipicamente zisquerdal petralhar.

A internet está cheia de radicais desmiolados aplaudindo esta fantástica irresponsabilidade do nosso Ministério da Educação.

Fiquei perplexo com tudo o que li aqui na telinha do meu computador de gente defendendo, explicando e justificando esta patifaria.

Francamente, como pai de um menino de 11 anos que, em breve futuro, vai começar sua luta para entrar numa universidade, fiquei imensamente preocupado.

Preocupado com o que aconteceu e com a constatação de que moro no mesmo país e respiro o mesmo ar de gente que aprova e aplaude este tipo de barbaridade.

Inclusive aqui no JBF:

“Esse troço envolvendo o linguajar Pajubá é puro terrorismo cultural, que floresce em uma sociedade arrastada para correntes de pensamento característicos do modo de ser fascista.”

Puta que pariu!!!!!!!!!!!!!!!!!!

É phoda!!!!!!!!

A cacetada que esta turma levou na última eleição presidencial – eleição que mostrou claramente o repúdio do povo brasileira à herança maldita do PT -, deixou desnorteados os fanáticos das esquerdas, inconformados e furibundos com a benéfica onda conversadora e moralizadora que varreu o país.

E que, todos nos torcemos pra isto, irá nos levar ao caminho certo e evitar que uma prova de acesso ao ensino superior se ocupe de pornografia explícita. seja pornografia carnal ou seja pornografia político-ideológica.

Pela importância do tema, vale a pena repetir dois vídeos já publicados neste JBF com o pensamento do Prof. Marco Antonio Villa sobre o assunto.

5 Comentários

  1. Caraca, se eu tivesse feito o ENEM eu teria tirado ZERO, nem sabia que existia esse tal dialeto. Ainda bem que na minha época existia um vestibular que conferia se o estudante conseguiria entender as matérias do curso que pretendia fazer. No meu caso Engenharia Mecânica que com certeza esse tal dialeto não teria utilidade.

  2. Vila é um dos maiores líderes da “onda conversadora e moralizadora que varreu o país”.
    Vai conversar assim lá na puta que o pariu.
    Já Berto, com seu linguajar desbocado, terá seu dialeto utilizado como tema em questões linguísticas e linguarudas do próximo ENEM.
    E para completar, um dos maiores viados que conheci na minha vida era engenheiro mecânico e falava pajubá correntemente!

    • Graças a Deus os viados que conheci falavam portugues fluentemente. Creio que agora vão ter que fazer um curso intensivo desse tal dialeto que o Goiano domina uma vez que sabe que o tal engenheiro mecânico viado falava o tal dialeto corretamente. Eu com certeza não saberia nem mesmo se o cara não havia tido um AVC e estava pedindo para o levarem para o SUS.

      • Bolsonaro está mostrando que não é preconceituoso e já botou um monte de mulheres na equipe dele. Tem um negão que ele elegeu deputado federal. Os próximos passos serão chamar um viado para ministro e incluir o pajubá no currículo escolar e nos concursos públicos. Por isso,o Jornal da Besta Fubana estará publicando talvez hoje mesmo o Novo Dicionário de Pajubá, para os leitores irem se atualizando e quando chegar em 1º de janeiro de 2019 já estarem com meio caminho andado para serem todos, inclusive tu, viados.

  3. Há um pouco de histeria e muita burrice nessa história do tal pajubá! Alguém por favor me mostre qualquer frase, qualquer palavra, qualquer vírgula que diga ou insinue que o candidato deveria saber (ou aprender) essa linguagem de veados! Aconselho a todos que leiam a questão antes de falar bosta! E antes que eu me esqueça, a veadama que se foda!

Deixe o seu comentário!


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa